Ira

Ira Juliana Bizatto




Resenhas - Ira


31 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


Brunna Nunes (Lendo com A Brunney) 01/04/2020

Abalador
Tudo está diferente. Todos mudaram. Estão mais maduros, mas a Sam, está irreconhecível, mudou para pior. Descumprir todas as regras da ilha e desobedecer a Vozinha parece ser sua mais nova forma de diversão.

Por onde ela passa, as pessoas se arrepiam e encolhem, pois ela é a única bruxa Bjorn com os poderes despertos. É incrível como a autora soube descrever essa mudança no ambiente e na própria Sam. A cada livro somos mais imersos na história das Hoffer, que sempre foram respeitadas, mas passaram a ser temidas.

Não vejo a hora de ler Orgulho e me surpreender ainda mais com o rumo desta saga incrível. A cada página somos surpreendidos com novas aventuras, discussões, e conhecemos ainda mais o poder que só cresce na Samantha Hoffer, agora Samantha Bjorn Hoffer.

É inacreditável como a Ju modifica sua escrita ao longo dos livros, nos surpreendendo com mais detalhes, com uma escrita descritiva nos imerge nas entrelinhas do texto, fazendo com que criemos teorias sobre cada situação do livro. Estou ansiosa para ver quais surpresas teremos no 4° livro da saga, Orgulho e nos próximos 5 !

Obrigada por esta leitura incrível Ju ! 🔥❤ QUE VENHA ORGULHO !

site: https://www.instagram.com/p/Bq3e2syAnFF/?igshid=73sqex2i40dw
comentários(0)comente



Juh 24/03/2020

Que o tormento comece
No terceiro livro da saga conhecemos a Bad Sam, um apelido que não veio do nada, vemos uma Samantha completamente mudada, ela está rude, cruel e sem coração após tantos acontecimentos no último ano.

Sam precisa de aliados, para combater seus infinitos inimigos que tem como o único objetivo tirar sua vida e tomar seus poderes, porém estes não são os mais bem vistos na sociedade! Será que ter vampiros e lobisomens como aliados é uma boa ideia?
Além de tentar se proteger, nossa menina má tem como objetivo crescer e aprender mais sobre sua magia por si mesma já que aulas com Hilária não lhe acrescentavam muita coisa.

Vemos também a história pelo ponto de vista da Mônica, prima e melhor amiga de Sam. Mô está terrivelmente apaixonada e sua vida vida estaria as mil maravilhas se não fosse a má fase de sua melhor amiga! Ela é muito preocupada com Samantha e é a única que ainda consegue enxergar como a antiga Sam, a doce menina que amava surfar e que nunca faria nada de mal.

"Eu era fogo. E eu ia arder meus inimigos."

Uma história cheia de sentimentos, reviravoltas e descobertas. Você passa raiva, estresse, fica com ódio, ri, cria muitas teorias e ao mesmo tempo ama com a Mô apesar dela sempre ser uma pessoa com amor demais KKK.
Deixo destaque aqui sobre como amo a Mô e como ela é maravilhosa, um neném que merece ser protegido de todo mal ??

A saga toda é um prato cheio para quem gosta de ficção, New Adult e etc!!

A escrita da Juliana é maravilhosa e muito surpreendente, a cada capítulo você descobre coisas novas ou fica intrigada com alguma nova descoberta! O modo como nossa parceira descreve tudo faz com que nos sintamos parte deste universo incrível!

Ira com certeza é meu livro favorito da série até agora ?
Mal posso esperar para rever os caçadores e me surpreender muito com próximo livro!!
comentários(0)comente



Duda Mel @epifania_literaria 25/10/2018

A cada livro essa série fica melhor. Apaixonei!
"Eu era fogo. E eu ia arder meus inimigos."

Resenha:

Um livro muito bem escrito, cheio de reviravoltas, quotes inspiradores e um final bastante curioso e intenso.
É impossível negar que a Ju mantém seu estilo detalhado justamente para nos levar direto a Tormento e nos coloca em toda atmosfera que é a vida das Hoffer - as rainhas da cidade (sem exagero). Melhor ainda é como a autora passa críticas em meio a obra que se trata de um romance com pitada de fantasia e mistério, o que eu particularmente gosto bastante. Houve amadurecimento dos personagens e sua apresentação, do enredo, da escrita da autora que me causou bastante ansiedade, o que é ótimo para alguém que estava empacada em leituras.
O tema principal, sem sombra de dúvidas, é família. As Hoffer são muito unidas e têm seus costumes e segredos - no caso, a herança bruxa.
Entretanto, grandes poderes trazem perigo e depois do final que acabou com Samantha em "Apocalipse", ela vem numa postura totalmente diferente, mostrando realmente que o título faz jus a obra. Entretanto não estamos falando de ira somente, mas também dor e medo, que na tentativa de serem disfarçados podem ser convertidos em algo destrutivo para si e quem estiver ao redor.

"Eu me escondia bem, mas agora eu nunca mais iria me esconder."

Estamos falando de uma personagem mais empoderada e capaz de te dar raiva em certos momentos, porque é um oposto da Sam quietinha e boazinha dos livros 1 e 2. Agora temos realmente uma busca pelo poder sem se preocupar com os limites e isso causa bastante problemas. A "Bad Sam" pode ser bem cruel quando quer e isso acaba criando um muro cada vez maior entre ela e a família, o que parece intransponível quando rola uma grande revelação que, sinceramente, me fez querer sair batendo em todo mundo, todo mundo mesmo. Tamanha foi minha indignação que teve personagem entrando na minha lista negra e indo direto para o topo.
Por outro lado temos, pela primeira vez na série, a perspectiva de Mônica, prima e melhor amiga de Sam que está disposta a resgatá-la de si a qualquer custo, sempre vivendo em seu mundinho cor-de-rosa. Ela é outra personagem que te faz amar e odiar, pois de tão doce, Mô é capaz de te dar diabetes de vez em quando. Uma romântica incorrigível.
Ao desenrolar do livro, tive a oportunidade de ir conversando com a autora e... Nossa! Como isso é bom! Gosto demais da atenção que a Ju dá aos leitores e sua enorme paciência para as teorias e surtos, sempre se policiando para não soltar spoiler (confesso que em alguns momentos quis alguns sim). Agradeço muito por isso, porque nem todos autores têm essa vontade de saber o que o leitor pensar e aceitar as críticas, seja pela fala de um personagem que soou estranha ou um erro de digitação bobo.
Nesse livro apareceu inclusive um novo personagem que, mesmo no final, já está se mostrando um amorzinho e talvez vire meu xodó como o Tui (um surfista super gente boa, amigo de Sam). Tenho um costume de me apaixonar por secundários e a Ju parece saber disso, porque os cria na medida certa.
Acredito que outra excelente demonstração da história é de como os momentos ruins podem se estender, que há maldade dentro de cada um e a pessoa decide se liberta ou não, às vezes podendo depender de um empurrãozinho. Ressalta também a ideia de que ninguém é perfeito, seja num mundo com ou sem magia, as pessoas erram e voltar a confiar pode ser um processo doloroso e lento.
A série Herança de Sombras trabalha muitos valores e Tormento é uma cidade cheia de história para contar e a cada etapa vemos um ramo novo de descobertas. Quem começa "Luxúria" pode demorar a se acostumar, mas acredite, é só o começo. Conforme as coisas vão evoluindo e o leitor se liga com todo cenário, sabe o que realmente acontece, os detalhes que antes pareciam ridículos e desnecessários se fazem valiosos, a ponto de você começar a criar as teorias e relacionar seus aparecimentos, para que servem e assim segue.
Talvez por ser o terceiro livro ou trazer muita informação (todas com sentido e sem ficar corrido), é complicado se policiar sem soltar spoilers. Acredito ter conseguido, porque demoraria 84 anos se fosse explicar todas a referências. É o tipo de livro que precisa ler com atenção e se permitir jogar na trama, assim qualquer referência pequena já parece muito maior porque, sim, nada acontece por acaso quando o assunto é Herança.
comentários(0)comente



Giovana | Blog Dei um Jeito 26/10/2018

Bad Sam rules™
Após os acontecimentos de Apocalipse, Samantha cai no mundo em busca de conhecimento, pois as aulas de Hilária não serviram lá para muita coisa, ela fez amizades na base da força e troca de favores com vampiros, lobisomens, leprechauns e entre outros. Nesse meio tempo a jovem se tornou a Bad Sam, em que ela usa seus poderes para todo lado para conseguir o que quer e ensinar umas lições, e quando não usa seus poderes as ameaças são verbais e ela está conseguindo desmoralizar geral com isso.

Por outro lado temos os pontos de vista de Mô, em que está vivendo seu conto de fadas com o seu namorado bruxo, o Rica, a primavera é a sua estação, e uma primavera com romance deixa essa menina nas nuvens! Mô também é a última pessoa a ter um pouco de fé na Bad Sam e quem segura as pontas na casa das Hoffer, em que tudo está quase indo para os ares.

Menina Sam está com a língua mais afiada que faca de sushi, o que traz um refresco na narrativa dela, mesmo eu sentindo falta da presença das estrelinhas, é curioso ver uma narrativa de alguém que está soltando o verbo sem remorsos, e aliás: é crime eu rir das piadinhas da Sam sobre o leprechaun vendedor de taças traiçoeiro? Bad Sam e o mundo cor de rosa da Mô: que contraste de vozes em um livro, enquanto uma é trevas a outra é luz.
Já tinha mencionado em resenhas anteriores da série que eu tenho uns probleminhas com os homens da série Herança de Sombras, com só o Tui ganhando o meu coração, mas que benção o ponto de vista bem cor de rosa da Mô! Rica mesmo claramente guardando uns segredos é um ótimo moço e o relacionamento dele com a Mô é muito bom, um está sempre ali para o outro e ele cumpre com afinco proteger as Hoffers com seus poderes.

Amo como o mundo da série Herança de Sombras vai ficando bem mais rico a cada livro, de ok tem bruxas nesse mundo, existem os caçadores correndo atrás delas, e agora: opa como qualquer série de fantasia urbana que se preze, também temos vampiras só na finesse, lobisomens leais, leprechauns, entre outras criaturas. Meu carinho vai para a criatura em questão que apareceu no final do livro, pois para mim é relacionada ao amor pelas ondas da Sam e eu quero ver demais o desenrolar disso. Ainda por cima, é uma série rica em segredos, como por exemplo o passado do pai da Samantha que é muito importante para a jornada dela como bruxa poderosa.

Ira, mesmo sendo um terceiro livro de uma série grande, traz um grande novo frescor à trama, nos apresentando novas criaturas do universo de fantasia urbana, trazendo um novo ponto de vista (o de Mô) com uma voz marcante e ousando em deixar a protagonista da série totalmente "Canarinho Pistola".

site: https://deiumjeito.blogspot.com/2018/10/livros-ira-heranca-de-sombras-juliana.html
comentários(0)comente



Man 07/08/2020

Preciso confessar que esse livro foi ótimo, teve ação, Bad Sam era sensacional (gostei muito mais dela má do que boa), todas as merdas que ela cometeu achei perfeito e ainda não perdoei sua família, continuo achando que são um bando de cobras e vamos combinar Sy é uma bela de FDP, ela vem com desculpas, mas traí a família duas vezes não é erro é putaria mesmo.
Não posso falar mais pq se não darei spoiler, mas valeu ler o livro.
comentários(0)comente



mlaurapessoa 04/04/2020

Blog Literary Heart
No final de Apocalipse, nos deparamos com o fim do relacionamento de Sam e Benjamin, e sua partida de Tormento. O acordo de Valerka serviu para manter todas as Hoffers protegidas dos caçadores, mas não quer dizer que outros problemas não poderão surgir!
Roupas pretas, saltos extra-altos e maquiagens pesadas fazem parte do novo visual da Sam, que com a companhia de seus novos amigos lobo e vampira, passam a frequentar todas as noites o Tea Patty, uma casa noturna sobrenatural.

Samantha está totalmente mudada. No fundo do poço. E seu único passatempo e conseguir traduções para seu livro de Sombras com Dometilla, á vampira. Sempre procurando mais e mais poder. Brigas se tornam cada vez mais constantes entre Sam e vozinha, e até suas primas desistiram de tentar ajuda-la, apelidando-a de Bad Sam.

Com a mudança de comportamento de Samantha, ela acabou chamando mais atenção do que devia e agora bruxos estão chegando a Tor para mata-la. Por outro lado, seus poderes estão cada vez mais se desenvolvendo, e isso pode significar tanto segurança, quanto perigo - quando se têm uma bruxa fora de controle.

Gostei muito de conhecer um lado sombrio da Sam. Ela ficou com mais atitude, falando o que pensa e tratando mal quem merece – vulgo Martin e sua testa na mesa.

Demorei há me apegar no inicio do livro, mas confesso que me surpreendi. Em Ira temos fadas, duendes, lobisomens, e tudo o que se pode imaginar (uhhhh). Eu adorei o estilo da Dometilla, ela agosta de coisas de época. Desde sua casa estilo mansão, aos carros antigos e seus espartilhos. O Adônis parece ser um cara legal... Quando não se está perdido no que ele chama de “casa”.

Ira é narrada pelo ponto de vista de Samantha e Mônica, e isso foi interessante porque enquanto acompanhamos a Bad Sam, também vemos o amor florescer entre Mô e Rica, e isso dão mais uma leveza a historia.

Alguns personagens de Lúxuria compoêm algumas cenas desse livro, tempo suficiente para matarmos um pouquinho a saudade.

site: https://literaryheartt.blogspot.com/2018/11/resenha-ira-juliana-bizatto.html#more
comentários(0)comente



livrosdavivi 26/10/2018

Mais um livro surpreendente!
Fadas, vampiros, lobisomens, bruxas e outras diversas criaturas sobrenaturais estarão presentes em Ira, o terceiro livro da série Herança de Sombras. Seguidas de bastantes confrontos, mistérios e encontros nada agradáveis para a Bad Sam. Bam Sam? Sim, esse será o nome dado, pelas Hoffers, para a Samantha, que em meio a acontecimentos conturbados, descobriu ser uma bruxa, de uma linhagem de bruxas poderosas.
A rotina da Samantha se resume em festas, bebidas e "estudos". O que não agrada nem um pouco as Hoffers, principalmente, Monica, pois se vê cada vez mais distante dela. Mô continuará firme ao lado de Sam, mesmo tendo que suportar sua ira, insultos, impaciência e tudo o que engloba sua mudança radical. Ela sabe que a antiga Sam está ali, mesmo que esteja bem escondida e que não transpareça.
E por falar na Mô, ela estará acompanhada em vários momentos, pelo seu namorado Ricardo. E vamos considerar que é um dos casais mais apaixonados da série, até agora. Rica será uma pessoa muito importante para Mô, tendo em vista os acontecimentos que virão.
Em Ira, como já foi citado, haverá diversas criaturas que serão importantes nessa tempestade de acontecimentos do terceiro livro da série. (Observação: terá muitas surpresas nesse livro, preparem o coração.) Um dos personagens sobrenaturais, será Dometilla, uma vampira de cabelos ruivos e de olhos azuis, que ajudará Samantha em, entre outras coisas, traduções de feitiços. Terão muitos outros personagens novos na história, porém irei deixar vocês mesmos descobrirem!

site: https://mundoliterariodavivi-livrosdavivi.blogspot.com/2018/10/resenha-ira-juliana-bizatto.html?m=1
comentários(0)comente



@procura_se_umlivro 11/01/2021

?????
"Abrace sua face mais sombria."
.
Luxúria foi sobre fogo e sensações. Apocalipse foi sobre descobrimentos e incertezas mas Ira foi sobre autoconhecimento.
.
"Samantha de preto, Samantha em fúria, Samantha vingativa."
.
Esse livro em minha opinião foi o melhor da série! Eu gostei dos outros mas eu amei esse.
Ver a Bad Sam foi empolgante e gostei bastante do fato que a autora colocou capítulos intercalados da Sam com a Mônica, isso tornou a trama mais rica e envolvente.

"Desde que iniciou a minha primavera, iniciou o inverno de Sam, e ele fica cada dia mais frio."
.
Nesse terceiro livro veremos a Mô em um terrível dilema, curtir sua felicidade com o seu namorado ou entristecer pelo estado de sua melhor amiga. E quando todos desistirem da Sam, será que a Mô também desistirá?
.
"Palavras tem poder o qual não pode ser subestimado, são únicas, solenes, e uma vez ditas não podem ser apagadas."
.
Segredos estão prestes a ser revelados e nem tudo é o que aparenta ser, e até que ponto uma traição pode arruinar tudo?

"Não importa onde cada uma de vocês estejam, vocês nunca deixarão de ser minha família."

Sam aprendeu a controlar seus poderes e está com fome de conhecimento, até que ponto ela iria para conseguir o que quer?
comentários(0)comente



allitamartins 27/10/2018

Esplêndido
Depois dos acontecimentos do livro passado, onde a Samantha teve que lidar com o descontrole de seus poderes e o fato de Benjamin deixá-la para trás, tudo desmoronou.

Sam já não é a menina inocente dos livros anteriores. Ela está tentando desvendar as palavras do Livro de Sombras e tentando controlar todo o poder que guarda dentro de si.
A nova Sam passa as suas noites na boate Tea Party e neste lugar conheceu outros seres sobrenaturais: lobisomens, vampiros, duendes, fadas... E foi assim que ela criou uma espécie de "união" com a vampira Domitilla e o lobisomem Adônis. O fim das noites é quase sempre na cama do lobisomem.

Ela recebeu de suas primas o apelido de Bad Sam e as brigas com a Vozinha são frequentes. A única que se preocupa com esta nova fase dela é Mô.

Ser uma descendente do clã de Björin não traz apenas vastos poderes, mas também muitos inimigos. A cada dia, mais bruxos veem atrás de Sam para matá-la. O que a aguarda?

✏ Sam pode causar sentimentos dúbios em muitas pessoas neste volume, pois veremos um lado "cruel" dela.

Mas, o grande destaque fica para a Mô, que não desiste da prima. A narração é dividida entre as duas, e através da Mô vamos ter cenas no passado e entender a ligação que ela possui com a prima.

A Ju vai dando aos leitores pistas em cada livros, então é preciso quebrar a cabeça e montar várias teorias, para quem sabe chegar perto do que se passa na mente da autora. Em Ira são revelados muitos segredos e as máscaras finalmente começam a cair.
O desfecho do livro partiu meu coração, principalmente um evento específico que me levou as lágrimas.

Ira tem um enredo permeado de ação, revelações e mistérios. A Sam está confusa e precisa lidar com todo o poder que possui. Ela vai fazer alianças para seu bem, mas será caçada por vários bruxos que possuem a mesma marca. Quem está caçando Sam?

site: http://www.gnomaleitora.com.br
comentários(0)comente



Cia da Leirura 27/10/2018

A era da Bad Sam
Após Samantha descobrir a realidade que acontece por trás de sua família,
Sam decide que o melhor a fazer é buscar mais informações e conhecimento, pois o que Hilária se dispôs a ensiná-la estava muito abaixo de seus objetivos.
?
?Eu me escondia bem, mas agora eu nunca mais iria me esconder.?
?
Sam aparece em Ira, totalmente transformada. Eis que conhecemos a ?Bad Sam?. Completamente irreconhecível para nós que acompanhamos a série, Juliana trouxe mais alguns seres fora da nossa realidade. Sam se alia a leprechaus, lobisomens, vampiros e por aí vai, tudo em troca de favores. O que antes ela evitava de usar, seus poderes, agora usa em demasia, principalmente para ameaçar qualquer um que vá contra suas vontades, inclusive sua própria família.
?
Sam se torna irreconhecível com suas maldades, não pensando em quem vai atingir. Sua família está toda contra a Bad Sam, somente a Mô ainda acredita que por trás daquela língua afiada e venenosa a verdadeira Sam ainda está lá.
?
?É difícil tentar salvar alguém quando este alguém se esforça em ignorá-lo.?
?
Apesar de tudo Mô está vivendo seu contos de fada com Rica, filho de Hilária. Ela está em êxtase com seu romance e Rica apesar de não concordar com a opinião dela sobre Sam, literalmente a venera! Confesso que fiquei desconfiada de tanta melação desses dois, mas...
?
Ira vem com uma abordagem diferente dos livros anteriores. A narração alterna entre Samantha e Mô. Samantha se mostrou muito tranquila nos livros anteriores e vem com a corda toda em Ira, fiquei chocada em alguns momentos com suas falas, principalmente com a Vozinha que ela tanto venerava nos primeiros livros!
?
?Homens são apenas meios para um fim e facilmente descartáveis quando inúteis.? Bad Sam
?
Como nos livros anteriores Juliana sempre trás revelações bombásticas, nem tudo é como parece ser!! O passado que aparece com revelações ???! Um certo ser que aparece no fim do livro que nos deixa sem saber o que fazer com a curiosidade até o próximo livro: Orgulho!!!
Apesar de tudo senti falta de um certo personagem???!! E me senti vingada com o encontro de Sam com o Martin!! ????
?
comentários(0)comente



Lendocomamih 28/10/2018

Se prepare...
No terceiro livro da série Herança de Sombras vemos uma Sam totalmente mudada, mais segura de si, arrogante e até sarcástica. Confesso que eu passei raiva nos primeiros capítulos com as atitudes dela, porém no decorrer da estória eu fui me acalmando e no final soube o motivo de todas as atitudes que as vezes considerei exageradas. O que me agradou muito é que em Ira o livro é narrado pelo ponto de vista de Sam (claro) e sua prima/melhor amiga/ irmã Mônica, e eu passei a amar mais a Mô. O final meus amigos leitores é tiro atrás de tiro, muito surpreendente e eu fiquei um pouco triste com a morte que teve, mas eu sei que foi necessária. A escrita da Ju como sempre muito agradável o que me fez devorar o livro, agora o jeito é esperar o próximo para saber o que vai acontecer.
?
comentários(0)comente



Jess Silva 28/10/2018

Ira (HERANÇA DE SOMBRAS) – Juliana Bizatto
lá Leitores, como estão? Espero que bem.

Depois de dias de angustia e ansiedade finalmente venho trazer a resenha de “Ira”o terceiro volume da série Herança de Sombras, o qual você pode adquirir pelo site da Editora Skull. Vale apenas ressaltar que aqui no blog já tem resenha dos volumes anteriores: Luxúria e Apocalipse.

SINOPSE:

“Samantha está mudada…Restam apenas ecos fracos de sua vida antiga em meio a um oceano de conflitos. No momento em que os caçadores foram embora, os ataques recomeçaram, cada vez mais desafiadores e letais.Quando Samantha não pode mais contar com Hilária, seus amigos e sua família, ela faz novos aliados, vampiros, lobisomens e fadas, todos de índole duvidosa. E neste caminho descobre uma nova versão de si mesma, que apesar de não ser sua faceta mais simpática, talvez seja a única forma de sobreviver neste novo mundo que se abriu para ela.Ou não.Mônica se nega a acreditar que não há outro jeito para sua prima, e está disposta a qualquer coisa para que Sam não se distancie da sua família. E em uma guerra pela alma e a vida de Samantha, a única certeza é a Ira.“Abrace sua face mais sombria”

Herança de Sombras, livro #3
Autora: Juliana Bizatto
Editora: Skull
Páginas: 321
Compre: Editora Skull



Após os acontecimentos do livro anterior a Samantha mudou completamente, ter que aprender e lidar com seus crescentes poderes, aliado o fato do Benjamim a ter deixado, transformaram a nossa mocinha em uma Bad Girl ou melhor Bad Sam.
Mas não pensem que esse fato descaracterizou a personagem, ao contrario, a Bad Sam trouxe um frescor para o livro e em muitos momentos a fala desbocada dela me tirou varias risadas.

Em em meio a esse processo de descobertas e mudanças, a nova Sam passou a frequentar novos lugares e conhecer novas pessoas. Um desses lugares é a boate Tea Party e neste local a Sam passou a conhecer outros seres sobrenaturais como: lobisomens, vampiros, leprechauns… E já que para ela as aulas da Hilária não serviam para muita coisa, ela vê nessas novas amizades uma fonte de força e para troca de favores, especialmente com a vampira Domitilla e o lobisomem Adônis.

“A magia era o que me separava do meu equilíbrio interno”

Com todas essas mudanças acontecendo na vida da Sam é mais que natural que todos na sua família estivessem preocupados. Mas um ponto importante é que nesse livro finalmente pudemos ter um os pontos de vista da Mô, e apenas para lembrar que além de prima sempre foi a melhor amiga da Sam.

Nos momentos narrados pela Mô era muito claro a forma que a mesma tentava muitas vezes entender e ajudar a Sam, só não sabia como. Além de nos ter proporcionado como leitores apaixonados um pouquinho do seu conto de fadas com o Rica.

“A Sam é minha alma gêmea, a gente se completa, se eu abandoná-la, abandono uma parte de mim também”

Durante a leitura desse livro sempre me encontrava em estado de expectativa, pois claramente a quantidade de inimigos que querem a Sam morta cresce cada vez mais, então eu sempre estava vidrada em cada página, sem saber o que poderia esperar dos próximos acontecimentos. Algo bastante importante foi a inserção de novos seres sobrenaturais, a autora soube dosar bem a forma que todos os personagem foram aparecendo e a medida de importância dos mesmos para o desenrolar da historia, assim não transformando esse momento em apenas uma enxurrada de informações.

“Eles temem um lobinho mau, mas mal eles sabem que a bruxa é a verdadeira vilã dessa história”

A escrita da Juliana está nitidamente evoluindo cada vez mais, durante a leitura o mesmo pensamento vinha na minha cabeça, de como Ju não esquece nenhum mínimo detalhe, e a forma que as coisas passam a fazer todo o sentido. E meus caros, devo ressaltar que quando as coisas passam a fazer sentido… Muitos segredos são desvendados.

“O inimigo não era alguém distante e sem rosto, e não era apenas um, mas muitos, demais”

E ao fim quero apenas dizer que Amo o mundo da série Herança de Sombras, embora a Ju novamente tenha feito um desfecho que partiu meu coração e ter me deixado com uma vontade de pedir bis, “urgente”!

site: https://tosoopinandosite.wordpress.com/2018/10/28/resenha-ira-heranca-de-sombras-juliana-bizatto/
comentários(0)comente



Michelle 28/10/2018

Um contraste muito bem-vindo, um livro excelente
No final de Apocalipse, Sam é abandonada por Benjamin, após fazer algo cruel para tentar protegê-lo. Aquilo que ela fez era a única maneira de mantê-lo vivo e, ainda assim, ele decidiu ignorar e deixar tudo para trás.

Francamente, né? Ignorante, cabeça-dura!

E foi esse abandono que destruiu qualquer coisa boa que havia na Sam. Nada restou da garota bondosa, carinhosa. A nova Sam não leva desaforo pra casa, bebe, fuma, anda com lobisomens e vampiros, usa magia sempre que quer, até para apagar a memória dos humanos, e não está nem aí pra nada.

Todas as Hoffers têm medo dela, antipatia e, talvez, ódio.

Menos uma, aquela que vê flores em todo lugar: Mônica. Não poderia ser diferente, não é? Mô e Sam eram melhores amigas. Embora Sam ignore sua prima o máximo que pode, a destrate, a xingue, Mônica sempre estará ao seu lado, mesmo nessa fase tão sombria.

É por isso que Ira é dividido entre duas narradoras, a própria Sam e, agora, sua prima de cabelos coloridos. E, gente, estar na mente da Mô é como ver unicórnios vomitando arco-íris... Sem or! Chega a ser levemente irritante hahaha Mas não posso culpar a Mônica. Ela está tão apaixonada pelo Rica que só vê corações pra todos os lugares que olha. (Confesso, quando estou amando, ficou igualzinha a Mô, por isso, nada de críticas)

Separando-se de sua família, Sam está mais próxima de Dometilla, uma vampira secular, que está ajudando-a a traduzir seu livro de feitiços. Já que a Hilária não quer ensinar nada a sério, há outros métodos, né...?

Só que cada passo que a Sam dá, parece levá-la cada vez mais para as sombras. E uma pequena fofoca poderá criar uma situação catastrófica entre as Hoffers. Sendo tão forte, alguém poderá parar a Sam?

Geeeeente, já quero o próximo livro da série. Sério! Juliana acelera isso aí, estou muuuito curiosa com os próximos livros.

Em Ira, e na série Herança de sombras como um todo, somos conduzidos com tanta maestria e fluidez que não percebemos o passar das páginas. A história é enxuta, muito bem aproveitada e com personagens característicos.

Os contrapontos de narração entre Sam e Mô trouxeram um equilíbrio muito bom para Ira, embora eu preferisse muito mais o mau humor da Sam hahaha. No entanto, acho que ficaria beeeem pesado se o livro fosse totalmente voltado para ela.

É também em Ira que descobrimos que alguns aliados não são tão bonzinhos assim (bem que eu desconfieeeeeiiiii, ninguém é tão legal de graça...) e que, as palavras depois de proferidas não voltam atrás e é preciso lidar com as feridas que elas causam. A redenção tem seu preço e ele pode ser muito amargo.

A capa segue o padrão das outras, com um dos símbolos citados dentro da história. Sobre a diagramação não poderei opinar pois li a versão digital do livro. O mesmo vale para a revisão, que não li a final, feita pela editora.

Resenha no blog Notinhas de Rodapé.

site: www.notinhasderodape.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Universo de utopia 29/10/2018

O livro de Juliana Bizzato começa incrível, conhecemos todas as tragédias de Apocalipse ocorridas na vida de Sam (descoberta dos seus poderes, conviver com a desilusão amorosa, correr constantemente risco de vida, ter os piores inimigos).

Viver, realmente não tem sido uma tarefa fácil para a protagonista e logo somos apresentados e surpreendidos com seu lado dark e todas as inseguranças. As mudanças não ocorreram apenas para ela, sua família toda se encontra cada vez mais reclusa em sua ilha e, apesar do luxo ofertado pela mesma, tudo parece cinza, sem vida.

Novas criaturas (lobisomens, fadas, vampiras e entre outras) e novos inimigos se apresentam, um mais peculiar que o outro, mas também conhecemos novos aliados e descobrimos alguns presságios, o que deixa muiiita coisa esclarecida.

A obra está mais madura que a anterior e a narrativa mescla entre o ponto de vista de Sam e da Mô (sua prima, e também melhor amiga), que vive um conto de fadas com seu namorado Rica e que nunca perde a esperança da protagonista, mesmo quando tudo parece perdido.

Conhecer um pouco mais a Mônica foi uma experiência exemplar, o descobrimento da sua personalidade, talvez seja o ponto mais alto da obra, sua capacidade de amar, perdoar e seguir em frente é o que deve ser aplicado por todos nós seres humanos, e pude notar é que talvez seja o surgimento de uma nova bruxinha com muito mais poderes que a Samantha!

A saga Herança de Sombras tem ganhado um lugar especial em meu coração, porque é uma série rica em segredos, encantadora com os personagens e incrível no enredo, e nesse terceiro livro novos rumos são traçados e o que mais anima é a possibilidade de uma nova história de amor surgir em meio a todo o caos.

Muito bom, 4 ?'s!
comentários(0)comente



Vi 29/10/2018

Segurem-se, porque aí vem leitura tensa.
Só de ler a sinopse já sabemos que o terceiro volume da nossa série querida vai chegar para abalar tudo. Trazendo uma narrativa diferente: de pontos de vista entre Samantha e Mônica, o livro permite que o leitor possa observar os dois lados da situação que "Apocalipse" nos deixou. De um lado: Samantha perdida em sua escuridão e nova realidade, cheia de rancor, raiva e frieza; do outro: Mônica com toda a sua esperança e olhar colorido sobre o mundo.

Quando comecei a ler "Ira", senti logo o choque de estar vendo uma face inesperada de Samantha. Após passar por um trauma atrás do outro em "Apocalipse", nada mais compreensível porém do que a nossa "Bad Sam". Uma bruxa impiedosa e poderosa, pronta para fazer o que for necessário para que todos saibam que ela está viva, ativa e não perdoa fácil. No final de "Apocalipse", a bruxa vai até Hilária para conseguir uma poção que a cure de todo o seu sofrimento por que passou, tudo isso a leva à decisão drástica de cada vez mais esconder seus sentimentos reais e deixar aflorar sua face mais crua, afastando a tudo e todos.

"Mas eu não estava colecionando amigos, e sim garimpando aliados."

Porém, essa é uma caminhada solitária e logo percebemos que nada pode ser mais perigoso que a ira real que Samantha sente por tudo o que aconteceu e pelos mortais. Principalmente, porque ela os enxerga agora como seres fracos e parasitas que não deveriam ter qualquer influência em seu modo de ver as coisas, ou o jeito que encara o mundo agora. Tanto que decide abandonar completamente as coisas que envolviam sua vida mortal: quebra até mesmo sua prancha de surf adorada.

"A magia transborda de mim e eu tenho que ser alguém que eu não sou, apenas para agradá-los! Por quê?"

Mônica é um alívio merecido da escuridão que gira em torno de Sam. Vemos o desenvolvimento de sua narrativa enquanto ela mantém sua confiança e esperança na prima-irmã. Acho que a palavra que mais marca toda a Mô que vemos neste livro é justamente esta: ESPERANÇA. Enquanto sua narrativa é permeada por flash-backs interessantes e sua força em acreditar que Sam tem salvação. Também é por onde vemos como foi a mudança das atitudes e pensamentos da nova bruxa.

"Ela parecia a casca vazia do que um dia foi a minha prima bronzeada e brilhante, um eco fraco da sua coragem e ousadia."

E talvez... Apaixonada. Rica e ela estão cada vez mais apaixonados um pelo outro e faz o leitor logo se apaixonar pelo personagem maravilhoso que ele é. Que a Mônica sempre se apaixona fácil, o leitor já sabe. Mas conforme ela descreve e fala sobre seu amor, fica difícil para o leitor não acreditar que esse relacionamento é como o ar que ela respira. Porém, Rica parece esconder algo, sempre desviando o assunto quando Sam, seu paradeiro ou seu comportamento estão envolvidos. O leitor terá que aguentar a tensão e os segredos, enquanto até Mô sente que más coisas se aproximam.

"Havia um desespero tomando conta dos meus sentidos, um pavor de nunca mais vê-lo, tocá-lo, beijá-lo, senti-lo..."

Vemos uma evolução muito boa entre os personagens, especialmente em Samantha, claro. Acompanhamos enquanto ela descobre ser capaz de muito mais do que ela já imaginou, abraçando os elementos naturais do mundo como se fossem parte dela, de repente. E tentando controlar estas habilidades novas. O crescimento da Sam é muito interessante e novamente podemos ver a atenção da autora em não entregar tudo logo de cara, deixando o leitor suspeitar, criar suas teorias, experimentando junto com ela. Ainda mais quando novos inimigos (desconhecidos) começam a colocar um alvo em suas costas.

"Era em momentos como esse que era difícil saber onde terminava meu corpo físico e quando começava minha alma bruxa."

Com a "Bad Sam" perdemos nossas queridas borboletas e estrelinhas, algo que achei muito interessante na escolha da autora! Era perceptível que estávamos lidando com outra Sam, outra visão, outros sentimentos. E especialmente: alguém para quem Ben era um nome proibido e quase nunca pensado. Tanto que quando o pensamento cai sobre os olhos verdes conhecidos, é justamente um leve marco de que algo pode estar errado.

"A dor era insuportável. Eu precisava sair dali. Eu precisava voltar para Tormento, eu precisava do meu remédio."

O final me deixou impressionada, chorei demais e super recomendo essa leitura, porque não tem como falar da história e conseguir englobar tudo o que ela passa. Além do mais, percebemos que a poção que Sam está tomando pode ter perigosos efeitos colaterais e que ainda pode ter muito mais a descobrir dentro de sua família do que ela espera. Admito que senti falta de alguma coisa nesse livro, talvez uma fluidez na hora de ler e de entender tudo o que acontecia. Porém, como um livro cheio de acontecimentos misturados acho que é compreensível que não tenha uma leitura fluida.

Meu coração ainda está sofrendo e sei que talvez eu precise de um golinho daquela poção da Sam. Ou não. Pode não valer a pena. E aí, vamos ler e saber por que?

site: https://souldoslivros.blogspot.com/2018/10/resenha-69-ira-heranca-de-sombras-3.html
comentários(0)comente



31 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3