Os Quase Completos

Os Quase Completos Felippe Barbosa


Compartilhe


Resenhas - Os Quase Perfeitos


27 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Aione 04/05/2018

Vencedor do Prêmio Pólen de Literatura promovido pela Editora Arqueiro, Os Quase Completos, de Felippe Barbosa, é uma obra que explora com leveza e sensibilidade as dificuldades sobre se viver plenamente.

O Quase Doutor é um renomado cardiologista que há muito tempo deixou para trás suas aspirações em se tornar um pintor. Ao aceitar o convite de um estranho senhor para embarcar em um ônibus misterioso, o Quase Doutor inicia uma verdadeira aventura de reconciliação com seu passado. O Quase Repórter, por sua vez, anda frustrado com a maneira de como vem exercendo sua profissão. Mais do que tudo, ele sofre com o luto pela morte da esposa e não desiste de sua busca em provar que ela, na realidade, não se suicidou, como foi constatado. Por fim, a Quase Viúva é uma professora que está de licença de suas atividades para fazer companhia ao noivo em coma no hospital.

Intercalando as narrativas das três personagens — em terceira pessoa na perspectiva do Quase Repórter e em primeira pessoa nas demais —, a história se desenvolve de maneira leve e instigante. Há lacunas em cada um dos diferentes enredos e desde o início somos convidados a prosseguir na leitura para preenchê-las. Mais do que tudo, desejamos prosseguir o virar de páginas para conhecer melhor as figuras que nos cativam desde suas primeiras aparições.

Felippe Barbosa foi muito bem sucedido na maneira de como desenvolveu cada aspecto de Os Quase Completos: o enredo é criativo e bem encadeado, assim como as personagens são cativantes e bem desenvolvidas. Não demoramos a compreender seus medos e anseios e, mais do que tudo, não demoramos a nos identificarmos com elas. Afinal, quem nunca se deixou influenciar pelas opiniões alheias em vez de encarar as próprias aspirações? Ou quem nunca teve medo de arriscar fazer o que queria diante de uma opção talvez menos desejada, mas muito mais segura? Ao trabalhar com questões como auto descoberta e amor próprio, o livro funciona como um lembrete para repensarmos nossas próprias escolhas sem deixar de lado os aspectos próprios de uma obra literária.

A trama de Os Quase Completos oferece pitadas de fantasia, aventura, suspense e romance sem se aprofundar demais em nenhuma delas, mas tornando cada uma essencial na leitura. Dessa maneira, o leitor é guiado por entre as páginas e motivado a prosseguir de acordo com cada aspecto presente. E entre as possíveis camadas de leitura, podemos ainda nos aprofundar na relação existente entre a fantasia apresentada e a maneira de como nosso próprio inconsciente, segundo a visão da psicanálise, atua em nossas mentes.

Em linhas gerais, Os Quase Completos foi capaz de me entreter, divertir e emocionar. Finalizei a leitura encantada pela maneira de como Felippe Barbosa trabalhou a mensagem do livro e saboreando as sensações que ela me provocou, desde a identificação com as personagens à surpresa com a descoberta dos mistérios da trama, passando pelos momentos mais divertidos e, especialmente, por aqueles que me trouxeram lágrimas de emoção. Uma leitura que, sem dúvida alguma, recomendo a todos.

site: https://www.minhavidaliteraria.com.br/2018/05/04/video-resenha-os-quase-completos-felippe-barbosa/
comentários(0)comente



Kamilla 04/05/2018

Foi uma grata surpresa!
Quase Doutor é um médico, mas que não se sente tão feliz com essa vida que está levando. Sempre teve um sonho de pintar, que acabou virando um "hobby", pelo menos é o que ele acha. Em um dia ele é convidado por um senhor a embarcar em um velho ônibus, apesar das ressalvas acaba aceitando. E embarca numa viagem imaginável.

“– Mas sabe... acho que a vida é como um ônibus, afinal. Se você não gosta do seu parceiro de viagem, é sempre possível trocar de poltrona.”

Quase Viúva é uma mulher que desde criança sonhou casar, construir uma família feliz e estava prestes a realizar esse desejo, quando seu noivo sofre um grande acidente e está em coma. Verônica está com medo, cansada e sofrendo diante das circunstâncias.

“– Acha mesmo que se apaixonar faz com que você se anule? Boneca, cada pessoa tem os próprios objetivos! Sonhos que são exclusivamente seus. Na minha humilde e patética opinião, usar algo como um namoro ou casamento como justificativa para não correr atrás de suas realizações é nada menos que uma desculpa para covardia.”

Quase Repórter é um homem em que está levando sua vida do jeito que dá, já não está feliz com o trabalho, principalmente após perder a mulher da sua vida - sua esposa, Celina - e que pela polícia foi dado como suicídio, mas ele sabe que não, Celina não se mataria. E vai em busca de respostas, pela verdade do que aconteceu com sua amada.

“É interessante indagar se a rotina pertence a um indivíduo ou se é o indivíduo que pertence à sua rotina.”

Eu não sabia bem o que esperar de Os Quase Completos, livro de estreia do autor Felippe Barbosa. Eu tinha adorado a premissa, por isso resolvi dá uma chance e foi completamente fisgada pela narrativa, pela história e pelos personagens.

Ao entrar no ônibus, o quase doutor vai para uma outra dimensão, conhecida também como o Oitavo Reino onde passa a viver como sempre quis. Os projetos, sonhos de crianças ganharam realidade nesse novo mundo. Mas será que a vida realmente funcionaria com todos esses sonhos virando realidade? ele sempre tendo tudo que desejou sem correr atrás? E a vida dele antes, como era? No decorrer da história vamos conhecendo um pouco mais desse personagem, aliás o foco maior da história é justamente nele.

“– Por mais que muitas vezes vivamos nossas vidas completamente perdidos e sem direção, a verdade é que cada um possui em sua consciência uma ideia exata daquilo que o faria feliz. Uma espécie de... modelo ideal de vida. Uma existência na qual se sentiria satisfeito por completo.”

Porém sabemos um pouco mais sobre os outros dois, o quase repórter e a quase viúva, que inclusive são fundamentais na história. Sabemos um pouco mais sobre eles, seus desejos e até quando eles começam a lidar com alguns acontecidos. O início do livro é um pouco lento, porque vamos conhecendo os personagens aos poucos e tentando entender, mas depois disso, a narrativa fluí que é uma beleza.

Os Quase Completos trás uma história singular, que mistura doses sobrenaturais com a realidade. E tudo parece tão real, até a questão do oitavo reino sabe?! E fica a lição para o leitor, que talvez, todos nós temos o nosso oitavo reino. Pra mim, essa sensação durante a leitura, foi incrível... Um ponto do Oitavo Reino é que o Quase Doutor tem que reivindicá-lo, mas há um comandante que é completamente insano, quer matar todos e tomar o oitavo reino pra si. Será que ele consegue? será que ele desiste? será que é mesmo tudo tão real?

“O grande defeito dos seres humanos está em ter mais medo de alcançar seus sonhos do que a vontade de conquistá-los.”

Vocês devem estar se perguntando se esses três personagens tem algum tipo de ligação, e a resposta é sim, mas pra saber como só lendo mesmo a obra. No entanto, adianto que foi uma grande surpresa no momento em que caiu a ficha pra mim - foi um pouco antes da revelação, mas ainda tinha ficado com dúvidas. E sabe aquela sensação que estava bem a minha frente e eu não vi? Pois é... o Felippe Barbosa brincou comigo, mas eu amei isso! Só não gostei muito de algumas descrições dadas pelo autor, como "enfermeira obesa", isso me incomodou um pouco, mas não tirou o brilho da trama.

Sem dúvidas Os Quase Completos é um livro incrível, que trás uma mensagem que nos faz refletir sobre os nossos sonhos do passado, sobre o nosso presente e de como vamos viver nosso futuro. Como vamos tocando a vida, sem perceber que deixando os nosso sonhos, amores, desejos de lados pelas responsabilidades do dia a dia, das prioridades do momento e até mesmo das opinião das pessoas próximas.

“– A vida não é infinita, mas é tolice pensar que temos prazo de validade. Mudar os rumos de suas ações é válido até o seu último segundo na Terra. Nunca se é velho demais para admitir seus erros e jogar tudo para o alto. Nunca se é velho demais para recomeçar.”

Durante a obra teve momentos em que eu ri, outros que chorei e o tempo inteiro fiquei encantada com a narrativa e os personagens bem construídos. Quando cheguei ao final da obra, fiquei querendo saber mais dos outros personagens... A diagramação interna está ótima, não encontrei erros e o que dizer dessa capa? Apenas que é linda. No mais, super recomendo a obra, vale a pena!

“Nunca se limite ao "quase". Não há nada mais depressivo do que beirar um sonho e jamais tentar alcançá-lo.”

site: http://www.lendoeapreciando.com/2018/05/resenha-os-quase-completos-felippe-barbosa.html
comentários(0)comente



Quel @queliivro 20/05/2018

#ResenhaQueliivro
O Quase Doutor é um renomado cardiologista que no fundo queria ser pintor.
A Quase Viúva está em um hospital com seu noivo após ele sofrer um grave acidente.
O Quase Repórter é um jornalista está sofrendo por não poder escrever o que deseja e mais ainda pelo suicídio da esposa a mais de um ano.
O Quase Doutor é convidado para uma viagem, apenas uma aventura, e ele aceita! Só que ao embarcar ele percebe que não é uma simples viagem!
A Quase Viúva começa a suspeitar que tenha sido alguém dentro do hospital o causador do acidente de seu noivo.
O Quase Repórter começa a juntar provas para provar que sua esposa não se suicidou, ela fora assassinada!!
O que eles têm em comum? Nada aparentemente!
E tudo se você olhar mais a fundo!
.
Após terminar de ler esse livro eu não tive condições de resenha-lo pois a emoção que estava sentindo foi muito forte! Após isso a emoção e a lição de vida continua, e vim falar o quanto que eu amei e me emocionei com esse livro.

Pela sinopse você pode pensar que é apenas uma história sem muito sentido, mas não se deixe enganar, conforme eu fui lendo o livro eu não entendia muito bem se estavam falando de três histórias distintas ou se elas se relacionavam. Mas segui a leitura porque o livro prende muito você. E no final fui recompensada por um final incrível.

Os personagens são tão reais, que isso nos faz sentir parte do livro, confesso que por causa deles eu me perguntava várias vezes as mesmas dúvidas que eles tinham. Preciso ressaltar aqui, a forma como o autor não fez personagens clichês e óbvio, conforme você vai lendo você percebe o cuidado que ele teve em mostrar que podemos ser mais do que os outros acha que podemos!

Dizer que amei a escrita do Felippe é eufemismo, eu espero que ele escreva mais livros para eu continuar lendo e aprendendo ao longo das histórias dele! Obrigada por esse livro ser totalmente completo!

Ao longo da leitura eu pensei em tantas pessoas que deveriam ler ele! Venha descobrir o porque ser quase completo não é o suficiente!

site: https://www.instagram.com/p/BgfAJBnDfdE/?taken-by=queliivro
comentários(0)comente



Kelly 16/08/2018

Não consegui me conectar
Antes de mais nada gostaria de fazer um desabafo e dizer o quanto estou me sentindo frustrada, frustrada por ter abandonado a leitura e frustrada por não ter conseguido me conectar com a história e encontrar a magia que vi em tantas resenhas, mas vamos lá ...
Em Os Quase Completos, Felippe nos apresentará três personagens destintos que terão suas vidas alteradas e entrelaçadas num mundo mágico porém confuso, pelo menos para mim. São eles:

O quase Doutor:
Um cardiologista renomado, que seguiu carreira com o objetivo de agradar seus familiares, cobrir o buraco deixado pela irmã falecida. O sonho dele sempre foi ser pintor, mas colocaram na cabeça dele que isso não valia o esforço. E assim ele se torna um médico frustrado que aceita a vida que tem e se força a acreditar que é feliz. Até que um belo dia ele conhece Barbafel, um velho curioso e excêntrico que o desfia a entrar no ônibus A307, rumo ao Oitavo Reino, um lugar fantástico onde todos os seus sonhos se realizaram.

A quase Viúva:
O noivo de Veronica sofreu um grave acidente, e agora está em coma, e seus dias se resumem a ficar no quarto do hospital velando o noivo esperando que ele acorde para que eles enfim se casem da forma mais linda e plena. Ela é amargurada, e a situação até seria o suficiente para justificar, afinal não é uma coisa bacana, mas conforme o livro vai passando, o leitor vai percebendo que é muito além disso, ela deixou toda uma vida de lado para deixar seu noivo se realizar, visando apenas um lindo casamento e esquecendo de se amar e se colocar em primeiro lugar.

O quase Repórter:
Victor poderia ser um excelente repórter, mas sua carreira começa a desandar quando ele fica viúvo e se recusa a aceitar o laudo policial. Cecília foi considerada suicida, mas ele não aceita, sua mulher não era dada a isso, e assim ele entra de corpo e alma em uma investigação que coloca toda sua carreira em perigo.

"A cegueira também é isto: viver num mundo onde se tenha acabado a esperança."

Minhas Conclusões:
Os pontos em discussão são ótimos, e pelas resenhas imaginei que fosse encontrar aqui,um livro intenso e cheio de lições, mas acabei me deparando com uma história fantasiosa com a qual não consegui me conectar.
O médico vai parar em um Reino onde tudo que ele sempre idealizou existe, até mesmo um cachorro foca, que ele pintou e criou no ensino fundamental, lá ele é pintor, a irmã esta viva e ele namora a mulher que amou de verdade, e não aquela, com que sempre esperaram que ele ficasse, muita fantasia pro meu tamanho. E talvez tenha sido realmente a parte do Dr. que me incomodou, não consegui me conectar com o mundo criado pelo autor para representar os sonhos do médico que sempre quis ser pintor.

A quase viúva e o repórter ao meu ver, foram os mais reais, uma sofrendo a dor da quase morte do noivo e o outro tetando provar que sua esposa não era uma suicida e que o assassino está a solta, mas aí o negócio começa a virar um sci-fi. Algo de outra dimensão deu um pulo na terra e atrapalhou a vida dos dois, que aliás descobrem que existe uma ligação entre os acidentes.

Eu tentei de verdade, mas não me conectei, não entendi nada e senti que estava me torturando, gastando tempo demais que podia estar sendo aproveitado com leituras mais bacanas, e por esse motivo eu abandonei. Pensando nisso, fui atrás de uma amiga que leu, para tentar entender o que foi que eu perdi na essência da leitura, e através das suas palavras pude perceber que o autor teve sim uma ideia genial para apontar e mostrar aos leitores como deixamos muitas coisas da nossa vida passar e como na maioria das vezes fazemos não aquilo que queremos e sim aquilo que esperam de nós, entristecendo por dentro e nos tornando pessoas infelizes apesar dos sorrisos no rosto.


"Sabe, por diferentes motivos, a maioria das pessoas é tão absorvida pelo cotidiano que a admiração pela vida acaba sendo completamente reprimida."


A mensagem é linda, e apesar de não ter funcionado comigo funcionou com inúmeras pessoas, então a falha aqui não está no livro e sim na leitora, sendo assim, arrisque-se, não apenas por ser um nacional, mas também por ter uma linda lição de vida no final da história, se aventure com esses personagens e mude o seu presente para ter um futuro mágico e feliz.

Apesar de não ter conseguido finalizar, o autor tem uma escrita muito bacana, com umas sacadas lindas e frases de efeito que merecem ser anotadas na agenda e divulgadas ao mundo. Além da capa linda que a Arqueiro deu pro livro, me forçando usar o mínimo de elementos possíveis na foto para não ocultar a arte.

"O grande defeito dos seres humanos está em ter mais medo de alcançar seus sonhos do que vontade de conquistá-los."


site: http://www.paraisodasideias.com
Nicole 17/08/2018minha estante
Não me conectei também miga, ideia incrível mas mal abordada. A parte do 8 reino eu sintia q tinha fumado algo não era possível kkkkkk


Kelly 18/08/2018minha estante
Que bom que não fui a única! A ideia era muito boa, mas aquele cachorro foca? Do por Deus!!! Muita brisa, pra mim não rolou e olha que gosto de fantasia.




@sonhandoacordadacomlary 07/05/2018

Os quase completos Por: @sonhandoacordadacomlary (laryssa)
Olá sonhadores e sonhadoras, tudo bem com vocês ?
Instagram @sonhandoacordadacomlary

Hoje vim falar sobre livro de um autor parceiro. Um livro que se tornou bem especial.

Nome: Os quase completos
Autor: Felippe Barbosa @felippebarbosa96
Editora: Arqueiro @arqueiro
Páginas: 383
Nota: 5/5
Favorito: ?

Os quase completos é um livro narrado por três personagens e seus pontos de vistas.
O quase doutor, a quase viúva e o quase repórter.
O quase doutor é um cardiologista bem renomado e passas seus dias no hospital cuidando da saúde de seus pacientes.
Mas no fundo ele é um artista frustrado. Um dia em seu caminho para o trabalho se depara com um senhor e esse senhor lhe dá a oportunidade de ele viver o sonho dele como ele sempre desejou. A partir daí vários coisas acontece nesse caminho para alcançar sua felicidade.
Quando ele entra no ônibus começa a reviver coisas do seu passado, mas ele revivia tudo do jeito que ele sempre quis viver, todos os seus sonhos tinham se realizado, seus sonhos de infância, adolescência e adulto estava ali, bem nítido para que ele pudesse continuar realizando e sendo feliz. O único problema era que tinha uns soldados que estavam ali para lhe matar.
A quase viúva é professora que passa seus dias no hospital esperando ver alguma melhora no seu noivo que está em coma após um grave acidente. Em algum momento surge um senhor no quarto do seu noivo e esse senhor também está em coma. Esse senhor quando acorda, começa a questionar o que ela sente pelo seu noivo Otávio, e ela diz que ela ama. E o senhor pergunta o porquê,e ela começa a explicar. Enquanto seu marido está em coma ela começa a relembrar de seu passado com ele é contar sua história ao senhor, e assim percebe que não ama o seu noivo completamente, ela se contentou com isso pois era seu sonho desde pequena se casar com alguém e ter um lido relacionamento e tudo mais.

O quase Repórter é um jornalista decepcionado com a vida. Após o suicídio de sua esposa,ele tenta descobrir que marca e aquela que aparece na roupa de sua amada esposa e isso acaba ligando os três personagens.
Quando ele vê a marca na blusa da mulher, ele começa a pesquisar e tenta descobrir o que é aquilo, mas para isso ele tem que ir fazer uma visita a uma mulher que está disposta a abrir sua mente para que ele possa enxergar o que há no mundo além do que nossos olhos possam ver. Quando ele descobre ele vai atrás de Veronica para ajudar com o seu marido, que está passando pelo mesmo que sua esposa Celina passou.


Os três tem algo em comum, a sensação de estar incompleto, de algo que está faltando. Como o amor, o emprego dos sonhos, a felicidade e outras coisas.



O final desse livro é surpreendente, e esse livro todo é cheio de emoções, estou encantada com essa história e desejando muito uma continuação para saber o que houve com os personagens. Uma leitura super fácil com excelentes personagens que te deixa com um gostinho de quero mais.

O doutor acaba vivendo a vida como sempre sonhou, com a profissão que sempre desejou, e com a mulher que sempre amou. Deixando assim de ser quase completo, se tornando uma pessoa completa e satisfeita com o seu presente!

Já a quase viúva acaba vivendo muito bem também é indo correr atrás de seus sonhos, assim que o noivo acorda, eles se resolvem e ela decide que serão mais felizes se cada um seguir seu caminho e realizar seus sonhos. Deixando também de ser quase completa e indo em busca de se tornar toda completa ao correr atrás de seu sonho.

Já o quase repórter, bom logo depois de descobrir a causa da morte da esposa resolve dar uma chance para vida e recomeçar, mas será que ele está sendo completo e feliz nesse recomeço? Você simplesmente vai precisar ler para saber!


Ficaria dias aqui escrevendo sobre esse livro que me prendeu muito e que me fez ter várias emoções inesperadas, como crise de risos e até lágrimas.
Trás uma mensagem muito bonita sobre seguimos nossos sonhos e sermos completos.
Super indico sim, e virou o favoritinho do meu coração.
Tenho certeza que daqui um tempo irei voltar a ler esse livro é embarcar novamente na jornada do doutor, da viúva e do repórter.

Bom essa foi minha resenha e espero que tenham gostado e se interessado por esse livro que ganhou um lugarzinho especial no meu coração. ?
comentários(0)comente



Aline|@Meninatecária 27/03/2018

Um livro encantador.

“— A questão é que utopias muitas vezes não se realizam. Só que não é para isso que elas servem. Afinal, se elas se realizassem, deixariam de ser utopias. Elas nos motivam. Essa é a finalidade. Saber que por mais que uma realidade perfeita possa ser inalcançável, enquanto viver dispostas correr atrás dela, estará vivendo plenamente.” - pág 297

A utopia do quase doutor era ser um famoso pintor e viver da sua arte. A quase viúva se afastou do trabalho para ficar ao lado do noivo em coma, e o quase repórter vive decepcionado com o trabalho e lutando contra o luto pela morte da esposa, olhando assim o que esses três possuem em comum é a sensação de serem incompletos e de terem uma vida cheia de ilusões.

Até que algo impensável acontece com o quase doutor: uma jornada inesperada em um ônibus estranho o leva a uma aventura inimaginável, onde terá que enfrentar batalhas e eventos que mudarão sua vida para sempre, mas não só a dele, a da quase viúva e do quase repórter também, pois as respostas para solucionar os problemas de ambos podem estar dentro do ônibus A037.

Com seus destinos ligados em um lugar extraordinário, esse trio enfrentará seus piores fantasmas e para se tornarem completos precisarão lutar contra o seu pior inimigo: eles mesmos.

“— Não deixe que a pior versão de você mesmo o faça voltar a ser o ignorante que era no dia em que chegou aqui.” - pág 296

Após passar do meio da leitura a coisa realmente melhorou para mim, consegui captar a ideia do autor e a leitura fluiu bem melhor! É um livro que possui uma mensagem muito linda, e que com certeza eu irei reler com outra expectativa. A escrita do autor é encantadora e repleta de quotes lindos, como esses que coloquei.

Enfim, eu indico esse livro para pessoas que estejam afim de leituras que te façam parar e pensar sobre como você está vivendo a sua vida.

“— Talvez... você não estivesse feliz, mas estivesse no caminho para a felicidade, ainda que não soubesse.” - pág 295

site: https://www.instagram.com/meninatecaria/?hl=pt-br
comentários(0)comente



Diane Ramos 23/03/2018

OS QUASE COMPLETOS (Felippe Barbosa)
Vencedor do Prêmio Pólen de Literatura (iniciativa da Editora Arqueiro e da empresa Pólen, responsável essa pelos papéis que os livros são impressos), Os Quase Completos é o livro de estreia do mineiro Felippe Barbosa. Posso até ser suspeita pra falar já que sempre dou apoio total para escritores iniciantes, mas, desde que descobri esse livro não sosseguei enquanto não estivesse com meu exemplar em mãos! O livro simplesmente te conquista pela capa, te ganha pela sinopse e se torna uma leitura obrigatória por ser um nacional... Iniciei a leitura com as expectativas lá no céu e felizmente Felippe Barbosa conseguiu me surpreender e ainda me fez desejar um segundo volume dessa obra tão instigante e tão surpreendente!
O livro traz a história de três personagens bastante distintos, mas, ao mesmo tempo, bem semelhantes: O Quase Doutor é um renomado cardiologista que passa os dias em um hospital, mas no fundo é um artista frustrado. A Quase Viúva é uma professora que está de licença do trabalho para ficar com o noivo, em coma após um grave acidente. O Quase Repórter é um jornalista decepcionado com a profissão que sofre há mais de um ano pelo suicídio da esposa. A princípio, a única coisa que essas pessoas têm em comum é a sensação de incompletude e de desilusão com a vida.
Até que, um dia, o Quase Doutor é persuadido por um velho desconhecido a embarcar com ele em um ônibus rumo a uma jornada para se reconciliar com seu passado. Logo a viagem se transforma em uma aventura extraordinária e, em meio a fenômenos como uma chuva de estrelas cadentes, ele precisa fazer escolhas que mudarão seu destino para sempre.
Enquanto isso, eventos misteriosos levam a Quase Viúva a suspeitar que alguém dentro do hospital quer matar seu noivo e uma pesquisa minuciosa do Quase Repórter revela que sua esposa pode ter sido assassinada. Quando os dois tentam descobrir a verdade sobre seus amados, tudo leva a crer que a resposta está dentro do ônibus do Quase Doutor.
Reunidos num lugar que nunca imaginaram existir, os três serão forçados a enfrentar seus maiores medos e verão que, para se tornarem completos, precisarão encarar a batalha mais difícil de todas: aquela que travamos com nós mesmos.

Os Quase Completos é narrado em terceira pessoa sob os pontos de vista dos três protagonistas (Quase Doutor, Quase Repórter e a Quase Viúva) e vez ou outra o autor insere alguns flashbacks do passado dos protagonistas, o que permite um maior entendimento da história. A escrita de Felippe Barbosa é extremamente envolvente, original e fiquei impressionada com sua capacidade de misturar vários gêneros em um único enredo, e ainda assim, manter o leitor entretido e totalmente por dentro de todas as maluquices que cercam a vida desses imprevisíveis protagonistas. Nessa salada de gêneros, temos romance, relações entre família e amigos, suspense, possível assassinato, magia, fantasia e algumas cenas bastante lúdicas. Mas, o mais importante é que Felippe Barbosa, nessa narrativa um tanto louca nos faz viajar para o interior de nossa alma ao levantar várias questões sobre felicidade, sonhos e vontade própria.
Apesar de termos três protagonistas, todos eles foram muito bem construídos e é perceptível que Felippe Barbosa teve uma grande dedicação com cada um em particular, pois, todos eles possuem uma história complexa, bem detalhada e um passado que reflete no presente de cada um... E eu adorei todas essas construções! O Quase Doutor é um sonhador que pra satisfazer terceiros acaba sempre abrindo mão de seus próprios desejos, a Quase Viúva possui um coração enorme e sempre tenta esconder seus reais sentimentos e o Quase Repórter é um tanto marrento e não sossega enquanto não alcança seu objetivo. Acima de tudo, ambos são extremamente fortes e sensíveis ao mesmo tempo e buscam um dia atingir a completude e serem realmente felizes. Os personagens secundários também foram bem construídos e são muito importantes no decorrer da história.
Num enredo totalmente louco, Os Quase Completos fala sobre assuntos bem reais e que afligem bilhões de pessoas no mundo inteiro: a busca incessante da felicidade, o abandono de sonhos, o sentimento de incompletude e a necessidade de tentar agradar todos, o que consequentemente faz com que atropelemos nossas próprias vontades. Um livro que demonstra que a vida não gira em torno de nós mesmo e que, às vezes, é preciso que haja falhas para que outros possam ter vitórias e para isso é preciso manter um certo equilíbrio, amar e ser amado para sobreviver nesse mundo de desilusões.
Enfim, Os Quase Completos é um livro maravilhoso, lunático, inspirador e com uma reviravolta tão surpreendente que me mostrou o motivo de gostar tanto de ler! Recomendo de olhos fechados para qualquer leitor.


site: http://coisasdediane.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Mari 07/04/2018

|RESENHA| Os Quase Completos, Felippe Barbosa

Os quase completos é o livro de estréia do autor Felippe Barbosa, lançado pela Editora Arqueiro. Apesar de estar estreando como autor, Felippe já é bem conhecido por ser parte de um canal no YouTube chamado Toda Voadoa. Até então não o conhecia, mas ao saber deste lançamento literário não pude resistir, foi amor à primeira vista.

O livro conta a história de três personagens que estão ligados por uma coisa: o quase. Nenhum dele é completo em si, mas é isto que tornam parecidos estes seres extremamente distintos que sequer se conhecem. Só que coisas estranhas acontecem, em um momento eles se encontram e uma série de acontecimentos mágicos preenchem a narrativa.

O "quase doutor" é um cardiologista bem sucedido, possui seu próprio negócio, tem uma noiva e é o orgulho da família. É claro que é de se pensar que ele tem exatamente tudo o que uma pessoa precisa para ser feliz, não é? Mas não. Ele é quase completo, porque há coisas que ele deseja e que ficaram em seu passado, como o sonho de ser pintor.

O "quase repórter", Victor, como já diz é um repórter, não muito feliz, pois seu verdadeiro sonho é escrever reportagens em que possa realmente fazer críticas e demonstrar sua opinião, mas não é o que seu chefe deseja, então suas reportagens sempre ficam num nível superficial para ele. Entretanto, este não é foco, o quase repórter recentemente perdeu sua esposa e negasse a acreditar no que a polícia determinou ser a causa de sua morte: suicídio. Assim, ele passa a investigar sozinho a causa do suicídio, tentando assim se convencer de que foi realmente isso que aconteceu.

[CONTINUAÇÃO DA RESENHA NO BLOG]

site: http://anneandcia.blogspot.com.br/2018/04/quase-completos-de-felippe-barbosa.html
comentários(0)comente



Julia G 26/07/2018

Os quase completos
Em 2017, a Editora Arqueiro, em parceria com a Suzano Papel e Celulose, anunciou o Prêmio Pólen de Literatura, em que o vencedor teria seu livro publicado pela Editora. Assim nasceu Os quase completos, livro de Felippe Barbosa que conta a história do quase doutor, um médico que há muito tempo deixou de lado seu sonho de ser pintor, da quase viúva, cujo noivo está em coma enquanto a data do casamento se aproxima, e do quase repórter, que não consegue superar a perda da esposa e acredita que, diferente do que todos dizem, não se tratou de um suicídio.

Com uma escrita madura e bem desenvolvida, o autor se aprofunda nas dificuldades de se deixar guiar pelos sonhos e de buscar aquilo que se deseja de verdade, geralmente em razão das influências alheias e da necessidade que temos em fazer felizes aqueles que nos rodeiam. Mas a questão que fica nesse contexto é: e a nossa felicidade?

"- Mas... por que raios eu entraria num ônibus qualquer ao lado de um desconhecido?
O estranho abriu ainda mais o sorriso e respondeu:
- A pergunta que deve fazer é: por que não?"

Narrado em primeira pessoa pelo Quase Doutor e pela Quase Viúva e em terceira pessoa nos trechos pelo ponto de vista do Quase Repórter, o livro permite analisar as perspectivas de cada personagem e compreender seus desejos e frustrações. É fácil também se identificar com eles, afinal, quantos de nós não se deixou apenas levar pela vida e, quando percebemos, nos vemos distantes demais de onde gostaríamos de estar?

Embora o leitor não consiga entender a relação entre os personagens no início da trama, aos poucos o autor insere aspectos de suas vidas que fazem seus caminhos se cruzarem. É interessante ver as correlações, não imaginadas inicialmente, se interligarem. Em alguns casos, pode ser até uma surpresa para quem lê, mas eu consegui adivinhar antes algumas construções que só seriam reveladas pelo autor mais para frente da história.

"- [...] Nunca se limite ao 'quase'. Não há nada mais depressivo do que beirar um sonho e jamais tentar alcançá-lo."

Tive certa dificuldade em acompanhar as passagens que tratavam do Oitavo Reino ("um local onde toda a sua vida é perfeita", segundo palavras de uma das personagens), pois os trechos de fantasia inseridos em uma trama realista sempre me deixam um pouco entediada. Livros que inserem realismo fantástico dificilmente me prendem e foi exatamente nesses trechos que a história ficou mais arrastada para mim. Por esse motivo, os enredos que mais gostei foram os da Quase Viúva e o do Quase Repórter, que eram mais ligados à realidade.

Ainda que tenha demorado um pouco mais para concluir a leitura por conta desses percalços, acho que a mensagem que fica de Os quase completos é maravilhosa, por fazer refletir sobre os caminhos que deixamos a vida seguir e aquele que queríamos ter seguido. Além disso, a trama se encerra com aquela sensação gostosa de que tudo pode ser melhor, ainda que seja mais difícil.

site: https://conjuntodaobra.blogspot.com/2018/07/os-quase-completos-felippe-barbosa.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Helana O'hara 30/03/2018

Um livro encantador pela busca da felicidade
Os Quase Completos chama atenção por sua capa belíssima, cores vibrantes e um ônibus da década de 60/70 estampado na capa. Outra questão que chama atenção é que o livro não tem capítulos habituais, ele é divido entre os três protagonistas e geralmente capítulos curtos.

Os Quase Completos é narrado em terceira pessoa e trás três protagonistas: O Quase Doutor, um homem, médico cardiologista que trabalha demais e no final das coisas o que ele queria mesmo era ser um grande artista.
A Quase Viúva, uma professora que tira uma licença para ficar com seu noivo no hospital.
O Quase Repórter, um homem frustrado que não aceita a morte de sua esposa. Apesar de profissões diferentes os três tem algum em com um, a frustração com a vida e não saber o que estão fazendo aqui.
Em um dia qualquer, O Quase Doutor embarca em uma viagem mágica dentro de um ônibus velhos, a viagem faz com que ele tenha experiências novas, e fazendo com que ele comece a pensar em uma nova vida a si.
Enquanto isso, A Quase Viúva, acredita que alguma coisa tentar matar seu noivo no hospital. Já O Quase Repórter acha que sua esposa foi assassinada, enquanto eles precisam descobrir a verdade, algo leva a crer que as respostas que precisam estejam dentro do misterioso ônibus. Assim eles se reúnem em uma viagem mágica e cheia de reflexão sobre a vida, sua A SUA VIDA, encarar a realidade e a discussão que temos com nós mesmos todos os dias.

Os Quase Completos é um livro de causos, cada personagem tem sua frustração, seu medo , seus anseios, nos quais eles não querer encarar, o autor ainda colocado na obra flashbacks da vida dos protagonistas, para ajudar a entender melhor a situação que passam, e como eles chegaram em tais frustrações.
É impossível o leitor não conseguir se conectar com alguma história dos personagens, algum momento da vida, ou algum sentimento que eles tenham.

Felippe Barbosa, tem uma narrativa um tanto quanto peculiar, ora ela é um pouco arrastada, ora um pouco mais rápida subindo o nível da história rapidamente, e essa montanha-russa pode agradar muitos leitores, mas eu me senti cansada com isso.
Como já falei lá em cima, apesar da narrativa não ter me agradado muito, o livro é maravilhoso, ele faz o leitor refletir, o que estamos fazendo da vida, quais são nossos sonhos e nossos objetivos. É um livro que nos faz perguntar se estamos mesmos felizes, a busca da felicidade que tantos procuram freneticamente.

Uma história original, uma viagem mágica a busca da felicidade. Os Quase Completos, é aquele livro que merece um espaço no seu coração.

Todos os seus pedidos mais sinceros o trazem até aqui, o local onde as estrelas caem".
comentários(0)comente



Marci 30/06/2018

Fantástico
Eu não estou bem... Que livro... Que livro...
comentários(0)comente



Lorrane Fortunato 20/05/2018

Resenha: Os Quase Completos / Dreams & Books
“— Talvez... você não estivesse feliz, mas estivesse no caminho para a felicidade, ainda que não soubesse.”

Os Quase Completos é aquele tipo de livro que encanta desde a capa. A capa lindíssima transmite toda a atmosfera mágica e envolvente da história de Felippe Barbosa.

O livro, vencedor do Prêmio Polén de Literatura, logo nas primeiras páginas mostra ao leitor porque foi o vencedor.

"Todos os seus pedidos mais sinceros o trazem até aqui, o local onde as estrelas caem."

Esse é um livro que envolve e encanta o leitor a cada página. O autor tem uma forma de escrever fluída e cativante.

A história em nenhum momento se torna monótona ou cansativa. Seus elementos mágicos tornam impossível a tarefa de não agradar o leitor. Além de ser um daqueles livros impossíveis de largar.

Ótima escrita, roteiro original e história envolvente, são os elementos que tornam Os Quase Completos um livro tão bom.
Leitura recomendada!

“— A questão é que utopias muitas vezes não se realizam. Só que não é para isso que elas servem. Afinal, se elas se realizassem, deixariam de ser utopias.
Elas nos motivam. Essa é a finalidade. Saber que por mais que uma realidade perfeita possa ser inalcançável, enquanto viver dispostas correr atrás dela, estará vivendo plenamente.”


site: www.dreamsandbooks.com
comentários(0)comente



Ricardo Brandes 22/05/2018

Os quase completos
Olá! Quem nunca teve vontade de mudar algo do seu passado? Refazer sua vida, corrigindo antigas escolhas? Os quase completos, romance de estréia de Felippe Barbosa, traz a chave desta questão!
Publicada pela Editora Arqueiro, a obra foi vencedora do Prêmio Pólen de literatura. A capa é muito bonita, e merece elogios. Já a diagramação, deixou a desejar. Muito carregada, com excesso de texto por página, torna a leitura cansativa.
O livro traz 382 páginas das histórias do quase doutor, da quase viúva e do quase repórter, que acabam se entrelaçando em seus relatos de vida. Não posso deixar de elogiar a escrita do Felippe Barbosa, que muito me surpreendeu em vários pontos. Principalmente na questão do antagonista, que me despertou raiva e comoção, ao findar da leitura. (Todo cuidado é pouco, ao entrar em um ônibus velho com um desconhecido, sem um destino final!)
Bom, este é um livro para ser lido sem pressa, com toda calma, curtindo cada momento. Por vezes, a história dos quase completos torna-se lenta e cansativa, parecendo querer sair do rumo. Mas é aí que entra a habilidade e talento do autor, que puxa as rédeas e chama o roteiro para a razão, comovendo e despertando a curiosidade dos leitores. Um processo bem interessante!
Interessante notar que os personagens tem histórias tão diferentes, e ao mesmo tempo, o destino acaba mudando seus caminhos, jogando-os em um jogo de aventura, mistério e suspense, com toques de ocultismo e de fé.
Neste livro, além de um bom romance, o leitor poderá encontrar um caminho para sua vida, inspirando-se nos personagens e seus dilemas.
Vamos acompanhar os próximos trabalhos do Felippe Barbosa, este promissor autor da nova literatura brasileira!
Por RicBrandes

site: http://www.amoreselivros.com.br/2018/05/os-quase-completos-felippe-barbosa.html
comentários(0)comente



Fernando @sabioleitor 31/05/2018

Muito bom
Em Os Quase Completos iremos acompanhar três histórias, aparentemente, distintas entre si. 3 pessoas que por algum motivo não estão completas e realmente felizes.

O Quase Doutor é um médico cardiologista muito bom e comprometido com a profissão, mas que na realidade deixou de correr atrás do sonho de artista. A Quase viúva sofre com seu noivo em coma no hospital, a poucos dias do casamento. O Quase Repórter, por sua vez, se encontra infeliz por não ser o jornalista que deseja e sente a ausência da esposa que cometeu suicídio.

O Quase Doutor é convidado por um senhor, a embarcar no enigmático ônibus A307, para uma viagem que também desconhece o destino. Ao encarar este convite, o cardiologista se vê no mundo dos sonhos, mas uma aventura que também pode se mostrar perigosa e impossível de prever o que virá a seguir.

A partir disso, Felippe Barbosa, leva o leitor para um passeio por diversos gêneros. Adentramos no território da fantasia, passamos pela aventura e mistério, nos encontramos com uma dose de romance, somos surpreendidos pelo sobrenatural e ainda temos direito a verdadeiras reflexões. Isso pode até parecer uma verdadeira bagunça, mas o autor conseguiu trabalhar muito bem e montou um ótimo enredo.

Paralelamente aos eventos citados, o Quase Repórter descobre fatos nada comuns ligados a morte de sua esposa, indicando que a mesma pode ter sido assassinada. Tudo isso estabelece possíveis ligações, e a Quase Viúva teme ainda mais pela vida de seu marido.

Um livro com personagens cativantes, sobre sonhos, escolhas e que nos leva a intensas reflexões. O desfecho foi incrível, a melhor parte da obra. Mas preciso apontar um ponto negativo, para mim, a leitura foi lenta e com pouca fluidez, melhorando após a metade do livro, fato pelo qual eu não dei 5 estrelas, contudo apresenta esses inúmeros pontos positivos citados, e sem dúvidas, vale a pena a leitura.

Resenha postada originalmente no Instagram @sabioleitor.
comentários(0)comente



27 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2