Virgem

Virgem Radhika Sanghani




Resenhas - Virgem


19 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


spoiler visualizar
comentários(0)comente



ThaynA.Zendron 20/04/2020

Minha opinião foi:
Legal, mas sem novidades, livro leve para distrair.
Em alguns pontos pode ser divertido/interessante.
comentários(0)comente



14/09/2019

perdi o sono as 5:00 🕔 da “MATINA”, então resolvi terminar a leitura de VIRGEM que é bem gostosinha de ser feita.
〰️ Aqui temos Elli Koistaki, uma universitária de 21 anos que está prestes a concluir o curso de literatura inglesa, desesperada pra perder a virgindade. Decidida a mudar essa situação em 4 meses teremos uma Elli em situações engraçadas, “dramáticas” pra que isso aconteça. Em alguns momentos dei boas risadas, compartilhando de momentos e dúvidas que ela enfrentava 🤭🙃. Aquelas dúvidas que hoje soam tão bobas mas que todas já tivemos 🙃😁. 📖apesar de tratar do tema com uma pitada de humor, o livro deixa a velha e sábia mensagem: NÃO IMPORTA A OPINIÃO ALHEIA, O QUE IMPORTA É VOCÊ SE SENTIR BEM COM VOCÊ MESMA! 👊🏽
Ah! Em alguns trechos achei as atrapalhadas bem cara de Bridgestone Jones.
comentários(0)comente



Mayhara 20/04/2019

Eu achei que seria um livro engraçado e bem humorado, mas não achei nada disso.

Em algumas situações achei a mocinha bem infantil e boba. Por favor, a pessoa não precisa ser sexualmente ativa para amadurecer!!

Não achei nada de engraçado, acho que seria melhor se a fica etária dela fosse menor.

Para quem é virgem e tem essas dúvidas, pode ser bem didático. Enfim, não curti, não.
comentários(0)comente



Mayhara 20/04/2019

Eu achei que seria um livro engraçado e bem humorado, mas não achei nada disso.

Em algumas situações achei a mocinha bem infantil e boba. Por favor, a pessoa não precisa ser sexualmente ativa para amadurecer!!

Não achei nada de engraçado, acho que seria melhor se a fica etária dela fosse menor.

Para quem é virgem e tem essas dúvidas, pode ser bem didático. Enfim, não curti, não.
comentários(0)comente



Renata 25/09/2018

Quando vi a capa e sinopse deste livro, imediatamente me interessei por ele. Nunca li nada desta autora, na verdade nunca tinha ouvido falar dela, então este livro foi mais uma daquelas leituras no escuro para mim.

Aqui nós conhecemos Ellie Kolstakis, uma jovem de 21 anos descendente de gregos, que está prestes a terminar a faculdade. Até aí Ellie é uma garota como outra qualquer, mas ela acredita ter um problema que a difere das outras garotas de sua idade e de seu círculo social: ela é virgem. Ela acredita que já passou da hora de deixar de ser virgem, e pretende “resolver seu problema” até o término de sua faculdade, dali alguns poucos meses.

O desejo de Ellie, além de ter um namorado para chamar de seu, é poder se encaixar nas conversas de suas amigas e colegas, que sempre têm alguma experiência empolgante sobre sexo para contar.
Ellie é divertida e atrapalhada, ao mesmo tempo em que se mostra bastante carente.

Nossa protagonista não viveu boas experiências e, seus quase relacionamentos, e isto, além de terem a deixado ainda mais insegura, a deixaram com alguns traumas.

O livro é recheado de cenas hilárias, e com certeza as cenas de depilação são as melhores. Tudo aquilo que você não imagina que possa acontecer, acontece nessas cenas. Ellie vive todo um dilema, além de mostrar o quão desconfortável pode ser uma depilação.

Ellie vive suas aventuras ao lado das amigas Emma e Lara. Ela inclusive cria um blog com Emma para tentar dar apoio e esclarecer dúvidas às garotas que estão na mesma situação que ela: são virgens.
Enquanto acompanhei todo o dilema e falta de sorte de Ellie, me vinha a dúvida de se ela queria deixar de ser virgem apenas por ela mesma, ou se ela queria fazer sexo apenas para se encaixar com as outras garotas. E é aí que o livro traz uma reflexão: sobre quantas coisas fazemos apenas para sermos vistos pelas outras pessoas com outros olhos.

Ao meu ver a virgindade de Emma não era nenhum grande problema, embora ela se sentisse triste por não ter encontrado ninguém para se relacionar, e muitas vezes apenas se enrolasse com suas mentiras sobre já ter feito sexo. O maior problema da personagem era sua falta de sorte para relacionamentos, e talvez por estar tão focada em querer conhecer alguém , ela acabava não aproveitando e curtindo sua vida.

O livro é escrito em primeira pessoa, com Ellie nos contando detalhes de suas aventuras, medos, sonhos e frustrações. E ela ainda está enfrentando o fato de estar a procura de um estágio, e esta procura parece ser tão difícil quanto a de encontrar um cara legal.

Algo que gosto muito, é quando os personagens conseguem aprender com seus erros e amadurecem. Ellie conseguiu amadurecer no final do livro, mas achei tudo muito rápido, em questão de meia dúzia de páginas e sem uma passagem de tempo considerável, ela já havia superado tudo e enxergando sua vida sob uma nova perspectiva. O legal é que a autora tratou o tema “sexo sem compromisso” sem ser um tabu, colocando muita leveza ao falar disso.

Fiquei sabendo há poucos dias que há uma continuação para este livro, o que me deixou bem contente, pois o final deste livro pede realmente uma continuação.

No fim foi uma leitura ótima de se fazer.

site: Visite o blog: https://blogeverythingbutthebooks.com/2018/09/13/resenha-virgem-de-radhika-sanghani-por-editora-rocco-radhikasanghani-editorarocco/
comentários(0)comente



La Oliphant 30/05/2018

“A todas que já sentiram a dor de uma depilação a cera”. Se você já não sentiu vontade de ler esse livro apenas por causa dessa frase, eu não sei mesmo o que tem de errado com você. Virgem é o primeiro livro de uma série – ou – trilogia de mesmo nome que caiu no meu colo graças a editora Rocco. Eu confesso que não sabia o que esperar da leitura, mas o título e a sinopse foram mais do que suficientes para me instigarem. E não é que valeu a pena? Radhika Sanghani é dona de uma escrita divertida e sua personagem Ellie reúni TODAS as inseguranças que uma garota pode ter na vida, inclusive sobre perder a sua virgindade.

Eu não esperava me divertir tanto com uma leitura, muito menos conseguir me identificar tanto com Ellie mas, a magia da escrita de Sanghani está nos diálogos e situações maravilhosas que ela cria para o seu enredo, tornando a Ellie uma personagem real, muito parecida com qualquer garota que, um dia, se sentiu insegura sobre qualquer coisa na vida. O enredo tem um desenvolvimento rápido, mas não chega a ser corrido a ponto de incomodar o leitor. Além disso, a autora compensa as pequenas falhas do livro com situações inusitadas e diálogos que não tem como você segurar o riso.

Queria muito chamar atenção para o fato de que Virgem é um livro sobre inseguranças e a necessidade que nós temos de ser aceitos por outras pessoas. Ellie é a personificação de todas as inseguranças que nós mulheres tivemos ou ainda vamos ter na vida e talvez seja por isso que eu me identifiquei tão rápido com ela. Radhika Sanghani criou uma personagem que deseja ter o controle da sua própria sexualidade, porém, seus medos e receios são tantos que ela acaba metendo os pés pelas mãos mais de uma vez tentando acertar. E quem nunca errou não é mesmo?

“- Pare já de se sentir mal com você mesma, Ellie Kolstakis – ela disse, imitando uma mãe, antes de apoiar a caneca e me olhar nos olhos. – Quando você não está reclamando de como sua vida é medíocre, você é engraçada e muito divertida. Por isso acho que você deveria tomar um banho e sentar comigo no sofá para assistir aquela nova série pela qual todos estão obcecados e depois nos arrumarmos para a festa. Que tal?!”

O ponto forte do livro é perceber como a Ellie sofre com os padrões, com as coisas que ela acredita que devem ser o certo e a forma como a rejeição a afeta. Eu gostei muito da construção da personagem ao longo do livro. Sanghani teve todo um cuidado para manter a personagem o mais real possível, fazendo-a passar por experiências que todas nós, mulheres, já passamos um dia e aprendendo a ganhar sua própria autoconfiança. Quando você acha que o enredo é apenas sobre “perder a virgindade”, Sanghani faz você perceber que as inseguranças de Ellie são muito mais profundas do que ela mesma – a personagem – percebe.

Eu tenho muitos problemas com narrativas em primeira pessoa, não vou mentir. Ficar na cabeça de Ellie o tempo todo às vezes era um pouco cansativo, mas a autora compensa muito com os diálogos do livro, que são ótimos. Os personagens secundários também não deixam a desejar, e a autora não perde tempo em explorar o relacionamento de Ellie com suas amigas e também com o “boy” por quem ela acaba se interessando na história. Eu gostei que ela não tenha deixado ser algo superficial, focando a penas na virgindade em si, mas também dando um background emocional para o interesse romântico e as amigas de Ellie.

“- Desculpe, Ellie – ele balbuciou e parou. Respirou fundo e continuou. – Eu acho que sou gay.
– O QUE? – Soltei um grito agudo. – Você é gay? E acaba de me beijar? Porque? Ai meu deus! Eu fiz isso?”

Virgem foi uma das experiências de leitura que eu mais gostei este ano. Essa escrita leve com diálogos que me fizeram rir até a barriga doer eram tudo o que eu estava precisando ultimamente. Radhika Sanghani pegou um tema “complicado” e o desenvolveu com uma maestria sensacional, envolvendo o leitor de tal forma que você não consegue largar esse livro de jeito nenhum. Mal posso esperar para que o segundo livro chegue logo no Brasil para que eu possa descobrir o que essa personagem vai aprontar a seguir.

site: https://www.laoliphant.com.br/resenhas/resenha-virgem-radhika-sanghani
Isabella 18/09/2018minha estante
undefined




Paulinha 04/05/2018

Engraçado
Apesar de achar a personagem principal muito desperada kkkk e meio irresponsável achei a história hilária... ri em vários trechos em que ela tem neuras ( que eu tive sério kkkk). É um livro gostoso de ler e a leitura desliza fácil kkkk. Recomendo.
comentários(0)comente



BiaNolli 24/03/2018

Um livro adorável com o qual toda garota vai se identificar
Um livro divertido e rápido de ler, que e narra a aventura de Ellie em busca da perca de sua virgindade. Uma história com a qual várias garotas podem se identificar através de suas dúvidas, atrapalhadas e aquele momento de aceitar o que aconteceu e rir dele. Além de mostrar uma história em caminho a aceitação do próprio corpo e a sexualidade, aceitando e conversando sobre tabus que estamos inseridas no dia a dia.
comentários(0)comente



Ani 24/03/2018

Virgem é o primeiro contato que eu tive com a escrita da autora Radhika Sanghani. A obra foi lançada pela Editora Rocco e conta a história da jovem Ellie Kolstakis. Ela tem 21 anos, tem ótimas amigas, possuí um espaço só dela, tem uma mãe bacana e uma boa condição financeira, ela deveria dar graças aos céus por ser tão privilegiada. Mas tem um “problema” que a acompanha desde de sempre: ela é virgem.




E antes de qualquer coisa, eu quero deixar bem claro que tá tudo bem ser virgem. E tá tudo bem não ser também. O mais importante de tudo é você estar bem consigo mesmo. E é esse o problema de Ellie, ela não está bem com essa situação. Ela não se encaixa no seu grupo por não ter a mesma experiência que eles, então, além da nossa protagonista ir atrás de algum estágio, emprego ou até mesmo terminar o trabalho final, ela fica obcecada em perder a virgindade e transforma isso em sua grande meta.
Ellie agora tem quatro meses para que o seu grande dia aconteça. E nós vamos acompanhando isso durante a leitura. Ela é engraçada, dramática e totalmente desastrada, por causa de alguns empecilhos do passado, ela acaba ficando traumatizada e tenta das piores maneiras possíveis aprender como deve se comportar na “grande noite”.

“Eu realmente tinha muita autopiedade e ficava choramingando por aí, além de ser egoísta. Mas não éramos todos?”

O mais legal em Virgem é que como é narrado em primeira pessoa, parece que Ellie tá conversando conosco, desabafando todos os seus problemas – e que problemas – e isso torna a leitura super fluída. Tão fluída que eu li o livro em dois dias e só não li em um só porque parei para ver um pouco de série.
A escrita de Radhika é ótima! Descritiva no ponto certo e fiquei muito feliz em ver que ela deu atenção para todos os personagens secundários da obra.
Virgem foi um livro que me tirou da mesmice e me fez passar horas rindo e torcendo pela personagem. No decorrer de sua saga, Ellie percebe que não existem sites, revistas ou qualquer outro meio de comunicação que fale sobre assuntos para mulheres virgens ou inexperiente. Tudo que é encontrado (seja texto ou filmes) são feitos pensando no prazer masculino, então ela resolve criar – com uma de suas melhores amigas – um Vlog, na verdade ele é um Blog mas ela chama de Vlog com V maiúsculo pois é para tratar sobre vagina. O que eu achei sensacional, ela e Emma falam sobre depilação, medos tentativas que deram erradas e coisas do tipo, eu achei a ideia super maneira e válida, é sempre bom ter um canal para esse tipo de troca.




O livro parece ser até bobinho e muita gente pode deixar para lá, mas por favor, se tiverem a oportunidade: LEIAM! É uma ótima história, você vai rir com as trapalhadas de Ellie, vai querer matar ela também, vai pedir pra ela parar com o drama e acima de tudo, vai torcer muito por ela.
A mensagem que a obra me trouxe com certeza foi que é essencial se sentir bem consigo mesmo. Que se dane o que os outros estão fazendo, todo mundo já tentou fazer parte de uma panelinha, mas nós somos mais que um grupo. Somos ótimos individualmente e quando tentamos nos igualar seja com roupas ou depilação à cera (tem que ler para entender) apagamos o que temos de melhor.
Estou MUITO feliz de ter feito essa leitura e ela está mais que aconselhada.


“Você precisa ter mais autoconfiança, querida. Aceite seu corpaço e desfrute das curvas.”

site: http://www.entrechocolatesemusicas.com/2017/10/virgem-radhika-sanghani.html
Lili 13/07/2018minha estante
Achei o conceito de virgem da autora furado mas tudo bem a maioria pensa igual,KKKKK




Jô_Sattler 03/03/2018

Fugindo dos rótulos...
Gostei bastante do enredo do livro, a forma como é tratada a expectativa que as pessoas se enquadrem ao suposto conceito de normal, como o fato de aos 21 anos não deveríamos ser mais virgens ou que no período da faculdade precisaríamos aproveitar bastante antes de chegar na fase adulta.
Percebo no livro uma forma criativa e humorada de nos fazer querer fugir dos conceitos predeterminados pela sociedade e aceitar as escolhas dos outros e nossas sem julgamentos.
No meu ponto de vista, foi um bom livro com uma pegada simples e divertida.
comentários(0)comente



Jeny 28/01/2018

Virgem- Radhika Sanghani
O livro em si é bom, é engraçado e gostei bastante dos personagns, uma coisa que me incomodou um pouco foi o fato da protagonista querer perder a virgindade a todo custo, como se aquilo fosse um fardo pra ela, teve vezes em que chegou a ser irritante, mas tirando isso foi um livro bom de se ler, recomendo.
Lili 13/07/2018minha estante
Achei tudo uma grande bobagem,essa estória de uma virgem de araque.KKKK




Deb 24/01/2018

Nunca me diverti tanto em uma leitura!
"Virgem" é minha primeira leitura de 2018, e um grande acerto. Era um livro do qual eu estava precisando. Ellie Kolstakis é uma protagonista incrível. Por que? Ela é real. Insegura sobre si mesma desde a adolescência, ela cresceu a sombra do status de virgem, enquanto o mundo só parecia falar sobre sexo o tempo todo. A empatia é conquistada nas primeiras páginas, um grande acerto da autora, Radhika Sanghani, que aliás tem uma escrita sensacional.
Em seu último ano na faculdade de Literatura Inglesa (#radardeleitor), Ellie está decidida a perder a virgindade. É agora ou nunca. A trama gira em torno de suas tentativas, mais conhecidas como desventuras, de achar o cara que tope "ir pra casa com ela". Mas o livro é muito mais do que isso.
Primeiramente porque é um livro que constrói, ao longo das páginas, força e empoderamento feminino. Somos apresentados a Lara e Emma, duas amigas de Ellie. Cada uma é diferente da outra, mas a cumplicidade entre elas é extremamente forte. O tipo de amizade que todas as mulheres deveriam ter umas com as outras. Aliás, "Virgem" é um livro que diz muito sobre sororidade.
Em segundo lugar, porque é um livro que discute tabus e os transforma em motivo de muitas risadas. Você pode esperar situações hilárias sobre sexo, virgindade e pelos pubianos. Muitos pelos.
O próprio tema trazido no título do livro é assunto pra muitos questionamentos pessoais. Por que virgindade é um problema? Por que ser considerado estranho? Por que você tem de ter motivos para ainda ser virgem?. O livro acaba se tornando uma viagem de auto-descobrimento e aceitação, tanto da personagem como do leitor.
Em uma geração acostumada com literatura hot, "Virgem" é um raio de luz na escuridão. Mesmo que seu lançamento venha de alguns anos atrás, sua importância é vital nos dias de hoje. Ele nos deixa a esperança de encontrar mais obras de tamanha coragem e originalidade.

Se você é jovem ou não; virgem ou não; mulher ou homem. Leia este livro e se liberte dos preconceitos. E garanto, você não irá se arrepender.



site: https://malaparticular.blogspot.com.br/2018/01/resenha-virgem-radhika-sanghani.html
comentários(0)comente



Yume13 01/01/2018

Leitura obrigatória para meninas adolescentes e jovens adultas
Comecei a ler esse livro porque a história tratava de um assunto muito interessante, a virgindade na vida adulta. E me surpreendi ao ver que nesse livro muito mais assuntos interessantes do universo feminino são tratados. Através da protagonista, uma virgem de 21 anos, que não sabe quase nada sobre sexo, somos levados numa viagem de auto-descobrimento e aceitação. Queria ter lido esse livro quando eu ainda era adolescente, pois ele levanta questões que atormentam a vida de nós meninas e mulheres principalmente durante a adolescência: pelos corporais, sexo, virgindade, depilação, masturbação. Aprendemos com as hilárias experiencias da personagem principal, a aceitar nosso corpo como ele é. Que coisas como, depilação, pelos e sexo são só da sua conta e de ninguém mais. Que devemos nos depilar ou não , fazer sexo ou não, por que queremos e não por medo de rejeições, ainda mais rejeições masculinas. De forma simples e engraçada, a personagem principal aprende a se amar, acima do amor ao sexo oposto. E todos esse assuntos e muitos outros, são tocados de forma natural e confortadora. Se eu fosse adolescente, ao ler esse livro, me sentiria mais aceita e tranquila, sabendo que não era a única menina do mundo a ter certas neuras e paranoias em relação a sexualidade. E também aprenderia mais rapidamente a lidar com meu próprio corpo e aceitar, principalmente os tão temidos pelos.
comentários(0)comente



LOHS 17/12/2017

Que livro maravilhoso!
Gente, que livro incrível! Eu amei cada segundo que passei lendo essa obra de arte. Ele não é nenhum Nobel de Literatura, porém é um livro divertido que tem muito o que a ensinar a todas as garotas por aí que - como eu - possuem muitas perguntas e poucas respostas!

"A todas que já sentiram a dor da depilação a cera."

Ellie Kolstakis é tem uma missão: depois de passar momentos constrangedores no consultório da universidade, nossa protagonista não quer saber de mais nada a não ser tirar a palavra VIRGEM de seu prontuário. "Meu segredo humilhante estava ali capturado no meu registro médico e a Dra. E. Browns ficaria sabendo. Eu nem sequer sabia o que o E no nome dela significava, mas ela estava prestes a descobrir que, nos dois anos e meio em que eu estava na universidade, nem um único garoto quis tirar minha virgindade. Nem eu. Eu tinha vinte e um anos e ainda era virgem.", p. 7

Com a ajuda de sua melhor amiga, Lara, as duas partem em uma missão: encontrar um cara no bar que poderia retirar o hímen que assombra todos os pensamentos de Ellie nesse último ano de faculdade. Ellie teve experiências ruins no começo de sua descoberta do mundo sexual, por isso ficou traumatizada e constrangida consigo mesma. Por isso, tudo o que aconteceu depois foi confidenciado para sua melhor amiga. As duas, no entanto, parecem entrar num desentendimento.

"- Você realmente procurou conselhos sobre virgindade na Wikipedia?
- Viu como estou desesperada?" Lara e Ellie, p. 29

Perceba, Lara está cansada de escutar o quanto tudo é difícil para Ellie. E Ellie precisa que Lara escute o que tanto a atormenta. A amiga diz palavras duras, revelando tudo no que acredita. Ellie, no entanto, não leva isso numa boa. As duas passarão por um período afastadas, no qual Ellie descobrirá mais sobre o mundo e mais sobre si mesma. Com o grupo de amigos da faculdade, ela começa uma amizade com Emma, uma jovem de 23 anos que entende muito bem do assunto que assombra Ellie!

Apesar de ter começado a amizade com uma mentira, as coisas entre as duas começam a evoluir e Emma se torna alguém em quem nossa narradora pode realmente confiar. Juntas, elas discutirão questões muito importantes a respeito de sexualidade, estigmas, preconceitos, autoestima e curiosidades.

"- Acho que estou mais bonita do que jamais ficarei.
- Você precisa ter mais autoconfiança, querida. Aceite seu corpaço e desfrute das curvas." Ellie e Emma, p. 68

Em uma festa, Ellie finalmente consegue se apresentar para um cara que possivelmente pode ser mais do que ela imaginou. Jack, cinco anos mais velho e potencialmente o pênis que realizará o desejo de Ellie. Essa jornada, no entanto, será um pouco mais complicada do que ela poderia imaginar. "- O que temos aqui é um típico caso de expectativas pouco realistas que a Disney me deu." Emma, p. 91
A jornada para a perda da virgindade de Ellie será recheada de autodescoberta, coragem e micos. Momentos que você jamais se esquecerá, querida leitora, porque eles podem - também - ter acontecido com vocês!

Chega o momento de preparar os pelos pubianos para o primeiro encontro de Ellie e Jack. Isso, no entanto, acaba gerando um brainstorm em Ellie e Emma e as duas decidem que podem, muito bem, começar um projeto anônimo sobre o assunto. Uma virgem e uma sexualmente ativa escrevem para todas as garotas que alguma vez já entraram em pânico por quaisquer assuntos relacionados à vagina! Depilação, menstruação, sexo, pelos, dores, métodos contraceptivos, enfim... tudo e mais um pouco.

"Somos parte de uma geração que foi muito mal influenciada pela mídia, mas também da geração de mulheres que têm mais oportunidades que suas mães e avós." EK e EM, p. 108

Assuntos que deveriam ser completamente naturais e normais, sofrem com tabus, preconceito e pouca informação disseminada nacionalmente. Muitas garotas não conhecem seus próprios corpos por conta de tradições machistas que perduram até hoje nas raízes de nossa criação.
"Explorar seu próprio corpo é sempre saudável, não importa quanto alguém possa te dizer que é 'sujo', 'errado', ou mesmo 'pecaminoso'." EK e EM, p. 164

Aprendendo das formas que pode, Ellie nos ensina lições importantes: nunca economize no salão, pesquise e estude assuntos sobre os quais se aprofundar e, não esqueça, o cara que tira sua virgindade pode não ser seu príncipe encantado!

Acho importante destacar aqui também que Ellie não está vivendo apenas para perder sua virgindade, sua vida continua acontecendo. Ela se inscreveu para estágios, está super empenhada no projeto do vlog e tem um trabalho de conclusão de curso para entregar. "Eu não era uma escritora de merda. Eu era mesmo boa naquilo que mais gostava." Ellie, p. 135 Tudo isso torna o livro engraçado, verossímil e extremamente importante para ajudar nossas adolescentes a darem seus passos com mais segurança no mundo sexual.

"Sorri para mim mesma, percebendo o quanto havia crescido nas últimas semanas. Eu, Ellie Kolstakis, não odiava mais olhar no espelho. Estava finalmente deixando a minha angústia adolescente para trás, e desabrochando como mulher." Ellie, p. 210

A jornada de Ellie me lembrou muito o Viva a Vagina, lançamento da Companhia das Letras, que está aí para te dizer tudo o que você não faz ideia sobre a sua vagina. Também me lembrou dos excelentes posts do Buzzfeed a respeito de formatos dos lábios, perguntas frequentes respondidas por ginecologistas. Enfim, um mundo, como EK e EM apontaram que torna o acesso a informação muito mais rápido, porém ainda pouco divulgada.

Com uma narrativa divertida, dinâmica e muito instrutiva, Ellie lutará contra a virgindade e nós poderemos dar boas risadas nessa jornada de autodescoberta e aceitação que tanto tem a nos ensinar!

*
Seção das Quotes

"A médica olhou para mim com desconfiança, como se estivesse procurando algum brilho pós-sexo no meu rosto." Ellie, p. 11

"Por que TUDO tem a ver com sexo?" Ellie, p. 23

"Não conseguia seque admitir que estava bonita, depois de passar duas horas me arrumando." Ellie, p. 69

"Tentei não pensar que ela podia ver partes do meu corpo mais detalhadamente do que eu mesma jamais veria." Ellie, p. 114

"Eu precisava usar um pouco de água, mas era um banheiro público. Eu não podia lavar minha vagina perto da pia, né?" Ellie, p. 118

"- Você é minha filha e eu quero mostrá-la.
- Primeiro, eu não sou um cão de raça. Se queria uma coisa para exibir, você devia ter comprado um animal de estimação e não ter dado à luz." Mãe e Ellie, p. 145

"Eu sempre esquecia o quanto gostava de morar sozinha até passar alguns dias com a minha mãe." Ellie, p. 165

"Deus: falar sacanagens. Sem chance de eu saber fazer isso ainda. Eu era virgem, cacete." Ellie, p. 184

"- Paul! Claro que sim. Tive vinte e um anos para me preparar para isso. Não vou esquecer da gravidez ou das DSTs." Ellie, p. 203

"Na minha imaginação, um pênis entrando em uma vagina vinha acompanhado de uma explosão de confete e balões, e isso não aconteceu." Ellie, p. 218

site: http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/2017/12/virgem.html
comentários(0)comente



19 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2