Um Dinheiro Nada Fácil

Um Dinheiro Nada Fácil Janet Evanovich




Resenhas - Um Dinheiro Nada Fácil


9 encontrados | exibindo 1 a 9


Nessa Gagliardi 10/09/2010

Eu realmente esperava mais desse livro. Tanto falaram dele que minhas expectativas ficaram lá em cima.
Não é ruim, mas ainda não consegui definir em qual gênero ele se encaixaria: aventura, ação, policial, romance, chicklit. É uma mistura de todos esse componentes. Em alguns momentos esse mix funciona bem, em outros, nem tanto.
comentários(0)comente



PolyFlores 26/06/2010

"Uma lufada de ar fresco" - Washington Post
Este livro foi uma dica preciosa da minha amiga Leel (valeu!!), que é uma apaixonada por esta série!

Muito descontraído, traz a divertidíssima Stephanie Plum, uma mulher de 30 anos, desempregada e sem juízo, que vira caçadora de recompensas para se manter.

Engraçado, me peguei dando risadas que provocavam a curiosidade até do meu filho de 07 anos, que inclusive me pediu: "mamãe, quando eu tiver uns 16 anos, você deixa eu ler este livro?" rs.

Enfim, devorado em menos de 02 dias, indico como um gostoso intervalo entre leituras mais densas, para relaxar, curtir e dar risadas.

A-Do-Rei!

Espero ansiosa pela publicação no Brasil da continuação da série.
comentários(0)comente



Psychobooks 01/12/2011

Chick lit, minha gente!! Só isso já bastou para me conquistar completamente! Stephanie Plum é uma mulher de 30 anos, ex-vendedora de varejo de lingeries, desempregada há 6 meses e vendendo o almoço para pagar o jantar. Literalmente, meu povo.

A forma da escrita da Janet Evanovich é envolvente desde o início. A narrativa é em primeira pessoa e acompanhamos Stephanie e suas loucuras e neuras. Já na rua da amargura, ela resolve aceitar o conselho de sua mãe e ir pedir emprego para seu primo, Vinnie Plum. Ele tem uma agência de fianças e o emprego que era para ser de arquivista, vira de repente o de caçadora de recompensas, ou seja: buscar condenados da justiça que não compareceram diante do juiz.

Como primeira apreensão ela pega o caso do foragido Joe Morelli, ex-policial, acusado de assassinato e um conhecido de longa data da nossa protagonista… E sua prisão vale US$10.000 \o/

A história toda é superengraçada e bem-amarrada. É um chick-lit policial, que tem como plano de fundo a cidade de Nova Jersey. Toda a investigação que Stephanie faz é pautada e tem um bom desenrolar. Os personagens coadjuvantes são todos bem-construídos, a família de Stephanie é bem-divertida, bem a cara de famílias de subúrbio mesmo. A vovó Mazur é uma figura e são delas as frases mais divertidas e as situações mais hilárias.

“_ Que fazia numa caçamba de lixo? Procurava cadáveres? (..)

_Ela procurava as chaves – explicou minha mãe – Foi um acidente.

_ Ora, que decepção – disse Vovó Mazur – Eu esperava coisa melhor dela.”

Página 144

A maneira que a Stephanie se arruma, seu cabelo, os carros nas ruas… me deixaram bem confusa no começo da leitura. Ela descreve shorts e tops de lycra, camisetões, batons rosa choque (tá isso ainda se usa =P) cabelo arrumado com laquê (??)… Eu ficava pensando: “Isso nos tempos atuais?? Mácomo??”, até descobrir que esse primeiro livro foi lançado nos EUA em 1994 e que a série veio numa crescente até os dias atuais. São 17 livros ao todo! Stephanie Plum suficiente para agradar gregos e troianos!!

A leitura flui superbem! Li em questão de horas esse primeiro livro da série e já estou terminando o segundo . Estou LOUCA para saber como a série vai se desencadear e o crescimento da protagonista no decorrer dos anos.

Vale a pena! Super-recomendo

Link: http://www.psychobooks.com.br/2011/07/resenha-um-dinheiro-nada-facil.html
comentários(0)comente



Camila 09/01/2011

Um Dinheiro Nada Fácil
Esse primeiro livro da série sobre as aventuras de Stephanie Plum mostra como ela se tornou uma caçadora de recompensas. Logo em seu primeiro caso precisa encontrar Joe Morelli, ex-policial acusado de assassinato. Como se não bastasse a falta de experiência, seu relacionamento pessoal com Morelli atrapalha um pouco as coisas.
O livro é interessante, mas nada que faça a gente ter vontade de ler os outros 19 livros da série! rs...

www.leitoracompulsiva.com.br
comentários(0)comente



Nana 02/06/2009

Divertido!
Uma mistura de humor, suspense, aventura e romance. Uma leitura viciante que prende desde o comecinho.
Confesso que achei que não iria gostar deste livro, pricipalmente pela capa sem graça e pelo título que também não me chamou atenção, mas li comentários sobre ele e fiquei curiosa. Que bom! Valeu a pena!
Só assim aprendo a não julgar livros pela capa...rsrs...Recomendo!!!
comentários(0)comente



*Rô Bernas 13/02/2010

Achei fraco.
Eu achei bem fraquinho e não me empolgou, não. Aliás, quando estava começando a ficar um pouco melhor...acabou. :-/

Bem, eu não gostei, mas leiam e avaliem, afinal gosto é uma coisa muito pessoal e vai de cada um.


Cíntia Mara 16/07/2011

http://www.cintiamcr.com.br/2011/07/um-dinheiro-nada-facil-janet-evanovich.html

Essa história é muito doida! Pegue uma protagonista de chick-lit divorciada, desempregada e atrapalhada, mas com mais auto-estima que as Bridget Jones da vida e que só se mete em confusão. Daquelas que você pensa: Como que essa maluca entrou nessa? Ou, pior: Como que essa maluca vai sair dessa? Obviamente ela sempre sai, já que a série tem mais trocentos livros, e Stephanie continua viva.

Apesar de tocar em alguns assuntos sérios, perigosos e nojentos, é um livro para ser lido por diversão, sem esperar grandes reflexões ou lições. A menos que você queira lições do que não fazer, claro! Mas não espere nada muito sério. A própria linguagem mostra isso, por ser totalmente informal. E devo avisar que é cheia de palavrões. Não sei vocês, mas prefiro saber antes de ler que o livro tem alguma coisa que eu não gosto. Aí já vou preparada, desencano e curto a leitura. Foi o que aconteceu aqui, eu já sabia que era tudo bem escancarado mesmo.

Steph e Morelli têm uma química incrível! Os diálogos deles são recheados de sarcasmo, do jeito que eu gosto. Demorei um pouco pra me encantar por Morelli, até porque ele não aparecia muito. Mas no final, quando ele e Steph estão mais próximos, comecei a gostar. Em alguns momentos, eles me lembraram de Jes e Zack, da série A Caçadora. A mocinha que precisa pegar o “bandido”, mas acaba se encantando por ele.

Os personagens coadjuvantes também são muito malucos. Não são todas as famílias que contam com uma avó que atira no jantar, certo? Coitada da galinha, hahaha... No lado dos nada-divertidos, está Benito Ramirez, que só de pensar me dá nojo.

Claro que, depois de muita confusão, as coisas se “ajeitam” de uma forma tensa para os personagens, mas divertida para o leitor. Mal posso esperar para ler o próximo!
comentários(0)comente



Ivy (De repente, no último livro) 09/02/2016

Uma completa decepção!
Essa série, Stephanie Plum, possui uma pontuação super alta no Goodreads, é quase uma unanimidade e uma referência no gênero cozy mystery (que são aqueles livros chick lit com mistério e bastante humor) e tenho que admitir que, ao terminar o livro, eu me perguntava: "Será que foi só eu que não gostou desse livro?"

Eu amo ler! E quando uma história me encanta, me prende, me envolve, eu não consigo largar mais o livro até terminá-lo. Portanto, quando eu percebo que não tenho a menor vontade de continuar uma história, eu já sei que é porque esse livro definitivamente não funcionou comigo. Assim aconteceu com Stephanie Plum.

O humor do livro é extremamente sem graça, os personagens não são cativantes. A protagonista, Stephanie Plum, até é uma garota esperta, mas não conseguiu me encantar, e os outros personagens são sem nenhum atrativo. Ok, talvez à exceção de Morelli, que foi de longe o personagem que mais gostei.

A história basicamente gira em torno de uma garota que se vê desempregada e cheia de dívidas para pagar. Não restando muitas opções, ela acaba aceitando um emprego com seu primo e se torna uma caçadora de fugitivos. Quando uma pessoa é presa e precisa pagar a fiança, muitas vezes recorre ao fiador e deve comparecer à todos os julgamentos. Quando a pessoa não cumpre os compromissos e desaparece, entra em ação esses caçadores de fugitivos ou caçadores de recompensas, como Stephanie.
Neste caso, Stephanie tem a dura missão de conseguir capturar Morelli, um antigo amigo de infância que está sendo acusado de um assassinato e se encontra foragido. Para capturar Morelli, Stephanie termina colocando a própria vida em risco ao desvendar um mistério muito maior do que inicialmente se presumia, que inclui uma celebridade local e seu agente, um açougueiro e uma senhora misteriosa.

O livro enfoca em questões sociais bastante difíceis, mas traz o tema de uma maneira bastante ligeira, ao princípio algumas cenas me pareceram de extremo mal gosto. A autora tenta trazer o humor em situações bastante inapropriadas, a história é cansativa, as coisas demoram para acontecer e por grande parte da história, a personagem apenas dá voltas. Durante maior parte do livro temos Stephanie Plum fazendo perguntas à possíveis testemunhas e percorrendo as mesmas ruas.

Faltou ação ao livro, faltou um romance talvez. Por mais que Stephanie e Morelli possuam química, não convencem como casal. O humor do livro não conseguiu me arrancar nenhuma risada, achei as piadas bastante vazias e em muitos casos até desagradáveis.

A narrativa da autora não está ruim, porém foi uma leitura pesada, um livro que não conseguia manter o meu interesse para ir até o fim e confesso que terminá-lo me custou algo de esforço.

Ao final, tinha vontade de ler um livro divertido, romântico e com algo de ação e mistério, e devo dizer que continuo com vontade já que não encontrei na saga de Stephanie Plum esses bons momentos que procurava.

Não sei se continuarei lendo as continuações da série. Devo dizer que no momento não me despertam nenhum interesse e com tantas outras boas opções em livros, acho muito difícil que eu volte a ler uma série que não conseguiu me animar de maneira nenhuma.

Resumindo,um livro que poderia ser melhor se tivesse um pouco mais de ação, um mistério melhor desenvolvido, um romance mais doce... O humor também não funcionou, assim que, não há nada para ressaltar como seu lado positivo.
Infelizmente, uma leitura que eu não recomendo.

site: http://aliceandthebooks.blogspot.com.br/2016/02/review-50-um-dinheiro-nada-facil.html
comentários(0)comente



TatáVasconcelos 13/04/2018

Nem Só de Paixões Vivem os Chick-lits... Às Vezes É Só Por Dinheiro!
O básico, todos que assistiram ao filme "Como Agarrar Meu Ex-Namorado", com uma das novas Rainhas das Comédias Românticas Katherine Heigl, que foi inspirado nessa obra conhecem: Stephanie Plum é uma mulher desesperada, encalhada e mal paga, porém espirituosa, que por conta de sérias contingências do destino acaba se tornando Caçadora de Recompensas. Mas se no filme ela parecia totalmente inadequada para a tarefa, no livro ela não se sai muito melhor.

Stephanie convence seu primo Vinnie a lhe ceder o caso de Joe Morelli, um policial com quem ela teve um breve envolvimento no passado – vamos chamar essa brincadeira de fazer cupcake na padaria: ela era a massa e ele o chantilly –, e que está sendo acusado de matar um traficante em seu dia de folga. O caso é que Stephanie não sabe muito bem o que está fazendo, por isso a assistente de seu primo lhe arruma um professor, Ranger Mañoso, o melhor Caçador de Recompensas da firma, e ele logo lhe dá uma arma e meia dúzia de instruções.

Mas quando começa a meter o nariz onde não foi chamada, Stephanie logo se torna alvo de perseguições de um boxeador chamado Benito Ramirez, que, a princípio, era só o namorado de uma das testemunhas desaparecidas, Carmen Sánchez, mas pelo que ela conseguiu apurar, ele também era o chefe de Ziggy Kulesza, a vítima de Morelli, e pretende acobertar sua culpa no cartório a custa do sangue de Steph – derramado bem devagarzinho.

Curiosamente, o filme fez poucos cortes e poucas alterações na história – algo raro em adaptações cinematográficas de livros; especialmente em se tratando de comédias românticas. O livro apenas deixa mais clara a relação de Stephanie com o policial Eddie Gazarra, que pareceu ser só um parente por tabela no filme – marido de uma das muitas primas de Stephanie –, mas na verdade ele era seu melhor amigo de infância. E também coloca Ramirez numa posição mais ativa e assustadora como vilão da história, embora ele não fosse a verdadeira mente criminosa por trás de tudo. A relação de Steph com Morelli, embora tenha se tornado mais amistosa após ele ter se livrado das acusações, não chega a enveredar para um romance. A recompensa por sua captura era somente de dez mil dólares no livro; no filme superfaturaram para cinquenta. E o japa simpático do filme, era um veterano da Guerra do Vietnã no livro. Detalhes...

Ainda não tive a oportunidade de ler os outros livros da série Stephanie Plum, mas com certeza farei muito em breve. Diferentemente de outras mocinhas de chick-lit, Stephanie não está nem aí para sua vida amorosa. O que ela precisa é de dinheiro, e vê em Morelli apenas um meio para um fim. E também não fica acovardada, cheia de fragilidades diante do primeiro B.O. que aparece. Está sendo ameaçada de morte? E daí? É só praticar uns tiros com seu amigo Eddie, e se Ramirez se meter à besta estará pronta para dar um jeito nele. Explodiram seu carro – ou o carro de Morelli – no estacionamento de seu prédio? Não esquenta! Sobrancelhas crescem de novo, gata.

A autoconfiança de Stephanie chega a beirar a loucura. É fascinante, engraçado, e extremamente divertido. Não foge completamente dos clichês, mas é uma história que não dá para largar.


site: https://admiravelmundoinventado.blogspot.com/2018/03/nem-so-de-paixoes-vivem-os-chick-lits.html
comentários(0)comente



9 encontrados | exibindo 1 a 9