A Heroína da Alvorada

A Heroína da Alvorada Alwyn Hamilton




Resenhas - A heroína da alvorada


66 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Maria 16/10/2019

Sem duvidas, o melhor desfecho que eu já li!
Os personagem são MUITO bem feitos, com histórias que vão além da guerra que está acontecendo.
Eu amo os capítulos que contam histórias de quando os personagem eram mais jovens.
O romance não é o principal da trilogia (o que eu adorei) e não é incômodo durante a leitura.
Como o título diz, o melhor desfecho que eu já li. Quase chorei lendo o último capítulo, muito bem feito.
Não deixou pontas soltas, e sim uma instigação da imaginação para o que aconteceria mais adiante.
Ótimo, otimo. Recomendo a leitura dessa trilogia. Realmente, superou minhas expectativas.
comentários(0)comente



Wonderland of Books 04/10/2019

FAVORITO DA VIDA!
ESSE FOI UM DOS FINAIS MAIS SATISFATÓRIOS E TRISTES QUE JÁ LI NA VIDA.

Satisfatório pq esse ultimo livro foi tudo e um pouco mais do que estava esperando, o melhor final que se poderia ter.
E triste pq não se tem mais livros para ler dessa serie.

Vou sentir uma falta eterna por esse personagens e mundo que Alwyn Hamilton criou.
Trilogia favorita da vida.

Se vc ainda não leu esse livro/trilogia, o que está esperando??
comentários(0)comente



Guedes 04/10/2019

Que livro senhoras e senhores, que livro!
Que trilogia fantástica preciso dizer para começo de conversa.
Tenho um grande arrependimento de ter deixado esse livro tantas vezes de lado, pois logo no início a história me prendeu de uma maneira absurda por sua narrativa tão original.
Nesse último volume vemos o quanto os personagens cresceram emocionalmente devido a perda e provações, e eu falo isso pois a autora teve acima de tudo coragem de encarar uma guerra como ela deve ser, onde nem todos sobrevivem, onde o resquícios do que você passou, do que fez e do que perdeu é tão grande quanto os resultados finais, sejam eles felizes ou não.
Tenho muitos personagens preferidos mas a adorada general sempre vai ocupar um lugar de destaque do lado dos mocinhos e o sultão é um vilão tão bem trabalhado (mais no segundo volume ) que você não tem como dizer que não é um personagem incrível também.
Aprovo a leitura e esse ganha um lugar de destaque na minha prateleira!
comentários(0)comente



Fantástica Ficção 23/08/2019

Resenha pelo blog: Fantástica Ficção
o terceiro livro da série A Rebelde do Deserto, Alwyn Hamilton presenteia o leitor com o uma obra espetacular que fecha com chave de ouro uma trilogia que ficou marcada como uma das melhores que tive o prazer de ler.

“— Tudo o que sou, entrego a você, e tudo o que tenho é seu. Porque o dia da nossa morte não será amanhã”

Engraçado que, as vezes, quando estamos lendo livros muito bons, temos um momento de epifania em que paramos e pensamos: Caramba, estou lendo algo extraordinário! Se eu disser que essa sensação me aconteceu enquanto eu lia A Heroína da Alvorada, seria um eufemismo.

A narrativa de Alwyn Hamilton é maravilhosa. A autora conseguiu pontuar as diversidades dos personagens, reinventar seu romance e ainda sim não perder o foco da guerra iminente. Entre reviravoltas e romances, Hamilton desenvolve sonhos e esperanças, que estão perdidas ao longe destoadas pelas perdas recentes dos rebeldes. Nunca o lema “Uma nova alvorada, um novo deserto” fez tanto sentido: A alvorada tem que vir para que o deserto se erga novamente nas mãos de Ahmed e enfim o mundo de Amani se torne novo e cheio de possibilidades.

“Éramos todos mais egoístas que Ahmed. Por isso ele nos liderava. E estava certo. Não estávamos na rebelião por nós mesmos. Mas pelo que poderíamos fazer pelo futuro. O resto de nós podia morrer pela causa. Mas Ahmed precisava viver.”

Falando em diversidade, os personagens foram muito bem construídos. Amani evoluiu muito no decorrer das obras, mas nesta adquiriu um brilho especial. Acho que finalmente consegui me apegar a garota, pois senti verdade em suas atitudes. Amani tem medo, mas não abaixa a cabeça. Ela sabe que seus companheiros estão ansiosos por ela, por suas decisões, mesmo que isso possa causar suas mortes. Mas mesmo assim, a cada momento em que é derrotada, Amani se reergue e tenta de novo: segue em frente, por mais difícil que possa parecer.

Os personagens secundários são igualmente cativantes. Shazad ainda é minha favorita, mas diria que Jin e Hala ganharam um espaço no meu coração. O Sultão continua tendo bons motivos, e apesar de toda sua crueldade é impossível não entender suas motivações. Ahmed, continua como um idealizador, mas agora uma nova faceta é revelada. A humanidade que está presente em cada suspiro, em cada decisão que precisa tomar.

“Era uma vez um garoto do mar que se apaixonou por uma garota do deserto.”

Mas o meu ponto favorito na trama foi a mitologia criada por Hamilton, tão bem elaborada que acredito que nunca mais vou ver o céu da mesma maneira. Os deuses, a magia e tudo que envolve a criação do mundo foram muito bem pensados. Alwyn não reduz seu mundo a fatos isolados, mas usa dos seus próprios recursos para engrandecer sua obra. A finalização é arrebatadora. Hamilton não somente apresente uma conclusão como o que acontece depois no bom estilo historiadora. O último capítulo deixa o sentimento de esperança que acalenta apesar de todo acontecido.

A Heroína da Alvorada é uma obra fantástica. Um finalização épica para uma trilogia que evoluiu a cada livro. E sempre que observar as estrelas irei pensar: Uma Nova Alvorada, Um Novo Deserto.

site: https://fanficcao.wordpress.com/2019/04/15/resenha-a-heroina-da-alvorada-alwyn-hamilton-livro-03/
comentários(0)comente



Ray 15/08/2019

Simplesmente Incrível!
Primeiramente gostaria de agradecer a Alwyn Hamilton por esse final. Obrigada.
Estou lendo uma série de livros com finais trágicos e achei que A Heroína da Alvorada seguiria o mesmo estilo. Chorei? Sim. Mas esse final aqueceu o meu coraçãozinho e foi lindo, não por ser simplesmente feliz, mas por ser simbólico. 0 críticas, 5 estrelas.
E mais uma vez obrigada Alwyn, A Rebelde do Deserto se tornou uma das minhas trilogias favoritas.
comentários(0)comente



Brenda Aline 23/07/2019

Rebelde, traidora, heroína!
Esse é um daqueles livros que você sabe que vai sofrer pq menina guerra nem todo mundo sobrevive, mas que qnd é jogado na sua cara da um desespero, uma vontade de chorar e uma tristeza que... Deus do céu. Ajuda.

Só quero chorar por ter acabado. Sempre que um série é boa fica o sentimento de saudade e ao mesmo tempo de missão cumprida.
Preciso urgentemente de outra leitura pra não ficar em ressaca após essa.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Paraíso das Ideias 30/05/2019

Sentirei saudades
Depois da emboscada que resultou na captura de Ahmed, Shazad e Delila, Amani se vê obrigada a comandar a rebelião, não existe outro para tomar o papel, e depois de tantas baixas a rebelião não pode parar.

A guerra tomava vidas e mudava as dos sobreviventes.


Impulsionada pela ânsia de salvar seus amigos, ela se vê obrigada a fazer escolhas, tomar decisões e bolar planos que sejamos sinceros, praticamente nunca dão certo, apesar de Amani ter a garra necessária ela não possui a destreza e a inteligência tática da Shazad e muito menos o bom senso de Ahmed, o que pesa e muito nas suas atitudes fazendo assim, com que mais uma penca de inocentes seja assassinados.

Em meio ao desespero ela apela para o único Djini que se encontra “livre” das mãos do sultão, e assim ela decide que vai atrás do Devorador de Pecados para libertar seus amigos!!! Poder, magia e guerra estão ao seu redor, vidas dependem de sua ordem e sua garra, mas ela não sabe se é capaz de levar isso a frente, afinal ela é apenas uma garota do deserto, e apesar do deserto estar em sua alma, ela não pode vencer sozinha.

Não existe a possibilidade de falar muito desse livro sem dar spoiler ou revelar momentos que tirariam toda a graça da leitura. À espera por a Heroína da Alvorada foi longa, e quando ele enfim chegou resolvi fazer uma maratona e me colocar em dia com os acontecimentos, e talvez essa tenha sido minha falha, o primeiro livro é sem duvida o melhor da trilogia, sendo assim, a leitura do último nem de longe foi tão empolgante quanto a do primeiro.

A autora consegue dar continuidade na série sem perder o foco, sendo direta e dando continuidade nos problemas dos livros anteriores, ou seja, se não leu os primeiros vai com certeza ficar perdido nesse, mas ainda sim a leitura é arrastada. De todos os pontos positivos desse livro o principal é que Amani amadureceu, depois de tantas falhas nos primeiros volumes ela enfim toma consciência de que suas atitudes podem e causam mortes, mas isso não significa que as pessoas vão deixar de morrer pelas suas escolhas, significa apenas que agora ela sabe que é a culpada.


Era o que fazíamos. Sobreviver a uma luta para chegar a outra. De novo e de novo, até morrer.


O livro continua repleto de aventura, e Jin nesse livro me parece mais omisso que nos outros, o que não me agradou em nada, já que Amani fica sem freio nenhum. Ainda sim a história é boa, e como toda fantasia cumpre o que vende, e te leva para um mundo distante é repleto de ação. Com um enredo aventureiro e cheio de tramas políticas Alwyn completa a sua saga de forma satisfatória, dando um fim esperado aos fãs de Amani.

Mas já antecipo de ante-mão, prepare a caixa de lenços e acalante seu coração, o número de baixas é bem alto, e pode ser que seu personagem queridinho esteja no meio dela. A autora não teve piedade ao tirar de nós personagens pelos quais criamos afeto, e depois de tantas páginas juntos se torna impossível não sentir a perda ou se emocionar.

Mas entre mortos e feridos eu indico a história, não só pelo plano de fundo ser o deserto e seus seres místicos, mas porque a personagem mesmo com seus defeitos encanta e conquista, Amani teve uma vida difícil e isso moldou muito da sua personalidade, aos poucos ela vai descobrindo que seu passado é uma mentira e vai aprendendo o que é família, o que é ser amada. E assim com os passar dos capítulos e dos volumes a autora vai amadurecendo a personagem e dando um novo rumo para a sua jornada.

E por mais que muitos não shipassem ela com o Jin, desde o começo eu gostei dele, e nunca tive dúvidas de que ia dar certo acima de qualquer coisa, então fiquei muito feliz ao acompanhar esse casal que não foi amor miojo e nem iô iô.

Se você leu e gostou de obras como A Rainha de Tearling ou uma Chama entre as Cinzas, A heroína da Alvorada vai com certeza te encantar!!!

site: https://www.paraisodasideias.com
comentários(0)comente



Daniela 13/05/2019

Uma das minhas trilogias favoritas!
• A narrativa é dinâmica e da visão da protagonista é possível se aproximar muito de cada um dos personagens, Amani é real, não uma personagem perfeita que dará todos os passos certos.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
• As personagens femininas são incríveis, fortes, inteligentes e independentes. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
• Ler histórias ambientadas em outras culturas me encanta, e a Rebelde do Deserto tem isso de sobra, unindo ficção ao real cria um conjunto de paisagens, tradições e diferentes modos de pensar que nos faz mergulhar naquele mundo para não querer mais voltar.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

• A mitologia do livro é algo incrível que adorei conhecer ao longo da jornada. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
• Os romances não são o foco, o que é algo que aprecio em boa parte das histórias que leio, mas aqui, quando ganham destaque, bom:
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
“Mas então ele se perguntou se um garoto do mar e uma garota do deserto poderiam sobreviver juntos. Temia que ela pudesse queimá-lo vivo ou que ele pudesse afoga-la. Até que finalmente parou de lutar contra o desejo e ateou fogo em si mesmo por ela.”

@dancando.com.as.letras


site: https://www.instagram.com/p/Bp27ih6AGoo/
comentários(0)comente



Dri F. @viajecomlivros 10/05/2019

Essa série é de tirar o fôlego
Esse é o último volume da trilogia A rebelde do deserto.
Amani agora tem que liderar o que sobrou da rebelião, já que parte de seus companheiros foram presos pelo sultão e supostamente levados para Eremot, uma cidade que não existe em nenhum mapa.
As coisas estão muito complicadas para o pequeno grupo que restou e Amani se envolve cada vez mais em problemas e precisa tomar decisões cada vez mais difíceis.
Uma das grandes dúvidas que ela tem é se ela, sendo só uma garota do deserto vinda de uma cidade pequena como Vila da Poeira, está preparada pra liderar e decidir.

Essa história é movimentadíssima. Sucessões de evento a todo momento, quando você acha que agora vai melhorar para os rebeldes, surge algo pior.
Mas é sem duvida um grande final, desses que a gente quer ler tudo muito rápido pra saber o que vai acontecer. O livro é intenso, cheio de reviravoltas, e surpresas a todo momento. Você não vai conseguir piscar sem correr o risco de perder algo importante hehehe.


site: instagram @viajecomlivros
comentários(0)comente



Jeh Diário dos Livros 07/05/2019

"Eu me desfiz em suas mãos, e ele nas minhas. Ambos se dissolvendo em areia, poeira e faíscas, até sermos apenas estrelas infinitas entrelaçadas na noite."
Enfim chegamos a conclusão da trilogia A Rebelde do Deserto escrita pela super simpática Alwyn Hamilton e em A Heroína da Alvorada podemos fechar totalmente a história da Amani ou melhor, A Bandida de Olhos Azuis.

Amani Al’Hiza filha do Dinji Bahadur além de ser a famosa bandida dos olhos azuis agora lidera a rebelião do príncipe rebelde após Ahmed, Rahim, Delila e Shazad serem capturados pelo sultão em seu último ataque quando Leyla os traiu. Amani tem o peso de seu país em suas costas, já que tem que tomar decisões decisivas para derrubar o Oman do trono.
Mas o sultão é um ser muito esperto e antes mesmo que Amani tenha chance de um contra ataque ele consegue erguer uma muralha de fogo ao redor de Izman fazendo com que seja impossível de sair e de entrar na cidade. E enquanto isso os países vizinhos preparam seus soldados para destruir o povo de Miraji.

"Era o que fazíamos. Sobreviver a uma luta para chegar a outra. De novo e de novo, até morrer."

Amani corre contra o tempo para encontrar uma solução para sair da muralha e ir atrás de seus amigos que podem estar na cidade de Eremot, um lugar sombrio onde foi aprisionado a destruidora de mundos, o ser maligno que os dinjis lutaram para destruir a milhares de anos atrás. E ela terá que pensar em uma solução para entrar na cidade e uma melhor ainda para sair viva com seus amigos de lá.

Mas a cada luta Amani se vê cada vez mais vulnerável e com medo de estar levando todas as pessoas queridas para a morte, mesmo sabendo que será quase impossível de sobreviver quando ela desativar as máquinas mágicas do sultão libertando os dinjins aprisionados por ele, Amani quer tentar salvar a todos, pois a vida de Ahmed e Jin é mais importante para rebelião do que a dela.

Mas logo que Amani consegue fugir das garras do sultão ela se vê presa com um inimigo ainda mais poderoso que qualquer mortal vivo e ela terá que ser muito esperta para não ser enganada por ele.
Será que Amani junto com os rebeldes conseguirão vencer essa guerra contra o sultão e também contra os países inimigos que estão cada vez mais perto de destruir Miraji? Ou será que a magia do deserto será mais forte que eles?

"Eu me desfiz em suas mãos, e ele nas minhas. Ambos se dissolvendo em areia, poeira e faíscas, até sermos apenas estrelas infinitas entrelaçadas na noite."

Algo que me chama muito atenção nessa trilogia é que a autora inseriu muitas lendas criadas para a história fazendo com que elas se interligassem com o presente de Amani. Cada lenda contada é como se um narrador estivesse no meio de uma fogueira contado pessoalmente para você aquela história antiga e essa sensação que eu tive em todas as lendas contadas ao longo dos três livros. Alwyn escreve com maestria sobre a cultura dos países islâmicos e conseguimos imaginar exatamente tudo que ela descreve.

Tivemos um crescimento grande dos personagens ao longo dos três livros e Amani conseguiu evoluir muito bem. Com um peso grande nas costas e tomando ações que levam a morte de seus amigos, Amani tem que lidar com todo o peso de uma decisão, além de Jin, o irmão de Ahmed por quem ela é apaixonada, Amani sabe que não deve se aproximar demais dele, pois eles estão em guerra e ela tem que ser fiel a causa rebelde e não ao seu coração, mas é difícil resistir a Jin e as aproximação com ele fica cada vez mais forte. Lutando com os conflitos e decisões, Amani fez muitas escolhas difíceis e arriscou muito em alguns momentos, e isso fez dela uma excelente líder. Mesmo causando mortes inesperadas, Amani tentou lidar com isso da melhor forma possível e vemos os conflitos internos dela do inicio ao fim da história. E por esse motivo o livro ficou bem mais tenso do que imaginava, mas foi interessante ver um pouco mais dos dinjins que são os seres imortais e suas histórias passadas.

Jin foi um personagem que apareceu mais nesse livro, mas não tanto quanto eu gostaria, queria que a autora tivesse explorado mais do personagem na série. Seu relacionamento com Amani é mais explorado nesse livro, mas o romance fica de lado devido a ação que precisa ser escrita na história.

Os personagens secundários tiveram suas passagens na história, mas ainda sim senti falta de aprofundamento neles, acho que o foco ficou muito na Amani nesse livro e tem momentos que nem parece que o líder da rebelião é Ahmed, já que ele tem tanto destaque quanto qualquer outro coadjuvante no livro.

Shazad consegue trazer luz para a história com seu jeito inteligente, já que é uma verdadeira general, pronta para lutar por tudo. Mas tem uma cena no qual para mim a autora deixou de dar importância a certo ponto, já que podemos ver nitidamente que Shazad sofre um trauma ao longo da história e isso foi rapidamente esquecido.
Temos Sam que foi fundamental para a história neste terceiro livro, conseguimos que ele fosse bem explorado e tivemos os momentos descontraídos com ele, já que seu humor não passa despercebido.

Tivemos Rahim e Norshaam nesse livro que foram personagens que passaram em poucas cenas, mas marcaram de seu jeito.
Algo que me incomodou nesse livro, assim como o anterior é que temos algumas partes maçantes na história e minha leitura deu uma arrastada em alguns momentos e como no anterior só engatei a partir da metade do livro.

Tirando as partes negativas, tivemos mais pontos positivos na resolução da história e gostei muito de como a autora conseguiu estreitar o relacionamento de Amani com seu pai Bahadur, mesmo não sendo algo aprofundado, foi muito bem satisfatório as explicações dadas por ela. A descrição das histórias antigas, da magia foram muito bem feitas e deixam o leitor satisfeito em entender tudo muito bem desde o passado até o futuro.
A diagramação da editora está linda e estou encantada em ter coleção na minha estante. Já que as capas fazem jus a história e a impressão está perfeita.

Para finalizar posso dizer que A Heroína da Alvorada fechou muito bem a trilogia A Rebelde do Deserto e apesar de não ser o meu livro favorito dos três, vou sentir falta da Amani e seus amigos.

site: http://diarioelivros.blogspot.com/2018/12/resenha-heroina-da-alvorada.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Cláudia - @diariodeduasleitoras 25/04/2019

A heroína da alvorada
"Então ela resolveu que não mudaria só o mundo na mente das pessoas, mas também o mundo real. E jurou que morreria antes que outra pessoa a usasse mais uma vez."

Enfim, vim falar sobre o último livro da trilogia
A Rebelde do Deserto, da autora Alwyn Hamilton. A Heroína da Alvorada é mais que um livro de encerramento, ele é o ponto forte de toda história de Amani.

Dizer adeus a uma trilogia fantástica nunca é fácil né?! Ainda mais quando estamos falando da amada jornada da bandida de olhos azuis.. a garota da Vila da poeira. Foi um privilégio conhecê-la.

No último volume da trilogia, Amani vai se deparar com a escolha mais difícil que já teve que fazer: entre si mesma e seu país. Armada com sua pistola, sua inteligência e seus poderes, ela vai atravessar as areias impiedosas para concluir a grande missão, acompanhada do que restou da rebelião. Enquanto assiste àqueles que ama perderem a vida para soldados inimigos e criaturas do deserto, Amani se pergunta se pode ser a líder de que precisam ou se está conduzindo todos para a morte certa. Ela continua forte, destemida e implacável. Ela é domadora e arquiteta seus passos com maestria, porque sabe que a perfeição de seus atos é questão de vida ou morte para pessoas que necessitam do seu poder e de sua liderança.

Essa é uma fantasia que discute democracia, direitos civis, liberdade e opressão. As críticas sociais, assim como todas as questões políticas que a autora levanta podem servir muito para que a gente reflita no nosso dia a dia. Uma grande lição! Enfim, mais uma história chega ao fim e, QUE FIM! Tirando as perdas, que foram inevitáveis, amei tudo. Não ficou pontas soltas e tudo foi resolvido.

Ps: se tenho alguma reclamação?? Sim! Eita que são os nomes mais difíceis de personagens que já vi. Hahaha haja cabeça para decorar tudo. Sorte que tem lista no início da obra.
Luuh 25/04/2019minha estante
Um dos meus favoritos


Cláudia - @diariodeduasleitoras 26/04/2019minha estante
Amo essa história tb!


Luuh 27/04/2019minha estante
Que bom




Nayara - @nay.e.os.livros 05/04/2019

A HEROÍNA DA ALVORADA
"— Tudo o que
sou, entrego a você, e tudo o que tenho é seu. Porque o dia da nossa morte
não será amanhã".

"Ela era uma tempestade de fogo, e queimaria os exércitos do sultão
antes de cair diante deles".


Aaaaaa que pena que acabou, essa trilogia foi maravilhosa, vai deixar saudade. Fora que as capas também são lindas.
O desfecho foi muito bom, não ficou a desejar em nada. Achei que foi muito digno e condizente com tudo que a rebelião pregava. A única coisa que eu não gostei foram as perdas, foram muitas baixas e isso me deixou com o coração apertado, mas é guerra né e em nenhuma guerra todos sobrevivem.
Enfim, a autora está de parabéns por ter conseguido criar tantos personagens maravilhosos, espero poder ler mais coisas dela futuramente.
Nunca vou esquecer vocês 💜 UMA NOVA ALVORADA, UM NOVO DESERTO.

site: https://www.instagram.com/p/Bv4Dfi5g5pM/
Fabi 05/04/2019minha estante
Gostei tb d final
Leia os contos agr


Nayara - @nay.e.os.livros 05/04/2019minha estante
EU JÁ LI OS CONTOS TBM :)




Ellem - @colecionandoprimaveras 04/04/2019

Amani se tornou a líder da rebelião e a sua missão é salvar os rebeldes que foram presos pelo Sultão.

Porém o Sultão não pretende facilitar esse resgate e usa de todas as artimanhas possíveis para colocar um fim na Rebelião.

🧕🏽OPINIÃO🧕🏽

A Heroína da Alvorada é o terceiro e último livro dessa trilogia e não poderia ter um desfecho mais perfeito.

Assim como nos livros anteriores, a leitura é fluida, cheia de acontecimentos e reviravoltas. É aquele tipo de livro que a gente não consegue desgrudar até o final. Sem contar que a gente vai da euforia às lágrimas em um mesmo capítulo hahah

O crescimento dos personagens, especialmente da Amani, durante a trilogia é enorme! A forma como ela se torna uma super guerreira empoderada é fantástico e tudo muito vem construído.

Amei o final, não ficou nenhuma ponta solta, tudo foi bem resolvido. No último capítulo, tudo o que eu queria era entrar naquele mundo e viver lá pra sempre 😍

Recomendo muito essa trilogia. Sério, só leiam!


site: https://www.instagram.com/p/BvK2wHph3R3/
comentários(0)comente



66 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5