Demônio ou Anjo

Demônio ou Anjo Anne Holt




Resenhas - Demônio ou Anjo


5 encontrados | exibindo 1 a 5


Blog De Bem Com a Leitura 19/03/2018

A mãe de Olav percebeu desde o seu nascimento que havia algo de errado com ele, tentou alertar aos médicos, pediu ajuda, mas ninguém acreditou. Então ela passou anos e mais anos sem saber o que fazer com o filho, sem saber como reagir diante de seus ataques de fúria, sem conseguir impor algum limite a ele. Olav sempre fez o que tinha vontade e a mãe nunca contrariou. Era mais fácil permitir a negar e começar uma briga.

Agora Olav tem 12 anos e foi diagnosticado com DCM (Disfunção Cerebral Mínima). O Serviço de Assistência ao Menor entendeu que a mãe não tem a menor condição de criar Olav e o encaminhou para um orfanato. Obviamente isso mexeu com os dois, a mãe ficou indignada, tanto tempo pedindo socorro e quando alguém ajuda e para levá-lo embora. Ele ficou inconsolável, queria estar ao lado da mãe.

O orfanato para o qual Olav foi levado é o último para onde se levam as crianças, só vão parar lá as crianças problemáticas, aquelas que ninguém mais consegue lidar. Ao todo são oito crianças e cada uma com a sua personalidade forte, mas Olav chegou mudando tudo, desde as crianças aos funcionários. No orfanato as vontades dele não são feitas e isso é um problema para ele.

Olav não interage com os demais, mas parece ter alguma empatia com um menino mais novo. Tenta ajudá-lo algumas vezes, ao seu modo torto, mas tenta. Ele não gosta dos adultos, nenhum deles o entende e ele se sente confrontado. A única funcionária que é capaz de vencer as barreiras do garoto é Maren, ela sempre defende as crianças, diferentemente da diretora do orfanato que é muito rígida e não permite deslizes.

Olav teve uma forte discussão com a diretora, desde que ele chegou a tensão na casa só aumenta. Olav não respeita ninguém, sempre debatendo, ofendendo, agredindo (física e verbalmente). Então, uma noite ele resolve fugir de lá, mas justamente nessa noite a diretora do hospital é encontrada morta em sua sala. Olav fugiu por ter assassinado a diretora ou por ter visto o assassino? Todos sabem que ele não se sentia à vontade lá, mas isso seria motivo suficiente para levar um garoto de doze anos a fugir ou ele teria sido coagido?

A policia segue diversas linhas de investigação, a vida da diretora continha alguns segredos e quanto mais eles avançam, mais encontram motivações para alguém querer matá-la. A polícia precisa encontrar Olav e precisa descobrir o autor do crime; muitos mistérios envolvendo aquela fatídica noite ainda estão ocultos e encontrar Olav pode trazer a solução. Se ele é o assassino ou não a polícia ainda não sabe.

Leia a resenha completa lá no blog > https://goo.gl/kBRUsr

site: http://vocedebemcomaleitura.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Malucas Por Romances 20/06/2018

Resenha completa no blog
Algum tempo atrás li Números de Azar da Anne Holt, e adorei tanto a escrita como os personagens, então não tinha dúvidas que Anjo ou Demônio seria leitura uma ótima leitura.

Demônio ou Anjo inicia com Olav chegando em um orfanato. Olav tem 12 anos e desde o nascimento sua mãe sente que tem "algo errado" com ele. No começo sua mãe chega a procurar ajuda e sempre tem a resposta que Olav é normal e muitas vezes culpam a forma que ela está educando (porque isso sempre acontece, culpa é sempre da mãe). O livro demora um pouco pra explicar o por que Olav está no orfanato naquele momento, mas quando você realmente descobre a sua raiva vai ser enorme.

Olav sempre teve diversos ataques de fúrias, e ao chegar no orfanato isso não foi diferente. Agora além dele está em um lugar desconhecido, sofrendo bullying e com saudades de mãe, ele não consegue se conectar com ninguém se isolando.

Esse orfanato é pra crianças problemáticas (detesto esse termo, mas é o mesmo usado no livro e no momento não sei qual se encaixaria melhor aqui), além de Olav tem mais 8 crianças, cada um com sua personalidade forte e seus problemas pra lidar. Ainda conta com alguns adultos pra ajudar com a educação dessas crianças.

"...Crianças eram com adultos: Algumas encantadoras, outras fascinantes, mas havia as desprezíveis."

Olav não gosta de adultos, e a única pessoa além da mãe dele que consegue fazer algum tipo de "contato" com ele é Maren, uma das funcionárias do orfanato. No decorrer do livro Olav tem diversas discussões com a diretora Agnes Vestavik que também não demonstra gostar muito do garoto. E assim eles vão vivendo a trancos e barrancos, até que uma noite Agnes Vestavik é encontrada morta em seu escritório do orfanato com a faca de cozinha cravada nas costas, e na mesma noite Olav desaparece deixando ele como o principal suspeito.


"Por alguma razão, porém, o incidente o assustou. Por alguns dias, ele esteve tão dócil que quase me inquietou. Agora eu podia sentir a mesma coisa novamente. Ele parece extremamente aterrorizado. Mas o que eu vou fazer quando o medo passar?"

Esse caso vai parar nas mãos Hanne Wilhelmsen, e ela é muito FODA, adoro a visão que ela tem de todo o caso, e junto com outros policiais e seu amigo e detetive Billy T. eles vão fazer de tudo pra descobrir se realmente foi Olav o assassino. Além de contar com os problemas pessoais que Hanne Wilhelmsen tem que lidar no momento.

Não vou mentir que achei a escrita desse livro totalmente diferente de Números de Azar, nesse livro o foco inicial é Olav e todas as pessoas do orfanato, até acontecer o assassinato demoramos um pouco pra ver a Hanne em ação.

Hanne é uma das personagens que adoro, não só pelo lado profissional, mas também pelo pessoal. Hanne mostra um lado todo forte e determinado como policial, mas a sua vida pessoal é outra coisa e ela mostra uma certa fragilidade, e com isso cada livro que passa me conecto mais com a personagem.




O livro é todo escrito em terceira pessoa, nos dando uma visão melhor do caso. A capa como sempre é linda, a Fundamento em cada livro que passa me faz ficar mais apaixonada pelos livros deles e todo cuidado que tem não só com a capa, mas também com a diagramação. Esse é o livro três de série, mas cada livro tem um caso e pode ser lido fora de ordem ou como livros únicos.

RESENHA COMPLETA NO BLOG

site: http://malucaspor-romances.blogspot.com/2018/06/resenha-demonio-ou-anjo-hanne.html#axzz5J0FNHOBn
comentários(0)comente



Paula 28/09/2018

Cansativo na minha opinião, mas com um bom final
Achei o livro com muitos personagens e com vários nomes parecidos que me deixaram confusa.
Demorei um tempão pra ler, pq estava achando meio chato, mas não queria abandonar.
Mas o final vale a pena. Gostei de ter terminado de ler.
Se você é fã dos livros estilo Agatha Christie, acho que gostará desse livro também.
comentários(0)comente



Minha Velha Estante 09/01/2019

Resenha do Minho
Hanne Wilhelmsen está novamente em ação e dessa vez cuidando de um caso que parece óbvio demais. A chegada de Olav no Orfanato deixou todos em perturbação, principalmente a diretora Agnes Vestavik. Semanas depois a mesma é encontrada morta com uma faca em suas costas e Olav desaparece na mesma noite do assassinato. Uma criança de 12 anos teria tamanha crueldade?

Enquanto as investigações e as buscas estão em andamento, Hanne e Billy T. vasculham a vida dos outros funcionários do Orfanato para descobrir segredos internos e possíveis problemas entre eles, e quais teriam levado o assassinato premeditado de uma mulher angustiada.

Em paralelo, Hanne está tentando manter sua vida profissional na linha, mas com uma nova posição na hierarquia da delegacia, os problemas estão começando a desabrochar. Fica cada vez mais difícil de absorver o potencial de sua equipe e demandar detetives competentes para fazer seu devido trabalho, e tudo isso está ficando cada vez mais difícil de controlar.

Não só seu trabalho está causando problemas, mas sua vida pessoal também se encontra à beira do caos. A vontade de Cecilie de ter um filho está se mostrando muito importante e Hanne não pensa em criar uma família num período como esse, mas será que elas terão um momento certo para elevar o amor que elas sentem?

Mais uma vez estou falando o quanto a Anne Holt é incrível! Depois de ler A deusa cega, fiquei louco para ler outros livros da autora, e depois de ler Anjo ou demônio, só tenho a declarar meu amor por ela!

A história é bastante envolvente e a cada capítulo, novas dúvidas aparecem e apenas nas últimas páginas nós descobrimos o verdadeiro assassino! Minhas táticas de desvendar mistério falharam completamente e fiquei surpreso com a revelação do mistério!

Vários personagens possuem um motivo para ter assassinado Agnes, e, Junto com Hanne e Billy T., colocaremos um fim nesse mistério. Toda a construção do caso está impecável, com detalhes cruciais para criarmos teorias e decidir quem é culpado e quem é inocente.

Um detalhe que já percebi na escrita da autora, é que a mesma não faz uso de cenas de ação. Todas as cenas possuem um grande grau de inteligência, provando que um thriller policial não precisa derramar sangue à todo canto.

Anjo ou demônio se tornou uma das minhas leituras favoritas do ano, e espero conhecer os outros livros da autora em breve.

site: http://www.minhavelhaestante.com.br/2018/12/demonio-ou-anjo-anne-holt.html
comentários(0)comente



Alex Nascimentto 03/03/2019

"Ela não era santa. Ela não conhecia nada mais idiota do que a cara de "eu gosto tanto de crianças...". Crianças eram como adultos: algumas encantadoras, outras fascinantes, nas havia as desprezíveis".???????????????????
Em Demônio ou Anjo, conheçamos a história de uma criança de 12 anos, o Olav, que é um garoto com comportamentos totalmente diferentes das demais crianças, que inclusive machucou sua mãe quando ainda era um mero bebê, ela nunca conseguiu controlá-lo. Com o passar dos anos, ele foi diagnosticado com DCM, uma Disfunção Cerebral Mínima, sendo esse motivo crucial para ser mandado para um orfanato, já que sua mãe não teria a mínima condição de cuidar dele. ???????????????????
Especificamente, esse orfanato é conhecido por tratar de crianças que, de alguma forma, passaram por problemas e não conseguem mais socializar com outras. Quando Olav chega no orfanato é entregue aos cuidados da Agnes, que é a cuidadora do lar, super exigente e respeitada, e também querida pelas crianças. No entanto, Olav só se dá bem com uma única pessoa do lar, Maren, que apesar de dividir as mesmas funções com Agnes, ela conseguia ser mais mansa, já que ele sempre estava a brigar com a diretora, inclusive agredindo-a verbalmente. ???????????????????
Tudo parecia apenas mais uma discussão com começo, meio e fim, mas algo horroroso acontece dentro do orfanato, Agnes é encontrada morta, em seu escritório, com uma faca cravada nas costas. Logo os funcionários percebem que Olav fugiu do lar, sem deixar pistas ou rastros. Hanne Wilhelmsen, que agora é promovida a inspetora chefe será encarregada de encontrar essa criança e solucionar as perguntas que o caso precisa.???????????????????
"Ele era muito grande. E eu sabia que havia algo de errado..."


O livro apresenta uma narrativa ágil que prende o leitor em suas páginas, fazendo com que nós também necessitemos buscar as repostas para esse caso. A autora conseguiu ao construir o cenário do orfanato trazer uma característica muito bem segura, uma vez que tudo está descrito tão perfeitamente, desde o amanhecer ao anoitecer das pessoas que ali vivem. Eu, particularmente, não conhecia um orfanato para crianças problemáticas, e isso é o grande diferencial desse suspense. Devemos entender que o foco do suspense está em Olav e no seu comportamento, e lendo o livro podemos, através das memórias de sua mãe entender o lado desse personagem, pois temos uma mãe que ama seu filho, mas não sabe o que fazer para ajudá-lo e se torna muitas vezes impotente. Eu adorei o final da história, apesar de já desconfiar dele, mesmo sem ter lido nenhuma resenha do livro até agora. A Hanne que vive um romance secreto com a Cecilie, também é uma personagem muito bem construída dentro das obras da autora, espero logo, logo, ler os próximos da autora, e que vocês também tenham gostado da resenha de hoje!
comentários(0)comente



5 encontrados | exibindo 1 a 5