Shadow Me

Shadow Me Tahereh Mafi




Resenhas - Shadow Me


129 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Rih 27/01/2019

TRADU DO TRECHO EXCLUSIVO DA EDIÇÃO DA BARNES & NOBLE - POV DO KENJI
Gente, o trecho que vou colar aqui não é o liberado já desse livro, mas sim o capítulo extra da versão exclusiva de Restaura-me para os que compraram na Barnes & Noble (EUA).
Colando aqui porque é no ponto de vista do Kenji (e porque já tinha colado outro cap liberado de Restaura-me lá na resenha do livro).

Segue:

________Capítulo Extra do Kenji ______

“Filho de uma-”

Engulo o resto das palavras, minha mandíbula apertando dolorosamente enquanto eu suprimo a vontade de gritar. É claro que essa merda acontece comigo. É óbvio que acontece. Eu tenho que ir e topar com o meu dedão do pé exatamente no momento errado.

É antes do amanhecer, todos estão dormindo, e eu só precisava de um pouco de ar. O problema é, eu e Castle e Adam e o resto de nós ainda estamos ficando nos aposentos de treino de Warner no fim das escadas, e não há outro jeito de sair de lá que não seja pelos aposentos pessoais dele. E o único caminho que nós pudemos fazer para essa situação estranha funcionar foi idealizar alguns parâmetros: o nosso grupo todo concordou que nós estaríamos lá embaixo até a meia-noite e não sairíamos aqui para cima de novo, não importa o quê, até depois do nascer do sol.

Nesse momento, estou quebrando as regras.

Mas não estou tentando ser um tarado, eu juro. Só estou tentando cair fora dessa prisão por um minuto. Eu não quero estar encarando nenhuma merda dessas agora mesmo. Eu não quero. Eu não quero olhar para os corpos adormecidos deles. Eu realmente não quero saber o que ele e Juliette fazem entre quatro paredes.

Ugh.

A dor no meu dedão está só piorando e agora parece que a coisa toda está latejando. Eu xingo de novo, quietamente, sob a respiração, e espero.

Estou perfeitamente parado - e invisível - no meio do quarto de Warner e Juliette e rezando pra que ninguém tenha me ouvido tropeçar .

Minha sorte não é boa.

Warner se senta, piscando rápido e olhando ao redor. Os sensos desse garoto são afiados. Eu tento não respirar. Tenho plena certeza de que se ele me pegar no meio do quarto dele o encarando, meio pelado na cama com Juliette, ele iria enfiar uma bala na minha testa com as suas duas próprias mãos.

Fecho meus olhos apertado, na esperança de que ele irá voltar a dormir.

Mas quando abro os olhos ele está levantando, e a única boa notícia aqui é que pelo menos o cara está usando roupa íntima. A péssima notícia é “meeeeerda” eu provavelmente deveria simplesmente fugir correndo, não deveria? Mas aí ele iria me ver abrindo e fechando a porta e-

Maldição.

Essa foi uma ideia estúpida. Não tenho ideia do que fazer.

Warner pega um robe em cima de uma cadeira próxima e o coloca, amarrando à sua cintura, e por um segundo tudo o que eu consigo pensar é “é óbvio que Warner veste um robe”. O cara não pode simplesmente rolar pra fora da cama e pegar um par de calças como o resto de nós. E então ele está andando na minha direção, quase como se ele conseguisse me ver, e de repente eu estou assustado. Sinto meu estômago dar uma cambalhota nervosa enquanto ele se aproxima, e agora ele está em pé na minha frente, olhando através de mim, para a parede bem atrás da minha cabeça, e eu estou, tipo, genuinamente perdendo a minha calma. Estou tentando e falhando em pensar numa desculpa decente quando-

“Você tem exatos dez segundos pra me dizer o que você está fazendo aqui, Kishimoto.”

“Merda.”

Ele estende o braço às cegas, agarra meu braço e o vira para trás das minhas costas, e eu arquejo. A dor é intensa.

“Me larga,” eu sibilo.

“Cinco segundos.”

“Antes que você faça o quê? Me mate?”

Na real, eu consigo vê-lo pensar sobre isso. Observo-o olhar para trás, bem rapidamente, para a cama dele - para a J, deitada lá, olhos fechados, totalmente inconsciente - e ele suspira. “Venha comigo,” ele diz por fim.

“Ah, não. Que tal eu só, hã, sabe, voltar pra cama e-”

“Pra fora,” ele diz. “Lá pra fora. Agora.”

“Que merda, cara, okay, caramba. Calma lá.”

Não é até que estejamos no corredor do lado de fora da porta dele que eu finalmente desligo minha invisibilidade. Cruzo os braços e olho pra longe, para a parede, para o teto, qualquer coisa.

“O que você estava fazendo no meu quarto?”

“Eu não estava lá pra te ver pelado, se é o que você está perguntando.”

Ele apenas me encara. Sem senso de humor, esse cara.
“Como você soube que era eu?” Eu digo pra ele. “Você consegue me ver?”

“Eu já te expliquei isso uma vez,” ele diz impacientemente. “Eu consigo sentir sua presença. Não sei como isso funciona, exatamente, mas suas emoções parecem ocupar espaço físico. Eu consigo senti-las. A forma delas.”

“Esquisito.”

“O que você estava fazendo no meu quarto?”

“Eu só estava tentando ir lá pra fora,” eu digo. “Eu juro.”

“E você tinha que ir agora? Sua necessidade de escapar não podia esperar mais 45 minutos para o sol nascer?”

Eu trinco a mandíbula. Desvio o olhar de novo. “Eu não preciso me explicar pra você.”

“Você acha que pode vir perambulando pelos meus aposentos pessoais-”

“Ei, eu não perambulei merda nenhuma, okay? Eu não fico perambulando."

“Você,” ele diz, os olhos flamejando, “perambulou pelos meus aposentos como uma entidade invisível e agora tem a audácia de me dizer que não tem que se explicar? Há quanto tempo você tem feito isso?” ele diz furiosamente. “Você está me espionando? À nós?”

Na real, eu reviro os olhos. “Jesus Cristo, mano, por que você é uma rainha do drama, tipo, literalmente o tempo todo? Por que infernos eu iria querer bisbilhotar você e a J no meio da noite? Ela é minha amiga. Você é um psicopata. Nenhum de vocês dois faz o meu tipo, okay?”

“Estou esperando por uma explicação.”

“Eu só estou com umas merdas na cabeça, okay?” Eu balanço a cabeça. Estudo a parede. “Eu só- Eu estou com um monte de coisas na cabeça.”

Warner parece relaxar, mas apenas um pouquinho. Ele analisa meu rosto. Me estuda profundamente.

Faz eu me sentir estranho.

“Tipo o quê?” ele diz, e as palavras soam estranhas vindo dele.

Eu olho para a cara dele. Olho de volta para a parede. “Tipo- só coisas, okay?”

“Você está envergonhado.”

“Como é?”

“Por que você está envergonhado?” ele diz.

“Eu não estou envergonhado,” eu falo muito rápido. “Eu não tenho nem ideia do que você está falando.”

Warner inclina cabeça pra mim. “Você está tendo” - ele franze o cenho - “Desculpa,” ele diz sem remorso, “Eu não percebi que você estava num relacionamento.”

Meus olhos se alargam. “O que diabos é você?” eu digo, meio assustado, meio impressionado. “Algum tipo de vidente?”

Warner parece irritado. “Suas emoções são extremamente transparentes,” é tudo o que ele diz. E então ele suspira. “Agora está evidentemente óbvio pra mim que você está tendo problemas com a sua vida amorosa.”

“Bem, merda,” eu digo, e solto uma respiração. “Você está perto, sabe? Não cem por cento, mas, wow, você está bem perto.”

Warner ergue as sobrancelhas.

“Não se preocupe com isso”, eu digo pra ele. “Eu só quero ter certeza de que você sabe que eu não estou tentando espiar vocês dois. Na verdade, eu realmente, realmente não quero saber o que vocês dois fazem no privado.”

Warner quase sorri. “Você frequentemente me parece profundamente imaturo, Kishimoto.”

Eu mostro dedo do meio pra ele. “Bom falar com você.”

Ele estreita os olhos pra mim. “Essa é a primeira e a última vez que eu vou te perdoar por invasão.”

“Bem, então é bom que nós finalmente estaremos recebendo nossos próprios quartos amanhã, não é?”

A cara de Warner desanuvia. “Sim. Graças a Deus por isso.”

“Posso ir agora?”

Ele balança a cabeça.

Eu lhe dou uma saudação zombeteira. “Tchau, esquisitão.”

“Até logo, idiota.”
Ellen 07/10/2020minha estante
Eu ammeeeeeeeeei obgggg por compartilhar


@iludidadolivro 11/01/2021minha estante
Muito bom! ?




Jess 14/01/2021

Ganha cinco estrelas só por ser um conto do Kenji.

Eu amo esse personagem com todo o meu coração e me deixa realmente triste saber como ele se sente quando está sozinho, os pensamentos que tem sobre ele mesmo. E eu não poderia me identificar mais.
comentários(0)comente



Elleeen 22/01/2021

Aii
Eu amo demais o Kenji então ler esse conto foi muito bom. Bem, adorei.
naju 22/01/2021minha estante
KENJI É TUDO PRA MIM ????




Danny 01/11/2020

Esse conto de estilhaça-me se passa em restaura-me, e conta os acontecimentos do ponto de vista do Kenji, não traz nada de novo para história. Foca mais nos sentimentos do Kenji em relação ao amor e a ser amado. Um conto be rápido de ler para os fãs do kenji.
comentários(0)comente



Resenhas da Rê 10/10/2020

Shadow Me (4.0)
Neste pequeno conto, vemos acontecimentos do livro anterior na visão de Kenji Kishimoto, melhor amigo e membro do grupo de resistência da Juliette.

Gostei bastante desse conto, o meu favorito até agora. Nele, temos um vislumbre maior do personagem de Kenji, mostrando que ele é muito mais que um carinha cheio de piadas.
Ele tem uma personalidade encantadora que apenas me fez gostar mais ainda dele (ai, ai, queria um Kenji pra mim...)

É uma história bem curtinha, comecei e terminei ela agora a pouco. Novas pontas na história foram abertas e o final me deixou muito confusa, mas foi uma leitura rápida e fluída. Agora, rumo ao penúltimo livro da saga.
comentários(0)comente



gabi | @dueto_literario 13/01/2021

A nota se justifica porque amo o narrador desse livro
Esse livro é basicamente um conto, com alguns trechos do livro anterior, pelo ponto de vista do Kenji.

Acrescenta algo na série? Não. Faz alguma diferença? Nenhuma.

Mas foi um fan service bem gostosinho.

Pela narração percebemos como Kenji é ainda mais amável do que eu já achava, sempre compassivo e cuidadoso com os colegas. E eu acho isso uma gracinha.

Vemos também seus medos em relação a solidão, e como ele não consegue se valorizar o bastante.

Tem uma cena específica que me deixou feliz, porque eu já estava detestando seu par romântico o esnobando.

Foi basicamente um repirozinho depois das loucuras do livro anterior, e que tenho certeza que terão no próximo.
comentários(0)comente



Agatha 11/01/2021

Uma mente turbulenta
"Quem diria?" Não é a pergunta certa porque é perceptível que Kenji tem uma mente turbulenta nos livros anteriores, e um passado horrível. Eu fiquei com pena, apesar de conhecendo o Kenji ele não queira que ninguém tenha pena dele. Mais espero que ele encontre alguém pra conversar, alguém pra ter um porto seguro (e espero que essa pessoa seja Nazeera). Tive uma opinião positiva sobre Nazerra desde sua primeira aparição, porque ele se mostrou uma mulher forte, e além de ser disso que o Kenji precisa ele já ficou todo rendido a ela.
comentários(0)comente



@lendofantasias 11/09/2020

muito fofinho, com certeza um dos melhores personagens dos livros. Uma pena que se sinta tão solitário
comentários(0)comente



A Raposa Literária 08/11/2020

Ponto de vista perfeito pelo Kenji
Kenji é um dos melhores personagens dessa série e o conto Shadow me faz jus a tudo isso. Os contos na visão do Kenji mostram muito como é que ele se sente em relação a tudo, revelam parte dele qie a gente não chega a ver nos livros.
Como não amar esse personagem depois dessa série perfeita?
comentários(0)comente



moonlight 24/07/2020

finalizado mais um livro dessa série que eu estou amando demais!! dessa vez, esse conto é do ponto de vista do kenji, ícone atemporal que claramente carrega a série nas costas. adorei conhecer um pouco mais sobre ele!
comentários(0)comente



OL1V4 19/09/2020

Finalmente destaque para o Kenji
Fiquei muito eufórica ao ver que o conto seria narrado pelo Kenji. É o meu personagem favorito da história e mal posso esperar para ler mais na visão dele.
Entrar em sua cabeça e saber que nem sempre ele pretende ser descontraído, mas que faz isso para não magoar as pessoas... isso me deixou tão mais apegada a ele!
comentários(0)comente



Letícia.Clarke 22/11/2020

Eu te amo, Kenji Kishimoto
Esse é conto onde realmente enxergamos o Kenji. Minha única vontade ao ler este livro é simplesmente abraçá-lo. Pude ver de perto como ele se sente solitário mesmo estando rodeado de amigos, seu jeito engraçado e descontraído faz com que os outros ao seu redor se sintam bem na companhia dele, mas por dentro ele se sente sozinho. Quero pegá-lo pra botar num potinho e cuidar para sempre.
comentários(0)comente



Giovana 07/11/2020

Shadow me
Eu amei as interações do warner e do kenji nesse conto, e eu quero mais da nazeera e do kenji tbm
comentários(0)comente



Lu 19/04/2020

Eu quero mais!!!
Esse 'conto' foi perfeito pela perspectiva do Kenji. Assim conhecemos mais sobre ele e entendemos sobre sua vida e suas atitudes/sentimentos. Assim como também a relação dele com Juliette e Warner.
Esse livro veio para esclarecer alguns pontos de Restaura-me, mas também veio para deixar ainda mais perguntas sobre o final e fazer com que eu queira loucamente terminar logo essa saga.
comentários(0)comente



sou_botelho 03/01/2021

Shadow me
Amei tanto esse conto porque eu amo o Kenji. Amo cada detalhe dele e foi muito bom ver um pouco do ponto de vista dele. Saber como ele se sente por detrás da máscara que todos usam. Eu gostaria mesmo que ele e Aaron se tornassem amigos, aquela amizade fiel e foda, mas a autora está me decepcionado em vários pontos. Também queria mais interações entre Kenji e James, amo tanto a amizade dos dois. E sem falar em Nazeera, que é linda e perfieta. Então não posso nem julgar Kenji por paralisar na frente dela, ficar sem palavras ou só falar bobeira porque uma mulher daquela mexe com qualquer estrutura. Quero mais. Muito mais. Queria interação entre Brendan e Winston no futuro porque já shippo demais, mas a gente não pode ter tudo né.
comentários(0)comente



129 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |