Belas Adormecidas

Belas Adormecidas Stephen King
Owen King




Resenhas - Belas Adormecidas


56 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


annac 13/05/2019

Diferente
Esse livro deve ter bem mais a mão do King filho do que do King pai.
A complexidade da história e a forma como foi trabalhada os (milhões) de personagens, você vê que não é o normal das escritas do King.
Fiquei o livro TODO (foram mais de 12 horas de leitura em um só dia) esperando por uma reviravolta, um final que não aconteceu.
O final foi bem dentro do esperado.
É ruim? Não é
É excelente? Também não.
Quem quiser ler, vai ter um bom passatempo mas não precisa passar na frente de outras leituras porque não tem nada de extraordinário.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Giuliana Sperandio 24/02/2019

Gostei, mas não me surpreendeu.
Algo faz com que as mulheres durmam e não acordem mais, casulos se formam em seus corpos, quando as pessoas tentam acordá-las e tirar os casulos elas acordam de maneira agressiva e animalesca.
Apenas uma mulher dorme sem ser afetada.
É um livro que levanta vários questionamentos, seriam os homens os responsáveis por todas as desgraças no mundo? Se mulheres que sofreram nas mãos de homens abusivos tivessem uma chance de viver em um novo mundo sem os homens, será que escolheriam viver nele para sempre sem seus maridos, filhos, pais e amigos?
Levanta questões sobre o meio ambiente, armas, relações familiares , ou seja, todos ingredientes que fazem dos livros do King um prato cheio e rico com uma história viva e intensa.
Gostei muito como foi conduzida, mas não achei nada muito inovado, apenas por isso dei 4 estrelas ao invés de cinco.
comentários(0)comente



Daniel.Lopes 30/01/2019

Gostei e não gostei???????????? Isso pode? =D
Não sei foi o caso mas, a proposta do livro era enaltecer as mulheres ok. Mas ficou com em varias partes muito forçado, pois todas as mulheres do livro são exageradamente fodas, e mesmo se tratando de livro de fantasia isso não existe. Outros elementos dos King so muito bons, os dialogos, as entrigas a trama mesmo descorre facil e prende o leitor perfeitamente, a quantidade de personagens me deixou um pouco confuso em alguns momentos pois se surgem muitos persongens na mesma historia o tempo para desenvolver e conhece los tambem fica curto e quando eles morrem você nem sente falta ou se emociona com a morte deles.
Falando francamento eu estou com um mix de emoções a respeito do livro, e para mim isso é ótimo.
"Longos dias e belas noites"
comentários(0)comente



Evellyn 30/01/2019

Oque aconteceria no mundo se as mulheres fossem dormir e não acordasse mais?
O que era para ser apenas um cochilo/soneca virou um verdadeiro pesadelo para a vida das mulheres (acordadas e com medo do desconhecido) e dos homens.
Esse livro é maravilhoso, e mesmo tendo uma certa dificuldade com a escrita dos autores eu fui ate o fim e não me arrependo em nenhum momento.
O livro falou exatamente oque aconteceria se as mulheres "desaparecessem", ou seja, o completo caos causado é claro pelos homens que não faziam ideia da falta que uma mulher faz.
Os autores souberam com certeza me fazer ficar ansiosa com o próximo capítulo, além de toda a tensão que os personagens masculinos me fizeram passar.
comentários(0)comente



lara 20/11/2018

....
Belas adormecidas
65 dias.
65 dias de história
65 dias de autoconhecimento
65 dias de pura reflexão, mas também de muita ação, Felicidade e adrenalina
Ainda não sei dizer, se amei ou odiei esse livro, mas posso dizer que ele me tocou de uma maneira que poucos conseguiram.
Um romance, que começa de uma maneira leve, simples e divertida, mas com o decorrer do tempo, vai se mostrando e revelando uma profundidade inimaginável, com temas extremamente atuais, Stephen King, em uma sintonia perfeita com Owen King nos mostra o quão doente e complexa uma sociedade pode ser.
Nos colocando frente com o nosso lado feminino, nosso lado maternal, nos conectando com a parte mais ancestral do nosso ser, nos fazendo rever tudo o que tínhamos como certo. Nos apresenta personagens de extrema complexidade, personagens reais, que atravessam as barreiras do papel, e vem para a nossa realidade.
Personagens que nos mostram situações terríveis, que vão do vício de drogas, a anos de abusos domésticos, mostrando a nossa versão dos fatos, dando voz a quem raramente é ouvido, a nós, as mulheres. Mostra a nossa história, mostra o quanto sofremos, mostra as absurdas realidades a quais somos exigidas a enfrentar.
Com muita maestria, Stephen e Owen fazem duras críticas a realidade machista e opressora em que vivemos. Nos mostra o quanto o ser humano é fraco, mesquinho, arrogante, e a sua incrível habilidade de auto-destruição.
uma sociedade onde todas as mulheres quando adormecem são envoltas por casulos, de um material resistente e fibroso, e não tente acordá-las, irá se arrepender amargamente, se o casulo é rompido as mulheres são tomadas por uma ira absurda, com os olhos vermelhos e com a boca salivando, elas partem para cima da primeira pessoa que enxergam, estraçalham e voltam a dormir tranquilamente. Os homens entram em colapso, tudo desmorona, a sociedade, sem seu principal e tão desvalorizado pilar vai desmoronando, até entrar em colapso. Os homens sem saber o que fazer, se dividem em vários grupos. Alguns deles abdicam de suas vidas, pois se vêem incapazes de viver sem as mulheres, outros são tomados de pura ira e decidem matar todas as mulheres que encontram, estes se autodenominam brigadas do maçarico, outros ainda se dedicam ao cuidado das adormecidas. No mundo todo, as mulheres estão dormindo, menos uma, seu nome, Eva Black, uma mulher diferente das outras.
A história vai nos conduzindo e as coisas aos pouco, vão se tornando mais complexas.
Começamos a entender melhor a realidade de cada personagem, nos vemos vibrando a cada conquista, e lamentando por cada morte, criamos uma conexão profunda com cada um deles, e vemos o quanto a moralidade é relativa, isso é uma das coisas das coisas que mais me encantou nesse livro, não existem personagens 100% do bem, nem personagens 100% do mal, vemos apenas pessoas, pessoas reais, com sentimos, anseios e angústias e nos vemos muitas e muitas vezes mudando de “lado”ao longo do livro, de acordo com a visão de cada personagem.
As mulheres quando acordam, se vêem em um novo mundo. Acordam no mesmo local onde adormeceram mas não é a mesma coisa, nesse novo lugar, muitos anos já se passaram, as mulheres encontram as ruas, as casas, os prédios, as estradas destruídas pela ação do tempo.
Lá todas elas em união, começam aos poucos a se reerguer. Constroem uma nova civilização, uma nova sociedade, composta exclusivamente de mulheres. Mulheres que se entendem, que conversam, e ao longo do tempo, conquistam quase tudo em que tinham no “ antigo” mundo, elas apelidam esse paraíso onde se encontram, de nosso lugar.
As mulheres se reúnem semanalmente, para conversar e decidir tudo de maneira conjunta, todas lá podem falar e ser ouvidas. Nas primeiras reuniões elas conversavam principalmente sobre a falta que os homens faziam, a falta de seus maridos, de seus filhos, de seus pais e seus irmãos, mas com o tempo, esse assunto vai ficando para trás, as mulheres estão tão felizes com os seus avanços, felizes com a sua liberdade, que a saudade é quase que deixada de lado. Mulheres que no “antigo” mundo, eram viciadas, presas, moradoras de rua, nesse novo mundo se redescobrem e se reinventam, uma delas Tiffany, era uma viciada em drogas, e como a maioria delas, ela só se encontrava naquela situação, por culpa de um homem, um homem que apresentou as drogas para ela. Nesse novo mundo ela é outra mulher, sem o vício, ela redescobre uma antiga paixão por cavalos, e começa a adestrar e cuidar dos cavalos da região. Se torna uma nova mulher, que exala vida, felicidade e liberdade.
Enquanto isso no “antigo” mundo, Eva Black se mostra ser muito mais do que uma simples mulher, Eva tem poderes, sabe das coisas, se comunica com os animais, não sei ao certo o que Eva Black é, só sei que elá está longe de ser humana, e é muito poderosa, uma divindade, mais antiga que o próprio tempo, um ser onisciente, e que tem relação com o nosso lugar.
O desenvolvimento das mulheres nesse novo mundo, é inversamente proporcional ao caos do “ antigo” mundo, os homens descobrem Eva Black, e farão de tudo para capturá-la, ela sabe, que se for pega, morrerá, os homens não tem controle sobre sua raiva, assim que perceberem que ela não tem, ou não dará as resposta, irão matá-la por pura ira. Eva então, escolhe um homem, um homem que representará todos os outros, ele terá a missão de mantê-la viva, Por mais difícil que seja. Nesse ponto do livro, temos os lados começando a se formar. Seu nome é Clint, e ele aceita o desafio, manter Eva acordada até o pôr do sol de quarta feira, daqui a exatos dois dias, para que assim ela resolva a situação das adormecidas.
Os homens do lado de fora da prisão, estão determinados a invadir e pegar Eva a força, eles organizam uma força tarefa, altamente armada e organizada, o conflito final se aproxima.
No nosso mundo, as mulheres evoluem cada vez mais, se ajudando mutuamente.
Chega o confronto final, entre os homens que querem defender, e os que querem capturar e matar Eva Black, é um confronto violento e eletrizante, muitas pessoas são mortas e feridas durante a batalha. No clímax da história todos ficam frente à frente com Eva, os invasores determinados a matá-la, são convencidos por Cilnt, o homem que deve protege-la, eles percebem que é um teste, Eva quer que eles a matem, para provar que os homens são destruidores e só sabem resolver as coisas de uma maneira, matando. Após uma discussão, os homens com muita dificuldade, entram em consenso e decidem levar Eva de volta para o local onde ela foi encontrada. Chegando lá, Eva conta que as mulheres podem voltar do “ nosso lugar”, mas apenas se todas decidirem isso, se uma delas negar, elas não voltam. Eva pede para que os homens façam o que as mulheres sempre fazem, esperem, ela entra para conversar com as mulheres. Depois de explicar tudo, Eva se senta e aguarda a decisão das mulheres, será que elas irão abdicar desse pequeno paraíso pelos homens?
As mulheres decidem fazer um júri, uma votação, onde todas possam falar e dar seu voto. As mulheres uma a uma, dão suas declarações, e votam. Elas votam sim, todas amam aquele paraíso, mas amam ainda mais seus maridos e filhos, dizer sim a essa realidade, significaria desistir de todos eles, elas não conseguem aceitar essa possibilidade. Em conjunto elas decidem voltar, decidem voltar para mudar as coisas, para mostrar tudo o que aprenderam, e dar um jeito nos homens. Eva pela primeira vez em muitos milênios, chora ao ouvir essa decisão, mas não interfere, ela é apenas uma emissária.
Elas voltam, e reencontram seus filhos, pais, irmãos e maridos. Após a última mulher sair do nosso lugar, ele juntamente com Eva, desaparece.
O tempo passa e as coisas vão voltando ao normal, mas algumas coisas mudaram, em conjunto homens e mulheres fundaram uma creche sem fins lucrativos, para acolher todas as crianças órfãs, e todas as que precisam. O clima é de gratidão, união e bondade, as coisas voltaram ao normal.
E assim se encerra esse fantástico livro.
Confesso que fui surpreendida por esse final, e muitas vezes, me vi pensado, o que eu faria se estivesse no lugar dessas mulheres?, eu deixaria o nosso lugar?, essa pergunta ainda martela na minha cabeça. Me pergunto também, por quanto tempo essa gratidão e união permaneceria no ar?, quanto tempo vai levar para que tudo volte ao normal?, aos abusos cotidianos, as humilhações sobre elas? Será que irão voltar?, infelizmente, tenho certeza que sim. Podemos tirar muitas lições e reflexões desse livro, mas a maior delas, acredito eu, que seja
Você abdicaria desse pequeno paraíso, da possibilidade de mudar tudo?, pelos homens?
Eu honestamente, não sei a resposta dessa pergunta, e sei que ela voltará muitas e muitas vezes para a minha cabeça. Espero um dia conseguir encontrar a resposta.

LARA BATISTA BARELLA
04/06/2018
Agnaldo 31/03/2019minha estante
So faltou dar as estrelas.




Tavares 15/11/2018

Excelente
É incrível como King não deixa a desejar na complexidade do desenvolvimento de seus personagens. Toda decisão, mesmo por personagens que só aparecerão para dizer uma frase, é explicada e contextualizada com uma característica ou acontecido na vida do mesmo. Não consigo descrever o quão rico emocionalmente é descrito o universo de King.
comentários(0)comente



Januska 02/11/2018

Não chega perto das melhores obras do King, mas...
Belas Adormecidas é uma co-autoria de Stephen e Owen King, pai e filho. Na obra,
somos apresentados a pequena cidade de Dooling, na qual, repentinamente as mulheres dormem, e não acordam mais. Ao dormir, as mulheres são cobertas por casulos brancos e se alguém tentar destruir esses casulos para tentar fazer com que elas acordem, elas acabam se tornando extremamente violentas com a pessoa. Em meio a isso, King pai e King filho criam uma personagem misteriosa, Evie Black, que aparentemente possui relação com o que está acontecendo e é a única mulher que consegue dormir e acordar normalmente. O foco acaba sendo o comportamento masculino em meio a uma sociedade sem mulheres: violência, armas e guerrilhas predominariam. A crítica ao machismo é evidente nessa obra, e é muito bom pensar que foi escrito por homens: homens que criticam atitudes masculinas machistas. Eu amei a premissa da obra, porém pela primeira vez achei uma obra de King extensa demais, já li It que tem cerca de 1100 páginas e Sob a Redoma, que tem aproximadamente 950 páginas, e em nenhuma delas achei a escrita prolixa ou entediante. Já em Belas, o livro oscila demais, às vezes muito bom e fluido, às vezes muito chato e desnecessário. Não consegui me importar com os personagens masculinos, que são os que aparecem mais, justamente pelas atitudes machistas que possuem. As personagens femininas são muito bem construídas, especialmente Evie Black, eu gostaria muito que ela tivesse aparecido mais. Ainda assim, recomendo a leitura pela crítica social que ela traz, e por se tratar do mestre Stephen King.
comentários(0)comente



Jaque - @impressoes_literarias 30/09/2018

Em um belo dia, todas as mulheres que adormecem são envoltas em um casulo, assim como as lagartas quando estão se transformando em borboletas, e não acordam mais.
Se alguém rompe esse casulo, essa mulher despertada se torna super violenta e não mede esforços para agredir ou até mesmo matar quem a acordou.
Em poucos dias, todas as mulheres estarão dormindo e as pessoas que ficaram precisam achar uma solução urgente para esse caos.
Mas como poderia existir um mundo sem as mulheres?
Assim acompanhamos a instauração dessa epidemia através dos habitantes de uma cidadezinha do interior do Texas.
Com essa premissa interessantíssima, King pai e filho conseguiram me prender do início ao fim e a todo momento me perguntava qual seria a explicação para toda a trama.
E aí tive uma pequena decepçãozinha com o final. Achei que faltou alguma coisa (que não posso comentar para não dar spoiler). E, apenas por isso, acabei tirando uma estrela da minha avaliação.
Embora a história tenha muitos (muitos mesmo) personagens, consegui visualizar as cenas a perfeição e entender as motivações e personalidades de cada um. Amo como King dá vida aos personagens!
Além de tudo, há vários problemas sociais abordados na história que merecem uma reflexão por parte do leitor.
Recomendo aos fãs do King pai, mesmo não sendo a melhor obra do autor, e aos leitores que curtem histórias que enaltecem o poder das mulheres.

--> Livro lido para o desafio #DLL2018 para o item "um livro com vários autores"
comentários(0)comente



Bruno 01/09/2018

Resenha @leitor_noturno
Autores: @stephenking e Owen King
Editora: @editorasuma
Estilo: Suspense/Terror

Resumo: As mulheres do mundo estão passando por sérios problemas, quando adormecem começam a ter seus corpos envolvidos por películas que formam algo como um casulo em volta delas, fazendo-as não acordar mais. Ninguém sabe o que causa aquilo, muito menos a solução para esse mal. Enquanto isso, em uma cidade do interior dos Estados Unidos, enquanto todas mulheres que ainda restam tentam se drogar e usar substâncias que as dêem fôlego para permanecer de olhos abertos, uma detenta consegue dormir e acordar quando deseja, sem ser acometida pelo efeito fatal. O que ela tem a ver com a doença? Ela é o problema ou a cura dessa terrível ameaça? E como o mundo será sem mulheres daqui pra frente, já que homens se quer podem gerar vidas sozinhos? É isso que você vai precisar descobrir em BELAS ADORMECIDAS.
Capa: ⭐️⭐️⭐️
Edição: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Enredo: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Originalidade: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Desenvolvimento: ⭐️⭐️
Personagens: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Descrição: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Ambientação: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Ação: ⭐️⭐️⭐️
Suspense: ⭐️
Crítica Social: ⭐️⭐️⭐️⭐️
Resposta às expectativas: ⭐️⭐️⭐️
Fluidez da leitura: ⭐️⭐️⭐️
Quem pode gostar: Fãs de Stephen King que gostaram de “Sob a Redoma” e “Insônia”. Fãs de distopias, fãs de terror e quem gosta de ver grandes personagens femininas nos livros.
Nota Final: ⭐️⭐️⭐️

site: https://www.instagram.com/leitor_noturno/
comentários(0)comente



Benditos livros - Luana 15/08/2018

Como é comprido esse livro !
Belas Adormecidas conta a história de uma crise mundial no qual as mulheres vão dormir e simplesmente não acordam mais. Elas são envoltas em um casulo, como lagartas no processo de se desenvolverem borboletas. Ninguém sabe como, ou o porquê dessa epidemia só atingir mulheres. Aqueles que tentam liberar esposas e filhas de seus casulos são surpreendidos por ataques sobrehumanos e violentos das mesmas, que resultam em muito horror e morte. O caos se instala. Como viver em uma sociedade sem mulheres ?

Nós leitores acompanhamos esse drama pelo ponto de vista dos habitantes uma cidadezinha no interior do Texas, e percebemos logo como o relacionamento entre homens e mulheres é afetado.

Primeiramente, eu devo dizer que Stephen King sabe mexer comigo. Não foi preciso nenhum monstro sobrenatural nessa história para me deixar com medo, basta o horror do cotitiano social : ignorância, preconceito, ódio, machismo, fake news, e armas à disposição. E recentemente, King tem escrito muito bem acerca desses temas contemporâneos. Basta uma informação falsa que mexa com o brio de um segmento da população para que a histeria se instale, concordam?

O livro trata disso muito bem. Como ninguém sabe o que é essa epidemia de casulos e o que fazer para que as mulheres acordem, os homens se desestabilizam. O conflito todo se dá com base na relação dos homens com a realidade instaurada. Vemos o desequilíbrio da vida social sem o fator feminino, e a inabilidade de manter valores éticos e morais num ambiente hostil. Segundo o livro, homens sempre buscam resolver os problemas da maneira que sabem melhor, com força bruta e pouca conversa.

Mas o que acontecerá se elas nunca acordarem ? E quando acordarem, será tudo como antes?

Eu gostei muito do livro ! Fui surpreendida com esse texto escrito à quatro mãos, porque esperava um livro pior. Apesar de percebermos aqui e ali coisas que são típicas dos textos King Pai, não há mudanças bruscas de estilo ou quebras na narrativa. A história é relevante e muito atual, abordando diversos tipos de problemas sociais de maneira incisiva.

Contudo, temos alguns problemas . Existem cenários demais e personagens demais para que o texto seja fluido. Temos alguns personagens muito bem escritos e desenvolvidos, e outros bem ralinhos. Como são mais de 900 páginas, achei mesmo que recebemos páginas demais para desenvolvimento de menos ? a parte final é a que mais sofre .

Outro problema para mim foi o elemento sobrenatural do livro ? que, por sinal, é representado por uma mulher. Achei que ficou bem aquém do esperado na sua razão de ser e modo de agir. Devo dizer, ainda, que a perspectiva feminina ficou um tanto sem graça e meio perdida. Para mim, o foco do livro são os homens mesmo, mas achei que a perspectiva das ?adormecidas? foi desnecessária ? ficaria só com as mulheres ainda acordadas.

Não conheço o estilo do Owen, mas sua voz não me incomodou na leitura. Muitas pessoas acharam que o texto ficou pesado e vago nas explicações importantes por conta dele, mas acho que é exagero. O livro é simplesmente grande demais e alguns temas importantes se perderam, e a culpa é dos dois autores. Eu fiquei pensando como seria essa historia se fosse o Joe Hill o coautor desse livro, porque o Joe tem certamente mais experiência nesse nicho que o irmão.

Se você é daqueles leitores que tem um certo receio, um medinho de ler Stephen King, talvez esse livro seja uma boa porta de entrada, porque você consegue sentir o estilo narrativo e aproveitar o suposto terror urbano/ cotidiano sem sustos. Se finalmente a historia virar série, acho que será um grande sucesso !
comentários(0)comente



Daia 13/08/2018

O primeiro King a gente nunca esquece...
Sempre recebi de amigos muitas sugestões desse autor, mas nunca senti vontade ou me chamou a atenção profundamente, mas Belas apareceu na minha frente e foi amor a primeira vista. Li muitos comentários do tipo "muito mais do mesmo", "desfecho pobre" e talos.
Mas preciso confessar que o livro quando levanta a questão uma sociedade, ou melhor" duas sociedades "alternativas" , me colocou pra pensar e pasmem fiquei besta com a forma como tudo ocorre, como algumas coisas mudam e de como, se isso realmente ocorresse , no caos em que ficaríamos.

Adorei a forma como foi mostrado coisas que muitas vezes ignoramos e em como a sociedade trata e vê as mulheres, junte isso à um ser incrível feito a senhorita Evie Black e se encante com paginas de tirar o fôlego e fala muitos "pqp". Observar tudo do ponto de vista de dois homens narrando rotinas, momentos de loucura, alegrias , desespero e união é surpreendente e nos faz pensar um pouco mais sobre!!!
Belas Adormecidas é incrível SIM!
comentários(0)comente



Leticia.Mazarin 24/07/2018

Meu primeiro contato com King não foi dos melhores
Comecei o livro empolgada, já que a premissa me parecia interessante. O que aconteceria em um mundo onde todas as mulheres adormecessem de forma permanente? Para onde estavam sendo "levadas"? O que aconteceria com elas? E com os homens que seguiam acordados?

Entretanto, ao longo da história fui perdendo interesse e já não me importava com o que aconteceria com os personagens. Na verdade, não consegui estabelecer uma conexão com nenhum personagem e nem me identificar com o drama deles.

Foi um sacrifício conseguir terminar o livro, sempre que começava a ler parecia que eu também era invadida pelo fenômeno que incidia sobre as mulheres do livro e me vinha um sono tremendo. Em suma, achei o livro muito prolixo, um camalhaço que poderia ter sido resolvido em muito menos páginas, além de ter me decepcionado com o final.
Leticia.Mazarin 24/07/2018minha estante
Errata: **calhamaço


Pedrinho 31/08/2018minha estante
Sempre sugiro que as pessoas comecem pelo O Cemitério ou os livros de contos, como Pesadelos e Paisagens Noturnas. Os calhamaço costumam ser muita encheção de linguiça mesmo, mas não desista do King, ele é muito bom


Patty 12/11/2018minha estante
Divido com você o sentimento de ser acometida pelo sono. Pela primeira vez na vida, cada vez que abro o livro o sono me persegue. Mas não desanime! King é maravilhoso e tem uma vasta seleção de livros ótimos.




Vinny Britto 08/07/2018

Aquém de outras obras do King
Confesso que esperava muito mais se tratando de Stephen King (se é que realmente ele escreveu algo aqui).

Inegavelmente tem uma premissa muito boa mas que facilmente poderia ser contada num livro com um terço do tamanho atual.

Então basicamente na minha opinião o maior problema é a narrativa, que por vezes se mostrou arrastada. Num livro mais enxutinho eu teria aproveitado muito mais.
comentários(0)comente



Giovanna Vidoto 03/07/2018

Resenha originalmente postada no blog Piratas Leitores
Em todo o mundo mulheres começam a dormir e a serem envolvidas por casulos imediatamente após adormecerem. Se alguém corta e retira a membrana que as envolve, elas ficam loucas de raiva e prontas para matar quem as tiraram de seu sono para logo depois adormecerem outra vez. Todas vão para um mundo além deste, onde homens não podem afetá-las e nem machucá-las.
Enquanto isso, os homens começam o caos e instauram a violência na cidade de Dooling sem mulheres para poder controlar e acalmar a situação.
Os homens criam as Brigadas do Maçarico, em que estão dispostos a incendiar os casulos de mulheres adormecidas matando cada uma delas, aproveitando a chance de fazerem o que sempre quiseram fazer com as mulheres com a desculpa de ser uma prevenção para que o suposto vírus não se espalhe e mais mulheres saiam dos casulos matando todos que veem pela frente.
Na mesma cidade, uma única mulher consegue dormir e acordar sem ser coberta por aquele casulo que ninguém entende o que é. As poucas mulheres que ainda estão acordadas lutam para não adormecerem sem saber o que poderá acontecer com elas. São apresentadas diversas personagens com vidas completamente diferentes. Desde a xerife da cidade e detentas do Instituto Penal para Mulheres de Dooling. Cada uma adormece depois de horas ou dias, exausta se tanto lutar contra algo impossível de fugir, e cada homem que existe em suas vidas ficam sozinhos e precisam tomar decisões (às vezes, perigosas) para protegê-las do caos que o mundo virou.
O livro mostra como é injusto e cruel ser mulher. Como homens comandam ou causam as piores tragédias nas vidas femininas. Como sempre são homens por trás de uma guerra, ou de como é sempre um homem o primeiro a levantar uma arma ou como é sempre os homens a achar que tudo vai se resolver matando todo mundo, ou como é sempre um homem por trás de uma criança abusada, ou como é sempre um homem por trás de uma mulher espancada ou morta.
Então, o que aconteceria se todas as mulheres desaparecessem?

site: https://piratasleitores.wixsite.com/piratasleitores/resenhas-e-autores/belas-adormecidas-stephen-king-e-owen-king
comentários(0)comente



56 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4