A Menina que Roubava Livros

A Menina que Roubava Livros Markus Zusak


Compartilhe


Resenhas - A Menina que Roubava Livros


2855 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Jose.Carlos 18/02/2019

Breve relato.
Leitura muito arrastada e chata (Risos). A questão do narrado ser a morte nos deixa entusiasmado, contudo, logo perde a graça.
comentários(0)comente



Déborah 18/02/2019

Comovente
É uma historia de uma menina que foi adotada por una família nos tempos do nazismo .
Uma história narrada pela morte ,onde a pequena menina que se apaixonou pelos livros , sofria muito para se adaptar em ligar desconhecido .
Mas mesmo assim tinha pessoas que lhe amava ,ela só precisava de tempo para entender isso.
Viu a morte de seu irmão, viu q destruição do seu lar e viu a morte levar seus pais e amigos.
Uma história cheia de descobertas e perdas.
comentários(0)comente



Gabrielle 17/02/2019

um dos melhores livros que eu já li.
comentários(0)comente



Michartx 13/02/2019

O livro desde o ínicio já me chamou atenção pelo fato de ser ambientando durante
a Alemanha Nazista. Assim que comecei a leitura, não consegui parar. Porém, no meio do livro achei que, por um curto período, ele ficou um pouco cansativo, mas mesmo assim poressegui e, sem dúvidas, cheguei a conclusão que é um dos melhores livros que já li.

Achei super original um livro sendo narrado pela morte! Me emocionei muito com a história de Liesel.

Sobre o desfecho do livro, achei um pouco decepcionante. Esperava algo diferente, mas valeu apena a leitura, me arrependo de não tê-lo lido antes.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Sara.Bandeira 08/02/2019

Maravilhoso!
Odiei o filme, não porque sou do tipo que sempre odeia os filmes dos livros, mas porque o filme mostrou apenas mais uma história de uma menina em um contexto de guerra e perseguição aos judeus. O livro é infinitamente mais do que isso. É sobre como livros transformam vidas. É sobre uma menina que se apaixona por livros porque eles, de início, são a única coisa que àquela altura de sua vida ela pode chamar de seu. Mas não para por aí. A personagem é de uma coragem linda e de uma história inspiradora que nos ensina que não importa o que aconteça, se temos um livro, jamais estaremos sós.
comentários(0)comente



João 01/02/2019

Meu coração tá quebrado em mil pedaços e eu não sei se algum dia ele vai voltar ao normal
comentários(0)comente



Bea 25/01/2019

Puro e simples
"Uma pessoa triste tentando fazer outra pessoa triste sorrir, isso se chama amizade, a verdadeira amizade".

Um livro que tem como foco principal a amizade, a amizade verdadeira entre os personagens do livro, entre Liezel e Rudy, que encontram um no outro motivos para continuarem a serem crianças sonhadoras mesmo sob as circunstâncias desafiadoras que se encontram, entre Liezel, Hans e Rosa, seus pais adotivos, que apesar de, inicialmente, a adotarem apenas pelo dinheiro, desenvolvem laços mais fortes do que aqueles baseados no sangue e com Max, o judeu escondido no porão que os ensinam sobre a esperança.

É um livro que, mesmo se passando na Alemanha em plena Segunda Guerra Mundial, não tem o nazismo como o plano principal, mas sim suas consequências reais em pessoas reais, pessoas com as quais conseguimos nos identificar, não caricaturas ou idealizações, pessoas com qualidades e defeitos, com válvulas de escape, como o roubo de livros, por exemplo, que tentam viver o dia de hoje esperando por um amanhã melhor.
comentários(0)comente



Ryan.Siilva 25/01/2019

A menina que roubava livros
?RESENHA?

? ANÁLISE ESTÉTICA DO LIVRO:
A capa das duas edições é simplesmente esplêndida, reflete sem sombra de dúvidas a história e a diagramação considero básica, mas que retrata bem o que o autor quer nos repassar.

? ANÁLISE DA NARRATIVA:
A narrativa do livro é feita em 3° pessoa, pelo anjo da morte e a curiosa menina que escapou dele várias vezes. Rica em detalhes e com descrições impecáveis, diria que não havia maneira melhor de contar essa história.


? ANÁLISE GERAL DO LIVRO:
O livro conta a trajetória de Liesel meminger, desde sua mudança para morar com pais adotivos, até a sua esplêndida descoberta no mundo da leitura, como também o seu estado ao findar a guerra. Uma personalidade forte era inserida em sua lista de qualidades, refletida desde o ambiente familiar no qual vivia, com uma uma mãe rude e um pai desespregado, viviam a mercê da miséria. Em meio uma vida monótona, tudo parece mudar quando um judeu refugiado da guerra se abriga na casa dela, e uma provida amizade entre eles nasce, apegada demais a Max e sabendo ela que um dia teria que dizer adeus, Liesel se ver em uma montanha russa de emoções quando seu querido amigo Rudy é recrutado. A beira de melancolias e sentimentos intensos essa trama nos faz mergulhar como é viver a tensão das pessoas daquele período de tempo, com um final de partir os nossos corações e uma pitada de quero mais nos despedimos de Liesel e todos esse fabulosos personagem.

Com descrições milimétricas sobre a 2° guerra mundial, Zusak nos faz pensar que estamos realmente naquela época, em meio a tantos dramas e catástrofes pelas quais Liesel passa, sorrimos, ficamos temerosos e principalmente choramos, nos causando uma imensidão de sentimentos.



NOTA:?????
comentários(0)comente



Paloma | @eusou.paloma 24/01/2019

sempre levarei essa história comigo
Simplesmente não consigo escrever uma resenha decente para esse livro, tamanha a emoção que sinto quando penso nele.
Como já sabemos, o livro conta a história da querida Liesel, uma menina alemã que mesmo com a idade de 10 anos já havia sofrido belas rasteiras da vida e que foi forçada a se tornar uma sobrevivente do seu tempo.
Uma das coisas que chama a atenção no livro é o fato de termos uma visão sobre o que se passa na cabeça de uma criança alemã durante o Nazismo. A ingenuidade tão presente ao ver os judeus e não entender o porquê essas pessoas são cruelmente separadas da sociedade. O fato da fome ser uma amiga íntima de todos que Liesel conhece. De enaltecer um homem sem realmente ter conhecimento da realidade.
Porém, melhor do que ter essa visão infantil, é acompanhar o desenvolvimento da menina durante a história, de ver o seu pequeno cérebro e seu pequeno coração finalmente entendendo a realidade devastadora. De acompanhar o sofrimento tão presente.
Digo com certeza que o mais amei nesse livro foi a narração feita por ninguém mais, ninguém menos do que a própria Morte. Isso permite que tenhamos contato com a maioria das personagens, suas histórias e seus finais, de uma maneira leve, pesada, simplesmente única. Markus Zusak utiliza uma linguagem extremamente poética que deixa tudo mais sentimental e emocionante.
Lendo a última linha desse livro eu tive uma certeza, a certeza de que sempre levarei essa história comigo. No meu coração. No seu lugar de direito.
comentários(0)comente



Lele 23/01/2019

Emocionante
Fiquei aflita o livro todo, incrível e lindo.
comentários(0)comente



Gabriel 22/01/2019

bom
Não é muito complexo mas a história é cativante, eu diria que é simples e suficiente para despertar o gosto pela leitura de qualquer um.
comentários(0)comente



João Vitor Pereira 20/01/2019

A primeira vez que tentei ler A Menina Que Roubava Livros foi em 2011, mas hoje vejo que a causa para abandonar a leitura naquela época, foi por ser imaturo. Aí veio a adaptação, junto com uma febre de outras adaptações e era uma boa hora para tentar mais uma vez, se não fosse a pilha de livros que havia para eu ler também, pois foi bem quando eu comecei a me interessar bastante em livros. Atualmente, estudando para o vestibular, foi um momento em que achei propício para reler, tendo em vista o contexto que o livro se passa; enfim, terminei.

A história aqui contada se passa na Alemanha nazista, antes e durante a segunda guerra mundial, e conta a história de uma garotinha alemã chamada Liesel Meminger. Filha de mãe comunista, Liesel é destinada a casa dos Hubberman, sua nova família adotiva. Ela acaba perdendo seu irmão caçula Werner para a Morte no caminho de seu novo lar em Molching na rua Himmel, onde se passa todo o contexto social da história e onde ela vai à escola, assim como faz amizade com o vizinho Rudy Steiner, se torna ajudante de sua mãe, ao levar as roupas passadas para a casa do prefeito, que ela começa uma amizade com a mulher dele, Ilsa Hermann, e o tamanho dessa amizade é demonstrada no fim da história. Junto com seu novo papai Hans Hubberman e sua nova mamãe Rosa Hubberman, Liesel tem um segredo, eles esconderam um judeu, Max Vandenburg, para poder ajudá-lo, devido à uma antiga promessa feita por Hans Hubermann a mãe dele, o que traz uma amizade muito linda para a vida de Liesel e mostra que nem todos os alemães eram a favor do nazismo. O mais inovador em A Menina que Roubava Livros é com certeza a narradora, que se apresenta de forma quase que humana e se mostra realmente muito presente naquela época cruel, A Morte. Liesel se torna interessante para a Morte, pois acaba escapando dela três vezes, algo no mínimo raro. Impressionada, a ceifadora de almas decide com seu humor sardônico, nos contar sua trajetória.
Quando a Morte conta uma história, você deve parar para ler.
Liesel tendo sua vida abalada pela morte do irmão, acaba roubando um livro durante o enterro dele, este que serviria de consolo e a traria uma atração extrema por livros, que é inserida de maneira muito legal na história, a amizade com Ilsa Hermann, por exemplo, também chamada de Frau Hermann, onde Liesel entrava na biblioteca de sua casa por uma janela, e roubava livros. Sendo privada de uma educação, a menina, então com 10 anos de idade, ainda não sabia ler, mas seu novo papai, acaba lhe ensinando, e ela passa a entender que palavras podem mudar ou até mesmo destruir o mundo. A partir de então, Liesel terá que superar mágoas passadas ao mesmo tempo que se vê em meio a novos sentimentos e ainda ser forçada a lidar com sua perigosa situação junto com todos ao seu redor.
Uma última nota de sua narradora: Os seres humanos me assombram.
A história narrada pela Morte sobre a história de Liesel Meminger é tão bela e leve, que se torna até poética. O autor quis transmitir ao leitor o quão terrível foi a guerra de modo geral, que ao começar a ler e se deixar envolver pela singela história não irá se arrepender, o começo é um pouco parado, pois é algo do tipo um relato da adaptação de Liesel com a sua nova vida, mas a perspectiva da Morte junto das memorias de uma criança é o que transforma está escrita em algo muito singelo. E digo que vale a pena a leitura, pois este livro se tornou um dos meus preferidos.

site: https://entretrechosecapitulos.blogspot.com/2018/07/resenha-menina-que-roubava-livros.html
comentários(0)comente



Fernanda 20/01/2019

Não sei porque demorei tanto pra ler
Queria guardar todos os personagens num potinho!
Me apaixonei por cada um deles e chorei muito nos últimos capítulos..
tava precisando de um livro assim. Muito amor por Liesel!
comentários(0)comente



Debs 17/01/2019

Encantadora Liesel
Sei que há muitas resenhas sobre este livro, e que milhões de leitores já leram a muito tempo. Mas o que ocorreu e que eu não me interessava nunca por este livro (que louca).

A princípio, a leitura foi difícil para compreensão, mas ao decorrer dos capítulos, fiquei cada vez mais presa a história da Menina que roubava livros.

Sua coragem, determinação para o que queria, me trouxeram grandes ensinamentos. Sua lealdade e forma de expressar os sentimentos me encantarão de tal forma que posso dizer com clareza que Esse livro se tornou um dos meus favoritos.
Markus Zusak criou uma bela história.
Dany 17/01/2019minha estante
Ola, como faço para ler ?


Debs 17/01/2019minha estante
Tenho o Livro Físico, mas a diagramação estava muito pequena, então baixei em PDF (gratis) pra auxiliar a leitura
Fluiu muitíssimo bem
Mas tenho certeza que você vai gostar, pois tem bastante parte que nos fazem refletir essa liberdade que temos hoje nos expressar.




2855 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |