A Vida de Charlotte Brontë

A Vida de Charlotte Brontë Elizabeth Gaskell




Resenhas - Vida De Charlotte Brontë


3 encontrados | exibindo 1 a 3


Carol 05/09/2020

Impressões da Carol
Livro: A vida de Charlotte Brontë {1857}
Autora: Elizabeth Gaskell {Inglaterra,1810-1865}
Tradução: Amanda Magri
Editora: Pedrazul
416p.

Não é segredo pra ninguém o quanto gosto de Charlotte Brontë. Foi impactante ler, ainda menina, uma personagem tão forte, tão independente quanto Jane Eyre. Foi este livro que determinou meu gosto pela literatura vitoriana.

Elizabeth Gaskell, amiga íntima de Charlotte e, como ela, escritora talentosa, escreveu esta biografia como um tributo à amiga - quando muitas das pessoas, citadas ao longo do texto, ainda eram vivas. O que explica algumas omissões importantes.

Essa proximidade de Gaskell com a família Brontë lhe deu acesso a depoimentos de pessoas que conviveram com Charlotte e às cartas escritas por ela, ao longo da vida. Gaskell recheia sua biografia com estas cartas.

Através delas vemos como Charlotte - e suas irmãs - eram excepcionais. Vivendo num povoado remoto, em meio às charnecas, filhas de um presbítero, a imaginação e a vontade de criar estavam presentes desde sempre. Vidas marcadas por perdas e que, ainda assim, resplandeceram.

Acompanhamos tudo. A infância e a perda da mãe e das irmãs, Maria e Elizabeth. A formação intelectual e moral das meninas, a busca por uma ocupação, numa sociedade que oferecia pouco a mulheres, sem posses. Sua ida a Bruxelas. A escrita dos romances. As mortes, num curto período, de Branwell, Emily e Anne. O sucesso literário. Seu breve casamento e morte.

Não há inverdades nesta biografia, mas, como disse, omissões. Gaskell preserva a família Brontë ao não explicitar o vício de Branwell pelo ópio. Muito menos nos relata a paixão platônica de Charlotte por seu professor Constatin Héger, um homem casado.

É por isso que recomendo demais esta edição da Pedrazul com várias notas de rodapé que preenchem essas lacunas e contextualizam a biografia. O posfácio escrito pela editora Chirlei é impecável. Se você é fã de Charlotte, esse livro é imperdível.
comentários(0)comente



Pi£tr0 P StC|air °)°(° 27/08/2020

Constantes, Lúgubres e Gélidos Véus de Agonia***
Um livro triste...Uma vida triste e de profundo e doloroso pesar...
Uma breve vida neste vale de lágrimas chamado mundo!
Este livro Literalmente me fez transbordar em Mar de Lágrimas nos
momentos mais tristes e dolorosos e assim quando já experimentamos aquelas mesmas
dores, perdas traumáticas...a distância, o medo do que o futuro reserva, a solidão,
a depressão e o luto e a memória de quem mais amamos e sabemos que em vida nunca
mais veremos!...

Ainda no início deste livro há um breve relato do tão pesarosa sería a leitura:
Emily tinha um cão chamado Keeper...Após a morte de Emily este mesmo cão deitava-se na porta
do quarto dela sentindo sua falta e gemia por noites a fio... " Ele (o cão) caminhou
ao lado dos enlutados, entrou na igreja e permaneceu em silêncio durante toda a missa.
Quando ele voltou para casa, ele se deitou diante da porta do quarto de Emily e Uivou
lamuriosamente durante muitos dias." ( Com isso dá pra perceber a dor Real e constante
nas duas irmãs que restaram e aquele quarto vazio, a presença daquela pessoa tão amada e querida
não existindo mais!)...

- Éram ainda crianças, 5 meninas e 1 menino quando mudaram-se para viver
no Vilarejo de Haworth, logo em breve a Mãe adoeceu( a presença constante da Tristeza
pairava o ambiente e os dias destas crianças) e vieram a ficar Órfãos de Mãe!
Tinham apenas um ao Outro como companheiros(isto criou um Profundo Laço de Apego entre
estas crianças que Perdurou para sempre, daí dá pra perceber a imensa Dor da Única irmã
sobrevivente que adentrou a fase adulta vindo a tornar-se Só, com suas Lembranças e Memórias
de suas tão Amadas Irmãs). Das 5 irmãs, ainda na Tenra Infância perderam Maria Brontê(falecendo
aos 12 anos de idade) em menos de um mês a morte de mais outra Irmã vindo a falecer com apenas
11 anos de idade, Elizabeth Brontê. Restando assim apenas as 3 irmãs que vieram a tornar-se mundialmente
conhecidas: Emily Brontê, Anne Brontê e Charlotte Brontê! O Amor e o Apego entre Elas éra
um Vínculo muito forte! Os únicos momentos de breve Felicidade que Charlotte teve, foram justamente
a companhia destas irmãs restantes e os passeios e caminhadas nas Charnecas( Bucólicas Irmãs que Amavam
os Animais e a Natureza) além de terem como Hobby escreverem histórias e poemas!

Com o tempo e já na fase adulta começaram a terem aflições com o irmão que tornou-se alcoólatra e usuário
de Ópio(por causa de um Coração Partido, vindo com isso a desistir da Vida e também a morrer brevemente!)
Perderam o irmão que veio a Falecer aos 30 anos! Não demorou muito a irmã Emily adoeceu, espírito indomável
e rebelde por natureza que recusava tomar qualquer medicamento e impedia a presença de qualquer Médico sobre
sí... Depois de um breve período de muito pesar perderam Emily que nos ultimos momentos aceitou a Presença
de um Médico( mas dái já éra Tarde Demais!!!) o Episódio do cão que uivava por noites e dias a fio jogado em frente
a porta do quarto de Emily deveria de ser muito Doloroso para as duas irmãs Enlutadas.( Apenas 3 meses após a morte
do irmão com 30 anos, ocorreu a morte de Emily aos 29 anos.)

A presença da Crucial Dama Magna chamada Morte fazía-se presente naquele Lúgubre Presbitério Rodeado
de Lápides Escuras pelo rigoroso e gélido inverno... Pois em apenas 5 meses depois do Falecimento de Emily,
foi a vez da Morte de Anne Brontë...( Dá pra perceber a intensidade da Alma Dilacerada pela Dor Crucial, em Charlotte)
...Foram passar alguns dias no Litoral com a esperança que a Irmã melhorasse, mas a presença da Morte já estava alí,
" Ela acreditava que tinha pouco tempo de vida. Podería ela chegar em casa viva,( VOLTAR para casa viva)
se saíssemos imediatamente? Um médico foi chamado...Anne implorou para que ele lhe dissesse quanto tempo de vida
ele achava que ela tinha - sem medo de dizer a verdade, porque ela não tinha medo de morrer. Relutantemente,
o doutor disse QUE O ANJO DA MORTE JÁ HAVÍA CHEGADO, e que a VIDA se ESVAÍA RAPIDAMENTE". ... Há mais relatos
destas horas finais de Anne Brontë, mas quem tiver o livro lerá!!! Anne vía e sentía o Sentimento de Charlotte
diante da perda eminente dela, e ainda na presença do " ANJO DA MORTE ", disse para sua irmã Charlotte, " AO VER QUE CHARLOTTE
MAL PODIA CONTER O SOFRIMENTO, ela disse: "Tenha coragem, Charlotte, tenha coragem."
...
..." UMA IRMÃ fechava os olhos da outra já falecida. Agora ela ( CHARLOTTE ) não conseguia mais conter o SOFRIMENTO
AGUDO pela Irmã com seu enfático e AGONIZANTE: " Tenha coragem", e ela IRROMPEU FORTE e brevemente, mas de forma ANGUSTIANTE"
...
Basta criar esta cena na imaginação e sentir a NAVALHA CORTANTE e CRUCIAL da DOR!!!!!***


Alguns relatos de sua DOR e Desolação, de volta ao Lúgubre Presbitério ( agora sem mais nenhuma irmã como companheira):


" Sentí que a casa estava tão silenciosa - os quartos tão vazios. Eu me lembrei de onde os TRêS ESTÃO AGORA - habitações
escuras e estreitas - , e que NUNCA ANDARÃO NA TERRA NOVAMENTE. Então, senti-me DESOLADA, AMARGURADA. A AGONIA que eu IRIA SIM
sofrer, e que eu NÃO IRIA evitar, apoderou-se de mim. E eu SOFRÍ com isso, e passei um fim de tarde e uma noite TERRÍVEIS,
além de uma MANHÃ LÚGUBRE, mas hoje estou melhor.

Eu não sei como será a vida, . . . A solidão pode melhorar e tornar-se suportável, mais do que posso imaginar.
O pior é quando chega o final de tarde, e a noite se aproxima, Nessa hora, nós costumávamos nos reunir na sala de jantar -
costumávamos conversar. Agora, sento-me sozinha - sendo assim em silêncio. Não consigo evitar pensar em meus últimos dias, recordo-me
de seus sofrimentos, o que disseram e fizeram, suas aparências de SOFRIMENTO MORTAL.
Minha vida é como eu esperava que fosse. Às vezes, quando acordo de manhã, sei que a Solidão, as Memórias e a Saudade serão
praticamente minhas únicas companheiras - e que na manhã seguinte, quando eu despertar, sentirei tudo de novo.

...

Além das Perdas das Irmãs e tudo em consequência disso, ainda havía a grande Paixão não correspondida pelo
seu antigo Professor de outro País( um homem já maduro e casado). A ardente Paixão Secreta pelo seu Mestre-ex professor
do período em que permaneceu e estudou em Bruxelas(Bélgica)...Um amor não correspondido pelo homem casado que
veio a cortar qualquer vínculo de Amizade e de Correspondência com Ela, fazendo-a sofrer AMARGAMENTE e vir a implorar
por resquicíos de laços de amizade.

Quem não perdeu o chão e o Sentido da Vida ao perder também qualquer vínculo de Amizade com quem Amáva-mos tanto???

É também o tipo de dor que não apenas parte o coração, mas que também deixa nossa Alma toda fragmentada e dilacerada em
mil pedaços!!!

Trecho de uma das cartas ignoradas pelo seu antigo Professor:

" Se meu mestre retirar completamente sua Amizade de mim,
ficarei absolutamente sem esperanças; se ele me der um pouco de amizade, muito pouco, ficarei contente, feliz, tería um
motivo para viver, para trabalhar.
Monsieur, os pobres não precisam de muita coisa para viver, eles pedem apenas as migalhas de pão que caem da mesa dos
homens ricos, mas se lhes são recusadas essas migalhas, eles morrem de fome "

Dai dá pra perceber até que ponto de Dor e Sofrimento Amoroso ela chegou para descrever tudo isso e não obter nenhuma resposta
e mais nenhum vínculo de amizade que poderia restar! ( Achei muita frieza por parte deste Ser, mesmo presenciando explicitamente
o Nível de Sofrimento em que ela se encontrava!! )

...

E quando finalmente a Vida lhe dá uma chance de ser Feliz nos Braços Conjugais do Amável, Terno, Atencioso,
Apaixonado e Carinhoso Marido que a Amou em segredo por 8 longos anos antes de se declarar a ela (e ter sido recusado
pelo seu Pai no inicio), mais uma vez a Cruél Dama Magna e o ANJO da MORTE reapareceram e a levaram Para Sempre!!!
Ela não queria morrer, não agora que tinha encontrado o vislumbre da Felicidade nos braços do Marido que a AMAVA TANTO!
A Felicidade que mal havia adentrado a sua vida e já lhe foi arrancada!!!



***Existem Almas fadadas/destinadas à Dor, Solidão e Sofrimento em Vida que, quando raramente algo Alegre ou que causa Felicidade
surge, nada mais são do que apenas Breves Vislumbres de Alegrias que lhes são tiradas tão logo a pessoa começa a pensar
que pode ser Digna de ser um pouco feliz!!!

As Irmãs Brontë éram destes tipos de Almas(Ainda mais explicíta em Charlotte Brontë)***


( também éram Almas Explícitamente Bucólicas/Idílicas - Amavam estar Vislumbrando a Natureza
os Animais, viviam num Vilarejo Inglês repleto de colinas, bosques e charnecas aos arredores,
éram Passionais,Intimistas, Contemplativas, Tímidas, Reservadas e Melancólicas, além de Elevado QI e Dons
Artísticos e Literários)*** Foram crianças Prodízias que já pensavam como adultos***


comentários(0)comente



Fernanda 04/09/2020

Uma leitura maravilhosa, foi muito interessante conhecer mais sobre a Charlotte Bronte como filha, irmã, mulher, esposa e amiga, seus pensamentos, atitudes e não somente a Charlotte escritora de Jane Eyre.
comentários(0)comente



3 encontrados | exibindo 1 a 3