O Sol da Meia-Noite

O Sol da Meia-Noite Jo Nesbø




Resenhas - O Sol Da Meia-noite


20 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Carodise 18/05/2020

É um livro que prende o leitor. Nos deixa aflitos, felizes e tensos o tempo todo. Jo Nesbo é um autor e tanto
comentários(0)comente



Sabrina.Varges 23/09/2018

O que falar sobre esse livro?
Quando terminei a leitura fiquei por um tempo imaginando o que eu poderia falar sobre esse livro além de que ele se tornou um dos meus livros favoritos da Vida!
Sabemos que Jo Nesbo dispensa apresentações como autor de vários sucessos, e o Sol da Meia-noite é um deles na minha opinião. Esse livro é o segundo da série Sangue Na Neve, apesar de não ter lido o primeiro livro não tive nenhum problema com a trama, visto que são histórias bem individuais pelo que pesquisei do primeiro livro.
Jo Nesbo traz uma escrita muito gostosa e fluída, não cansa em nenhum momento. Além disso o livro tem margens largas e tamanho de letra e espaçamento maravilhosos, tudo isso em páginas amareladas que deixa a leitura ainda mais confortável.
Se você assim como eu viu resenhas negativas sobre esse livro, eu peço que não desista dele assim tão fácil, eu resolvi dar uma chance e não me arrependi, espero que você também se surpreenda assim como eu.
Na minha opinião ele merece 5 estrelas com honras!!!

Sinopse:
Novo livro do mestre do thriller policial, autor do best-seller Boneco de neve Jon Hansen está com os dias contados. E precisa fugir. Ele traiu a confiança de seu ex-chefe, o traficante mais poderoso de Oslo, que quer vê-lo morto. Uma dívida de sangue depois de um trabalho malfeito, ou, mais precisamente, não feito. Agora Jon, ou melhor, Ulf precisa se esconder. E é em um pequeno condado no extremo norte da Noruega que ele encontra refúgio. Em meio à comunidade local, ele se sente relativamente seguro e incrivelmente atraído por uma viúva cujo filho conquistou seu coração. Seus improváveis aliados o abrigam em uma cabana de caça na floresta. A companhia deles desperta no fugitivo algo que ele pensava que estivesse morto havia muito tempo... mas os dias intermináveis sob o sol da meia-noite, a solidão, a paisagem plana, monótona e desoladora vão, aos poucos, levando embora o que lhe resta de sanidade. Até o dia em que recebe a temida notícia de que os homens de seu caçador estão a caminho.

site: https://www.leituraechocolate.com.br/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Vinny Britto 18/08/2018

Minha Grande Decepção de 2018
Sou fã de Jo Nesbo e gostei de todos os livros dele até ler O Sol da Meia-Noite. É sério, que livro ruim!!

Começa até interessante mas as páginas vão passando e simplesmente nada acontece. Sangue na Neve pelo menos tinha um ritmo frenético e ação quase o tempo todo, e aqui nem isso teve. E pra piorar ainda teve um finalzinho vagabundo exigindo uma continuação.

Se nunca leu nada do Nesbo foge daqui, vaza, passa longe, ou corre o risco de pegar ranço de um excelente escritor por causa de um livro horrível.
Belarmino.Alves 18/08/2018minha estante
Tive essa mesma experiência com joyland do king


Catiane.Nascimento 07/09/2018minha estante
Foi exatamente o que aconteceu. Não conhecia Jo Nesbo e escolhi esse livro pra começar. Tem tudo pra ser bom mas é bem fraquinho.




Giuliana.Fiori 09/04/2020

Livro muito envolvente, impossível largar até a última página!
comentários(0)comente



Luiza Boldt 21/06/2020

É um livro bom.
Sem dúvidas não é o melhor do autor, até porque eu achei o estilo desse diferente dos outros dele que eu já li.
Acompanhamos a fuga de Ulf ou Jon para um lugar ao norte, o que ocasionou sua fuga e uma perspectiva nova para sua vida.
Bem escrito e bem corrido, por se tratar de um livro mais curto. Super rápido de ler.
comentários(0)comente



Luiza 08/05/2019

O Sol da Meia-Noite
Depois de seis títulos lidos de Jo Nesbo, cada título (e só o título, diga-se de passagem) acaba despertando um frio da espinha por que você já imagina que a coisa vai ficar muito bizarra antes de se chegar a um desfecho.

No caso desse livro, o frio na espinha durou pouco: não apenas por se tratar de um livro mais fino do que os outros, mas também porque, apesar da capa sombria, lá para as bandas da Noruega, durante boa parte do ano, o sol aparece mesmo quando o relógio está marcando meia-noite, e, a partir do momento em que se internaliza isso, mais da metade da coisa assustadora do livro vai embora (risos).

Bem, essa história não é de Harry Hole, e sim de Jon Hansen, um homem que tem os dias contados por ter traído o maior traficante de Oslo com um trabalho malfeito, ou melhor, por um trabalho não realizado.

Para se esconder (ou, ao menos para tentar), ele foge para uma cidade ao extremo norte do país. A cidade é bem pequena, e ainda bastante marcada pela invasão alemã e russa durante a Segunda Guerra Mundial.

É em meio ao isolamento da cabana de caça que Hansen espera seu algoz, tendo companhia da expectativa de ser apanhado e da certeza de que receberá sua punição.

Foi bem interessante ver a escrita de Jo Nesbo ser desatrelada a Harry Hole: os personagens não possuem semelhanças escancaradas nem a história de fundo é muito parecida. Ao mesmo tempo, o toque sombrio de Nesbo continuou muito presente e as reviravoltas da história continuaram inteligentes.

Para quem não quer se arriscar com os “trocentos” (mentira, até o momento, são doze) livros do detetive Harry Hole, esse é uma boa indicação para conhecer o autor.

Eu dou a dica de lerem “Sangue na Neve”, que, ao que parece, pertence à mesma série que este livro. Os livros são independentes, eu não li (ainda) “Sangue na Neve” e não tive problema nenhum em apreciar este.

site: http://www.lerparadivertir.com/2018/10/o-sol-da-meia-noite-jo-nesb.html
comentários(0)comente



@jmich3l 05/03/2020

Jon traiu a confiança do maior traficante de Oslo. Agora fugitivo busca refúgio em uma pequena cidade isolada na Noruega não muito distante do Polo Norte. Lá encontra uma comunidade laestadiana onde se apaixona por Lea e inicia uma nova vida. Mas seu inimigo continua à espreita.
comentários(0)comente



Eduarda 22/05/2020

Bonzinho
Um livro não muito cativante, mas interessante.
Recomendo, porém precisa ser lido sem muita expectativa.
comentários(0)comente



Sabrina 08/06/2020

Não gostei
Meu primeiro contato com o autor, vou tentar novamente, quem sabe tenho mais sorte no próximo
comentários(0)comente



Ana 25/11/2018

Opinião
John é um cobrador de um importante traficante. Quando deixa de fazer um trabalho, passa a ser perseguido pelo seu chefe e foge para uma cidadezinha muito ao norte da Noruega, onde tem uma vida quase comum, até que seus perseguidores o encontrem. Diferente dos livros da série Harry Hole, ?O sol da Meia Noite? é mais um romance que um livro policial. É interessante, mas tem uma escrita totalmente diferente, sem o suspense e a violência constante nos demais livros do autor.
comentários(0)comente



Coisas de Mineira 30/11/2018

“ – Ouvi dizer que sua frase favorita é ‘a primeira vez é sempre pior’.”

Jo Nesbø é atualmente conhecido como o mestre do thriller policial. Sua aclamação se deu a partir da série de livros com detetive norueguês Harry Hole. Eu o conheci quando decidi ler Boneco de Neve, e como sou apaixonada por esse gênero literário, meu interesse foi grande. Outra paixão confessa minha é a literatura nórdica, que foi reacendida com o lançamento da saga Millennium, de Stieg Larsson (Suécia).

Acabei me tornando uma leitora da série do Hole e dessa forma fã do Nesbø. Nunca tive contato com nenhuma obra avulsa do autor. E fiquei feliz em ter a oportunidade de receber uma edição tão bonita e bem trabalhada como essa que a Editora Record lançou. Essa sensação aveludada da capa faz toda diferença para nós, amantes dos livros bem feitos e caprichados. A imagem que vemos é de uma paisagem bastante inóspita, toda em tons escuros e provavelmente buscando nos situar ao tempo e clima que se passa na região onde a história nos é contada.

“Um lobo? Eu achava que eles uivavam para a lua, no inverno, não para a porra do sol, que continuava naquele céu luminoso e sem cor.”

Essa é uma história curta, e a narrativa é bem descomplicada. O livro possui 224 páginas, e dependendo do seu ritmo de leitura poderá termina-lo muito rápido. Então, apresento a vocês Jon Hansen, que é o nosso narrador e um matador dissidente que foge de um sinistro criminoso. Ele começa a nos contar sobre sua vida de uma forma meio desorganizada. Ele filosofa um pouco, depois conta de um breve romance, que levou ao nascimento de sua filha Anna. Situa-nos também sobre o Pescador, seu empregador. Uma espécie de chefão das drogas – traficante mais poderoso de Oslo – que não leva desaforo para casa.

Podemos receber informações do passado de Jon em meio a um capítulo onde ele estava anteriormente nos contando sobre seu presente. Esse é o estilo dessa obra. Muitos fãs do autor não apreciam seus livros isolados. Mas acredito que nessas 224 páginas, Nesbø conseguiu conquistar minha atenção para o enredo que ele propôs, pois tive verdadeiro interesse em saber tanto sobre o passado, como sobre as atitudes futuras de Jon. E ele vai nos entregando essas informações em doses homeopáticas. Fato que nos conduz a diversas conjecturas imaginando o final de tudo isso.

“O Pescador sempre encontra o que procura. Eu e você podemos não saber como, mas ele sabe. Sempre.”

Empreendendo fulga, chegou a uma parte remota do planalto de Finnmark (Kåsund) – como dizia seu avô, o fim da linha. Jon buscou abrigo para poder descansar e uma figura inusitada conhecida como Mattis lhe indicou a igreja local como um lugar que estava sempre com as portas abertas. Apesar de seu ateísmo, acaba por procurar refúgio na igreja de uma seita cristã e estabelece a partir do amanhecer, um relacionamento com Knut, um menino de 10 anos e com sua mãe Lea. Ele se apresentou como sendo Ulf. E essas são personagens que fizeram toda a diferença na vida do protagonista. Senti que ele sempre viveu meio que por sua própria conta. Meio desgarrado e solitário. E nesse breve encontro com Lea e seu filho, ele percebeu a boa vontade de pessoas que nem o conheciam, e a troco de nada.

Nessa fuga desesperada, Jon carregou além de seus antigos problemas, agora, mais alguns novos: ele foi desestabilizado pela luz da região (o que nos remete diretamente ao título) e pela solidão de sua situação. Muito desesperador se ver no meio do nada, em um lugar isolado, sem ter pessoas em quem se confiar plenamente, e a espera que alguém venha cobrar sua dívida da pior forma possível. Senti esse sufoco daqui.

“Amo isso aqui por ser meu país. Então faço o que é necessário para defendê-lo. Como um pai que defende até o filho mais feio e burro, entende?”

Não senti que a leitura tenha sido daquele tipo frenética, que te amarra no fim de um capítulo a ponto de não querer largar o livro de tanta curiosidade. Nesbø sabe muito bem fazer isso. Mas, em O Sol da Meia-Noite ele me fez sentar e ler de uma vez só, mas pela simplicidade. Era fácil de acompanhar o desenrolar do que o narrador ia apresentando, e isso sim me fez não parar de ler. A qualidade da escrita de Nesbø tem características cinematográficas, e essa foi mais uma obra sua que não deixou a desejar. É muito fácil de imaginar uma adaptação da história da vida de Jon.

Em meio a toda essa confusão, Ulf vai aprendendo mais sobre as pessoas daquela cidade, em quais pode confiar, quais lhe podem ser úteis, e quem pode entrega-lo de bandeja em troca de algum dinheiro. Mattis e o pastor da cidade (que é pai de Lea) acabam tendo papéis fundamentais nas decisões de Ulf. São personagens que me deram certa impressão logo de cara, e que durante a narrativa eu fui construindo outros palpites a respeito deles.

O que mais gostei em O Sol da Meia-Noite, foi ficar na expectativa de saber o que Ulf iria fazer. Qual seria seu fim? Como pensa em lidar com um dos mais implacáveis matadores do Pescador que está na sua cola? Seu envolvimento com Knut e Lea será totalmente platônico? Essas são respostas que vamos obtendo conforme a narração vai se encaminhando para o fim. E Nesbø nos entregou um livro fechadinho. As questões vão sendo solucionadas, e o leitor pode se dar por satisfeito com o final.

“O agora se torna o depois, o hoje se torna ontem e assim por diante, numa porra de uma sequência infinita, porque não existe marcha a ré no veículo que chamamos de vida.”

Eu apreciei bastante a minha experiência com esse belo exemplar. Imaginar como era pra Jon/Ulf ter e ver as coisas em outra perspectiva (pois os dias são intermináveis) é algo que penso ser muito exaustivo. Não se deve dormir direito. Descansar, tampouco! Sem contar que Jon sempre foi alguém que viveu por instinto, mas acabou encontrando no extremo norte da Noruega uma chance de fazer sua vida valer a pena. Embora eu tenha construído rapidamente um final para essa história no meu mundo imaginário, o autor ainda assim conseguiu me surpreender com um final dramático, emocionante e muito tenso. E pra mim a nota é de 3,5 estrelas em 5.

Jo Nesbø nasceu em Oslo, na Noruega em 1960, mas ele só começou a escrever quando tinha 37 anos. Tentou ser jogador profissional de futebol, atuando pelo Tottenham na Inglaterra e o Molde na Noruega, mas seus joelhos não colaboraram, e ele desistiu. Também foi músico e serviu o exército norueguês, foi jornalista e corretor de ações. É considerado um dos mais bem sucedidos e talentosos escritores da Europa.

Por: Carol Nery
Site: http://www.coisasdemineira.com/2018/11/o-sol-da-meia-noite-jo-nesb.html
comentários(0)comente



Bart 10/01/2019

O Sol da Meia-Noite
Jo Nesbo

Continuação direta do livro "Sangue na Neve".
Jo Nesbo do meu ponto de vista, fala de violência/crime de uma forma até "meio romântica". Mais uma vez encontramos elementos de violência contra a mulher (acredito que o autor toque tanto nesse assunto com intenção de chamar a atenção para algo que muitos ainda fingem não enxergar), o livro não foca nesse assunto.

A trama acontece ao redor de Jon Hansen que depois passa a se chamar de Ulf, que foge de Oslo onde trabalhava para o "Pescador", agora o maior mafioso da região (ler Sangue na Neve). Ulf roubou o patrão q agora o quer morto. Fugindo, ferido, Ulf vai bater num pequeno povoado da Noruega chamado Finnmark, e lá pretende passar um tempo p/poder sumir, mas o que o "Pescador quer, o Pescador acha"!
No povoado, Ulf faz amizade com Knut um menino de 10 anos e sua mãe p/os quais ele pode trazer perigo se ficar mt tempo ali...

Livro massa!! Infelizmente fininho, mas mt gostoso de se ler, principalmente pelas conversas entre Ulf e Knut (kkkkkkk)!
Ótima leitura!
comentários(0)comente



mirna 10/03/2019

O Sol da Meia Noite
É mais parecido com um conto. História pequena com algumas passagens engraçadas que conta a história de um rapaz solitário e fugitivo que encontra em uma cidade pequena uma mulher sofrida com um filho de 10 anos e se apaixona por ambos.
comentários(0)comente



Carla 27/12/2019

Uma busca pelo sentido da vida?
Dei uma nova chance ao autor. Li Boneco de Neve e não gostei muito do tom da obra.
Com O sol da meia noite, no entanto, tive uma experiência diferente. A partir da fuga do protagonista para não ser executado pelo homem que pisou roubar, vemos a busca de um homem pelo sentido da vida. Com reflexões sobre fé e religião, acompanhamos John se esconder em um pequeno vilarejo isolado do resto do mundo por uma natureza inóspita.
Um homem pode se esconder do mundo, mas pode se esconder dos maiores anseios de seu coração?
O livro é curto e a ação não é tão grande, em alguns momentos parece mais um doença sobre os dramas da vida adulta, mas uma boa história.
comentários(0)comente



20 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2