Um Amor de Detetive

Um Amor de Detetive Sarah Mason
Sarah Mason




Resenhas - Um Amor de Detetive


133 encontrados | exibindo 16 a 31
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 |


sandra 21/01/2017

Uma comedia romântica leve e divertida onde Holly se mete em tudo que é encrenca e faz da vida do detetive James uma confusão. Holly é uma jornalista que foi empurrada pelo chefe para fazer a coluna policial a partir dai a estoria se desenrola em trapalhadas .. Muito divertido.
comentários(0)comente



Alice 17/01/2017

Um Amor de Detetive
Nesta estréia de Sarah Mason, 'Um amor de detetive', os opostos se encontram e - como não poderia deixar de ser -, também se atraem.
Holly Colshannon é uma ambiciosa e desastrada jornalista da Bristol Gazette. James Sabine, é um sargento-detetive durão, grosseiro e ressentido. Eles se encontram de forma divertida- para nós- diversas vezes por conta de uma série de coincidências bastante oportunas. Rapidamente, a determinada Holly vê em James a grande chance de progredir em sua carreira e decide segui-lo por um período de seis semanas a fim de escrever uma coluna criminal, que pode ser o seu primeiro sucesso jornalístico. O lado positivo da situação é que ela consegue obter a tão sonhada coluna. O lado negativo é que o bonitão(Sabine) não está nem um pouco feliz com a presença e com comportamento desastrado (constantemente) de Holly em sua vida. Esse livro vai fazer você soltar altas gargalhadas e chorar como um bebê, fazendo sua mãe pensar que você está louco.
A escrita é tão viciante e descontraída que você termina o livro em um piscar de olhos!


site: *OBS: não uso mais, porém, vou criar outro.
comentários(0)comente



Tracinhas 24/10/2016

por Juliana Arruda
Um amor de detetive é uma história narrada por Holly, uma jornalista do jornal Bristol Gazette. Ela escreve sobre animais e outros artigos do gênero que não são lidos por ninguém. Mas quando um colega de trabalho pede demissão, ela finalmente ocupa o cargo da coluna policial. O único problema é que lidar com policiais e detetives é muito difícil. Então, quando essa oportunidade aparece, a sua missão é manter um laço com a polícia local.

Querendo demonstrar serviço para sair logo daquele local horrendo, a chefe de Relações Públicas da Polícia tem uma ideia maravilhosa: fazer com que Holly seja a sombra de um dos detetives — e nada mais, nada menos, que o chato do James. Sim, ele mesmo: o bonitão boa pinta que tem olhos verdes. Como ele vai se casar daqui há seis semanas, e vai pedir licença logo depois do casamento, nada mais justo do que mantê-los unidos, certo? Então, cabe a Holly fazer um diário para mostrar o que acontece na rotina agitada e perigosa de um detetive.

Claro que no começo é bastante complicado e a Holly não consegue mandar uma a dentro, mas com um tempo, o diário na coluna policial começa a ter destaque no jornal. E todos os leitores começam a ficar curiosos sobre quem são o detetive tão falado nas histórias e a moça que escreve para o jornal.

A história é divertida e engraçada. Adorei demais a maneira como a autora conseguiu me fazer sorrir com esse chick-lit tão doce. Aconselho de coração todos vocês lerem. Vale muito a pena.

site: http://jatracei.com/post/150493786477/resenha-211-um-amor-de-detetive
Ray 24/10/2016minha estante
ADOROO




Krous 24/08/2016

Não há nada de amoroso no detetive ou no livro.
Até hoje tento entender como este livro ganhou o Parker de Melhor Livro Romântico. Primeiro porque é ruim e segundo porque não tem romance algum.

Nunca vi uma personagem tão burra na minha vida. Holly não sabe nada de nada, parece uma criança e se comporta como alguém que sofreu sérias lesões cerebrais. Pior do que ela só seu ~par~, James, incrivelmente grosso com ela por causa de uma má impressão que tem de jornalistas. O que explica, mas não justifica. Aliás, depois que ele conta o que houve entre ele e o Jornalismo, nem tem muita explicação. Foi apenas tempestado em copo d'água - e falta de um jornalista corajoso que disse umas verdades para esse detetive chato.

Claro, como se trata de um romance (meia boca), Holly fica toda derretida por James apesar das constantes grosserias. O que não dá pra entender. O amor próprio dela é tão baixo assim?

Felizmente este livro desastroso não minou meu interesse pela escritora. Isso porque resolvi ler Alta sociedade primeiro. Este livro é excelente, embora James continue o mesmo ser desnecessário.

Acho que a história de "Um amor de detetive" - quero crer que a tradução do título foi ironia - poderia ser mais interessante. Não gosto de livros que são exatamente o que a sinopse diz, sem uma reviravolta, um detalhe chocante que muda tudo. Sarah apostou em mostrar mais o envolvimento dos personagens principais em detrimento do crime que eles investigavam e fez um trabalho porco nos dois sentidos.

Além disso, Bertrand Brasil, que capa mais sem graça é essa? Enfim, terminei a leitura e me livrei deste livro o mais rápido que pude. Nem lembro se joguei no livro, dei pra alguém ou enfiei em uma estante qualquer na Bienal de tão louca de vontade de me ver livre dele que estava.
Hel 15/02/2017minha estante
Eu também achei decepcionante. Só pelo título, já achava que o tal detetive seria mais simpático.
Havia momentos em que me dava vontade de esganar o James, sinceramente. A suposta paixão entre os dois é tão convincente quanto o Lula se chamando de honesto, não dá pra aturar. O mais triste é que tem personagens que poderiam ser interessantes se tivessem sido mais trabalhados, como a Teresa Falsa Santa e o Callum, mas ficou tudo muito superficial, parece que a autora estava com pressa de publicar logo o livro.




Michelle Trevisani 13/07/2016

Amei a história! <3
Olá pessoas! tudo legal por aí?
Hoje vou trazer a resenha desse livro mega fofo da Sarah Mason, Um amor de Detetive, lançado em 2004 pela Editora Bertrand Brasil. O livro já está fazendo mais de 10 anos e só agora consegui ler rsrs... mas antes tarde do que nunca! Sempre ouvi muitas coisas positivas desta história, mas nunca achava pra comprar, estava sempre em falta (ou o preço estava muito salgado). Daí uma amiga minha me emprestou, junto com vários outros e fiquei super feliz porque nem sabia que ela tinha esse livro.

Bom, eu ameii a história! É super fofinha, engraçada, dei umas gargalhadas altas em certos trechos. E quando o livro nos faz rir assim eu o considero ótimo! A protagonista, Holly Colshannon é super divertida! e atrapalhada huahauh... me identifiquei muito com ela. A história é bem escrita, com cadência, personagens que nos faz torcer por eles e é do genêro Chick-lit, gênero que gosto muito de ler. É livro tipo sessão da tarde, quando você quer ler algo leve.

A história é narrada na primeira pessoa, por Holly uma das jornalista do jornal Bristol Gazette. Holly está desmotivada. Está cansada de escrever colunas de funerais de animais e outros artigos que tem certeza que são lidos por ninguém. Vê então cair em seu colo uma oportunidade quando surge uma vaga para fazer a coluna policial, depois que seu colega de trabalho resolve trabalhar para outro jornal. Mas a coluna policial é um osso duro de roer - todo mundo sabe como é difícil lidar com policiais e detetives, especialmente se você é uma repórter. Sua primeira missão então é estreitar laços com a policia local e vê uma grande aliada quando a Relações Públicas do local também quer mostrar serviço e tem uma brilhante ideia de parceria entre o jornal Bristol Gazette e a delegacia.

Holly vai ser sombra de um policial-detetive por seis semanas, com o intuito de escrever um diário dos acontecimentos dia a dia, mostrando de forma exclusiva como é a rotina agitada e cheia de perigos de um detetive. O único problema é que o detetive escolhido para a tarefa é James Sabine, aquele mesmo detetive de olhos verdes e boa pinta que brigou com Holly no hospital dia desses. Holly tem certeza que James não vai facilitar as coisas então além de ter que transformar o diário em algo tão bom que seja atrativo o suficiente para chamar a atenção de novos leitores e ultrapassar a venda dos outros jornais concorrentes, terá como calvário aguentar a cara amarrada de James por seis semanas.

A tarefa no inicio não é nada fácil, mas com o tempo o diário de Holly começa a ganhar destaque e toda a cidade ao redor só fala nisso. James também começa a ser mais solicito e Holly começa a enxergar algo mais além daquele belo par de olhos verdes. Se apaixonar não é o problema. Ou melhor, não seria. Mas ela quis se apaixonar justo por James, que vai se casar daqui algumas semanas. E tudo fica mais complicado quando Holly descobre que a futura esposa de James é a mulher perfeita - rica, simpática e linda. Será que Holly vai ser capaz de deixar os sentimentos de lá e tentar partir para outra? E seu namorado Ben, será que realmente é tão ruim assim que não lhe causa mais nenhuma perspectiva de futuro? Também tem sua melhor amiga e sua mãe que insistem que Holly precisa revelar os seus sentimentos (aliás, os pais de Holly são fantásticos, adorei os dois... e sua melhor amiga também é uma graça, as duas se metem em várias confusões que terminam na maioria das vezes em uma passadinha no hospital rsrs).
De uma forma muita engraçada vamos acompanhar o desfecho dessa história, que convenhamos, é previsível, mas que sempre, sempre adoramos! rsrs Recomendo muito a leitura!

Leia mais resenhar no meu blog >> Livro Doce Livro

site: http://meulivrodocelivro.blogspot.com/
comentários(0)comente



LT 15/06/2016

"É incrível como os sentimentos com relação a uma pessoa mudam depressa quando sabemos que essa pessoa está prestes a se casar com o amor da nossa vida."

Holly Colshannon é jornalista do Bristol Gazette que está frustrada por não ter lá uma posição muito importante no trabalho e está cansada de escrever sobre funerais de animais de estimação da cidade e noticias que no fundo ninguém lê. Após seu colega de trabalho sair do jornal ela tem a chance de progredir como repórter, ela recebe a proposta de assumir a coluna policial durante seis semanas a fim de escrever um diário sobre o departamento de policia da cidade. Determinada a fazer isso funcionar, provar que tem talento e assim alcançar uma posição melhor, ela consegue autorização para passar esse tempo ao lado do sargento-detetive James Sabine relatando toda a experiência que viver ali e tentar melhorar a relação não muito boa que existe entre o departamento e jornal.

James é um detetive impaciente, grosso e mal humorado que detesta a ideia logo de cara já que tem uma aversão explicita a repórteres, e a última coisa que ele deseja é ter uma jornalista “doida” o seguindo por todo lugar, mas Holly é persistente e a convivência inicialmente forçada e as trocas de farpas constante vão se transformando em uma relação quase cordial e a guarda dos dois aos poucos vai baixando. Holly só não contava que nessas seis semanas, em meio a investigações e perseguições seu coração seria roubado por James, mas tem um problema: James está noivo e ela também tem uma pessoa! Agora além de focar em escrever sua matéria, ter credibilidade e resolver crimes, ela vai precisar lidar com o fato de ter se apaixonado por alguém que infelizmente, está fora do seu alcance...

Estava procurando uma leitura leve e rápida e Um Amor de Detetive parecia uma boa opção, li rapidinho, mas não consegui me envolver na trama e nem com os personagens. Veja bem, chick-lits tem essa pegada divertida, com diálogos irônicos e personagens em situações bobas, mas que nos faz rir com suas características próprias e Holly não foge a regra. Ela é uma personagem que garante boas risadas, mas seu jeito desastrado, ser um imã pra confusão e situações repetitivas foram me cansando um pouco. James é aquele personagem com humor ácido e junto com Holly garante diálogos divertidos e a relação gato-rato deles é o ponto alto do livro. Acho que não curti tanto porque esperava mais ação, mais suspense e mais romance na trama. Os demais personagens agregam bem a história e nos trazem bons momentos, mas sem muitos destaques que me fizeram amar algum em especial, apesar de ter gostado da melhor amiga Lizzie e do Joe, chefe de Holly.

A história é narrada pela protagonista e nos dá uma boa visão das suas divagações e momentos de loucura e é divertido ler seus diálogos internos além da descrição sobre sua peculiar família. Sobre o romance pra falar a verdade achei bem chato, só queria saber mesmo como seria o final já que os dois já estavam num relacionamento antes de se conhecerem, mas achei que a convivência desenvolvida no livro não foi o suficiente pra me envolver nessa paixão e o desfecho foi muito rápido. Amor de Detetive é uma comédia romântica, divertida no estilo sessão da tarde e sem muitas surpresas, mas que cumpre seu papel de nos distrair com sua leitura rápida e enredo leve. ;)


"Nós nos olhamos por um instante e tenho a impressão de ver uma certa tristeza no seu olhar, mas talvez seja uma impressão intencional. Se ao menos tivéssemos mais tempo para ficar juntos, mas pela minha breve experiência com James Sabine eu sei que esse casamento irá adiante. Ele é um homem de palavra."


A história da família Colshannon não acaba aqui, Alta Sociedade é a sequencia do livro e conta a história da irmã de Holly, Clemmie Colshannon. ;)

Resenhista Lívia Castro.

site: http://livrosetalgroup.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Diana 11/06/2016

Amo esse livro.
A primeira vez que li esse livro foi a uns quatro anos atrás e lembro que foi meu primeiro Chick-lit. Antes eu tinha um certo preconceito com livros assim, e foi ele que abriu as portas pra esse tipo de leitura.

O livro é comédia com uma pequena pitada de romance. Holly Colshannon a protagonista é uma ambiciosa e desastrada jornalista da Bristol Gazette, mas falar que ela é desastrada é pouco, pois ela é completamente pirada. Ri bastante, e em certos momentos ficava com vergonha alheia com vontade de me esconder. James Sabine é um sargento-detetive durão, grosseiro, ressentido e ele ODEIA jornalistas. E levados pelo acaso, vão ter que trabalhar juntos. Eles brigam entre si por tudo o que torna tudo mais engraçado, E pra completar ainda tem a mãe da Holly(É aqui que temos certeza que as loucuras da Holly vem de família) e o amigo gay, os dois são muito engraçados e quando se junta então, é risada na certa.
O livro tem pouco romance, mas eles ficam naquela tensão sexual. Porém ficar juntos, eles só ficam no final. Mas isso não incomodou, pois as alfinetadas que eles davam um ao outro eram bem mais divertidas.

Super recomendo.

site: http://pelalentedoslivros.blogspot.com.br/2016/07/resenha-um-amor-de-detetive-sarah-mason.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



patita 13/01/2016

Só pra rir
Livro muito divertido. A autora leva a estória de um jeito bem leve, Holly é engraçadíssima e super desastrada. Garante boas risadas. É aquele livro pra descontrair e divertir.
comentários(0)comente



Lorena C. 08/01/2016

Deliciosamente vergonhoso!
Um amor de detetive é tipicamente aquele livro para relaxar e dar umas boas risadas. Um chick lit por completo. Isto é, você é apresentado a mocinha desastrada e que sempre estará metida em alguma confusão absurdamente vergonhosa. Portanto, em alguma parte da história ela se enfiará no meio de uma situação inusitada e irá animar a rotina de qualquer pobre personagem que estiver envolvido. E assim vos apresento Holly Colshannon. Um sobrenome no qual minha língua embolou várias vezes tentando descobrir a pronuncia certa. Sendo sincera? São tantas confusões altamente vergonhosas que ela se depara, que fica difícil decidir entre Holly Colshannon ou Emma Corrigan (Sophie Kinsella). No entanto, são engraçadas de não consegui controlar as risadas.


É claro que sendo um bom chick lit há também o mocinho-nervoso-bonitão, a amiga-com-ideias-loucas, os-pais-pouco-convencionais e mais um pouco. A história é narrada por Holly, tornando as situações mais cômicas e o enredo é engraçadinho. Vale lembrar que não sou muito fã do gênero, mas gosto de ter uma leitura mais tranquila. O ponto mais interessante mesmo é a interatividades entre os protagonistas, que ocorre em grande parte da história e é desenvolvida de forma cativante. Portanto se o que procura é uma leitura leve e engraçada o livro preenche todos os requisitos.
comentários(0)comente



Alanna 06/01/2016

Um amor de detetive, uma trapalhada de repórter.
Sabe aqueles livro que você lê a sinopse, gosta, ai baixa e esquece completamente que baixou? Foi o que aconteceu com esse livro. Reencontrei ele por acaso, enquanto colocava alguns livros no tablet para ler. E devo dizer que não me arrependo

Logo no início, o livro já fica engraçado demais! Holly é muito estabanada, e isso me rendeu boas risadas. As trapalhadas que ela apronta, e que irritam demais nosso detetive, são muito boas.

Este não pode ser acusado de se tratar de um livro meloso. Na verdade, se a pessoa não lê o título, ela até boa parte da história nem se dá conta de que se trata, enfim de um romance e com esses personagens. James é completamente o oposto de Holly, e só pra lá da metade do livro é que um romance pode enfim ser suposto.

Pra completar, e eu acho que foi algo que faltou no livro: a integra da coluna de Holly. Eu ficava com vontade de ler, e a única mostra dessa coluna era quando os personagens liam, e eram apenas fragmentos. Ia ser muito mais legal se a autora explorasse mais essa parte, até para que percebêssemos que a coluna vinha se tornando uma carta não oficial de Holly. Mas diante de todas as boas coisas do livro, eu perdoo esse erro. Só dessa vez.

Sem ficar demorando: indico esse livro. Porque se a pessoa tem um mínimo de senso de humor, vai si rir um bocado com a história.
comentários(0)comente



Beta Oliveira 31/12/2015

Com texto turbinado, um dos favoritos apareceu no Abril Imperdível LdM10. Jornalista que quer promoção trabalha com policial que odeia jornalistas. Divertido, não tem vergonha de ser bobo quando precisa e por reforçar que, às vezes, a gente não enxerga mesmo o que está debaixo do próprio nariz e só se mete em confusão quando tenta adivinhar os atos alheios e age a partir disso. Mas quem foi que disse que a vida deveria ser um caminho fácil e tranquilo?

Confira o texto completo deste livro da Bertrand Brasil no Literatura de Mulherzinha.

site: http://livroaguacomacucar.blogspot.com.br/2015/04/cap-106-turbinado-um-amor-de-detetive.html
comentários(0)comente



De repente, no último livro 24/12/2015

Faltou "algo mais" para estar na medida certa...
Um Amor de Detetive é um livro com carinha de Sessão da Tarde. Aqueles livros frescos, gostosos de ler em uma tarde tranquila, que cumprem direitinho o papel de nos entreter e relaxar, distrair dos problemas do cotidiano. Não é um livro inesquecível ou uma grande obra-prima, mas, certamente prende o leitor com uma história doce e engraçada, que ao final terminamos com um sorriso sonhador no rosto. Se trata de um chick lit, o que já por si só nos deixa prever uma história bastante rosa e romântica, com toques de humor e muito drama feminino.

Holly Colshannon é uma aspirante repórter que com muito esforço e lábia conquistou um lugar no Bristol Gazette. Sua missão: fazer a cobertura exclusiva de funerais... de animais de estimação. Um pouco frustrante, certo?
Um dia, quando o repórter policial do jornal pede demissão inesperadamente, o chefe de Holly não vê outra opção a não ser dar à ela a missão de cobrir os crimes e casos policiais da cidade. À princípio, Holly se vê completamente desmotivada. Ela não tem experiência nenhuma nesta área! Mas, depois de fazer amizade com a Relações Públicas da delegacia local, uma grande idéia surge para alavancar a carreira de Holly e melhorar a imagem da polícia local. Holly deverá escrever um diário, onde contará as aventuras e mistérios atuando como a "sombra" de um dos policiais. O escolhido? O detetive James Sabine, que sofre de uma verdadeira aversão à repórteres. James Sabine e Holly passarão 6 semanas sendo uma dupla inseparável, Holly deve escrever o passo à passo do detetive em sua coluna diária ao jornal, além disso, no caminho de ambos surgirá um misterioso ladrão que desafia a polícia local, e juntos, eles deverão descobrir a identidade do ladrão e dar fim à série de roubos praticados pelo misterioso criminoso.

Holly e James Sabine são dois opostos. Ele é durão, másculo; ela é doce e delicada. Ele é aquele que percebe tudo com um simples olhar; ela mal se dá conta do que está à sua frente. Mas esses dois opostos, que à princípio se detestam, começam a descobrir o lado encantador um do outro, e conforme as semanas passam, os sentimentos afloram. Mas Holly já está comprometida com um charmoso (e muito idiota) jogador de rúgbi, e Sabine deverá se casar nas próximas semanas com uma garota que não apenas é linda, mas também inteligente, caridosa e gentil. Pode Holly competir com uma rival como essa? Pode Sabine vencer o charme de um atraente jogador de rúgbi?

Nesse contexto a história se desenvolve. Se você leu e gostou desse resumo do livro, te aconselho à ler. É um livro leve, daqueles feitos para entreter, que se lê na praia, no ônibus, sentada à varanda desfrutando de um fim de tarde. Um livro que não te saca grandes emoções (ele não te fará chorar, ele não deixará suas emoções à flor da pele, você não terminará essa história dizendo que aprendeu uma grande lição) mas por alguns preciosos instantes, esse é um livro que consegue te transportar à um mundo mais fácil de se viver, mais generoso, mais agradável e onde as coisas boas sempre prevalecem.

Eu desfrutei muito de cada página passada com Sabine e Holly. Embora tenham personalidades completamente distintas, fica impossível não se dar conta da química evidente do casal desde o princípio. Acredito que estas é uma das coisas que mais cativa no livro, o casal principal possuí muita química, o relacionamento entre eles floresce diante dos olhos do leitor, e além do magnetismo do casal principal, a autora nos oferece um rol de personagens secundários absolutamente geniais. Holly possuí uma família bastante autêntica e ao fim do livro fica impossível não morrer de amores pelos pais de Holly, principalmente a mãe dela. A melhor amiga de Holly, Lizzie, também é ótima e conseguiu me cativar. Outro personagem que ganhou meu coração foi o sempre divertido Callum, um dos policiais que trabalham com Holly e James Sabine.

A escrita de Sarah Mason é bastante simples, fluída, divertida. A autora conseguiu manter o clima de mistério no ar, ao acrescentar à história um ladrão responsável por roubos na cidade e que será apelidado por Holly em seu diário de "Raposa". O leitor fica preso às páginas do livro, tentando conhecer a identidade de Raposa e o mistério por trás de seus roubos planejados e executados à perfeição. Enquanto tentamos resolver com Holly e James Sabine o mistério sobre a identidade de Raposa, somos também testemunhas dos sentimentos que a cumplicidade e a evidente atração de ambos vão causando em cada um dos dois. O final é bastante inesperado, eu não sabia o que iria acontecer até o fim, e apenas na última página conhecemos a decisão de Holly e também a decisão de James. Não é um livro excessivamente largo, mas também não é demasiadamente curto, eu diria que a autora soube contar uma história certa, com os detalhes necessários, na quantidade de páginas corretas, sem atropelar as coisas, mas também sem prolongar excessivamente os acontecimentos. Isso deixou a história bastante ágil, fácil de acompanhar e difícil de largar.

Um Amor de Detetive é sem nenhuma dúvida uma ótima recomendação para quando queremos uma leitura divertida e leve, com uma narrativa envolvente e intrigante, que nos prende com o avançar de suas páginas e ao final se encerra deixando no leitor uma lembrança gostosa e uma sensação leve. Um livro absolutamente necessário para quando queremos sentir a inocência dos amores secretos e a cumplicidade dos grandes amigos, materializados na forma de personagens formidáveis.

site: http://aliceandthebooks.blogspot.com.br/2015/10/review-38-um-amor-de-detetive.html
comentários(0)comente



Priscila 11/11/2015

Detestei
O livro traz a história de Holly Colshannon, uma mulher obstinada e jornalista do Bristol Gazette, um dos jornais mais importantes. Não tanto assim. No jornal, Holly faz artigos sobre animais, como gatos, cachorros, etc. Assim como falecimentos dos mesmos e produtos para esses animais.

Mas Holly não está feliz com o trabalho que tem. Mas ela tem uma oportunidade de crescer, quando um jornalista e seu “inimigo”, Pete, recebe uma proposta para trabalhar em outro jornal. Pete era um jornalista policial, e cobria toda parte de assaltos, assinados e outros crimes.

Mas antes que desse acontecimento, encaramos logo no primeiro capítulo, Holly eentrando em contato com a Emergência para a sua amiga, Lizzie, que tinha ficado com um preservativo entalado nas suas partes intímas. A atendente que estava fazendo o atendimento pelo telefone, solicitou que elas fossem para o hospital para a retirada do mesmo. E assim foram elas.

E durante o caminho, Holly tinha que passar no Bristol para avisar o seu chefe. Claro que ele fez vários questinamentos, mas liberou Holly só que ela tinha que fazer uma matéria para o jornal. O assunto era sobre uma fraude que havia acontecido no hospital. E com isso Holly foi levar a sua amiga para o hospital.

Quando chegam ao hospital, ficam em uma fila para passar pelo atendimento. Quando chega a vez delas, Holly diz muito sem graça que foi ela que tinha acabado de ligar para falar do problema. A atendente as encaminha para a sala de espera de atendimento.

Nessa sala Holly avista dois policiais e vai até eles para saber do assunto instruido pelo seu chefe. Mas ela não se dá muito bem, quando fala quem ela é e de que jornal ela é. O policial não gosta muito da situação, e tenta expulsá-la. Mas não consegue por que ela é a próxima a ser atendida. E quando são encaminhadas para uma sala, para o atendimento, Holly vai atras de outras fontes para a matéria e descobre um outro policial que aceita a conversa e lhe conta tudo.

Depois desse episódio e de fazer uma ótima matéria, seu chefe a chama em sua sala para lhe contar da vaga aberta, pois Pete tinha encontrado um emprego melhor em outro jornal. E sendo assim, ela fica com a vaga de jornalista policial.

E por aí vai acontecendo a aventura.

Bom, tenho que dizer que tive que abandonar esse livro. Por que??? A história é muito ruim, mesmo. Ok, ri muito com a cena do primeiro capítulo e foi só isso. A história ficou absolutamente sem graça e acabou deixando a protagonista burra. Aliás muito burra.

Fiquei muito irritada com a edição do livro. Por que??? Por que as falas estavam todas juntas com as descrições dos acontecimentos, dificultando a compreensão da história. Sem contar que tive que ler inúmeras vezes a mesma parte para entender o que estava acontecendo.

E confesso que fui detestando muito essa história. E com isso não consegui mais ler, e ler por obrigação não meu forte. Sabe quando você perde o interesse pela história no segundo capitúlo?? Então é por que a história é ruim demais.

No geral: a história é ruim, a Holly é ruim, tudo é ruim nesse livro. Inclusive a diagramação que é tão péssima. Por isso dei duas estrelas para esse livro abandonado.

Mas mesmo eu não gostando, recomendo a leitura.

site: http://resenhandobma.blogspot.com.br
Taz 15/09/2018minha estante
Exatamente o que estou sentindo. Foi bacana no inicio mas está insuportavel de frio e sem motivação. Não é um chick lit? Então onde está o romance e as gracinhas?? Nao tem... dá sono!!!


Priscila 16/09/2018minha estante
Disse tudo!!! Consegui terminar, estava chato demais.


Taz 16/09/2018minha estante
Eu parei aos 30%. Nao sei se vou acabar... ta de molho ...kkk




Tânia (@ritmoliterario) 10/11/2015

Altas risadas!

A leitura desse livro foi como um desafio, depois de ter lido e não gostado de Fiquei Com Seu Número da Sophie Kinsella que é a rainha do chick-lit, não estava muito empolgada com essa leitura, mas como precisava ter uma nova experiencia com esse gênero literário decidi mudar de autora, e como esse livro é muito recomendado, resolvi arriscar.

Comecei a leitura e já me veio aquela sensação de que não ia gostar, pois mais uma vez a personagem principal tem atitudes imaturas para uma mulher de 25 anos, e faz coisas que na minha opinião não tem graça. Mas mesmo com essa impressão logo nas primeiras paginas resolvi ler até o final

A historia melhora muito do meio pro fim, acontece muita coisa engraçada, além do romance que se desenvolve de uma forma sutil e leve, dando um charme a historia.

Claro que eu como uma apaixonada por romances, queria mais beijos, mais eu te amo, mais suspiros, mas o que foi mostrado ficou de acordo com o gênero do livro. E o final foi lindo, e até suspirei rsrs.

A autora soube dividir a comedia muito bem, não só a personagem principal que é engraçada, tem outros personagens tão hilários quanto ela, sendo uma ponto positivo, pois assim a comédia não ficou forçada.

O livro é bem legal, não chega a ser perfeito, na minha opinião tem muita coisa desnecessária, coisas essas que adultos maduros não fazem, mas num modo geral, vale a pena ler e dar boas risadas.



site: http://rtimliterario.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



133 encontrados | exibindo 16 a 31
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 |