O Reino de Zália

O Reino de Zália Luiza Trigo




Resenhas - O Reino de Zália


87 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


@Mihleituras 16/05/2021

Leitura rápida e fluída. Amei a evolução da Zália
comentários(0)comente



Jacq 16/05/2021

Me surpreendeu muito!!!
Comprei o livro para participar de uma leitura conjunta e confesso que fiquei um pouco receosa por achar que seria um livro infantil.
O livro me surpreendeu muito!!!
Gostei bastante da história! A narrativa e a escrita são muito envolventes e fluem super bem! Luly consegue trazer questões políticas, econômicas, sociais e culturais de uma maneira leve, envolvendo o leitor.
A leitura me entreteve e também me fez refletir sobre várias questões atuais.
Favoritado! ??
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Gabi Amaral 12/05/2021

Zália encanta
Por ser a segunda filha, a princesa Zália sempre esteve afastada dos conflitos da monarquia de Galdino, um arquipélago tropical. Desde pequena ela estuda em um colégio interno, onde conheceu seus três melhores amigos, e sonha em seguir sua paixão pela fotografia.

Tudo muda quando Victor, o príncipe herdeiro, sofre um atentado. Zália retorna ao palácio e, antes que possa superar a perda do irmão, precisa assumir o posto de regente e dar continuidade ao governo do pai. Porém, quanto mais se aproxima do povo, mais ela começa a questionar as decisões do rei. Para complicar a situação, Zália está com o coração dividido: ela ainda nutre sentimentos por um amor do passado, mas começa a se abrir para um novo romance.

Primeiro livro que leio da Luly e simplesmente adorei, a leitura é fluida, o começo eu dei uma arrastada mas depois eu só queria continuar logo a leitura para ver como ia ser a solução de todos os problemas. Eu sabia que ia ter um traidor nos romances de Zália, deve ser complicado não saber em quem confiar a sua volta. Gostei que o romance é leve e a história é mais focada na protagonista.
comentários(0)comente



Thaís 12/05/2021

Livro para conhecer a escritora Luly Trigo!
Esse é primeiro livro de fantasia de Luly Trigo, que narra a história de uma princesa se vê obrigada a assumir o governo do país em meio a revoltas populares, intrigas políticas, conflitos familiares e romances arrebatadores.

Inicialmente nunca tive conhecimento dessa escritora nacional até pouco tempo, apesar de aparentemente ser muito conhecida entre o público adolescente com suas diversas obras, inclusive uma delas adaptada para o cinema "Meus quinze anos". Mas diga-se de passagem que para um primeiro contato com a escrita e iniciar com "O reino de Zália" foi perfeito, pois trata-se de uma história de fantasia que se desenvolve em um reino com uma adolescente seus amigos e uns romances envolvidos, ou seja, o típico clichê. Mas que se pararmos para pensar tem muito a nos disser, pois no fundo e no desenrolar da história tem uma carga de denúncia aos governos corruptos, que muito nos cerca na sociedade fora da fantasia rsrs.

Então fica a dica e recomendação a vocês leitores que não conhecem as obras da escritora Luly Trigo, digo conheçam vocês não se arrependerão, pois é uma leitura levinha e bem gostosa de se ler.
comentários(0)comente



Markus Kalebe 10/05/2021

Leve e envolvente
A minha primeira experiência lendo um livro da Luly, já tinha tido contato com o seu trabalho com o filme "Meus Quinze Anos", a história de Zália é leve e envolvente. Alguns plots foram um pouco previsíveis e, em alguns momentos os personagens tinham atitudes que não condiziam com a idade que a autora propôs no livro (17 anos), eu senti que os personagens deveriam ter mais de 20 anos pelos assuntos propostos.

site: https://instagram.com/livro.semtitulo
comentários(0)comente



Umbookstan 09/05/2021

LULY TRIGO EU TE AMO
Eu recomendo muito esse livro, virou um favoritado da estante.

A escrita da autora é bem fluida e o leitor nem sente o livro passar
comentários(0)comente



Carla 08/05/2021

Amei!
Esse livro me surpreendeu demais... Já queria continuações, uma trilogia talvez?
comentários(0)comente



Renata.Grasiele 07/05/2021

Livros de mulheres fortes escrita por uma mulher forte!
Participei de uma LC, que me incentivou a conhecer Lulu Trigo. Pensei que sua temática talvez não me agradasse muito, mas fui surpreendida. O tratar de política, de relações familiares e corrupções foi algo que não achei que seria muito abordado, e isso sem perder o toque de leveza e romance que a história traz. Luly é ótima, o livro não tinha como não ser.
comentários(0)comente



clara 05/05/2021

gostei bastante desse livro !!! eu amei os assuntos importantes que ele trata e isso me deixa triste pq quem """cuida""" do brasil hj eh o bolsonaro?
enfim
eu odeio triângulo amoroso, um desastre, mas gostei que esse no fim foi fácil de aceitar o final e saber com quem eu queria que ela ficasse??
amei a julia personagem linda
n sei mais o que falar AH PERA
a saudade que eu tava da escrita brasileira meus amoressss as expressões que tinha tipo ?fuxiquei? JURO amo uma cultura
comentários(0)comente



Ana Paula 30/04/2021

Zália para presidente do Brasil kskksksksk
Gostei bastante desse livro, nunca tinha lido nada dessa autora então demorou um pouco pra acostumar com a escrita. Achei uma leitura leve e fluida apesar de ter demorado pro ápice da trama por isso o final foi meio corrido. Gostei muito da evolução da Zália, de menina a uma mulher em evolução. Os ideias são tão necessários que eu queria ela pra presidente do Brasil kkkkkkk. E uma coisa que me desagradou, foi o pouco desenvolvimento dos personagens secundários e o final acelerado que teria vários ganchos pra serem desenvolvidos. O romance que não é primeiro plano, também é pouco desenvolvido porém é bem fofo. E plot twist eu já imaginava porque desconfiei do ?fulano? desde o início mas o resto eu não imaginei, então foi bem legal.
comentários(0)comente



Lelê 26/04/2021

Raso e frio
Estou escrevendo isso depois de ler os agradecimentos da autora, e meu coração se parte numa mistura de culpa e arrependimento pelo julgamento que fiz durante a leitura. Nas últimas páginas, Luly fala sobre a insegurança, que, inclusive vivo constantemente em relação aos meus poucos escritos, sentidas no processo de criação do livro, sobre ele tê-la ajudado a superar a depressão e sobre o carinho que ela tem por essa história. Eu me conectei com a Luly Trigo ao ler os agradecimentos, sabendo como era sentir o que ela sentia e me imaginando com um livro físico em mãos. Um livro escrito por mim. Mas a verdade é que não me conectei nem um pouco com Zália.

A protagonista é a segunda na linha de sucessão real, sendo o seu irmão mais velho, Victor, o príncipe regente enquanto o rei, debilitado após o AVC, não pode assumir as responsabilidades da coroa. No entanto, após a morte inesperada do herdeiro em um atentado, Zália vê sua vida mudar completamente, se tornando algo que ela nunca imaginava viver: o reino está em suas mãos e o peso do mundo, sobre suas costas.

Na trajetória de Zália como governante, acompanhamos de perto seus relacionamentos, sentimentos, descobertas... Mas a forma como tudo isso é exposto ao leitor simplesmente não me prendeu. As descrições feitas ao longo do livro eram breves e muito vagas, deixando um trabalho confuso e cansativo para a imaginação do leitor terminar. Ou faltavam detalhes concretos, ou faltava a visão subjetiva de Zália sobre a coisa a ser descrita e suas observações, suas emoções, suas lembranças. Eu vivi 435 páginas ao lado da princesa regente, mas ainda não sei quem ela é.

Algo, porém, fica muito claro. Zália é uma garota confusa. Não de uma forma natural para uma adolescente que acabou de perder um ente querido e terá que governar todo um país sem fazer ideia de como começar. Não, para resolver isso ela precisa de menos de três meses. Ela é incrivelmente boa no que faz na política, apesar de estar constantemente se diminuindo e dizendo ser incapaz. Sua confusão se revela mesmo é quando ela tem que resolver problemas adolescentes como dois belos rapazes pelos quais se sente atraída. Um amor do passado insuperável e um homem do presente irresistível, mesmo que um tanto suspeito.

É ridícula a forma como esse triângulo amoroso é forçado. Não é como se ela tivesse vivido uma grande história de amor com Enzo e precisasse de um belo desfecho para ela. Foi algo raso, que poderia ter se tornado só algo engraçado para se lembrar no futuro. Quanto a Antônio, a cada movimento dele eu ficava mais embasbacada. Eles mal se conheciam quando ele, ousado, entrelaçou sua mão na dela. Mas até então tudo bem. O problema é que ele começou a se aproximar mais, a beijá-la sem permissão e muitas vezes ameaçava avançar mais. Para mim soava mais como um assédio que como cenas românticas de um casal apaixonado. Principalmente quando ela disse que ele não poderia a beijar e ele simplesmente o fez novamente logo após.

Como o relacionamento dela terminaria em ambos os casos, eu previ nos primeiros capítulos da história, assim como previ outras coisas mais. Sinto que eu devia ter ficado surpresa no final, quando tudo começa a acontecer e a se revelar, mas não havia nada de surpreendente. Esse é outro ponto negativo do livro: sabemos como tudo vai terminar, mas é uma eternidade até chegarmos nas últimas páginas. Nada acontece até mais da metade do livro. Acompanhávamos momentos que pareciam desnecessários, como uma semana inteira da rotina repetitiva da princesa com nada marcante acontecendo, momentos que poderiam ser agradáveis para quem lê se o conectasse aos personagens secundários que conviviam com Zália, mas não passaram de um tédio.

Em muitas das conversas de Zália nesses primeiros capítulos, vi uma tentativa de empoderá-la, mas que foram traduzidas por mim como não mais que falta de educação. Zália, querendo impor sua autoridade, muitas vezes é grosseira. Quando questiona as regras, querendo passar a impressão de ser diferente, acaba se parecendo mais com alguém que dá importância demais a coisas banais.

Com tantas páginas de livro, muitas são desperdiçadas com coisas desnecessárias e o final fica sem espaço, corrido. Tudo acontece de uma vez só, e por mais que eu entenda que esse efeito explosão tende a deixar tudo mais emocionante, foram levantadas diversas questões ao longo da história (como quem matou Victor, quem é a resistência, quem deve ser punido por corrupção, quem Zália ama...) que creio que poderiam ser respondidas com mais calma, clareza, e nem por isso de forma menos emocionante. 

Tudo é muito raso e frio. Senti como se estivesse lendo um esboço para a história original, um guia do caminho a ser traçado, que seria feita de forma mais completa e complexa. Mas nem tudo é um mar de espinhos, muita calma nessa hora! Vemos no livro a inclusão de um garoto negro e gay, Gil, amigo de Zália, e de um cadeirante, o rei, e um pouco das dificuldades de cada um. Julia, outra amiga próxima, também é uma figura diferente, que pelo que percebi parece ser de classe econômica inferior aos seus amigos, devido a seu conhecimento sobre a situação de pessoas que passam dificuldades. Esses personagens rompem com certos padrões que vemos em muitas outras histórias, em que não existem negros, não existem gays e não existem pessoas deficientes. ?e quando existem, é oi e tchau, apenas estampando um plano de fundo supostamente mais igualitário e realista. A própria Zália rompe com alguns padrões. Não me lembro de nenhuma descrição de sua aparência física, mas pela capa vemos uma menina de cachos, olhos e cabelos escuros e um corpo mais preenchido.

Também ficou muito nítido o país que estava por trás da fictícia Galdino. A lei da aposentadoria, a Resistência, os professores sem salário e diversas outras semelhanças propositais relacionando o reino ao Brasil. Ver como Zália conseguiu resolver tantos problemas em tão pouco tempo nos dá uma esperança e uma vontade de lutar como ela por um país melhor. Nos desperta algo que esteve por muito tempo adormecido: a certeza de que é possível e a vontade de tornar real.

E, bom, mediante tudo que foi dito acima ?e que eu não seja crucificada por isso?, resolvi dar 2.5 estrelinhas para Reino de Zália!
comentários(0)comente



Biazinha 04/04/2021

Eu não deveria ter julgado pela capa
Nossa, me surpreendeu DEMAIS.
Olhando a capa imaginei que fosse um livro infanto-juvenil rapidinho e fofinho, pra sair de uma ressaca literária.
Mas não foi exatamente assim, é um livro jovem adulto de certa forma bem fofo, mas com uma dose enorme de intriga política, um mundo muito bem construído, com até uma religião de certa maneira bem comentada e uma personagem principal MARAVILHOSA.
Tem plots muito bons e o casal é muito fofo, mas não é meloso.
Adorei a escrita da autora, me envolveu pra caramba, li em dois dias, e gostaria de mais 400 páginas pra continuar vidrada na história.
Fiquei ainda mais feliz quando descobri q o livro é escrito por uma autora do Brasil, MERECE MAIS RECONHECIMENTOOO, eu amei amei amei.
comentários(0)comente



Lenita.Chiuza 26/03/2021

Zalia é uma menina, que precisou encarar suas responsabilid
Antes do esperado
Conta história da família de Zalia e seus antecessores! Adorei como a história se desenvolve, como ela é forte e guerreira pra lutar contra até mesmo enfrentando seu pai pra combater a corrupção e fazer do reino melhor! A escritora está de parabéns! Me envolveu no início ao fim, não conseguia largar o livro!
comentários(0)comente



Ju 20/03/2021

Clichê
O Reino de Zália foi tipo um clichê governamental com tudo que tem direito, reis corruptos, assassinato de principe herdeiro que foi treinado pra isso, aí a irmã que foi criada longe de tudo isso precisa assumir o reino as pressas e começa a descobrir coisas interessantes sobre a resistência, sobre a corrupção no próprio governo, com brigas e enganações, sem saber ao certo em quem confiar. Ainda assim eu amei completamente o livro, a escrita é rápida, gostosa e envolvente, enquanto a nossa protagonista é uma adolescente em todos os sentidos, mas também consciente do seu papel com a verdade e com o povo enquanto regente de uma nação. Acho até que poderia ensinar uma coisa ou duas para alguns governantes por aí.

site: cosmosehistorias.blogspot.com
comentários(0)comente



87 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6