A Menina que Roubava Livros

A Menina que Roubava Livros Markus Zusak




Resenhas - A Menina que Roubava Livros


2736 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Víviann 10/10/2017

Um livro, um acordeão e algumas palavras.
Essa é uma daquelas histórias que desejamos que fossem reais, no entanto ao reler percebi que ela nunca poderia ser real. O mundo não merece uma Liesel Meminger. É uma pequena história, sobre:
Um Jesse Owens com cabelos cor de limão, cujo o último pedido nunca irei esquecer "Que tal um beijo, Saumensch?".
Um armário que adorava falar "Saukerl" e "Saumensch", porém que soube amar de uma forma que ninguém vai conseguir entender.
Um lutador judeu que enfrentava Hitler na escuridão e cujos olhos foram incendiados pelas estrelas.
Um acordeonista que adorava fumar, cujos olhos feitos de prata derretida enfeitiçaram uma linda menina.
Uma ladra que soube odiar e amar as palavras ao mesmo tempo, que encontrou em livros mais que uma pequena história, mas uma felicidade roubada.

Por fim esse livro é como poucos, te faz rir, chorar e odiar, mesmo que sua história não seja exatamente real, ela está viva, dentro de mim e de vários outros leitores que arriscaram ouvir a morte narrar. Agora não vejo mais um céu a cima de mim, mas um mundo feito de cores, as quais eu nunca ousei notar. Conheço novas palavras (para ser exata 81 palavras em alemão) e escolho estas para acabar a minha resenha.
"Odiei as palavras e as amei, e espero tê-las usado direito"- A menina que roubava livros.
comentários(0)comente



Claris Ribeiro 03/10/2017

Triste e emocionante
O livro conta a história de Liesel Meminger, que vive na Alemanha nazista. Sua mãe, uma possível comunista, não tinha condições de cuidar dos filhos, então os mandou para um lar adotivo para dar uma melhor vida a eles. Porém no meio do caminho à sua nova família, Liesel encontrou com a morte pela primeira vez; seu irmão, que já estava doente com uma terrível tosse e sem medicamentos adequados, não suportou e foi enterrado no meio do caminho, durante seu sepultamento, Liesel encontrou o livro O manual do coveiro, na época a garota ainda não sabia ler, mas o guardou como único vínculo da sua família biológica.

Hans e Rosa Hubrmman se tornaram a nova família de Liesel, a relação era meio conturbada, mas ao longo das páginas podemos notar um amor especial entre eles, especialmente entre Hans, que virou o seu melhor amigo e foi quem ensinou a garota a ler. Mas o modelo de ensino na era Hitler era muito criterioso, as pessoas só podiam ler o que Füjer mandasse, então, Liesel buscou novas alternativas e foi atrás de novos livros.

A cidade era toda comandada por Hitler, seus soldados faziam uma fogueira e queimavam tudo que não era permitido por Füjer, isso é, muitos livros. Então foi daí que a garota começou a buscar novas histórias.

A Menina que Roubava Livros é uma grande obra, um livro realmente lindo e emocionante, uma história de amor muito diferente das outras, de um amor puro e verdadeiro.

A história é narrada pela morte, e a escrita de Markus consegue te tocar de uma forma impressionante.

Creio que escrevi pouco pelo o que a história tem a oferecer, mas sei que muitos já conhecem, e os que ainda não leram, que vá desfruta-la da forma que deve ser, saboreando cada momento mágico, triste e emocionante.

site: http://www.plasticodelic.com/2013/08/resenha-menina-que-roubava-livros.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Milla Alves 25/09/2017

"Odiei as palavras e as amei. Espero tê-las usado direito".
“A menina que Roubava Livros” é o meu livro favorito, desde 2012. Não é fácil listar todos os motivos, mas terminei o livro com aquela tristeza habitual de despedida, somada a uma sensação, que me acompanha até hoje, de totalidade. Talvez porque a história do nazismo sempre mexe muito comigo, talvez porque laços entre irmãos tenham um lugar reservado no meu coração. Talvez seja o fato de entender com propriedade as amizades improváveis, ou por nunca compreender o ódio em sua forma mais irracional. Talvez por entender que laços são criados também na dor.
Ou, por fim, seja o fato de enxergar a face da morte de outro ângulo e respeitá-la ao ponto de entender a sua existência. Porque aprender a agradecer o que é bom em meio a tanto caos te torna, senão empática com a vida, ao menos madura com ela.
comentários(0)comente



Bells (Attraverso le Pagine) 22/09/2017

Liesel Meminger é uma menina esperta e curiosa que vê sua vida mudar completamente ao ter de deixar a mãe para viver com Hans e Rosa Huberman - seus agora pais de criação - em meio à Alemanha nazista de Hittler. E para suportar toda a dor que a guerra lhe trouxera - e que ainda iria lhe trazer nos anos seguintes à sua chegada na casa 33 da rua Himmel -, Liesel se encontra no mundo das palavras e dos livros, tornando-se uma roubadora de livros.

“Quando viesse a escrever sua história, ela se perguntaria exatamente quando os livros e as palavras haviam começado a significar não apenas alguma coisa, mas tudo [...]”
(Markus Zusak, p.31)

Seu primeiro “crime” fora o furto do Manual do coveiro, livro que encontrara no dia do enterro de seu irmão, e desde então, a menina não parara mais: de “roubar” livros e de lê-los.

Com a ajuda de Hans Huberman, um verdadeiro exemplo de pai e amigo, e de tantos outros personagens cativantes que encontramos no decorrer na narrativa - esta realizada pela própria morte -, Liesel descobre o poder que as palavras possuem, sejam eles bons ou ruins.

“Sim, o Führer decidiu que dominaria o mundo com palavras [...]”
(Markus Zusak, p.386)

Mais do que um livro sobre a História, este é um livro sobre uma menina descobrindo o mundo, com seus horrores e momentos de alegria, valores familiares, de amizade e de companheirismo. E talvez por isso, eu não consigo escrever muito sobre ele: por ele ser tão incrível a ponto de me faltarem palavras para expressar o quanto a história é boa nos mais diversos sentidos.
E não somente a história em si, mas também a forma como ela é conduzida, com uma narração quase que “poética”, diferente de tudo que eu já li (ainda mais por ser narrado pela morte), sendo praticamente um livro dentro de outro livro, cuja história ficcional - porém baseada em fatos - de Liesel vai se entrelaçando à verdadeira história do nazismo e da Segunda Guerra Mundial.

Este é com certeza um livro que deve ser lido por todos, sem exceção, seja você um entusiasta de História ou não. E eu só me arrependo de não ter lido esta obra literária magnifica há mais tempo, pois sem dúvida teria gostado tanto quanto gostei dela agora.
Fica aqui então minha dica de leitura ;)

site: http://attraverso-le-pagine.blogspot.com.br/2017/09/resenha-livro-menina-que-roubava-livros.html
comentários(0)comente



Gih 10/09/2017

Saudadeeeeees
Muitas saudades desse livro, um amozinho e com certeza o meu xodó!!! Foi o livro que despertou o desejo de leitura em mim, meu primeiro livro(que consegui ler até o fim) e eu me apaixonei por essa história!!! Ri, Choreeei.. e com certeza vou ler novamente!
comentários(0)comente



Bruna 10/09/2017

A menina que roubava Livros
A menina que roubava Livros conta a historia de Liesel Meminger, agarotinha que começou a roubar livros quando ainda nem sabia ler, e foram varios ao longo de sua trajetoria de infância . A história é narrada pela morte. Leitura maravilhosa!!
comentários(0)comente



Lizandra.MacAdo 10/09/2017

A menina que roubava livros
O melhor livro da vida, li em apenas 3 dias, passava as madrugadas lendo, sou incrivelmente apaixonada!
comentários(0)comente



Ellenzinha 09/09/2017

Bem, eu demorei 5 meses para ler esse livro porque não foi uma história que me prendeu, mas vale a pena para quem gosta de filmes de estilo de guerra, misturado com romance. Tentei me prender, mas sempre ficava cansada. Confesso que o que mais prende é o fim... QUE FINAL! Mas, mesmo com um final espetacular, eu não deixaria ele em minhas estante.
comentários(0)comente



Andreluizdsg 07/09/2017

Beleza e poesia em meio à Dor e a Guerra
Singelo, poético é humano. O autor cria uma história de dor e esperança através dos olhos de uma garotinha que aprende, nas palavras dela, a amar e odiar as palavras. E é com esses sentimentos, um olhar demorado sobre as cores e um narrador pouco comum mas sempre presente que somos apresentados a pequena grande Liesel e suas aventuras com livros, um acordeão , cabelos cor de limão e um judeu em plena Segunda Guerra mundial dentro da Alemanha Nazista.
comentários(0)comente



Sr.Jean Vieira 06/09/2017

TENHO DÓ DA MORTE, POR VIVENCIAR ESSAS HISTÓRIAS.
Outro livro que me fez chorar.
No começo achei confuso, mas no desenrolar da história, me encantei por essa menina e pela sua nova família. Um livro incrível , onde faz a gente refletir sobre o nosso passado.

Parabéns a Markus Zusak por essa obra.
comentários(0)comente



Wellington Wanderley 01/09/2017

LEITURA 32/2017: "A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak" ⭐⭐⭐⭐⭐
LEITURA 32/2017: "A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak" ⭐⭐⭐⭐⭐
.
A melhor releitura de 2017! Uma história profundamente humana! Um registro irônico e perplexo contado pela Senhora Morte sobre a violência e o ódio guardados entre os lençóis fúnebres das ideias nazistas. .
Uma história sobre o aniquilamento de inimigos inocentes, sobre o sofrimento das famílias alemãs pobres e a amizade e esperança que os livros podem trazer no meio da fumaça da guerra.
.
Um casal alemão com um coração feito de compaixão, uma menina apaixonada pelas palavras e um ser humano indefeso perante um monstro de bigode liderando uma nação inteira feita de cegueira raivosa e uma animalesca mentira sobre superioridade de raças.
.
#ConfrariaLiteráriaGracilianoRamos #LeituraComoEstiloDeVida #ameninaquerouvavalivros #MarkusSuzak#Intrinseca #Leitura #Ler #AmoLeitura #AmoLivros #livros #ViciadosEmLivros #Literatura #Kindle #KindleBrasil #ConfrariaLiterariaGracilianoRamos #Blogueiro #LeiturasDeWellingtonWanderley
comentários(0)comente



Israel.Costa 31/08/2017

Meu Coração seguirá inspirado em Liesel, Hans e o menino com o cabelo cor de limão..
Se eu Israel, pudesse escrever uma carta para Liesel seria:
Liesel querida, na sua história que a morte leu e me contou, encontrei com você uma enorme vontade de deixar meu coração sempre falar mais alto. Sei que no tempo que você viveu o ser humano assustou mais, porém, ele continua sim deixando rastros de ódio e segregação. A sua história permanecera na minha mente em todas as vezes que eu tive que fechar o livro e chorar baixinho, quando acabei trocando os livros de fisiologia da biblioteca pela sua humana história e quando tive que refletir o ser humano que me tornei... Você foi uma roubadora de livros e de corações. O significado das palavras Nazismo depois de todas as pesquisas que fiz estão em minha memoria.Junto com você senti o cheiro do horror de dachau, mas olhe as suas boas lembranças também ficaram, quem sabe um dia consiga ser dez por cento do ser humano que seu papai foi. Ele foi o personagem mais nobre que já tive o prazer de conhecer. Ah, sem esquecer de Rudy, talvez seja uma pessoa como ele que eu queria encontrar para mim. As lagrimas que hoje estão aqui e só uma despedida da sua história que entreguei na mão da minha mãe.
Vi você mais de três vezes, vi você em mim, muitas vezes.
Um abraço. ISRAEL. 31/08/2017.
comentários(0)comente



Biblioteca Mágica 22/08/2017

Aaah Liesel....
Eu amo a Liesel, ja assistir o filme varias vezes e não canso.
Depois dessa comovente história, passei a me insteressar pelas historias com temas voltados ao Holocausto.
Quando comprei o livro imaginei que ela era uma furtadora fina e Assídua de livros, porém durante a trama, não foram mais que três, Liesel nem se quer sabia ler e nem maldade tinha no coração.
A história era sobre outra coisa, A segunda guerra Mundial. Sobre ser entregue por sua mãe para ser adotada por uma família estranha, para não morrer. Sobre perder pessoas. Um baque para mim.
comentários(0)comente



Sapeka! 08/08/2017

A menina que roubava livros
Sinopse: Durante a Segunda Guerra Mundial, uma garota chamada Liesel, filha de uma comunista e perseguida pelo nazismo, é enviada com seu irmão para o subúrbio pobre de uma cidade na Alemanha nazista, onde um casal se dispõe a adotá-los. Ajudada por seu pai adotivo, ela aprende a ler e partilhar livros com seus amigos, incluindo um homem judeu que vive na clandestinidade em sua casa. .💁A história é narrada pela "Morte", que pelo fato de Liesel ter escapado três vezes da mesma, tem bastante interesse na ”sobrevivente”. #Ameninaqueroubavalivro é mais do que uma ficção da Segunda Guerra, é o vislumbre de como a literatura pode aliviar o sofrimento das pessoas.

site: https://www.instagram.com/p/BW0quyGlu_3/?taken-by=sapekaindica
comentários(0)comente



2736 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |