A arte francesa de mandar tudo à merda

A arte francesa de mandar tudo à merda Fabrice Midal




Resenhas -


9 encontrados | exibindo 1 a 9


Lorraine 03/05/2020

Não se deixe levar meu título...
O livro é uma síntese de experiências do autor que resultam na mensagem de deixar-se em paz, saber lidar com adversidades, ser você mesmo e também sobre a importância da meditação. É um bom livro de auto ajuda, não promete a cura para os seus problemas, mas o faz enxerga-los sob diferente perspectiva. Particularmente, para o meu momento atual, foi muito adequado.
Lorraine 03/05/2020minha estante
*pelo título




Mii 03/06/2020

Fique em paz!
O livro todo fala da experiência de deixar-se em paz e para nos libertamos tanto no nível pessoal, como em comunidade. Que amar é se sentir relaxado, livre, poder ser quem você é! ???
Gosto muito como ele vai de contra a muitos conceitos estipulados pela sociedade, vale muito a pena a leitura!
comentários(0)comente



Carmita 02/04/2018

Chato e muito fraco
Só quem ama auto-ajuda vai gostar. Muito fraco. A tese é interessante, mas o que poderia ter sido dito em 10 páginas foi estendido por 192 páginas. Cansativo, repetitivo.
Maíra @mairacoelhof 05/01/2019minha estante
Melhor definição.




Paula 28/05/2020

sobre meditação!
Apesar do título, o autor é um professor de meditação. Tem pontos bacanas sim, mas é mais um livro de auto-ajuda.
comentários(0)comente



Rafael 20/09/2018

O que dizer deste livro...
O Livro basicamente fala sobre meditação; equilíbrio; busca pelo auto conhecimento e sabedoria... Tudo isso com alguns conceitos de filosofia, compartilhados pelo autor (Doutor em Filosofia pela Universidade de Paris).
Fiz a leitura de todo o livro (até o final), por uma questão de disciplina, hábito e expectativas de encontrar um "insight" que valesse à pena (ideia legal)... mas confesso que não encontrei... Para mim, no meu mundo... o mesmo não deslanchou... Seguiu do início ao fim da mesma forma, pouco significativo (sem sal) e pouco motivador...
Ainda assim, para os que desejam explorar esta trilha, desejo-lhes boa sorte... A leitura de um livro, sempre vale à pena...

comentários(0)comente



Thaís 21/03/2020

Deixe-se em paz
Embasado na filosofia, Fabrice Midal disserta sobre o uso da meditação na busca pelo eu interior. Rebate os erros e pré-conceitos de quem acredita que meditação é o meio para se tornar uma pessoa calma. Com quase 30 anos de experiência tanto na aplicação do método quanto no ensino, Midal desconstrói a ideia do isolamento pela meditação e explica que o método nada mais é do que um meio para a aceitação, de si e do mundo.
comentários(0)comente



Carolina 25/12/2018

Deixe-me em paz e seja feliz!
O recado principal do livro é nos livrarmos das críticas e julgamentos que temos contra nós mesmos e sermos mais leves, gentis e tolerantes com nossos defeitos, não importa a aprovação alheia.
Excelente texto, capítulos bem divididos, onde autor compartilha sua experiência pessoal com a meditação de forma prática sem tanto mistério budista, pois o simples é se permitir.
comentários(0)comente



Vladia 22/05/2019

A arte francesa de mandar tudo à merda (Fabrice Midal) 🌟🌟🌟
. Ok!! Comprei gato por lebre pq pensei que era algum estilo francês de ser blasé e mandar tudo pastar... Mas não!!! É um estilo de não ser tão rígido do autor, que é francês!!!! Mas o livro em si é legal!!! O autor é filósofo e dá boas dicas para você não fazer aquela meditação com regras tão rígidas que se tornam um tortura e não te fazem bem nenhum!!! #aartefrancesademandartudoamerda #fabricemidal #planetadobrasil
.
. "Estamos sendo enganados quando se omite que a sabedoria é um caminho, e não um objetivo. Um caminho difícil... que evitamos enfrentar na era da facilidade".
.
."Buda, Cristo ou Nelson Mandela foram sublimes contraexemplos. Não eram apáticos, esses heróis da sabedoria! Eles sacudiram seu universo ordenado, sentiram raiva, choraram, disseram "não", refletiram concretamente sobre os problemas do cotidiano e em suas possíveis soluções. Levantaram as massas, bateram portas, emitiram opiniões e, cada qual, à sua maneira, buscou transformar a sociedade. Não sofreram sem reagir, não foram mórbidos, nunca procuraram a ataraxia porque viam nela um absurdo".
.
. " Deixar-se em paz não consiste de forma alguma em se negligenciar, mas em aceitar a complexidade e a sutileza do mundo. É aceitar as adversidades, que um perfeccionista enxerga como um ataque. É parar de se autoavaliar e se autocriticar permanentemente. É aceitar viver e regozijar com a vida, se entusiasmar, sair da angústia para entrar na excitação do fazer e do viver.
comentários(0)comente



@nemaria 04/01/2020

Não vá pelo título!
É um livro que fala basicamente sobre técnicas de meditação, o título dá a entender outra coisa.
comentários(0)comente



9 encontrados | exibindo 1 a 9