A Menina que Roubava Livros

A Menina que Roubava Livros Markus Zusak




Resenhas - A Menina que Roubava Livros


2870 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


AmigoAquiEstou 21/04/2019

Canal AmigoAquiEstou
Instagram ou YouTube
comentários(0)comente



Nat: 16/04/2019

Emocionante
Gostei muito. É uma história desenvolvida lentamente, o q faz com q a gente se aproxime dos personagens ao conhecer o seu dia a dia. Nos mostra um pouco da "realidade" da Alemanha nazista, e como algumas pessoas mesmo sendo parte dos "privilegiados" ainda assim tinham suas dores e dificuldades.
comentários(0)comente



Djeni 11/04/2019

O primeiro!!
Foi o primeiro livro que li na vida, quando ainda estava no Ensino Fundamental da Escola.
Confesso que demorei um bocado pra concluir a leitura, afinal, foi o meu primeiro né.

Mas simplesmente amei.
Quando chegou no fim então?!!! Deu vontade de começar de novo só pra reparar melhor em cada detalhe.

É uma leitura ótima, mas eu sou suspeita para falar. Esse tema sempre mexe muito comigo e leio tudo relacionado à guerra.

Enfim, vale a pena.
comentários(0)comente



DuinneBlyth 03/04/2019

Embora muitos não gostem do início, foi justamente o que me prendeu. Narrado pela Morte, eu devo admitir que esperava que o enredo fosse triste o tempo inteiro, mas, por mais que as situações assim fossem, a história se desenvolve com alguns alívios cômicos. A protagonista Liesel é uma menina curiosa e corajosa, filha de mãe comunista, que vive na Alemanha Nazista e acaba adotada por um casal peculiar. Ao longo da história, Liesel  vai se adaptando a sua nova família e amigos numa trama emocionante e linda. Além disso, de maneira fortuita, Liesel não resiste ao ímpeto de roubar livros em determinadas situações porque, de certa maneira, eles resgatam uma memória que mantém, mesmo que minimamente, uma segurança diante desse contexto de diáspora e guerra. Esse é um livro que pretendo ler novamente, no entanto, bem ciente de que farei isso em casa e longe da inesperada vergonha que passei no ônibus ao chorar com o final que me afetou tanto. De qualquer forma, é um ótimo livro! Afinal, ?quando a morte conta uma história, você tem que parar para ouvir?, mesmo que, na pior das hipóteses, você aprenda vários palavrões em alemão.
comentários(0)comente



Wayne 03/04/2019

Os seres humanos me assombram.
A guerra sempre é fonte para muitas produções, sejam estas científicas ou literárias, que promovem uma evolução na humanidade. O tipo de evolução compulsória que não temos opção de escapar, logo me sinto melhor após ler esta obra. O período da Segunda Guerra mundial protagonizado por um ser mitológico como a morte e uma jovem criança que tantos infortúnios passa é de fazer-nos pensar em como vivemos nossas vidas. Liesel após ser recebida por seus novos pais e antes de uma tragédia ,porém com a vida acompanhada por acontecimentos fortes para seu circulo tem o melhor de todos os finais que já vi em um livro que aborda este tema. Super recomendo a leitura.
comentários(0)comente



Ana 31/03/2019

Simplesmente fabuloso.
A menina que roubava livros, conta a história de Liesel Meminger, narrada por ninguém mais, ninguém menos do que a própria morte. Por diversas vezes, a morte parecera tomar uma forma mais humana, demonstrando sentimentos como raiva, esgotamento, tristeza, repulsa, curiosidade e medo. Acredito, que o autor quis trazer uma certa vulnerabilidade a um ser tomado em diversas religiões como frio e obscuro. Sem sentimentos que possui apenas uma finalidade, limpar a face da Terra com sua foice, sem contestar. Liesel aprendera com a morte, sem mesmo notar, que a mesma a observava com maestria, e a morte também aprendera muito com a mesma, levando em consideração o fato de que a mesma apenas procurava uma forma de liberdade para o esgotamento que a abatera após milhares de anos, presa em um ciclo, vendo a vida surgir e então se deitar em seus braços.

Então, sua história vale a pena de ser contada pela própria morte?
comentários(0)comente



Baby 29/03/2019

Poesia
Com a morte narrando a história de Liesel você entende a profundidade de tudo que se passa ao redor da garotinha alemã de 9 anos.
O livro trás uma escrita poética, onde se faz necessário entendermos que pior do que a morte, vestida com sua capa e carregando a foice, é o ser humano que faz do mundo uma máquina de morrer.

O livro se passa durante a segunda guerra, mais ou menos de 1939-1943, onde Liesel é separa de sua mãe - Comunista - e presencia a morte do seu irmão. Nesse momento Liesel tem sua vida transformada para sempre e faz seu primeiro roubo. A partir desse momento ela passa a viver com Rosa e Hans, seus novos pais. Em especial esse seu novo pai, da a Liesel um dos maiores presente que ela poderia ter ganho, que transformou sua vida e a salvou, que foi aprender a ler/escrever.
Daí em diante a história discorre e vale a pena todos conferir e sentir na alma cada trecho poético escrito por Markus e a morte.
comentários(0)comente



Mallú 19/03/2019

J'ai lu...
Queridos leitores...
Como começar a descrever Liesel e a sua relação com a Morte?
A narrativa de Zusak nos guia por um labirinto emocional e renovado, criando questionamentos sobre as nossas percepções de vida e morte. A lealdade com os absurdos que foram cometidos durante a Segunda Guerra criam um impacto significativo, especialmente porquê eles são mesclados à camadas de ficção que nos encantam por sua beleza, empatia e sinceridade.
Os terrores da guerra são explicados pelas palavras de Zusak de uma forma doce e inocente, descortinadas pelas incertezas e incompreensões da infância.
(A resenha de "A menina que roubava livros" está bem mais completa lá no meu blog. E eu também publiquei uma teoria sobre os livros da protagonista. Digita "Liesel" no nicho de busca do meu blog e dá uma checada na teoria.)

site: https://malluamabili.blogspot.com/2018/02/jai-lu-menina-que-roubava-livros-markus.html
comentários(0)comente



Lu Moraes 15/03/2019

"Os seres humanos me assombram"
A menina que roubava livros - Markus Zusak
Intrínseca, 480 páginas
Nota: ? 4,5.

O que falar de um livro cuja narradora é a própria morte? Em A menina que roubava livros (La ladrona de libros, em espanhol) a morte é muito diferente daquela imagem retratada em forma de caveira ou com capuz e foice. Ela na realidade se mostra muito mais sensível que grande parte da humanidade, sobretudo num período de guerra como é o contexto da obra.

O início do livro me deixou meio confusa e não me chamou tanta atenção. Não sei se devido a narradora tão peculiar ou se eu não estava num bom momento. Porém a partir de certo ponto a narrativa se tornou tão interessante e envolvente que era difícil parar de ler.

Esse livro me trouxe sérias reflexões sobre o tipo de pessoa que eu quero ser para as outras, como devo tratar e me importar com o meu semelhante. E quando digo semelhante me refiro a todo tipo de pessoa, sem distinção.

O enredo se passa no período da Segunda Guerra Mundial, na Alemanha nazista. É chocante ver como a humanidade foi capaz de tantas barbaridades. Devido esse contexto fortíssimo em muitos momentos ficamos com um nó na garganta ao ver a pureza e inocência dos nossos protagonistas, Liesel e Rudy, num período tão triste e avassalador como a guerra.

Meu sentimento ao terminar de ler esse livro, com lágrimas nos olhos, foi o mesmo expressado por nossa narradora, a morte: "Os seres humanos me assombram."
comentários(0)comente



Cyn 14/03/2019

Uma leitura prazerosa demais para por em palavras.
comentários(0)comente



Patty Pizarro 13/03/2019

Belo
Livro maravilhoso, mas difícil. Impossível descrever o que senti ao ler sabendo que não é todo fantasia. Uma mistura de raiva e incredulidade que, sem dúvida, existe em qualquer um com o mínimo bom senso. A narradora dessa história tem razão quando diz que os seres humanos são assombrosos. É difícil, até hoje acreditar que essa guerra aconteceu.
comentários(0)comente



Violet 11/03/2019

Interessante.
É um livro belo. Prendeu minha atenção do começo ao fim. Me fez rir, chorar e amei cada um dos personagens com seu jeitinho próprio.
comentários(0)comente



Reh 10/03/2019

Que livro ?
Simplesmente amei esse livro e o final é demais, sem palavras pra descrever
comentários(0)comente



Brener 09/03/2019

PERFEITO
Não tenho palavras para descrever quão rica e profunda é a história. Não só a história mas a forma como foi contada, tudo perfeito e maravilhoso. A escolha da Morte como narradora também é fantástico, enriquecendo a trama.
Amei e vou lê-lo novamente.
comentários(0)comente



Rafaela 08/03/2019

Devastada
Meu Deus.. esse foi um livro difícil de ler.
Ganhei esse livro de presente e por muito tempo tentei lê-lo mas nunca engatava. De fato o começo é bem difícil e a história por vezes acaba sendo cansativa, mas na hora em que você entende os personagens a leitura fica muito cativante.
É difícil eu realmente me apegar a personagens (em 10 anos de leitura me apeguei a pouquíssimos) mas me pergunto se é possível alguém não se apaixonar por Hans, Rosa, Max e principalmente Rudy. Eu consegui ver a alma desses personagens e entender que eles não eram perfeitos mas eram bons. Eu me apaixonei por Rudy e todos seus momentos altruístas,por Max e suas histórias, por Rosa e seu jeito estranho e demonstrar amor e Hans por entender tão bem Liesel e amá-la de um jeito invejável.
Recomendo o livro para pessoas que querem aquecer seu coração e também parti-lo (pois algumas cenas realmente me deixaram com nós na garganta e olhos ardendo).
Amei muito.
comentários(0)comente



2870 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |