Os Noivos do Inverno

Os Noivos do Inverno Christelle Dabos




Resenhas - Os Noivos do Inverno


55 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Gramatura Alta 25/09/2019

http://gramaturaalta.com.br/2019/09/25/os-noivos-do-inverno/
Christelle Dabos nasceu em Côte d’Azur, uma região da costa francesa, e cresceu em Cannes, no meio de uma família de músicos, rodeada por história. Em 2005, Christelle mudou para a Bélgica, começou a trabalhar como bibliotecária e entrou para uma comunidade na Internet de autores, chamada de Silver Plume. Graças a isso, ela recebeu o incentivo necessário para se inscrever no Concours du Premier Roman Jeunesse. Dos mais de 1300 textos recebidos, um júri composto por editores, autores, jornalistas, livreiros e leitores, selecionou a obra de Christelle, OS NOIVOS DO INVERNO, como a ganhadora.


Ophélie nasceu em Anima, onde a tradição manda que os casamentos sejam entre primos, como forma de manter a linhagem, ou os espíritos familiares, termo usado por eles. Mas devido a um arranjo feito pelas Decanas, uma espécie conselho que administra Anima, Ophélie deverá se casar com um importante cidadão do Polo, uma região ao norte, onde reina o frio extremo, como forma de criar uma aliança e diminuir as hostilidades políticas.

Quase todos os habitantes de Anima e Polo possuem poderes. Os de Ophélie é ler o passado de objetos e atravessar espelhos. Ou seja, se ela tocar um livro, um pente, um copo, por exemplo, ela consegue ver todas as pessoas que já seguraram cada um desses objetos e o que elas fizeram enquanto os seguravam. Quanto aos espelhos, ela consegue entrar em um espelho de um armário e sair em qualquer outro espelho que ela conheça a localização.

No Polo existem três clãs que compartilham poderes distintos: a família dos Miragens, que conseguem criar qualquer tipo de ilusão externamente ou apenas na mente de uma pessoa; a família dos Teias, onde cada um consegue ver o que o outro faz, um compartilhamento de informações; e a família dos Dragões, que consegue causar dor em qualquer pessoa, como se uma garra as atacasse. E desse clã, os Dragões, que faz parte Thorn, o homem que irá se casar com Ophélie.

Thorn é o intendente do Polo, um cargo de grande importância e visibilidade, e que por isso mesmo, faz com que ganhe muitos inimigos. Ainda mais que ele é um bastardo, o filho da relação secreta de seu pai com a mulher de outra família. Graças a sua tia Berenilde, uma mulher de grande influência devido à sua ligação com Farouk, o líder do Polo, Thorn sempre esteve protegido. Mas isso não evita que seus rivais sempre confabulem contra ele.

O casamento de Thorn com Ophélie irá unir duas famílias poderosas, de regiões distintas, e os inimigos não querem que o poder dos Dragões aumente, ainda mais sob o comando de Thorn. Além disso, existe um motivo oculto, que envolve o líder do Polo, Farouk, e um objeto muito antigo, que poderá dar grande poder a quem conhecer seus segredos. E a única coisa que os rivais precisam fazer para impedir tudo isso, é matar Ophélie.

A base de OS NOIVOS DO INVERNO é bastante conhecida e usada em vários romances, sejam clássicos ou modernos: a união forçada de uma mulher com um homem poderoso, os dois se odeiam no início, mas aos poucos começam a se apaixonar e se unem para enfrentar um inimigo comum. Existem, literalmente, dezenas e dezenas de livros que contam essa mesma história, mas com personagens, locais e épocas diferentes. Entretanto, apesar da base ser um clichê, todo o resto é bastante criativo e interessante.

A região do Polo está representada na capa do livro, uma região construída em espiral, onde a temperatura chega a 25 graus negativos, comandada por três famílias poderosas que vivem no meio de intrigas, conflitos e assassinatos. Tudo é descrito de forma bastante vívida, com clareza, o que passa a dimensão de como tudo lá é incrível, impossível. Até os elevadores, que levam as pessoas pelos níveis, são formidáveis.

Ophélie é uma personagem cativante, detentora de poderes interessantes e que são usados com inteligência durante a história. Ela tem uma dose de rebeldia e de ousadia, gosta de confrontar pessoas com atitudes que não concorda. Não fica presa a convenções. Sempre que acredita que precisa fazer algo, concretiza seus planos, independentemente se não estão dentro das regras. É fácil gostar e torcer por ela. Principalmente por lutar contra o casamento forçado e por não se curvar diante de Thorn quando este é grosso no trato. Ela responde à altura.

Thorn é um personagem que aparece pouco no decorrer da história. E quando aparece, é breve, quase sempre com alguma grosseria ou desinteresse. Ele também não quer se casar, mas reconhece a importância do acordo entre as partes, principalmente devido a um outro interesse que só é desvendado mais para o fim do livro.

Existem alguns personagens secundários interessantes e importantes, como Berenilde, a tia de Thorn, que tem mais participação que o próprio. Ela tem um passado dramático, está grávida e é a única que tem alguma influência para proteger Ophélie enquanto Thorn não está presente. Roseline, uma outra tia, só que de Ophélie, também é importante e a única que está sempre ao lado da sobrinha. Suas atitudes intempestivas criam alguns trechos engraçados, além de ser a mais sensata diante de tudo o que vai acontecendo. Temos também o Cavaleiro, que é um membro da Miragem e é extremamente perigoso. Aparece apenas duas vezes, mas são suficientes para criar um certo pânico na leitura. Existem muitos outros personagens além desses que citei, que possuem mais ou menos importância, mas nenhum deles existe ao acaso, todos possuem um grau de importância no desenrolar dos acontecimentos.

Christelle Dabos tem uma escrita muito envolvente e uma criatividade invejável, o que é surpreendente, ainda mais por ser seu primeiro livro. Entretanto existem dois defeitos na narrativa que causam um pequeno desconforto. O primeiro é em relação à repetição de descrições e acontecimentos, principalmente em algumas agressões físicas sofridas por Ophélie. São quatro especificamente. A primeira pode até ter algum sentido, como forma de demonstrar a arrogância e prepotência de quem a agride, mas isso ocorre mais duas vezes, sem qualquer necessidade para a evolução da história. O mesmo pode ser dito da quarta agressão, provocada por uma armadilha, mas que também não tem qualquer propósito em uma sociedade civilizada e que destoa do restante da história.

O segundo é a falta de atitude. Há várias situações que oprimem e agridem alguns personagens mais de uma vez, e estes não tomam uma providência para que isso não ocorra mais. Como exemplo do que quero dizer, posso usar as próprias agressões físicas sofridas por Ophélie. Quando Thorn toma conhecimento, ele se revolta, fica preocupado, mas nada faz. Roseline, a tia de Ophélie, chega em um ponto da história que concorda que o arranjo do casamento foi um erro, mas não leva a sobrinha de volta para Anima ou toma qualquer outra providência. A própria Ophélie aceita o que sofre de forma resignada, sendo que não precisava. E isso acontece com vários outros personagens e em diversas situações. Além de que o próprio casamento, que segundo Thorn, logo no início do livro, seria a forma de manter Ophélie segura, não acontece, vai sendo prolongado sem um motivo razoável.

OS NOIVOS DO INVERNO é uma aventura tão bem escrita, que torna os problemas e os clichês, algo secundário, sem afetar muito a qualidade da obra. O livro é o primeiro de uma trilogia, chamada de A PASSA-ESPELHOS, e nota-se que a autora tinha isso como objetivo desde sempre. As informações dos mundos e dos personagens são passadas de forma cuidadosa, sem pressa, deixando o leitor se acostumar de forma bem natural. Tanto que não existe um clímax neste volume, o que não quer dizer que não exista ação. Mas é bem nítida a intenção de preparar o terreno para o que virá nos livros seguintes. Prefiro algo assim, planejado, do que aqueles autores que forçam uma extensão da história apenas para criar sequências.

A editora lançou a continuação este ano, que terá resenha em breve aqui no blog, sendo que o último volume já foi publicado lá fora, então não deverá demorar muito para aparecer por aqui. Enquanto isso, aproveite e leia. OS NOIVOS DO INVERNO é uma história empolgante, com personagens cativantes, que promete trazer muitas surpresas nos próximos volumes.

site: http://gramaturaalta.com.br/2019/09/25/os-noivos-do-inverno/
comentários(0)comente



EstanteColoridadaIsis 12/09/2019

#ResenhadaColorida
Ophélie é uma jovem que vive em Anima e tem poderes únicos: ela pode ler a história por trás de cada objeto e consegue atravessar espelhos. Ela é curadora de um museu e adora seu trabalho, mas tudo muda quando as Decanas, anciãs de Anima, decidem que é hora de Ophélie se casar e mesmo contra sua vontade, se vê noiva de Thorn, um homem frio e grosseirão do Polo.

Ela é levada para o Polo com o seu futuro marido e sua tia Roseline como dama de companhia. Na Cidade Celeste, a capital flutuante de Polo, Thorn é odiado por muitos, tanto por ser um bastardo quanto por ter um cargo visado. A notícia de que Thorn vai se casar se espalha rapidamente e isso coloca Ophélie em perigo. Ela não entende o que está acontecendo, principalmente quando é envolvida nos planos e armações da família de seu noivo. Tem muitas intenções veladas por trás desse casamento e sem se dar conta, Ophélie se torna um peão de um perigoso jogo politico.
.
.
.
💬Que fantasia deliciosa! "Os Noivos do Inverno" é uma fantasia de origem francesa que tem uma trama incrível e instigante e é cheia de elementos inéditos. Mas a cereja no topo do bolo é o mundo criado pela autora. A criação do cenário é impecável e muito original. Anima e Polo tem características próprias e marcantes e cada descrição de vestimentas exóticas, hábitos, casas e palácios me transportaram para dentro do livro. Foi uma verdadeira viagem.
A criação dos personagens também é muito boa. Ophélie começa tímida e inocente, mas no fundo ela é forte e inteligente. É muito bom ver ela redescobrindo seu valor e se desenvolvendo ao longo da trama. Já os outros personagens são complexos, não sabemos em quem confiar pois quase todos são dissimulados e traiçoeiros.

A narrativa pode ser um pouco lenta até o meio do livro, o que é compreensível pois estamos sendo introduzidos em um universo rico e diferente de tudo que já li.
Christelle criou uma trama criativa e envolvente que me deixou com muita vontade de ler o próximo livro da série. Recomendo para fãs de fantasia.

site: www.instagram.com/estantecoloridadaisis
comentários(0)comente



Lari 08/09/2019

Tenho que admitir que não esperava muito do livro quando comprei, mas hoje estou completamente apaixonada por essa história. O Thorn foi um personagem que foi difícil de gostar, mas pelo o que eu ouvi ele vai melhorando bastante, a Ophelie é uma personagem incrível que tem a sua própria maneira de se forte.
É um universo incrível, é maravilhoso aprender sobre, já pedi o meu segundo livro e estou completamente ansiosa para começar a leitura, uma pena que ainda os outros ainda não foram lançados aqui no Brasil.
comentários(0)comente



Valeska S. @vallserina 04/09/2019

Eu já quero é o lançamento do terceiro ...
Nome: Os Noivos do Inverno - A Passa-Espelhos #1
Autora: Christelle Dabos
Editora: Morro Branco / Fantasia /Young Adult / 416 páginas / 2018

Sinopse: Honesta e cabeça-dura, Ophélie não se importa com as aparências. Mas, por baixo de seus óculos de aros largos e cachecol desgastado, a garota esconde poderes únicos: ela pode ler o passado dos objetos e atravessar espelhos. A vida tranquila que leva em Anima se transforma quando Ophélie é prometida em casamento à Thorn, herdeiro de um distante e poderoso clã.

Agora, ela terá que deixar para trás tudo o que conhece e seguir seu noivo até Cidade Celeste, a capital flutuante de uma gelada arca conhecida como Polo. Ali, o perigo espreita em cada esquina, e não se pode confiar em ninguém. Sem se dar conta, Ophélie torna-se um peão em um jogo político mortal, capaz de mudar tudo para sempre.


Apesar do tema casamento arranjado dar aquela impressão de que a história pode ir para um rumo bastante clichê, a história acaba tendo rumos surpreendentes. Ophélie não fica nada feliz com esse casamento arranjado, e o noivo, Thorn, não ajuda. Em muitos momentos do começo do livro me senti frustada pela cabeça dura dos dois!! Cada atitude sem pé nem cabeça e não via a hora de Ophélie conseguir se impor perante a família super estranha e maluca de Thorn, a família qual ainda não decidi se amo ou odeio. Já Thorn vai se mostrando muito mais astuto do que inicialmente ele demostra, e a revelação sobre o passado dele nos faz mostrar mais empatia. Ele não tem expectativas sobre o casamento e isso são por razões que compreendemos mais a frente. A Ophélie fica realmente confusa sobre o que esperar desse "noivo". A autora vai desconstruindo lentamente o que "achamos" que sabemos sobre Ophélie. Ela como uma leitora excepcional e uma passa espelhos, vai se tornando alguém que começa a entender o jogos políticos de Pólo e forma sua própria opinião a respeito do que deve fazer e como agir, indo totalmente contra ao que as pessoas esperam e querem dela, e de uma forma que surpreende a todos. Todos os personagens são extremamente cativantes e a autora nos faz perceber nuances deles que não percebiamos antes, ela sabe realmente como construir personagens complexos e interessantes. O universo criado por ela também é uma maravilha a parte, pois ele é bastante imersivo, bem detalhado, que conseguimos criar na nossa mente exatamente o clima que a autora quer passar. O final aberto pode incomodar alguns mas entendi o que a autora quis passar, este é bem um livro de introdução a saga que foca mais nos personagens e nas descobertas que Ophélie, que com certeza irão se desenrolar nos próximos livros. Já a comparação a Harry Potter veio de uma forma bastante peculiar. Eu achei que o "casal" lembra um pouco aquele shipp bem conhecido como Draco e Hermione hahahaha Dramione para os íntimos. Tanto a questão familiar, quanto as características físicas dos personagens lembra os dois. Thorn um jovem sisudo, magro, de poucas palavras. E Ophélie, amante do Conhecimento. A família do Thorn lembra muito os Malfoy e eles sempre falam que os membros da família tem que ser de "sangue puro", ou são considerados páreas. Por aí tirem suas conclusões. Eu amei a história, quase não durmo porque não me aguentava de ansiedade para ler o próximo. Já vou encomendar o segundo. Sobre a edição, eu amo como a editora consegue trazer um livro de qualidade sem precisar Gourmetizar e fazer com que nos tenhamos que vender um rim pra comprar. Um preço em conta para um trabalho muito bem feito!
comentários(0)comente



Nicoly Mafra - @nickmafra 20/08/2019

#ResenhaNickMafra: OS NOIVOS DO INVERNO
Com tantas obras incríveis sendo publicadas, é bem difícil manter o cronograma de leituras atualizado; por exemplo, "Os Noivos do Inverno" foi publicado ano passado, e eu estava louca para ler a obra, porém, só fui conseguir encaixá-lo nas leituras desse mês, e Deus do céu...

-

Em um universo onde a magia é real e seus habitantes possuem diferentes poderes, Ophélie sempre conseguiu se camuflar atrás de seus óculos de aros grandes e seu cachecol especial. Com as habilidades extraordinárias de ler o passado de objetos com apenas um toque e atravessar espelhos, Ophélie, vivia uma vida sossegada e feliz cuidando do Museu de História Primitiva, até que sua família resolve arranjar um casamento para a garota com o herdeiro de um clã muito distante.

Deixar Amina, sua família e o museu que se tornou seu lar já é muito difícil, porém, ao chegar na Cidade Celeste, Ophélie percebe que sua situação é mais complicada do que ela imagina. Praticamente sozinha em um cidade desconhecida e perigosa, Ophélie descobre, da pior maneira, que é impossível confiar em alguém. Segredos, intrigas políticas e assassinatos... a vida da garota nunca mais será a mesma após sua visita à cidade flutuante.

-

Que universo encantador! Não é à toa que Christelle Dabos, autora desta obra, recebeu diversas premiações e emplacou em primeiro lugar de livro mais vendido na França. "Noivos do Inverno" é uma fantasia que me conquistou logo nas primeiras páginas; com uma narrativa leve e muito fácil de acompanhar vamos conhecendo aos poucos as facetas deste universo mágico e dos personagens misteriosos que compõem esta história.

O desenvolvimento desta jornada teve diferentes ritmos durante seus atos, porém, foi impossível largar a leitura. O primeiro volume da série "A Passa-Espelhos" me deixou encantada e ansiosa para a continuação, "Desaparecidos em Luz da Lua" - que foi publicado este mês pela @editoramorrobranco!

site: www.instagram.com/nickmafra
comentários(0)comente



Raquel 19/08/2019

Se alguém viu minha TBR de Fevereiro sabe que eu estava bem ansiosa pra ler Os Noivos do Inverno desde a Flipop do ano passado. Escrito por Christelle Dabos e publicado no Brasil pela Morro Branco, é uma fantasia francesa que me supreendeu e ao mesmo tempo me decepcionou. Ele é o primeiro volume de uma série chamada A Passa-Espelhos.

O nome da série vem da personagem principal Ophélie, que tem dois poderes: ler objetos e atravessar espelhos. A leitura de objetos é uma descendência da família dela que mora toda em Anima e tem como espírito familiar Ártemis. Nesta fantasia criada pela autora, o espírito familiar é a entidade suprema do local, a autoridade, imortal. Porém, como todo imortal, eles não são exatamente amigáveis com os inferiores, meros mortais.

Ophélie foi prometida de casamento ao misterioso Thorn, vindo do Polo. Essa atitude é bem estranha, visto que o costume é se casar com primos, mas foi escolha das Decanas, as únicas abaixo de Ártemis. Então essa decisão não pode ser revogada, isso foi deixado bem claro por elas.

Thorn é frio como o lugar em que mora, misterioso e, assim como Ophélie, não tem o mínimo interesse em se casar, ainda mais com ela. O espírito familiar de Polo é o Farouk, tão misterioso e exótico quanto os moradores da cidade.

Como exigência do casamento, Ophélie é tirada de sua casa, sem direito a voltar, e levada para o Polo com o seu futuro marido. Junto com ela vai sua tia Roseline para manter a segurança e a inocência da menina.

A cidade do Polo é algo além da imaginação, achei isso um ponto muito forte do livro, a cidade é suspensa e vertical. Sim, vertical! Além disso, toda a ambientação é muito bem escrita e muito bem imaginada. Eu literalmente me sentia em outro mundo. Como Ophélie não conhece muito bem o ambiente, você também fica um pouco confuso e perdido como ela, mas aos poucos tudo vai ficando mais claro conforme ela vai compreendendo a dinâmica do lugar.

No Polo existem várias famílias, cada uma delas com a sua especialidade. Os Miragens, como próprio nome diz, são capazes de criar qualquer tipo de ilusão. A Teia é como uma rede de fofocas 24 horas, 7 dias na semana, todos os membros dessa família são conectados e o que um vê ou ouve, todos os outros membros também sabem. E por fim, Os Dragões, onde Thorn pertence, eles são fortes e todos possuem Garras - no sentido metafórico - são capazes de ferir qualquer um sem sequer encostar em um fio de cabelo. Todos eles são identificáveis por tatuagens, cada família tem a sua.

Apesar da família de Thorn já ter sido respeitada um dia, eles caíram em desgraça quando Thorn nasceu. Isso porque Thorn é um bastardo e sua tia Berenilde o protegeu, correndo o risco de ela mesma ser expulsa da família.

No Polo, tudo é muito diferente, as regras são muito rígidas. Thorn é intendente, um cargo muito importante, o que faz com que ele seja odiado por muitos, principalmente por ser um bastardo ocupando o cargo. A notícia do seu casamento se espalhou rápido, o que deixa Ophélie em risco de vida. Ela não entende bem o por quê e não entende toda a proteção de Thorn com ela. Ela não deve confiar em ninguém, não deve sair de casa, não deve revelar em momento algum que é a noiva de Thorn ou estará correndo perigo.

Ophélie é uma personagem tímida e eu não dei nada pra ela em boa parte do livro, o que me incomodou. Eu tenho que me apegar a algum personagem do livro pra me envolver na história e se ele for narrado em primeira pessoa, tem que ser a personagem principal. Ela não é do tipo que segue as regras impostas e não se contenta com as poucas informações que dão para ela, mas suas explosões são bem esporádicas. Na maior parte do tempo ela só está irritada e fica resmungando que Thorn e Berenilde não dizem nada. Até metade do livro, ela só tinha tomado atitude e feito o que ela achava certo uma vez.

Os outros personagens são bem complicados. Thorn é extremamente frio, seco e sério, se preocupa mais com o próprio trabalho e imagem do que com o restante que acontece ao seu redor. Berenilde é um pouco mais doce que o sobrinho, mas também mais preocupada com o próprio umbigo. Já a tia de Ophélie, Roseline, é uma mulher bem perdida e com a boca grande demais, fiquei aguardando ela ser a responsável das confusões o livro todo.

Esse livro foi muito lento durante boa parte, só ganhou um ritmo melhor nas últimas 100 páginas; quase desisti várias vezes. O final deixa com uma vontade de quero mais, já que é bem impactante.

Ophélie cresceu muito na trama e resolve tomar atitude na vida, mas não sei se lerei o próximo volume. A autora perde tempo com várias cenas irrelevantes pro enredo e isso cansa, além de gastar 5 páginas numa cena importante, mas que poderia ter sido feita em 2 páginas. É bom dar importância para algumas passagens, mas sem exagero.

Um detalhe que é colocado na orelha do livro são os comentários de revistas e jornais e em um deles é dito que o livro está no mesmo patamar que Harry Potter. Quando li isso, me empolguei, apesar de pensar "não deve ser tudo isso, mas deve ser bom". Estava com médias expectativas, mas mesmo assim me decepcionei um pouco com ele.

Apesar do enredo, no fim das contas, não ter sido muito o que eu esperava, a ambientação é maravilhosa. Além da edição ter um mapa da cidade, que me foi útil, pois foi bem confuso no começo e uma "árvore genealógica" também muito útil. Fora serem úteis, esses dois itens são lindos e deram um charme a mais que somado a capa maravilhosa fizeram a edição entrar no meu top 5 de edições mais bonitas.

site: http://www.queriaestarlendo.com.br/2019/02/resenha-os-noivos-do-inverno.html
comentários(0)comente



Lucas Carty 16/08/2019

Um universo extremamente fascinante e uma trama hiper eletrizante!
Não é a toa que esse livro alcançou o topo de Bestseller na França (seu país de origem), e recebeu o prêmio mais importante de literatura em seu país.
O universo criado para essa fantasia é extremamente criativo e onírico. E um universo bem criado e desenvolvido sempre ganha meu coração.
O que é muito importante ressaltar sobre a trama desse mesmo, é que aqui temos uma história que nos faz segurar a respiração nos vários momentos tensos que se desenvolve. Então se prepare para passar muita raiva com os personagens e as situações que eles incidem.
Sem mencionar também os sentimentos de enclausuramento que sentimos pela descrição do cenário em que se passa a maior parte do livro, e toda angústia que sentimos pelos abusos e os descasos que nossa protagonista sofre.

De cara é um livro que nos chama muito a atenção por essa capa incrível, mas toda a edição está simplesmente impecável! Que livro lindo!

Apesar de não parecer, é um livro um tanto demorado de se ler, mas com uma leitura super fluída e muito prazerosa.
O motivo por eu não ter dado cinco estrelas para ele, foi apenas por ter achado que tiveram extensões um tanto desnecessárias, que se alongou muito algumas situações da história e nos deixou, em partes, com uma leitura maçante.

No geral, é um livro maravilhoso! E eu estou louco para começar a sequência "Desaparecidos em Luz da Lua"!

site: https://www.youtube.com/channel/UCIBILW90UnfOACXeivwUhwA?view_as=subscriber
comentários(0)comente



Luiza Helena (@balaiodebabados) 06/08/2019

Originalmente postada em https://balaiodebabados.blogspot.com.br/
Os Noivos do Inverno é o primeiro livro da série A Passa-Espelhos. Essa capa maravilhosa junto com a premissa sempre me chamaram atenção. Apesar de algumas ressalvas, foi uma boa leitura.

Ophélie é uma protagonista que vai estourar a paciência de todo mundo por ser muito apática e passiva. A leitora de objetos é humilhada e maltratada de tanta forma que tudo que eu queria era entrar no livro e dar um “ACORDA, GAROTA!” nela. Porém, são em pequenos momentos que ela mostra ter uma grande força interior e espero que esse lado seja mais explorado nos outros livros.

Essas situações que Ophélie passa achei um tanto compreensível visto que ela está um lugar novo, onde não conhece ninguém, e aparentemente todos ali já a odeiam simplesmente por ser noiva de Thorn. Ou seja, ela não pode confiar nem em ninguém, incluindo seu futuro marido.

Quanto a Thorn, ele ainda é um mistério para minha pessoa. A narração em terceira pessoa acompanha Ophélie ao longo do livro e vemos bem pouco do seu noivo. Até o momento, ele parece ser um homem com seus próprios planos, mas que realmente se preocupa com a vida e segurança de Ophélie no Pólo.

Por ser o primeiro da série, os Noivos do Inverno é um livro bem, mas bem, introdutório. Vamos acompanhar a jornada de Ophélie, desde a chegada de seu noivo em Anima até a sua ida para o Polo e a Cidade Celeste. Sendo sincera, o livro todo é só isso: mostrar todo o jogo de politicagem que ocorre na Cidade Celeste, apresentar os personagens e suas nuances, e mais nada.

Apesar de acontecer vários nadas, o livro tem um bom ritmo. A escrita da Christelle é bem fluída e descritiva no ponto certo. Os personagens secundários são todos em tons de cinzas e realmente não tem como Ophélie confiar plenamente em nenhum deles. O mundo criado pela autora é bem embasado e interessante com a questão das arcas e seus clãs, com seus poderes específicos.

Minha única reclamação é que, quase na reta final, alguns capítulos realmente aconteceram vários nadas relevantes à história. Nesse momento, a história ficou um pouco maçante, porém os capítulos finais compensaram. Esse detalhe me fez tirar meia estrelinha, pois se tivessem umas cinquenta páginas a menos, o livro seria um quatro estrelas fácil fácil.

Os Noivos do Inverno não termina de forma impactante, mas ainda assim te deixa instigado pela continuação. Desaparecidos em Luz da Lua é o segundo livro e já está em pré-venda.

site: https://balaiodebabados.blogspot.com/2019/08/resenha-412-os-noivos-do-inverno.html
comentários(0)comente



Ludy 05/07/2019

Inusitado
Os noivos do inverno (Série A passa-espelhos, livro 1) - Christelle Dabos
416 páginas/Editora Morro Branco


"Passar por espelhos exige enfrentar a si mesmo. É preciso ter estômago, sabe, para se olhar bem nos olhos, se ver como é, mergulhar no próprio reflexo."

Ophélie sempre levou uma vida tranquila em Anima, mas tudo muda quando se vê obrigada a casar.
Ela é mandada para o Polo - a arca onde mora Thorn, seu noivo -, e lá vai descobrir que a vida não é tão simples quanto pensa.
Em um mundo repleto de ilusões, Ophélie será jogada na "cova dos leões", e seus dons serão cada vez mais úteis.

Os noivos do inverno foi uma leitura que exigiu calma, precisei de tempo para me familiarizar com a ambientação.
O novo mundo foi dividido em Arcas, e cada Arca tem um Espírito familiar.
Ophélie é descendente de Ártemis e vive em Anima, todos pertencem ao mesmo clã.
Já Thorn é descendente de Farouk e vive no Polo, os clãs foram subdivididos.
Os animistas dominam os objetos, já as pessoas do Polo dominan a mente.

Fica nítido o quanto Christelle tem uma imaginação fértil; a história é original, rica em detalhes, mas por muito tempo é monótona.
Senti como se o livro todo fosse uma grande apresentação, visto que não acontece nenhum acontecimento extraordinário.
Talvez possam pensar que a leitura se tornou cansativa e arrastada, certo? Mas estão enganados, pois Christelle compensa a ausência de emoções fortes com uma escrita fluida e instigante, personagens e lugares excêntricos, mágicos e que vai envolvendo a cada página.
Ophélie parece uma personagem frágil, mas acredito que ela seja apenas contida. Ela vai crescer e surpreender.
E o romance? Bom, esse é tão improvável que ficou em último plano.
O foco fica nas relações "familiares"; é um jogo de poder, de querer ser mais, e todos acabam em uma teia de intrigas, mentiras, ilusões e desconfianças.

Os noivos do inverno é uma leitura mágica!
É aceitável por ser o primeiro de uma série, até porque o final deixa com gostinho de quero mais e promete uma sequência empolgante.
Uma leitura sobre família, sobre confiar em si mesmo e encontrar voz para mudar tudo ao redor.
Espero por mais...

#resenhaemalgumlugar

site: @emalgumlugarnoslivros
comentários(0)comente



Frida 26/06/2019

1º cap maravilhoso, queria que o resto fosse também
Minhas considerações:
- Se a história fosse literalmente só o capítulo 1 (tipo one-shot), sendo o resto deixado para a imaginação dos leitores, eu ficaria bem satisfeita.
- Achei que a proposta do mundo criado pela autora, os poderes dos personagens e o cenário, é bem interessante e original.
- Preferiria que o plot da história fosse diferente. Queria ver mais da história se passando na arca da Ophélie, por exemplo.
- A personagem principal não me chamou a atenção, não vi nada de especial. Os poderes são muito legais. Ela só se ferra o livro todo, o que me irritou.
- A melhor personagem é a tia Rosaline, divertida, espontânea, apesar de não ter muita relevância na história (servindo mesmo pra principal ter alguém pra interagir).
- Gostaria que tivesse explorado mais o personagem do Cavaleiro, fiquei muito curiosa com relação a ele.
- Gostei bastante da reflexão final na última página do livro.
- Eu leria o 2º volume, muitas coisas ficaram com a ponta solta e eu gostaria de saber.
- A escrita é ótima, nada a reclamar.
Nota final:
★★★★✰ ~ Gostei. Um ou outro ponto negativo. Não releria.
comentários(0)comente



Cecilia.Holanda 08/06/2019

Esse livro parece um filme do Studio Ghibli. Fantasia de muita qualidade e mundo e personagens muito únicos. Muito bom!
comentários(0)comente



Juu | @aquelabookaholic 23/05/2019

Uma fantasia surpreendente
Honesta e cabeça-dura, Ophélie não se importa com as aparências. Mas, a garota esconde poderes únicos: ela pode ler o passado dos objetos e atravessar espelhos. A vida tranquila que leva em Anima se transforma quando Ophélie é prometida em casamento à Thorn, herdeiro de um distante e poderoso clã.

Agora, ela terá que deixar para trás tudo o que conhece e seguir seu noivo até Cidade Celeste, a capital flutuante de uma gelada arca conhecida como Polo. Ali, o perigo espreita em cada esquina, e não se pode confiar em ninguém. Sem se dar conta, Ophélie torna-se um peão em um jogo político mortal, capaz de mudar tudo para sempre.
.
O título do livro pode até sugerir romance, mas esse, definitivamente, não é o foco. Na verdade, praticamente tudo no enredo me surpreendeu, por fugir, pelo menos nesse primeiro livro, do óbvio, e nos apresentar um cenário, no mínimo, peculiar e curioso.

Christelle construiu um universo original e muito bem descrito, impossível não se sentir em cada ambiente retratado. Além disso, a construção dos personagens é igualmente impecável. Assim como Ophélie, não sabemos em quem confiar, quais alianças formar, pois quase todos os personagens são dissimulados, arrogantes e traiçoeiros. Infelizmente, nossa querida e inocente protagonista só deve contar consigo mesma, algo que ela demora bastante a entender, mas em minha opinião não tira o brilho da história e nem diminui a personagem.

Outro ponto muito interessante são os poderes e habilidades de cada clã. Quem não gostaria de poder viajar através de um espelho? Conhecer as histórias que um objeto carrega? Mas não são só flores, tem uns poderes bem sinistros em outros clãs.

A narrativa chega a ser um tanto lenta, o que é compreensível pois estamos sendo apresentados a um universo rico e desconhecido. E é justamente esse cenário e seus personagens intrigantes que tornam essa leitura maravilhosa. Terminei ansiosa pelo próximo, e acredito que será uma série promissora. Não deixem de conferir.
comentários(0)comente



Izabel Wagner 12/05/2019

Uma grata surpresa !!!
"Contrariando as observações de alguns leitores com relação a escrita de Christelle Dabos, não fui capaz de considera-la poética em nenhum momento ao longo da leitura. Diria tratar-se de uma escrita rica em detalhes, criativa quando da construção de seu universo ficcional, dos personagens e poderes que busca apresentar, além de bastante madura e precisa com relação aos direcionamentos que pretende tomar. Este não é um livro difícil, complexo e denso ao ponto de perder o interesse de leitores menos acostumados, porém, é detalhado e construído de tal forma a agradar também os leitores mais exigentes.

Por delinear cada detalhe da trama com cuidado e precisão, permitindo a transmissão de informações cruciais acerca do contexto em que a personagem principal se encontra, possibilitando que a narrativa flua de maneira gradual, solucionando pequenas teorias enquanto formula outras muito mais amplas, também teremos a oportunidade de nos questionar sobre assuntos que, como mencionei antes, não serão abordados neste primeiro volume. Observando a estratégia da autora seria possível dizer que sua intenção principal neste livro é apertar o gatilho para que Ophélie encontre sua motivação própria, que o leitor compreenda profundamente o contexto em que a personagem se encontra e finalize o livro com grandes dúvidas sobre o que irá acontecer a seguir e como aquele mundo chegou onde chegou.

A narrativa é instigante, uma vez que novos elementos são apresentados a todo momento. É curiosa e criativa por demonstrar um mundo novo que, e digo isso pensando em minhas experiências prévias de leitura, nunca tive a chance de encontrar em outras obras de fantasia. É fluida e acessível, mas em momento algum perde a chance de mostrar maturidade além de uma porção encantadora de nuances. Aqui cenas, ações e comentários podem gerar diversas interpretações e é interessantíssimo perceber como podemos nos equivocar com cada indivíduo, cenário, poder e famílias."

Confira a resenha completa no Estante Diagonal.

site: http://www.estantediagonal.com.br/2019/04/os-noivos-do-inverno.html
comentários(0)comente



55 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4