Todas as Coisas Belas

Todas as Coisas Belas Matthew Quick


Compartilhe


Resenhas - Todas as Coisas Belas


18 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Marina 07/05/2018

Você vai questionar coisas que você nunca imaginou!
Por mais que os livros de Matthew Quick sejam um diferente do outro e cada um passe sua mensagem existe uma fórmula em seus livros: personagem tem uma vida ruim, aí ele conhece uma pessoa incrível, a vida dele vira uma merda, mas essa pessoa tira ele dá merda e ele termina com um grande insight sobre a vida!

Todas as Coisas Belas (eu realmente não entendi essa tradução) não é assim, ele é aterrorizante se você gosta de Matthew Quick, pois vai chegando o final do livro e nada está perto de ser resolvido e sim apenas piorando.

A sinopse do livro não traduz nem metade do mergulho nas inseguranças de quando estamos crescendo que o livro trás. Nanette O'Hare pode ser qualquer menina crescendo e tentando ver o seu papel no mundo e tendo dúvidas gigantesca se existe realmente um papel para desempenhar!

Esse é um livro de descoberta de si próprio, tanto como adolescente como adultos, porque cada um passa por inseguranças ao se descobrir seja aos 18 ou aos 50 você vai passar por isso na sua vida. Mas como a maioria dos jovens solitários e rebeldes, Nannete passa por isso no ensino médio, onde nos obrigam a gritarmos pro mundo o que iremos fazer o resto de nossas vidas.

O livro tem também uma mensagem metalinguistica por trás, pois um dos personagens é um autor que escreveu um livro que mudou a vida de muitas pessoas e qie luta para que seus leitores não o culpe por suas ações após ler o livro e que se conformem com o final. Coisa que Matthew Quick sabe fazer muito bem é escrever livros transformadores!

Repleto de frases que irão transformar a sua vida e de jornada de personagens que talvez você se identifique demais da conta, esse livro é um dos que você vai levar pra vida e ficar sem chão quando terminar.


"Às vezes é preciso escolher uma direção e cometer erros. Assim, a gente usa o que aprendeu e escolhe caminhos melhores para cometer mais erros e continuar aprendendo." - Pág. 258
comentários(0)comente



Ellem - @colecionandoprimaveras 22/05/2018

Nanette O’Hare tem 18 anos e é a melhor jogadora de futebol do colégio, mas no fundo, ela odeia jogar e não consegue se sentir parte do grupo.

Um dia, Nanette ganha de presente um livro chamado ‘O Ceifador de Chicletes’. Ela se identifica muito com a história e isso muda totalmente sua forma de pensar. Ela acaba se tornando amiga do autor e através dele, conhece Alex, um garoto que também é fã do livro.

Ela e Alex se apaixonam, mas aos poucos fica claro que o livro que ajudou Nanette a se libertar, se tornou uma obsessão para Alex.

RESENHA

Eu tive alguns sentimentos contraditórios com esse livro. Achei maravilhosa a mensagem que ele passa, mas a história deixou um pouco a desejar.

O livro tem muitos pontos positivos. O primeiro deles é a narrativa em primeira pessoa que nos dá a sensação de entrar na mente de uma adolescente esquisita (não em um sentido ruim), solitária e perdida. Os capítulos são bem curtinhos e a leitura é muito fluida.

Tem uma reflexão muito legal sobre as incertezas da transição da adolescência para a fase adulta. Sobre se encontrar e não permitir que pessoas ou circunstâncias ditem o seu modo de ser, você não precisa ser igual a todo mundo, nem fazer o que todo mundo faz.

Todas as Coisas Belas tem muitas referências a músicas, poesias (principalmente Bukowski) e livros (eu fiquei louca pra conhecer todos!).

Também fiquei com muita vontade de ler ‘O Ceifador de Chicletes’ e achei muito legal essa reflexão de como uma mesma coisa pode influenciar pessoas de forma totalmente diferentes.

Como em todo livro do Matthew, tem muitas frases fortes e marcantes (depois faço um post aqui só com quotes dele).

O Alex foi um personagem que me intrigou bastante, mas senti falta de saber um pouco mais sobre ele. E, pra mim, esse foi o principal ponto negativo, porque acabou deixando a história um pouco confusa.

site: https://www.instagram.com/p/BjDtsggBGNm/?taken-by=colecionandoprimaveras
comentários(0)comente



Caah 13/06/2018

QUE LIVRO FOI ESSE?
Esse livro é simplesmente espetacular e me surpreendeu bastante.Traz diversas reflexões,fazendo com que sua cabeça dê um nó em determinados momentos.Adorei a escrita do Quick,que prende desde a primeira página.Apesar de ser um livro jovem,a mensagem é válida para todas as idades.Gostei muito da ideia que o livro passa sobre autoaceitação e a coragem de ser você mesmo,ainda que isso o torne diferente das demais pessoas.Afinal, por que a gente tem que sair pra baladas,beber e "pegar todas ou todos", enfim, ser descolado a qualquer custo,como se esse fosse o jeito certo de ser? Qual o problema de ser introspectivo,gostar de ficar sossegado no seu canto, gostar de ler ao invés de curtir festas e badalações? Ser assim também é bonito e existe beleza na introspecção também.Adoraria ter conhecido a Nanette na minha adolescência,com certeza seríamos melhores amigas pois me identifiquei muito com ela.Em relação ao final...terminou de um jeito tão lindo,tão perfeito,que não tive outra opção a não ser favoritar!
comentários(0)comente



Laura Brand 12/09/2018

Nostalgia Cinza
Todas as coisas belas é um daqueles livros que nos surpreendem pela sua simplicidade. Um livro que, a princípio, parecia ser apenas mais um romance adolescente, se mostrou uma narrativa propensa a reflexões e questionamentos sobre liberdade e sobre o próprio sentido da vida. Em Todas as coisas belas, o autor de O lado bom da vida mostra um lado extremamente sensível e humano de personagens que poderiam muito bem ser eu e você.
Todas as coisas belas é um livro mais profundo do que parece ser. A princípio pensei que encontraria uma história adolescente comum, com dilemas facilmente compreensíveis e típicos de uma fase emocional e mentalmente conturbada da vida. Entretanto, já nas primeiras páginas é possível perceber que Matthew Quick desenvolveu personagens interessantes e inquietantes e presenteia o leitor com um enredo simples, mas complexo.

É difícil não se conectar com Nanette e seus sentimentos para com o mundo. Além de viver uma fase conturbada em que ela precisa entender quem é e não quem as pessoas esperam que ela seja, Nanette se vê perdida em relações sem sentido, entre o extremo das pessoas superficiais que não conseguem entendê-la e aquelas que sentem as coisas de forma tóxica.
As reflexões de Nanette e a forma como ela vê a vida são o ponto alto do livro, sem dúvidas. Nanette é uma personagem com uma personalidade muito bem trabalhada e explorada pelo autor. Ela é o perfeito retrato de uma menina que precisa se esconder entre as próprias camadas de profundidade que guarda do mundo.

É um livro poético que tem a existência como foco de discussão e reflexão. Nanette e Alex se questionam a todo momento sobre seu papel, seu propósito e sobre o mundo e a sociedade em que vivem. É fácil se identificar com o sentimento de revolta e não pertencimento e é isso que torna Todas as coisas belas um livro tão humano.
Fiquei curiosa para conhecer a história do Ceifador de Chicletes, centro da narrativa e gatilho para todos os impulsos e ações dos personagens da história. É uma forma interessante de mostrar como um livro pode alterar a percepção das pessoas e como um enredo, por mais simples que pareça, é capaz de mudar completamente a forma como enxergamos a vida.

Apesar de sua fama com O lado bom da vida, nunca havia lido um livro do autor. Descobri que a escrita de Matthew Quick é leve, fácil e intrigante. Ele sabe conduzir bem o leitor pelas páginas e fazer com que a gente entenda perfeitamente cada situação sem precisar exagerar em descrições.

Todas as coisas belas é um livro que não se preocupa em amarrar todas as pontas, uma metáfora perfeita para a vida que não segue padrões: sempre em movimento, sempre mudando, sempre indo em frente. É um desses livros que oferecem uma experiência literária especial. Todas as coisas belas entrou para a lista de livros que me surpreenderam positivamente esse ano.
A edição do livro está impecável. Além da capa bem chamativa, com cores em pantone que dão um ar juvenil ao livro, a diagramação do miolo do livro é linda e faz com que a leitura seja ainda mais fácil e fluida. O espaçamento entre linhas foi feito na medida certa, a fonte é agradável e a abertura dos capítulos, apesar de simples, combinou perfeitamente com o livro. Além disso, os capítulos são bem curtos, o que ajuda a fluir mais a leitura e fazer com que seja fácil passar as páginas do livro.

Todas as coisas belas é um livro que propõem reflexões sobre o sentido da vida e nosso papel na sociedade, sobre o conceito de liberdade e suas implicações, sobre revolta, sobre seguir e se encaixar em padrões e sobre autodescoberta.

É um livro que indico tanto para jovens que estão passando por essa fase de transição e se sentem um tanto quanto perdidos, tanto para adultos que podem encontrar reflexões atemporais nas páginas de Todas as coisas belas.

site: https://goo.gl/UfXnMA
comentários(0)comente



Rosana 26/07/2018

Não seja padrão, seja feliz.
O livro vai apresentar a protagonista Nanette O'Hare, ela tem 18 anos e é a típica boa aluna, boa filha, boa amiga. Porém, ela sempre se sentiu meio fora do grupo, meio sufocada pelas pessoas ao seu redor e meio deslocada, apesar de fazer parte do grupo popular. No último ano do colégio as coisas mudam um pouco. Ela acaba ganhando um livro de presente de seu professor preferido, um clássico que há anos não é mais falado "O ceifador de chicletes". No mesmo dia que recebe o livro, ela faz a leitura e fica fascinada com o livro, a ponto de reler em seguida e só começar a falar dele.

O professor sabendo da fascinação dela pelo livro, acaba apresentando ao autor do mesmo, e os dois passam a ser amigos. Nanette, a jovem popular que sente-se deslocada, que achou refúgio no livro e o autor recluso que não quer falar sobre seu livro, mas que quer essa amizade mesmo assim.

Essa amizade, apesar de bem estranha, começa a florescer e ela fica encantada com as oportunidades que surgem. Ela percebe, pela primeira vez, que ela precisa começar a todas as próprias decisões, que precisa dar um rumo para sua vida. Começar a pensar por ela e não apenas ir na onda do que os outros estão dizendo. Nanette O'Hare está em busca de liberdade, mas até onde ela está disposta à ir para conseguir?

Como disse lá em cima, eu nunca tinha lido nada do autor e, à princípio a narração dele me incomodou um pouco, mas depois consegui me acostumar. O livro está cheio de quotes maravilhosos que valem para a vida, além de te dar vários tapas na cara.

Quando a gente é mais novo (ou não, necessariamente) sempre buscamos o padrãozinho, o que os outros então fazendo, assistindo, vestindo. Mas e se eu não quiser seguir a moda, não quiser fazer as mesmas coisas que meus amigos, ou festejar igual eles? Também há beleza nisso, e o livro tenta salientar que tudo bem você não seguir os padrões. Afinal, o que é padrão?
"Quando foi a última vez que alguém lhe perguntou se você era feliz e olhou no fundo de seus olhos, de um jeito que fez você sentir que a pessoa de fato estava interessada em saber?"
O livro é bem leve e tem uma história simples. A protagonista, apesar de muito passiva e até um pouco grossa, soube lidar bem com as situações. E é possível ver o quão confusa ela está e quanto ela precisa de ajuda. Não importa a idade que você tenha, você ainda vai se encontrar tendo as mesmas dúvidas da protagonista.

É livro para você ler, parar e pensar na vida, nas suas decisões e escolhas. Refletir sobre onde você está e onde quer chegar. Se, tudo o que você está fazendo para chegar onde quer, vale realmente a pena ou você só está seguindo o que estão dizendo e não o que realmente sente?!

"Você nunca teve vontade de largar alguma coisa que todo mundo faz você sentir que precisa continuar fazendo? Nunca teve vontade de... parar?"

"Todas as coisas belas" não tem muitas reviravoltas, mas é sincero na mensagem que quer passar. É uma leitura rápida, mas isso não quer dizer que seja superficial, muito pelo contrário. É um livro denso com várias camadas.

Apesar de ter gostado muito da história, teve algumas situações que me incomodaram, por isso não dei 5 estrelas, mas recebeu 4 que ~para mim~ já é uma ótima nota. Vale a leitura do livro e as reflexões que ele proporciona. Recomendadíssimo.

site: http://www.tudoquemotiva.com/2018/07/livro-todas-as-coisas-belas-matthew.html
comentários(0)comente



Naty 08/11/2018

Olhe-se no espelho!
O enredo leva o leitor a uma profunda reflexão sobre as escolhas da vida. Muitas vezes precisei parar a leitura um momento, pensar, reler, pensar para só depois conseguir prosseguir.

Os personagens foram muito bem apresentados pelo escritor, que apesar de ser uma história, sem dúvida há muitas pessoas com os mesmos sentimentos.


É um livro que possui uma escrita muito clara, rápida e de fácil compreensão. Indico para todos os 7 bilhões de pessoas! É uma leitura que enriquece a alma!

Boa leitura!
comentários(0)comente



Cuida bem 16/07/2018

Um livro em sete dias, por Ana
Aqui é a Ana e eu li, nesta semana, a primeira edição de “Todas as coisas belas”. O livro foi lançado em abril e nós recebemos da editora Intrínseca. Já tinha uma boa experiência com o autor (Matthew Quick, também de “O lado bom da vida) e confirmei que ele deve saber escrever sobre tudo, pois mesmo em um capítulo (e não o livro todo. é sério, acontece bastante coisa) de completo marasmo ou sem uma protagonista muito carismática, a gente segue em frente (e lê até bem rápido). Um pouco ainda confusa sobre algumas opiniões, procuro amizades sinceras para trocar pensamentos.

Sinopse: Aos 18 anos, Nanette O’Hare é a típica boa garota. No fundo, porém, ela nunca se sentiu realmente parte do grupo, sufocando em um permanente desconforto com diversas atitudes das amigas e com os padrões sociais. Mas tudo muda quando, no último ano do colégio, ela ganha um livro de seu professor preferido, o clássico cult O ceifador de chicletes, e fica fascinada com a mensagem de que ela pode ser de fato quem é. Nanette se torna amiga do recluso autor e se apaixona por Alex, um jovem poeta que também é fã do livro. Encantada com esse novo mundo que se abre, ela se permite, pela primeira vez, tomar as próprias decisões. No entanto, aos poucos Nanette percebe que a liberdade pode ser um desejo arriscado e começa a se perguntar se a rebeldia não cobra um preço alto demais.

Julgamos o livro pelo título e pela capa: Acho os dois bem atrativos, mas depois de ler o livro, me incomodaram um pouco. Talvez eu estivesse muito melancólica (haha).

Sobre o autor: Matthew Quick é um autor que eu já conhecia. Li e assisti “O lado bom da vida”, que tem uma das frases de livro mais importantes para mim. Eu gosto de como ele fala de de uma forma que até parece que uma hora vai cansar… e não cansa.

Protagonista: Nanette é uma protagonista difícil de acompanhar: às vezes muito passional, às vezes até fria. Na maior parte do tempo, guiada por seus problemas, me surpreendeu ao ser tão perspicaz na análise que começa a fazer, sozinha, de Alex. Não a considero carismática, mas senti dó da falta de atenção disponível a ela (e em alguns atitudes, achei a menina injusta).

Coadjuvantes: Esta história é feita de pessoas (em alguma medida doentes) que querem sumir com os problemas e não necessariamente resolvê-los, e por isso se satisfazem quando tudo “parece” melhor. Na narração de Oliver sobre como (ou melhor, quando) um professor tenta ajudá-lo (não vou contar nada, mas foi um dos exemplos mais profundos para mim), reconheço outros coadjuvantes. Por fim, destaco como contrapontos a eles a psicóloga e o policial, que foram meus amigos durante o livro.

Trama: “Todas as coisas belas” é cheia de reviravoltas (até na linguagem; sacada que é um dos méritos do autor, aliás). Elas me fizeram gostar e desgostar da história algumas vezes. Em geral, porém, a obra é marcada por uma melancolia e chamados à reflexão. Devo ter lido tudo em umas cinco horas separadas por grandes intervalos (forçados pela minha rotina), e fechei o livro com uma incerteza que não posso explicar sem spoilers (rs).

Ponto forte: A construção do Alex e a sua desconstrução são bem ritmadas e importantes. Na maioria dos livros que li sobre juventude, o anseio pela liberdade sempre foi apresentada como algo quase integralmente sadia. O personagem e a abordagem dela nesta história, no entanto, mostram a questão de forma um pouco mais complexa, como é de fato.

Um livro para: discutir com os amigos sobre (me chamem, por favor).

site: www.cuidabemdomeulivro.com.br
comentários(0)comente



Gabe | @gabereader 09/06/2018

Sobre empatia x individuaismo
"Você nunca teve vontade de largar alguma coisa que todo mundo faz você sentir que precisa continuar fazendo? Nunca teve vontade de... parar?"

Nanette é uma boa aluna, boa filha, esforçada. Segue sua vida normal, em busca de um futuro brilhante. Seu caminho se altera quando ela ganha um livro peculiar, publicado a muito anos, o qual ela devora e a faz ficar completamente obcecada por ele. Nanette tem a oportunidade de conhecer o autor, assim como em seguida é apresentada a um garoto também fã do livro, e essa amizade será um divisor de águas na vida dela, ela pensa que encontrou as pessoas certas que sabem o que ela deve fazer da vida.

Como sempre não darei muito detalhes sobre a trama, acho importante o leitor desenvolver a empatia e compreensão sobre os problemas dos personagens, por si só de maneira gradativa como ocorreu comigo. A história vai abordar sobre o individualismo que existe no mundo. Nanette achava que tinha tudo sob controle até que percebe que nada era controlado por ela e sim pelas expectativas de seus pais.

Nanette parte em busca de seus reais interesses, descobre que nem sempre pensar somente em si é a melhor maneira de lidar com o amadurecimento, que ela precisa compartilhar e viver em grupo, que precisa sim de pessoas que a façam se sentir bem vinda e compreendida.

Confesso que a leitura estava mediana até a segunda parte, o Matthew conseguiu inserir um grande acontecimento na trama, no momento ideal para fisgar a atenção e desencadear uma série de eventos problemáticos e pôr nossa mente pra trabalhar sobre como nós somos inconsequentes quando tentamos colocar em prova nossa vida nos lançando em experiências levianas.

Fluido, bem escrito, com personagens reais, se conectar com essa história é muito fácil, sentimos que todos temos um pouco de Nanette em nós, Matthew Quick através de um enredo simples joga na nossa cara que nossa mente é perigosa, o individualismo extremo é um problema. Abrir mão de seu bem-estar para viver inteiramente em função dos outros não é saudável, precisamos de empatia mas também precisamos cuidar mais de nós mesmos.
comentários(0)comente



Jéssica Bueno 28/07/2018

Fala sobre o sentido da vida.
Eu gostei muito do livro, acredito que foi muito bem elaborado e que a mensagem do autor é bem clara em relação ao tema abordado.

Primeiro que nós podemos fazer o que queremos fazer e que não precisamos fingir ser alguém que não somos apenas para agradar o mundo exterior e segundo, que ninguém nunca sabe como a vida pode acabar, o que pode acontecer daqui para a frente não podemos saber, precisamos apenas viver.

Este foi o meu entendimento sobre a estória, e achei muito interessante como o autor quis nos mostrar esse tema, me identifiquei com o fato de podermos fazer o que queremos, uma vez que, sou formada em Direito e nunca gostei do curso, larguei minha cidade e me mudei para o interior no Paraná e hoje trabalho como auxiliar administrativo, se isso me faz feliz? Não sei, mas não me faz mais infeliz do que como eu vivia em minha cidade.

Eu, particularmente, acredito em uma vida eterna após essa nossa vida aqui na terra, e que somos apenas passageiros, estrangeiros vivendo aqui e que Deus tem algo para nós depois desse caos, mas enquanto isso... temos apenas uma vida a ser vivida nessa loucura, vamos viver essa única vida infeliz? Penso nisso.

site: http://www.faeriereads.com/2018/07/todas-as-coisas-belas.html
comentários(0)comente



Ludy 05/09/2018

Às vezes o livro nos lê
Todas as coisas belas - Matthew Quick.
272 páginas/Editora Intrínseca.


" - Esse livro sou eu. É muito mais que uma história. O autor tem obrigação de dar respostas. Todas as respostas!"

Nanette O'Hare é a filha, a amiga, a aluna, a jogadora perfeita; está sempre agradando a todos, menos a si mesma.
Por trás desse jeito certinho de ser há uma garota solitária e perdida. Seu melhor amigo é o seu professor favorito, e é ele quem vai apresentar para Nanette o livro O ceifador de chicletes.

O ceifador de chicletes causa um grande impacto em Nanette, ela se identifica com as personagens e com seus sentimentos, e ela precisa de repostas, de um final mais exato.
Quem poderá lhe dar respostas se não o próprio autor?
E assim Nanette é apresentada a Booker, que a apresenta a Alex, que a apresenta a Oliver...
Eles têm muito em comum, tem uma visão de mundo diferente, tem uma profundidade que fascina. Booker evita falar de sua obra, mas os 3 jovens são fanáticos por ela. E eles absorvem e sentem cada palavra que o autor escreveu. E querem colocar em prática.
Mas tudo na vida precisa de equilíbrio, e às vezes precisamos ceder.

Todas as coisas belas é um livro extremamente poético!
É sobre as descobertas da vida, sobre essa fase conturbada que é a escola e essa transição de jovem para adulto.
É sobre um garoto que se mostra através da poesia, é tão profundo.
É sobre uma garota que finge sorrisos porque já não sabe mais quem ela é, mas ela quer desesperadamente se encontrar.
Eles são rebeldes porque fogem do padrão da sociedade, porque não se encaixam.

Essa leitura me causou tantas emoções que chega a ser difícil descrever.
Me conectei com as personagens, me vi desejando sentar para conversar com Booker e ler O ceifador de chicletes.
Matthew tem uma escrita única e apaixonante, e ele nos mostra que é preciso passar por todas as coisas feias para reconhecer e valorizar todas as coisas belas.

Como diria Anne Frank: "Às vezes você lê um livro, às vezes ele lê você." E esse livro me leu.
Obrigada por essa experiência, Matthew!

" ... e eu me sinto começando do zero sem nenhum mapa para me orientar, e eu estou com medo, entenderam?"

#resenhaemalgumlugar

site: @emalgumlugarnoslivros
comentários(0)comente



Hellen @Sobreumlivro 28/06/2018

Ponha os óculos, permita-se se enxergar.

"Quando foi a última vez que alguém lhe perguntou se você era feliz e olhou no fundo de seus olhos, de um jeito que fez você sentir que a pessoa de fato estava interessada em saber?"
.
Nanette O'Hare é o tipo de pessoa que segue o baile. É boa aluna, boa filha e boa jogadora - mesmo não desejando mais ser nenhuma delas.

Até que ela encontra o livro "O Ceifador de Chicletes", um clássico cult dos anos 80 que não é mais publicado.
Fascinada pela história de Wrigley, Nanette busca conhecer o autor do livro que transformou a sua vida.
E, por meio de Nigel Brooker, autor, e Alex - outro fã, ela encontrará o apoio necessário para descobrir quem realmente é.
.
"Não existem garantias quando se trata de algo tão precioso quanto a amizade."
.
Todas as coisas belas é um livro muito gostoso de ler! Matthew Quick escreve uma história leve, com um enredo simples, cheia de indagações construtivas, personagens adoráveis e citações lindas que farão você grifar o livro inteiro, como eu fiz rs.

Não interessa se você tem 15 ou 45 anos, algumas perguntas continuam sem respostas. Como se encontrar? Como ser livre para ser quem quiser ser? Ter coragem, descobrir em si mesmo todos os medos e desejos... Alguns medos sempre continuam conosco. E é sobre isso que Matthew Quick descreve, seja em Nanette, em Nigel Brooker e em Alex. Cada um deles carrega consigo uma série de questões pertinentes. Afinal, o desejo de se encontrar e a coragem de finalmente poder ser quem quiser é algo que todos nós almejamos. Mas apenas uma coisa é certa na vida: ninguém sabe exatamente o que está fazendo, ninguém tem todas as respostas.

Todas as coisas belas é um livro sobre liberdade e como é difícil se libertar das amarras que a família impõe; é sobre a capacidade de sentir-se bem o bastante para compartilhar com alguém, depois de tanto tempo perdido. É sobre se encontrar em algo ou alguém, que seja capaz de nos levar além, de nos fazer sentir a sensação de "colocar os óculos do grau certo depois de passar a vida dando de cara nas paredes".

site: https://www.instagram.com/sobreumlivro/
comentários(0)comente



Cláudia.Borges 31/05/2018

Tem uma lição
O Livro é regular em comparação a todos os outros do autor que eu li.
Tem uma lição, como todos aliás, mas achei muito confuso em alguns momentos, e sem sustentação da história. Não consegui nem ter um personagem preferido , coisa que tive em todos os outros livros que li do Mathew Quick.
Mas enfim , vale pela leitura de mais uma história que remete à doenças emocionais, tão presente na vida do autor, e que desvenda novas formas de burlar as mesmas.
comentários(0)comente



Thiago Ribeiro 05/06/2018

Seja quem REALMENTE você é
Um livro sobre ser quem realmente você é, sobre questionar aquilo que lhe impõem, sobre tomar suas escolhas e lidar com o peso das consequências de cada decisão tomada. Um livro sobre amizade, sobre passagem para a vida adulta, amor. Sobre como interações entre pessoas e livros podem mudar o jeito como pensamos e agimos. Sobre sermos seres humanos e falhos. Sobre a alienação das pessoas em suas vidas, sobre como por muitas vezes nossa inércia vem do medo de não saber lidar com as consequências de nossas decisões.

É meu primeiro livro do Mathew Quick e adorei a escrita e os pontos de vista de cada personagem. Com certeza lerei os demais livros do autor !!! Os capítulos são rápidos e a estória é contada de maneira agradável. Há uma quebra na narrativa na metade do livro que achei muito bacana e teve tudo a ver com a personagem principal e a estória em si. Há momentos felizes, tristes, de aventura e tudo é muito bem encaixado e pertinente. Existem referências bacanas e frases muito marcantes. Um livro legal.

Gostaria de ser um amigo de Nanette e um dos amantes do Ceifador de Chicletes.
Sobre a edição da intrínseca, a capa é lindíssima, o texto diagramado de forma que ajudou bastante a leitura. Adorei!
comentários(0)comente



Ste (@stebookaholic) 08/06/2018

Inspirador
Esse foi meu primeiro contato com a escritra do Quick. Sempre fui curiosa para ler algo dele, então minha expectativa estava bem alta e ele não me decepcionou. .
"Todas as coisas belas" nos apresenta a história de Nanette O'Hare, uma jovem com uma vida perfeita, um futuro todo planejado e pais que a amam. Boa filha, boa aluna, uma ótima jogadora de futebol.
Mas existe uma inquietação dentro de Nanette... Ela não se sente feliz com essa vida, vive como se tivesse representando alguém.
.
Mas, no último ano do colégio, ela ganha um livro de seu professor, "O ceifador de chicletes", do autor Nigel Booker, é um clássico que conquista Nanette desde as primeiras páginas, desperta novos sentimentos, questionamentos e desejos.
Ela não se contenta com o livro, e assim, conhece o autor e acaba se tornando amiga dele, e através dele, conhece outros jovens que também se encantaram por esse romance, entre eles Alex, por quem se apaixona e se torna seu primeiro amor.
.
Impulsionada por novos sentimentos e um novo mundo descoberto, Nanette toma decisões importantes sobre sua vida, mas tudo tem um preço. .
Eu adorei a escrita do Matthew Quick. Fluída, envolvente, com humor e muita sensibilidade.
Nanette é uma personagem muito real, me identifiquei com vários dramas que ela viveu ao longo do livro e lembrei muito da minha adolescência.
Essa fase é muito intensa, cheia de escolhas e decisões importantes. Somos cobrados a todo tempo à se encaixar num padrão. Temos muitos questionamentos e nem sempre encontramos uma resposta. .
Acredito que a história de Nanette O'Hare irá inspirar muitos jovens, assim como me inspirou!
.
"Quem sabe entregar-se à própria natureza nos impulsiona para o desconhecido, na direção de objetivos que ainda não visualizamos, mas que existem mesmo assim."

www.stephanyalmeida.com.br
@stebookaholic
comentários(0)comente



PorEssasPáginas 13/06/2018

(...)
Todas as coisas belas é um livro muito importante por causa da mensagem que ele passa, nesse caso principalmente para os adolescentes. Todo mundo se lembra em como nessa faixa etária normalmente nós queremos seguir um padrão para ser aceito na sociedade. Se você não aceita, você é chamado de estranho, é ridicularizado, isso quando não acontecem coisas piores. E é assim que Nanette se sente: ela não pertence ao grupo da escola. É como se ela fosse um personagem quando estava com eles. O que “O ceifador de chicletes” e Alex mostram para ela é que ela pode ser uma pessoa diferente, ou seja, ela mesma. Ela não precisa fingir ser uma outra pessoa só porque o seu grupinho mais próximo é assim. É claro que isso traz inúmeras consequências, que são desenvolvidas durante todo o enredo.
Todo mundo que um dia tentou sabe como é difícil ser “diferente”. Mas será que não vale a pena tentar ser você mesmo? Essa é uma das questões levantadas nesse livro e que é muito importante não só para os adolescentes, mas para todas as fases da vida. Apesar de ser um livro pequeno (tem menos de 300 páginas), não é uma leitura fácil exatamente por causa do tema central ser bem denso. Você tem que ler, parar e refletir. O enredo não é um com mil reviravoltas mas isso em nenhum momento diminui a beleza da escrita. Existe um capítulo bem no final que se chama “Relógio populacional”. Esse capítulo é tão brilhante, e com uma mensagem tão universal, que eu gostaria que de alguma forma ele chegasse a todos os adolescentes. (...)
***Leia resenha completa no blog***

site: http://poressaspaginas.com/resenha-todas-as-coisas-belas
comentários(0)comente



18 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2