Dracul

Dracul Dacre Stoker...




Resenhas - Dracul


3 encontrados | exibindo 1 a 3


Jeff.Rodrigues 25/12/2018

Resenha publicada no Leitor Compulsivo
Provavelmente Drácula é um dos personagens mais conhecidos, temidos e fascinantes da literatura de horror no mundo. Não por acaso, a mitologia em torno das criaturas que se alimentam de sangue humano, os vampiros, tem na imortal obra de Bram Stoker um divisor, verdadeiro marco entre sua pré e pós publicação. Vale destacar que, erroneamente, muitos acreditam que Stoker foi o criador dos vampiros, contudo, existem dezenas de contos e histórias anteriores à sua obra, mas nada supera, nem de longe, a genialidade de Drácula.

O que poucos sabem é que o Drácula publicado e amplamente conhecido foi a versão final de uma obra que sofreu alterações editoriais, cortes e mudanças que modificaram muito da ideia original de seu autor. E partindo dos manuscritos, até então perdidos, de Bram Stoker, seu sobrinho-neto Dacre, junto a J.D. Barker, produziram uma obra singular, única, e que traz uma visão pra lá de genial e envolvente de fatos relacionados às primeiras aparições do tenebroso vampiro. Dracul – A Origem de um Monstro coloca o próprio Bram, e a família Stoker, como protagonistas de uma história trágica em que o sangue escorre pelas páginas e que vicia a ponto de não conseguirmos largar o livro até seu desfecho.

Mantendo a construção do romance original, com trechos de diários e fragmentos com a voz e a visão de cada personagem envolvido, os autores souberam construir um horror clássico, que traz novas possibilidades para interpretarmos uma história amplamente conhecida. O ponto alto é sugerir que toda a ficção em torno de Drácula foi, na verdade, uma história real, vivida pelo próprio Bram e seus irmãos. Para tanto, os autores lançam mão não só de ficção, mas a entrelaçam com fatos misteriosos da vida real de Bram Stoker. As teorias levantadas ganham um puta reforço com a nota final dos autores, que encerra o livro deixando perguntas instigantes na cabeça dos leitores.

Do ponto de vista da história contada, mergulhamos na infância de Bram, seus problemas de saúde e a misteriosa babá Ellen Crone. Esse passado se mescla com narrativas do presente em que, encastelado em uma torre, o já adulto Bram enfrenta o embate com as criaturas das trevas em todo o seu poder maléfico. Tudo isso apresentado a partir dos trechos dos diários de cada personagem, além de cartas ou anotações, fazendo uma mescla que vai se unir lá na sequência final para levar a um duelo de horror clássico, na tradicional luta de bem contra mal. Temos, assim, a melhor característica de Dracul: revisitar de forma respeitosa o mito dos vampiros, bem longe dessa infame romantização mela-cueca que séries juvenis recentes fizeram.

Dracul tem uma narrativa envolvente e com uma linguagem que se aproxima o máximo possível do romance original. E em alguns pontos, acaba por trazer novas interpretações para trechos do mesmo. Inclusive recomendaria aos leitores que curtem mergulhar de cabeça nas histórias que façam a leitura das duas obras em sequência para terem uma experiência super enriquecedora.

Horror raiz, tradicional, com muita tensão e cenas assustadoras, Dracul é um dos melhores lançamentos do gênero em 2018. Uma obra que vem para honrar as tradições do terror e mostrar que ainda há muito a se explorar na literatura dos vampiros, sem cair em clichês. Não só recomendo como aposto que esse livro tem tudo para entrar na sua lista de favoritos.

site: http://leitorcompulsivo.com.br/2018/12/23/resenha-dracul-dacre-stoker-e-j-d-barker/
Jossi 27/03/2019minha estante
Já li o 'Drácula' original três vezes, isso que é compulsão, rsss. Li também outro livro do sobrinho de Bram, o Dacre Stoker e adorei.
Agora vou partir para mais esse, "filhote" da ficção original do saudoso Bram Stoker. :)




spoiler visualizar
comentários(0)comente



douglaseralldo 03/11/2018

10 CONSIDERAÇÕES SOBRE DRACUL, DE DRAKE & J. D. STOKER OU MONSTROS NÃO MORREM
1 - Dracul parte dos manuscritos perdidos de Bram Stoker para não só revisitar o mito de Drácula, mas mais do que nunca para colocar autor e criatura num círculo tenebroso de horror e mistério retomando a tradição clássica da mitologia dos vampiros num romance capaz de pingar sangue;

2 - Para tanto, voltamos à Europa e a Dublin de Bram Stoker nos anos de 1847 e 1868 numa trama construída a dar asas à imaginação colocando a ficionalidade de Drácula sob suspeição e propondo que um dos maiores clássicos da literatura (e do horror) teria na verdade sido registro de experiências reais - e assombrosas - do próprio Bram Stoker;

3 - Com isso, o autor então passa a ser personagem e protagonista de uma nova obra que se dispõe a envolvê-lo diretamente na experiência com Drácula. Aliás, vale dizer que a narrativa dos herdeiros de Stoker ao mesmo tempo que traz luzes alternativas ao romance, não deixa de ser fiel a ele, em especial pela manutenção em grande parte da fragmentação de vozes expressas por diários, notas taquigráficas e epístolas, assim como na obra original. Tal construção é quebrada na terceira parte quando os autores partem para uma narrativa em terceira pessoa;

http://www.listasliterarias.com/2018/11/10-consideracoes-sobre-dracul-de-drake.html

site: http://www.listasliterarias.com/2018/11/10-consideracoes-sobre-dracul-de-drake.html
Giuliano.Behring 04/11/2018minha estante
Mas conta denovo a história do Dracula nesse livro, ou é outra história completamente diferente?


douglaseralldo 05/11/2018minha estante
É uma trama diferente mas que junta Drácula ao próprio Bram Stoker, como se o autor tivesse tido uma experiência com o vampirão e daí escrito o romance.




3 encontrados | exibindo 1 a 3