Minha avó pede desculpas

Minha avó pede desculpas Fredrik Backman




Resenhas - Minha Avó Pede Desculpas


17 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Luan 13/02/2020

Um agradável acidente de percurso
Nada melhor para um leitor do que esbarrar em uma obra de qualidade, em um autor “desconhecido” e cheio de qualidades. Conhecer personagens carismáticos e uma história coesa e muito bem desenvolvida. Essa foi minha experiência completa com a leitura de Minha avó pede desculpas, uma quase compra impulsiva de um livro um tanto quanto não conhecido no Brasil. Uma obra com ensinamentos, reflexão e diversão.

Na obra de Fredrik Backman, somos apresentados à história de Elsa, uma menina de – importante – quase oito anos, que tem uma relação de amor e ódio com avó. Elas têm grande proximidade e Elsa aprendeu a conviver com o jeito extravagante e despreocupado de viver da vó. Prestes a morrer, essa simpática senhora apronta todas. Mas é depois da morte que Elsa passa a ter ensinamentos e conhece quem era de fato essa mulher, através de cartas que ela deixa com pedidos de desculpas para diversas pessoas.

O livro em si é um grande ensinamento. Me deparei com ele em alguma rede social, regado a muito elogio. Li rapidamente a sinopse, pareceu simpática e decidi comprar. Não poderia ter feito coisa melhor. Fui totalmente surpreendido não apenas pela história, como também pelos personagens, pela escrita e pelas lições passadas.

Minha avó pede desculpas tem uma série de qualidades, como já deixei claro acima. Quero especificar algumas. A escrita. Como é bom sair daquele eixo de países populares e conhecer gente nova. Fredrik é sueco e entrega uma obra primorosamente bem conduzida. Não só nas descrições pontuais, na narrativa poética, mas também nos diálogos. São perfeitos, pontuais, sensíveis, como cada personagem pede pra ser.

Por falar em personagens, este é um outro item que merece destaque. A protagonista Elsa é ímpar. Algo poucas vezes visto. Conquista o leitor de primeira. É verdade que a vó dela ajuda neste processo, uma vez que também uma personagem incrível. Todas aquelas pessoas que Elsa vai conhecendo no decorrer do livro são tipos incríveis, cheios de personalidade e que saltam das páginas.

A condução da história e o seu desenvolvimento também são pontuais, coerentes com a proposta, com uma fluência que agrada o leitor. É verdade que tem alguns momentos que se tornam um pouco mais lentos e chatos, mas são poucos. É quando normalmente entre a narrativa da história de um mundo dos sonhos que a avó contava para a neta. Mas tirando isso, bastante pontual, com ótimo encerramento.

A diagramação é bem-feita e a capa é muito bonita. Sem ser piegas ou chato, Minha avó pede desculpas traz diversas lições pro leitor. Amizade, amor, empatia, respeito às diferenças, bullying... ufa. São apenas alguns dos vários ensinamentos que o livro traz de uma forma natural e bonita, que vai encantar do leitor mais jovem ao mais adulto. É tão bom quando acidentes como este acontecem para um leitor. Quero mais livros do autor, quero mais histórias singulares.
Eduardo 13/02/2020minha estante
Fiquei com muita vontade!


Luan 13/02/2020minha estante
Não vai se arrepender em momento algum


Eduardo 14/02/2020minha estante
Devidamente adicionado à wishlist ??




Jeff.Rodrigues 29/03/2020

Resenha publicada no Leitor Compulsivo
Se enxergamos bem, com aquele olhar que mora lá no fundo da nossa mente, talvez percebamos que a vida é um grande conto de fadas. É possível identificar semelhanças entre a rotina do nosso dia a dia, com sua confusão de sentimentos e relações interpessoais, com reinos dominados por heróis e vilões, monstros e mascotes. Talvez – e esse talvez é mais carregado de certeza do que de dúvida, a vida seja bem mais fácil de ser vivida e os obstáculos de serem superados, se conseguirmos enxergar esse grande conto de fadas. E nada melhor do que o aconchego do lar e da convivência de uma avó para despertar em nós esse olhar imaginativo, fantasioso e corajoso. É um aprendizado que nos molda para sempre.

A avó de Elsa é uma dessas pessoas que conseguem enxergar além. E ela fez questão de mostrar para a neta cada segredo guardado nas nuances da vida, e assim fazer com que a pequena superinteligente pudesse encontrar um refúgio para as dificuldades que logo cedo se impõe à frente de quem é considerado diferente dos demais. E sofre perseguições e consequências disso. Elsa sofre bullying por ser perspicaz demais para a idade. Pense, ela tem apenas sete anos, mas possui um conhecimento que supera, às vezes, o de seus próprios pais. E sua avó, excêntrica por natureza, encontrou no mundo da imaginação uma forma de preparar a neta para o mundo real e suas dificuldades. Mas tudo um dia tem seu fim. E a avó morre.

Como lidar com o luto da perda de alguém que amamos? Como descobrir quem era, de verdade, a pessoa por trás da heroína que nos ensinou a encarar a vida? Como entender que no meio em que vivemos, seja ele um condomínio, um bairro ou uma escola, existe uma variedade de sentimentos, dificuldades, idas e vindas, tragédias pessoais, sonhos abandonados, e que uma palavra nossa pode fazer a diferença? Essas respostas são o legado que a avó deixa para Elsa descobrir por conta própria a partir de uma série de cartas que a levam para desvendar não só seus vizinhos, mas também sua avó. Assim, Minha Avó pede Desculpas é um livro tocante, emocional e de extenso aprendizado. Porque são nos detalhes da nossa trajetória de vida que moram os grandes gestos que mudam as vidas ao redor.

Conheci Fredrik Backman através de Britt-Marie Esteve Aqui (aliás, ela está presente em Minha Avó pede Desculpas). Fisgado por seu estilo narrativo e pela maravilhosa e original história ali contada, decidi avançar em sua obra e desvendei o mundo de Elsa e sua avó excêntrica, mas dotada de um absurdo senso de dever para com o próximo. E encontrei pequenas lições sobre a nossa relação com o outro, o quanto nós podemos ajudar o outro a partir de pequenas ações, e como podemos lidar com o mundo a partir da imaginação. Descobri que a partir do luto e das tentativas de lidar com a ausência de uma figura querida, a avó, é possível crescermos, amadurecermos e mudarmos nossa forma de lidar com todos ao nosso redor. Elsa me mostrou isso.

Backman me surpreende por seu jeito descontraído e coloquial de contar uma história. De fato, é como se ele estivesse sentado num sofá e nós, leitores, à sua volta escutando. Porque a trama flui de uma forma cativante, encantadora e numa montanha russa de sentimentos e acontecimentos. A imaginação se funde ao real para nos mostrar as belezas da vida. A magia de ter sete anos e perder um pouco da inocência infantil para a dura realidade.

Minha Avó pede Desculpas é um livro de avó. Uma história que traz recordações e nos faz viajar nas mais gostosas lembranças. Porque todo mundo tem um causo gostoso envolvendo a casa dos avós. E todo mundo tem, em maior ou menor grau, a experiência da perda e do luto quando tudo isso chega ao fim. E Backman soube traduzir tudo isso em uma maravilhosa obra. Daquelas que a gente lê e relê e nunca se cansa. Porque tem gostinho de saudades. “Porque toda criança de sete anos merece um super-herói”. Talvez nós, adultos, também.

site: http://leitorcompulsivo.com.br/2020/02/16/resenha-minha-avo-pede-desculpas-fredrik-backman/
comentários(0)comente



Ana Paula Avila 27/05/2020

Encantador
Amei esse livro que conta sobre Elsa, sua avó maluquinha e suas histórias fascinantes. Para Elsa eram apenas contos de fadas, histórias sobre monstros, mocinhos, princesas e bandidos... para a vovó era uma forma de pedir desculpas a quem magoou e ainda deixando de presente para Elsa os melhores amigos que uma criança poderia ter.
comentários(0)comente



Taize @viagemliteral 22/06/2020

A vovó não era apenas uma pessoa peculiar, ela era a maior super-heroína, não apenas da vida da pequena Elsa, mas de todos os moradores da Terra-dos-quase-despertos.

?"Porque toda criança de sete anos merece um super-herói. E quem não concorda com isso realmente não tem nada na cabeça."

A pequena Elsa de quase 8 anos, como sempre deixou claro, era muito evoluída e extremamente inteligente. A jarra de palavras fazia parte de seu dia a dia, acumulando a cada vez mais novas palavras e conhecimento. A Wikipédia era sua maior fonte de novas informações, e os mais velhos, poxa, não conheciam esse site "superinteligente"! A série Harry Potter já havia sido lida, tipo, umas 10 vezes, e como a mesma dizia: em que mundo vive uma pessoa que não conhece Harry?

Vovó e Elsa viveram grandes aventuras, a idosa de 77 anos, e a criança de 7, tinham diferenças gritantes, enquanto um era um ser peculiar e não pensava nas consequências, a outra pensava pelas duas, mas, nunca, jamais, deixaria a vovó viver as aventuras perigosas sozinha.

Uma noite na cadeia, invadindo zoológicos, outras atirando nos vizinhos com a arma de paintball, mas o melhor de tudo eram as viagens à Terra-dos-quase-despertos. Era lá onde a magia acontecia, onde o mal nunca vencia, onde havia monstros, fadas e dragões!

Quando a vovó parte dessa vida e vai descansar em Miamas, um dos reinos da Terra-dos-quase-despertos, deixa uma missão para a pequena Elsa: proteger o castelo, fazer amigos e entregar todas as cartas com pedidos de desculpas, afinal, a vovó havia feito muita travessura na vida!
Elsa começa a sua caça ao tesouro, rumo a todos os pedidos de desculpas, e com isso foi percebendo que o mundo da fantasia que a vovó inventava, talvez estivesse mais próximo do que ela imaginava.

Já aconteceu com vocês de se apaixonarem por um personagem logo na primeira página? Foi justamente isso que aconteceu comigo quando conheci a Elsa. Uma criança - adulta, não pelas atitudes, mas pelos pensamentos tão sábios.

Elsa morava em um edifício, com três andares, todos eles com moradores super peculiares, me lembrou bastante a Vila do Chaves, afinal, cada um era bem diferente do outro, viviam brigando, mas acima de tudo, se amando e se ajudando. Ah, não podemos esquecer do Wurse, o grande amigo cachorro, que se fez presente na vida de Elsa nos momentos mais difíceis. Aquele cachorro enorme, com cara de mau, mas que amava chocolate, sonhos e um cafuné! Ele fora um dos melhores presentes que a vovó deixou!

Aqui temos uma história linda, cheia de altos e baixos, de grandes descobertas, de autoconhecimento, aceitação, amizade, família, tolerância e perda! Uma trama que funde a realidade com a fantasia, que nos deixa ávidos por saber mais a fundo quem eram os moradores, não apenas no edifício da Elsa, mas também da amada Terra-dos-quase-despertos, que se fez presente desde o início da trama!

"Minha avó pede desculpas" possui uma enredo profundo, tocante e único, e o legado que a vovó deixou para Elsa, a cavaleira mais corajosa de todo o mundo, e que a gente se apaixona de uma forma que nem 10 mil eternidades de contos de fadas poderemos descrever a profundidade, fora a maior prova de amor de um ser humano pode deixar para outro!
comentários(0)comente



Elaine Messias 04/11/2018

Sensacional.
Chorei oceanos e gargalhei por eternidades de 10000 contos de fadas. Às vezes na mesma página! Elsa tem quase oito anos e é inteligente demais, perspicaz demais e até petulante demais pra sua idade. E é pelos olhos dessa garotinha que procura o significado de todas as palavras difíceis na Wikipedia - e depois exige que elas sejam usadas no exato sentido literal - que descobrimos a história de todos os moradores de seu prédio e de como é injusto julgar as pessoas sem conhecer suas histórias. E, talvez principalmente, como são confusas as fronteiras entre o que devíamos sentir e o que sentimos de verdade.
comentários(0)comente



Gramatura Alta 12/11/2018

http://gettub.com.br/2018/11/12/minha-avo-pede-desculpas/
O romance do sueco Frederick Backman é singular na sua construção. Embora não seja narrado em primeira pessoa, quem conta a história parece ser uma criança. E não é a personagem principal, Elsa, uma garotinha de sete anos de idade. Mas poderia ser. Outra singularidade é a forma como as informações sobre a maioria dos personagens, e da vida pregressa destes, são transmitidas ao leitor. Isso é feito através de trechos de fantasias que a avó de Elsa contava para ela. Assim, cabe ao leitor conseguir identificar qual personagem se encaixa nessas histórias. E quando você consegue, são descobertas que emocionam profundamente. E uma outra singularidade é a nomeação dos personagens, onde os mais importantes não são chamados pelos nomes, mas por suas características únicas diante dos olhos de Elsa. Pai, mãe, Monstro, Nosso Amigo, Mulher da Saia Preta, Olhos Verdes, Menino com Síndrome… e, mesmo que você não acredito, isso faz muito, muito sentido dentro do contexto da história. Aliás, singular é a palavra que define MINHA AVÓ PEDE DESCULPAS.

Elsa é uma menina muito inteligente, atrevida, curiosa, corajosa, independente, singular. Ela tem uma relação aberta com sua avó de 87 anos de idade, uma mulher que passou a vida viajando e ajudando pessoas, mas, por causa disso, se afastou da família. Ela é uma mulher singular. As duas vivem implicando uma com a outra, mas não se separam. Elas se tratam como iguais, apesar das oito décadas de diferença, e não economizam palavras nas discussões. A avó conta para Elsa histórias fantásticas de um reino cheio de aventuras mágicas e personagens incríveis. Mas a avó fica doente e falece. Mas antes, deixa para Elsa uma caça ao tesouro: a menina precisa encontrar algumas cartas e entregá-las a seus donos. Nessas cartas, a avó pede desculpas ao destinatário. Então, Elsa, com a ajuda de um Monstro e de um wurse, começa sua própria aventura, enquanto descobre que as histórias que a avó contava, na verdade, eram reais, muito reais.

Quase todos os personagens de MINHA AVÓ PEDE DESCULPAS, vivem no mesmo local, um pequeno prédio de apartamentos. Britt-Marie e Kent, um casal que parece perfeito; Lennart e Maud, que abrigam uma criança com síndrome e a mãe dela; o Monstro, um homem enorme, barbudo, que possui uma cicatriz no rosto e nunca conversa; Nosso Amigo, ou wurse (criatura das fantasias da avó de Elsa), um cachorro preto maior que Elsa; Alf, um taxista que é irmão de Kent; Elsa, sua mãe e George, seu padrasto. Mas existem alguns outros também importantes, como a mulher da saia preta, que tem alguma ligação com o Monstro, e a policial de olhos verdes. Também tem Sam, um homem terrível, de quem não posso falar. Todos eles possuem um passado com a avó de Elsa. Todos eles estão ligados de uma forma singular.

A mensagem que a obra de Backman entrega é bastante simples, acho que todos nós temos conhecimento dela, mas não damos a devida importância. Todos nós somos seres complexos, imperfeitos, cheios de traumas, de frustrações, de pendências no relacionamento com outras pessoas. Pendências essas que não temos coragem de resolver, que vamos empurrando como uma bola de neve, que só vai crescendo com o tempo, até que nos tornamos amargurados, distantes, da mesma forma que nossos relacionamentos.

Assim é com Britt-Marie, Kent e Alf. Britt-Marie é uma mulher que parece não se importar com ninguém, que parece que só gosta de implicar com todos, que vive cheia de regras. Mas pode ser que ela seja diferente, pode ser que ela só queira um pouco de algo que ninguém lhe dá. Algo que ela pode já ter tido com Alf, algo que ela acha que tem com Kent, algo que os outros moradores do prédio não conseguem ver, por causa da camada de antipatia em que Britt-Marie se esconde. Ela é uma mulher singular, que tem sua chance ao receber a carta da avó de Elsa.

Lennart e Maud é um casal que cuida de um menino diferente e a mãe deste. Esse cuidado faz deles um casal singular, e Elsa, através da carta que entrega para eles, descobre que o sacrifício que eles fazem não é apenas sobre cuidar, mas muito mais extenso, que envolve fugas, maus tratos, quase morte e um perigo que continua presente, rondando o prédio.

Monstro é completamente singular. Sua aparência, seu tamanho, assusta qualquer um. Mas isso é quebrado quando Elsa entrega a carta que sua avó deixou para ele. Ela descobre que Monstro não assusta ninguém. Ela descobre que a avó deixou uma tarefa específica para ele: proteger Elsa. Mas proteger do quê? Proteger de quem?

Nosso Amigo, ou o wurse, apesar de ser um cachorro preto gigante, torna-se o amigo inseparável de Elsa. Ele a acompanha a todos os lugares, mesmo que precise ficar escondido no porão do prédio. O relacionamento que se constrói entre Elsa, o cachorro e o Monstro é singular. Três criaturas totalmente diferentes, desproporcionais no tamanho, mas que se completam de uma forma que deixará você emocionado a ponto de chorar em várias partes.

Todos esses personagens, e suas histórias, convergem para um único lugar. Todos eles ligados pela avó de Elsa. Todos eles com motivos para receberem as desculpas da avó de Elsa. E quando você começa a ligar os pontos, quando você descobre sobre o que a avó pede desculpas, qual a importância de Elsa em tudo isso, qual o perigo que ela corre, quem é o inimigo, aí você percebe como este livro é singular, único, triste e alegre ao mesmo tempo.

MINHA AVÓ PEDE DESCULPAS é uma história sobre abnegação, sobre perdão, sobre superação, sobre vingança, sobre violência, sobre traumas, sobre compaixão. Personagens únicos, perfeitos na sua imperfeição, é uma leitura emocionante, imprescindível, que deixará você com lágrimas ao término, mas com um sorriso que perdurará por muito tempo. Não deixe essa obra escapar da sua estante.

site: http://gettub.com.br/2018/11/12/minha-avo-pede-desculpas/
comentários(0)comente



Nana 18/12/2018

Uma doce menina de "quase oito anos"...
Uma leitura deliciosa, divertida e ao mesmo tempo triste.
Os personagens são todos moradores de um prédio, sendo que a principal é Elsa, uma menina de "quase oito anos" (como ela fala no livro inteiro) inteligente e curiosa, a vovó muito doida e vários outros que a gente vai conhecendo e se encantando com suas histórias de vida e dificuldades que cada um enfrentou..
O livro tem como pano de fundo um conto de fadas, sendo que a vovó vai contando histórias para a neta Elsa, e os personagens destas histórias vão se revelando aos poucos sendo os próprios moradores do prédio.
Esse autor tem o dom de criar personagens "diferentes" e mostrar que ser diferente é normal e que todos nós temos nossas diferenças. Adorei e já estou ansiosa por outro livro dele!
Joelma 18/12/2018minha estante
Vc já leu "Um homem chamado Ove", do mesmo autor? Se não leu, recomendo.


Nana 18/12/2018minha estante
Sim Joelma , li e amei.


Joelma 18/12/2018minha estante
;)




Dani @oslivrosdadani 09/05/2019

Maravilhoso
...E todas as histórias vivem do que é diferente. Só as pessoas diferentes mudam o mundo, ninguém que é norma nunca mudou merda nenhuma, dizia vovó...

Elsa é uma menina de sete anos ( ou quase oito como gosta de dizer) que possui um inteligência descomunal , porém compreendida por poucos. Sua maneira diferente de ser a afeta em todo seu âmbito.
A escola é um dos seus maiores monstros. Lá ela sofre constantes perseguições por todos aqueles que a julgam por viver em um mundo a parte de todos os outros. Inclusive pelo diretor que destaca que todos os problemas ocorrido com ela deve-se a sua dificuldade em interagir.

Ela tem uma relação muito linda com sua avó, uma senhora de setenta e sete anos, completamente original e  que vive a vida da maneira que julga ser melhor pra ela, sem dar muita atenção para o  que outros pensam sobre isso.
Sem contar que a avozinha adora uma confusão e por isso sempre está envolvida em uma. Mas não mede nenhum esforço para fazer com que a vida de Elsa seja um pouco diferente do que o mundo está disposto a apresentar para crianças diferentes como a garota.

Entre a fantasia e a realidade, entre monstros e pessoas comuns a avó de Elsa cria um mundo à parte para a duas. E nele apresenta para a menina todos os conflitos do mundo e as melhores formas de se livrarem deles.
Um mundo diferente assim como Elsa, e que acaba sendo o refúgio pra ela diante de todos os percalços que precisa enfrentar diariamente.
Quando a Avozinha morre, deixa para a garota uma missão repleta de grandes aventuras: entregar uma série de cartas em que pede desculpas a todas as pessoas que  um dia prejudicou. À medida que avança nesta autêntica caça ao tesouro, Elsa vai percebendo que o reino mágicos da Avozinha se cruza com a vida real. E que essa relação entre eles possuem mais significados do que um dia ela imaginou.

Um livro extremamente emocionante que retrata a perda, o luto,  a superação, a descoberta, a amizade, a compaixão e os mais importantes: a abnegação e o perdão.
Elsa e sua avó são as personagens principais de toda essa narrativa, mas a história é repleta de muitos outros completamente significativos para o desenrolar da trama.
Personagens singulares com histórias  comoventes e que a medida que você vai os conhecendo mais vai se encantado por cada um deles.
Um livro que mexe com a emoção do leitor, e que nos faz refletir sobre os valores da vida. Sobre o que realmente importa.

Uma leitura que  causa lagrimas e risos, que te envolve de tal forma que muitas vezes nos sentimos parte dela.
E que nos leva a considerar que  por muitas vezes o mundo seria melhor se fossemos pessoas moderadas entre a pragmatismo e a inocência de Elsa e a excentricidade de sua avó.
Com uma escrita perfeita o autor sueco Fredrik Backman fez de A minha avó  pede desculpas uma leitura ímpar que na minha opinião deveria ser leitura obrigatória.
comentários(0)comente



Bibi 17/11/2019

Aquecendo o coração
Sabe aquela sensação que sentimos toda vez que somos abraçados por alguém em que confiamos e sabemos que está cuidando de nós?

Pois bem, é exatamente essa sensação que a leitura de ?Minha Avó Pede Desculpas? traz. Fredrik Backman mais uma vez consegue tocar fundo em nossos corações, trazendo à tona a memória sobre o que é ser criança. Ele nos faz recordar como é a percepção de mundo de uma criança, a importância da família nesse período e a parte essencial que as histórias e fantasias tem em nosso desenvolvimento enquanto crianças e por toda nossa vida.

Esse é um livro incrível, cheio de detalhes e ligações que enriquecem cada vez mais a leitura e nossa imaginação.É um daqueles livros feitos para ser guardado por muitas eternidades de contos de fadas e compartilhado com os netos depois.
comentários(0)comente



arlete.augusto.1 11/05/2020

Se aventure!!!
Sabe aquele livro que vc chega nas últimas dez páginas e fecha por estar apavorada em saber que vai acabar? Este é o livro. Não posso afirmar que vai causar em todos o que causou em mim. Talvez só os que tiveram uma avó super-heroína vão entender e se emocionar como eu me emocionei em cada página, do início ao fim. Chorei como nunca! Deveria ter vindo com um rolo de papel.
Confesso que pedi este livro de presente de Dia das Mães com o pé atrás, já que tenho uma certa antipatia por escritores escandinavos, principalmente os de sucesso, mas resolvi dar uma chance, pois gostei da sinopse. Sorte, pois nunca um livro me emocionou tanto. O autor consegue ser profundo e engraçado, contar um conto de fadas entremeado com histórias reais e personagens tão humanos, que parece que conhecemos. É impossível (pra mim foi) não se apaixonar pela Elsa, essa menina de quase 8 anos que nos pega pelas mãos e nos conduz por essa aventura pela Terra-dos-quase-despertos, e pela vida desses personagens incríveis, com sensibilidade, profundidade, compaixão, loucura, alegria e amor às histórias, à vida.
comentários(0)comente



FabyTedrus 11/01/2019

Minha Avó Pede Desculpas - Fredrik Backman
Comecei o ano com sorte! Esse livro, que é do mesmo autor de 'Um Homem Chamado Ove', um dos favoritos da leitura do ano passado e da vida desde então, está concretizando meu carinho e adoração por esse autor. Sério, quão raro é a escrita do autor ter a capacidade de te fazer chorar oceanos e gargalhar por eternidades de 10.000 contos de fadas, como disse a Elaine Messias na sua resenha, com uma qualidade e profundidade que dá gosto de ler?! É raríssimo!

Elsa, a personagem principal, é uma peça rara, de uma inteligência e esperteza bem avançadas para uma criança da sua idade. Não só ela, mas todos os personagens são ótimos, bem construidos e desenvolvidos ao longo da história que mescla realidade com conto de fadas, que era um dos laços mais fortes que ela tinha com a avó, as história da 'Terra-dos-Quase-Despertos', Miamas e os outros reinos. Com o passar do tempo Elsa vai notando que os personagens dos contos de fadas são mais reais do que ela imaginava, ou talvez imaginava afinal ela lê literatura de qualidade regularmente e já tem quase 8 anos.

Eu torço com a intensidade de um bilhão de batidas de asas de beija-flor, mesmo que eu não saiba precisar quanto é isso, afinal depende do beija-flor, que tenha sorte de ler muitos outros livros gostosos assim ao longo deste ano e por toda a eternidade de 10.000 contos de fadas.

Leiam!
comentários(0)comente



Mary 27/07/2020

Uma história de fé e esperança
A história de Elsa mistura fantasia e realidade costuradas na linda relação de amor com a sua avó.
comentários(0)comente



Deia 25/03/2019

Esse livro.... para começo de conversa o li em português de Portugal, algumas coisas se perderam, mas foram poucas, acaba por se deduzir.
No começo não entendi muito bem do que se tratava, foi um pouco enrolado., no entanto ao engrenar, vê se que se trata de mos, mas não qualquer amos, amor incondicional, amor fraterno.
Ri muito com Elsa e sua Avozinha, que deve louca era pouco era tresloucada. Assim como ri, chorei também, a avozinha ensina uma grande lição a Elsa, de não julgar as pessoas e ajuda las. Adorei.
comentários(0)comente



Geraldine 15/05/2019

Livros que falam sobre avós e seus netos são meu xodó, sempre tem alguma passagem, alguma história que me faz lembrar da minha avó, e esse não poderia ser diferente. A Avozinha era chamada de louca, mas de louca não tinha nada, ela apenas criou um mundo de contos de fadas para Elsa viver, e quando o câncer a levou, esse conto de fadas que ajudou Elsa seguir em frente e perceber que tinha outras pessoas boas ao seu redor.
comentários(0)comente



Grazy 23/06/2019

MEU XODÓ
Apesar de já ser um autor consagrado no meio dos críticos literários, “Minha avó pede desculpas” é o primeiro livro do Fredrik Backman que leio. Com certeza sempre que vir algum livro seu em venda numa livraria, em feiras ou na internet, ficarei tentada a comprá-lo.
Se você me pedisse para resumir o que sinto por esse livro em apenas uma frase diria: Amo-o mais do que 10 mil eternidade de contos de fadas.
Sem mais delongas, vamos à história...

***

Quando ouvimos a palavra “avó” involuntariamente surge em nossa mente a imagem duma senhora de estatura baixa, cabelos brancos presos num coque alto, usando uma saia longa que cobre-lhe os pés, blusa e sapatos fora de moda. Capaz de lançar através das lentes do óculos de grau um olhar afetuoso que faz o nosso coração sentir envolto por uma manta de crochê. Essa pode até ser a imagem de algumas avós, mas, da Avozinha da Elsa, não é.
Após pensar em como poderia defini-la, decidi deixar esse papel para a sua neta.
“A Avozinha tem setenta e sete anos de idade, a caminho dos setenta e oito (...). Vê-se que é velha porque a sua cara parece papel de jornal enfiado dentro de sapatos molhados, mas nunca ninguém a acusa de ser madura para a idade. “Atrevida”, comentam às vezes (...). Também julgam que a Avozinha é louca, embora na verdade ela seja um gênio. (...). Foi médica, ganhou prêmios, vários jornalistas escreveram artigos sobre ela e esteve nos lugares mais terríveis do mundo quando todas as outras pessoas de lá saiam. Salvou vidas e combateu o mal em todos os cantos da Terra. Tal como os super-herois.”
Já a Elsa tem sete, quase oito anos de idade (como gosta de dizer). É considerada pelos adultos “muito madura para a idade” e “diferente”, principalmente, pelos “coleguinhas” da escola.
Juntas elas vivem grandes aventuras não só na vida real como também nos reinos secretos na Terra-De-Quase-Acordar.
“No shit, Sherlock”, diria Elsa se tivesse lido a frase anterior.
Infelizmente, como nem tudo são flores, pela segunda vez, nossa corajosa pequena cavaleira terá que ser forte.
Com a morte da Avozinha, sua melhor amiga, Elsa recebe a missão de proteger o castelo, a família e os amigos. Além de entregar as cartas da avó com pedidos de desculpas.
A cada entrega outro lado da história é descoberto e o enredo se completa.

Tenho uma pergunta a lhe fazer: Você acredita nos contos de fadas? Sendo “SIM” ou “NÃO” a sua resposta, recomendo que se jogue de cabeça e viva as experiências proporcionadas por essa história.
Uma coisa é fato: Após ler esse livro, não enxergará o mundo “real” da mesma maneira.


site: https://amantesliterarios.wixsite.com/livros/single-post/2019/06/23/Resenha-Minha-av%C3%B3-pede-desculpas-de-Fredrik-Backman?fbclid=IwAR3NfITqTd3DDihfjS5wEc0gpl9XFsj6lSqGzwq4kC_38I1orkvfWgrAd3k
comentários(0)comente

Mari 23/06/2019minha estante
ótima análise, me deixou bastante curiosa pela leitura




17 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2