Em Outra Vida, Talvez?

Em Outra Vida, Talvez? Taylor Jenkins Reid


Compartilhe


Resenhas - Em Outra Vida, Talvez?


16 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Lívia Cipolla @supimposa 22/05/2018

E se tudo que é possível acontecesse?
Eu PRECISO começar essa resenha dizendo três coisas MUITO importantes:
1) eu fui completamente enganada pela capa, achei que estava recebendo um chick-lit fofinho, de leitura leve, daqueles perfeitos pra uma tarde de domingo. Eu não poderia estar mais errada!!
2) Esse livro é diferente de tudo o que eu já li.
3) Em Outra Vida, Talvez? é um dos melhores livros do ano e vai ficar guardado na minha memória para sempre!

Em Outra Vida, Talvez? somos apresentados a Hannah, uma mulher de 29 anos que ainda não descobriu o que fazer de sua vida. Ela acaba de ter uma decepção amorosa e toma a decisão de voltar para sua cidade natal, para morar temporariamente com sua melhor amiga Gabby e o marido dela, até decidir o que pretende fazer da vida. Para comemorar sua volta, Gabby leva Hannah em um bar para comemorar com seus amigos mais próximos da escola, e entre eles está Ethan, seu namorado do ensino médio. A noite é muito boa, mas chega o momento crucial dessa história toda: Hannah vai voltar para casa de carona com Gabby e o marido ou vai ficar mais um pouco na festa com Ethan e deixar que ele a leve embora mais tarde? A partir desse momento, somos apresentados a dois novos cenários: ao de que Hannah aceitou a carona da Gabby e ao de que ela fica na festa com Ethan.

Parece um pouco confuso né? Ter que ler duas histórias diferentes, ao mesmo tempo, com os mesmos personagens. Mas JURO pra vocês que além de a leitura ser super fluída e de fácil entendimento, é impossível largar o livro!

Eu fiquei encantada porque esse livro não é uma história de amor, é MUITO mais que isso! Ele traz ao leitor muitas questões importantes como qual é o problema de não saber o que fazer da vida aos 30 anos, ou como casamentos muitas vezes não foram feitos para durar. Mas a lição mais linda que esse livro traz é o valor da amizade.

A amizade da Hannah e da Gabby foi uma das mais lindas que eu já tive o prazer de conhecer! Taylor conseguiu fazer elas duas tão, mas tão, reais que é impossível não aplaudir essas duas mulheres maravilhosas de pé!

Sabe aquela coisa que a gente sempre tem de "o que poderia ter acontecido se eu tivesse feito tal coisa?" esse livro nos presenteia com uma resposta LINDA para essa pergunta.

5 estrelas parece muito pouco para tudo o que esse livro foi pra mim! Peguei ele pra tentar curar uma ressaca literária e acabei ficando com uma maior ainda!

Leiam essa belezinha, por favor!

site: https://www.instagram.com/p/BjGIAZjDfj3/?taken-by=supimposa
comentários(0)comente



Aione 18/04/2018

Em Outra Vida, Talvez? é o primeiro livro de Taylor Jenkins Reid publicado no Brasil. Sem deixar de ser uma obra leve e gostosa de ser lida, o livro explora as possibilidades surgidas dentro dos “e se” que nos deparamos ao longo de nossas vidas e questiona o significado de destino.

Hannah tem quase 30 anos e muda constantemente de cidade, sempre em busca daquilo que dará sentido à sua existência. Após sofrer uma desilusão amorosa, ela decide retornar para Los Angeles, onde nasceu, para tentar — mais uma vez — recomeçar sua vida. Para comemorar sua chegada, Gabby, melhor amiga de Hannah, propõe uma reunião em um bar com velhos amigos; entre eles, quem comparece é Ethan, ex-namorado de Hannah. Na hora de ir embora, ela se vê dividida entre duas opções: continuar no bar com Ethan e descobrir o que ainda pode haver entre eles ou ir embora com Gabby, e deixar a possibilidade com o ex mais ao acaso. É quando a narrativa se divide em realidades alternativas e os capítulos passam a intercalar os dois diferentes cenários, cada um de acordo com o caminho escolhido por Hannah.

A narrativa em primeira pessoa de Em Outra Vida, Talvez? permite que facilmente mergulhemos na trama, afinal, não demoramos a nos conectar com Hannah e seus medos e anseios. Também, a escrita de Taylor Jenkins Reid faz com que a leitura se torne bastante rápida: a autora faz uso principalmente de períodos mais curtos, além da narrativa em si ser bastante direta e de fácil compreensão.

Mesmo que a leitura como um todo seja bastante leve e que não haja um grande aprofundamento de temáticas, Taylor Jenkins Reid foi muito feliz em sua maneira de explorar as questões abordadas. Quem de nós nunca se perguntou sobre o que poderia ter acontecido se tivéssemos feito uma escolha diferente no passado? Ao permitir que o leitor conheça as duas possibilidades para Hannah, Em Outra Vida, Talvez? tanto percorre os caminhos dados como inevitáveis — e abre espaços para nos questionarmos sobre a existência do famigerado destino — quanto constrói situações bastante diferentes em cada uma das realidades, que ocorrem justamente por uma questão de causa e consequência, ação e reação.

Porém, mais do que divagar a respeito dos mistérios do destino, o que me fez amar Em Outra Vida, Talvez? foi a presença de elementos como a força da amizade, o amadurecimento da protagonista e um romance cativante, independentemente da maneira em que se dá. Sobre o primeiro aspecto: Gabby foi uma das minhas personagens favoritas e simplesmente amei a força e o apoio existentes entre ela e Hannah. Em relação ao amadurecimento da protagonista, Taylor Jenkins Reid explorou questões ligadas à autodescoberta e à responsabilidade advinda de nossas escolhas, algo que muito me agradou. Por fim, sobre o romance, fiquei encantada como a autora teve habilidade para desenvolver situações diversas e, em partes, fugir do esperado no início da leitura. Não esperava que ela fosse construir o caminho construído e adorei sua escolha, especialmente por ter trazido um diferencial para a história.

Em linhas gerais, Em Outra Vida, Talvez? foi uma agradável surpresa. O livro não foi daqueles que marcou minha vida, mas me trouxe não só momentos de prazer e entretenimento como também de singelas reflexões. Me encantei pelas personagens, por seus aprendizados e me peguei torcendo por elas. No fim, a principal mensagem que Taylor Jenkins Reid me trouxe foi a de que, não importa como, nós somos capazes de viver o melhor para nós mesmos — e isso é um alívio e tanto quando nos vemos torturados pela necessidade de fazer escolhas.

site: https://www.minhavidaliteraria.com.br/2018/04/17/resenha-em-outra-vida-talvez-taylor-jenkins-reid/
Andri 18/04/2018minha estante
Quero muito ler esse livro!!!


Aione 19/04/2018minha estante
Eu amei!!




Cris.Pimentel 17/03/2018

Talvez...
O livro é muito interessante é um chick lit que traz questionamentos quanto ao que é real, ao peso de nossas escolhas, mas ao mesmo tempo fala sobre aceitar o que escolhemos.

Não pensem que é um livro profundo, na verdade se trata de um romance gostoso, com pitadas filosóficas, mas não é extraordinário, não é surpreendente.

Comece a leitura lembrando de que se trata de um Chick Lit e se divirta, eu acho que vale a pena!


comentários(0)comente



Nana 20/04/2018

Fofíssimo!!!!
Adorei o livro! A amizade entre Hannah e Gabby é linda e nos faz querer ter uma pessoa assim ao nosso lado, aquela amiga que você pode contar em qualquer momento de sua vida, independente de suas escolhas.
Tudo começa com Hannah tendo que fazer uma escolha se fica no bar mais um pouco ou se vai embora com Gabby? A partir daí, em cada capítulo vai alternando o cenário e vamos acompanhando o que teria acontecido se Hannah tivesse ficado no bar? E no capítulo seguinte, e se ela fosse embora com a amiga?
O enredo é muito envolvente, criativo e a leitura flui muito bem. Os personagens são todos adoráveis. AMEI!!!!
MANINHA BLOOM 20/04/2018minha estante
São só 1600 Km...pertinho


Simone de Cássia 20/04/2018minha estante
Perdi... por 100 km... rsrs


Nana 21/04/2018minha estante
Buaaa...tão longe né? Mas como diz o título "Em outra vida, talvez? " rs rs




Anne - @literatura.estrangeira 09/04/2018

É drama!
Em Outra Vida, Talvez? parece ser mais um romance clichê, um chick-lit para te fazer rir, mas não se enganem, o livro é bem dramático e deixa a gente até com dúvida das nossas próprias escolhas e como elas poderiam mudar ter mudado o rumo que a vida tomou.

Narrado em primeira pessoa pela nossa protagonista Hannah, a história segue uma linha reta, até que ela tem que fazer uma escolha, mas acaba tomando duas e a linha se divide. Com uma história paralela, Hannah vai vier dois grandes amores e nos fazer torcer pelas duas histórias.

A história da protagonista não é fácil, não me trouxe risadas, apenas angústias sobre as decisões que eu tomei na vida. Pode isso? Haha. Enfim, achei o enredo bem original. Cheguei a pensar que ele iria caminhar para algo parecido com Uma Curva no Tempo, mas me surpreendeu por possuir um tom inovador e que nos faz refletir sobre a nossa própria história enquanto a dela se desenrola na frente dos nossos olhos.

Apesar do enredo possuir muitos pontos positivos, achei que o ritmo começou bem, mas foi diminuindo a ponto de se tornar quase monótono. Temos personagens falhos, que cometem erros, mas que tentam dar a volta por cima e solucioná-los de forma madura.

Se eu recomendo? Muito. A autora consegue agradar a quase todos os leitores pois nos mostra duas possíveis histórias muito bem desenvolvidas e que apesar da lentidão, conseguiu levar a trama de forma bem inovadora.


site: http://www.literaturaestrangeira.com.br/2018/04/resenha-em-outra-vida-talvez-por-taylor.html
Pris 08/07/2018minha estante
Pensei logo n'Uma Curva no Tempo quando li a sinopse desse. Bom saber que tem algo inovador aqui. E é por isso que vou dar uma chance ?




Dri @oasisliterario 26/06/2018

Em duas histórias emocionantes, Taylor Jenkins Reid conseguiu tornar a narrativa real e, ainda assim, me surpreender no desfecho.
Hannah Martin tem 29 anos e ainda não sabe que rumo dar a sua vida. Ela já morou em diversas cidades, já trabalhou em diversos ramos, mas nada a cativou ainda. Depois de uma decepção amorosa, Hannah decide retornar para sua cidade natal e buscar ajuda de Gabby, sua melhor amiga. Ao sair com Gabby, Hannah reencontra seu grande amor da adolescência, Ethan. No fim da noite, Hannah deve escolher: ir embora com Ethan ou ir embora com Gabby?

Com uma narrativa diferente, "Em Outra Vida, Talvez?" apresenta duas histórias paralelas para a vida de Hannah. Isso mesmo, o livro contém duas histórias narradas ao mesmo tempo! Em uma, Hannah decide ir embora com Ethan e, em outra, Hannah decide ir embora com Gabby. Cada escolha que Hannah tomou, a levou a um destino diferente que conheceremos ao longo da narrativa.

Apesar da capa sugerir apenas mais um chick-lit fofo, "Em Outra Vida, Talvez?" me surpreendeu muito. Com uma história emocionante e encantadora sobre escolhas, destino e amizade, o livro consegue nos manter presos à ambas história do início ao fim.

A escrita de Taylor Jenkins Reid é leve, delicada e extremamente cativante e foi exatamente esse um dos principais fatores que me conquistou logo de início.
Um outro fator foi a maneira que Taylor criou o livro. Eu nunca tinha lido uma narrativa com histórias paralelas e, mesmo não sendo convencional, me agradou muito.

"Em Outra Vida, Talvez?" é uma história sobre amor e perda, vitórias e derrotas, risadas e lágrimas. É um ótimo retrato sobre a vida, sobre nossas escolhas e sobre encontrar seu lugar no mundo.
Em duas histórias emocionantes, Taylor Jenkins Reid conseguiu tornar a narrativa real e, ainda assim, me surpreender no desfecho. Recomendo muito!
comentários(0)comente



Caverna 18/06/2018

Aos 29 anos, Hannah Martin se viu completamente sem rumo. Não tinha emprego, vivia mudando de cidade, e sentia a necessidade de criar raiz em um local só, de estabilidade. Seu último caso fora com um cara que até então ela não sabia que era casado, e após a descoberta, não via mais razão para continuar lá. Gabby, sua melhor amiga desde a adolescência, abriu os braços e convidou a amiga para voltar à sua cidade natal, onde poderia ficar com ela e seu marido.

Hannah logo aceita a oferta, percebendo que sentia falta de sua grande amiga e da vida que deixara para trás, e é assim que ela reencontra Ethan, seu ex-namorado. O término deles fora amigável, algo comum da transição da fase adolescência para adulta, onde Ethan fora cursar faculdade em uma cidade distante, e somente por isso eles preferiram se separar. Ainda assim, quando se reveem, a atração é clara, assim como o sentimento que jamais fora embora.
Ao final da festa que Gabby promovera para Hannah em comemoração à sua volta, Hannah se depara com um momento que mudaria sua vida por completo:

Ir embora com Gabby e seu marido para casa, ou ir embora com Ethan?

Em duas realidades alternativas e paralelamente, acompanhamos a trajetória de acontecimentos que sucedem ambas as decisões. Eu não sabia o que encontraria nas páginas a partir desse esquema: se a autora contaria primeiro uma versão e depois a outra, ou se o leitor teria opções, como existem em determinados jogos, mas o que Taylor planejou foi o seguinte: No capítulo 4, ela conta o caminho de Hannah ao decidir retornar à casa de Gabby. Infelizmente não posso contar muito do que acontece pois cada detalhe seria um spoiler, mas de forma breve, posso dizer que Hannah sofre um acidente, e isso muda por completo seu destino. No capítulo 5, Taylor conta o caminho de Hannah ao decidir continuar com Ethan. Eles dão uma volta pela cidade, conversam sobre os pãezinhos de canela que Hannah tanto adora, e sobre o relacionamento que tiveram. Hannah e Ethan acabam se acertando, mas uma surpresa faz com que sejam grandes as chances de Hannah perder o seu grande amor. Depois, no capítulo 6, Taylor retorna à versão da Hannah no hospital, e por aí vai. A ordem cronológica do tempo é a mesma, somente os eventos que mudam de acordo com a realidade.

Eu estava louca por esse livro desde o lançamento. Adoro romances, e gosto muito de pensar na grande questão “e se”. Cada um possui uma crença, e eu acredito que cada decisão que tomamos, mesmo as pequenas, podem alterar todo o nosso caminho. A teoria de Taylor já é a de que algumas coisas estão predestinadas. Não importa qual direção seguimos, se é pra acontecer, vai acontecer, uma hora ou outra. Embora as duas realidades afetem a vida de Hannah de forma bem diferente, algumas coisas que acontecem com sua família ou então com sua amiga Gabby acontecem do mesmo jeito, nas duas realidades. E o mais legal é o final, porque Hannah sempre acreditou que Ethan era o seu verdadeiro amor, mas será que existe realmente apenas uma única pessoa certa? E se existir outra pessoa que pode nos fazer tão feliz quanto? Será que temos realmente apenas um destino?

Não sei se minhas reflexões ficaram confusas, mas é difícil debater o assunto sem acabar soltando spoiler junto. Admito que a obra não foi exatamente o que eu esperava, mas me agradou da mesma forma. O acidente de Hannah foi um grande choque, e imaginei que essa versão seria levada pra um lado dramático, mas posso garantir que não foi nada disso. Nas duas realidades Hannah amadurece, aprende lições, e acima de tudo, o ponto mais importante e emocionante da história toda, é que Gabby se mostra sua verdadeira cara metade, sua melhor amiga que jamais, em circunstância alguma, a deixou na mão. É lindo ver como a amizade delas é verdadeira e como é importante termos alguém assim no nosso dia a dia.

Em outra vida, talvez? é uma história sensível, emocionante e repleta de reviravoltas, assim como é a vida real. Já parou pra pensar que pode existir uma versão sua vivendo uma história completamente diferente da sua, só por ter seguido outra direção?

site: http://caverna-literaria.blogspot.com/2018/06/em-outra-vida-talvez.html
comentários(0)comente



@desaniversarios 09/08/2018

Qual caminho é o verdadeiro?
{Minha opinião} O livro para se divide em duas histórias: um capítulo conta a história de Hannah indo embora com Gabby e o outro mostra o futuro de Hannah se tivesse ficado com Ethan. Os capítulos se intercalam e me deixavam curiosa a cada virada de página! Eu queria a todo momento saber qual era o caminho que Hannah tinha seguido. A minha preferida foi a que ela  vai embora com Gabby. Acredito que as decisões foram mais sensatas para Hannah. Falando nela, amei essa protagonista! Ela é divertida, toma decisões erradas, cheia de sonhos e ao mesmo tempo sem rumo. Super recomendo esse livro, pois é divertido, transporta para outra realidade. É o tipo de livro que você demora para ler só para que o livro não acabe. Levei uma semana para ler, pois não queria terminá-lo. Confesso que o final deixou a desejar em um pequeno ponto, que eu gostaria que ficasse melhor esclarecido.
.
{Estrelinhas} 4! Com certeza entrou para o meu top list. Aos próximos aniversariantes, preparem-se, pois quererei dá-lo a todos! Merece quatro estrelinha, perdeu uma estrelinha por conta daquele detalhezinho no final (não darei spoiler, chamem no privado! ). É o meu estilo preferido de livro: chick-lit. Vocês também gostam? Deixem nos comentários a opinião de vocês. Espero que amem essa leitura tanto quanto eu amei.
comentários(0)comente



Karina Bonk 16/07/2018

Incrivel
Um livro com uma historia bem legal,
que fala sobre destino, e escolhas da vida!
Faz você pensar e ver o mundo com outros olhos!
Muito interessante!
Uma leitura fácil e leve!
comentários(0)comente



Ana 31/08/2018

Eu não sei se vocês sabem, mas existe um ramo da Física Quântica que estuda uma teoria que afirma existirem universos múltiplos. Essa teoria diz que exatamente tudo o que é possível acontecer, realmente acontece. Isso significa que o universo em que estamos vivendo agora é uma parte do Multiverso, e que há infinitos universos, todos igualmente infinitos. Isso também significa que existem outras versões de nós em algum lugar, todas elas criadas no instante em que fazemos alguma escolha. De certa foma, é esse o assunto que Em Outra Vida, Talvez? aborda.

Essa história toda parece coisa de maluco, mas faz um total sentido. Afinal, quais as consequências das nossas escolhas? Hannah tem 29 anos e nenhuma noção do que está fazendo da sua vida. Vive pulando de cidade em cidade até que resolve voltar para sua terra natal, Los Angeles, onde vai morar com sua melhor amiga, Gabby. Em uma noite, Hannah vai comemorar sua volta com alguns antigos amigos e reencontra seu ex-namorado da adolescência, Ethan. Em um ponto da noite, tanto Ethan quanto Gabby oferecem uma carona para Hannah voltar para casa.

A partir desse momento, a narrativa em primeira pessoa — pela visão de Hanna — se divide em duas realidades alternativas, uma onde a personagem escolhe Ethan e a outra onde ela escolhe voltar para casa com a Gabby. Assim, os capítulos começam a se intercalar entre os dois cenários, mostrando o que acontece após cada escolha da protagonista, e podemos acompanhar bem de perto tudo o que Hannah passa.

Eu gostei muito desse livro. Primeiro porque me fez pensar no que poderia ter acontecido se eu tivesse feito alguma escolha diferente no meu passado. Aliás, eu bem que acredito que existam várias de mim em infinitos universos lidando com as consequências das escolhas, quem garante que não? Segundo porque a escrita de Taylor Jenkins Reid é muito fluida e fácil de entender, além da narrativa ser bem direta. Isso fez com que eu lesse o livro todo numa sentada, coisa que não acontecia há mais de oito meses — e não tô exagerando.

Ao permitir que a gente conhecesse as duas possibilidades de Hannah, cada uma com situações bem diferentes da outra, a autora me fez questionar sinceramente se existe o tal do livre arbítrio ou até mesmo o destino. Quer dizer, será que a nossa vida é realmente feita de escolhas? Eu gostei bastante dos universos que a autora me mostrou, mas senti falta de um onde a Hannah não necessariamente precisasse um homem para o seu final feliz.

Outra coisa que fez eu me apaixonar por essa história foi a Gabby. Misericórdia, com certeza ela é a minha personagem preferida de todos os tempos de 2018 — até agora. Gabby é amiga de verdade, do tipo que, apesar de apoiar em todos os momentos, não passa pano para as atitudes erradas da Hannah. Amei o companheirismo entre as duas e isso me lembrou muito a minha relação com a minha melhor amiga. O romance também foi delicioso de acompanhar, mas confesso que eu tenho uma realidade paralela preferida, que vocês só vão poder me perguntar quando terminarem de ler o livro.

Em Outra Vida, Talvez? foi uma surpresa para mim. É um livro completo, que tem enredo e personagens legais, que diverte o leitor e que deixa várias reflexões, como, por exemplo, sempre existir um final feliz independente das escolhas que fazemos. Ah, o bônus que esse livro me trouxe foi a vontade de saber um pouco mais sobre a teoria do Multiverso.

site: http://www.roendolivros.com.br
comentários(0)comente



Simone.Lemos 31/07/2018

Em outra vida talvez eu teria gostado desse livro...
?Em outra vida talvez? conta as histórias de Hannah e do que acontece quando ela decide voltar para sua cidade natal e recomeçar a vida. E o livro conta sim ?as histórias?, no plural, porque logo no primeiro capítulo a história se divide em duas, paralelas. Assim, nós vemos o que aconteceu quando ela tomou uma decisão x e o que aconteceu quando ela tomou uma decisão y. No começo o livro é até legalzinho, mas logo a história fica muito repetitiva e arrastada. O livro todo só conta o que acontece com ela durante uma semana, e por isso eu achei que o desenvolvimento de certos sentimentos e a tomada de certas decisões precipitadas para apenas uma semana. No fim do livro, aparecem os capítulos ?3 meses depois? e ?3 anos depois?, e aí sim você vê o desenrolar das coisas. Acho que eu teria preferido se o livro tivesse contado essas histórias, e não aquele lenga-lenga do que se passa em uma única semana. Enfim. A ideia do livro é boa e a tese que ele defende também (sobre destino, escolhas etc), mas a história em si eu achei bobinha.
comentários(0)comente



Ane. 23/07/2018

Assim que li a sinopse de Em Outra Vida, Talvez? da autora Taylor Jenkins Reid fiquei curiosa com a premissa da história. Afinal quem nunca se perguntou como sua vida estaria se tivesse feito outras escolhas? Confesso que eu estava esperando uma comédia clichê totalmente previsível do começo ao fim, porém para minha felicidade fui surpreendida não apenas como uma narrativa deliciosa mas com uma história que podia acontecer com qualquer um de nós de tão dolorosa, divertida e real.

A narrativa de Taylor Jenkins Reid é leve e fluida e seus personagens são tão cativantes que é praticamente impossível não se conectar com eles. Confesso que em muitos momentos me identifiquei com a história, especialmente por que às vezes eu fico divagando sobre onde e como estaria se tivesse ido para esquerda ao invés da direita em um determinado momento de minha vida.

Mesmo que Taylor Jenkins Reid tenha usado alguns elemento presentes na comédias românticas e livros do estilo chick-lit, a autora nos presenteia com uma história que além de divertida nos faz refletir sobre nossa vida e nossas próprias decisões. Sobre as coisas que almejamos e o que de fato fazemos para conquistá-las. Sobre o amor e as várias formas de encontrarmos a pessoa “certa”. Ao final mesmo com os clichês, me vi com um sorriso bobo no rosto e feliz por que cada personagem a sua maneira encontrou o seu, o caminho para a felicidade.

Resenha completa no blog:

site: http://www.mydearlibrary.com/
comentários(0)comente



Bru 27/09/2018

Muito bom
Resenha de Em outra vida talvez?
Autora: Taylor Jenkins Reid
Editora: Record
Páginas 320 -
-
? "A vida é longa e repleta de um número infinito de decisões. Preciso acreditar que as pequenas escolhas não importam, que vou acabar aonde tenho de acabar independentemente do que fizer"
-

Hannah Martin tem quase 30 anos e ainda não sabe muito sobre sua própria vida, já morou em varias cidades, já teve variados empregos. Mas não encontrou seu lugar no mundo. Após um término doloroso a jovem decide voltar a morar em Los Angeles, sua cidade natal
.

Em Los Angeles, ela está morando com sua melhor amiga Gabby, e está disposta a reconstruir sua vida, arrumar um emprego, comprar um carro e ser uma pessoa diferente. Mas é surpreendida com a possibilidade de encontrar seu ex namorado da escola Ethan e construir uma história
.

O livro nos mostra duas possíveis realidades da vida de Hannah uma em que ela pode reencontrar Ethan
.
E outra realidade em que ela é atropelada por uma motorista louca, deixando-a gravemente ferida e tendo outra perspectiva de vida ao lado de um grande amigo enfermeiro Henry
.
Cada capítulo varia nas duas realidades possíveis da vida de Hannah, mostrando que qualquer escolha que ela faça terá uma consequência, e tudo acontece da maneira que deve ocorrer .
A escrita da autora é muito leve, o espaçamento dos livros da Record são maravilhosos né. Então rapidamente acabei o livro
.
Achei a temática interessante e bem diferente, o livro é voltado para duas realidades diferentes, mostrando que é possível que todas as pessoas possam vivenciar atitudes diferentes em outras realidades cósmicas diferentes
.

A capa além de fofa, mostra uma história super diferente, me apeguei a personagem, e aos amigos dela também! Já virei fã da autora ??
4,5/5 ??
comentários(0)comente



Pâmela 14/03/2018

Alguém me explica ?? Hsushsush
Tá aí a autora que ninguém pode falar que não tentou agradar os leitores, mas a bonita também não saiu do muro. Socorro,kkkkkkkkk sem mais spoilers
@desaniversarios 15/04/2018minha estante
Me irritou essa parte de não sair de cima do muro




Ale 06/09/2018

"A vida é longa e repleta de um número infinito de decisões. Preciso acreditar que as pequenas escolhas não importam, que vou acabar aonde tenho de acabar independentemente do que fizer"
Sabe aquele livro que te ganha pela sinopse, e ao fazer a leitura, vai te conquistando aos poucos? Pois foi exatamente assim que aconteceu com ‘Em outra vida, talvez?’.

Hannah tem 29 anos e depois de uma decepção amorosa está novamente de mudança. Dessa vez, ela sai de Nova York e retorna para Los Angeles, cidade onde nasceu e passou a adolescência. Ao chegar, é recebida pela melhor amiga Gabby, que decide reunir os amigos em um bar para comemorar a chegada de Hannah. Nessa reunião, uma das pessoas que comparece é Ethan, ex-namorado de Hannah. Na hora de ir embora, Hannah se vê diante de duas opções: Ir embora com Gabby ou continuar a noite com Ethan. A partir daí, vemos duas narrativas diferentes, uma com Hannah indo embora com Gaby e outra com ela escolhendo continuar no bar com Ethan.

Posso afirmar que ao dividir a narrativa em duas realidades diferentes, foi o que mais me atraiu na leitura. A autora trata o tema do ‘e se?’, levanta as questões relacionadas ao destino e aborda de maneira leve as diferentes realidades de Emma, e em ambas as narrativas vimos a protagonista amadurecer e se descobrir.
Nas diferentes narrativas, vimos acima de tudo, a força da amizade entre Gabby e Hannah, um dos grandes pontos positivos do livro.

Amei como a autora conduziu toda a história, adorei o romance presente no livro e gostei mais ainda de como a autora trata sobre o poder das nossas escolhas e de como elas interferem diretamente nas nossas vidas. Durante a leitura, me questionava o tempo todo como estaria minha vida se eu tivesse feito algumas escolhas diferentes, tamanho o impacto que a história criada por Taylor Jenkins Reid me causou.

Ao final do livro, a autora me surpreendeu mais uma vez, pois não imaginava o final que autora criou, desde o início tinha pensado em um caminho diferente, mas isso não foi um fator negativo, muito pelo contrário, foi um dos pontos positivos da história e adorei como o livro terminou.

Por fim, posso afirmar que a leitura de ‘Em outra vida, talvez?’ foi extremamente prazerosa e, embora leve, me impactou e trouxe algumas reflexões. Sem dúvidas, um novo favorito na minha estante!


site: https://www.paginasdolivro.com.br/2018/09/resenha-em-outra-vida-talvez.html
comentários(0)comente



16 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2