Como Parar o Tempo

Como Parar o Tempo Matt Haig




Resenhas - Como parar o tempo


49 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Bia Morais 21/03/2019

Como parar o tempo - opinião
Amei esse livro desde que olhei para a capa linda e super bem acabada assim como sua lombada. A história me conquistou desde o início e adorei como é contada, mesclando o presente e o passado de Tom. As reflexões do personagem ao longo do livro são incríveis e me fizeram pensar bastante. Também amei o fato do romance ficar em segundo plano, deixando espaço para conhecermos melhor a trajetória de Tom, seus anseios e alegrias. Entrou para a lista dos favoritos.
comentários(0)comente



Jully.Suarez @jullysbookland 30/01/2019

“A Primeira Regra É Não Se Apaixonar.”

O livro conta a história do Tom, um homem que é classificado como Alba, ou Albatroz. Isso significa que ele pode viver durante séculos, diferente das pessoas “normais”. Ele já passou pela Inglaterra Elizabeteana, pela era do jazz parisiense,
e muitas outras épocas marcantes. Porém, Tom nunca conseguiu aproveitar completamente, pois sempre levou com ele a dor de um amor antigo nunca superado. De anos em anos, as pessoas como o Tom precisam trocar de identidade e localização para se protegerem, e agora Tom resolve recomeçar a sua vida em Londres, como professor de história, o que lhe dá possibilidade de contar para seus alunos experiências reais.
A partir daí acompanhamos a bagunça que a vida de Tom vira, e se eu contar o que mais acontece, a história perde toda a graça.
Tom só tem uma regra a seguir: ele não pode se apaixonar.

A história é incrível! Cheia de cenários maravilhosos, ela é contada com relatos do passado e do presente da vida do protagonista.
Ler esse livro é realmente como fazer uma viagem no tempo! Ele te leva pra lugares distante, épocas diferentes e diversas culturas!
Além disso tudo, o livro tem várias passagens bonitas e um enredo muito emocionante.
Foi uma leitura que me agradou muito, e a recomendo a todos!

site: https://www.instagram.com/p/BhkQ0QvHOeJ/
comentários(0)comente



Alan.Uemura 06/01/2019

Como Parar o Tempo possui uma premissa bem simples, e talvez por isso passe a impressão de ser mais do mesmo, o famoso sentimento de “já li essa história ou vi esse filme em algum lugar.” Entretanto, é só impressão. Escrito com a alma, a obra é uma celebração a vida e não ao amor.

“AMOR À PRIMEIRA VISTA PODE OU NÃO EXISTIR, MAS AMOR AO PRIMEIRO MOMENTO EXISTE SIM.”

site: https://www.thunderwave.com.br/resenha-como-parar-o-tempo-matt-haig/
comentários(0)comente



Paula 05/01/2019

Ideia interessante, mas história desequilibrada
Como seria envelhecer mais lentamente que o resto da humanidade? O livro conta a história de Tom Hazard, que tenta viver o presente enquanto é assombrado pelos seus séculos já vividos, refletindo sobre a repetição previsível da história humana, o medo do preconceito e a necessidade da auto-aceitação para uma vida feliz (e longa). Contudo, embora a ideia do livro seja interessante, a trama é desequilibrada. A trama se arrasta por mais da metade do livro, de maneira que várias vezes pensei em desistir da leitura. Já perto do final do livro a trama se desenrola e se explica repentinamente, dando mais dinamismo para história e aquele final agradavelmente clichê. Gostei de acompanhar o amadurecimento do personagem ao longo da história e das reflexões propostas no livro, de maneira que valeu a pena ter não ter abandonado a leitura, mas trama poderia ser mais equilibrada e dinâmica desde o começo do livro.
comentários(0)comente



Minha Velha Estante 03/11/2018

Resenha da Adriana Medeiros
Você já comprou um livro por causa do título??? Eu comprei Como parar o tempo, nem quis ler a sinopse porque algo me dizia que o título, por si só, já valia à pena. E valeu! Valeu muito!

Como parar o tempo conta a história de Tom Hazard, um pacato professor de História em Londres, que aparenta ter cerca de 40 anos, mas que, na verdade, tem verdadeiros 436 anos de vida!

“– Às vezes – falei -, o mundo não é como gostaríamos. Às vezes, as pessoas podem nos desapontar. Às vezes, as pessoas fazem coisas terríveis com as outras. É preciso ter cuidado na vida. Sabe, eu sou diferente. Você sabe, não? O mundo envelhece para a frente, e eu, aparentemente, envelheço para os lados.”

Como isso é possível? Bem, Tom tem uma condição genética chamada anageria, o que faz com que ele envelheça em um ritmo bem mais lento do que o de nós, pobres mortais.

“Essa era a conhecida lição do tempo. Tudo muda e nada muda.”

Ah, e se você está aí pensando que já leu histórias como essa, pode parar! E prepare-se para ser surpreendido!

Tom foi recrutado pela Sociedade Albatroz, que protege todos os ‘albas’ (pessoas que tem a mesma condição de Tom). Sua única regra: nunca se apaixonar! Ah, e não ficar mais de oito anos no mesmo lugar, esse seria o tempo que a anageria passaria despercebida, a partir daí as pessoas começariam a notar o não envelhecimento. E sua função é recrutar outros como ele para apenas permanecerem no anonimato, sem que a sua pseudo imortalidade seja conhecida. Enquanto o tempo passa, Tom procura por sua filha perdida, e é isso que o mantém preso à Sociedade quando não quer mais fazer parte dela.

"E quando eu não senti mais nada, quase tive saudade da dor; com dor, ao menos se sabe que se está vivo."

Matt Haig criou uma história que trata a imortalidade como uma coisa bem comum, quase banal, principalmente quando ele comprar alguns animais e plantas que chegam a viver por séculos a outros que vivem por minutos. Além disso, o seu personagem não é um sofredor que passa a eternidade se lamentando do seu triste destino de ver todos os que ama morrerem. Na verdade, Tom é um amante da vida e nós leva, junto com ele, a se questionar incansavelmente o que é viver ao nos contar o seu passado e nos deixar viver o seu presente.

Alternando passado e presente, conhecemos a infância difícil de Tom, quando sua mãe foi queimada na fogueira acusada de bruxaria, e ele precisou recomeçar sozinho. E o seu lindo romance com Rose, com quem teve uma filha, mas não teve tempo de conhece-la pois precisou fugir. E ainda vamos nos deleitar com os seus amigos ilustres, entre eles Shakespeare, Chaplin, Scott Fitzgerald.

"– […] Mas conforme a gente vai envelhecendo, Anton, vamos percebendo que não dá para se safar das coisas. A mente humana tem suas próprias… prisões. Não temos escolha sobre tudo."

Como parar o tempo é um livro daqueles que você deve ler várias vezes ao longo da sua existência porque ele fala sobre a vida, sobre como é mais importante viver o hoje apreciando tudo o que ele pode nos trazer do que apenas planejar o futuro.

Os direitos de Como Parar o Tempo já foram comprados pelo ator Benedict Cumberbatch e sua adaptação será feita pela produtora do mesmo, a SunnyMarch, em parceria com o Studiocanal.

site: http://www.minhavelhaestante.com.br/2018/10/como-parar-o-tempo-matt-haig.html
comentários(0)comente



Steh Jafet 26/09/2018

Entrou para os meus favoritos
Amei muito. Uma história envolvente, cheia de emoções. Me deu muita ansiedade para saber o final. Texto muito bem construído. Enfim, perfeito! ???
comentários(0)comente



Ingrid.Oliveira 19/09/2018

Desenvolvimento razoável
Gostei muito da ideia do livro, e só por isso avaliei com três estrelas. O problema é o desenvolvimento. Não me prendeu, nem cativou. De toda forma, achei a história muito boa, apesar de ter achado o protagonista meio mala.
a suprema 02/11/2018minha estante
Exato! Dei 3 estrelas porque a ideia é muito boa e singular, e porque tinha algumas frases bonitas aqui e ali. Porque o desenvolvimento foi muito raso, apenas para entendermos, mas não deu nem para se apegar aos personagens. E o romance dele com a Camile? (Ou Camila? Não lembro) Muito rápido e sem envolvimento algum. No livro consta que os direitos autorais para o cinema já foi vendido. Espero que o filme supere o livro!




Robson Souza 26/08/2018

Que livro!!
Sensível, humano, profundo, mas escrito com uma leveza incrível! Estupendo!! Quero ler tudo o que Matt Haig já escreveu!
comentários(0)comente



Kelly 12/08/2018

Em como parar o tempo, vamos conhecer Tom Hazard, nessa obra o nosso protagonista sofre de uma anomalia genética que atrasa o seu envelhecimento em uma média de 15 anos para 1. O que isso significa? Que Tom tem 439 anos e aparenta apenas 30. Legal né? Nem tanto... e Tom vai te explicar o porquê.

"-Você não é o único que sofre no mundo. Não segure as dores como se fossem preciosas. Tem o suficiente delas por aí."

Apesar de para muitos a ideia de ter uma vida extremamente longa ser um sonho, para Tom isso se tornou um pesadelo, desde muito cedo ele vem sofrendo com sua situação, sua mãe foi assassinada acusada de bruxaria, e desde então ele vem fugindo, se mudando, tentando não ser reconhecido, até que ele conhece Rose, uma humana normal e se apaixona.

Se apaixonar por Rose foi o que deu sentido à vida de Tom, mas quando sua filha nasce e sua mulher começa a envelhecer, as coisas começam a se complicar, fazendo com que ele vá embora e deixe sua família para trás. Séculos depois Tom está à procura de sua filha Marion, ela também é uma Alba e ele precisa encontrá-la.

Como parar o tempo nem de longe é o que eu esperava, a capa é lindíssima e a sinopse me conquistou logo de primeira, mas eu esperava um romance que atravessasse os séculos, e não foi isso que encontrei. Apesar de ser o amor que tem pela filha que mantém Tom vivo, ainda sim, o livro é uma crítica profunda sobre o tempo e o ser humano.

"A lição da história é que ignorância e superstição são coisas que podem surgir, dentro de quase todo mundo, a qualquer momento. E o que começa como duvida na mente pode rapidamente se tornar ação no mundo."

O livro é narrado em primeira pessoa, Tom irá nos contar sua história, a história acontece no presente, mas em alguns momentos Tom retorna ao passado, e muitos desses retornos são fora da ordem cronológica causando uma certa confusão. Apesar de o enredo ter uma pegada crítica bem forte, o sentido do livro não fica claro para o leitor, até a metade da obra ainda estava me perguntando qual o sentido de tudo? Só contar a história dele ou tinha algo mais?

Por ter 439 anos, Tom viveu muita coisa e foi muitas pessoas, ou seja, nas suas voltas ao passado vamos ser apresentados a pessoas famosas, como Shakespeare e outros grandes nomes da história do mundo. E ainda sim, seremos apresentados as injustiças do mundo que mesmo depois de séculos persiste.

Tom aponta com clareza a incapacidade do homem de aprender com seus próprios erros, e como ao passar das gerações as mesmas atitudes são tomadas por grandes homens fazendo com que o mundo viva em looping eterno de ignorância e morte.

Muitas coisas apontadas no livro são magníficas e levam o leitor a refletir sobre a história do nosso mundo, sobre as guerras que foram e as que virão. Nos faz refletir sobre o amor e a dor da perda, e acima de tudo, se ter um tempo tão escasso na vida não deveria ser melhor aproveitado.

Apesar de não ser o romance que eu esperava, no final Tom me tocou com suas palavras e me fez refletir bastante.

A edição da Harper está linda, uma capa incrível, mas a encadernação deixou a desejar, o livro é pequeno, até aí tudo bem, mas o espaçamento dado entre a costura e o texto é muito curta, fazendo com que o leitor tenha que fazer força para manter o livro aberto durante a leitura, isso foi o que mais me incomodou, mas a diagramação e revisão estavam impecáveis.

Como parar o tempo é um livro que fala da vida e do mundo, o amor e as tristezas, mas acima de tudo a história e as injustiças da humanidade. Se você gosta de uma boa história, com muito conteúdo histórico e boas críticas para reflexão, Como parar o tempo é o seu livro!!!

site: http://www.paraisodasideias.com
comentários(0)comente



TRB 08/08/2018

O passado sempre se repete?
A primeira vista Como Parar o Tempo pode parecer um enredo repetitivo e sem novidade. Contudo, essa impressão de estarmos diante de mais do mesmo fica só na sinopse. O livro é uma ode as experiências de vida e não as paixões.

Como primeira impressão o livro cumpriu seu papel em ser simples, direto e genial. Matt Haig foge dos esteriótipos da imortalidade e suas desventuras amorosas. Como gatilho, a imortalidade descrita por Haig é isso, não há recibos sobre a causa e nem nenhuma explicação para Tom, o protagonista de Como Parar o Tempo, viver para sempre. Através das páginas vemos o autor jogar com a imortalidade do personagem, criando paralelos entre ele e bichos que vivem por muito tempo.

A grande dúvida em torno do livro é o que é realmente viver? Durante toda a narrativa somos bombardeados com essa questão, enquanto o livro vai e volta pelo passado, presente e futuro de Tom.

Como Parar o Tempo nos mostra por A mais B que o futuro é uma estranha combinação do passado com o presente. Tom passa seus séculos de vida como um professor de história, graças a sua condição imortal, pulando de lugar em lugar e ensinando que o passado tende sempre a se repetir.

Matt Haig escreve nesse livro principalmente sobre os tons de cinza entre o branco e o preto que pode ser a história da humanidade e das nossas vidas. De forma extremamente consciente, ele descreve sobre as formas como vamos sofrer, amar, chorar, sorrir, se cansar, aprender. Tom é uma metáfora sobre nós, nossas futilidades, nossos temores, enfim, nossa vida.

Nada melhor do que um personagem imortal para nos mostrar a nossa mortalidade. O nosso ser finito. A nossa ganância de perseguir um futuro melhor e fechar os olhos para o hoje.

Como Parar o Tempo acaba por ser uma leitura bem dinâmica e atemporal. Assim como outros títulos, como Um Dia de David Nicholls, o livro é independete em si, sendo possível ler capítulos isolados como breves histórias. Mas é importante chegar ao final da jornada literária de Tom para que você tenha acesso ao entendimento maior.

O tempo move-se para a frente. Temos o luxo de ter tempo, mas ainda não podemos revertê-lo. Não podemos pará-lo. Seguimos em via de mão única, como as efemérides.

Como Parar o Tempo ganha adaptação pro cinema
E para aqueles que terminaram o livro com gostinho de quero mais, o título ganhará uma adaptação para a TV e será estrelado pelo ator Benedict Cumberbatch. Você pode ficar por dentro de tudo no Benedict Cumberbatch Brasil.

___

A edição brasileira de Como Parar o Tempo é obra da HarperCollins Brasil, que fez um trabalho muito bom, tanto com a diagramação quanto com a tradução do livro. A capa é uma adaptação da original e o título foi traduzido ao pé da letra como as vezes precisa ser feito. Se você gosta de histórias que te prendem do início ao fim, você pode adquirir o livro aqui com uma super oferta que a Amazon fez pro blog.

site: https://thereviewbooks.com.br/como-parar-o-tempo/
comentários(0)comente



gabis 11/07/2018

"Viver é mais do que o passado e o futuro. É estar aqui, de verdade"
Posso dizer com certeza que nunca li um livro com um autor tão cheio de sensibilidade e diálogos tão profundos. Ao mesmo tempo que me perdi na história, me peguei pensando sobre o mundo ao meu redor e como temos tanto medo do passado, do presente e do futuro que esquecemos de viver tudo que há de bom. Vivemos perdidos dando valor a coisas passageiras e acabamos perdendo nossa essência. Os tempos mudam mas as necessidades básicas humanas não mudam: amar, sentir, palpar - viver.

"Quando as coisas começam a acontecer, outras coisas acontecem. (...) Tudo o que podemos fazer é observar o padrão, o ritmo, e vivê-lo"

Foi um livro bom. Um pouco lento e o protagonista, por mais que bem trabalhado sobre sua condição de não envelhecer, ficou restrito a isso. Tudo o que definia o personagem era a sua idade e em alguns momentos isso se tornou um pouco cansativo. Queria conhecê-lo mais. Ter me divertido mais com ele. Me trouxe apenas momentos de reflexão, portanto não considerei uma leitura leve. Me perdi demais nos pensamentos do livro (ainda estou decidindo se isso foi bom ou ruim).
O ritmo deu uma alavancada após um pouco mais da metade e isso melhorou demais a leitura. Gostei bastante. Nunca esquecerei: "Nesses presentes que vibram com vida, o presente dura para sempre".
comentários(0)comente



gabis 11/07/2018

"Viver é mais do que o passado e o futuro. É estar aqui, de verdade"
Posso dizer com certeza que nunca li um livro com um autor tão cheio de sensibilidade e diálogos tão profundos. Ao mesmo tempo que me perdi na história, me peguei pensando sobre o mundo ao meu redor e como temos tanto medo do passado, do presente e do futuro que esquecemos de viver tudo que há de bom. Vivemos perdidos dando valor a coisas passageiras e acabamos perdendo nossa essência. Os tempos mudam mas as necessidades básicas humanas não mudam: amar, sentir, palpar - viver.

"Quando as coisas começam a acontecer, outras coisas acontecem. (...) Tudo o que podemos fazer é observar o padrão, o ritmo, e vivê-lo"

Foi um livro bom. Um pouco lento e o protagonista, por mais que bem trabalhado sobre sua condição de não envelhecer, ficou restrito a isso. Tudo o que definia o personagem era a sua idade e em alguns momentos isso se tornou um pouco cansativo. Queria conhecê-lo mais. Ter me divertido mais com ele. Me trouxe apenas momentos de reflexão, portanto não considerei uma leitura leve. Me perdi demais nos pensamentos do livro (ainda estou decidindo se isso foi bom ou ruim).
O ritmo deu uma alavancada após um pouco mais da metade e isso melhorou demais a leitura. Gostei bastante. Nunca esquecerei: "Nesses presentes que vibram com vida, o presente dura para sempre".
comentários(0)comente



chayaleluia 07/07/2018

Um livro que vale ser compartilhado!
Como Parar o Tempo - Matt Haig, @harpercollinsbrasil | #OpiniõesRL |

"A história não precisa ganhar vida. Ela já é viva. Nós somos história. A história não são os políticos, reis e rainhas. Histórias é todo mundo. É tudo. É o seu café. É possível explicar muita da história do capitalismo e do império e da escravidão apenas falando sobre café. A quantidade de sangue e sofrimento necessária para que possamos sentar aqui e beber café nesses copos descartáveis é impressionante."

Tom Hazard esconde um segredo perigoso. Ele pode aparentar ser um quarentão normal, mas por causa de uma estranha condição está vivo há séculos. Da Inglaterra elisabetana à era do jazz parisiense, e de Nova York aos mares do sul, Tom já testemunhou tanto que agora precisa apenas de uma vida normal.

Sempre trocando a identidade para se manter a salvo, ele encontra o disfarce perfeito trabalhando como professor de História em Londres. Assim, pode trazer suas experiências do passado como fatos vivos. Pode manipular as histórias para seus alunos. Pode levar uma vida normal. Tom só não pode se esquecer da primeira regra. "Não se apaixonar"
?? ?
Uma história cheia de aventuras, onde o leitor viaja por todos os lugares do mundo através da escrita emocionante do autor.

Neste livro podemos acompanhar os amadurecimentos, as cicatrizes que o tempo deixa nas pessoas e a esperança em encontrar uma das pessoas a qual mais se ama.

Matt Haig é um autor esplêndido com uma escrita poética que encanta o leitor com os detalhes ricos que ele escreve a cada cena, que construiu um personagem com uma força gigantesca em busca do amor e da liberdade. Matt me conquistou, me ensinou e me deixou curiosa para ler mais obras dele.

Como Parar o Tempo é um romance doce e envolvente sobre como se perder e se encontrar na própria história.

É um livro lento rico em detalhes, mais que deixa uma mensagem linda sobre a vida, sobre a esperança, sobre as certezas da mudança dos tempos e o tempo que a vida leva para nos ensinar como vivê-la.

É um livro que recomendo a todos.
comentários(0)comente



guigagirl 21/06/2018

Mto chato
não gostei. achei lento demais. nada acontece
comentários(0)comente



Melissa 15/05/2018

como não querer ler esse livro pra sempre
Como Parar o Tempo conta a história de Tom, um homem com mais de 430 anos, que sofre de uma mutação (?) genética chamada anageria, e faz com que ele envelheça muito lentamente. Acontece que Tom está cansado. Não vê mais motivos para continuar vivo. Não tem mais família. Nem amigos. Nem propósito. Até que ele se apaixona.

Mas a primeira regra da sociedade albatroz é justamente não criar laços, não se apaixonar, porque isso pode destruir todas as pessoas com essa peculiaridade e todos aqueles que os amam. É uma vida realmente longa e solitária.

Acompanhamos Tom na sua busca pela sua filha desaparecida há séculos, seu desejo de encontrar algo por que lutar, sua vontade de se entregar a esse amor, mesmo que isso vá contra tudo o que foi ensinado.

Uma história cheia de tempo, onde viajaremos por todos os lugares do mundo através da escrita poética e comovente do autor. O livro não tem grandes surpresas e aventuras, tem mais a ver com a existência humana, sua essencialidade, a passagem do tempo, as cicatrizes da vida, equilíbrio, seguir em frente, fazer o que gosta, estar com quem se ama, nunca perder as esperanças de que as coisas vão melhorar, sobre viver propriamente, sobre rotinas e hábitos, sobre a beleza de passear com o cachorro e admirar um lago sentado em um banco de praça com a cabeça encostada no ombro do amor da sua vida. Cheiro. Tatos. Gostos. Momentos.

É uma história de um homem que viu a história se repetir da mesma maneira, com novos cenários e novos personagens, que viu, fez e sofreu com escolhas erradas. Que deseja mudar, porque a vida sempre muda quando a gente menos espera.

Talvez se você é meio acelerado dos pensamentos não vá gostar muito. Porque é um livro filosófico com uma roupagem romântica. Discute-se o sentido das coisas e as coisas sem sentido. A construção dos personagens é a melhor coisa do livro. Tem muitas descrições de ambientes também. Eu gosto, parece que estou lá com ele.

Eu amei por ser um livro despretensioso. Por se propor a contar uma história e simplesmente contar. Sem forçar a barra com elementos e explicações loucas. Só achei o final meio corrido, mas isso não tira a beleza do que foi essa história maravilhosa.


site: instagram.com/honeynbooks_
comentários(0)comente



49 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4