Cabo do Medo

Cabo do Medo John D. MacDonald




Resenhas - Cabo do medo


33 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Alessandro.Aguilera 31/07/2020

Suspense psicológico
Cabo do Medo, quando lembro desse título, me vem na cabeça o filme de 1991, dirigido por Martin Scorsese, e o elenco: Robert De Niro, Nick Nolte, Jessica Lange e Juliette Lewis. Uma obra prima. Não tem muito o que comparar, o filme é fantástico! Já o livro foi escrito na década de 50 e demora um pouco para pegar o ritmo, tem hora que o autor se perde uma pouco na narrativa, mas depois ele encontra o ritmo e o livro engrena. É um bom livro policial com toques de suspense psicológico, onde a personagem Max Candy aparece, você sente o medo dos outros personagens. Vale a pena conhecer essa obra.
comentários(0)comente



Lore 11/07/2020

Terror Psicológico
Tratando-se de um livro escrito na década de 50, Cabo do Medo é um thriller psicológico, possuindo uma história de vingança e justiça entre os personagens principais Cady um ex-detendo e Sam um advogado.

Este é um tipo de livro mais real, sem muitas reviravoltas, justamente para mostrar os sentimentos dos personagens, fazendo nos envolver com cada um deles. A leitura nos mergulha em uma grande tensão e nos faz imaginar o que faríamos no lugar de Sam para proteger sua esposa Carol e seus três filhos.

No entanto, a história se passa sob a perspectiva de Sam, o que deixou Max Cady um pouco em segundo plano, acredito que o livro teria mais potencial se trabalhasse também sob a perspectiva de Cady para o leitor sentir mais a tensão de seu plano de vingança.

3.5/5
comentários(0)comente



Dhiego Morais | @liemderry_ 13/07/2020

Cabo do Medo
Até onde você iria para salvar aqueles que você mais ama? Até qual limite você estaria disposto a cruzar para fazer o que é correto? Entre cumprir categoricamente a Lei ou fazer a sua própria justiça e segurança, o que você abdicaria?
Cabo do Medo, livro originalmente lançado em 1957 como The Executioners, por John d. MacDonald é mais um resgate importantíssimo dos grandes clássicos de suspense psicológico das décadas de 50 e 60. Assim como Menina Má, O Colecionar e O que terá acontecido a Baby Jane, Cabo do Medo entra para o rol de livros que foram adaptados para valiosos clássicos do cinema. No caso do livro de MacDonald, duas vezes adaptado, sendo a mais conhecida aquela dirigida por Martin Scorsese, tendo como protagonista Robert De Niro.
“O mundo está lotado de homenzinhos cheios de si, cheios de autoridadezinhas e sem um pingo de imaginação ou bondade.”
Em Cabo do Medo, o leitor viajará pela história da família Bowden. Sam Bowden, o patriarca é um importante homem da lei, bastante relevante na cidade em que reside. Além de possuir uma família aparentemente estável, tão bela quanto a de qualquer comercial de margarina, Sam foi o responsável pela prisão e condenação de Max Cady, um ex-soldado que quando embriagado fora pego em flagrante após tentar violentar uma jovem e ser desacordado por Bowden.
Por cerca de catorze anos o condenado Max Cady nutriu ódio por Sam Bowden, por ter sido preso e por ter perdido tanto de sua vida atrás das grades, pelos anos que perdera junto de sua própria família. A raiva de Cady, um brutamontes dotado de uma mente tão afiada quanto navalha é o que o manteve são por tanto tempo, bem como o que o manteve vivo e com propósito: se vingar de Sam e do toda a família. Cada parte perdida ou destruída pelos anos de detenção deverá ser cobrada de Sam Bowden.
A leitura de Cabo do Medo provou-se ser bastante fluida, capaz de transpor ao papel a sensação de constante vigia, do pressentimento de ser constantemente observado; o medo não do desconhecido, mas justamente do conhecido e da incerteza de quando o golpe virá.
Escrito em terceira pessoa e dotado de poucos capítulos, o livro de John D. Macdonald não preza especificamente pela construção das personagens, mas sim pela ambientação, já que é dela que a sensação de perigo advém. Talvez isso incomode alguns leitores, que não conhecerão tanto a fundo a vida de Max Cady, por exemplo, já que a história não conta com o recurso de flashbacks nem da narrativa pelo ponto de vista do vilão, mas a condução da trama é feita com destreza.
“Eles andam em bandos, azucrinam os mais fracos e mais diferentes, divertem-se imaginando as torturas mais horrendas. É parte da sobrevivência, querida. Em tempos de guerra, nas cidades grandes, eles sobrevivem, enquanto os menorzinhos, mais suavizados pelos bons modos, definham.”
Cabo do Medo possui todos os ares dos filmes dos anos cinquenta, com a construção das cidades pequenas em intensa transformação, com toda a lógica das interações mais próximas entre as famílias e os demais cidadãos; ares que ao mesmo tempo em que trazem a sensação de aconchego, também conduzem à sensação da falta de privacidade e das intrigas entre os lares.
Violento e surpreendente, Cabo do Medo é um clássico da busca pela vingança de duplo espectro, literário e cinematográfico, uma pedra preciosa bruta que merece o brilho e o destaque de ser lida.

site: https://skullgeek.com.br/resenhas/resenha-cabo-do-medo-john-d-macdonald/
comentários(0)comente



Tania_Lamara 01/03/2020

Darkside...
...sempre nos surpreendendo. Cabo do Medo é um livro de suspense que deixa a gente fascinada. Gostei.
comentários(0)comente



Haryadne 02/08/2020

Filme melhor que livro
Não tive a oportunidade de ver o filme, mas neste caso está parecendo que o filme será melhor que o livro. Um história boa para um filme rápido de vingança. No livro ficou arrastado, chato e previsível. Candy ficou preso por 12 anos. Quando ganha a liberdade, quer se vingar de Sam por ter sido testemunha que o levou à prisão. Se tivesse um monte de acontecimentos tudo bem, mas não tem!!! 200 páginas chatas, sem novidades. A única coisa que a edição é linda e bem feita!!
comentários(0)comente



Priscila @blogsobrealeitura 03/05/2020

Realista
Cabo do medo é um livro original de 1957. Aqui o autor nos apresenta Sam, um advogado que no passado ajudou a colocar na cadeia um soldado chamado Max, agora que Max está livre ele quer vingança. O livro não é cheio de grandes acontecimentos, mas o autor sabe bem como manter a tensão e você sempre se pergunta qual será o próximo passo de Max. A única coisa que me impediu de dar 5 estrelas foi que achei que o autor pecou ao não explorar um pouco mais o Max. O final pra mim foi ótimo, muito realista e nada mirabolante igual alguma thrillers insistem em fazer.
comentários(0)comente



Amanda.Ribeiro 24/08/2020

Livro para perder o ar
Cabo do Medo foi aquele livro que me deixou sem chão, absorvendo tudo que aconteceu depois que terminei a leitura.

Um terror psicológico muito bom, o livro narra o drama que a família Bowden sofre nas mãos de Max Cady, ex-penitenciário que quer punir o advogado que o colocou na cadeia: Sam Bowden.

Esperto e forte como um animal, Cady faz de tudo para aterrorizar a família que se vê sem opções para ficar a salvo, o que cria uma agonia tanto nos personagens quanto no leitor.

A história se passa nos anos 50 e a narrativa é rápida e eletrizante, exatamente como eu gosto! ⁣

Apesar de bem construído, o livro é pequeno, sendo bem fácil grudar os olhos na leitura e só soltar quando terminar.

Um filme com o mesmo nome foi lançado em 91, estrelado por De Niro, mas apesar de ser baseado no livro, tem poucos pontos em comum com a história original.
comentários(0)comente



Blog Disco Livro 15/03/2020

Intenso, mas deve-se levar em conta a época em que foi escrito
Há quatorze anos Sam Bowden foi testemunha de um hediondo crime de estupro cometido por Max Cady. O criminoso, na época julgado culpado pelo estupro de uma menor e condenado a trabalhos forçados e prisão perpétua, nutriu um ódio mortal por Sam enquanto cumpria sua pena. Até que um dia se vê livre por uma brecha na justiça e enxerga nessa liberdade a chance de por em ação seu plano de vingança. A família Bowden, apesar de não ser exatamente milionária, leva uma vida típica da classe média alta americana: Sam, sua esposa Carol, seus três filhos e a cadela da família vivem confortavelmente em uma casa espaçosa com dois carros na garagem. Ele é um advogado de sucesso com um bom emprego e a família ainda possui uma casa de veraneio localizada numa ilha com direito até a um barco de passeio.

A vida da família Bowden ia muito bem até o dia em que Sam tem um rápido encontro com Max na rua. O fato de saber que o criminoso que ele ajudou a colocar atrás das grades está a solta e, ainda pior, na mesma cidade que ele, é o suficiente para deixar Sam paranoico e acender a primeira luz de alerta sobre o casal acostumado com a vida estável. Os efeitos psicológicos são os mais interessantes de acompanhar durante a leitura, como advogado respeitado Sam primeiro tenta buscar proteção dentro da lei entrando em contato com as autoridades da cidade. Como Max já cumpriu sua pena e não existem provas de que ele seja uma ameaça para sua família, Sam fica frustrado ao ver que a lei pouco pode fazer para defendê-lo. Ele decide partir então para outros meios.

Como esse é um livro que se encaixa na categoria thriller, envolvendo crime, mistério e suspense, qualquer coisa que eu contasse a mais poderia ser considerado spoiler e estragar a experiência de leitura de quem o lê. Por isso não vou me alongar muito, uma vez que a tensão que sentimos durante a leitura é parte essencial da obra e é o que me fez virar as páginas alucinadamente querendo saber o que ia acontecer e assim devorar o livro em pouco tempo. Cabo do Medo, escrito nos anos 50, é um clássico do suspense que já ganhou duas adaptações cinematográficas e se tornou uma referência para muitas obras que vieram depois. Hoje talvez o gênero thriller já esteja um pouco saturado e ao fazer essa leitura você possa ficar com aquela sensação de já ter visto essa história diversas vezes em filmes e outros livros, por isso é importante no momento da leitura levar em conta a época em que o livro foi escrito e o quanto algumas obras posteriores se inspiraram no mesmo.

site: https://discolivro.blogspot.com/
comentários(0)comente



Leyd 27/02/2020

Nas primeiras páginas do que será um suspense eletrizante, MacDonald não perde tempo colocando o leitor imediatamente no coração de sua história, na vida de três pessoas - Sam e Carol, um casal profundamente apaixonado, e Max Cady, um criminoso louco que procura destruir tudo o que Sam aprecia.
Acontece que muitos anos atrás, Sam Bowden quando ainda era tenente e piloto da força aérea, foi responsável por colocar Cady na prisão por estupro de uma adolescente, e agora ele está solto, perseguindo o atual advogado de sucesso e sua família, com intenção de se vingar.

Após vários dias apreensivos, confrontos inesperados por parte de Cady, um envenenamento bem sucedido e uma tentativa de assassinato, o casal descobre que a polícia não é especialmente cooperativa para com eles. Então, Sam e Carol decidem seguir um plano tão ousado quanto estúpido: usar Carol como isca para prender Cady. Mas, será que isso vai dar certo?

O autor criou uma família tão perfeita quanto você esperaria que as famílias fossem - felizes, vulneráveis e ferozmente protetoras de seu mundo pequeno e aconchegante. E então, subitamente ele coloca uma rachadura no espelho que se alarga e ameaça quebrar em mil pequenos pedaços. .

O caráter duvidoso de Max Cady, o torna um vilão que permanece em grande parte na sombra dos Bowdens, não se expondo muito, nem pouco, mas na medida certa. Você sabe que ele está por aí em algum lugar, esperando, à espreita, assombrando, e de repente… boom!

John D. MacDonald merece elogios sinceros por escrever uma história aonde o leitor quer passar pelo pesadelo de Sam e Carol e ver o que acontece e ao mesmo tempo quer se afastar do terror que se desenrola na vida deles. A tentação de passar por isso é maior. Curiosidade mórbida, talvez. E isso, em essência, é o poder narrativo de MacDonald. Cabo do Medo é meu primeiro livro desse lendário escritor americano de crimes e suspense e estou ansiosa para ler alguns de seus outros romances.

site: https://www.instagram.com/p/B8197PRjEOy/
comentários(0)comente



Ana Flavia 28/05/2020

Um livro bom
Escrita boa, ela te prende na história e consegue repassar exatamente o clima proposto, achei o final meio decepcionante, mas adorei os dilemas de moral do protagonista. Uma leitura válida e traz um ar meio pre histórico a lei do olho por olho dente por dente.
Eu esperava muito mais do final, por conta disso eu classifiquei o livro como Bom. Mas não vejam isso como uma falta de incentivo para leitura. É um livro ótimo para sair da ressaca literária, se esse gênero for sua zona de conforto.
comentários(0)comente



Livros e História 10/03/2020

A história se passa em New Essex, Carolina do Norte ao qual o advogado Sam Bowden reside com sua família. A 13 anos atrás ele foi testemunha de um estupro, Max Cady (um ex soldado) estuprou uma menina de 14 anos e foi condenado a trabalho forçado e prisão perpétua, porém, ele saiu da prisão por bom comportamento.
A partir do momento que ele sai da prisão ele vai atrás de Sam que testemunhou contra ele e começa uma “caça”. Em um determinado dia quando as crianças voltam da escola eles encontram sua cachorrinha Marilyn comendo um pedaço de carne e segundos depois ela começa a passar mal e ter convulsões, ela fora envenenada e morrera.
Desde a morte da cachorra a família começou a se preocupar e a se precaver. Sam conversou com detetives e com a polícia mais não adiantou muito, outros acontecimentos estranhos permearam a família até eles decidirem se separar e se “esconder”. Não posso contar mais coisas porque senão, seria spoiler.
O livro é curto e a história te consome, é um livraço! Você vê o desenvolvimento dos personagens e o que eles são capazes de fazer, a maldade presente nos dois lados, mesmo sendo um livro escrito na década de 50, não tem o vilão e o mocinho, tem o vilão que é psicopata e um mocinho que vai tentar de tudo pra se livrar dele, mostrando que o ser humano pode fazer de tudo para defender sua família.


site: https://www.instagram.com/p/B8UNfTijci2/?utm_source=ig_web_copy_link
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Marcelo 20/06/2020

Cabo do Medo
Max Cady foi preso e condenado por estupro 14 anos atrás. Ele cumpriu sua pena, e está livre. Só que agora pretende se vingar de Sam Bowden, seu ex-advogado, que omitiu informações que alterariam a decisão do júri.
comentários(0)comente



Patty Pizarro 17/08/2020

No ano de 1943, voltando de uma bebedeira com os amigos, Sam Bowden se depara com um jovem sargento estuprando uma garota de 14 anos em um beco em Melbourne.
Sam torna-se testemunha e Max Cady, o jovem sargento, é condenado a prisão perpétua.
Quando a vida de Sam parece perfeita com sua linda esposa e seus três filhos, Cady ressurge e torna sua vida um pesadelo, fazendo surgir várias questões em relação ao ponto que se pode chegar para proteger sua família.

A história é legal, mas muito rasa.
Tinha tudo para ser um excelente thriller psicológico, mas falhou ao focar somente no protagonista.
O vilão, apesar de causar medo e desconforto, foi apresentado de forma muito rápida e superficial. O motivo para a vingança faria mais sentido se sua personalidade tivesse sido melhor explorada.
O livro parece lento e corrido ao mesmo tempo. Dá a impressão de que virão muitos acontecimentos e quando seria o momento certo para acontecer, nada acontece. Quando, enfim, parece que a história vai engrenar, ele simplesmente acaba.
Acredito que a data de lançamento tenha muito a ver com o sucesso do livro. Lançado em 1957, provavelmente ele foi inovador naquela época, mas, para os dias atuais é uma leitura dispensável para os mais exigentes.

Agora é assistir o filme do Scorsese e torcer para que ele tenha absorvido o melhor da história.
comentários(0)comente



Otávio 30/11/2019

Bem previsível
Achei a história bem monótona e previsível, a ação demora muito pra acontecer e, quando acontece, você fica com aquela sensação: "Então tá, né!?" Levando em consideração que o livro foi escrito na década de 50, dei 3 estrelas, se tivesse sido escrito recentemente, mereceria 1/2 estrela.
comentários(0)comente



33 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3