Quando os Adams Saíram de Férias

Quando os Adams Saíram de Férias Mendal W. Johnson




Resenhas - Quando os Adams Saíram de Férias


48 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Scariot 08/08/2019

Cru, pesado, forte, angustiante
Bárbara é uma jovem que trabalha de babá cuidando de Bobby e Cindy, filhos dos Adams. Ela ficou responsável de cuidar deles durante alguns dias que os Adams estariam de férias.
As duas crianças fazem parte de um grupinho de crianças e adolescentes chamado Liberdade 5, que costumam brincar de "castelo" vamos dizer, onde um é rei, outro rainha, outro carcereiro, outro escravo, essas coisas. Certo dia eles resolvem brincar de guerrilha e escolhem Bárbara para ser a prisioneira. No começo Bárbara achou que seria apenas alguma brincadeira momentânea e que logo iriam soltar ela, mas nunca imaginou que estaria entrando no seu pior pesadelo.
Demorei mais que o normal para ler esse livro, não por ser ruim, mas sim por ser muito, mas muito, mas muito pesado mesmo, tinha dias que eu não conseguia ler mais do que um capítulo.
As situações em que Bárbara é submetida pelos jovens realmente te da angústia, medo, pavor, repulsa, te deixam incomodado de verdade.
Por várias e várias passagens do livro eu fiquei me perguntando se aquela história não era real, se aquilo realmente não aconteceu com o autor ou alguém próximo dele, porque parece muito real tudo o que está sendo narrado.
É um livro que te acerta em cheio na mente. Se você ler esse livro e não sentir algo incomodativo, acho que você não tem coração.
Para quem gosta de coisas realmente pesadas fica a dica do provável livro mais forte, pesado, tenso e cru que já li.
comentários(0)comente



Carol 05/06/2019

Livro perturbador e em algumas partes bem chato. Passa uma angústia e uma tensão horrível.
comentários(0)comente



Felipe 18/02/2019

Obra difícil de se resenhar...
Quando os Adams Saíram de Férias é um livro difícil em vários aspectos. Como trata o título, ele é difícil de se resenhar mas, acima de tudo, é difícil de se ler...de se aguentar.

Inspirado na história real de Sylvia Likens (inspirado apenas, existem muitas diferenças), essa obra nos trás um retrato perturbador das pessoas, principalmente das crianças. Geralmente tidas como exemplos máximos da inocência, aqui elas são um pouco diferentes. Moldadas principalmente por seu local de nascimento, pelas companhias e "brincadeiras", aqui elas já deram adeus a inocência mas sem nem mesmo perceber. Se você para e analisa um pouco sobre o contexto de vida em que elas estão inseridas, suas amizades e outros fatores, você começa a compreender que a história não é tão distante assim da realidade, o que pode ser chocante.

Tecnicamente falando, o livro não é um primor. Existem alguns momentos confusos e outros desnecessários. Até metade do livro as partes que mostram a história pela visão de Barbara, a refém, são um pouco vagas e, até certo ponto, levemente misóginas, o que foi o principal motivo para tirar uma estrela da nota final. No fim, entretanto, o ponto de vista da pobre coitada se torna o mais interessante e pesado, deixando a leitura ainda mais difícil.

Se tivesse que resumir o livro em uma palavra seria "Perturbador". É perturbador chegar ao seu final e perceber o que aconteceu, é perturbador pensar que, sim, isso seria possível. É perturbador pensar em Sylvia Likens e sua terrível história. Ler esse livro é perturbador.

Assim, fica o conselho: Se você estiver realmente procurando uma leitura tensa, difícil e perturbadora, vá em frente, esse pode ser seu livro. Entretanto, se você não consegue se desligar de um livro e não tem interesse nesse tipo de leitura, passe longe...
comentários(0)comente



Tayriny 06/02/2019

O perturbador é o quanto é ruim
O livro que prometia ser o mais perturbador que já li!!! Quando os Adams saíram de férias promete muito e não cumpre nada. Bárbara é uma estudante exemplar de pedagogia que vai trabalhar na casa dos Adams como babá. Quando os Adams resolvem viajar de férias e deixar os dois filhos, Bobby de 13 anos e Cindy de 10 anos, com a babá, tudo começa. Já no segundo dia sozinha com as crianças, Barbara acorda amarrada em sua cama na casa dos Adams e aí começa o pesadelo e torturas. Na minha opinião, o livro é muito mais um drama psicológico do que suspense. A verdadeira tortura foi com o leitor. O desenrolar (que está mais para enrolar) foi extremamente chato. O tempo todo falava sobre a rotina das crianças, sobre como as outras 3 crianças- Dianne, Jhon e Paul- saíam para a casa dos Adams e voltavam para suas casas, sobre como levavam barbara ao banheiro e a alimentavam. 90% do livro são os pensamentos de Barbara, na vida dela, em como seria se ela estivesse livre, como ela gostaria de estar e sempre se lembrando das aulas de psicologia infantil, que de nada a ajudou. Bárbara na verdade é uma sonsa, ela se deixa levar pelas crianças, não faz nada para as impedir, nem tenta persuadir. Nem nos estupros ela demonstra uma reação. O livro inteiro você imagina o porque deles fazerem isso com a babá, e eles não dão essa explicação, na verdade nem eles mesmos sabem. O único motivo que eles dão é, o poder sobre um adulto, provar para si mesmos que podem fazer o que quiser com um adulto. As últimas 50 paginas foram as melhores e mais emocionantes( UM POUCO). Não recomendo esse livro, não por ser perturbador (porquê não é) mas sim por ser muito Prolixo.
comentários(0)comente



Luciana.Freire 25/01/2019

Horrível e ao mesmo tempo envolvente.
O que falar desse livro? Impossível falar que gostei.... impossível acreditar que exista tanta maldade.... impossível esquecer. Desesperança, injustiça, agonia e desamparo resumem.
Rafaela.Souza 25/01/2019minha estante
Eu avisei para não ler, é o tipo de livro que marca a gente!!!!


Luciana.Freire 12/02/2019minha estante
Aí Rafa.... tenho pesadelos com esse livro até hoje! E olha que ainda achei que o autor não pegou tão pesado quanto poderia.....




Milena 23/01/2019

Muito bom, achei que a narrativa mais lenta é para o leitor sentir a angústia da protagonista.
comentários(0)comente



Flávia Pasqualin 22/10/2018

Inquietante
Barbara, uma sonhadora e ingênua universitária vai trabalhar de babá para os Adams. Tudo corre bem entre a jovem e a família até que o casal viaja, deixando-a sozinha para tomar conta das crianças. Decididas a tirar maior proveito do tempo livre, sem nenhum adulto impondo regras e horários, os filhos dos Adams junto com seus amigos decidem se livrar da babá, aprisionando-a, e o que começa como uma brincadeira de mau gosto, pouco a pouco vai se transformando em algo cada vez mais assustador.
O livro possui pequenas pontas soltas e a narrativa por vezes é meio pobre, mas se a intenção era perturbar, sem dúvidas, conseguiu. À medida que o tempo vai passando a maldade das crianças vai aflorando e sentimos na pele a tensão sofrida pela personagem. É difícil não se comover pelo drama sofrido por Barbara.
“[...] começara porque eles podiam. A mera possibilidade era irresistivelmente compulsiva, banal. Será que era tudo que uma pessoa necessitava para se tornar um torturador, um carrasco, um violador, um assassino, apenas a possibilidade e depois o poder e depois a maneira de escapar impune?”
Adriano Araújo 22/10/2018minha estante
É um pouco assustador pensar que esse livro teve uma inspiração em uma historia real, um dia ainda vou ler ele, mas não agora.


Cristian 22/10/2018minha estante
Fiquei com vontade de ler. Sua resenha também me fez lembrar de outro livro, O Senhor das Moscas. Parece haver algumas semelhanças no ponto em que a maldade parece emergir pelo simples fato de ser possível, mesmo em crianças.


Flávia Pasqualin 22/10/2018minha estante
Quando tiver oportunidade leia, Adriano, principalmente se gostar dessa temática. É bem forte, ainda mais nas páginas finais.


Flávia Pasqualin 22/10/2018minha estante
Sim, é bem parecido com o Senhor das Moscas, mas esse consegue ser mais grotesco, pq aqui as crianças não estavam em situação de sobrevivência, era pelo simples prazer de ferir o outro mesmo.




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Tamires.Isis 03/09/2018

Passou uma angústia? Com certeza!
Imaginei que está leitura seria perturbadora.
Uma babá norte americana que foi sequestrada, torturada e abusada sexualmente por 5 jovens/ crianças.
Com um final nada feliz. O livro não tem nem 200 páginas, mas se arrasta na narrativa de uma forma, que cheguei a pensar que estava lendo Guerra do Tronos.
A personalidade dos jovens foi bem retratada e deu para conhecer cada um deles, em alguns momentos até demais.
A babá que também é jovem, tem sua parte na história e conhecemos o seus medos e suas esperanças.
Só não gostei mesmo é que o porquê do crime não foi explicado de um jeito que eu pudesse, sei lá, " compreender" o pq de tanta maldade. Mas talvez esse tenha sido o intuito do autor, como as crianças mesmo disseram : eles podiam e fizeram.
comentários(0)comente



Vanda 12/07/2018

Lê se tiver paciência
Pra quem quer ler e já pesquisou sobre o livro e pensa que é muito perturbador pode pensar de novo, nas primeiras cento e poucas páginas o livro é muito muito lento, não dá pra sentir nenhuma violência/angústia, confesso que quis abandonar a leitura, somente nas últimas 20-10 páginas é que começam as cenas perturbadoras, de novo digo: O LIVRO NÃO É TÃO PERTURBADOR ASSIM!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Thais 25/03/2018

Perturbador
Esse foi um dos livros mais doentios que eu já li.
Com um crime baseado na história de Sylvia Likens (que teve a trágica história contada no filme "Um Crime Americano") esse livro nos conta uma história, que infelizmente se retrata na nossa sociedade, onde crianças são capazes de cometer as maiores atrocidades para com outro ser humano.
O modo como a autora descreve os abusos cometidos à vítima é bastante descritivo, além de, em certas situações, estarmos imersos dentro da cabeça de cada um dos personagens.
Um dos pontos mais impactantes (na minha humilde opinião) da história, se encontra nos pequenos momentos de conversa entre algoz e vítima. Durante esses diálogos, vemos um posicionamento totalmente egoísta e desprovido de empatia por parte das crianças, que aparentam não querer enxergar a real gravidade de seus atos, levando toda a situação como uma grande brincadeira.
É um livro difícil de se ler, não por conter uma escrita mais complexa, mas por trazer à tona situações pesadas de se absorver, principalmente quando cita comportamentos e situações tão presentes na nossa sociedade. Durante a leitura, diversos sentimentos surgem, tais como nojo, angústia, indignação, empatia e compaixão, e essa é uma característica importante a respeito de um livro.
comentários(0)comente



Joaquim.Junior 06/01/2018

Final preguiçoso
Um bom livro mas com um final bem preguiçoso... Podia ser bem melhor explorarado.
comentários(0)comente



Brenda Geovana 15/11/2017

Angustiante
É um livro muito forte, não recomendo para todos, em algumas partes (várias) a leitura foi bem arrastada, o final foi decepcionante pra mim! Tinha tudo pra ter sido melhor, mas não foi.
Vanda 12/07/2018minha estante
O final tinha que ser assim infelizmente, a Slyvia (mulher que inspirou a personagem Bárbara) infelizmente morreu também na vida real


Brenda Geovana 19/07/2018minha estante
Pois é, só depois de um tempo que acabei de ler que eu fui pesquisar e descobrir que foi baseado em história real. Macabro!




Striker 20/08/2017

Interessante
Spoiler!!!!

Alerta de Spoiler!!!!

Se não quer dados importantes não desça!!!


Spoiler! !!



O que eu posso dizer sobre esse livro? Ouvi falar a respeito em uma comunidade que estava debatendo livros chocantes.
Imediatamente me interessei por esse titulo e pela sinopse.
Alguns dias depois consegui adiquirir o livro e imediatamente começei a leitura.
Gostei do fato da história começar logo com o Sr e a Sra Adams fora de cena, destesto livros que enrolam.
Em menos de quinze paginas ja nos deparamos com Barbara amordaçada e presa a cama.
Então chegam os capetas... Ou crianças como diz no livro...
Eles a torturam de todas as formas possíveis. .. Ela é estuprada, humilhada e realmente na unica chance que tem que de acertar um deles dá só uma pancadinha. Na pia??
Na boa eu deixaria a menina com um traumatismo craniano... Ela não saia viva não e mesmo que me matassem depois eu queria ver que desculpa iam dar pros pais dela.
Esperei o momento da vingança, esperei a retaliação, esperei tanto e encontrei só decepção. .. Ate o cara desconheçido que eles tanto temiam , eles mataram.
O cara podia ser um assassino lunatico, podia ter arrancado as tripas dele sem agonia. Mas pra que satisfazer o leitor? Pra que?
A vida é justa? Claro que não, mas pelo menos em livro eu esperava um misero sabor de vingança.
Eu acho que me surpreenderia ate saber que os pais deles eram assassinos e os estavam treinando e no fundo eles eram espancados e abusados.
Mas nao teve isso, nenhum premio de consolaçao, só a minha fertil imaginação mesmo.

Dou quatro estrelas por que o autor soube me prender por um dia inteiro nessa agonia, o unico problema foi a bosta do final.

Uffa desabafei!
comentários(0)comente



48 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4