Quem me roubou de mim?

Quem me roubou de mim? Pe. Fábio de Melo...




Resenhas -


11 encontrados | exibindo 1 a 11


Marcela.Freitas 09/01/2022

Um abraço de volta para casa
?Quem me roubou de mim??, do padre Fábio de Melo, é um livro que nos provoca reflexões do início ao fim. Ele trata sobre o que chama de ?sequestro da subjetividade?, quando perdemos a espontaneidade e nossa essência para atender às exigências do mundo externo e das pessoas à nossa volta, e nos sentimos como se, de fato, alguém tivesse nos sequestrado e nos colocado em verdadeiros cativeiros.
A vida no cárcere privado, fisicamente, deve ser uma tortura só! Mas o que a gente se esquece é que essas prisões comportamentais e mentais têm um impacto tão avassalador quanto o físico. Elas têm o poder de estragar o nosso referencial da verdade, de nos fazer esquecer que valemos a pena. Torturam nosso amor próprio, nossa autoconfiança. Nos jogam no breu que é acordar e não saber mais quem somos.
E sabe o que é o pior? Muitas vezes não temos referencial de outra vida, senão essa de tortura. E aceitamos.
Contudo, padre Fábio nos convida, também, a refletir sobre o papel de sequestradores que assumimos (nem que seja pelo menos uma vez) na vida de alguém. Quando você exige que uma pessoa seja ou haja de determinada maneira, e não permite que ela seja quem ela É, você pode estar roubando a subjetividade deste alguém. Pode estar torturando esta pessoa, deixando-a desencorajada a tomar decisões.
Vale lembrar que diferente do que a maioria imagina, essas relações de sequestrador e sequestrado não acontece somente em relacionamentos amorosos, mas entre pais e filhos, entre amigos, enfim... relacionamentos de maneira geral. Projetar alguém ou as atitudes deste alguém é te colocar em um lugar de muita dor (e provocar dor no outro também).
Moral da história, gente: precisamos ter responsabilidade uns com os outros, mas PRINCIPALMENTE com nós mesmos. Precisamos ser justos, aprender a controlar nossos medos, a domar nossas feras interiores e não deixar que as pessoas nem nos abusem, nem sejam abusadas por nós.
Sendo assim,Fábio de Melo nos convida a fazer as pazes com nossas histórias. As boas e as ruins que compõem o todo que somos. Nos convida à um abraço de DEVOLUÇÃO. Aquele lugar aonde podemos primeiro ser inteiramente nossos,para só depois conseguirmos ser o MELHOR para os outros.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Cynthilante 26/10/2021

Olhar de uma outra forma sobre relacionamentos abusivos é a proposta do livro. Repensei muitas situações da vida. Leitura obrigatória!
comentários(0)comente



Karol 09/09/2021

Muito necessário!
Um livro maravilhoso! Não me arrependo nem por um segundo, um livro tão importante nesse momento atual onde idealizamos e colocamos relacionamentos acima de nós mesmos, criando expectativas e pessoas perfeitas que nos geram frustrações, aprisionamento e perda de indentidade.
comentários(0)comente



Chelly @leiodetudo 07/07/2021

Filosófico.
Não é uma leitura fácil. Uma boa dose de filosofia para nos fazer refletir sobre o que e quem nos priva de sermos nós mesmos. Em um dos trechos Pe. Fábio avisa: "Se, em algum momento da leitura, o texto lhe parecer difícil, vença o desafio. Chá de boldo também é duro de ser bebido, mas faz bem ao fígado. " Principalmente no início da leitura há diversos conceitos e citações de filósofos. Esses conceitos irão nos conduzir a resposta para a pergunta do título.
Com muitas reflexões ,Padre Fábio disserta sobre a construção da nossa identidade como indivíduo,a falta de horizontes, relacionamentos abusivos , idealizações da vida cotidiana e mito do amor romântico. Com situações cotidianos, somos apresentadas a diversas pessoas que foram sequestradas de si mesmas.
comentários(0)comente



Júlia 16/06/2021

Ótimo
Apesar do Padre Fábio de Melo ser um cristão, ele não impõe sua religião no livro. Seu livro é baseado em experiências vividas e muito bem construído. Acho o Padre Fábio de Melo inteligentíssimo, muito estudado e que expõe fatos de uma maneira muito clara. É um livro maravilhoso, deveria ser um livro de cabeceira para todas as mulheres.
comentários(0)comente



Fabi 17/04/2021

Do Padre Fabio de Melo, que presente nesse momento de pandemia! Vejo como ?leitura obrigatória? para todos, acabamos roubando e sendo roubados de nós mesmos nos nossos relacionamentos interpessoais. É reflexão pura!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Júlia Siriano 31/01/2021

Sensacional
Adorei o livro! Acho que o subestimei, esperava muitos conceitos religiosos e etc mas ele me surpreendeu demais! Eu não tinha entendido o título do livro mas depois que você lê, faz todo sentido, são reflexões maravilhosas sobre o sequestro do corpo e da subjetividade, as relações amorosas, o conceito de pessoa, etc. então, eu recomendo demais, independente de crenças religiosas, porque esse não é o foco do livro; é uma leitura reflexiva. Não é uma leitura infanto juvenil, indico mais para o público adulto.
comentários(0)comente



Helô 25/06/2020

Se eu tivesse que recomendar só um livro... seria esse
Esse livro tem um significado muito forte para mim. E se tornou o meu livro preferido.
De forma simples e didática o pe Fabio de Melo usa todo seu talento filosófico e sabedoria para nos explicar sobre subjetividade, como acontece o sequestro da subjetividade e porquê.
Para isso, ele utiliza exemplos didáticos e aborda diversos assuntos como: amor, paixão, maturidade, medo, simbologia, mitologia, expectativa vs realidade, ilusão, liberdade, desejo, prazer, construção do Eu e do Nós, conceito de pessoa, entre outros.
Por favor, leiam.
Leitura e . 25/06/2020minha estante
Oii... Bom diaa...Tudo bem?... Desculpa por interromper sua leitura, mas gostaria de te convidar a me seguir no Instagram para acompanhar minhas leituras... te espero lá...?
Obrigado.
@leituraeponto




Jullia 06/01/2020

Incrível!
Primeiro livro que leio que trata do assunto de relações abusivas/destrutivas sob uma ótica filosófica e cristã, pois é muito comum a abordagem do tema apenas sob uma visão feminista e de gênero. Consegui ter várias reflexões e insights ao longo da leitura.
A imagem de que Deus nos cria para ser livres e a liberdade é a essência do ser humano faz com que a gente perceba que as relações que construímos que nos limitam e nos podam estão retirando o bem mais valioso que temos dentro de si: nossa individualidade.
Livro puramente filosófico e lindíssimo em cada detalhe. Destaque para a escrita do Pe. Fábio de Melo, que é muito fluida.
comentários(0)comente



11 encontrados | exibindo 1 a 11


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR