O Farol e a Libélula

O Farol e a Libélula Jean E. Pendziwol




Resenhas - O Farol e a Libélula


9 encontrados | exibindo 1 a 9


CisoS 28/01/2018

Romantico, nostálgico e sentimental
Só por ser ambientado nos lagos internos do Canadá, já vale a leitura.
Um pouco feminino em excesso, o livro é bem escrito, tirando algumas frases clichês, excessivamente melosas.
Os personagens são bem construidos, o enredo bem elaborado. Ficam poucas pontas soltas, Arnie e Charlie, principalmente, pois tem sua participação limitada a fechar a história.
Boa leitura.
comentários(0)comente



Elisabete Bastos @betebooks 14/10/2018

Superou minhas expectativas
Comprei este livro pelo site e não tinha qualquer dado sobre ele, mas me encantei com a capa.
Estava até com vontade de presentear este livro a uma amiga. No entanto, lá estava eu encantada com a capa e resolvi a ler.
Surpresa!
Paixão a primeira vista!
O livro é bem estruturado, a autora explora a fauna, a flora, o mar, ilhas do Canadá. A impressão que você fica ambientado no lugar. Elizabeth é uma mulher que vive no lar de idosos e terá a oportunidade de conhecer uma adolescente neste lar, porque está cumprindo medidas de restauração educativa por ter grafitado a parede da instituição e flagrada por policiais.
Morgan é órfã, vive em lares temporários, tem temperamento agressivo e começa a ler os diários do pai de Elizabeth, ela está cega, que era faroleiro e vivia com a família numa ilha isolada.
Existem na vida destas duas, laços fortes não só emocionais, como descobertas sobre o passado de Elizabeth e Morgan (adolescente e idosa – começo e fim)
O livro é imperdível!
comentários(0)comente



Kelly 16/08/2018

Uma história surpreendente
Sabe aquele livro que te encanta no primeiro olhar? O Farol e a Libélula já estava na lista de leituras há algum tempo, mas só agora, com a parceria com a editora consegui tirar ele da lista, e só posso dizer que foi uma leitura surpreendente.

Guerra e morte pode silenciar o mais forte dos homens.

Morgan é uma jovem rebelde, desbocada e desacreditada, desde muito jovem ela vem morando em lares adotivos, e agora começou a se meter com pessoas linha dura. Ela não sabe muito do passado, quase nada da sua história, só se recorda do avó de quem ela sente imensa falta, seu último parente antes das longas jornadas a lares provisórios.

Morgan foi desafiada por Derick e sua turma a grafitar a cerca do lar de idosos, na ânsia de ser aceita e admirada ela aceitou, mas quando a policia chegou apenas Morgan ficou para pagar o pato, seu castigo, repintar a cerca, e é assim que ela conhece Elizabeth Livingstone, uma das moradoras do asilo.

Elisabeth já foi jovem e bonita, hoje esta cansada e sem visão, seu passatempo; adivinhar obras descritas por seu amigo Marty, o zelador do asilo, quando o irmão mais velho de Elizabeth sofre um acidente, a policia a procura em busca de respostas, mas ela não as tem, afinal faz anos que não se falam. Mas a policia lhe entrega diários, diários que foram de seu pai e que podem revelar coisas do passado dela que fizeram com que sua vida fosse alterada. Aproveitando sua curiosidade com Morgan, Liz pede que ela a ajude lendo esses diários, e o que elas vão encontrar nas páginas pode alterar para sempre a vida das duas.

O Farol e a Libélula possui uma história surpreendente, Morgan não conhece seu passado, além do seu avó que lhe deixou como herança um violino e o desenho de uma libélula, ela não sabe de mais nada, mas quando ela adentra o quarto da sra. cega e encontra lá a mesma gravura da libélula, sua curiosidade faz com que ela fique e ajude Elizabeth com a leitura do diário no desespero de descobrir quem é e qual sua ligação com aquele mundo.

O amor não é cego como dizem, Morgan. O amor nos cega. É um ladrão.

A trama é intensa, e no decorrer da leitura acompanharemos duas histórias, a de Morgan e Elizabeth, e a do passado que levou elas aquele determinado momento. Cada página do diário é uma viagem profunda há um passado memorável e existente, o livro possui uma pesquisa profunda e um contexto histórico instigante, que carrega o leitor para uma época longínqua e desconhecida.

A obra de Jean fala de amor, família e abnegação, daquilo que somos capazes de abrir mão pelo que amamos, trata com um tato extraordinário uma doença que pela descrição acredito ser autismo, Emily a irmã gêmea de Elizabeth é uma personagem encantadora e linda em seu silêncio, com seu dom extraordinário, vivendo em um mundo colorido onde ninguém mais é bem-vindo, uma protagonista silenciosa e delicada.

— A certa altura, todos nos perguntamos "Quem sou eu?". O fato não se trata de quem você é ou de quem você foi, mas de quem você pode ser.(...)

O farol e o a libélula é um livro que me surpreendeu muito, mesmo quando acreditei que sabia o que ia acontecer fui enganada, e quando enfim descobri o segredo que unia Elizabeth e Morgan fiquei sem ar e perplexa!! Uma trama muito bem desenvolvida, que merece e deve ser lida por todos que gostam de livros tocantes e misteriosos.

site: http://www.paraisodasideias.com
comentários(0)comente



Alcione 03/08/2018

Magnífico
Bem,o que dizer???
Estou aqui, encantada com essa história, buscando as palavras.
Li beeem devagar,com medo que acabasse...e acabou.
Apaixonei-me por Emily;por seu jeito etéreo,sua arte, sabedoria e beleza.
Quanto a Elizabeth e David?? Bem,bem... coração partido talvez defina.
Me sinto como se estivesse no farol,em meio aquele ambiente paradisíaco. Ao inverno rigoroso e verões encantadores
Personagens bem delineados, História plausível e ganchos de tirar o fôlego.
E quanto a espevitada Morgan?? Seu carisma e talentos ocultos sob aquela carapaça??
Em meio às revelações deu para entender as atitudes de certa personagem, mas nunca de aceitar.
Suspiro.
Deviam ter mais páginas..
Enfim, confesso que fazia tempo que não me apegava tanto a um livro.
Uma dica:leiam,leiam e leiam.
Vanessa 03/08/2018minha estante
Valeu pela dica!


Alcione 03/08/2018minha estante
Estou encantada. Se por acaso você nem Não deixe de dar sua opinião.


Alcione 03/08/2018minha estante
Estou encantada. Se ler,me diz o que achou.


Vanessa 03/08/2018minha estante
Falo sim!


Alcione 03/08/2018minha estante
Fazia muito tempo que eu não me encantava tanto por uma narrativa.


Vanessa 03/08/2018minha estante
Isso é ótimo! Precisamos de livros que nos inspirem, nos façam pensar...


Alcione 03/08/2018minha estante
=)


Cynthia 03/08/2018minha estante
Quero ler ?


Alcione 03/08/2018minha estante
Pois leia, Cynthia. É um primor esse livro.




EstanteColoridadaIsis 19/11/2018

#ResenhadaColorida
Morgan é uma jovem problemática que se rebelou após ter perdido seu avô, a única pessoa que restava da sua família. Sem um lar definitivo, ficou pulando de casa em casa, sem ninguém para amá-la. Ela parou de se importar com os outros e consigo mesma, tanto que se envolveu com pessoas erradas. Após ter grafitado a cerca de um lar para idosos, se viu cumprindo pena prestando serviço comunitário para esse mesmo lar. Ali ela conhece Elizabeth Livingstone, uma senhora com a visão debilitada, cheia de histórias guardadas. Após um acordo entre as duas, Morgan começa a leitura dos diários do falecido pai de Elizabeth e a medida que a leitura da jovem avança, lembranças vão tomando forma e histórias nunca antes contadas são reveladas, mostrando que a vida das duas estão ligadas ao farol e as libélulas daquela isolada ilha no Canadá.
.
.
"O Farol e a Libélula" foi uma bela surpresa. Eu esperava um clichê onde a idosa ajuda a jovem rebelde mudar sua perspectiva de vida, mas não se trata apenas disso e sim sobre a força do amor e tudo o que uma pessoa pode fazer por aqueles que amam.

A trama é surpreendente e intensa. No decorrer da leitura, conhecemos duas histórias e a forma como elas se entrelaçam. Morgan e Elizabeth não conhecem totalmente o passado de suas vidas e ambas vão redescobrindo juntas. Todos os personagens que aparecem são importantes para a trama, contribuindo em algum momento, para que nenhuma ponta fique solta. São todos extraordinários e muito bem construídos.

Cada página é uma viagem profunda, onde o autor insere um contexto histórico que mergulha o leitor em uma época longínqua e real.

Foi uma leitura maravilhosa que me fez devorar o livro até de madrugada (estou com olheiras profundas) mas compensou cada minuto. As revelações me deixaram arrepiada e de queixo caído.

Recomendo para quem gosta de um romance maduro, tocante e com uma pitada de mistério ❤

site: www.instagram.com/estantecoloridadaisis
comentários(0)comente



Tamara 04/07/2019

dentre os elementos que mais me atraem em uma história, em primeiro lugar certamente estão os segredos de família bem construídos, bem como os dramas que envolvem outra época. Dessa maneira, assim que vi a sinopse de O farol e a libélula imediatamente me senti atraída por ele, mas deixei que o livro se perdesse dentre a imensa lista das coisas que quero ler um dia. Porém, assim que uma amiga relatou que o leu e que ele se parecia muito com o meu gosto, resolvi iniciar a leitura sem demora, e admito que foi uma experiência incrível, e é uma obra que eu teria lido há muito mais tempo caso imaginasse que seria tão boa.
O livro me atraiu já de pegada por se passar, em boa parte, em uma pequena ilha retirada da civilização que abrigava um farol no Canadá, e eu adoro histórias de faróis desde que tive contato com o maravilhoso livro A luz entre oceanos, então, foi muito empolgada que descobri a história de Elizabeth e Morgan, a primeira, uma idosa cega que vivia reclusa em uma clínica de repouso para idosos ricos, e a segunda, uma menina de dezesseis anos sem grandes perspectivas de vida, que vai parar no lar de idosos enquanto presta um serviço comunitário após cometer uma infração. É dessa forma que as histórias se cruzam, e as duas personagens improváveis e tão diferentes passam a se conhecer melhor quando Morgan se torna os olhos de Elizabeth, ao ler antigos diários do pai da idosa, que parecem revelar muito do passado da mulher e vários segredos de família, que até então permaneciam enterrados, e talvez possam até mesmo revelar segredos da vida de Morgan.
Esse enredo é fluído, instigante e os capítulos curtos deixam aquele gostinho de "vou ler só mais um capítulo e depois paro", até que percebemos que já lemos a metade do livro, e estes são narrados de maneira alternada por Elizabeth, Morgan e um ou outro personagem que surge, então acabamos tendo uma visão bem ampla e nos deparamos com diversas situações, como a vida na ilha mas também a vida de Morgan nos lares adotivos. Além disso, achei que a autora é criativa e trouxe segredos que não cheguei a adivinhar antes que me fossem revelados na trama, e adoro quando isso acontece, porque depois de tantas leituras já feitas, muitas vezes descubro as tramas de forma instintiva, e aqui isso não ocorreu, e no final, todos esses segredos acabam se tornando muito bem amarrados e surpreendentes. Em suma, O farol e a libélula foi uma história linda, tocante, que mexeu comigo, me empolgou e me fez sentir lá presente nos cenários descritos, sendo a única a testemunhar cada segredo vivido pelos habitantes daquela remota ilha, bem como me levou a imaginar personagens, seus dilemas e sua época, e acredito que para leitores que são adeptos dos elementos que mencionei, essa pode ser uma leitura bastante positiva.
comentários(0)comente



MAGALHÃES 08/12/2017

Gostei
É uma historia bem interessante,gostará de ler!!!!!
comentários(0)comente



Paraíso das Ideias 09/08/2018

Um livro sobre a vida e as voltas que ela dá.
Sabe aquele livro que te encanta no primeiro olhar? O Farol e a Libélula já estava na lista de leituras há algum tempo, mas só agora, com a parceria com a editora consegui tirar ele da lista, e só posso dizer que foi uma leitura surpreendente.

"Guerra e morte pode silenciar o mais forte dos homens."

Morgan é uma jovem rebelde, desbocada e desacreditada, desde muito jovem ela vem morando em lares adotivos, e agora começou a se meter com pessoas linha dura. Ela não sabe muito do passado, quase nada da sua história, só se recorda do avó de quem ela sente imensa falta, seu último parente antes das longas jornadas a lares provisórios.

Morgan foi desafiada por Derick e sua turma a grafitar a cerca do lar de idosos, na ânsia de ser aceita e admirada ela aceitou, mas quando a policia chegou apenas Morgan ficou para pagar o pato, seu castigo, repintar a cerca, e é assim que ela conhece Elizabeth Livingstone, uma das moradoras do asilo.

Elisabeth já foi jovem e bonita, hoje esta cansada e sem visão, seu passatempo; adivinhar obras descritas por seu amigo Marty, o zelador do asilo, quando o irmão mais velho de Elizabeth sofre um acidente, a policia a procura em busca de respostas, mas ela não as tem, afinal faz anos que não se falam. Mas a policia lhe entrega diários, diários que foram de seu pai e que podem revelar coisas do passado dela que fizeram com que sua vida fosse alterada. Aproveitando sua curiosidade com Morgan, Liz pede que ela a ajude lendo esses diários, e o que elas vão encontrar nas páginas pode alterar para sempre a vida das duas.

O Farol e a Libélula possui uma história surpreendente, Morgan não conhece seu passado, além do seu avó que lhe deixou como herança um violino e o desenho de uma libélula, ela não sabe de mais nada, mas quando ela adentra o quarto da sra. cega e encontra lá a mesma gravura da libélula, sua curiosidade faz com que ela fique e ajude Elizabeth com a leitura do diário no desespero de descobrir quem é e qual sua ligação com aquele mundo.

" O amor não é cego como dizem, Morgan. O amor nos cega. É um ladrão."

A trama é intensa, e no decorrer da leitura acompanharemos duas histórias, a de Morgan e Elizabeth, e a do passado que levou elas aquele determinado momento. Cada página do diário é uma viagem profunda há um passado memorável e existente, o livro possui uma pesquisa profunda e um contexto histórico instigante, que carrega o leitor para uma época longínqua e desconhecida.

A obra de Jean fala de amor, família e abnegação, daquilo que somos capazes de abrir mão pelo que amamos, trata com um tato extraordinário uma doença que pela descrição acredito ser autismo, Emily a irmã gêmea de Elizabeth é uma personagem encantadora e linda em seu silêncio, com seu dom extraordinário, vivendo em um mundo colorido onde ninguém mais é bem-vindo, uma protagonista silenciosa e delicada.

" — A certa altura, todos nos perguntamos "Quem sou eu?". O fato não se trata de quem você é ou de quem você foi, mas de quem você pode ser.(...)"

O farol e o a libélula é um livro que me surpreendeu muito, mesmo quando acreditei que sabia o que ia acontecer fui enganada, e quando enfim descobri o segredo que unia Elizabeth e Morgan fiquei sem ar e perplexa!! Uma trama muito bem desenvolvida, que merece e deve ser lida por todos que gostam de livros tocantes e misteriosos.

site: http://www.paraisodasideias.com
comentários(0)comente



Livia Barini 05/03/2018

Interessante
Coitada da Morgan. Adolescente desbocada e cheia de energia deve ter sofrido um bocado com o tempo "sem pressa" da idosa Elizabeth ao contar sua história.
Achei que seria um livro bem previsível, mas estava enganada.
comentários(0)comente



9 encontrados | exibindo 1 a 9