A Forma da Água

A Forma da Água Guillermo del Toro
Daniel Kraus


Compartilhe


Resenhas -


52 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


EstanteColoridadaIsis 16/11/2018

#ResenhadaColorida
📖“A Forma da Água” começa com a caçada de uma criatura aquática na Amazônia, considerada um deus por indígenas locais. Strickland finalmente encontra esse misterioso ser de forma humanoide coberto por escamas e guelras e o leva à Baltimore em Maryland, na OCCAM, um centro de pesquisas, onde o Dr. Hoffstetler irá estudar a criatura para aplicações militares. Eliza, uma moça muda, trabalha no instituto há anos como servente, ficou responsável pela limpeza da sala onde a criatura está aprisionada. Muito curiosa, sente-se cada vez mais atraída pelo tanque de água e pelo que pode estar preso lá dentro. No primeiro encontro com o ser aquático, ela sente uma forte conexão e faz de tudo para visita-lo todos os dias. Um dia, foi quase pega, mas consegue se esconder em um armário, onde acaba testemunhando os maus tratos infligidos por Strickland e os planos que este tem para seu novo amigo. Decidida, Eliza precisa agir e tirar a criatura do laboratório antes que o pior aconteça.
.
🗨 “A forma da Água” se encaixa tanto no gênero Romance quanto Fantasia. Devido as citações de momentos históricos e filmes, acredito que a estória se passa entre a década de 50 à 60. A narrativa em terceira pessoa é bastante descritiva, fez com que a leitura não fluísse com rapidez, mas me prendeu totalmente. Além da criatura, que é o centro da estória, acompanhamos a vida de vários personagens, nem todos se conhecem, mas no decorrer do livro, acabam tendo suas vidas entrelaçadas.Tirando a parte do conto de fadas para adultos, o livro aborda de maneira direta a discriminação que acontecia de maneira muito marcante na época. Eliza, a servente muda que mora em um apartamento decrepito em cima de um cinema. Zelda, sua companheira de trabalho, que além de ser mulher e servente, é negra. Elaine, a esposa submissa de Strickland. Giles um senhor gentil e homossexual. Todos sofrem abusos e discriminações de tantas maneiras diferentes que é difícil expressar o tamanho da minha indignação. Esse livro é intenso, brutal, emocionante, estranho, místico e diferente de tudo que já li. Recomendo!

@estantecoloridadaisis

site: www.instagram.com/estantecoloridadaisis
comentários(0)comente



Wolf1 02/11/2018

Um porre
Chato.
comentários(0)comente



Prof. Angélica Zanin 02/11/2018

Para sempre vamos nos recriar
"Você jamais saberá, querido, a falta que você faz em mim..." Elisa é órfã, muda, pobre, de poucos amigos e trabalha como faxineira, em uma empresa norte-americana, OCCAM, em plena guerra fria - 1962. Ali, ela conhece alguém para quem ela é alguém, o Devoniano, ser resgatado, à revelia, das águas do Amazonas pelo exército americano. No entanto, trata-se de uma criatura selvagem, diferente e tão solitária quanto ela. Em meio a espiões russos e militares americanos, desenvolve-se uma história de amor, cujos cúmplices são o vizinho Giles e a colega de limpeza Zelda. Todos os que são levados a se sentirem inferiores como os gays, os negros, os pobres, os deficientes são tocados pela criatura que é capaz de amar, de sentir e de encontrar em almas seus objetivos maiores de existência. "Todos merecemos ir a algum lugar onde possamos nos orgulhar de quem somos" Guilhermo Del Toro em A Forma da Água.
comentários(0)comente



Camille.Pezzino 01/09/2018

A INVERSÃO EXTRAORDINÁRIA DO ORDINÁRIO
Desde os tempos clássicos, fomos informados por Platão que a água possui a forma de um poliedro, mais especificamente, um icosaedro. O icosaedro, como qualquer poliedro, é uma figura geométrica que possui a mesma quantidade de faces, ou seja, vinte pequenos triângulos equiláteros (aquele que possui todos os lados iguais). No entanto, de acordo com a obra de Daniel Kraus em parceria com Guillermo Del Toro, somos levados a acreditar em outra perspectiva: “não há forma para a água”.

Essa citação é elaborada por aquele que, durante a obra, foi nomeado como recurso, criatura e até deus. Dessa forma, como nós, reles mortais, poderíamos duvidar de uma figura tão enigmática e, ao mesmo tempo, lendária? Acho que se torna praticamente impossível.

Entretanto, não quer dizer que, por parecerem opostas – a forma e a falta de forma –, essas representações da água sejam antagônicas, na verdade, parecem-me muito similares e, como gosto de pensar a filosofia platônica, opostos complementares, justamente porque o icosaedro mostra que todos os lados são iguais, enquanto a obra de Kraus e Del Toro nos mostra que todos somos parte do todo, logo, não somos meramente uma representação do eu-subjetivo, mas sim do nós-coletivo. Somos, ao mesmo tempo, um e todos.

QUER LER MAIS? ACESSE: https://grupocanetatinteiro.com.br/resenha-44-a-forma-da-agua/

site: https://grupocanetatinteiro.com.br/resenha-44-a-forma-da-agua/
comentários(0)comente



Bruno 01/09/2018

Resenha @leitor_noturno
Autores: @realgdt @kraus_author
Editora: @intrinseca
Estilo: Ficção/Fantasia
Resumo: Em plena Guerra Fria um importante soldado do exército americano vai até a Floresta Amazônica atrás de um ser especial, um Deus, chamado de Brânquia, um ser aquático e que pode ser a peça chave para a vitória americana. Ele enfrenta uma expedição árdua, passa mais de um ano a procura de sua presa até conseguir captura-lá e levava ao seu país. Um livro com muitos traços de preconceito, cheio de personagens fortes, mulheres resistentes e homens malvados e manipuladores. Uma história de amores, de resistência, de fuga e de reflexões, daqueles livros em que cada frase age como um tiro no seu peito e deixa seu pensamento 100% atento a todos seus detalhes. Seu filme ganhou diversos Oscars, entre eles o de Melhor Filme e Melhor Diretor, o livro não fica devendo em nada ao filme e você vai amar conhecer seus personagens com características bem definidas e impactantes.
Capa: ⭐️⭐️⭐️
Edição: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Enredo: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Originalidade: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Desenvolvimento: ⭐️⭐️⭐️⭐️
Ambientação: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Personagens: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Personagem Fantástico:⭐️⭐️⭐️⭐️
Fantasia: ⭐️⭐️⭐️
Romance: ⭐️⭐️⭐️⭐️
Ação: ⭐️⭐️⭐️⭐️
Divisões do Livro: ⭐️⭐️⭐️⭐️
Metáforas Sobre Preconceitos: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Machismo: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Racismo: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Força Feminina: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Detalhes sobre a Amazônia: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Frases de Impacto: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Comparação dom o filme: ⭐️⭐️⭐️⭐️
Conclusão: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️
Quem Pode Gostar: Fãs de cinema, Quem gosta de história com personagens femininas que superam as dificuldades, quem gosta de livros cheios de metáforas com cenas que querem dizer mais que suas palavras passam, fãs de Guillermo Del Toro.
Nota Final: ⭐️⭐️⭐️⭐️

site: https://www.instagram.com/leitor_noturno/
comentários(0)comente



Ilmar.Teixeira 01/09/2018

Um livro muito bom. Quem viu o filme é levado à outro patamar. Recomendo. Única coisa que me irritou um pouco foram os capítulos serem bem curtos.
comentários(0)comente



Camila Malaquias 30/08/2018

A Forma da Água
A Narrativa e um romance entre Eliza e o deus Braquina, Mas o contesto e fraguimentos dos sentimentos e cotidiano dos personagens, em alguns casos pude observar uma critica social intigante principal relacionado as mulheres.
Primeira temos Zelda, uma mulher negra que trabalha de faxineira junto com a amiga Elize Spósito em uma empresa de tecnologia. Elize é uma orfa muda que sofreu muito em meio a sua adolescência, ao completar a maior idade foi morar sozinha em um apartamento e conheceu Guiles seu vizinho pintor, gay ,que em uvive sozinho em uma epoca onde ele não se encaixa.
Guiles muda sua vida ao conhecer elaine em um escritório de publicidade onde uma de suas telas foi regeitada. Elaine é mãe e dona de casa, que se mudou recentemente por conta de um projeto em que seu marido Richard esta envolvido. Ela teve que aprender a ser o pilar da casa quando o marido foi para a Amazônia para capturar o recurso e ficou fora por 6 meses. Ao voltar ele estava diferente a missão mexeu com a cabeça dele deixando-o fisurado pelo deus Braquina.
Elize se apaixona pelo anfíbio que esta preso é sendo torturada na ocam, ela convence Guiles a ajudá-la com o resgate do ser, juntos eles criaram um plano e em meio a confusão Zelda e o Dr hoffstetler, o cientista responsável por estudar e intender o recursos eles se envolvem nessa historia de amor e ajudam Spósito com o resgate deixando Richard Strickland ainda mais louco.

O livro no começo e um pouquinho cansativo, mas quando a história engrena não tem como não se apegar aos personagens. Alem disso a parte visual e bem mencionada e isso facilitou a minha imersão!
Juliana.Santos 30/09/2018minha estante
undefined




Lisandra.Maria 21/08/2018

Deliciosas descrições
A história cativa tanto pelo ordinário transformando-se em extraordinário, quanto pela fantasia fundindo-se com a realidade. E as descrições são maravilhosas, você sente a água, as cores, os sons, as sensações todas junto com os personagens. Simplesmente amei, já era apaixonada pelo Labirinto do Fauno e continuo a me encantar com Del Toro
comentários(0)comente



K.G | @entaoeuli_ segue lá bb 18/08/2018

Quando o filme é melhor que o livro.
ENTAO EU LI A FORMA DA AGUA... E PACEIRAS...UMA CRITICA SOCIAL FODA ( e chata). O livro começa com uma expedição a Amazônia para a captura de um ser mitológico chamado de " Deus Brânquias" onde os americanos pretendem estudá-lo e a partir desses estudos aumentar o poder de guerra do Pais. Esse ser é capturado e levado pra o laboratório.

Elisa é uma faxineira, e ela é deficiente da fala, Elisa é Muda. E o livro vai em paralelo contando as duas historias ate que elas se cruzam.

Vamos ao que torna esse livro bom. O enredo pra mim É UMA GRANDE CRITICA SOCIAL, Ao racismo, ao preconceito, ele vem debater a respeito dos direitos humanos, dos abusos que sao cometidos em nome do ?Avanço? tudo isso por meio do que foi pra mim ? UMA GRANDE METAFORA" Os autores utilizam dessa historia " fantasiosa" pra tecer criticas a nossa sociedade ?atual?.
E ISSO É MUITO MUITO BEM FEITO. Não espere uma fantasia, nao espere um romance, é algo bem fora da caixinha, POREM...... O grande problema desse livro pra mim FOI A ESCRITA, que é ALTAMENTE DENSA, e um livro que QUASE NAO TEM DIALOGOS, os protagonistas NAO FALAM, ou seja, ele é todo narrado em terceira pessoa, EXTREMAMENTE DESCRITIVO, e isso tudo torna a leitura muito maçante.
Os personagens não são cativantes e a historia NAO TEM MUITA EMOÇÃO, e bastante linear e sem sal. O enredo É BOM, MAS A FORMA COM QUE A HISTORIA E CONTADA É MUITO CHATA.
Não me prendia
NAO ME DAVA VONTADE DE PERGAR O LIVRO PRA LER.
No final tem ali um pouco mais de ação, é um bom final, Gostei das ilustrações, a diagramação é muito bonita, mas no geral achei tudo muito lento e sem graça.
É uma historia inteligente, mas pra mim, escrita de uma forma muito ENTEDIANTE.
aruiva.tai 28/08/2018minha estante
Estou passando exatamente por isso. O estilo de escrita não me prende. A narração em terceira pessoa não faz com que eu me conecte com algum personagem. Em todos os livros que li, a ligação com o personagem é o que mais me prendia a leitura e o que me faz tanto gostar de ler.
Já larguei A Forma da Água duas vezes e fui ler outros livros, mas ainda estou tentando terminá-lo. Achei que chegaria algum ponto do livro que começaria a me prender, mais até agora continuo só empurrando a leitura.




Louco literário 05/08/2018

A forma
Tudo começou quando Richard embarcou em sua jornada na Amazônia com seus recrutas em busca do recurso do homem anfíbio e ai começa a sua trajetória para captura o ser e leva com ele para a occam e com isso eles passam dias e mais dias chega até passa 17 meses na selva com esses meses ele passa a sim adapta a selva e si virar como um animal comer carne crua anda como animal e agir como um animal faróis indomável e passa a transmiti as pessoas em sua volta ódio e maldade fica um homem terrível em seus olhos só ver maldade e crueldade e com o passar dos meses ele suborno os índios e faz eles fala onde o ser fica até que ele passa acreditar quando dá de frente com o ser e o capturar e leva ele comsigo com sua volta na sua casa com seu filho e filha sua esposa já dentro da occam ele começa a conquista as pessoas com violência e colocar medo nas pessoas até conhecer uma mulher muda linda de pele branca e cabelo curto incapaz de emitir qualquer tipo de som que mantém sua comunicação por sinais e começa ter meior que uma queda pela mulher.... quem quiser saber mais dá uma lida vai amar como eu amei a leitura recomendaria esse livro unas mil vezes novamente...
comentários(0)comente



Mogi.vi 03/08/2018

Foi um livro bom , mas não passa disso . Final me deixou sem entender nada .
comentários(0)comente



Vera 24/07/2018

A Forma Da Água

O livro é uma fantasia, narrada na terceira pessoa e dividida em quatro partes: Primordium, Mulheres ignorantes, Taxidermia criativa, e Não preocupe mais seu coração.
A trama se passa durante o período da guerra fria. Richard Strickland é um oficial do governo que recebeu a ordem de ir até a floresta Amazônica e capturar uma criatura que chamam de Deus Brânquia, a criatura é um ser místico, que acreditam, poder ser usado em prol dos avanços tecnológicos do país .
Strickland fica na amazônia à caça da criatura por dezessete meses, e neste período, ele passa por muitas privações que o deixaram fora de si, ele desenvolveu uma obsessão pela criatura, e a hostilidade da floresta perturbou profundamente sua cabeça.
Elisa Esposito foi criada em um lar para crianças órfãs ou que foram abandonadas pela família. Passou por muitos abusos, e, pelo fato de ser muda, era menosprezada pelas pessoas.
Elisa mora em um apartamento em cima de um cinema, ela vive com dificuldades, mas , como toda mulher, ama sapatos que costuma comprar em brechós.
Giles Gunderson é vizinho de Elisa e ocupa o outro apartamento em cima do cinema. Giles é gay, perdeu o emprego de pintor de propaganda em uma importante agência de publicidade após ser preso em um bar. Já idoso, mal consegue se manter com seu trabalho. Giles juntamente com Zelda são os únicos dois amigo de Elisa.
Zelda é colega de trabalho de Elisa, as duas trabalham como serventes durante a noite em um centro de pesquisas espaciais em Baltimore, Estados Unidos, a Occam Aerospace. As duas se tornaram amigas, e se acostumaram a passarem desapercebidas pelos cientistas da Occam. Zelda é uma mulher negra, e também já passou por muitas coisas na vida, talvez , por causa do preconceito que sofreu se acostumou a não chamar a atenção para si.
Lainie é a esposa de Strickland, uma mulher "perfeita" aos olhos da sociedade da época, uma mulher submissa ao marido, dedicada em ser uma boa dona de casa, esposa e mãe, mas com a ausência do marido por dezessete meses, Lainie se acostumou a ter as próprias rédeas de sua vida.
A trama intercala os capítulos entre os personagens conforme eles vão sendo introduzidos na história, e isso vai situando o leitor sobre quem são os personagem e o cotidiano de cada um.
A história é envolvente, e os personagens foram muito bem construídos. Você consegue se conectar com cada um deles com muita facilidade. A trama, por se passar durante a guerra fria, conta com personagens típicos, espiões infiltrados, militares desumanos, pesquisas secretas, conta até com uma sala, a F1 , que não tem como não fazer uma conexão com a "Área 51", local secreto onde, supostamente, os americanos fazem ou fizeram pesquisas com alienígenas.
O livro tem um tom erótico, e mexe com as emoções afloradas de cada um dos personagens, e o leitor acaba se identificando facilmente com elas.
É impossível não notar o tom político na trama. Ela aborda temas muito discutidos em nossos dias, trata de preconceitos raciais, intolerância, o machismo, o papel da mulher na sociedade, repressão, e o tema principal é uma alegoria para diferentes formas de amor, e, neste ponto, talvez ,exija, um pouco mais de esforço do leitor para entender o que, exatamente, o autor pretende passar para quem lê. Para um leitor mais desatento, estes assuntos podem passar desapercebidos, e podem vir a influenciar, de forma negativa, a percepção sobre o livro.
Enfim, demora um pouco para a trama começar a se desenvolver, por isso, a leitura, no começo, é um pouco cansativa, mas depois, os acontecimentos se desenrolam e a leitura flui fácil.
Vale a pena ler!

A Forma Da Água
Autores: Guilhermo Del Toro- Daniel Kraus
Editora Intrínsica
Páginas: 349







comentários(0)comente



Camila 17/07/2018

A forma da água
O começo do livro é bem cansativo. Demora para engrenar. Mas depois que engrena, se mostra uma história envolvente e supreendentemente! Recomendo, mas não será aquele livro que fica uma semana na sua cabeça.
comentários(0)comente



Luizinho 15/07/2018

Livro ou filme?
O livro A Forma da Água foi escrito, segundo Kraus, simultaneamente as filmagens do longa. De maneira que me bateu a curiosidade sobre a qualidade das duas produções. Não é segredo que toda adaptação de um livro para o cinema geralmente deixa algo a desejar, então, o que será que acontece com o inverso? Por conta disto decidi ler o livro e depois assistir o filme.

O livro é de leitura leve e rápida, escrito em linguagem talvez similar a roteiro, com capítulos curtos que nos lembram realmente cenas de filmes. A história é bastante interessante e traz elementos e conteúdos extra.

Já o filme conseguimos ter uma noção melhor da ideia do autor. Alguns personagens são melhores que o livro, outros tem papel insignificante e, definitivamente, imaginei um Deus Brânquia bem melhor. A narrativa fica com buracos que somente o livro preenche.

Apesar de compreender que são duas linguagens diferentes e que os produtores tentaram expandir o universo para outras mídias, creio que, neste caso, fico com o livro por ter realizado o seu objetivo. O filme é bom, mas o livro o supera.
comentários(0)comente



Raquel.Faria 11/07/2018

Uma homagem ao Amor.
Com uma saudade imensa no coração, terminei A Forma da Água. Filme e Livro. Duas obras que se complementam maravilhosamente. A ideia de um amor real, por mais improvável que seja, é capaz de tocar os corações mais frios e descrentes e nos faz desejar que algo maior do que nós nos preencha desta forma. Um amor sem fronteiras, que se entende por olhares e delicadezas. Despido de todo estereótipo e preconceito, esta amizade que amadurece em amor torna-se sublime nos atos de entrega e doação. O amor manifesto em paixão entre criaturas completamente diferentes (ou milagrosamente semelhantes), em amizades sinceras, em cuidado e dedicação. Amor por toda explosão de vida que atinge seu ápice na redenção. Entretanto, diante de toda a beleza, somos vergonhosamente confrontados com o pior que o ser humano é capaz de oferecer. Nesta hora me lembro de uma frase do filme Jurassic World - Reino Ameaçado: "eles (no caso, toda forma de vida na Terra) não precisam da nossa presença. Precisam da nossa ausência." De todas as formas de Vida, o ser humano é o único que ainda não aprendeu a conviver. Porém, resta esperança. Assim como aqueles adolescentes foram importantes para o mundo (mais do que uma Copa) e valeram cada esforço humano, devemos acreditar que ainda resta esperança. De fato, apenas o Amor é capaz de salvar. O Amor e toda beleza que ele carrega consigo. Um filme lindo. Um livro incrível.
comentários(0)comente



52 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4