A Vendedora de Livros

A Vendedora de Livros Cynthia Swanson




Resenhas - A vendedora de livros


36 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Cris Corradi 21/06/2018

Me decepcionei...
Embora a intenção da autora seja a interessante tentativa de refletirmos sobre algumas escolhas que fazemos na vida, achei o enredo fraco, confuso, personagens comuns e sem carisma algum. O Autismo é abordado de forma superficial e vaga, situações repetitivas e cansativas, rotinas descritas desnecessariamente, o que torna a leitura super arrastada. Muitas vezes pensei em desistir. Não me despertou curiosidade nem empatia pelas vidas das personagens apresentadas. Cheguei ao final na doce esperança que algo justificasse tamanha bobagem. Não encontrei respostas. Que pena.
Marcelo 22/06/2018minha estante
Eu também li esse livro na esperança de que ele ficaria melhor lá na frente... mas não ficou. Classifico esse texto como uma sucessão enfadonha de fatos e rotinas de uma personagem mal construída. A autora desperdiçou a chance de transformar uma grande ideia - abordar as "versões" de uma pessoa - em verdadeira literatura.


Lili Machado 30/06/2018minha estante
Minha opinião é outra. Me prendeu do início ao fim. Adorei a solução final. Confesso que algumas questões familiares me tiraram o sono. Genial.


Bruna Carolina 05/07/2018minha estante
Exatamente o que eu senti lendo! Também me decepcionei com a construção da história, principalmente porque tinha muito potencial. E a questão do autismo então! Ela não precisa fazer o livro girar em torno disso, mas tinha um tema muito bacana - o autismo da visão dos anos 60 - que ela realmente abordou de uma forma fraca e superficial. E não consegui sentir nenhum pouco de empatia pela personagem.


Vanessa Pipi 08/07/2018minha estante
Concordo com vc. Achei fraco e terminei pq queria ver o motivo dos sonhos ou devaneios e... to esperando ate agora ... rs rs. Não gostei!


Hannah 30/07/2018minha estante
Concordo com você.
Achei fraco, superficial e o final pior ainda... estava esperando um plot twist para salvar o livro, mas não... nada.. chato, chato, chato.
E o autismo então ? Não entendi pq usaram isso, visão superficial e desnecessária.
Enfim, decepcionante.




Albino 16/06/2018

Poderia ser bom mas não é.
Uma história de "dois mundos", onde a própria autora ser perde e não explica nada com nada. O livro se perde logo após sua metade. Um triste descompasso e duas personagens planas, previsíveis e sem nenhum mistérios, ou fator surpresa.

Faltou muito fôlego e desenvoltura da Cynthia. Uma grande pena.
Lili Machado 30/06/2018minha estante
Minha opinião é outra. Me prendeu do início ao fim. Adorei a solução final. Confesso que algumas questões familiares me tiraram o sono. Genial.


Cath 07/07/2018minha estante
Concordo com a Lili!




Soliguetti 26/06/2018

De tirar o fôlego
Quando um livro te deixa angustiado, pensativo, respirando pesado após terminar um capítulo, só pode se tratar de um livro excepcional. Felizmente esse é o caso de A Vendedora de Livros, de Cynthia Swanson, que já é, sem dúvidas, um dos melhores livros do ano.

Nesse romance, acompanhamos a história de Kitty, a vendedora de livros solteira que leva uma vida satisfatória. Sua rotina começa a ser abalada, porém, quando ela começa a ter sonhos recorrentes em que é casada e mãe de família. No começo, para a solteirona Kitty, os momentos que passa nesses sonhos são maravilhosos. Contudo, ela vai aos poucos descobrindo que esse mundo não é tão maravilhoso como ela imaginava. Pior ainda: seus sonhos começam a se tornar tão vívidos que ela não consegue mais dizer com certeza qual é de fato o sonho e qual é a realidade.

Além do enredo bastante original, somos levados aos charmosos anos 60, tempo em que a história acontece. A pesquisa histórica é minuciosa e impressionante. Detalhes minúsculos da rotina de Denver são apresentados como se a escritora fosse, de fato, da época.

Todo o cuidado histórico é aliado a uma escrita que flui perfeitamente. Havia momentos em que se passavam horas como se fossem minutos para mim, tamanha a fluidez narrativa de Swanson. Era como se fosse eu tendo aqueles sonhos vívidos, como se eu estivesse vivendo o livro.

Aliás, A Vendedora de Livros fez isso demais comigo. Com frequência, eu terminava um capítulo quase ofegante, sentindo todo o peso da situação vivida pela personagem. A angústia de Kitty era minha angústia. Qual é a vida real? Qual a vida que quero que seja real? Quero muito essa vida feliz de dona de uma livraria que divido com uma amiga, mas ao mesmo tempo não quero perder meu marido que, mesmo que só conheça em sonhos, já amo tanto... Seja lá o que for sonho ou realidade, o leitor sabe que perderá algo juntamente com a personagem, e isso traz uma angústia tão palpável quanto as duas vidas de Kitty.

Ao longo do enredo, várias dicas são dadas pela escritora sobre o que realmente está acontecendo. Alguém pode até dizer que acaba sendo previsível. Porém, até as últimas páginas, nem mesmo o leitor mais perspicaz pode afirmar com 100% de convicção qual é a verdadeira realidade. O leitor desconfia, é claro, e até chega a ter uma quase certeza bastante razoável - mas não passa disso, uma quase certeza. Cynthia Swanson só nos entrega a verdade quando realmente deseja.

Posso dizer sem medo de errar que A Vendedora de Livros foi uma das experiências mais imersivas que já tive com um livro. Raramente me identifiquei tanto com um personagem e sofri tanto com ele, a ponto de não conseguir largá-lo em alguns momentos.

Com maestria, Cynthia Swanson faz o leitor embarcar na Denver dos anos 60 e virar as páginas de A Vendedora de Livros desenfreadamente, enquanto perde o fôlego nessa experiência imersiva. Só resta para quem termina de lê-lo torcer para ir dormir e sonhar com mais um pouquinho da história de Kitty.
Lili Machado 30/06/2018minha estante
Também adorei. Me prendeu do início ao fim. Adorei a solução final. Confesso que algumas questões familiares me tiraram o sono. Genial.




Carla Priscilla 20/06/2018

Previsível
Começou bem, se perdeu no meio do caminho mas o final foi o mais previsível de todos.

Reforçando a ideia acima, o livro começou MUITO BEM, porém algo se perdeu no meio do caminho e as coisas começaram a ficar sem explicações e mornas demais.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Valerya 12/09/2018minha estante
O final eu não gostei muito não. Mas a leitura e leve e nos faz refletir.




Lizi Cordeiro 06/08/2018

A história é interessante, o roteiro não.
A história é instigante, mas deixou a desejar na forma como foi contada. Poderia ter sido muito mais atraente e viciante. Não foi.
comentários(0)comente



Vivi 04/07/2018

A vendedora de livros- Cynthia Swanson
Qual vida é a real dessa personagem.... a de Kitty Miller 1962, solteira, mora sozinha com seu gato Aslan, apaixonada por livros, sócia em uma livraria com sua melhor amiga, ex- professora ( profissão que não deu muito certo) os país são vivos mas estão viajando para comemorar décadas de casados. Ela até quase encontrou o grande amor de sua vida Lars mas algo terrível acontece com ele.
Ou Katharyn Anderson com muitos amigos, casada com Lars um homem que apesar de muitas dificuldades venceu na vida, tiveram trigêmeos vivem no luxo .
Acordada a nossa vendedora de livros é Kitty e dormindo é Katharyn. O desesperador é saber qual é a vida verdadeira dessa moça mas o final nos vai ser revelado.
O que se aprende nesse livro é que o nosso inconscientemente nós faz criar fugas em meio a perdas de pessoas que amavamos demais mas infelizmente não puderam seguir conosco e até mesmo decepções com pessoas queridas. Sim nosso cérebro é uma máquina incrível mas tb nos prega peças acredite.
A nossa era heroína aqui passou por isso . Em uma dessas vidas por meio de representações o algo era apontado com indício do que ela precisava melhorar e conseguir resolver seus conflitos em sia vida verdadeira mas ela só se dá conta no final. Outra coisa que fica bem clara não importa se vc é uma pessoa solitária ou a feliz , bem sucedida nada é perfeito, nada é 100% na vida de ninguém. Todos tem problemas, angustias algo difícil a encarar na vida. Não vou dizer que amei esse livro pq algumas partes foram chatinhas mas ele passa uma mensagem bacana no final. E confesso que me surpreendi com a vida verdadeira da personagens.
comentários(0)comente



Jéssica Santos 01/02/2019

Uma mulher pode viver duas vidas?
Somos apresentada a Kitty, Uma mulher solteira de 38 anos que trabalha em uma livraria no qual é proprietária e que divide o estabelecimento com sua melhor amiga, Frieda. Essa mulher não é casada, porém, o restante de sua vida corre divinamente bem. Ela tem pais; Sua amiga fiel e consegue resolver os problemas de leitura que seu vizinho de 9 anos enfrenta, ensinando-o por livre vontade nas horas vagas.
A segunda mulher, a dos sonhos, chamada Katheryn, é casada, tem três filhos lindos, MAS enfrenta problemas com um de seus filhos, com os pais e com a melhor amiga.
Dessa maneira somos levados de uma história a outra, quase como se ela tivesse personalidade múltipla.
No final no livro nós descobrimos qual dessas vidas, É a Real e qual é ilusão, e principalmente, descobrimos o motivo que a faz delirar entre esse mundo fantástico.
Eu diria que quem é psicólogo ou faz psicologia ou se interessa pelo tema, amará o livro.
Mas que isso, nós somos expostos ao que o nosso cérebro é capaz de criar diante de uma adversidade para escapar da dor.
Gostei muito.
Simplesmente não consegui parar de ler porque queria saber o que a levava de um mundo ao outro, e tive uma resposta super plausível para isso.
Nota MiL a escritora.
Caah 02/02/2019minha estante
Sou louca por esse livro, queria muito que alguma editora publicasse ele.


Ziza 02/02/2019minha estante
Parece legal


Jéssica Santos 03/02/2019minha estante
Já publicaram eu acho. Já vai virarbate filme. Esse ai é da tag inéditos


Jéssica Santos 03/02/2019minha estante
*virar até




Rusinha 28/06/2018

Adorei! O livro prende a atenção e faz a gente se perguntar todo o tempo como a autora vai resolver a trama. Além de nos fazer pensar um bocado sobre nossos sonhos, escolhas de vida, relacionamentos. Por um momento acreditei que o desfecho teria algo haver com a física quântica, mas foi muito mais para um lado psicológico. O livro é lindo, sensível e envolvente. Quase não desgrudo dele!
Lili Machado 30/06/2018minha estante
Eu achei que ela estava em coma...




Paulascrap 25/06/2018

Leitura leve e rápida , mas sem surpresas!.
📜Uma livro que eu não compraria pela sinopse, mas foi uma leitura que me prendeu desde a primeira página. 📜A leitura traça uma paralelo da protagonista entre o passado e presente , fantasia e realidade é isso nos faz querer emendar um capítulo no outro atras do outro para saber como terminará a história. 📜Uma professora frustada resolve abrir uma livraria de bairro com a melhor amiga. Na mesma época em que negocio começa a ruir e elas precisam decidir sobre mudar o ponto para uma shopping ou fechar as portas, Kitty começa a ter sonhos reais que a transportam para outra vida, seria isso uma fuga da realidade ou poderíamos ter outra resposta, quais pessoas realmente fariam parte de sua vida e quais estariam mortas nesse futuro . Poderia ela escolher qual realidade gostaria de permanecer ? 📜Gostei da leitura e leve e ao mesmo tempo intrigante, você não consegue largar, mas não sei ainda se essa proposta da Tag inéditos me agrada, não são livros que valem o preço pago, nada me surpreendeu até agora , continuo preferindo escolher minhas compras.
comentários(0)comente



Vicente 20/06/2018

E se...?
Quem nunca se perguntou como a vida seria diferente se determinada coisa não tivesse acontecido? "E se eu não tivesse conhecido aquela pessoa, como estaria minha vida hoje?" É a partir dessa pergunta que Cynthia Swanson constrói a narrativa de "A Vendedora de Livros", enviado de Junho da Tag Inéditos. No romance, conhecemos duas versões da mesma mulher. Kitty Miller vive em 1962 e é dona de uma livraria em Denver com sua sócia Frieda. Ao chegar em casa, sua única companhia é seu gato de estimação Aslan. No entanto, toda noite, ao adormecer, Kitty se vê transportada para um universo totalmente diferente, onde ela é Katherine Anderson, casada e com três filhos. Aos poucos vamos conhecendo a vida dupla de Kitty, os pontos em comum e as diversas diferenças entre os dois mundos. E assim vai ficando cada vez mais difícil, tanto para a personagem, quanto para nós leitores, dizer qual daqueles universo é real. Uma excelente surpresa com uma ótima narrativa que me fez querer devorar cada página até o final do livro.
comentários(0)comente



Morganna 07/07/2018

Que livro
Confesso que demorei mais do que o costume para lê-lo. Incrível como ele retrata a vida daquelas mulheres naquela época. Pensar que os médicos culpavam as mães por certas doenças do filho, fico pensando como era a cabeça delas... Gostei muito pelo fato dele me fazer refletir...
comentários(0)comente



17/07/2018

Demora a engatar mas é bom.
Livro bom. Demorou a engatar o que aconteceu só lá pela metade do livro. Mas interessante. Trata sobre o fato de nunca conseguirmos ter tudo que queremos e sobre termos que aceitar isso. Traz a questão do autismo também que achei interessante ler sobre.
comentários(0)comente



Ingrid.Oliveira 04/09/2018

Top 10 do ano
Eu diria até ?Top 5?, mas como ainda tem alguns livros na meta e outros que ainda entrarão esse ano, prefiro não me precipitar.

Mas tá, ok, ?top 5? até o momento, definitivamente!

O livro é muito bom. O desenvolvimento da história é super inteligente e envolvente. Já disse em outra resenha: adoro livros de estreia.

Esse livro é inédito no Brasil (ainda não lançado para o público em geral), mas espero de verdade que seja logo. A personagem principal é riquíssima e super interessante. E eu amei o final!

Vou acompanhar a tradução do novo livro da Cynthia pq ela realmente me conquistou :)
comentários(0)comente



neudsonpenha 30/07/2018

Quem somos e qual a nossa história verdadeira? Quantas histórias nós temos? Quem a escreve? O que é real em nossas vidas?

E se pudéssemos escolher?
Será que temos escolhas?
Kitty Miller é uma solteira convicta, sócia de Frieda Green em uma pequena livraria em Denver. Seu cotidiano é simples: pais amorosos, seu gato, drinkes e decisões profissionais a tomar. Mas em outros momentos ela também é Katharyn Andersson, casada com Lars, mãe de Mich, Missy e Michael. Uma vida de casada perfeita, mas com o passar do tempo, envolta de mistérios, desconfortos, desafios e decisões que marcarão para sempre as possibilidades de sua (s) vida(s).
.
Qual vida é a real e Qual vida escolher?

Uma pequena parte de mim começou a se perguntar o que é verdade e o que inventado".

"A mamãe pensa que não somos reais"
.
🖍 O livro traz uma narrativa instigante de como podemos perder as possibilidades de nossas vidas e de como podemos revê-las, a todo momento, da felicidade que buscamos e de que como não temos o controle dela própria...às vezes, o tão comum do dia a dia é a certeza de nossa felicidade...mas o que é a certeza.
.O romance nos prende também por ambientar uma história nos anos 60. Vale a pena ouvir a playlist e se deliciar com muitas referências literárias da época que são citadas constantemente.

Os temas são subjetivos e um pouco psicológico e não encontramos densidade nas temáticas sociais. Porém, tem-se o autismo e relações de migrações e de trabalho trabalhados como pano de fundo.
Para quem quer uma leitura leve, descompromissada e com um final, se não surpreendente, mas adequado e satisfatório, vale a pena...

Swanson, Cynthia. A vendedora de Livros; tradução Júlia Romeo. 1 ed. Rio de Janeiro: Suma, 2018. 380p.

Nota: 3,0.
comentários(0)comente



36 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3