Innocent

Innocent Shinichi Sakamoto




Resenhas - Innocent - Vol1


12 encontrados | exibindo 1 a 12


Aphrodisgusting 28/05/2020

belo e pesado
A beleza do traço e a história ser contemporânea a revolução francesa foram os motivos pelos quais me interessei por esse mangá.
Encontrar aqui uma história baseada em um personagem real, sendo ele um carrasco, fora uma surpresa. Charles-Henri Sanson, aos 14 anos, precisa lidar com a dureza de ser membro da família de carrascos oficiais de Paris. Iniciei a leitura um tanto sóbria e apática, sem muito desejo de ver os "sofrimentos" de um nobre francês, esperando alguma vida fútil e vazia que se perde no meio de tanta riqueza, como costumam ser romances vitorianos. Me surpreendi completamente ao encarar tanta violência e brutalidade; a forma que o mangaka apresenta o sofrimento é detalhada, sombria e realista. Impossível não se sentir angustiado, comovido, é tudo contado de forma bastante sensível através das expressões dos personagens. Além de tudo, a história se amarra perfeitamente, é bastante coerente e expositiva, não de modo a subestimar o leitor e sim a conduzi-lo com sinceridade pelo desenrolar do enredo. Também observei que poucos personagens possuem traços mais tradicionais de Mangás, e por coincidência (ou não) são também os personagens que demandam nossa empatia (como o próprio protagonista). Me pergunto se isso é intencional, mas é apenas um detalhe que achei interessante. História cativante, controversa, empolgante, bem escrita e maravilhosamente desenhada. 9,5/10
comentários(0)comente



Toca do Coelho 13/10/2020

Uma obra estranha e agonizante
O mangá acompanha a vida de Charles-Henri Sanson durante o período que compreende a Revolução Francesa e a importância de Charles durante esse processo como carrasco oficial da França. A história mostra sua transformação de menino inocente até os eventos que o tornaram o  carrasco mais famoso da história.

Sakamoto na primeira página nos mostra o final da vida de Charles antes mesmo de nos mostrar seu início e durante a exibição da morte do rei a informação que recebemos é que Charles-Henri é inocente.
O que Sakamoto pretendia com isso? Deixar claro durante toda a obra que o personagem principal foi levado a seu fim não por ter um espírito homicida, mas pelos eventos envolvendo o rei e toda a Revolução.

Desde a pesquisa histórica até a ilustração Sakamoto teve ajuda de uma equipe grande e aplicada, o resultado disso é uma obra bem estruturada - narrativamente - personagens consistentes em suas dúvidas e certezas. As técnicas de sombras e transposição permitem que Sakamoto demonstre as emoções com maestria, destaque aos olhos mortos do Mounsier de Paris e pai de Charles, desde o primeiro momento sua apresentação é a de um homem frio desprovido de emoções boas, preste atenção a sua primeira aparição, seus olhos não tem emoções como os de Charles ou Marie.

Outro destaque é a falta de detalhes ao rosto dos personagens nos momentos mais importantes e com isso não digo que ficou ruim, pelo contrário, perfeito. Muitas vezes quando choraram ou sentem ira os rostos não tem linhas tão definidas, um franzir de lábios, acompanhado da linha do nariz e pronto. Sakamoto manipula os desenhos no papel de modo que essa ausência de detalhes se prove acertiva, o menos é mais em Innocent.

Innocent é indigesta, revoltante, sádica e triste. Toda a história segue em uma espiral de agonia embalada pelo mundo nojento e cruel que rodeiam a vida de Charles-Henri. O mangá não é para todos os públicos, mas garanto que quem for ler se deparará com uma nova descoberta a cada página, oscilando entre a raiva e a compaixão durante as páginas. O ponto alto do 1° volume é seu final chocante e revoltante, cada segundo em Innocent é um pedido por clemência.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Luiz 11/12/2020

Aja drama! Mas é interessante
Trata-se de um mangá bastante dramático. Eu não gosto muito de obras carregadas de dramas. Todavia, a estória é interessante e me prendeu a atenção. Se o autor deixasse de lado esse dramalhão adolescente, que "enche um pouco o saco", a obra ficaria melhor.
Tenho a impressão que o drama vai aumentar kkkk. Mas, como gostei da estória, vou seguir a leitura.
comentários(0)comente



dudu 08/04/2021

perfeito.
a arte de shin'ichi sakamoto é linda e exuberante, riquíssima em detalhes. o enredo e os personagens são cativantes de sua maneira. muitas cenas brutas e cheias de analogias que se conectam com a época da história e com os fatos reais que aconteceram. cada personagem tem a seu contexto alí, não é solto ou colocado na obra sem nenhum sentido. além do uso de metáforas para explicar acontecimentos que seriam terríveis para muitos verem.

a evolução dos irmãos sanson (charles henri e marie) são interessantes e perfeitas a sua maneira, principalmente da marie josephine que precisa lutar pelo seu direito numa sociedade preconceituosa.

outra coisa é que essa obra, apesar de ser pesada e violenta, não deixa de ser emotiva. eu realmente chorei lendo com a segunda execução que charles henri fez. esse autor sabe como provocar um misto de sentimentos nos leitores.

LEIAM ESSE MANGÁ!!!
comentários(0)comente



Lara 29/04/2018

Excelente arte e roteiro.
Quadrinho que conta a historia de um jovem destinado a seguir o trabalho da sua familia Sanson que vem de uma familia de carrascos.Charles-Henri Sanson tem um coração puro e não deseja seguir a tradição familiar de ser carrasco.A história se passa no século XVIII em plena Revolução Francesa.Charles-Henri Sanson viveu nesta época e foi o quarto chefe da familia Sanson, uma linhagem de carrascos reais de Paris.Quadrinho que conta a biografia histórica desse personagem que precisou enfrentar um destino traçado e cruel.A obra será completa em 8 volumes e terá publicação bimestral pela Panini Comics.
comentários(0)comente



Carlão 03/05/2018

Obra prima
Com uma localidade histórica fantástica e uma arte soberba, Innocent é um mangá com uma narrativa ágil e sagaz, com desenvolvimento de personagem a nível extremo.
A história é sobre a família Sanson. De origem nobre, eles eram carrascos, responsáveis pelas execuções em praça pública pré revolução francesa, obviamente na França, e tem com personagem principal Charles Sanson que foi responsável pela primeira execução por guilhotina.
comentários(0)comente



Lima 09/09/2019

Innocent, volume 1
Bato palmas para essa quadrinização inventiva, e principalmente para essa arte remetendo totalmente a ambientação da obra. Quadros de tirar o fôlego em simbiose com uma trama envolvente despertando sempre uma inquietude e receios em relação a tudo envolvendo os Sansons
comentários(0)comente



ThiagoLFM 13/08/2020

Incrível.
A obra é baseada em um livro e tem como protagonista o personagem histórico, Charles-Henri Sanson.

"Charles-Henri Sanson viveu durante a Revolução Francesa e executou a maioria das figuras importantes da época, a começar pelo rei Luís XVI, além de Maria Antonieta, Robespierre, Saint-Just, Danton, entre outros. Durante toda a vida, ele guilhotinou cerca de três mil pessoas, tornando-se temido pelo povo como "aquele que destruiu tudo com a lâmina do destino e finalmente deu cabo da própria vida." pg.52-53.

Iniciei a leitura pois achei o traço de Shinichi Sakamoto muito bonito e o plot bacana. Acredito que ficar somente em "bonito" é muito vago, o cara desenha incrivelmente! É extremamente bem feito a forma que esse mangaká detalha os personagens, cenários e adapta a época pré Revolução Francesa, séc. XVIII. Ele realmente consegue transmitir o sofrimento e angústia do jovem Charles.
Usa também bastante quadros sem texto e conta alguns detalhes de forma sutil. Gostei bastante como foi conduzido os capítulos nesse vol. 01.

Enfim, vale a pena conferir. A edição da Panini é muito bonita.


comentários(0)comente



Toca do Coelho 13/10/2020

Uma obra estranha e agonizante
O mangá acompanha a vida de Charles-Henri Sanson durante o período que compreende a Revolução Francesa e a importância de Charles durante esse processo como carrasco oficial da França. A história mostra sua transformação de menino inocente até os eventos que o tornaram o  carrasco mais famoso da história.

Sakamoto na primeira página nos mostra o final da vida de Charles antes mesmo de nos mostrar seu início e durante a exibição da morte do rei a informação que recebemos é que Charles-Henri é inocente.
O que Sakamoto pretendia com isso? Deixar claro durante toda a obra que o personagem principal foi levado a seu fim não por ter um espírito homicida, mas pelos eventos envolvendo o rei e toda a Revolução.

Desde a pesquisa histórica até a ilustração Sakamoto teve ajuda de uma equipe grande e aplicada, o resultado disso é uma obra bem estruturada - narrativamente - personagens consistentes em suas dúvidas e certezas. As técnicas de sombras e transposição permitem que Sakamoto demonstre as emoções com maestria, destaque aos olhos mortos do Mounsier de Paris e pai de Charles, desde o primeiro momento sua apresentação é a de um homem frio desprovido de emoções boas, preste atenção a sua primeira aparição, seus olhos não tem emoções como os de Charles ou Marie.

Outro destaque é a falta de detalhes ao rosto dos personagens nos momentos mais importantes e com isso não digo que ficou ruim, pelo contrário, perfeito. Muitas vezes quando choraram ou sentem ira os rostos não tem linhas tão definidas, um franzir de lábios, acompanhado da linha do nariz e pronto. Sakamoto manipula os desenhos no papel de modo que essa ausência de detalhes se prove acertiva, o menos é mais em Innocent.

Innocent é indigesta, revoltante, sádica e triste. Toda a história segue em uma espiral de agonia embalada pelo mundo nojento e cruel que rodeiam a vida de Charles-Henri. O mangá não é para todos os públicos, mas garanto que quem for ler se deparará com uma nova descoberta a cada página, oscilando entre a raiva e a compaixão durante as páginas. O ponto alto do 1° volume é seu final chocante e revoltante, cada segundo em Innocent é um pedido por clemência.
comentários(0)comente



Anselmo 19/10/2020

Brutalidade de uma época.
Os Sanson, é a linhagem escolhida pelo rei da França a executar em cadafalso em praça pública, as pessoas condenadas por algum crime. Uma novo sucessor, Charles Henri Sanson, é obrigado a aceitar tal alcunha. Na sua primeira demonstração ele consegue reverter a situação de certo modo que não envergonhou muito sua família. Mas , agora ele é chamado para fazer uma execução de alguém que ele já conhece e sabe que é inocente. Charlot agora precisa honrar sua família, pois esse serviço foi oque sobrou para todos da sua família. Só que decepar uma cabeça não é tão simplesmente, quanto se possa imaginar.
comentários(0)comente



12 encontrados | exibindo 1 a 12