Não Chore, Não

Não Chore, Não Mary Kubica




Resenhas - Não Chore, Não


25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Ronaldo 24/07/2018

Precisei de muita força de vontade pra terminar esse livro. Apesar do texto rebuscado da autora, a narrativa é muito tediosa, dando voltas intermináveis em cima dos mesmos pontos. O início apresenta a jovem Quinn descobrindo que sua colega de apartamento desapareceu e buscando pistas sobre o acontecido. Através da narrativa da amiga, vamos pintando um retrato de quem era Esther, porém as pistas que esta deixou pra trás, entram em conflito com a imagem que Quinn fazia dela e é então que a garota começa a questionar quem realmente era a pessoa com quem convivia. Falando assim parece interessante, mas todo o clima investigativo se perde nas divagações de Quinn, que é chata até não aguentar mais. A personagem tem a maturidade de uma criança da pré-escola, se lamentando por ter sido abandonada pela amiga, se culpando por não ter sido uma boa amiga, se questionando o tempo inteiro. Ela até toma algumas providências, como ir à polícia, mas a trama demora demais a se desenvolver, se focando nos dilemas de Quinn. Quanto ao outro personagem, Alex é mais um que me tirou do sério com sua passividade. O garoto, que vive numa pequena cidade e recusou uma bolsa de estudos para cuidar do pai alcoólatra, passa o livro quase todo seguindo os passos de uma mulher misteriosa e a relação entre eles parece que nunca vai sair disso. Tudo bem, que durante suas perambulações são mencionados diversos fatos do passado que terão relevância no desfecho, mas haja paciência pra tanta enrolação. O final realmente me impressionou, surpreendente, dramático, chocante. E é uma pena que um mote com tanto potencial tenha sido desperdiçado numa história muito cansativa.
Drica 24/07/2018minha estante
Ótima resenha, Ronaldo! Bem, se o final é como vc diz acho que já vale a pena a leitura, pois finais surpreendentes são cada vez mais raros de encontrar. Também vou levar em conta os outros livros da autora, que gostei muito.


Claudia 25/07/2018minha estante
Eu tb vou levar em conta principalmente o 1o livro da autora, Garota Perfeita acho. Que foi bem polêmico por sinal, mas eu adorei! O 2o achei chatinho, mas.... ela merece outra chance.


Drica 25/07/2018minha estante
Tbm gostei mais de "Garota Perfeita"




Aione 29/06/2018

Não Chore, Não é o mais recente lançamento de Mary Kubica no Brasil. O livro é o terceiro da autora editado pela Planeta, que também publicou A Garota Perfeita, romance de estreia de Kubica, e A Desconhecida.

Em Não Chore, Não a jovem Quinn acorda em um domingo e percebe que sua colega de apartamento, Esther, desapareceu. Dividida entre a incerteza de algo de grave ter acontecido e de a amiga simplesmente ter ido misteriosamente embora, Quinn começa a buscar indícios sobre o que pode ter acontecido. Paralelamente, a vários quilômetros de distância, Alex vive em uma pequena cidade e tem sua rotina afetada pela chegada de uma jovem, que imediatamente o atrai e a quem ele nomeia Pearl. Sem conseguir parar de prestar a atenção nela, ele pouco a pouco começa a vigiar seus passos, e o que começa como uma simples paixão, logo evolui para algo mais sombrio.

A narrativa de Não Chore, Não é construída em primeira pessoa alternando as perspectivas de Quinn e Alex. Assim, é como se duas histórias diferentes começassem a ser contadas, deixando ao leitor apenas sugestões de como elas podem estar interligadas. Apesar de tanto Quinn quanto Alex fornecerem bastantes informações sobre Esther e Pearl, bem como das situações vividas por cada um, minha impressão era de que suas narrativas revelavam muito mais sobre si próprios do que sobre as jovens por eles acompanhadas. Assim, me vi em muitos momentos me perguntando mais sobre eles do que sobre as garotas, o que criou em mim a expectativa de receber mais informações sobre os narradores. Fui frustrada, é claro, uma vez que a história não é sobre eles, ambos apenas são porta vozes da trama desenvolvida. Por um lado, a estratégia de Mary Kubica foi ótima ao desenvolver a narrativa dessa maneira, uma vez que tanto Quinn quanto Alex desconhecem os segredos de Esther e Pearl e, assim como o leitor, passam a conhecê-las conforme a história avança. Se a narrativa se desse pela perspectiva das garotas, os artifícios para ocultar os mistérios e criar o suspense deveriam ser outros.

Apesar de ter ficado curiosa pelo desfecho de Não Chore, Não e de não ter sido capaz de solucionar seu final, o livro acabou por me decepcionar. Em primeiro lugar, a leitura não me prendeu. Demorei para avançar as páginas simplesmente porque não conseguia me envolver: tudo parecia se desenrolar de forma muito monótona, de maneira que pouco me vi atenta ao que lia e deixei passar muitas informações relevantes para compreender a trama. Ao final, quando tudo foi revelado, precisei retornar os capítulos para reler passagens que haviam sido lidas superficialmente e só então entendi melhor o desenvolvimento do enredo. Não sei se eu teria conseguido solucionar o mistério, caso tivesse feito uma leitura realmente atenta.

Não apenas o livro não me prendeu, como o final também me decepcionou. Em partes, gostei de como Mary Kubica criou a história e uniu as pistas pouco a pouco para chegar ao clímax. Em termos de estrutura, Não Chore, Não não deixou a desejar. Porém, foi a construção dos personagens e suas motivações o que me incomodou: não consegui me convencer pela escolha que levou ao desenvolvimento do caso. A situação criada pela autora certamente é polêmica e nos faz questionar o que faríamos se estivéssemos na mesma situação da personagem em questão; contudo, a maneira de como o conflito é desenvolvido é rasa, a ponto de ter sido difícil que eu aceitasse sua justificativa. Dessa maneira, o final fez com que a história não me parecesse verossímil. Em vez de eu me ver dividida e compreendendo a dificuldade da situação, apenas achei tudo um tanto quanto absurdo.

Assim, Não Chore, Não ficou aquém das minhas expectativas, criadas a partir da experiência positiva com A Garota Perfeita. De qualquer modo, ainda espero ler A Desconhecida para ter outra oportunidade de acompanhar o trabalho de Mary Kubica.

site: https://www.minhavidaliteraria.com.br/2018/06/29/resenha-nao-chore-nao-mary-kubica/
Josiane 29/06/2018minha estante
Quando a leitura se arrasta é péssimo... Não estava atenta a esse lançamento, mas agora quero muito ler e saber o que acho ;) Valeu pela resenha! Gosto muito de seus vídeos também!!




Diana 22/06/2018

Não chore, não, volte a dormir pequeno[...]
Os personagens principais não me cativaram tanto e eu achei o livro muito arrastado, mas mesmo assim continuei pois estava bastante curiosa sobre o desaparecimento de Esther.
O livro é dividido em 5 partes, cada parte refere-se a um dia da semana. A história começa no domingo e termina na quinta. E o livro só fica bom mesmo na parte final, quinta-feira, a história começa a pegar um ritmo que fica impossível parar de ler até saber o que vai acontecer. E eu bati na trave em relação ao mistério do livro, foi quase, rs.
Gostei bastante do final, e no geral foi um livro bom.
Nota: 3,5.
comentários(0)comente



Erica.Martins 20/06/2018

FINAL IMPREVISÍVEL, mas...
O começo do livro é bem arrastado do tipo vários nadas acontecendo, nas primeiras páginas já temos o sumiço da Esther escancarado mas daí em diante é só isso que rola no decorrer dos capítulos, que é a Quinn sua colega de quarto tentando desvendar o paradeiro da amiga com “descobertas” um tanto intrigantes, o que faz com que a história fique um pouco mais instigante para o leitor porque vira um desafio descobrir o paradeiro da bendita.

A narração é intercalada por Quinn e Alex, não tem muitos diálogos pois de início parece até duas histórias diferentes, não curti muito a escrita, achei um pouco cansativa e muito detalhada, não que seja ruim acredito que é mais questão de gosto, pois tem muitas coisas que são descritas que eu fiquei “Tá, legal! Mas e daí??? Quem quer saber?”

A partes narradas por Alex me deu um sono danado, a autora ela coloca tanto suspense no que está acontecendo ou no que pode vir acontecer que chega uma hora que a gente perde até o interesse (sabe aqueles programas sensacionalistas que na hora do vamos ver chamam o comercial? Me senti assim no fim de cada capitulo, o pior é que o início do próximo nada acontecia kkk...) dá vontade de ir direto para o fim do livro e descobrir tudo de uma vez e seguir a vida em frente. O livro tem 300 páginas mas a sensação que me deu era que tinha bem mais, li rápido porque a curiosidade humana é uma merda e todo autor se aproveita disso na hora de encher linguiça

Não achei os personagens cativantes, achei a Quinn uma paranoica, o Alex um rapaz bem bobo e estagnado na vida, o Ben parece que caiu na história só pra manter diálogo com a Quinn, a Esther é uma grande incógnita do tipo “complicada e perfeitinha” ... enfim não rolou simpatia não

Eu achei o final bem surpreendente e imprevisível, acredito que valeu a pena a leitura porque no fim das contas as coisas vão fazer sentido e os fatos narrados vão se entrelaçar, confesso que fiquei chocada com o rumo que levou. Porem na minha opinião para um livro ser excelente ele tem que se sustentar do começo ao fim, como disse no início achei a escrita arrastada, o que resultou a minha nota ser 3 (só pelo final)
comentários(0)comente



Leandraa 18/06/2018

Sufocante
Leitura concluida
Não chore, não
Autora - Mary Kubica


Sentimento q o livro causou ??
Uma historia de suspense sobre 2 colegas de apartamento onde numa manhã de domingo ocorre o desaparecimento de uma delas... com o pensamento q ela foi apenas comprar o cafe da manhã, a espera vai se tornando angustiante e aos poucos segredos e misterios vão tornando a história sufocante e angustiante...será q ela foi embora?, será q ela está em perigo? Ou apenas esta pregando uma peça?
Ao mesmo tempo conhecemos alex, um jovem de 18 anos abandonado qdo pequeno pela mãe e q vive com seu pai alcoólatra e o sustenta...sua carência por falta da mãe o faz olhar as pessoas e querer sempre ajudar, alem de ter uma alma solitaria....
Narrando o tempo de 2 personagens, vamos descobrindo segredos há muito tempo escondidos por quem ñ conseguiu controlar o destino...
Um livro q faz com q o leiamos o mais rapido possivel p saber pq o passado é tão assustador....
Livro otimo, meu primeiro Mary Kubrica, li em 2 dias....?
?????
comentários(0)comente



K.G | @entaoeuli_ segue lá bb 17/07/2018

EXPECTATIVAS, NAO AS CRIE.
ENTAO EU LI NÃO CHORE NAO, E PACEIRAS... DA VONTADE DE CHORAR SIM, DE DECEPÇÃO!

Com essa resenha fechamos ai o " combo Mary Kubica" aqui no perfil! eu queria MUITO TER FECHADO COM CHAVE DE OURO, Mas infelizmente nao foi o caso.

Não chore nao, é o suspense psicologico mais recente lançado aqui no brasil esse mes, e o que me motivou a tazer a resenha dos outros livros. Nessa historia Nos acompanhamos a busca pela Ester. E essa busca é narrado pela sua colega de quarto Quiinn, que ao chegar em casa percebe que a amiga desapareceu, deixando apenas uma serie de bilhetes estranhos.
Ela vai a policia, mas precisa esperar alguns dias para que só entao o caso seja tratado como um desaparecimento.
No decorrer da trama UMAS COISAS MUITO ESTRANHAS VAO ACONTECENDO, e a gente vai percebendo que a palavra " amigas " talvez seja um pouquinho demais para descrever essa relação.
Temos um segundo narrador chamado Alex, ele trabalha em um fast food, e esta sempre observado de longe uma moça, que pra ele e diferente de todos os outros clientes que ali frequentam.
E praticamente e isso que eu conseguir entender desse livro. achei a trama MUITO CONFUSA, narrada de uma forma MUITO CHATA, foi uma historia que nao me cativou, EU NAO CONSEGUI ENTRAR NO LIVRO, NAO CONSEGUI VIVER ESSA BUSCA, NAO CONSEGUI SENTIR ESSES PERSONAGENS, Ou me interessar realmente pela historia.
A narrativa NAO CHEGA A SER CANSATIVA, ou aquele tipo que TE EMPACA E VOCE NAO CONSEGUE IR PRA FRENTE, aqui voce consegue, mas mesmo fluido nao é uma historia INTERESSANTE, não é um suspense que te transmite sensaçoes, que da frio na barriga, achei tudo bastante apatico.
mas com muito FOCO, FORÇA E FÉ, consegui chegar ao final do livro, que tem um desfecho MUITOOOO LOUCOOO, mas e uns plot twist de CAIR O QUEIXO, Porem a estrada pra chegar ai, É CHATA, ENFADONHA E SEM GRAÇA, e mesmo o final sendo legal, dessa vez pra mim nao salva a leitura.
2 estrelas.
comentários(0)comente



Nay 30/06/2018

Nao deu.
Nao consegui terminar. Um livro q tem suspense tem q te prender no inicio com o gostinho de ""o qie vem agora"". Achei a leitura maçante e nada atrativa. Nao funcionou pra mim
comentários(0)comente



Carol 22/07/2018

Bom
Premissa interessante, com a escrita muito boa, porém o desenvolvimento é arrastado. Não há grandes acontecimentos ao longo do livro, mas ainda assim a autora consegue manter o mistério por trás da história de Esther. O final foi fantástico, inesperado e bem amarrado. Apesar de cansativo as vezes, para mim o livro valeu a leitura.
comentários(0)comente



Guynaciria 19/09/2018

Esse é o terceiro livro da autora Mary Kubica, publicado no Brasil, e ao meu ver é o mais fraco dos três.
Nesse livro temos uma garota com deficit de atenção, que divide um apartamento com Esther, uma garota enigmática, que segue uma rotina bem definida, se alimenta bem, e atraente, porém mantém distância da família e das pessoas que a cercam.

Esther acaba desaparecendo, mas o apartamento está em ordem. Será que ela fugiu, ou algo de realmente ruim aconteceu a ela?

Isso é o que vamos descobrir com o desenrolar da leitura. Com uma ajudinha de Quinn, a colega que divide o apartamento e que demora mais tempo do que o necessário para perceber que a amiga sumiu.

Quinn é bem chatinha, seja em seu fluxo de pensamento desconexo, seja em suas atitudes pouco maduras e no mínimo questionáveis, uma vez que ela está mais preocupada com uma possível rejeição da amiga e a perda de uma situação que para ela é bem confortável.

Por outro lado temos Alex, um garoto que vive em uma cidade do interior e que se envolve com uma moça misteriosa, que vai lhe trazer diversos problemas. 

O livro tem um suspense monótono, com pistas insignificantes sendo jogadas todo o tempo, o que torna o mesmo maçante.

Não recomendo.
comentários(0)comente



Márcia 27/07/2019

Antes de começar a ler um livro, eu sempre procuro resenha. Quando vi algumas resenhas deste livro achei q não iria gostar dele, mas terminei de ler. Porq algumas dizia que o final era surpreendente, confesso que foi, mas não de uma maneira legal. Eu esperei mais, porq a leitura foi envolvente mesmo q muitas vezes focava em partes aleatórias que não encrementava a história, ainda sim eu gostei. Mas o final poderia ter sido melhor.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Célica Oliveira 28/03/2019

Leitura arrastada do início ao fim
Há cerca de 6 meses, li sem pretensão alguma um best seller da Mary Kubica denominado "Garota Perfeita". Adorei. Fiquei entretida do início ao fim, fascinada com os personagens, a trama e, principalmente, o suspense. Fiquei tão satisfeita que sequer hesitei em adicionar "não chore, não" à lista de leitura. Mas, gente, que decepção!

O livro é narrado por Quinn e Alex. Quinn, inclusive, é tudo o que menos se espera em uma personagem de um Thriller., Super afobada, exagerou e dramatizou situações que, sinceramente, qualquer pessoa normal consideraria irrelevante.

Alex é, de longe, o personagem mais injustiçado do livro.
Mary traçou muito bem a sua personalidade, mas não soube ir além. A descrição dos pensamentos de Alex ficou tão repetitiva que eu quase dormi em certos trechos.

Continuei a leitura até o fim apenas para constatar coisas que eu já havia descoberto sozinha na metade do livro (obrigada por subestimar a inteligência de seus leitores, Mary Kubica).

Espero que seus próximos trabalhos tenham a mesma qualidade que "garota perfeita".
comentários(0)comente



camilasbc 02/07/2018

Surpreendente
'Não Chore, Não' é narrado em primeira pessoa por dois personagens distintos. Somos apresentados a Quinn uma moça com seus vintes e poucos anos, que decidiu sair da casa dos pais a pouco mais de um ano. Nisso ela acaba conhecendo Esther sua colega de apartamento. Apesar das duas se derem bem, possuem personalidades bem diferentes, em quanto Quinn é desorganizada e espalhafatosa, Esther é concentrada e metódica.
Alex nosso outro narrador mora com o pai que é alcoólatra em uma pequena cidade, sua mãe os deixou quando ele ainda tinha cinco anos. Hoje com dezoito anos trabalha em um restaurante que não é o emprego dos seus sonhos, mas mantem ele e seu pai alimentados e de baixo de um teto.

A história é separada pelos dias da semana após o sumiço de Esther em um sábado a noite, o que a principio não parece ser nada, Quinn tem quase certeza que a amiga foi apenas dar esfriada nos pensamentos, mas com o passar dar horas e sem receber nenhum telefonema ela começa suspeitar que algo pode estar errado.
Do outro lado da cidade uma mulher com olhos heterocromáticos aparece no café que Alex trabalha. Ele no mesmo instante se sente atraído pelo ar de mistério que ela possui.

No começo senti aleitura um pouco lenta. Apesar dos capítulos serem curtinhos e intercalados ente Quinn e Alex senti falta de algo que me cativasse, mas como já conhecia a escrita da Mary e sabia que ela era a rainha do plot twist, confiei que ela me surpreenderia, e foi exatamente o que ela fez.
Quando alguns fatos foram se desenrolando, e fui entendo o que estava acontecendo, ou pelo menos achava que estava (pobre de mim), minha vontade de saber quem era quem nessa trama foi crescendo até chegar o ponto de só largar o livro quando li a última página.
Minha vontade era fazer lindos origamis com o papel de trouxa que fiz, fiquei perplexa com o plot twist, era muito além do que imaginava, acreditem se quiser, mas até a capa me enganou.

Um thriller envolvente digno da rainha Mary Kubica, para quem gosta do gênero e ainda não conhece a escrita da autora indico esse por ser uma leitura bem rápida e com um final de tirar o folego.
comentários(0)comente



AntidepressivoLeitura 16/07/2018

Bom suspense
Quinn divide o apartamento com Esther e julgava conhecê-la, que conhecia o suficiente a seu respeito, confia. Porém, Esther desaparece misteriosamente sem deixar pistas, sem levar nada pessoal, e acaba descobrindo detalhes estranhos da companheira de apartamento que não suspeitava. Começa a temer pela própria vida, duvida de tudo que viveu com a amiga,agora tão estranha.
Alex é um jovem que trabalha num restaurante lavando pratos e vive com o pai alcoolatra, que cuidou dele desde os cinco anos, quando a mãe os abandonou. Suas ambições, se as tinha, foram frustradas para cuidar de Pops, seu pai. O vazio que sente é preenchido pelo surgimento de Pearl, uma moça bonita que aparece no restaurante e chama sua atenção e logo se envolve quando começa a conhecê-la melhor. Mas há muito mistério rodeando a aparição da moça, fazendo com que comece uma investigação pelas poucas informações que possui: qual seria a ligação dela com a casa abandonada de frente à que mora?
Essas duas vozes, Quinn e Alex, se revezam na trama cheia de suspense e que prende do início ao fim.
comentários(0)comente



Cris.Pimentel 13/07/2018

não chore não, mas vou entender se você chorar ...
.... de raiva por ter lido este livro.

Que.livro.chato.

Thriller tem que ter ritmo acelerado, tem que ser dinâmico, tem que prender da primeira a última página, e este livro NÃO tem nada disso, da primeira a última página os personagens divagaram e a narrativa se arrastou, arrrastooouu ar ras touuuuu...

Não recomendo não.
comentários(0)comente



25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2