O bom filho

O bom filho You-Jeong Jeong




Resenhas - O bom filho


155 encontrados | exibindo 16 a 31
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 |


Laiza 04/12/2020

O Bom Filho - You-jeong Jeong
Yu-jin acorda com um gosto de sangue na boca. Logo, ele imagina que antes de pegar no sono tenha tido um ataque epilético, algo que ele toma medicamentos diariamente para evitar. Porém, ele se assusta ao perceber que sua cama está coberta de sangue. Atordoado, ele levanta, e ao andar pela casa ele descobre o corpo ensanguentado e frio de sua mãe ao pé da escada, além de sangue espalhado por toda a parte. Sem se lembrar do que aconteceu na noite anterior, Yu-jin entra em uma busca frenética para descobrir como tudo aconteceu. Afinal, ele tentou salvar sua mãe ou ele é culpado pelo que aconteceu?

"O esquecimento é a única maneira de lidar com o irremediável" p. 217

"Só agora percebi que todas as pistas apontavam para uma única pessoa: eu" p. 24

Esse livro com certeza foi uma experiência literária bem diferente de tudo que eu já li. Logo nas primeiras páginas, me vi presa na narrativa. A narrativa em primeira pessoa é fria, direta e cortante. Conforme Yu-jin confronta as suas memórias da noite anterior e tenta descobrir o que aconteceu com sua mãe, o próprio também entre em uma jornada de autoconhecimento, em que revira seu passado e seu relacionamento com a família. O tratamento para a epilepsia e o uso contínuo de medicamentos e seus efeitos colaterais, bem como a vigília constante de sua mãe, Ji-won, e tia, Hye-won, sempre foram obstáculos que sufocavam e o prendiam a uma rotina monótona. A partir disso, a autora calmamente abre espaço para a discussão sobre o psicológico e o emocional de Yu-jin.

"Eu precisava descobrir o que havia acontecido. Não me contentava com uma dedução baseada em provas. Precisava descobrir se havia outra pessoa dentro de mim, uma pessoa totalmente diferente do que eu acreditava ser. Sem saber o que essa outra destrua pessoa havia feito, eu não tinha como continuar a viver neste mundo. Eu precisava descobrir o que havia acontecido, mesmo que isso abrisse as portas do inferno". p.51

"Mamãe e titia haviam envenenado minha existência com aquelas drogas: o remédio era uma serpente que me mordia o calcanhar em todos os momentos importantes da via"p.93

Narrativas em primeira pessoa sempre levantam suspeitas a cerca da veracidade dos fatos narrados e a maneira como o próprio personagem observa e analisa as situações e as pessoas em sua volta. O leitor em nenhum momento confia completamente no que está lendo, já que o personagem encontra-se confuso, atordoado e em choque com o que está acontecendo. A busca pelos fatos também torna-se uma busca para o próprio Yu-jin compreender quem ele realmente é, então enquanto vamos desmembrando a vida do personagem, a autora vai construindo a personalidade e o psicológico dele. Sendo este o ponto principal da trama. Então, temos em mãos uma atmosfera eletrizante, sombria e assustadora, que prende o leitor até que ele termine o livro.

"A realidade se fixou. A escuridão me envolveu e pressionou como as portas de um abismo. E abaixo dos meus pés, a porta da memória, fechada com tanta firmeza, começou a se abrir". P.52

O relacionamento de Yu-jin com sua família são parte fundamental para a compreensão do personagem. Mãe e tia sempre foram as inibidoras da vontade de Yu-jin, preocupadas com sua epilepsia e controlando os medicamentos que ele tomava. Os medicamentos em si representam para o personagem um controle e desgaste no dia dia; Yu-jin constantemente observa que os remédios o deixam mais lento e cansado, entre outros efeitos colaterais; ele sentia que era pessoas diferentes com e sem a medicação. Hye-woon proibiu o filho de praticar natação na infância, algo que ele adorava, pois para obter melhores resultados ele fingia tomar os remédios. Todas essas situações em sua infância e agora em vida adulta, são pontos centrais que o levam a refletir qual a verdadeira necessidade do uso desses medicamentos, para que de fato eles serviam? Então, Yu-jin, agora adulto, sempre procura brechas e situações para justificar e pular alguns horários; pois parece mais solto e disposto sem eles. O controle de sua família são sufocantes, levando a Yu-jin a culpá-las pela sua infelicidade e pelo seu fracasso. Já o seu irmão, Hae-jin, representava o ponto de fuga no qual Yu-jin poderia correr, já que Hae-jin sempre o ajudou e confrontou sua mãe. Apesar dessa conexão entre os dois, Yu-jin sempre notou que a preferência da mãe era sempre pelo seu irmão, tornando a comparação entre ambos inevitável.

"Tirei o capuz e olhei para Hae-jin. Seus olhos sorriam suavemente. Aquele sorriso foi um presente para mim. Se mamãe era a pessoa que despejava o medo e a frieza em meu sangue, Hae-jin me aquecia como o sol, sempre ao meu lado." p.39

"Eu me sentia mais livre na água do que na terra, e a piscina era mais confortável que a escola ou a minha casa. Dentro da água, mamãe não podia me perseguir. Lá, eu pertencia somente a mim mesmo. Podia fazer o que quisesse. Era livre" p. 94

O desenvolvimento da narrativa e dos acontecimentos se dá a partir de elementos e situações que já são previamente percebidas pelo leitor; já compreende-se como a história irá prosseguir. Mas a obviedade e facilidade com que algumas situações ocorrem não foram pontos que me decepcionaram. Na verdade, a maneira com que aos poucos a autora vai construindo a personalidade Yu-jin, seu sentido de autopreservação, a falta de sentimentos, moral ou culpa pelo seus atos, são feitas de forma mestral e de tirar o fôlego. A única coisa que para mim foi um ponto fora da curva, foi o epílogo do livro, que para mim acabou um pouco forçado demais; acho que se a história tivesse ficado no ponto final, sem o epílogo, com algumas dúvidas no ar, teria sido mais interessante. Mas é claro que foram escolhas narrativas da própria autora.

"Lendo isso, me convenci de que a culpa é uma questão de verossimilhança, e a moralidade tratava-se apenas de pintar um quadro que se apresentasse de forma convincente aos olhos dos outros" p.101
"Em outras palavras, não nos amávamos mais. E, pensando bem, talvez esse negócio de amor não estivesse mesmo nos planos de Deus. Se assim fosse, Ele teria criado um mundo onde todas as criaturas se amassem naturalmente. Em vez disso, criou uma cadeia onde os mais fortes devoram os mais fracos" p. 271

No geral, para mim foi uma leitura totalmente fora da minha zona de conforto. Em uma história fria e sombria, somos arrastados para os aspectos mais assustadores da mente e da violência humana, e fez com que eu sentisse intensidade e força no que eu lia. Essa foi minha primeira experiência com a literatura sul-coreana e já tenho muita vontade de ler mais obras e conhecer novos autores. Já vi que o livro será adaptado, então estou ansiosa para ver como será a adaptação! E você, ficou curioso com o livro?

"Não se engane. O vencedor é quem continua vivo" p. 282

site: http://laizafsiqueira.blogspot.com/2020/11/livro-o-bom-filho-you-jeong-jeong.html
comentários(0)comente



Thamiris 01/12/2020

Não superou minhas expectativas
O livro tem um enredo bom, porém imaginava algo completamente diferente de como é a narrativa. Achei a narrativa um pouco lenta e cansativa em alguns momentos, achei o livro um tanto quanto parado. Apesar de ser lento o leitor quer chegar ao final que para mim não foi tão surpreende. Esperava mais desse livro mas apesar de tudo foi uma boa leitura.
comentários(0)comente



Mari 27/11/2020

Perturbador
Eu estava querendo ler esse livro faz um tempinho e consegui comprar! Queria adicionar outros autores na minha lista de leitura e esse foi um deles.

É incrivel!!! De verdade, é INCRÍVEL.

Faz tempo que não lia um thriller e adorei!!

Nunca tinha lido um livro sob essa perspectiva e ver isso é um tanto perturbador até porque você conhece o personagem e ele mostra aquilo que ele quer também. Até onde nós somos manipuláveis?

E o final! Eu adoro quando o livro termina dessa forma!!!!!!!!
comentários(0)comente



thiff 24/11/2020

viciante e certamente inesperado
ao contrário do que vi em outras resenhas, esse livro conseguiu me surpreender ao longo da história, sem ter a mínima noção do aconteceria a seguir.
é um livro incrível para entrar na cabeça de alguém problemático (um eufemismo no mínimo) e também ótimo para destacar que não podemos confiar no narrador justamente por ser alguém assim. foi um pouco difícil no começo pra mim, a leitura não estava muito fluida e devo dizer que os capítulos são longos demais mas nas últimas páginas do primeiro capítulo conseguiu me despertar curiosidade e vontade de descobrir o final logo.
destaca pontos muito importantes para ser refletido sobre a nossa mente e nossa ideia da ?pessoa de bem? como também ótimo exemplo de como pequenas ações ao longo da vida de uma pessoa podem culminar ao ápice.
é um pouco complicado quando você tem 0 empatia com o personagem principal e ainda mais com as últimas páginas mas no geral é uma leitura super válida e necessária para aqueles que gostam desse gênero.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



And 18/11/2020

O bom filho
Como tudo muda num segundo. Como suposições acabam virando realidade. Como o óbvio se funde com o irreal.
Família, nesse caso era o menos importante, saciar a loucura estava acima de tudo até do amor. Psicopata é o ser mais dissimulado! E no final eram dois assim.
comentários(0)comente



Luiz Carlos 14/11/2020

Furou a fila e surpreendeu
Não estava em minha lista mas fiquei curioso com o tema, o livro desenrola em uma tensão com algumas reviravoltas e suspense, vale pelo enredo e desenvolvimento! Recomendo!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Beatriz.Gianelli 06/11/2020

O livro é excepcional, fiquei presa do início ao fim e não consegui parar de ler nem por um segundo. O fato de ir descobrindo as coisas junto com o personagem principal torna a história cada vez mais interessante.
comentários(0)comente



Manu 05/11/2020

Um thriller psicológico diferenciado
"O bom filho" é narrado em primeira pessoa pelo Yu-Jin. O homem sofre de epilepsia desde criança. Um dia, ele acorda completamente ensanguentado. Sentindo os efeitos de um pós-ataque epilético, ele desce as escadas e encontra a sua própria mãe degolada no chão da cozinha. Claramente, os indícios acusam que ele esteve presente no ato (possível culpado?). A narrativa se desenrola a partir daí.
Me atendo às minhas perspectivas, posso dizer que a abordagem da autora foi bem inédita e extremamente interessante. O narrador em primeira pessoa geralmente não é confiável, e acaba nos confundindo e fazendo com que tenhamos dúvidas sobre o desenrolar dos fatos. Porém, senti algumas questões extremamente convenientes para o desfecho da história, tornando alguns momentos pouco críveis. Fora isso, achei o final muito cinematográfico (não é um ponto negativo! Apesar de achar que seria difícil uma produção fiel à narrativa construída).
Recomendo pra quem está buscando um thriller que escava os sentimentos e as incompreensões que temos dos que estão ao nosso redor. Vale a pena!
comentários(0)comente



Sayuri.Shiotani 29/10/2020

Totalmente apaixonada por esse livro. Essa incrível autora conseguiu criar um thriller psicológico completamente único, nos fazendo ler esse livro de forma desesperada para saber toda a sua estória. E quando falo que é incrível, não é da boca pra fora, essa estória é sem dúvida aquela que vem pra marca a sua vida. Não darei mais detalhes pra não dar spoiler, porque as descobertas nesse livro é o que deixa esse livro totalmente delicioso.
Quando estava pesquisando sobre o livro, antes de adquiri-la , não consegui achar praticamente nada sobre a estória, apenas comprei pq vi as notas altas que esse livro tinha recebido, porém depois de ler que eu entendi pq tem tão pouca informação sobre ela. Confiem nessa nota, pois eu não me arrependo nada de ter confiado.
comentários(0)comente



Lari Giotti 28/10/2020

Intenso
Enxergar o ponto de vista de um psicopata foi uma experiência um tanto quanto intensa e em muitos momentos, revoltante.
comentários(0)comente



Thata 28/10/2020

O Bom Filho - Um dos meus livros favoritos
O Bom Filho pode te prender muito facilmente na história, logo você já está querendo saber o que aconteceu com a mãe do protagonista etc. O que eu gosto muito no livro é o modo como nós descobrimos as coisas com o protagonista, pois nem ele sabia sobre umas coisas certamente chocantes da própria história. Eu vi nas outras resenhas que tiveram pessoas que acharam confunso a ligação da noite passada com o presente, porém eu não achei confuso, eu consegui acompanhar sem problemas. E a escrita é muito boa (Por mim), dá para saber tudo o que está acontecendo sem ficar em grandes dúvidas e sem ter que ler duas vezes para entender.

Ele foi o meu primeiro livro de Suspense então ele é muito especial para mim. Eu não esperava sair do meu nicho (Romance) e me apaixonar por um gênero (bem diferente) tão rapidamente.

Se você que está lendo ainda não leu, eu só digo uma coisa:
Você vai se surpreender, vale a pena! Eu super recomendo!!
comentários(0)comente



Aline 1st 27/10/2020

O livro é intenso, como ouvir Cradles de Sub Urban... You-jeong foi brilhante.
comentários(0)comente



Mari Pereira 26/10/2020

O livro tem uma narrativa um pouco confusa. Esperava alguma reviravolta, que não aconteceu.
comentários(0)comente



155 encontrados | exibindo 16 a 31
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 |