Me Chame Pelo Seu Nome

Me Chame Pelo Seu Nome André Aciman


Compartilhe


Resenhas - Me Chame Pelo Seu Nome


149 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Felipe.Oliveira 16/10/2018

O peso do desejo em contraste com a leveza de viver.
Todo verão os pais de Elio abrigam um universitário interessado em terminar sua tese ao mesmo tempo que ajuda o pai com seus arquivos. No entanto nesse ano Oliver um atraente jovem de 24 anos é o acolhido, o que mexe com os sentimentos de Elio, que mesmo atraído pelo hóspede, ainda tem um pouco de preconceito quanto ao mesmo o achando arrogante e pouco sociável, principalmente quanto ao narrador, resultando em uma obssessão/ciúmes regado a hormônios, a receita para muitos desentendimentos e más decisões. Quando tudo vier à tona, a compreensão do próprio desejo e a negação da realidade ainda serão questões tendo como plano de fundo a leveza das paisagens italianas.
comentários(0)comente



Neto_silva17 16/10/2018

Me chame pelo seu nome
Um livro fabuloso. André Aciman traz uma realidade com uma grande pitada de filosofia. Um livro que vai te te levar por um mundo onde o amor é uma flor que vai se espalhando as poucos formando outras flores. O amor é algo mágico que é tratado da forma mais delicada. Este livro vau contar a história de Élio e Oliver. Uma bela e eletrizante história de amor que vai te levar para a magia da Itália e o belo encontro de Élio, um sujeito de 17 anos e Oliver de 24 anos que vem para passar uns dias com a família do Élio. Mergulhe nesse mundo mágico... Cheio de desejo.
comentários(0)comente



Ana Carla 07/10/2018

'Me Chame Pelo Seu Nome' é antes de tudo uma história sobre encontros e sobre como, em alguns significativos encontros, somos capazes de, no outro, encontrarmos um pouco de nós mesmos. Também é sobre toda a insegurança, medo e euforia de se postar diante do abismo do primeiro grande amor.
Se você eliminar a questão de sexualidade que o livro apresenta, no final é isso... amor, encontro, entrega - mas isto escrito de maneira enebriante.
Mas além disso, o livro nos trás todo esse rebuliço de sentimentos com essa temática tão necessária nas discussões atuais sobre direitos individuais. É um presente aos desavisados que amor é algo a ser vivido entre seres humanos...talvez não se necessite ser homem ou ser mulher... mas, senhores, como é importante ser humano para amar e se deixar amar.
'Me Chame Pelo Seu Nome' também nos mostra como essa e tantas histórias (quase sempre) culminam em despedidas - e não por isso, deixam de ser importantes. Porque esses encontros têm o poder de nos tirar do lugar e nos fazer caminhar para frente - mesmo que tenhamos que passar pela dor para entender isto.
É uma lição inestimável que é sempre, sempre melhor sentir, porque, como disse Acimar, não sentir nada para não sentir alguma coisa é realmente um enorme desperdício de si mesmo.
Boa leitura a todos.
Rony 08/10/2018minha estante
Ótima resenha!




Jean.Gois 03/10/2018

Perfeito.
Ainda estou atônito com esse livro. MUITO mais profundo que o filme, sem comparações. Um livro que me fez refletir sobre muitas coisas e que com certeza me mudou. Agora não morrerei em paz se não viver um romance numa cidadezinha no litoral da Itália, tá feliz André Aciman?
comentários(0)comente



Guu.moraes 01/10/2018

Me chame pelo seu nome.
Essa história é narrada pelo Elio, isso faz a história ter muito do seu ponto de vista sobre Olivier. Por ser esse tipo de narrativa tem muita reflexões sobre tudo que ser passar com Elio, desde de seus sentimentos a modo de pensar.

Desde do início Elio deixa claro seus sentimentos em relação a olive mesmo que não sejam retribuídos, isso faz que ele tente se aceito por Olivier de todas formas possíveis. Sua paixão por ele acaba sendo submissa e obsessiva querendo sempre o agradar, desejando seu amor. Elio também é um pouco dramático sobre seus problemas, assim fica naquela lenga-lenga durante boa parte do livro. Já Olivier tinha horas que era fofo é bonzinho e outras que era chato quase insuportável, contrariando suas atitudes anteriores. Quando eles finalmente ficam juntos é a melhor parte do livro, toda as aquelas últimas semanas juntos até a despedida faz com que você conheça melhor os dois. A última parte também é muito boa porque mostra a vida do dois depois de todos esse acontecimentos e como seguiram sua vidas e depois de anos o reencontro dos dois.

O livro em si é muito boa porque taz uma realidade que poderia acontecer com qualquer um, e as reflexões de Elio sobre como chegar a Olivier e final conquista-ló e todas suas inseguranças parece muito um problema que um jovem passaria.
comentários(0)comente



Felipe.Caldas 23/09/2018

Intenso
Todos os anos no verão, Elio, um jovem italiano de 17 anos, precisa ceder seu quarto para que seu pai, um acadêmico renomado, receba jovens estrangeiros para ajuda-lo em seus projetos de pesquisas. Neste ano, eles selecionam Oliver, um belo e atraente estudante americano de 24 anos, que por seis semanas faz Elio viver um verão que ele nunca mais esquecerá.

O livro é narrado sob a perspectiva de Elio e mostra, de forma detalhada e intensa, como a relação dos dois foi construída. Enquanto Oliver se mostra indiferente na maior parte do tempo, Elio é obcecado e confuso. O "romance" acontece de maneira natural quando o Elio decide quebrar barreiras e toma o primeiro passo.

Ao meu ver, a relação foi muito mais marcante para Elio do que Oliver. Pra mim, o americano tinha apenas uma atração pelo garoto, assim como também tinha por mulheres. Acho que a experiência com Oliver serviu para Elio descobrir sua sexualidade, apesar de que em nenhum momento fica claro se ele é gay ou bi.

Considero que a adaptação ao cinema foi fantástica. O diretor e o roteirista conseguiram transmitir os mesmos nuances do livro para o filme. Fiquei com vontade de conhecer a Itália igualmente.

Não considero o melhor livro que eu li, mas uma obra interessante e única, que deixa como lição seguir seus sentimentos sem medos pois a vida é uma só.
comentários(0)comente



Dan Penguindrum 18/09/2018

Me tirou de uma ressaca do caramba
Como eu amo esse livro, a escrita entorpecente e a profundidade da mente do personagem me fizeram me agarrar a esse livro de forma tal que nunca vou perder o sentimento que tive ao acabar. Não recomendo para quem não quer chorar muito. Eu chorei. Desaguei.
comentários(0)comente



Luiz.Machado 16/09/2018

A parte do pêssego é meio sexy né
O menino André escreve de uma maneira muito delicada e bonita, você vai lendo sentido todo aquele amor.
Toda a parte que eles vão pra Roma e ficam falando com os velho é chata pra caralho.
E o final me machucou muito mesmo.
POSSÍVEL SPOILER: que porras foi aquela cena do cocô????
comentários(0)comente



Guynaciria 14/09/2018

Elio, filho de um renomado professor universitário, que está acostumado a ser realocado em outro comodo na residencia de férias de seus pais. Uma vez que esses oferecem acomodação e alimentação por 6 semanas a um jovem iniciante escritor nessa época do ano.

Muitos se candidatam a vaga, e acabam sendo selecionados pela família de forma singular, com base em suas preferências. Um desses jovens é Oliver, homem alguns anos mais velho do que o filho do casal.

Elio, sente uma forte atração por Olive, e essa acaba se fortalecendo a medida que os dias passam. 

Todos parecem cair de encantos pelos predicados do moço, mesmo as pessoas mais difíceis de agradar.

A questão é que Elio, está em uma fase de descoberta de sua sexualidade, e apesar de se relacionar com uma ou outra garota eventualmente, ele sempre demonstrou um interesse particular em alguns homens, que despertam o seu libido. 

Esse livro acabou sendo adaptado para o cinema por Luca Guadagnino, e teve uma boa aceitação do público e da crítica em geral, chegando a figurar entre os queridinhos na votação do Oscar.

Diferente do que aconteceu no filme, não senti nenhum choque pela relação dos garotos, pois apesar da diferença de idade e de experiências, o relacionamento dos dois foi evoluindo de forma gradativa, dando ao leitor a oportunidade de se envolver emocionalmente com o drama vivido por Elio, que vivenciava seu primeiro amor.
comentários(0)comente



Leonardo 14/09/2018

RESENHA SEM SPOILERS
Elio já estava acostumado a rotina de ter visitas indesejadas durante os verões por conta de seu pai, um professor renomado que sempre apadrinhava jovens promissores os convidado para passar um tempo na casa de sua família para desenvolver teses e monografias. O motivo de Elio não gostar das visitas era justamente precisar ceder seu quarto para o hóspede durante as seis semanas, precisando assim se mudar para o quarto ao lado. Um novo verão se aproxima e com ele um novo hóspede. Oliver desde sua chegada causa um estranhamento a Elio, seja pelo seu jeito mais direto ou pelos ambiguidade que carregava em suas palavras e gestos, não demora muito para o garoto desenvolver uma faísca de desejo por Oliver e esse sentimento é explorado durante a narrativa de André Aciman.

O livro é narrado em primeira pessoa por Elio, e desde o encontro dos dois é possível perceber conflitos na forma de como o garoto vê a presença de Oliver. É interessante notar como a relação dos dois protagonista funciona, aqui vemos um jogo de olhares (que variam entre os de malícia, repreensão e até repulsa) e sentimentos (por muitas vezes é quase impossível dizer como Oliver se sente). Entretanto, o clima sexual vai crescendo conforme as páginas vão passando, e a manifestação do desejo de ambas as partes se tornam evidentes. Tudo isso cria um cenário muito instigante para quem está lendo.

No entanto, as engrenagens do jogo entre os protagonistas não são apenas sexuais, mas também intelectuais. Oliver fica impressionado com o conhecimento de Elio (que dá crédito ao pai por ter sempre instigado-o a ter contato com o mundo da filosofia e literatura) E Elio se atraí pelo modo de como o hóspede enxerga as coisas. Essa atribuição é muito boa porque deixa a trama mais complexa. As referencias a literatura italiana, grega e inglesa dão um tempero especial a trama, e isso dá certo por conta do histórico do autor. Aciman, além de escritor, é também um especialista em literatura e pesquisador. "Mente e corpo andam juntos, e antes de o corpo entrar em jogo, a mente já está alerta interpretando todos os sinais ao redor" Afirmou o autor para a Folha de S. Paulo.

Continue a leitura no blog O Porão Literário! Link abaixo

site: http://oporaoliterario.blogspot.com/2018/09/resenha-me-chame-pelo-seu-nome.html
comentários(0)comente



Maré 04/09/2018

Pense em mim algum dia
O livro acaba de se tornar um dos meus favoritos. Incrível como o autor consegue narrar um romance através de uma poesia sutil e estrondosa ao mesmo tempo. A intensidade, melancolia e satisfação que esse livro nos traz é surpreendente. Me Chame Pelo Seu Nome é mais do que um romance, é uma história sobre sentir sem ter medo de ser. Eu levarei a poesia desse livro comigo para sempre.
comentários(0)comente



Rodrigo 01/09/2018

Me Chame Pelo Seu Nome
Chorei pela história que não vivi. Chorei pelo amor que não tive. Chorei por não saber se conseguiria lidar com o fato de não poder viver isso em sua plenitude. E lindo, profundo, delicado, verdadeiro e bem escrito. A sutileza dos acontecimentos em toda a pureza com o amadurecimento dos personagens toca nossa alma. Impossível ter a perspicácia de escrever tal romance sem ter vivido em toda sua veracidade. Essa é a história que quando acaba, nós morremos um pouco. São lindos sentimentos.
comentários(0)comente



NegrALANE 31/08/2018

Uma leitura visceral
Contar a história não ajuda a captar tudo o que o livro representa.

É a história de um garoto -Élio- filho de professores universitários (e por isso muito próximo à música e leituras eruditas). O pai dele todo verão recebe "alunos" que se hospedam em sua casa e ele os ajuda em troca de que eles ajudem com papeladas e outras coisas. Nesse verão quem chega é Oliver, um jovem filósofo que vem à Itália para acompanhar a tradução de seu primeiro livro para o italiano.
A partir daí acompanhamos o desenvolvimento da amizade e de uma paixão arrebatadora.
A história é incrível e cinco estrelas na minha opinião pela escrita do André intensa poética que se junta a intensidade do Élio. Eu vivi tudo com o personagem.

A história chega a ser morosa em vários pontos, principalmente, no início mas somos compensados por poder viver com riqueza de detalhes a descoberta do personagem de quem ele é, seus desejos e vontades mais profundos, os conflitos internos ligados a ser bissexual, mesmo tendo pais liberais.

Eu acho que a melhor maneira de ilustrar é adicionando alguns trechos que gostei muito.
SE NÃO QUER SPOILER NÃO CONTINUE:

"O que eu queria? E por que eu não sabia o que queria, mesmo quando estava pronto para ser direto em minhas confissões? Talvez eu quisesse que ele ao menos falasse que não havia nada de errado comigo, que eu não era menos humano que qualquer outro cara da minha idade."

"Aquela, acho, foi a primeira vez que ousei encará-lo de volta. Eu costumava lançar um olhar e desviá- lo... desviava o olhar porque não queria nadar na bela e límpida lagoa de seus olhos a não ser que fosse convidado... e nunca tinha esperado tempo suficiente para saber se era bem-vindo ali; desviava o olhar porque tinha medo demais para encarar qualquer pessoa de volta; desviava o olhar porque não queria revelar nada; desviava o olhar porque não podia reconhecer como ele era importante para mim. Desviava porque aquele olhar penetrante sempre me fazia pensar em como ele era superior e no quanto eu estava abaixo dele. Ali, no silêncio do momento, encarei-o de volta, não para desafiá- lo ou para mostrar que não tinha mais timidez, mas para me render, para dizer a ele que esse sou eu, esse é você, isso é o que eu quero, não há nada além da verdade entre nós agora, e onde há verdade não há barreiras, não há olhares desviados e, se nada acontecer, que jamais seja porque algum de nós não estava ciente das possibilidades. Eu não tinha qualquer esperança. E talvez o tenha encarado de volta porque não havia nada a perder. Encarei-o de volta com um olhar consciente de desafio-você-a-me-beijar, alguém que desafia e foge com o mesmo e único gesto."

"Nós éramos um do outro, mas tínhamos passado tanto tempo separados que agora éramos de outras pessoas. Posseiros, nada mais que posseiros, eram os verdadeiros requerentes de nossos corações."

" E falaremos sobre dois jovens que encontraram muita felicidade por algumas semanas e viveram o resto de suas vidas mergulhando cotonetes naquela taça de felicidade, com medo de gastar tudo, sem ousar beber mais do que um dedal em datas comemorativas."

"Mas essa coisa que quase nunca aconteceu ainda dá sinais de estar viva, era isso que eu queria dizer. Eles nunca poderão desfazê-la, nunca desescrevê-la, nunca desvivê-la, ou revivê-la… está presa no passado como vaga-lumes ao anoitecer em um campo de verão, que parecem dizer Você poderia ter vivido isso. Voltar é falso. Ir em frente é falso."
comentários(0)comente



Douglas.Braga 29/08/2018

Paixão, Itália, Verão e Crueldade
Um livro delicado, sensual, apaixonante e emocionante. A leitura flui pela qualidade da escrita de André Aciman, mas o que proporciona a vontade de devorar as páginas é a história extremamente tocante, envolvente, o apego aos personagens tão humanizados, os pensamentos tão complexos, os sentimentos tão profundos. Um estudo da paixão, da descoberta, da vida.
Se não fosse pela incrível história contada, ainda há em Me Chame Pelo Seu Nome a perfeição da ambientação, de uma forma súbita você se encontra na Riviera Italiana nos anos 80, você sente o calor do sol, o vento, a sombra, o tempo, o cheiro.
Juntando toda a magnífica contrução de ambiente e personagens, de história e narrativa, esse livro consegue tocar qualquer um, no seu mais íntimo, da forma mais crua e fazer qualquer pessoa que tenha embarcado com empatia nessa história querer ser chamado por outro nome.
comentários(0)comente



Dimensão Literária 29/08/2018

Me chame pelo seu nome
Me chame pelo seu nome | André Auciman | @intrínseca | 4/5 ?

#RESENHADIMLIT
?"Quando estou com você e estamos bem juntos, não há nada que eu queira além disso. Você me faz gostar de quem eu sou, de quem me torno quando você está comigo."

Ellio é um jovem de 17 anos como qualquer outro. Filho de um professor universitário influente que tem como costume de todo ano receber hóspedes em casa com o intuído de ajudar jovens escritores a revisarem seus manuscritos para publicação.

Ellio vê sua vida mudar quando o hóspede da vez é Oliver um escritor de 24 anos. Logo de início ele percebe sentir algo diferente por Oliver, no começo começa com uma simples aversão, Mas que evolui para algo mais. Vamos acompanhar a partir daí um desenvolvimento detalhado de um primeiro amor.

A história se passa na Itália, o autor tem a capacidade de nos fazer ver através dos olhos do personagens. Ao decorrer da narrativa conseguimos visualizar com perfeição o que ele narra, todos os lugares, pontos turísticos. Parece que estamos ao lado de cada personagem.

O livro é incrivelmente poético, trata o amor de um modo único. Além de ser muito intenso, por que se trata de uma relacionamento LGBT. Com cenas impactantes, o livro trata o sexo como ele realmente é, natural.

Durante todo o livro eu fiquei encantado com a escrita do André, ele consegue conduzir o leitor as cegas, você não consegue prever o que irá acontecer na história. E isso faz toda diferença.

Um livro sobre o primeiro amor e as primeiras descobertas, que tem a capacidade de te deixar sem fôlego a cada página.

?"A natureza tem maneiras astutas de descobrir nossos pontos fracos."
comentários(0)comente



149 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |