Alguma Poesia

Alguma Poesia Carlos Drummond de Andrade




Resenhas - Alguma Poesia


47 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4


Alê | @alexandrejjr 26/07/2020

Prazer, Drummond

Certas coisas me deixam perplexo na vida. Uma dessas perplexidades aconteceu nos últimos anos ao ler este "Alguma poesia", primeiro livro publicado pelo gigante Calos Drummond de Andrade.

Sempre tive curiosidade de ler o poeta mineiro de verdade, fugir das armadilhas proporcionadas pela internet. Despretensiosamente comprei esse livro. Entretanto, vocês não podem imaginar a minha surpresa ao descobrir que essa obra foi a carta de apresentação do poeta ao mundo. Nela estão, simplesmente, três dos principais poemas da língua portuguesa.

Conversando com uma amiga minha que estimo muito, apontei que havia poucas resenhas ou comentários para esse livro, o que chamou a minha atenção. Em resposta, ela me disse: "poesia mexe com os sentimentos, talvez seja por isso". E é a mais pura verdade. Algo tão simples e eu nem tinha percebido...

Em "Alguma poesia" os sentimentos são despertados em cada um de nós, mesmo que a conexão entre o poeta e o leitor seja fraca ou, pior, ainda não exista. A questão é que você vai ler algo que não há igual por aí. Aliás, esse é um livro incrível para apresentar o que foi o movimento modernista do Brasil em todos os seus campos artísticos e, de quebra, mostrar a beleza que só a nossa poesia possui.

Eu tenho problemas com versos livres, confesso. Entretanto, a maneira como Drummond dispõe seus versos no papel, a sua quebra brusca com os formalistas em alguns dos textos, é cativante. Além dos conhecidíssimos "Poema de sete faces", "No meio do caminho" e "Quadrilha", destacaria a ironia fina do eu lírico em "Também já fui brasileiro", "Política literária", "Cidadezinha qualquer" e "Explicação"; a melancolia presente em "Sentimental", "Nota social", "Poesia" e "Música"; e, por fim, não posso deixar de citar a precisão sobrenatural na escolha das palavras em "Cota zero" e "Quero me casar".

Drummond lançou esse livro em 1930 e, 90 anos depois, época em que escrevo minhas humildes impressões, é quase ensurdecedor perceber como ele estava à frente de seu tempo. Uma das leituras mais prazerosas que já tive.
Gabriela 26/07/2020minha estante
Amo Drummond e "Poema de sete faces" é um dos meus poemas preferidos da vida


Alê | @alexandrejjr 26/07/2020minha estante
E é muito massa saber que ele escreveu antes dos 30 anos, né?


Gabriela 27/07/2020minha estante
Talento!


Alice @leituras_da_alice 27/07/2020minha estante
Quando li ?Sentimento do mundo? dele não acreditei que poderia gostar tanto desse gênero, se tornou meu favorito e logo depois fui atrás de ler ?A rosa do povo? e do mesmo jeito fiquei impressionada com seus poemas e sentimentos colocados ali.
Adorei a resenha e já vou colocar esse na lista para uma próxima leitura..


Alê | @alexandrejjr 27/07/2020minha estante
Verdade, Gabriela, só talento explica! E Alice, confiro "Sentimento do mundo" esse ano, esperando para ser surpreendido mais uma vez.


Alexia 27/07/2020minha estante
Alê, você já leu o poema "A máquina do mundo"? É, provavelmente, o meu favorito, está no livro "Claro Enigma" (mas a primeira vez em que o li foi no livro "Os cem melhores poemas brasileiros do século"). Amo Drummond


Alê | @alexandrejjr 27/07/2020minha estante
Ainda não, Alexia, mas esse é outro livro que quero ler dele. Ele é incrível, dispensa apresentações.




Belle Piai 15/04/2021

Carlos que amava poesia, poesia que amava o coração de Belle e Belle que chorava :)
Fiquei dias pensando no que escrever sobre Carlos, ao contrário de Poemas Escolhidos de Gregório de Matos, Alguma Poesia fluiu como uma luva para mim.
O modo como Drummond trata a poesia é um conforto, um zelo para o coração, ele conseguiu me emocionar de maneira boa e ruim inúmeras vezes!!!
"Neste país é proibido sonhar"
Zé vendeiro 15/04/2021minha estante
Olá belle. Fiquei curioso para ler. Sou novo nas letras e ainda não tive contato com Carlos Drumond de Andrade.


Belle Piai 15/04/2021minha estante
Recomendo demaisss!!! Tente começar a leitura de Drummond por Alguma Poesia, foi publicado na década de 30, a escrita do poeta só melhora a partir daí


Zé vendeiro 15/04/2021minha estante
É conforto ao coração e a alma, saber, que, há ainda, pessoas que amam e cultivam a POESIA nesta vida tão desprovida de arte.




Bia (mais_uma_leitura) 28/03/2021

Alguma poesia
Gostei bastante desse livro, me surpreendi com o jeito que Drummond escreve. Tinha pesquisado sobre o livro e estilo do autor antes, e isso deixou a experiência ainda mais interessante. Teve algumas poesias que eu realmente amei demais, e outras que fazem mais sentido no contexto do autor.

"O amor antigo vive de si mesmo,
não de cultivo alheio ou de presença.
Nada exige nem pede. Nada espera,
mas do sentido vão nega a presença.

O amor antigo tem raízes fundas,
feitas de sofrimento e de beleza.
Por aquelas mergulha no infinito,
e por estas suplanta a natureza.

Se em toda parte o tempo desmorona,
aquilo que foi grande e deslumbrante,
o antigo amor, porém, nunca fenece
e a cada dia surge mais amante.

Mais ardente, mais pobre de esperança.
Mais triste? Não. Ele venceu a dor,
e resplandece no seu canto obscuro,
tanto mais velho quanto mais amor."

"Vamos, não chores.
A infância está perdida.
A mocidade está perdida.
Mas a vida não se perdeu.

O primeiro amor passou.
O segundo amor passou.
O terceiro amor passou.
Mas o coração continua.

Perdeste o melhor amigo.
Não tentaste qualquer viagem.
Não possuis carro, navio ou terra.
Mas tens um cão.

Algumas palavras duras,
em voz mansa, te golpearam.
Nunca, nunca cicatrizam.
Mas, e o humour?

A injustiça não se resolve.
À sombra do mundo errado
murmuraste um protesto tímido.
Mas virão outros.

Tudo somado, devias
precipitar-te, de vez, mas águas.
Estás nu na areia, no vento...
Dorme, meu filho."
Idolatria aos livros 29/03/2021minha estante
Acho surreal que lê poesia.


Idolatria aos livros 29/03/2021minha estante
Admiro muito. Mas eu não consigo?




Thaís 11/03/2021

Segundo livro que leio do Drummond, e cada vez me encanto mais com seus poemas! Dá vontade de ler todos! "O homem que, com apenas duas mãos e o sentimento do mundo, soube transformar o tempo e a vida na mais pura e luminosa poesia." ? Definição perfeita para Drummond!
Katia 17/03/2021minha estante
Drummond é maravilhoso ? . Recomendo o livro "Corpo".


Thaís 18/03/2021minha estante
Obrigada pela dica, Katia! Irei ler futuramente.




Gabrielli 13/08/2020

Bela poesia modernista
Confesso que sou entusiasta é do romantismo, mas muitos poemas deste livro que inaugurou Carlos Drummond me fizeram rir da ironia que o autor tão bem utiliza. Meu preferido foi Balada do Amor Através das Idades.
Drizzle 13/08/2020minha estante
Amo mais que chocolate




Nury 16/01/2013

Claro que o itabirano viria a escrever livros como "Claro enigma", "Sentimento do mundo", "A rosa do povo" - títulos mais importantes, influentes, aclamados e, de certa forma, melhores que seu modesto volume de estreia -, mas, aos olhos deste leitor, não há nada nem em Drummond nem na poesia como um todo tão pungente quanto "Alguma poesia". Cada um de seus quarenta e nove poemas é atemporal, enganosamente simples, repleto do lirismo gauche que marca as primeiras obras de Drummond e, acima de tudo, belíssimo. E, oras, não sei quanto aos demais, mas é apenas e precisamente isso que eu busco na poesia.
comentários(0)comente



Wiliam 09/11/2013

Suspeito
Adoro a poesia de Drummond. Sou encantado pelo seus textos desde a época do colégio (2002).
Minha opinião é de leitor novato em poesia mas já posso dizer que esta seja profunda, atraente, envolvente e muito comovente. Os textos de Alguma poesia, o livro de estreia do autor, são sutis e densos ao mesmo tempo, ao passo que sua ironia faz você mudar de expressão facial o tempo todo durante a leitura. Quem me dera poder escrever sobre a vida, a infância e os amores com a habilidade de Drummond. Alguma Poesia é ótimo. São versos livres, modernos. E alguns dos poemas mais famosos do autor estão lá, como "No meio do Caminho", "Quadrilha" e "Poema das Sete Faces". Por fim só posso dizer que eu também nasci pra ser Gauche na vida!
comentários(0)comente



Bruna 15/02/2014

Suspirando poesias
Ah Drummond! Me encanta cada verso... Suas palavras exprimem diversos sentimentos. Ao ler, dependendo da poesia o leitor sente ódio/amor/reflete e uma explosão de sentimentos inimagináveis. E quanto mais o leio, mais meu estômago se enche de poesia.
comentários(0)comente



Valnikson 16/01/2016

1001 Livros Brasileiros Para Ler Antes de Morrer: Alguma Poesia
O mineiro Carlos Drummond de Andrade figura na história da literatura nacional como um de seus mais emblemáticos poetas. A vocação para as letras o permitiu a participação em diversos periódicos, nos quais publicou, além dos versos, crônicas e contos que mais tarde foram reunidos em diversas coletâneas. Editado em uma pequena tiragem não comercial, o livro que deu início à extensa e vasta produção escrita do autor, 'Alguma Poesia', já demonstra o tamanho de seu talento, oferecendo alguns de seus poemas mais celebrados e estudados. (Leia mais no link)

site: https://1001livrosbrasileirosparalerantesdemorrer.wordpress.com/2016/01/16/51-alguma-poesia/
comentários(0)comente



Nena 13/02/2016

Uma coletânea de poesias de Drummond
"A mão que escreve
este poema
não sabe que está escrevendo
mas é possível que se soubesse
nem ligasse."
comentários(0)comente



Benita Alves 05/09/2016

No meio do caminho, reencontrei Drummond..
Nunca me esqueci do poema 'No meio do caminho' lido na sexta serie. Foi meu primeiro contato com Drummond e me apaixonei por sua escrita, seu traço marcante. E quem nunca teve uma pedra no meio do caminho?? kkkkkkk.... Este é um dos brilhantes poemas de Carlos Drummond de Andrade neste livro 'Alguma Poesia' lançado no auge do Modernismo de 1922. Drummond é espetacular e único!! Aborda as inquietações humanas de forma irônica e sarcástica. Um dos meus preferidos é o 'Lanterna Mágica' que recria na mente do leitor, as cidades que ele já visitou (ou irá muito em breve), com seus costumes e histórias sob o olhar divertido de Drummond. "É preciso fazer um poema sobre a Bahia...Mas eu nunca fui lá."
comentários(0)comente



regifreitas 29/08/2017

O meu preferido do Drummond ainda é "A rosa do povo", mas este chega bem pertinho.
comentários(0)comente



Mr. Jonas 23/12/2018

Alguma poesia
Carlos Drummond de Andrade publica ?Alguma Poesia? em 1930, dedicando a obra ao seu querido amigo e, também, poeta, Mário de Andrade.
Profundamente influenciado pelos novos paradigmas estabelecidos pela Semana de Arte Moderna de 1922, o autor reúne poesias que se concentram no dia a dia e nos problemas enfrentados pelos homens comuns, rompendo com o formalismo e a simbologia parnasiana que dominavam a literatura brasileira.
comentários(0)comente



Matt 22/03/2019

Coletânea de poemas e prosas de Drummond que discorre sobre sua vivência no interior através de versos, ora melancólicos, ora cômicos. Um ótimo passatempo.
comentários(0)comente



Lipe 29/01/2020

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), mineiro de Itabira, é considerado um dos mais importantes poetas do século XX e um dos melhores de nossa literatura. Os poemas dessa coletânea voltam-se, sobretudo, para indivíduos e seu cotidiano dentro de uma perspectiva de existência, que extrai do presente e do passado matéria de seus poemas, mas que, em contrapartida busca sentido existencial. A solidão, sempre presente na poesia de Drummond, não é limitação para o amor. Seus poemas centram-se na expressão do sentimento por meio da reflexão.

Meus favoritos:
Poema de sete faces - Principalmente a 5° estrofe onde o eu lírico recorre a Deus para apaziguar sua solidão;
Quadrilha - Remete à festa popular brasileira e onde quem não amava fora a única que se casou;
No meio do caminho - A repetição de versos remete à multiplicidades das pedras, dos obstáculos da vida. Ou seria a própria poesia uma "pedra no meio do caminho" para Drummond?
comentários(0)comente



47 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4