Paraísos Artificiais

Paraísos Artificiais Charles Baudelaire




Resenhas - Paraísos Artificiais


5 encontrados | exibindo 1 a 5


Giovanna.Charrone 21/04/2020

Detalhado e bem diferente.
A escrita é muito bem trabalhada, mas pode apresentar alguns desafios. A descrição de como as drogas agem no organismo e todo o contexto histórico apesar de curiosos são bem enriquecedores. Mesmo sendo um tanto maçante em alguns momentos, acho que é sem dúvidas uma leitura muito interessante e que vale a pena.
Gabriel 21/04/2020minha estante
?




Fabiana 26/03/2014

Haxixe, ópio e vinho por Baudelaire
Uma bela habitação não torna o inverno mais poético, e o inverno não aumenta a poesia da habitação?
_
Relatos sobre o ópio, o haxixe e o vinho, aos quais - na época - o homem recorria na busca de um paraíso ou ideal artificial. Aqui também há uma análise da obra do inglês Thomas De Quincey, Confissões de um Comedor de Ópio.
A leitura pode ser um tanto cansativa, mas todo interesse filosófico colocado pelo escritor no tema torna a escrita de qualidade.
comentários(0)comente



M. Scheibler 24/02/2012

Adquiri esse livro para conhecer o autor Charles Baudelaire, que eu já tinha lido sobre sua carreira algumas vezes. PARAÍSOS ARTIFICIAIS trata da descrição dos efeitos do ópio, do haxixe e do vinho no organismo humano. O texto tem um acento filosófico e, por que não dizer, poético. É uma leitura totalmente diferente, pois foge do padrão de romances, aventuras e outros tantos gêneros que circulam por aí.

Pra quem curte histórias agitadas vai achar esse livro muito monótono, pois não há diálogos. O relato de alucinações após o consumo das substâncias citadas no parágrafo anterior tem um pontos de comicidade, mas, no geral, descreve o lado filosófico das experiências.

Mas o que mais achei de interessante no livro foi uma citação do filósofo Barbereau no final:

“Não compreendo por que o homem racional e espiritual serve-se de meios artificiais para alcançar o êxtase poético, pois o entusiasmo e a vontade bastam para elevá-lo a uma existência supranatural. Os grandes poetas, os filósofos, os profetas são seres que, pelo puro e livre exercício da vontade, alcançam um estado onde são, ao mesmo tempo, causa e efeito, sujeito e objeto, magnetizador e sonâmbulo”
comentários(0)comente



Isis 24/11/2011

Ópio, haxixe e 'análises'.
Meio massante. Porém, com algumas observações um tanto interessantes.
comentários(0)comente



Leo 07/09/2010

Muito ópio, haxixe e uma dose de vinho!!!
Uma viagem, mas um tanto cansativo.
comentários(0)comente



5 encontrados | exibindo 1 a 5