Em Pedaços

Em Pedaços Lauren Layne


Compartilhe


Resenhas - Em Pedaços


76 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Bia Santana | Viciados em Leitura 19/01/2019

Adoreeeeiiii!
Olá, pessoal. Outro dia chegou aqui em casa alguns livros do Time de Leitores do Grupo Companhia das Letras, e no meio deles estava Em pedaços, o primeiro livro da série ou trilogia (eu ainda não sei o que é) Recomeços, da Lauren Layne. Há pouco tempo eu tive o meu primeiro contato com a escrita da autora em Mais que amigos e achei bem legal, pois ela tem um jeito leve e fácil de conduzir a história.

Confesso que assim que peguei pra ler, o primeiro capítulo me assustou. Pensei que seria um livro fraquinho porque eu estava sendo apresentada a uma jovem e linda nova iorquina filhinha de papai do Upper East Side, mas graças a Deus tudo já mudou no segundo capítulo, que deu aquela despertada no meu interesse e curiosidade.

Isso tudo porque os capítulos vão se alternando entre Olivia e Paul. Então vamos conhecê-los. Olivia, como disse, é uma jovem nova iorquina que tem tudo, beleza, amigos, pais cheios da grana e uma vida social de quem sempre viveu em NY frequentando os lugares mais badalados, mas, no momento, ela se encontra completamente perdida, louca para fugir de tudo isso. Já Paul é um jovem que viu e sofreu na pele as barbaridades da guerra no Afeganistão e hoje vive recluso e sozinho com seus fantasmas e uma imensa raiva de tudo e de todos.

O pai de Paul já contratou várias cuidadoras para o filho, na luta em refazê-lo e trazê-lo para a normalidade, mas Paul sempre colocou todas elas pra correr com seu temperamento difícil e até agressivo. Só que agora Paul recebeu um ultimato do pai. Ou aceita passar três meses com a nova cuidadora, ou vai ter que se virar sozinho, por conta própria, sem o dinheiro do pai. Claro que ele aceita, mas é claro também que ele jamais poderia imaginar que a nova cuidadora dele fosse uma bela e jovem nova iorquina que iria mexer tanto com ele e em vários aspectos.

A convivência não é fácil e o legal é que Olivia é uma garota bem esperta, que não dá mole para o ranzinza e agressivo Paul. E se ele não esperava ficar tão assustado pelo interesse que aquela loira bonita, atraente e provocante desperta nele, Olivia também se pega surpresa por se sentir tão atraída pelo belo ogro marcado de cicatrizes externas e internas.

As semanas passam e aos poucos, entre um joguinho e outro onde eles se desafiam e se descobrem, eles vão aprendendo a conviver juntos, mas é aquela coisa, do mesmo jeito que eles progridem, alguma coisa complica e dá errado e eles dão passos para trás.

“Mesmo estando presa aqui no Maine por apenas algumas semanas, parece que faz uma eternidade. De alguma maneira, parece certo estar sentada nessa banqueta de couro gasto, em um bar com painéis de madeira que parecem mais velhos que eu, sentada ao lado de um cara que é metade mistério e beleza, metade fera imprevisível.”

Dois jovens mimados, dois desastres em pedaços que juntos precisam lutar pelos seus sentimentos e encarar seus medos e seus fantasmas. O que será que Olivia esconde que a fez fugir da vida boa que tinha? E o que será que marcou tanto a cabeça de Paul? Será que ele conseguirá seguir em frente?

"Amo a pessoa que Paul é. A escuridão e as sombras. Seu sorriso e a bondade que faz tanto esforço para esconder. O jovem quarterback por baixo do veterano de guerra. Amo mais o lado direito de seu rosto, coberto pelas cicatrizes, que a perfeição do esquerdo."

Como uma grande fã do clássico A Bela e a Fera, é claro que eu ia devorar essa nova e moderna recontagem que traz uma belíssima história de cura, recomeço, perdão e do poder do amor. Mais uma vez Lauren Layne me fez devorar a história com sua escrita fluida. Super recomendo!

site: http://www.viciadosemleitura.blog.br/2018/08/resenha-440-em-pedacos-lauren-layne.html
comentários(0)comente



Joana.Maris 18/01/2019

Maravilhoso!
O livro irá nos apresentar a Olívia Middleton, uma jovem de 22 anos, linda e inteligente que "aparentemente" tem uma vida perfeita mas em seu íntimo, guarda um segredo terrível e busca novos ares na tentativa de se livrar dos erros do passado.
Do outro lado, teremos Paul Langdon, fuzileiro naval belo e corajoso, que, literalmente, dá a vida por seu país. Entretanto, num dia infeliz , vê seu mundo ir ladeira abaixo, enquanto luta na guerra no Afeganistão.
A estória começa com Olívia se mudando para Manhattan para conhecer seu novo emprego: ser a cuidadora de Paul por no mínimo, três meses. O jovem, agora inválido, tornou - se amagurado e agressivo, já que não aceita ser submetido aos cuidados de nenhum cuidador.
A garota, por sua vez, sabe que essa tarefa não será fácil mais está disposta a  aceitar o desafio e sobretudo, fazer com que Paul volte a ter uma vida normal.
A atração entre os dois é imediata e nenhum dos dois estão dispostos a dar o braço a torcer. É é exatamente isso, juntamente com os segredos de ambos que dão a narrativa um gostinho de quero mais e  faz com que você não largue o livro até terminar.


"Você fez com que eu me sentisse completo de novo. Pegou uma alma infeliz e em pedaços e mostrou como voltar a viver"

"Por três anos, achei que não haveria sensação melhor no mundo que a de voltar a correr. Mas estava errado.
Andar de mãos dadas com Olívia é ainda melhor."
comentários(0)comente



gabrielasouto 11/01/2019

Melhor do que imaginei
Já tinha lido alguns livros de superação de veteranos, mas esse, sem dúvida, está entre os favoritos. A leitura flui rapidamente. Uma história triste que se transforma pelo amor, pelo cuidado. Super recomendo.
comentários(0)comente



Aline 10/01/2019

Infelizmente mais um relacionamento abusivo romantizado com sucesso...
Pensa num livro que muito me foi recomendado! Depois que me entreguei total à leitura de Mais Que Amigos (livro que eu adorei, btw), amigas caíram matando para que eu finalmente lesse Em Pedaços. Colocaram tanto hype nesse esse livro que, quando eu finalizei, precisei perguntar “qual o motivo de tanto alvoroço com esse livro, minha gente? Não tô entendendo ¯\_(ツ)_/¯”

De um lado, temos Olivia, ricaça e miada, cometeu um erro e agora precisa fugir de Nova York para esquecer seus problemas. Do outro temos Paul, também mimado, um veterano de guerra, físico e emocionalmente quebrado, diante de todas as coisas horrorosas que viu e aconteceram a ele durante a guerra

"Ficamos parados por alguns segundos, só nos encarando. Dois jovens mimados e em pedaços. Dois desastres..."

A fuga da Olivia é basicamente desistir de tudo em NY, faculdade, festas e mais festas com a nata da sociedade e ir para o Maine trabalhar como cuidadora do que ela imagina ser um paciente idoso. Para sua surpresa, quem precisa de cuidados é Paul, um jovem de 24 anos, praticamente da sua idade (Olivia tem 22). E então, seguindo os clichês românticos, basta uma olhadinha e poucos segundos para que um fique sonhando acordado pelo outro.

E é exatamente esse romance que mais me incomodou durante o livro inteirinho. E, juro pra vocês, não tem nada a ver com ser um clichê, porque poxa, Mais Que Amigos foi um verdadeiro clichê eu eu adorei! Não, aqui o que me incomodou foi que a relação entre Olivia e Paul me pareceu MUITO com um relacionamento abusivo.

Paul age como um verdadeiro babaca durante o livro inteiro com a Olivia, diminuindo e se aproveitando dela a cada oportunidade, e ela aguenta calada, deixa acontecer sem tomar uma atitude sequer. Tive vontade de chorar muitas vezes durante a leitura com o tratamento que a Olivia recebia e, o pior, ao tratamento que ela mesmo se submetia por conta de um cara babaca ao extremo.

“Ah, mas ele estava em pedaços/ferido/perdido/sofrendo/insira aqui qualquer outra desculpa bosta pro comportamento do Paul.” Isso não justifica agir feito um cretino e jogar tudo de ruim que você está sentindo em cima de uma pessoa que você sequer conhece! E longe de defender a Olivia também, porque, independente dos problemas amorosos do passado, ficar o livro inteiro se submetendo a humilhação e agressão!!! (há pelo menos 3 cenas em que Paul agarra o pulso de Olivia para machucá-la, além de empurrá-la pela mesma quantidade de vezes durante o livro) e não fazer nada e continuar correndo atrás do cara? Jesus, Lauren Layne, onde você estava com a cabeça quando decidiu escrever esse livro e, principalmente, essas cenas???

O cenário é bem limitado, mas não prejudica muito a história e construção dos protagonistas. Há poucos personagens secundários e quase não há construção nenhuma deles, já que mal aparecem direito durante o livro. Os capítulos são divididos entre Olivia e Paul, claramente uma tática para amenizar o ódio que você sente pelas atitudes dos personagens. Os diálogos são em aspas, do qual não sou muito fã. Aos interessados: HÁ CENAS HOTS, mas são poucas e acontecem depois da metade do livro.
comentários(0)comente



priscila.wenzel 10/01/2019

Gostei, mas podia ter sido melhor!

Pra fugir de um erro que cometeu Olívia, foge dos Estados Unidos e vai pro Maine cuidar de um soldado em reabilitação. O que ela não esperava é que esse soldado fosse ser um rapaz jovem, que mexe com ela desde o primeiro momento.
Pausa pro adendo: achei meio exagerado esse “fogo” que a personagem sentiu logo no começo, tipo, no momento em que ela bateu os olhos no cara.

Paul é um rapaz que depois de perder os amigos em uma emboscada, se tornou frio, arrogante, antissocial e totalmente imaturo com suas atitudes e um belo mal educado.
Ele detesta quando conhece Olívia, mas devido a um acordo que faz com o pai, ele promete aguentá-la por 3 meses contanto que seu pai não corte sua mesada.

Olívia faz o possível pra se aproximar de Paul e ajudá-lo, afim de amenizar a culpa que ela carrega.
Pausa pro segundo adendo: não achei nada demais o que ela fez, pensei que tinha sido algo mais sério pra menina decidir largar tudo e se isolar num lugar.

Olívia no começo é meio patricinha, mas aos poucos vai amadurecendo. Quem parece difícil de amadurecer é o Paul. Arrogante e prepotente, ele fez várias coisas que eu achei errada na história, como se vitimizar demais e às vezes se comportar como um menino de 12 anos.

Não sei, na minha opinião que leu antes deste, o livro Mais que Amigos, acho que eu esperava mais desse livro, da história.

Olívia e Paul narram o livro, então é bom ter a perspectiva dos dois, mas mesmo assim eles não me agradaram. Paul passou 90% do livro sendo um grosso com a Olívia e ela ficou o tempo todo aceitando as baixarias dele como se fosse merecedora daquilo.

Sei lá, me lembrou um relacionamento abusivo e não gostei. Infelizmente a autora acertou super em Mais que Amigos, mas errou feio neste. O único elogio que eu posso fazer ao livro é a capa, que achei linda e combinando com as características dos personagens.

Do resto.... É isso!
comentários(0)comente



Minha Velha Estante 09/01/2019

Resenha da Mylena Suarez
Saindo da comédia romântica Mais que Amigos e mergulhando no drama hot Em Pedaços, porque feriadão é para colocar em dia as leituras e não resisto a uma escritora que eu amo.

Em Pedaços, traz dois personagens atormentados pela culpa e em fuga. Olívia precisa sair de Nova York urgente, então seu pai consegue para ela um emprego de cuidadora de um veterano de guerra numa cidade pequena. Ela pensa que a tarefa não deve ser tão difícil e aceita como uma tábua de salvação.

Ela é uma garota mimada, rica e que sempre viveu sobre uma redoma e agora simplesmente não suporta olhar para o espelho e encarar o que aconteceu de frente, preferindo fugir. Ao chegar na casa de Paul, se depara com um cara arrogante, atormentado e com ódio do mundo.

Ambos estão Em Pedaços...

A diferença entre eles é que Olívia não desconta nos outros sua frustração, enquanto Paul lança em todos a sua volta suas farpas iradas e, ao ver uma garota bonita e meiga tão perto de si, algo que há tempos não precisa enfrentar, vai reagir da pior forma possível para afastá-la de sua vida.

“ Em questão de segundos, a raiva e tensão desapareceram dos seus olhos, e ela aceitou o que tinha acontecido, como se ela merecesse sofrer esse tipo de humilhação.”

A atração entre eles é instantânea e explosiva e gera momentos surpreendentes de conflito e sedução com Olívia disposta a tentar ajudar o misterioso rapaz mesmo com todas as malvadezas dele, até que a doçura da garota vai, aos poucos, derretendo a amargura e derrubando as barreiras de Paul.



Mesmo com seu coração ainda muito duro, ele acaba sucumbindo a momentos de leitura conjunta com ela e a momentos de desafio físico impostos por ela também e vai percebendo como ela é diferente do que ele esperava.

Ele, no entanto, é uma pessoa extremamente difícil que vive num eterno morde – assopra com Olívia tentando permanecer em sua zona de conforto isolado do mundo exterior e sem se achar merecedor do amor de ninguém e ela o provoca a mudar gerando reações fortes do cara.

Apesar de ter me irritado boa parte do livro com Paul, assim como a Fera me irritou no conto de fadas que inspira o livro, Lauren Layne, mesmo assim, conseguiu me prender à trama, eu simplesmente não conseguia largar o livro angustiada e ansiosa por cada situação vivida pelo casal. Louca para descobrir como tudo se resolveria. E foi justamente nos momentos finais que o livro me conquistou muito pois já estava meio desanimada. Os personagens precisaram encarar de frente seus piores demônios e decidir se queriam viver o amor destinado a eles.



Narrado em primeira pessoa por cada um dos protagonistas, pude acompanhar a jornada de perdão e cura de cada um deles cada um a seu tempo. Mesmo tendo um final bem interessante e fofo onde vibrei horrores, esperei um pouco mais do desenrolar e isso me deixou um pouco frustrada em relação ao livro como um todo.

Amei demais a capa e a sinopse, acho que por isso esperava uma relação menos tempestuosa entre o casal. Mesmo assim recomendo para quem gosta de uma boa crise existencial e de um hot com cenas de arrepiar para tirar suas próprias conclusões.

Beijos, Myl

site: http://www.minhavelhaestante.com.br/2018/07/em-pedacos-lauren-layne.html
comentários(0)comente



fernan_books 08/01/2019

Clichê gostosinho
Livro com história que já sabemos como será do início ao fim. Aquele clichê que gostamos de ler.
Bom pra usar como detox de longas trilogias, séries ou quando está empacado em algum livro denso.
História gostosinha de ler e que passa voando. Aquela velha narrativa de dois personagens com problemas pessoais para resolverem e que usam um ao outro para se curarem.
comentários(0)comente



Camila Justi | @JustiBooks 07/01/2019

Em Pedaços
Olivia Middleton cometeu um erro e precisa esquecer o passado. A moça perfeita e rica de Nova York, esconde segredos que a assombram frequentemente. Determinada a amenizar sua consciência ela vai para o Maine ser cuidadora de um soldado recém-saído da guerra.⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀
O que Liv não esperava era que Paul fosse tão jovem e atraente e em contrapartida arrogante, recluso e teimoso. Agora ela precisa fazer companhia para uma pessoa que tem o objetivo de fazer com que ela desista de cumprir seu trabalho e volta para a su vida perfeita.⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀
Duas pessoas quebradas e com traumas se encontram e descobrem como as pequenas coisas podem fazer total diferença quando não se espera mais nada da vida.⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀
《Releitura Moderna de A Bela e a Fera》
⠀⠀⠀
💭Será que estou apaixonada por essa autora?! Segundo livro que eu leio dela e se torna favorito. Com o dom de nos fazer entrar de cabeça na história Lauren nos presenteia com personagens reais e cativantes, nos arrancando lágrimas e suspiros durante a leitura. É maravilhoso ver a evolução e o amor acontecendo gradativamente. Espero que vocês possam ler e amar assim como eu!!!

site: https://www.instagram.com/justibooks/
comentários(0)comente



Gina 02/01/2019

Clichê basiquinho
Comecei e terminei de ler esse livro com a sensação de já ter lido ele, me lembrou demais Como eu era antes de você e isso me incomodou bastante durante a leitura. Em pedaços é um clichê bacaninha e envolvente, por ser um livro pequeno da pra ler rapidinho. É uma leitura boa mas não dá pra esperar demais. O Paul, nosso protagonista, as vezes é um amor e as vezes é um babaca da pior espécie, confesso que a vontade de dar um murro foi grande viu. A Olívia está determinada em ajudar o Paul a melhorar e virar alguém mais sociável mas tem horas que ela deixa ele humilhar ela e depois corre pros braços dele como se nada tivesse acontecido, a vontade é de chacoalhar e falar ACORDAAA MENINA. O cenário é bem limitado, os personagens também, a história é boa mas não dá pra esperar demais. E essa capa só Jesus na causa, é linda mas não dá pra imaginar as pessoas da capa como os protagonistas, pelo menos eu não consegui relacionar.
Livro bom pra passar uma tarde lendo sem grandes expectativas.
comentários(0)comente



Nana 11/12/2018

Olivia Middleton é uma jovem de família rica que vive em Manhattan. Seu relacionamento com Ethan não terminou de forma amigável e ela ressente por seus atos. Simplesmente não consegue encarar as duas pessoas que feriu. Assim, Olivia decidiu abandonar a faculdade e se refugiar no Maine, cuidando de um soldado ferido em combate. Seus pais estão muito contentes com sua escolha, pois decidiram lhe presentear com uma festa de despedida e espalhar para o resto da alta sociedade que a filha está fazendo caridade.

O emocional de Paul Langdon está despedaçado, em vista das perdas que a guerra lhe trouxe. Duas dessas perdas afetam seu físico: uma grande cicatriz no rosto e sua perna manca. Ele era o esteriótipo de carinha popular colegial e atleta, então sua vaidade foi quebrada e isso o incomoda, o tornando recluso. Seu pai é um grande empresário e o acolhe em sua imensa propriedade. Porém, os dois não mantêm um bom relacionamento. Na verdade, Paul prefere que as pessoas fiquem o mais longe possível, o motivo o qual nenhum dos cuidadores duram por ali.

Fazendo jus ao surrealismo de romances do estilo, basta apenas um olhar e uns segundos para que Olívia passe as próximas horas sonhando acordada com os lábios do rapaz e o priquito acender. E esses sentimentos super aflorados, acabam por trazer tensão em todos momentos entre os dois. Paul, como deseja que ela suma da propriedade, zomba da moça e sempre a destrata, as vezes com ofensas. Ele sabe que está atraído por Olivia, porém não se permite uma chance.

Olivia acredita que por ter agido de má fé com Ethan, mereça a sentença de permanecer cuidando de Paul e quem sabe libertá-lo da prisão que é sua vida. Ela o incentiva a praticar exercícios, a interagir e até se reconectar com uma antiga amizade. Mais lembranças criadas; mais sentimentos despertados. Por outro lado, ainda não é o suficiente para que ambos parem com a jogada de gato e rato, o que leva Paul a forçar Olivia lidar com os fantasmas de seu passado.

Sacrifícios precisam ser feitos para que a felicidade de ambos seja plena. Olivia pretende cumprir seus três meses como cuidadora, e não se vê passando o resto de sua vida presa naquela propriedade. Paul sabe disso. Sabe o quanto Olivia fez por ele, o transformou, sabe que também precisa enfrentar os fantasmas do seu próprio passado e seguir em frente, se deseja que ela fique ao seu lado.

" Trinta segundos depois, estou sozinha no meio do estacionamento abandonado, me perguntando quanto mal posso ter feito a uma alma que já estava em pedaços."

Uma das raríssimas vezes que fiquei em dúvida como avaliar um livro. Vocês já devem ter percebido que não dou notas quebradas, não sou fã. Em Pedaços é uma releitura de A Bela e a Fera que trás uma construção de protagonista masculino problemática, em metade de suas 248 páginas. Depois o cara dá uma relaxada, claro, para começar a abordagem do final feliz. Mesmo assim não consegui simpatizar com Paul Langdon, pois passei toda leitura desconfiada de suas ações com Olivia, ainda que fossem boas.

Vamos falar das coisas boas primeiro! Como a maioria, estava curiosa para conhecer a escrita de Lauren Layne e não foi um começo muito agradável, apesar de ter bons pontos a mencionar. Porém, não quer dizer que eu vá desistir da autora. Apreciei sua escrita fluída e a maneira que ela se importa em nos apresentar os personagens, explorando as personalidades e a tensão. Há cenas eróticas, mas são poucas e acontecem só depois da metade do livro. Uma em especial, eu gostei bastante. He! E livros do estilo costumam ser meio vazios, como se o mundo fosse só o casal protagonista. Gostei do fato de ter alguns coadjuvantes por aqui e que de alguma forma, acrescentam algo a trama. Destaco Harry, o pai de Paul.

Um outro positivo, é que o 'novo' Paul precisa mudar e correr atrás. Todo mundo tem seu limite e enfim, a Olivia acaba impondo o seu e dá o espaço, não fica atrás vendo se tá tudo bem. Isso é na outra metade do livro, que até apreciei mais a narrativa.

"Se eu não interagir um pouco com outras pessoas, vou me tornar tão hostil quanto ele, uma fera infeliz que não é reeprendida por seu péssimo comportamento."

E vamos ao ponto que me deixou desapontada. Olivia é praticamente uma boneca - na verdade, a descrição dela é super Barbiezinha - e quando a bateria acaba, a personagem murcha. Entendo que por um erro no antigo relacionamento - sinceramente, nem é grandes coisas... Ethan tá nem aí mais - ela acredita que precisa fugir e aturar a grosseria de Paul. Da mesma maneira que entendo os traumas de Paul, por já ter lido e assistido alguns romances e dramas, que usam uma personalidade mais dura para o dito soldado ferido. O que não entendo é o nível de grosseria desnecessária que a menina se submete dentro daquela casa. Duas delas envolvem agressão, no qual a autora descreve perfeitamente: Paul agarra o pulso de Olivia e a empurra. E esse foi o ponto que me decepcionou bastante. E ainda lembro o fato dele ter explodido com a moça, porque ela foi caçá-lo no Google e saber sobre o ocorrido. Ele tinha feito o mesmo com ela, logo no início da história!

Cheguei a conclusão que minha leitura de Em Pedaços foi bem similar a uma outra que fiz esse ano: boa qualidade, mas derrapa na execução de um personagem. Eu aprecio e muito, romances com soldados tentando superar suas dores. Mas acredito e muito que haja uma abordagem diferente, sem apelar pra grosseria. A segunda parte do romance tem um clima melhor. Enfim, se você curte romances do estilo e a leitura te interessa, leia e forme sua opinião!

A edição está ótima. Até que os modelos da capa lembram um pouco os protagonistas. Boa revisão, mas não sou muito fã de diálogos com aspas. Os capítulos são divididos entre Olivia e Paul, assim amenizando um pouco as explosões de Paul. A escrita da autora prende e flui, então capaz de você terminar a leitura em praticamente um dia ou dois.

"Ficamos parados por alguns segundos, só nos encarando, Dois jovens mimados e em pedaços. Dois desastres..."

Os outros livros são focados em outros relacionamentos. O prequel é com Ethan, o ex namorado de Olivia, e o segundo é com o amigo deles (ou ex também), Michael.

site: https://cantocultzineo.blogspot.com/2018/12/livro-em-pedacos-lauren-layne.html
comentários(0)comente



Lay @livrossdalay 08/12/2018

Título: Em Pedaços
Autora: Lauren Layane
Editora: Paralela
Pág: 256
Nota: 5?

"Em Pedaços? conta a história de Olivia Middleton, uma jovem de 22 anos que mora em Nova York. O dinheiro de sua família sempre permitiu uma vida de sonhos para Olivia, que se transformou, aos olhos dos outros, na garota perfeita. Olivia é linda, inteligente e vive cercada de pessoas. Apesar disso, Olivia simplesmente largou a faculdade e está decidida a deixar Manhattan para ir trabalhar como cuidadora de um soldado que voltou ferido da guerra.

Quando Olivia anunciou seus planos, imediatamente passou a ser vista como uma garota caridosa e com um grande coração, disposta a deixar de lado sua vida de princesa para cuidar de um necessitado! No entanto, o que as pessoas não sabem é que Olivia só quer fugir, ir para um lugar bem longe? Olivia cometeu um erro terrível que a afastou das duas pessoas que mais importavam em sua vida ? Ethan e Michael ? e agora ela precisa de tempo para colocar a cabeça no lugar! Os três cresceram juntos e se tornaram melhores amigos. A amizade não diminuiu nem mesmo quando Ethan e Olivia começaram a namorar? Mas agora, depois de tudo o que aconteceu, toda a amizade foi para o espaço.

Esse livro com essa bela história me fez ver que apesar de todas as dificuldades e problemas na vida, o ser humano tem sim a capacidade de lutar se esforçar e reviver os sentimentos mortos dentro de si, é só se permitir.
comentários(0)comente



Pâm 07/12/2018

Legalzinho
É um bom livro, não do tipo nossa que livro! Rs. Mas tem seu valor.
A escrita te prende, tanto que não larguei, mas o romance entre os dois personagens principais é meio tumultuado.
Claro que tem um motivo pra isso é autora explica, mas fiquei meio com raiva do cara, achei ele muito grosso, praticamente o tempo todo, e algumas atitudes dele(na minha opniao) passava do limite. Ficava torcendo pra ela ir embora, e lá ia ela é aceitava de boa, as vezes nem discussão sobre o que aconteceu tinha.
Em resumo a história é boa, gostei do tema abordado e tal, gostei de como a autora colocou os personagens na dinâmica de viverem juntos forçados.
O que estragou foi o ?cara?, como já expliquei.
Mas recomendo esse livro, é um romance cheio de dramas, com um pouco de hot, virei fã da autora, amei o modo descontraído e simples que ela escreve e aborda temas não tão simples assim. É uma boa leitura.
comentários(0)comente



Caverna 06/12/2018

Após cometer um erro envolvendo o namorado, Olivia larga a faculdade e abraça uma oportunidade de emprego em outra cidade como uma fuga. Seu trabalho era ser cuidadora de um militar ferido, mas por não ter estudado mais a respeito de seu paciente, Olivia não tinha como estar preparada para o que encontraria.

Paul presenciou seus companheiros morrerem na guerra. Apenas ele sobrevivera após o ataque e de ser torturado, o que lhe rendera cicatrizes profundas em um lado do rosto e dificuldade de se locomover com uma das pernas. Paul se considerava um monstro pela aparência e se afundava cada vez mais na solidão e tristeza, afogando as memórias da guerra em garrafas de álcool e afastando todos os que ainda se importavam com ele. Paul não era um deficiente físico; apesar da perna debilitada e de usar uma bengala, ele conseguia se virar sozinho, mas seu pai insistia em contratar cuidadores para lhe fazer companhia.

Tudo o que Paul menos queria e precisava era de desconhecidos o encarando e julgando, e por isso nenhum deles durava muito tempo. O seu pai, portanto, dá um ultimato: se Paul quiser continuar morando na casa e tendo suas contas pagas, ele terá que permanecer com a nova cuidadora por três meses. Caso contrário, estará na rua.

Embora seu pai não saiba, Paul precisa do dinheiro para ajudar a família do amigo que perdera na guerra, então é obrigado a obedecer. Mas ele não esperava que Olivia fosse linda, jovem e desafiadora, o tipo de mulher que ele costumava namorar antes de todo o horror. Olivia o fazia se lembrar de como era ser normal e de tudo o que ele não poderia mais ter, e isso despertava nele o seu pior.

Olivia encontra certa dificuldade em executar sua tarefa de fazer companhia quando seu paciente se isola e a evita a todo custo, mas quando enfim ele começa a abaixar as guardas e passar mais tempo ao seu lado, Olivia percebe que está se enfiando numa grande enrascada, se apaixonando pelo homem lindo psicologicamente machucado.

Em pedaços é o título perfeito para esse livro. Quando Olivia chega à casa, Paul está exatamente assim. Não demora para ela notar que sua dor e suas feridas são muito mais psicológicas do que físicas. Paul não acredita ser merecedor da vida quando os seus demais companheiros estão mortos. Os momentos que vivenciou na guerra são muito presentes em sua mente, e isso o torna recluso e grosseiro.

Esse é o grande problema da obra. A premissa é maravilhosa e poderia ser extremamente comovente, mas só o final realmente me emocionou. O desenrolar me despertou sentimentos muito conflituosos. Que o machismo existe em muitos livros isso é verdade, mas em alguns dá pra gente relevar e prosseguir a leitura sem que isso altere a qualidade da história, mas nesse me incomodou e bastante.

Paul trata Olivia como lixo. Logo o primeiro encontro deles é vulgar e repulsivo. Paul já chega a beijando como um selvagem pra botar medo nela, provando que ele é mesmo um monstro e que é melhor ficar longe. Olivia leva a afronta como um desafio e não desiste de se aproximar de Paul, mesmo com suas frases grosseiras, ofensivas e desnecessárias. Tudo o que sai de sua boca é rude, seja pra ela, pro pai ou pra quem trabalha na casa.

Uma coisa é ser uma pessoa difícil. Outra é ser escrota. Olivia mesma diz como Paul é escroto, planejando vinganças como um menino mimado, uma que, aliás, a fez chorar, mas ela tem justificativa pra toda atitude dele.

Desde que comecei a entornar o nariz com essas cenas meu cérebro gritava: Isso está errado. Não importa o quanto você esteja sofrendo, não existe justificativa pra tratar alguém mal. Ele passou maus bocados na guerra? Viu sangue, morte e todo o tipo de coisas ruins que podem existir? Sim, mas isso não é razão pra descontar nela ou tratar qualquer um mal. Simplesmente não. Odeio quando os autores vem com esse papo nos livros. “Pisei em cima de ti mas no fim eu tenho um coração bom, ta?” Não! Ninguém deve se submeter a esse tipo de tratamento. Ninguém deve aceitar menos do que merece. Olivia foi um anjo, uma luz pra Paul o livro inteiro, e ele foi se entregar ao sentimento e se redimir com ela só nas páginas que se encaminhavam pro final.

Entendo que o passado de Paul foi cruel e que ele queria se afundar em sua própria dor. Isso é compreensível, assim como ele precisava de ajuda, embora não aceitasse, e por isso seu mecanismo de defesa era usar palavras rudes com o propósito de afastar a pessoa, mas existe um limite pra isso, que Paul passou e bastante.

Por outro lado, Olivia não é a mocinha que se faz de coitada e choraminga pelos cantos toda vez que ele lhe dá um fora. Ela é corajosa, determinada e rebate suas grosserias à altura. Ela o ajuda nos exercícios com a perna, mostra como seu rosto é lindo, como suas cicatrizes agora fazem parte dele, e como ele não deveria se envergonhar disso. Olivia é uma ótima personagem, e Paul não é de todo ruim, mas poderia ter parado de bancar o canalha bem antes.

Em pedaços é uma história de luto, dor, superação, e também sobre esperança. Uma história de altos e baixos em sua construção, mas que por fim traz uma mensagem valiosa e inspiradora.

site: http://caverna-literaria.blogspot.com/2018/12/em-pedacos.html
comentários(0)comente



@injoyce_ 03/12/2018

Em Pedaços
Paul é um homem quebrado... Queridíssimo na verdade.
Paul é um homem da Elite e quebrado pela guerra.
Todos nós sabemos os traumas que a guerra deixa na vida das pessoas...
Paul é quebrado mental e fisicamente.
Olivia também é da "elite", porém está fugindo de seu passado. E percebeu que não tem emprego melhor, que ser cuidadora de Paul na cidade pequena.
O que Olivia não esperava, era que Paul fosse tão jovem...
Para quem adora histórias de homens quebrados, irá amar em pedaços. Pois Paul e Olivia são duas pessoas quebradas que acabam com o destino cruzados. Cada um superando seu trauma, ou tentando viver com eles.
Uma história surpreendente, que me prendeu bastante e tirou da ressaca literária.
comentários(0)comente



Bruh Silva 03/12/2018

Em pedaços. ??
Olivia faz parte da sociedade de elite de Manhattan, a jovem tem um segredo, que guarda a sete chaves, segredo esse que a atormenta e a machuca. Na tentativa de se punir e esquecer o passado, Olivia deixa sua vida de lado e parte para o Maine, para ser a cuidadora de um soldado recém-chegado da guerra do Afeganistão.
Paul é um jovem de 24 anos, que trás no corpo e principalmente na mente as marcas da guerra. Com um temperamento forte, o jovem se mostra revoltado e furioso com a vida e principalmente com seu Pai, que em uma ultima tentativa de ajudar o filho, manda uma cuidadora para tentar humaniza-lo novamente.
Com a chegada de Olivia, Paul se torna mais hostil e rabugento, e Olivia que tinha tudo para se amedrontar e ir embora, permanece de cabeça erguida, o pé firme no chão e a certeza que ira ajudar essa alma sofredora e consequentemente a sua própria libertação.

Com uma releitura maravilhosa de A Bela e a Fera, Lauren mais uma vez conseguiu me conquistar. O livro tem uma narrativa fluida, envolvente e apaixonante, na trama a autora ira falar de cura, perdão, negação, convívio social e muito amor. A história tem uma narrativa que toca em nossos corações, sendo quase impossível não se sensibilizar ao menos uma vez com os traumas vividos por Paul.
Eu juro pra vocês que quando eu comecei o livro, eu não estava dando nada para a história. Tal foi o meu espanto, quando percebi que eu tinha terminado a leitura em menos de 24 horas.
O livro mostra o crescimento e amadurecimento dos personagens, além de nos presentear com varias lições para a vida toda. Então Resenheiros, eu super indico a leitura desse livro.
comentários(0)comente



76 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6