História é Tudo Que Me Deixou

História é Tudo Que Me Deixou Adam Silvera




Resenhas - História é Tudo Que Me Deixou


73 encontrados | exibindo 61 a 73
1 | 2 | 3 | 4 | 5


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Bia 29/09/2018

Bem vindo ao clube dos canalhas.
Eu estava com expectativas tão boas para esse livro e fazer essa resenha me dói muito (ou não, é um pouco aliviante também, afinal eu posso por pra fora tudo que to sentindo aqui dentro).

Se você quer um conselho, jogue suas expectativas num triturador de lixo, se você não quer conselhos, jogue suas expectativas num triturador de lixo, esse livro não é o que você está pensando (pra mim não foi).

Eu nunca odiei tanto personagens não reias (se você está duvidando pode ler minhas resenhas de outros livros odiando os livros e um outro personagem, mas eu NUNCA odiei quase todo mundo em um livro, sim, quase, o Wade é um idiota que eu vou proteger).

Primeiro vamos falar do mais babaca de todos e que está morto (e que se estivesse vivo eu torceria pra morrer do começo ao fim) Theo, aaaaaa o Theo, não sei por onde começar, talvez por ele ser fofo na história mas também um idiota (e então você pode vir me dizer que o nome disso é defeitos e profundidade e eu vou te dizer que isso é ser um escroto) durante toda a narrativa do Griff estava claro pra mim que o Theo não se importava tanto com ele quanto ele se importava com o Theo, convenhamos, ele tava namorando outro cara, isso é como ter escrito com marca texto cor de rosa um "eu não ligo pra você" na testa.

Agora eu PRECISO reclamar do Griff (e eu vou chamar ele assim durante toda essa resenha porque é algo exclusivo do Theo e eu quero que o Theo se foda) o Griff tá tão mergulhado no luto dele que tudo que ele consegue ser é um egoísta de merda (durante boa parte da história eu parava fechada o livro e pensava, Griff você é um merda meu amigo) ele não pensa em absolutamente ninguém além do Theo e no Jackson e quando pensa no Jackson é mais como uma extensão do pensamento do Theo, tipo quando a gente pensa na Sandy e imediatamente vem o nome Junior junto.

O Jackson não é o boy injustiçado que achei seria, ele tá mais pra o boy mimado e ciumento que ficava disputando o amor de um cara que claramente não amava ninguém (e sim eu tô falando de você Theo, seu escroto) e tá, conforme você conhece ele tu pode até se afeiçoar um pouco mas isso não é como sei lá, o Martin em Simon vs a agenda homo sapiens que chatagia o Simon e você ri das piadas dele porque ele é um bobo da corte, o Jackson é só o Jackson, ele tá de luto e o Griff tá de luto então eles decidem ficar de luto juntos (quando na verdade eles tinham várias outras opções, parece até que ambos queriam jogar sal naquela ferida e esfregar)

E agora por último mas não menos importante o único canalha que vou defender, o Wade, e então vocês podem me perguntar como eu sou capaz de fazer isso maaaas essa não é a questão, a questão é como eu NÃO faria isso, porque ele é o único ali que não tá sendo um idiota, ele tá sofrendo e tentando ajudar o Griff e isso é ser amigo de alguém de verdade, não conheci ele muito bem durante a narrativa (e isso me incomodou bastante, ele fazia parte da tropa, mas tudo que o Griff conseguia falar era sobre como o Theo gostava disso e daquilo e como o Theo fazia isso e aquilo, era irritante).

Eu não vou dizer que o Adam não escreve bem, isso é uma mentira das grandes, ele me fez ficar apaixonada (bem no começo) me fez sentir raiva, me fez odiar personagens como se eles fossem reais e me fez seguir em frente quando eu queria desistir.

Mas diferente de algumas pessoas que dão notas altas pra livro que fazem elas passarem raiva eu não sou assim, eu leio um romance gay (e essa era minha expectativa um romance gay e fofo onde eu me apaixonasse por todo mundo e chorasse pela morte do meu shipp) eu leio esperando amar aquilo porque é algo que eu goste e não achar que todos os personagens deveriam morrer.

E agora aqui vai algumas coisas que gostaria de conversar com quem leu esse livro, então se você ainda não leu saia dessa resenha agora.

Só eu achei o Theo abusivo? Ele estava vivendo um vida com outro cara e queria o Griff ali, esperando por ele, falando com ele todos os dias e nunca se apaixonando por outra pessoa.

E mais uma dúvida sobre o Theo, será que ele iria ficar com o Jackson por muito tempo? Será que ele pretendia manter uma relação a três? Ou será que ele logo largaria o Jackson ficaria com outro cara e deixaria o Griff esperando eternamente?

E em relação a Wade, foi só eu ou todo mundo percebeu que ele amava mais o Griff do que o Theo jamais seria capaz? O Theo deu o Ron para o Griff achando que aquele fosse o personagem preferido dele e os dois eram melhores amigos, já o Wade sabia sem o Griff precisar dizer que era o Cedrico, e tá, talvez ele ter se aproximado do Griff daquele jeito e eles terem ficado sem amor por uma parte (porque eu não tenho dúvidas de que o Wade amava ele a muito tempo embora ele nunca fosse admitir que sempre quis estar no lugar do Theo) não foi nada certo, mas por acaso tinha algum outro jeito?

O Wade é o verdadeiro personagem injustiçado nesse livro, ele colocou todo mundo acima dele e se ferrou.

E por último, vocês também acharam que o Theo ter se matado após ouvir o áudio foi egoísta pra cacete? Porque gente eu tenho minhas dúvidas sobre as brigas dele com o Wade, tenho minhas dúvidas sobre ele não saber que o Griff e ele estavam se pegando e sendo felizes juntos, será que ele não ouviu o áudio e na mesma hora entendeu que o Griff tava ligando pra dizer "eu ainda amo muito você, mas não posso te esperar para sempre, eu estou com o Wade e não me sinto feliz assim desde que estive com você"? E talvez ele não quisesse se matar de verdade, mas por um segundo ele quis muito e quando percebeu não tinha como voltar atrás?
carryonjovem 04/12/2018minha estante
Nunca discordei tanto de uma resenha


Marcus.Vinicius 25/12/2018minha estante
Nunca discordei tanto de uma resenha 2




Leo Oliveira 08/09/2018

"História é tudo que me deixou" foi o segundo livro do Adam que li e, com toda a certeza desse mundo, posso dizer que fui surpreendido mais uma vez. Seja pela construção dos personagens, pela qualidade narrativa ou por simplesmente amar a forma como tudo se desenvolve. Adam se tornou um dos meus autores favoritos e é incrível ver como ele evoluiu muito de um livro pro outro.

Wade ♥♥
comentários(0)comente



Lucas dos Reis @EstanteQuadrada 03/08/2018

Pesado porém incrível
Quando se olha para a capa de História é Tudo que Me Deixou é possível perceber que ela está dividida, uma parte afundando e uma parte voando. Essa seria uma ótima interpretação de como esse livro é dividido: a história bonita, fofa e inspiradora, e a história sombria e triste.

A história fofa do livro é narrada nos capítulos intitulados como "História", e conta mais do passado do Griff, que é um adolescente gay que namorou seu melhor amigo por 1 ano. Nesse período tudo são flores, os dois se amam e sonham com seu futuro juntos para sempre, e nenhuma sombra de barreira fica a vista.

Já a parte triste do enredo é denominada de "Hoje", e começa quando o protagonista está se arrumando para ir ao enterro de Theo, o tal do melhor amigo. Em alguns capítulos adiante descobrimos que eles não só eles não estavam mais juntos, como Theo estava namorando um outro garoto, chamado Jackson. E esse relacionamento deles durou também pouco mais de 1 ano.

O livro intercala os capítulos do passado e presente, fazendo com que uma história simples se torne um pequeno suspense que brinca com a curiosidade do leitor. Os acontecimentos principais da vida dos dois fica sempre sendo usada como forma de surpreender o leitor. Adam soube planejar a história tão bem que conseguiu tornar a vida de um adolescente o alvo principal da atenção e curiosidade.

Continue lendo:
http://estantequadrada.blogspot.com/2018/07/historia-e-tudo-que-me-deixou-de-adam.html

site: http://estantequadrada.blogspot.com/2018/07/historia-e-tudo-que-me-deixou-de-adam.html
comentários(0)comente



Arca Literária 02/08/2018

disponivel no link http://www.arcaliteraria.com.br/historia-e-tudo-que-me-deixou-adam-silvera/

site: http://www.arcaliteraria.com.br/historia-e-tudo-que-me-deixou-adam-silvera/
comentários(0)comente



Pedro | @magus_books 16/06/2018

Você ainda está vivo em universos alternativos, Theo, mas eu vivo no mundo real, onde, nesta manhã, aconteceu o seu velório.
HISTÓRIA É TUDO QUE VOCÊ MDEIXOU do Adam Silveira, vai contar a história de Theo, Griffin e Jackson, onde Griffin e ex namorado de Theo e Jackson e seu atual. Entretanto, tudo muda após a morte de Theo afogado, e Griffin e Jackson encontra entre eles o refúgio que ambos precisavam para passar por essa situação.

O livro está dividido entre hoje e história, onde hoje, irá contar os acontecimentos após a morte de Theo e história, os acontecimentos até a morte de Theo, contada no ponto de vista do Griffin.

Entretanto o livro tem algumas curiosidades que pode fazer você achar um pouco cansativo.

A primeira é que os capítulos hoje, são muito grande e às vezes pode parecer cansativo, pois Griffin sempre está conversando com o Theo. Ok, eu entendo que a ideia do Adam era deixar a gente mais a parte do que acontecia com o casal, porém ele poderia ter diminuído esses capítulos e aumentando os capítulos de história.

Outro fator é que somente no meio para o final da história alguns fatos são revelados e o que faz a leitura ser mais dinâmica.

Um livro forte, que meche com as emoções de cada um com um geito diferente.

Vale super a pena ler pois a nota para ele é cinco estrelas.

Ps: Se puder ler em inglês o livro, leia. Pois achei a tradução bem ruim.
comentários(0)comente



Leitora Cretina 25/05/2018

HISTÓRIA É TUDO QUE ME DEIXOU - ADAM SILVERA | RESENHA
O livro começa no dia do enterro de Theo. O livro todo é narrado pelo Griffin e na maior parte do tempo ele conta o que está acontecendo como se estivesse conversando com o Theo. Por meio disso, ele mostra ao leitor como os dois começaram o relacionamento e como foi esse período juntos, Griffin também conta como foi descobrir que Theo e Jackson estavam juntos e muitos outros fatos.

Para tentarem sair desse estado de luto e buscarem amparo, Griffin e Jackson resolvem tentar deixar esse "rivalidade" de lado e passam um tempo juntos, mas isso trará revelações que mudarão tudo aquilo que Griffin sabia e acreditava sobre Theo.

(...) É adeus para muitos, mas não para mim. Nunca para mim.

Não tenho palavras para expressar o quanto esse livro mexeu comigo, é um livro que me deixou mal do começo ao fim. A narrativa do Adam Silvera é tão envolvente que só te permite sentir aquela história e nada mais. Se de um lado, você pode se sentir cansado em alguns momentos, já que a história gira muito em torno do luto de Griffin, por outro, é muito interessante acompanhar todas as histórias vividas por Theo, Jackson e os outros personagens, mas acompanhar Griffin contando como estava sua vida e como em diversos momentos ele ficou perdido e confuso me fez sentir próxima a ele e presa a essa história.

Outro assunto, além do luto, que é abordado no livro é transtorno compulsivo obsessivo, não de uma forma tão aprofundada mas extremamente presente.

Esse é um livro que apesar do número de páginas, pode ser lido em um dia, de tão preso que você fica nessa história, de tão curioso é descobrir a vida de Theo.

"O que você não entende, Theo, é que o silêncio, às vezes, é melhor do que alguém falando antes de estar pronto. É assim que as mentiras escapam."

site: http://leitoracretina.blogspot.com.br/2018/05/historia-e-tudo-que-me-deixou-adam.html
comentários(0)comente



leooc 12/05/2018

Questionável
[...] É adeus para muitos, mas não para mim. Nunca para mim.

Em seu segundo livro, Silvera entrega uma história sobre perda e luto. Griffin, um adolescente que perdeu Theo, seu primeiro e ex-namorado e amigo, para uma trágica morte na praia, é o narrador dessa história. Alternando entre presente e passado, vamos conhecendo outras pessoas que de alguma forma fizeram parte da vida de Theo. O destaque fica para Wade, o amigo em comum de Griffin e Theo e Jackson, o atual ex-namorado de Theo.
Cada um carrega consigo uma culpa e uma dúvida sobre a vida que tiveram com Theo. E a partir dessa premissa, vamos revivendo a história de Griffin e Theo, e todos os que permearam ela.

Ao decorrer do livro a história pode tornar-se um pouco maçante e repetitiva (o que talvez tenha sido a intenção do autor ao transpor o luto das personagens para a sua mente) o que não é o ponto negativo aqui, mas sim a forma como a sua escrita destoa em alguns capítulos, passando entre um YA raso à um romance mais complexo e o excesso de frases de efeito deixadas em várias partes, chegando a soar fastidioso.

Próximo do final as personagens chegam à uma catarse quase partilhada e bastante controversa. A sensação que fica é que toda a motivação e o luto pelo qual cada um estava tendo e lidando fosse falso, e consequentemente toda a jornada que o livro propõem, no fim, também se torna enfadonho e inautêntico.

Não é uma história ruim, o problema fica pela forma que é vendida. No geral vale a pena pelos temas discorrido e os possíveis debates sobre os assuntos que vão surgir em sua mente. Com certeza é o que você vai carregar consigo ao final da última página.


Thiago Galdino 13/05/2018minha estante
Mal posso esperar pra ler!




Matheus 16/04/2018

Adam Silvera com um livro necessário
Esse é o segundo livro do Adam Silvera que leio. Ao terminar Lembra Aquela Vez, achei o livro apenas ok. Fui com muita sede ler e acabei me decepcionando. Por isso protelei alguns meses para iniciar História é tudo que me deixou. E agora que terminei posso dizer: obrigado Adam por esse livro maravilhoso! E como queria ter lido antes.

A história se inicia contando que Theo, ex-namorado e primeiro amor de Griffin, morreu afogado, fazendo com que terminasse todos os planos que Griffin ainda tinha dos dois terminarem juntos. E Griffin fica com o trabalho duro de seguir em frente. Mas como seguir em frente quando você perde sua pessoa favorita? Seu primeiro em tudo? E com isso nos vemos voltando com Griffin ao recontar sua história com Theo, desde o início da amizade, ao começo do namoro e a despedida. Com os tempos narrativos divididos entre História e Hoje, vamos percorrendo toda a vida de um casal que eram destinados a um final feliz que nunca chegará. Um livro para ler com um sorriso no rosto e lágrima nos olhos.

O que mais me fascinou foram os personagens. Muito bem caracterizados, com voz e bem delineados, conseguimos nos apegar a cada um de uma forma distinta. A amizade entre a Trupe e com a aceitação dos familiares (como não amar a avó de Griffin?), Adam não deu pressa ao desenvolver a história e não achei nada corrido. Passei boa parte do livro com raiva do Theo (um amor tão bonito pra 2 meses depois já estar com outro?) mas no final acho que, como cada pessoa, ele só necessitava de companhia. Acostumado a sempre ter pessoas por perto, ao mudar-se para um Estado diferente onde não conhecia ninguém, viu em Jackson (um clone do Griffin muito bem vindo) uma forma de companhia, agarrando-se para manter a sanidade. Jackson inclusive que é peça primordial para a história e onde Griffin encontra abrigo no peito do seu traidor, o único capaz de entender a mesma dor que sente. E uma surpresa boa: o livro, mesmo parecendo tão previsível, consegue te surpreender. Acontecimentos que nunca tinham passado pela minha cabeça ocorreram e foram uma agradável surpresa de deixar um sorriso no rosto ao terminar.

Vemos no final que a felicidade se acha é em horinhas de descuido. Uma ligação, um olhar, um simples aperto de mão e seu mundo ganha brilho. Se você terminar esse livro sem a vontade de falar para as pessoas que ama importância deles pra você, acredito que leu errado. E arriscar uma, duas, três, quatro vezes se necessário. Reconstruir o mundo. Principalmente ao lado de quem você ama. Isso sim vale a pena. (Viu Griffin, terminei com 4 parágrafos).
Guigo 16/04/2018minha estante
Tbm é um dos meus favoritos da vida.


Keyse Bates 22/12/2018minha estante
Uaau




Luiza Helena (@balaiodebabados) 03/04/2018

Originalmente postada em https://balaiodebabados.blogspot.com.br/
“[...] saiba que eu sinto muito, mas, por favor, não fique bravo comigo por desabafar sobre tudo isto. A história foi tudo o que você me deixou.”

Quando pedi História É Tudo Que Me Deixou, pela sinopse eu sabia que a história seria daquelas doloridas, mas não sabia que iria trazer muita dor e sofrimento nesse coração de gelo.

“[...] ele me afetou de um modo como todo mundo deveria ter a sorte de ser afetado uma vez na vida.”

Theo foi o primeiro de tudo na vida de Griffin - primeiro amor, primeiro namorado, primeira vez, primeira decepção amorosa. Agora ele está morto e Griffin não está sabendo como lidar com a morte da sua pessoa favorita nesse mundo. Junte isso com suas compulsões que a cada dia só pioram.

O livro é narrado por Griffin, em primeira pessoa, alternando entre o passado e o presente. Vamos acompanhando sua vida ao lado de Theo e também sobre o seu luto. As passagens do presente são bem doloridas, pois o luto de Griffin vai mais além de perder o amor da sua vida; ele sente como perdido uma parte sua, já que ele e Theo eram amigos a mais de sete anos.

A escrita do Adam facilita na leitura por ser bem fácil e jovial, mas não tirando o peso da carga dramática da história. Algumas passagens no passado vão te deixar suspirando, eis então que chega o balde de água fria no presente, com passagens dolorosas que você sente no fundo da alma.

Nos capítulos narrados no passado, vemos como Griffin e Theo vão tendo suas primeiras experiências juntos e é impossível não achá-los o casal mais fofo do mundo. Enquanto Theo é bem extrovertido e pra frente, Griffin é seu oposto, sendo o clássico os opostos se atraem. E é por se apegar ao casal que a dor de Griffin se torna nossa dor.

“Abraço-o forte. Abraço-o por ele mesmo, porque ele sabe em primeira mão como o amor e um coração arrasado podem deixar uma pessoa louca e desconfiada. Eu o abraço por você, para que se orgulhe de mim por fazer a coisa certa em vez de dar as costas a ele como na outra noite. Eu o abraço por mim mesmo, porque a sinceridade brutal dele, de algum modo, me poupa de me sentir inútil e derrotado. Abraço-o por todos nós, porque não estamos mais lutando um com o outro”

Pelos olhos de Griffin, vamos acompanhando não só sua história com Theo, mas também com seu amigo Wade e com Jackson, novo namorado de Theo. Os quatro são personagens que irão fazer você sentir emoções contraditórias e isso é um ponto super positivo. Eles são personagens reais, que sofrem, amam e, principalmente, são egoístas em certos momentos da vida. Mas quem não é?

Theo, Jackson e Wade são personagens bem construídos. Dos três, Wade foi o que teve um pouco menos de espaço na história, mas ainda assim o que é mostrado dele faz com que você se apegue ao personagem. Jackson caiu de paraquedas na história de Griffin e Theo e sofre por amar um cara que não sabe desapegar do passado. Theo é um personagem que é mostrado como perfeito pelos olhos de Griffin, mas aos poucos vamos vendo que não é bem assim que a banda toca.

“O que você não entende, Theo, é que o silêncio, às vezes, é melhor do que alguém falando antes de estar pronto. É assim que as mentiras escapam.”

Outro ponto interessante na história é como Adam trata o transtorno obsessivo-compulsivo. Em nenhum momento é verbalizado que Griffin tem a doença, mas somos apresentados às suas compulsões, como sempre andar na esquerda de alguém, os sentimentos que afloram quando algo é feito em números ímpares… Em certos momentos, é extremamente desconfortável e sofrido estar na cabeça de Griffin justamente pela combinação de sua doença com seu luto. Theo era a única pessoa que o fazia se sentir normal e agora se foi. Como superar?

Nos capítulos finais, somos mostrados como realmente aconteceu a morte de Theo e os acontecimentos que antecederam. E quem disse que não rola plot twist? Adam leva a história por um caminho que nunca eu iria imaginar e não poderia pensar em outro caminho possível se não esse.

“As pessoas são quebra-cabeças muito complexos, sempre tentando ter uma noção de conjunto, mas às vezes, entendemos errados e, às vezes, ficamos incompletos. Às vezes, é melhor assim. Algumas peças não podem ser encaixadas à força, ou pelo menos não deveriam, pois não fariam sentido”

A diagramação da Universo dos Livros está a coisa mais fofa. Eu adorei a capa e no início dos capítulos, temos ilustrações marcando o passado (História) e o presente (Hoje). Apesar da fonte ser um pouco menor das que estou acostumada, ela não causa desconforto por causa das folhas amareladas e bem grossinhas até, dando a impressão que o livro é maior do que ele realmente é.

Esse foi o meu primeiro contato com o Adam Silvera e ele conseguiu algo que poucos autores conseguem comigo nas primeiras leituras: levar um escândalo e ainda favoritar. Estou super ansiosa para ler suas outras obras.

História É Tudo Que Me Levou é um livro dolorido e sofrido, mas que você não vai conseguir largar até que chegue ao final.

“Este é o momento do fim. Este é o momento em que desistimos de esperar que o tempo se inverta, quando abandonamos a tentativa de encontrar cura para a morte [...] Mas eu não posso. É adeus para muitos, mas não para mim. Nunca para mim.”

Leia mais resenhas em https://balaiodebabados.blogspot.com.br/

site: https://balaiodebabados.blogspot.com.br/2018/04/resenha-267-historia-e-tudo-que-me-deixou.html
comentários(0)comente



Iago.Iann 30/03/2018

Arrasador.
Uma história que te posiciona em todas os ambientes/situações que o protagonista e também narrador se manifestou, submetendo o leitor á uma coletividade de sentimentos. Griffin alvo do desamparo por ter perdido a única pessoa que o entendia por completo revela a necessidade do "Poder do Agora" a importância de expressar o verdadeiro em todas as ocasiões oportunas desencadeando uma vontade imensa de agarrar todos ao redor e dizer o quanto se importamos, também te fazendo perceber a importância das pessoas ao seu redor e jamais dar o dar o cargo de antogonista onde o protagonismo deveria se submeter. Uma história que te faz amadurecer por completo, maravilhoso, um pouco previsível e bastante cativante. Também aborda bastante o luto e como supera-lo.
comentários(0)comente



Lipe 20/03/2018

O que senti lendo este livro? Amor e Raiva (Mais amor do que raiva...)
Griffin (protagonista e narrador) é um garoto que sofre de transtornos mentais. É uma experiência única está imerso na cabeça desse adolescente perturbado, e o principal, sabendo que ele não é um narrador confiável.

Pra mim o livro segue perfeito até a metade da história, dai existe uma reviravolta tão grande que MEU DEUS DO CÉU! A partir dai eu comecei a sentir muita raiva do Griffin, do Theo, do Wade ("egoismo" define os dois primeiros), do rumo que a história estava levando e até do Autor (Adam, te amo, mas senti vontade de te dar uns tapas por ter mudado o rumo da história :p ). O meu amor desse livro é o Jackson, ele é apaixonante e na minha opinião: a maior vítima da história.

A conclusão final do livro é muito bonita, embora eu preferiria mil vezes um outro caminho para chegar a essa mesma conclusão. Felizmente existe o momento de redenção do Griffin. Enfim, apesar de tudo eu não poderia deixar de dar 5 estrelas porque é um livro que despertou emoções extremamente fortes em mim (como poucos fizeram): amor, raiva, desejo, alegrias e tristezas.

Não tenham medo, apesar de ser um livro que fala sobre luto, é uma história leve. É bacana também que nessa história não existe homofobia, a homossexualidade é tratado como algo extramente normal por todos.
Cesar vieira 21/03/2018minha estante
Já quero ler só por essa resenha ?


Bárbara 01/04/2018minha estante
Você definiu exatamente o que eu senti em relação a esse livro!


Bárbara 01/04/2018minha estante
principalmente a parte de amor e raiva hahaha




spoiler visualizar
comentários(0)comente



73 encontrados | exibindo 61 a 73
1 | 2 | 3 | 4 | 5