Os Trabalhos de Hércules

Os Trabalhos de Hércules Agatha Christie
Agatha Christie
Agatha Christie
Agatha Christie




Resenhas - Os Trabalhos de Hércules


40 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Fran RW 09/09/2012

"Os Trabalhos de Hércules" - Agatha Christie
Esse Poirot não tem jeito mesmo! Nem atrás de Hércules ele aceita ficar, quando a questão é grandes feitos.

Concordo que a ideia que a Agatha teve, de equiparar Hercule ao Hércules da mitologia greco-romana foi boa - mas boa apenas. Sou fã da autora mas nem por isso posso dizer que gostei do livro. Pra falar nada mais que a verdade, eu mais não gostei do que gostei, se é que me entendem. Tá que desde o início o Poirot deixa claro que os próximos doze casos seriam escolhidos de acordo com os trabalhos de Hércules (o que justifica um pouco a série de coincidências chatas de que o livro é composto), só que ainda assim a história toda soa improvisada demais, com acasos forçados. Isso tira o sabor do suspense, deixa a história sem sal.

Pra mim, não é dos melhores da autora, mesmo se falando apenas dos livros de contos dela. (De Poirot Investiga, por exemplo, eu gostei bem mais.) Porém, me deixou com vontade de ler alguma coisa só sobre o Hércules e seus doze trabalhos. Afinal, adoro mitologia!



pessoalmentefalando.blogspot.com
comentários(0)comente



Carol Galvão 02/06/2016

Muito bom
Dessa vez o incrível detetive Hercule Poirot resolve assim como seu similar de nome executar 10 trabalhos, 10 casos isolados que mostram mais uma vez a inteligencia superior do nosso detetive favorito. Gostei bastante dos casos isolados porque em cada um podemos confirmar como ele pode solucionar até os casos mais absurdos e sem solução que encontramos.
comentários(0)comente



Coruja 30/04/2016

Hercule Poirot decidiu que quer se aposentar mas antes, cumprirá doze trabalhos de espetacular envergadura, da mesma forma que seu homônimo mitológico, o bravo Hércules, cumpriu. Então ele irá pendurar o chapéu coco e se dedicar às abobrinhas.

Essa é a introdução e o fio narrativo que liga todos os contos que compõem essa antologia. Claro que Poirot não vai encontrar exatamente os mesmos trabalhos de Hércules, mas alguns bons equivalentes devem surgir pelo meio do caminho - ou, pelo menos, assim ele o pensa.

Gostei bastante de Os Doze Trabalhos de Hércules. São contos bem diversos, mas todos ligados pela simbologia do Hércules mitológico. Agatha Christie explora ao máximo a personalidade e os talentos de Poirot nas doze histórias que compõem a antologia, tirando-o, inclusive de sua zona de conforto.

É um livro divertido, com crimes bem engendrados, ainda que por vezes seja um pouco forçada a coincidência dos casos que chegam ao detetive com ligações aos trabalhos que ele deseja fazer.

site: http://owlsroof.blogspot.com.br/2016/04/1-ano-365-contos-abril.html
comentários(0)comente



Tauan 23/09/2015

Uma coletânea que reúne 12 contos com o grande detetive Hercule Poirot
Para dar sentido à obra, Dame Christie faz uma introdução, onde um conhecido de Poirot, em visita a sua casa, comenta que os pais deveriam ser mais atentos na escolha do nome dos filhos, e cita como exemplo Poirot, que não tem absolutamente nada a ver com um Hércules, o grande herói da mitologia grega que tinha a fora de 10 homens.
Poirot se sente desafiado e, pesquisando, descobre que jamais poderia ser comparado com grosso, rude e bruto o Hércules; mas, metaforicamente, ele também poderia realizar os 12 trabalhos daquele herói mitológico. E assim decide fazer e começa a escolher os seus casos utilizando este critério.
Nos contos Poirot elimina os seus próprios Leão da Nemeia, Hidra de Lerna, Touro de Creta, Aves de Estínfalo e Cérbero, entre outros.
comentários(0)comente



Felipe 16/06/2015

não, não, nao...
comentários(0)comente



Jaque - Achei o Livro 04/02/2016

Um ótimo livro de contos!
Prestes a se aposentar, Hercule Poirot decide aceitar exatamente 12 casos e seriam selecionados tomando referência aos doze trabalhos de Hércules da mitologia, graças à uma brincadeira que seu amigo fez comparando ele com o Hércules.
Ambos tem algo em comum: Ajudaram o mundo a se livrar de algumas pragas. Um usou os músculos e esse usaria a inteligência.
Como não conhecia nada sobre a mitologia, Poirot então fez uma pesquisa e leu tudo o que podia sobre o clássico da antiguidade. E assim, foi aceitando os casos conforme a ordem dos 12 trabalhos de Hércules.
Falarei um pouco de cada um, para ter uma ideia do que se trata o conto:

Primeiro conto - O leão de Nemeia:
Poirot é contratado para descobrir quem sequestrou o pequinês da família. O cão foi devolvido depois do pagamento do resgate, mas agora Sir Joseph quer o dinheiro de volta e quer que o culpado seja preso.

Segundo conto - A hidra de Lerna:
Poirot é contratado por um doutor que quer pôr fim nas fofocas de que ele tenha envenenado sua esposa, e ele afirma que ela morreu de complicações gástricas.
Poirot então assume a investigação e pede exumação do corpo da mulher. Se ela foi envenenada, irá atrás do culpado.

Terceiro conto - A corça da Arcádia:
Poirot é procurado pelo seu mecânico para ajudá-lo a encontrar um moça que está desaparecida.
Ela é criada de quarto de uma dançarina russa que está de férias. Só que ela não aparece no segundo encontro e o rapaz fica preocupado pois não consegue encontrá-la.

Quarto conto - O Javali de Erimanto:
Poirot, ainda na Suíça por conta do terceiro caso de Hércules, recebe um bilhete do inspetor Lementeuil sobre um cruel assassino que fugiu e aparentemente se escondeu no Hotel em Rochers Neigers, acima do nível do mar. Interessado no caso, ele pega o trem de acesso ao lugar e mais 4 pessoas estão na mesma viagem, rumo ao mesmo destino. Uma delas será o assassino?
Pouco depois de chegar lá, um acidente bloqueia o acesso ao hotel que está praticamente todo fechado para hóspedes, confirmando a suspeita de que o assassino já se encontra hospedado.

Quinto conto - Os estábulos de Áugias:
Poirot é procurado pelo primeiro ministro Edward Ferrier para que ele impeça um jornal de publicar um matéria difamatória sobre o ex primeiro ministro, seu sogro. Se a matéria for publicada, manchará seu nome e arruinará todo futuro político de Edward.

Sexto conto - As aves do lado Estínfal:
Harold Waring está hospedado num hotel onde conhece uma moça casada e sua mãe. Quando um crime acontece e ele deseja se envolver para ajudar, Poirot chega no lugar e se oferece para ajudar o rapaz.

Sétimo conto - O touro de Creta:
Hugh Chandler desfaz seu noivado com Diana Maberly pois alega que está ficando louco e teme pela vida dela.
A moça acredita que ele não tem nada e então pede que Poirot descubra o que se passa e prove que o moço é completamente são.
Poirot vai até a casa do moço e o conhece, assim como seu pai e seu padrinho.

Oitavo conto - Os cavalos de Diomedes:
Poirot é chamado com emergência pelo jovem médico Michael Stoddart numa casa onde aconteceu uma festa regada à drogas. Michael pede que Poirot investigue quem é o traficante responsável por levar moças ao vício da cocaína, e ajudar uma em especial.

Nono conto - O cinto de Hipólita:
Após o roubo de um quadro numa galeria, o proprietário recorre à ajuda de Poirot para reavê-lo. Ele avisa ao detetive que sabe que a pintura está indo para a França, nas mãos de um milionário que adquire contrabandos.
Sem muito ânimo, Poirot acaba aceitando o trabalho e por causa disso ele também é procurado pelo inspetor Japp. Aproveitando a viagem, Japp pede a Poirot que investigue o desaparecimento de uma garota de 15 anos que deveria ter chegado no colégio mas que sumiu ainda dentro do trem.
Essa segunda missão deixa Poirot mais interessado e assim ele parte à França para resolver dois mistérios ao mesmo tempo.

Décimo conto - O rebanho de Gerião:
A srta. Carnaby que participa do primeiro conto do livro aparece novamente.
Ela procura Poirot e comenta sobre uma amiga recém viúva que começou a frequentar uma seita e fez um testamento deixando todos os seus bens para a congregação. Nesse lugar, o Grande Pastor aparentemente faz uma lavagem cerebral nos fiéis e aqueles sem família acabam doando todos os seus bens.
Ela relata que 3 mulheres da seita que já faleceram, deixaram seus bens para a comunidade.
Aparentemente as mortes não são criminosas, já que elas morreram em suas casas e de diferentes doenças.
Encorajada por Poirot e com o apoio de Japp, ela ingressa na comunidade como parte do rebanho e desempenha seu papel com muita perfeição para descobrir se há alguma coisa errada com esse Grande pastor, o dr. Andersen.

Décimo primeiro conto - As maçãs de Hespérides:
Emery Power, um renomado colecionador de obras de arte, pede que Poirot procure um cálice valioso que pertenceu ao Papa Bórgia e que agora lhe pertence. O objeto foi roubado antes mesmo que chegasse em suas mãos, quando ainda estava em posse do antigo dono.
Como a polícia e outros investigadores não tiveram sucesso na busca, ele recorre ao maior dos detetives.
Hercule parte então com poucas pistas em mais uma viagem investigativa.

Décimo segundo conto - A captura de Cérbero:
Nesse conto final, Poirot reencontra sua antiga paixão, a condessa Vera Rossakoff por alguns segundos na estação de trem.
Ela grita pra ele onde pode encontrá-la e com ajuda de sua secretária, Miss Lemon ele encontra o lugar, uma boate.
Chegando na boate Poirot é recebido pela condessa e apresentado aos seus amigos, entre eles sua nora.
Nessa mesma noite, ele vê um policial na boate e logo imagina que ele está disfarçado, então no dia seguinte ele procura Japp para saber o que está acontecendo.
Japp então diz que a boate está sendo investigada por tráfico de drogas e receptação de jóias. Diz ainda que Vera é a proprietária do lugar.
Como o passado da condessa tem a ver com roubo de jóias e por ter uma grande estima por ela, Poirot participar da investigação para achar os criminosos.

Eu gostei muito desse livro, as estórias apesar de curtas são bem escritas e recheadas de suspense. Em comparação ao outro livro de contos - Poirot e o mistério da arca espanhola - esse é sem dúvida uma obra prima.
Eu recomendo, principalmente àqueles que não tem muito tempo de ler e fica dias sem pegar no livro.
comentários(0)comente



Gui 23/12/2010

Final de ano, tenho bastante tempo para ler e escrever alguma coisa! Estou com vários livros policiais pra ler e o primeiro é esse maravilhoso livro de contos da Agatha Christie: Os Trabalhos de Hércules.

Após estudar os clássicos doze trabalhos de Hércules, da mitologia grega, o detetive belga decide fazer algo inusitado: aceitar somente os próximos doze casos que ele possa, de alguma maneira, associar aos doze trabalhos do seu chará.

Cada narrativa é cativamente e tem um desfecho surpreendente. Agatha Christie é surpreendende nessas doze narrações de poucas páginas e abordando não só assassinatos, mas roubos, sequestros, desaparecimentos, golpes, contrabando e tráfico de drogas.

Das doze narrativas, as minhas três favoritas foram "O Javali do Erimanto", em que Poirot está caçando um perigoso assassino em um lugar isolado no topo de uma montanha na suiça, "As Aves do Lago Estifale" onde o detetive se dispõe a ajudar um rapaz que se vê envolvido em um crime que pode destruir a sua carreira e "O Rebanho de Gerião" em que Hércule investiga uma misteriosa seita.

Recomendo!



comentários(0)comente



Dani 16/12/2018

Os Trabalhos de Hércules, Agatha Christie
Antes de falar sobre o livro, deixe-me contar sobre minha história com essa autora e seu personagem, Hercule Poirot. Uma vez comecei a assistir ao anime baseado nas estórias de Agatha Christie, que traziam como protagonistas o detetive Poirot e Miss Marple, outra personagem da autora. Eu simplesmente ODIEI esse anime, nem terminei de ver, e fiquei com uma birra enorme porque os personagens me pareceram muito irritantes.
Depois disso li o romance E Não Sobrou Nenhum, e gostei bastante mesmo, só que fiquei pensando que poderia ter funcionado porque lá não tinham Miss Marple nem Poirot. Como se tornou uma das minhas melhores leituras, sempre fiquei com a ideia de que devia procurar outras estórias da autora, só que tomava o cuidado de não escolher uma com essa dupla aí.
Só que andei bem desatenta nos últimos tempos e escolhi qualquer título da AC para minha próxima leitura (devo dizer que nenhum deles me chama a atenção de verdade, porque sempre parecem muito impessoais e pouco instigantes). Para escolher Os Trabalhos de Hércules, levei em conta o seguinte: Esse título é sobre (obviamente) os doze trabalhos de Hércules, um personagem da mitologia que sempre gostei muito, e por consequência me remeteu ao filme Os Doze Trabalhos de Asterix, uma obra inspirada também. Como tinha essa imagem positiva sobre o título, peguei-o e comecei a ler.
E, por causa dessa fase mais distraída minha, nem percebi que já na capa era mostrado que quem estaria ali seria...Mr. Poirot! Fiquei bem descrente quando vi isso, mas segui com a leitura. Uma das coisas que me desagradou ao assistir ao anime citado antes foi o fato de tudo possuir um tom menos sério, mesmo quando se tratavam de casos de assassinato e tal.
De fato, Os Trabalhos de Hércules possui essa atmosfera leve, só que isso acabou sendo bem legal. No anime parecia só infantil, porém gostei muito de acompanhar aqui. Devo dizer que Poirot acabou me conquistando, por ser realmente uma figura. Fiquei bem impressionada e me diverti bastante ao ver cada mistério sendo resolvido, com sua forma brilhante de raciocinar.
São doze casos figurativamente relacionados aos doze trabalhos de Hércules, e todos são resolvidos de forma bem rápida, porém sem deixar aquele sentimento de "não estou convencido com nada disso", que alguns outros livros deixam. Alguns me pareceram um pouco sem graça, mas gostei bastante da maioria, assim como a narrativa da autora.
Não me lembrava bem de como era a escrita da Agatha Christie (penso em reler E Não Sobrou Nenhum em breve), e aqui achei realmente interessante, com cenas, personagens e locais bem construídos. Passa a impressão de que tudo existe de verdade, por causa dessa forma tão inteligente e detalhista com que ela criou tudo.
Depois desse livro fiquei muito animada para conferir não só outras obras da autora, como também mais livros com Poirot. Sobre a Miss Marple, eu AINDA tenho ressalvas, porque pensa bem: o Poirot É um detetive, e em todos esses casos alguém o chamou para ajudar a resolver um mistério super misterioso. Porém, Miss Marple não é nem detetive nem nada, só fica se metendo nos casos que encontra por aí. Pelo menos é essa a ideia que fiquei depois de ver o anime. Será que vale a pena dar uma chance?

site: http://blueunendlichkeit.blogspot.com/2018/11/os-trabalhos-de-hercules-agatha-christie.html
comentários(0)comente



Samara 03/07/2016

"-estava imaginando uma conversa. Sua mãe e a falecida sra. Holmes, sentadas, costurando roupinhas ou tricotando, e dizendo: "Achille, Hercule, Sherlock, Mycroft...".
Esse é o primeiro livro que resenho sobre a Rainha do crime, já li muitos livros sobre Poirot, personagem que me cativou na adolescência. Passei algum tempo sem ler seus livros e nesse ano voltei a lê-los, já estavam há bastante tempo na fila de espera. Esse é um livro com doze contos referentes aos doze trabalhos de Hércules. O distinto dr. Burton, amigo de Poirot, o questionou, sobre seus pais terem lhe dado o nome do personagem mitológico Hércules, já que o homenzinho em nada se parecia com o seu antecessor.

Apesar de não ter o aspecto musculoso do herói, havia uma semelhança, ambos ajudaram o mundo a se livrar dos mais terríveis monstros. E Hercule, resolveu aceitar seus doze últimos trabalhos, antes de se aposentar, todos com a finalidade de se assemelharem com os Trabalhos de Hércules. Nesse livro, o homenzinho, encontra seu amor do passado a condessa Rossakoff, que aparece no último conto.

A partir da quinta história achei interessante, antes de iniciar a leitura, pensei que a Agatha iria contar breves resumos sobre cada trabalho, mas apenas surgiram menção aos trabalhos. Poirot me surpreendeu em algumas histórias, em outras achei meio fraco. As histórias vão desde assassinatos a fofocas, no mais achei melhor que o outro que li dela, Poirot investiga.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Luana 28/12/2015

Was?
O que aconteceu com a Agatha ao escrever esse livro? Fiquei um tanto quanto decepcionada.
(Poirot ainda é um gentleman)
comentários(0)comente



Daniella Souza 10/02/2016

Os Trabalhos de Hércules
" – Se uma amiga ou um amigo lhe pedisse que o encontrasse ou a fosse encontrar no inferno, o que faria?
– Creio que seria aconselhável reservar uma mesa – disse ela"


Já virou um hábito o meu primeiro livro do ano ser algum da Agatha Christie (porque ela é linda, maravilhosa e diva) e dessa vez o escolhido foi "Os Trabalhos de Hércules". Publicado em 1947, o livro tem como personagem principal o detetive Hercule Poirot (detetive de 1,60 m, que ostenta orgulhosamente seu bigode e que muitas vezes é comparado a Sherlock Holmes)
A história começa quando o detetive belga recebe uma visita de um amigo que fala sobre a ironia do nome de Hercule, já que ele não lembra em nada o Hércules, herói da mitologia grega. É aí que o detetive resolve que antes de se aposentar vai aceitar só mais 12 casos e cada um deve corresponder a um dos 12 trabalhos de Hércules.
São histórias curtas, que apesar de no início parecerem bobas ou impossíveis de resolver (como a fofoca em uma cidade do interior), tem desfechos impressionantes.
No livro você encontra desde sequestro de cachorros de senhoras ricas, até desaparecimento de um cálice caríssimo. Além disso temos sequestro de colegiais, tráfico de drogas, escândalo político, loucura hereditária, extremismo religioso e outras histórias bem interessantes.
O livro é pequeno, simples e leve (daqueles que você lê em uma tarde). É uma leitura que vale a pena, assim como todos os livros da "Rainha do Crime".

site: http://canastraliteraria.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



leila.goncalves 15/07/2018

Hercule & Hércules
Antes de tomar uma decisão, todo cuidado é pouco, por exemplo, Maman Poirot sem dúvida se arrependeu do nome escolhido para seu rebento. Hercule, o rotundo e pequeno detetive belga que tem a inteligência como principal atributo, pouco tem a ver com o mitológico Hércules cuja força descomunal foi sua maior aliada para realizar doze trabalhos que lhe garantiram a imortalidade. Contudo, Poirot está disposto a amenizar essa diferença e resolveu encerrar sua carreira com doze casos que remetessem a odisseia mitológica de seu xará. Quem quiser conhecê-los, segue um pequeno resumo da hilária e impecável leitura que terá pela frente:

O Leão de Nemeia
Mediante o pagamento de um vultoso resgate, o pequinês de Milly Hogin acaba de ser devolvido após ser sequestrado. Sir Joseph, seu marido, recorre a Poirot para recuperar o dinheiro e prender o criminoso. Respeitada as devidas proporções, de fato, o cãozinho possui a coragem e a bravura de um leão como provam os tornozelos do detetive, logo, essa comparação não é tão disparatada quanto possa parecer.

Hidra de Lerna
Desde a morte da Sra. Oldfield, suspeitas sobre seu possível envenenamento correm pelo pequeno vilarejo onde ela morava. O provável assassino seria seu marido, um médico, que anda interessado em sua jovem secretária. Querendo por fim nos rumores antes de formalizar um pedido de casamento, ele pede ajuda ao detetive, afinal, o boato é como a hidra de Lerna que não pode ser exterminada, pois quando se corta uma de suas nove cabeças, outra cresce no lugar.

A Corça da Arcádia
Ted Williamson, um mecânico, está perdidamente apaixonado por Nita Valleta, a criada de quarto de uma famosa bailarina russa. Entretanto, depois do primeiro encontro, a jovem sumiu sem deixar pistas e ele quer reencontrá-la a qualquer custo. Poirot aceita o caso, interessado na descrição da garota que lembra a "Corça da Arcádia", capturada por Hércules no seu terceiro trabalho. Entre as características de Nita estão a delicadeza, o andar saltitante e seus cabelos dourados, parecidos com asas ou chifres de ouro. Pelo visto, o que ela está precisando é de um bom cabeleireiro...

O Javali de Erimanto
No quarto trabalho, Hércules capturou vivo o javali de Erimanto. Nesse conto, o javali é um perigoso ladrão, capaz de assassinar friamente quem atrapalhar seus planos. Chamado Marrascaud, sua aparência é desconhecida e ele está prestes a encontrar seus comparsas para dividir o produto de um golpe. O local escolhido é um hotel dos Alpes suíços onde o detetive está hospedado e diante dessa circunstância, tudo pode acontecer.

Os Estábulos de Áugias
Na mitologia grega, os grandes estábulos do rei da Elida, Áugias, não foram limpos durante muitos anos, mas Hércules realizou esse feito num só dia. Portanto, a expressão "estábulos de Áugias" tornou-se sinônimo da acumulação de todo o tipo de imundície e nessa investigação, Poirot terá de impedir que um escândalo político venha a público, o que determinaria a queda primeiro-ministro Edward Ferrier e a desonra de John Hammett, seu antecessor. Uma história bem tramada, baseada em Jezebel e na mulher de César, um assunto atemporal.

As Aves do Lago Estínfalo
O detetive surge no final do episódio, pronto para colocar na cadeia duas perigosas chantagistas que pretendiam aplicar um golpe em Harold Waring, subsecretário do Governo, em férias num pequeno hotel na Herzoslováquia. Com certeza, a associação da dupla de vilãs com as famosas aves de rapina envenenadas por Hércules foi uma grande ideia.

O Touro de Creta
Diana Maberly acredita que seu ex-noivo está ficando louco, acometido por uma maldição que persegue a família. Esse problema fez com que Hugh Chandler rompesse o compromisso e ela teme que ele esteja pensando em suicídio. Como último recurso, a jovem contrata o detetive, interessada em descobrir o que está realmente acontecendo, trazendo à luz uma trama diabólica.

Os Cavalos de Diomedes
Nesse conto, os cavalos de Diomedes são representados pelas quatro filhas do Coronel Grant.
O médico Michael Stodart procura Poirot para ajudá-lo a descobrir quem pode estar fornecendo cocaína para uma delas. Na verdade, apaixonado por Sheila, ele teme que a droga venha atrapalhar seus planos de casamento.

O Cinto de Hipólita
O que um quadro de Rubens, furtado recentemente de uma exposição, tem a ver com o desaparecimento de uma jovem de apenas 14 anos? Winnie King sumiu sem deixar pistas, enquanto ia de Londres para Paris para estudar arte e música no seleto colégio da Srta. Pope. Não há como deixar de associar essa narrativa ao filme "Thomas Crown, a Arte de um Crime", estrelado por Pierce Brosnan.

O Rebanho de Gerião
Se você é uma rica viúva sem herdeiros é melhor tomar cuidado com uma nova seita religiosa, o "Rebanho do Pastor". A Srta. Carnaby personagem do primeiro conto, está desconfiada que trata-se de uma grande armação cuja única finalidade é arrancar dinheiro dos fiéis. Sob a orientação de Poirot, ela vai arriscar sua segurança para provar que o chefe religioso, um tal de Dr. Andersen, não passa de um grande vigarista.

As Maçãs de Hespérides
O detetive é contratado pelo milionário Emery Power para encontrar uma taça de ouro desaparecida, que data do Renascimento e apresenta a imagem bíblica de uma cobra enrodilhada numa macieira. Seu desfecho surpreende pelo motivo acima de qualquer suspeita.

A Captura de Cérbero
A condessa russa Vera Rossakov, única mulher que balançou o coração do detetive em "Poirot Investiga", retorna como dona de uma boite da moda sugestivamente chamada de "Inferno". O problema é que o lugar pode estar sendo usado como esconderijo por ladrões de joias e tráfico de drogas.

Enfim, de "O Leão de Nemeia" até a "Captura de Cérbero", eis "Os Trabalhos de Hercule". E agora, será que ele vai realmente se aposentar?... Descubra no livro seguinte, "O Assassinato de Roger Ackroyd".
Terezinha Soares 16/03/2019minha estante
Maravilhosa resenha!!!!!


leila.goncalves 18/03/2019minha estante
Grata, beijos!




Paula Miranda 03/08/2019

Irritantemente previsível
Minha 14ª leitura de Agatha Christie e a primeira a me decepcionar. Menção honrosa ao capítulo ?O touro de Creta?, de resto, é esquecível.
comentários(0)comente



Aline 13/09/2019

12 vezes Hercule Poirot
Os trabalhos de Hércules". Nessa coletânea de 12 contos, todos estão interligados pela presença de Hercule Poirot e de uma associação aos trabalhos do herói grego, nas breves histórias, Poirot se depara com roubos, fraudes e até assassinato.

Os contos receberam os nomes dos trabalhos de Hércules. Então temos O leão da Neméia, A hidra de Lerna, A corça de Arcádia, O javali de Erimanto, As cavalariça de Áugias, As aves do lago Estínfale, O touro de Creta, Os cavalos de Diomedes, o cinto de Hipólita, O rebanho de Cerião, As maçãs das Hespérides, As profundezas do inferno.

As histórias são rápidas E muitas delas previsíveis, mas nada que torne a leitura chata. Achei a composição e fluidez da narrativa diferente de outros livros da autora e do mesmo personagem, como o livro "Assassinato no Expresso do Oriente".

Recomendo para quem gosta do gênero de investigação policial, mas se for sua primeira leitura da autora, melhor começar por outros como, o já citado, "Assassinato no Expresso do Oriente" ou "E não sobrou nenhum", que são história mais empolgantes e menos previsíveis.

Para mais resenhas siga nossa página no Instagram: @cafecomliteratura
Leonardo J. Gonçalves 13/09/2019minha estante
Também sou admirador e fã de Agatha Christie e esses dois livros citados- "Assassinato no Expresso do Oriente" e "...e não sobrou nenhum "- estão entre os mais famosos e instigantes romances policiais de todos os tempos.


Aline 15/09/2019minha estante
Agatha é realmente incrível! Quero ter a oportunidade de ler outras histórias dela, como Morte no Nilo e Um corpo na biblioteca! Já leu algum desses?


Leonardo J. Gonçalves 15/09/2019minha estante
Querida Aline, já li esses e tantos outros. Na adolescência era leitura obrigatória. Encantava-me seus romances, mesmos os mais ruinzinhos. O primeiro que li foi "A Casa do Penhasco", seguido de tantos outros, e culminando nos clássicos. E ,entre os clássicos "E não sobrou nenhum".




40 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3