Não Chore, Não

Não Chore, Não Mary Kubica




Resenhas - Não Chore, Não


22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Célica Oliveira 28/03/2019

Leitura arrastada do início ao fim
Há cerca de 6 meses, li sem pretensão alguma um best seller da Mary Kubica denominado "Garota Perfeita". Adorei. Fiquei entretida do início ao fim, fascinada com os personagens, a trama e, principalmente, o suspense. Fiquei tão satisfeita que sequer hesitei em adicionar "não chore, não" à lista de leitura. Mas, gente, que decepção!

O livro é narrado por Quinn e Alex. Quinn, inclusive, é tudo o que menos se espera em uma personagem de um Thriller., Super afobada, exagerou e dramatizou situações que, sinceramente, qualquer pessoa normal consideraria irrelevante.

Alex é, de longe, o personagem mais injustiçado do livro.
Mary traçou muito bem a sua personalidade, mas não soube ir além. A descrição dos pensamentos de Alex ficou tão repetitiva que eu quase dormi em certos trechos.

Continuei a leitura até o fim apenas para constatar coisas que eu já havia descoberto sozinha na metade do livro (obrigada por subestimar a inteligência de seus leitores, Mary Kubica).

Espero que seus próximos trabalhos tenham a mesma qualidade que "garota perfeita".
comentários(0)comente



Bela 07/03/2019

Começa lento e termina em um turbilhão
Comprei esse livro na lojinha virtual do Livros e Citações, ele estava em promoção devido à Black Friday e, se me lembro bem, paguei apenas 15 reais + frete. Foi minha primeira leitura do ano e eu estava com muitas expectativas porque adoro um thriller psicológico e já fazia algum tempo que não lia nada do gênero.

Tudo começa quando Quinn acorda em uma manhã de domingo e percebe que sua colega de apartamento não está em casa e a janela de seu quarto, que dá para a escada de incêndio, está aberta, como se ela tivesse saído às pressas pela saída de emergência. Quando Esther não volta para casa, Quinn liga para a emergência e ela e seu amigo Ben decidem que irão encontrá-la. Mas eles começam a descobrir diversas pistas suspeitas sobre Esther e Quinn se pergunta se, na verdade, não é ela quem está em perigo.

"Minha vida vale mil e quinhentos dólares?
Vale para mim.
Como se parece um assassino de aluguel? [...], eu me pergunto de novo, ficando mais e mais assustada. Ele é grande, brusco, tem voz gutural e ríspida? Lutadores de vale-tudo me vêm à mente. Mas vêm, também, homens magérrimos com piercings no rosto e um milhão de tatuagens. Viciados em drogas, esqueléticos. E então há os carecas, barrigudos e com óculos. Eles também me vem à mente. Um assassino é um deles ou todos eles? Ou uma combinação dessas características? É sempre um ele ou às vezes pode ser ela? [..] Será possível que Esther tenha contratado esse homem para tirar a minha vida?"

Por outro lado, conhecemos Alex, um jovem que terminou a escola e agora trabalha em uma lanchonete na pequena cidade em que vive. Ele cuida do pai alcoólatra e por isso acabou recusando uma bolsa de estudos. Desde então, tudo parece estar em câmera lenta, as vezes ele se pergunta o que está fazendo com a sua vida, ao mesmo tempo em que não vê outras alternativas para seguir. Até o dia em que entra uma garota diferente na lanchonete, ela parece saber o que quer e há algo nela que o atrai.

Aos poucos, Alex acaba se aproximando dela, mas as respostas ainda são escassas. O que ela estaria fazendo naquela cidade pequena? Quanto tempo ficaria? Porque está dormindo na casa abandonada e não em um hotel? Porque fica observando o consultório de psicologia do outro lado da rua da lanchonete em que ele trabalha? Qual é o seu nome? Quem é essa mulher misteriosa que tem mexido tanto com sua cabeça? A verdade é que ele não sabe nada sobre ela. E, nem nós. Ela parece ser Esther Vaughan, mas o fato de não revelar seu nome à Alex nos deixa com uma pulga atrás da orelha.

Essa falta de informações se mantém até a página 200 junto à uma leitura lenta e um tanto cansativa. Pois, as pistas que a autora nos entregou até então não nos me permitem montar um quadro completo, mais parecendo peças soltas em meio a um imenso quebra-cabeça. Apenas quando cheguei na página 204, que finalmente comecei a conhecer a protagonista, a descobrir sobre o seu passado e a entender o que de fato havia acontecido. Nessa hora a leitura engrenou e as ultimas 100 páginas passaram num piscar de olhos, eu simplesmente me sentei no meu sofá e terminei o livro.

O livro se divide entre os pontos de vista de Quinn e Alex. Quinn não é uma personagem que nos conquista facilmente, ela é preguiçosa e egoísta. Mas quando cheguei no primeiro capítulo do Alex, fiquei um pouco perdida, sem saber onde ele se encaixava na história e porque raios ele estava narrando aquilo, mas isso logo se esclareceu. Porém, sinto que a autora poderia ter sido mais sucinta em sua narrativa, pois o livro tem uma premissa muito interessante e eu gostei bastante do final que ela criou para seus protagonistas, então não pude evitar sentir como se a história não tivesse sido explorada da melhor forma possível, já que boa parte do livro segue num ritmo tão maçante.

site: https://www.sigolendo.com.br/
comentários(0)comente



Bianca - @ZumbiLiterário 19/02/2019

Personagem Predileto: Ben
Personagem Ranço: Genevieve

Em Chicago Quinn divide um apartamento com Esther, a garota perfeita. Aos domingos Esther canta no coral da igreja, sempre disposta ajudar a todos, mas algo muda. Quinn em um domingo acorda com o despertador de Esther, ainda sonolenta e de ressaca vai até o quarto de sua colega e encontra a janela, que dá para a saída de incêndio, escancarada. Coisa que não faz sentido, pois está muito frio e o quarto está vazio. Ela estranha o fato da amiga não voltar para casa e começa a investigar o que pode ter acontecido, repara que mora com Esther a um ano e não sabe nada da amiga, quem são seus pais, de onde ela veio e principalmente onde ela está.
Enquanto isso em uma pacata cidade Alex, trabalha em um café, como nessa época do ano não tem muitos visitantes na cidade, ele já conhece todos que entram naquele lugar e suas rotinas. Em uma manhã entra no café uma linda mulher que atrai Alex imediatamente. Ele cruza com essa estranha em outros lugares e cada vez mais tenta desvendar o mistério por trás dessa jovem, que não revela nem seu nome para ele.
Muitos mistérios em volta de duas garotas que se assemelham, onde será que Esther foi parar e quem será a jovem no café?

Narrativa em primeira pessoa, alternando entre Quinn e Alex, a escritora revela aos poucos os fatos, em vários momentos imaginei que já sabia o que aconteceu, lógico que me enganei muito! Não gostei de não saber o que estava acontecendo, assim os personagens e eu acabamos formulando várias possibilidades. O livro é um suspense muito bom, mas acho que gosto mais de saber o que aconteceu e depois o como aconteceu

site: https://www.instagram.com/p/BpI8K4Hn6i6/
comentários(0)comente



Deise.Maria 12/02/2019

Nao chore nao
Meu primeiro contato com essa autora, achei um suspense fraco embora o final me cativou mais, os personagens nao sao interessantes, achei a Quinn uma lesada e sem personalidade e o Alex um bobalhão,mas em suma o livro so despertou mais meu interesse pelo sumiço da Esther no final quando a história da familia Vaughan vem a tona.
Em uma noite a Esther some dandp início a busca desenfreada por sua colega de apartamento a Quinn, que aos poucos vai encontrando pistas do sumiço da Esther, o livto toda gira em torno disso ate que no final, ja em outra cidade a história vai se desenrolando, eu realmente acreditei que a Genieve fosse a Esther. Mas em suma pra mim um suspense fraco nao pela história em si mas pelos personagens que nao cativaram!
comentários(0)comente



Guynaciria 19/09/2018

Esse é o terceiro livro da autora Mary Kubica, publicado no Brasil, e ao meu ver é o mais fraco dos três.
Nesse livro temos uma garota com deficit de atenção, que divide um apartamento com Esther, uma garota enigmática, que segue uma rotina bem definida, se alimenta bem, e atraente, porém mantém distância da família e das pessoas que a cercam.

Esther acaba desaparecendo, mas o apartamento está em ordem. Será que ela fugiu, ou algo de realmente ruim aconteceu a ela?

Isso é o que vamos descobrir com o desenrolar da leitura. Com uma ajudinha de Quinn, a colega que divide o apartamento e que demora mais tempo do que o necessário para perceber que a amiga sumiu.

Quinn é bem chatinha, seja em seu fluxo de pensamento desconexo, seja em suas atitudes pouco maduras e no mínimo questionáveis, uma vez que ela está mais preocupada com uma possível rejeição da amiga e a perda de uma situação que para ela é bem confortável.

Por outro lado temos Alex, um garoto que vive em uma cidade do interior e que se envolve com uma moça misteriosa, que vai lhe trazer diversos problemas. 

O livro tem um suspense monótono, com pistas insignificantes sendo jogadas todo o tempo, o que torna o mesmo maçante.

Não recomendo.
comentários(0)comente



Malucas Por Romances 27/08/2018

Resenha completa no blog
Não Chore, Não é o mais recente lançamento da autora Mary Kubica aqui no brasil e o terceiro livro publicado pela Editora Planeta, nesse livro vamos tentar desvendar o misterioso sumiço de Esther.

O livro tem ínicio com Quinn, colega de quarto de Esther acordando sozinha e após um período de espera percebe que sua colega desapareceu, com isso ela entra na dúvida do que fazer e começa a se julgar por não ter reparado antes que a amiga tinha sumido e não somente ido dar uma volta.

E logo no capítulo seguinte conhecemos Alex, um rapaz que vive em uma pequena cidade e trabalha em uma lanchonete local, sem amigos e morando somente com pai alcoólatra. Após ser abandonado pela mãe ainda na infância, a vida dele é simplesmente um tédio, até a chegada de uma nova garota na cidade Pearl, essa que ele fica fascinado e quer descobrir tudo sobre ela.

"É difícil seguir em frente quando você mal consegue entender o que deixou para trás, ou o que deixou você para trás. Minha própria mãe já se foi há treze anos e não passa um dia sem que eu me sinta mal por isso."

E durante a história conhecemos diversos outros personagens, alguns muito significativo para a trama, outros que você fica simplesmente se perguntando qual é a diferença dele ali. No enredo a autora vai deixando algumas pistas sobre o sumiço de Esther, cartas aparecem e outros detalhes vão ficando no ar. O mistério em si eu descobri rapidamente, porém não foi isso que me fez ficar em cima do muro com esse livro.

Com a história contada em primeira pessoa o livro intercala entre Alex e Quinn, e durante todo o enredo que deveria prender a gente pra descobrir o que realmente aconteceu com Esther, nos vemos em diversas divagações, o que deixa o livro massante e o suspense monótomo. A capa do livro é um show a parte e foi o que realmente me chamou atenção desde o principio, a diagramação como sempre está linda e durante a leitura não encontrei nenhum erro ortográfico.

RESENHA COMPLETA NO BLOG

site: https://malucaspor-romances.blogspot.com/2018/08/resenha-nao-chore-nao-mary-kubica.html
comentários(0)comente



Terapia em Livro 22/08/2018

"Enquanto faço o caminho de volta, percebo uma coisa: alguém está aqui comigo, seguindo cada um dos meus passos"

A premissa do livro é bem legal, a escrita é boa, porém o desenvolvimento é beeem arrastadinho. Pelo menos a autora mantém o suspense o tempo todo, o que não me deixou abandonar o livro. O final é MUUUITO bom e a gente percebe o cuidado que a autora teve ao amarrar tudo direitinho.

"Não olho para a garota, não ainda, até me aproximar. É difícil olhar nos olhos da pessoa que planeja tomar sua vida - conscientemente ou não"

site: https://www.instagram.com/p/Blnnv-sHakG/?hl=pt-br&taken-by=terapiaemlivro
comentários(0)comente



Claudia 09/08/2018

Desisti de Mary Kubica. Autora de um só livro.
É uma autora que se supera a cada livro. PIORA! Quem chora é quem tenta ler, e não adianta a capa dizer "Não chore não ".
Alcione 09/08/2018minha estante
Haha é qual é o bom??
Já tentei um dela é não deu.
Cara,e tudo muito igual. Mais do mesmo.


Claudia 09/08/2018minha estante
Eu gosto dos anteriores dela. Esposa Perfeita é excelente.


Claudia 09/08/2018minha estante
Caraio confundi com a Karin Slaughter. Da Mary Kubica só o A Garota Perfeita prestou. Acho q o nome era esse.


Fernando Lafaiete 10/08/2018minha estante
Bom saber!! Já detestei Garota Perfeita... desse vou passar longe.


Simone de Cássia 10/08/2018minha estante
Eu sou bemmmm cismada...se não gostei do primeiro que li de um autor nem tento outro. Com essa Mary foi assim, o Garota Perfeita dei 3 com muito boa vontade... nem quis saber de outro...


Fernando Lafaiete 10/08/2018minha estante
Somos 2 Simone. Também dei 3 estrelas com MUITA boa vontade e graças a poucas coisas boas que enxerguei na história. Mas terminei o livro com raiva e dominado pela sensação de tempo perdido.


Drica 10/08/2018minha estante
Pois eu gostei muito de "Garota Perfeita" e "A Desconhecida". Vou ler esse logo, logo...


Alcione 10/08/2018minha estante
Então não quero nem ver. Detesto ler por ler. Ainda mais livro ruim. E difícil é chato forçar uma leitura.


Naiara Aimee 30/08/2018minha estante
Só gostei de A Garota Perfeita também kkkkk


Brenda 01/09/2018minha estante
O pior é que você só falou verdades kkkkk


Jessica Pereira 28/01/2019minha estante
Eu não gostei da Garota Perfeita. Dei 3 porque estava em um dia bom hahahaha. Nem arrisquei mais ler nada dessa autora.




Acordei Com Vontade de Ler 29/07/2018

"Não chore, não" é narrado em primeira pessoa por dois personagens: Quinn e Alex. Tudo começa com Quinn, uma jovem que sempre que possível, passa suas noites em barzinhos e baladas, dormindo com caras aleatórios. Quinn divide o apartamento com Esther, uma jovem completamente diferente dela. Para Quinn, Esther é algo chato e sem graça, que semanalmente vai à Igreja, não gosta de sair à noite e tem uma vida bem entediante. Então, uma manhã quando o despertador de Esther toca e ela não está em casa, sua janela está aberta e não há sinal de a jovem passou a noite em casa, ao invés de chamar a polícia ou fazer algo, Quinn decide voltar a dormir e curar sua ressaca. Sim, Quinn é uma amiga incrível...
"Em retrospecto, eu deveria ter adivinhado logo que algo não estava certo. O estrondo no meio da noite, a janela aberta, a cama vazia. Mais tarde, culpei uma porção de coisas por minha indiferença, desde uma dor de cabeça, passando pela fadiga até a estupidez galopante. Mas ainda assim. Eu deveria saber no mesmo instante que algo não estava certo." (p. 07)
Em paralelo, temos a narrativa de Alex, um jovem que mora em uma cidade portuária e trabalha em um café. Quando uma mulher misteriosa chega ao local, Alex sente-se intrigado por ela, mas ao invés de puxar uma conversa normal, começa a observá-la à distância, algo que se torna um pouco obsessivo. Ele até mesmo tem um nome para ela: Pearl.
A intriga do livro é realmente tentar entender a correlação entre as duas narrativas e Quinn e Pearl. Mary Kubica tem o talento de trazer reviravoltas inesperadas em suas obras e em "Não chore, não" não é diferente.
O que deixa a desejar no livro é exatamente a narrativa arrastada que Quinn e Alex realizam. Quinn passa muito tempo mais avaliando a si mesma do que se preocupando com a amiga enquanto que Alex tem uma vida bem triste e se apega a uma desconhecida e sua narrativa é cheia de divagações.
"Pearl não sabe que estou aqui. Rondando à distância, completamente oculto pela grossa neblina e pelos galhos de densos arbustos, eu a vejo levar a pá de jardim ao solo e começar a cavar." (p. 242)

site: http://www.acordeicomvontadedeler.com/2018/07/resenha-nao-chore-nao-mary-kubica.html
comentários(0)comente



Ronaldo 24/07/2018

Precisei de muita força de vontade pra terminar esse livro. Apesar do texto rebuscado da autora, a narrativa é muito tediosa, dando voltas intermináveis em cima dos mesmos pontos. O início apresenta a jovem Quinn descobrindo que sua colega de apartamento desapareceu e buscando pistas sobre o acontecido. Através da narrativa da amiga, vamos pintando um retrato de quem era Esther, porém as pistas que esta deixou pra trás, entram em conflito com a imagem que Quinn fazia dela e é então que a garota começa a questionar quem realmente era a pessoa com quem convivia. Falando assim parece interessante, mas todo o clima investigativo se perde nas divagações de Quinn, que é chata até não aguentar mais. A personagem tem a maturidade de uma criança da pré-escola, se lamentando por ter sido abandonada pela amiga, se culpando por não ter sido uma boa amiga, se questionando o tempo inteiro. Ela até toma algumas providências, como ir à polícia, mas a trama demora demais a se desenvolver, se focando nos dilemas de Quinn. Quanto ao outro personagem, Alex é mais um que me tirou do sério com sua passividade. O garoto, que vive numa pequena cidade e recusou uma bolsa de estudos para cuidar do pai alcoólatra, passa o livro quase todo seguindo os passos de uma mulher misteriosa e a relação entre eles parece que nunca vai sair disso. Tudo bem, que durante suas perambulações são mencionados diversos fatos do passado que terão relevância no desfecho, mas haja paciência pra tanta enrolação. O final realmente me impressionou, surpreendente, dramático, chocante. E é uma pena que um mote com tanto potencial tenha sido desperdiçado numa história muito cansativa.
Drica 24/07/2018minha estante
Ótima resenha, Ronaldo! Bem, se o final é como vc diz acho que já vale a pena a leitura, pois finais surpreendentes são cada vez mais raros de encontrar. Também vou levar em conta os outros livros da autora, que gostei muito.


Claudia 25/07/2018minha estante
Eu tb vou levar em conta principalmente o 1o livro da autora, Garota Perfeita acho. Que foi bem polêmico por sinal, mas eu adorei! O 2o achei chatinho, mas.... ela merece outra chance.


Drica 25/07/2018minha estante
Tbm gostei mais de "Garota Perfeita"




Carol 22/07/2018

Bom
Premissa interessante, com a escrita muito boa, porém o desenvolvimento é arrastado. Não há grandes acontecimentos ao longo do livro, mas ainda assim a autora consegue manter o mistério por trás da história de Esther. O final foi fantástico, inesperado e bem amarrado. Apesar de cansativo as vezes, para mim o livro valeu a leitura.
comentários(0)comente



Daniela 18/07/2018

Chato demais, demora a desenvolver, cheio de detalhes desnecessários. Só o final que é ok.
comentários(0)comente



K.G | @entaoeuli_ segue lá bb 17/07/2018

EXPECTATIVAS, NAO AS CRIE.
ENTAO EU LI NÃO CHORE NAO, E PACEIRAS... DA VONTADE DE CHORAR SIM, DE DECEPÇÃO!

Com essa resenha fechamos ai o " combo Mary Kubica" aqui no perfil! eu queria MUITO TER FECHADO COM CHAVE DE OURO, Mas infelizmente nao foi o caso.

Não chore nao, é o suspense psicologico mais recente lançado aqui no brasil esse mes, e o que me motivou a tazer a resenha dos outros livros. Nessa historia Nos acompanhamos a busca pela Ester. E essa busca é narrado pela sua colega de quarto Quiinn, que ao chegar em casa percebe que a amiga desapareceu, deixando apenas uma serie de bilhetes estranhos.
Ela vai a policia, mas precisa esperar alguns dias para que só entao o caso seja tratado como um desaparecimento.
No decorrer da trama UMAS COISAS MUITO ESTRANHAS VAO ACONTECENDO, e a gente vai percebendo que a palavra " amigas " talvez seja um pouquinho demais para descrever essa relação.
Temos um segundo narrador chamado Alex, ele trabalha em um fast food, e esta sempre observado de longe uma moça, que pra ele e diferente de todos os outros clientes que ali frequentam.
E praticamente e isso que eu conseguir entender desse livro. achei a trama MUITO CONFUSA, narrada de uma forma MUITO CHATA, foi uma historia que nao me cativou, EU NAO CONSEGUI ENTRAR NO LIVRO, NAO CONSEGUI VIVER ESSA BUSCA, NAO CONSEGUI SENTIR ESSES PERSONAGENS, Ou me interessar realmente pela historia.
A narrativa NAO CHEGA A SER CANSATIVA, ou aquele tipo que TE EMPACA E VOCE NAO CONSEGUE IR PRA FRENTE, aqui voce consegue, mas mesmo fluido nao é uma historia INTERESSANTE, não é um suspense que te transmite sensaçoes, que da frio na barriga, achei tudo bastante apatico.
mas com muito FOCO, FORÇA E FÉ, consegui chegar ao final do livro, que tem um desfecho MUITOOOO LOUCOOO, mas e uns plot twist de CAIR O QUEIXO, Porem a estrada pra chegar ai, É CHATA, ENFADONHA E SEM GRAÇA, e mesmo o final sendo legal, dessa vez pra mim nao salva a leitura.
2 estrelas.
comentários(0)comente



AntidepressivoLeitura 16/07/2018

Bom suspense
Quinn divide o apartamento com Esther e julgava conhecê-la, que conhecia o suficiente a seu respeito, confia. Porém, Esther desaparece misteriosamente sem deixar pistas, sem levar nada pessoal, e acaba descobrindo detalhes estranhos da companheira de apartamento que não suspeitava. Começa a temer pela própria vida, duvida de tudo que viveu com a amiga,agora tão estranha.
Alex é um jovem que trabalha num restaurante lavando pratos e vive com o pai alcoolatra, que cuidou dele desde os cinco anos, quando a mãe os abandonou. Suas ambições, se as tinha, foram frustradas para cuidar de Pops, seu pai. O vazio que sente é preenchido pelo surgimento de Pearl, uma moça bonita que aparece no restaurante e chama sua atenção e logo se envolve quando começa a conhecê-la melhor. Mas há muito mistério rodeando a aparição da moça, fazendo com que comece uma investigação pelas poucas informações que possui: qual seria a ligação dela com a casa abandonada de frente à que mora?
Essas duas vozes, Quinn e Alex, se revezam na trama cheia de suspense e que prende do início ao fim.
comentários(0)comente



Alice 16/07/2018

Maravilhoso!!!!!
Mary Kubica vem com mais um suspense psicológico arrebatador. E a cada virada de página a estória toma um rumo diferente, que te deixa sem entender o que realmente está acontecendo. E quando você acha que está começando a entender a coisa toda, eu pelo menos cheguei até a achar que Esther sofria de dupla personalidade, vem a autora e pá, te da um tapa na cara mostrando uma estória que você nunca imaginou.
comentários(0)comente



22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2