A Hora do Lobisomem

A Hora do Lobisomem Stephen King
Ben Wrightson




Resenhas - A Hora do Lobisomem


82 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Henri.Cleiton 18/02/2018

Terror clássico
Esse livro me trouxe lembranças da minha infância... Quando eu era pequeno sempre fiquei aterrorizado e fascinado por histórias de lobisomem que os mais velhos costumavam contar. O clima do livro é muito bom e a história é super interessante! Super recomendo
comentários(0)comente



denisazevedo 18/02/2018

That's a really nice book. Easy, fun and fast to read with amazing pictures in every chapter.
Not exactly how Stephen King is used to write his stories, but it worked!
comentários(0)comente



Coisas de Mineira 15/02/2018

A primeira publicação de "A Hora do Lobisomem" no Brasil foi em 1983 pela editora L&PM e tinha 128 paginas, o livro que mais de 30 anos depois recebe uma nova roupagem pela Editora Suma de Letras Brasil trás para os fã uma nova edição com ilustrações belíssimas em capa dura, sendo o segundo livro do selo "Biblioteca Stephen King" que tem como intuito resgatar os clássico do autor e dar uma nova cara a eles.

A Historia começa na pacata cidade de Tarker´s Mills no interior dos Estados Unidos que se surpreende com os macabros assassinatos que dão a entender que foram realizados por um grande lobo sempre na primeira noite de lua cheia, por meses essas ocorrências macabras vem acontecendo e nunca a sobreviventes. Com a freqüência dessas ocorrências a heptose de um serial killer que se fantasia como um lobo é levantada pela policia.

Porem depois de meses Marty um menino de apenas 10 anos cadeirante e introspectivo, também se torna uma dessa vitimas, mas diferentes das anteriores ele vê e consegue sobreviver ao encontro dessa fera, o garoto afirma de que se trata de um lobisomem, e não um alguém fantasiado, e tem ha certeza de que cedo ou tarde a besta vai retorna para silencia-lo. Desacreditado pela policia o garoto pedi ajuda a seu tio para criar um plano para vencer fera.

O que eu mais gostei “A Hora do Lobisomem” foi a simplicidade que o Steven King criou a historia e os personagens sinceros, falhos e originais que mostram no decorrer dos capítulos o cotidiano de seus dias, descrevendo detalhes de sua vida momentos antes de ser atacados pela fera, passando ao leitor a sensação de esta dentro do livro, pois todo o clima de suspense que com o decorrer da historia passa a sensação plausível de medo e panico de uma cidade inteira, que não entende e não acredita no que esta acontecendo. Criando perfis e personalidade reais para todos os elementos.

A narrativa variada entre primeira e terceira pessoa promovendo assim uma dinâmica entre visão dos personagens e os fatos que acontece durante os ataques e o que eles estavam fazendo naquele momento, não se focando em um único personagem e sim dando uma visão ampla dos acontecimentos.

Um dos pontos altos foi a forma como o King ligou os meses e as estações ao emocional da população da cidade, mostrando a alegria do dia dos namorados e a ate mesmo a consternação pelo cancelamento das festividades de 4 de julho. Além de descrever a inteligencia da fera que mesmo sendo um lobisomem ainda tem um coração de um ser um humano.

Enfim, o Steven Kinge fechou a historia e também não se aprofundou nas ramificações, acabou no lobisomem, sem mostrar consequência que teve na cidade, um final justo e certo para a historia que me fez gostar e lembrar bastante um final de filme.

Por: Leh Pimenta
Site: http://www.coisasdemineira.com/2017/09/resenha-hora-do-lobisomem-stephen-king.html
comentários(0)comente



Blog MDL 04/02/2018

Era janeiro e um trabalhador da ferrovia nem sequer podia acreditar naquilo que dilacerava seu corpo ferozmente. Sim, o inverno estava apenas no início quando a pilha de corpos começou a ser formada, mas nem mesmo as constantes mortes violentas no entorno na cidade eram capazes de fazer aquelas pessoas de mente fechada acreditarem que algo monstruoso estava à espreita quando a lua cheia finalmente alcançava os céus. Mas quando a criatura ataca uma criança com necessidades pessoais que sobrevive graças a bombinhas do dia 07 de julho, ninguém mais pode negar a dura verdade dos fatos: há um lobisomem à solta em Tarker's Mill e ele não vai parar de matar antes que o último corpo caía sobre os seus pés.


Eu sou uma grande entusiasta dos livros do Stephen King e tenho mais livros seus na minha prateleira do que de qualquer outro autor que um dia já li. Algumas histórias me fizeram perder a cabeça, como "Novembro de 63", outras não me empolgaram tanto como "Sob a Redoma", mas também houve aquelas que eu simplesmente terminei sem saber o que pensar a respeito, como "A Hora do Lobisomem". De antemão aviso que não tem nada errado com o enredo do livro, mas sim com a maneira em que o autor desenvolve tudo o que propõe. Explico, a obra está dividida em doze capítulos referente a cada mês do ano, nessas subdivisões, o autor se atém ao ciclo lunar da lua cheia para desenvolver espécies de contos onde o medo e a tensão dão um ar do bom e velho horror trash. E é justamente nesse ponto em que eu fico em dúvida com relação ao livro.


Isso, porque, estruturado como um livro de contos fix up (aquele que se lido sequencialmente forma um romance) aos poucos é que o leitor percebe que na verdade não se tratam de histórias curtas com personagens que se conectam apenas no final da obra, mas sim de uma novela que por sua estrutura essencial, e é claro, os saltos no tempo, não permite que o autor aprofunde nenhum personagem da maneira que os leitores já estão acostumados. Confesso que demorei a me acostumar, mas logo que consegui vencer a estranheza inicial, fui me acostumando com a narrativa-calendário do King e passando de um mês pra outro com uma ansiedade voraz. Eu queria entender os ataques, descobrir quem era o lobisomem e o porquê de um homem ter se transformado em uma critura que habita tão somente o imaginário popular. De pronto já digo que essas respostas vieram em um momento e mesmo que no fundo eu ainda quisesse saber um pouco mais, no final elas se mostraram suficientes para eu me render a proposta do autor.


Sobre os personagens posso mencionar alguns que merecem destaque como, por exemplo, Stella Randolph e a sua necessidade de amor, Marty Coslaw com o seu desejo por provar o seu valor, ou ainda, o reverendo Lowe com a sua incapacidade de reconhecer em si mesmo aquilo que ele reprovava nos outros. A verdade é que todos eles possuem seu momento de destaque em "A Hora de Lobisomem" - mesmo diante da velocidade em que os fatos são narrados - e, por isso, tornaram-se memoráveis durante a minha leitura. Outro ponto que vale ressaltar é a descrição dos ataques. Diferente de muitos livros que se encontram no mercado na atualidade, nós temos nessa obra uma verdadeira criatura fantástica que tem sede de vigança e que não mede esforços para fazer vítimas. Não há delicadeza na dilaceração dos corpos, o que há apenas é a pulsação de um instino animal visceral que ultrapassa as páginas e faz com que o leitor termine a leitura boquiaberto com a capacidade do autor em tornar um enredo simples em algo único. E é por tudo isso que mesmo com as minhas inseguranças e temores iniciais, reconheço que mais uma vez Stephen King me fez refém de suas palavras. Em uma palavras? Recomendadíssimo!

Comentários acerca da edição:
Meus caros, se tem uma coisa que a Suma de Letras está fazendo com maestria é o conceito editorial das publicações da "Biblioteca Stephen King". Para quem não conhece a ideia, farei uma breve apresentação... Pois bem, esse projeto de publicação dos livros do mestre tem como base o desejo de trazer de voltar ao mercado aquelas obras do autor consideradas verdadeiras raridades. "A Hora do Lobisomem" foi o segundo título dessa coleção que conta com a companhia de "Cujo" e "O Iluminado", mas que em breve também terá "A Incendiária" no portifólio. Mas por que vale a pena ter esse livro em especial? Com capa dura e uma diagramação arrasadora, o Lobisomem estará na sua prateleira em uma edição repleta de ilustrações de Bernie Wrightson - o que torna tudo mais palpável - e como isso não bastasse, há uma surpresa adorável no final deste livro que por si só já justifica essa aquisição. Preciso dizer que quero todos na minha estante? Acho que não...

site: http://www.mundodoslivros.com/2017/08/resenha-hora-do-lobisomem-por-stephen.html
comentários(0)comente



LidianeReader 04/02/2018

Foi mesmo o King que escreveu???
_ "Estranho, mas as coisas boas e os dias agradáveis são narrados depressa, e não há muito que ouvir sobre eles, enquanto as coisas desconfortáveis, palpitantes e até mesmo horríveis podem dar uma boa história e levar um bom tempo para contar." O Hobbit -Tolkien
_
E é exatamente o que King faz nesse livro, em sua forma mais sucinta e contada em aparecimentos de um assassino que só mata na lua cheia, fazendo vítimas de Janeiro à Dezembro. Todo mês você só quer saber quem será a vitima e como acontecerá. O assassino nesses contos não deixa testemunhas, então, ninguém em Tarker's Mills, tem noção do que verdadeiramente está matando e causando pânico a cada lua cheia até que Marty um garoto em uma cadeira de rodas sobrevive e deixa uma marca nesse devorador de pessoas. E é nesse personagem que depositamos a nossa empatia.
A hora do Lobisomem são contos todos relacionados a mesma cidade, e nos lembra muito histórias de terror que ouvimos quando mais novos.
_
O livro é lindo! Capa dura, ilustrado e pode ser devorado em umas 3 horas. Ótimo para quem ama uma distração com monstros e um pouquinho de sangue rsrs.
comentários(0)comente



Ana 30/01/2018

A Hora do Lobisomem
Olá Kaóticos! Cá estou eu novamente, eu e minha trevosidade neste mês maravilhoso que é outubro… Mês esse que eu posso ser eu mesma, sem fantasias…. Apenas eu, meu caldeirão e minha vassoura…. huahuahuahuhuahuhua

Brincadeiras a parte, ou não, hoje eu trago a vocês este livro lindo da Biblioteca Stephen King: A Hora do Lobisomem!

Eu fiquei em duvida se era realmente uma história ou um conto, mas depois de pesquisas e depois de ver a quantidade de páginas, posso afirmar para vocês que esta obra é um conto, onde cada capítulo é intitulado por um mês do ano, começando em Janeiro.

Em cada mês temos uma nova vitima de um Lobisomem com muita fome e sede de corpinhos humanos.

Agosto
A cidade de Tarker’s Mills se encontra em estado de medo e terror a cada lua cheia do ano. O Lobisomem pode ser qualquer um. desde um mendigo até um amigo mais intimo. Como saber? o que fazer? O único meio a seguir é se manter em segurança dentro de casa a cada lua cheia do mês.

Por ser um conto, não encontraremos muita profundidade ou explicações sobre a origem do Lobisomem.

Estou de mãos atadas e não posso contar a vocês nada além do já escrito senão, adeus surpresas da história! huauhahuau

Não é um dos melhores contos do King que já li, mas é bem legalzinho.

O “mais melhor de bom” disso tudo é o livro que é apenas lindo, com uma capa maravilhosa com relevo e cores fortes, páginas repletas de ilustrações lindas. É uma leitura rápida e agradável. Para que curte um terror, é claro! 😉

Então, essa é a minha dica de leitura de hoje.

Um beijo e…

Longos dias e belas noites!

site: https://literakaos.wordpress.com/2017/10/11/resenha126-a-hora-do-lobisomem-de-stephen-king-ben-wrightson/
comentários(0)comente



almicci 27/01/2018

pensa num livro gostosinho de ler. li ele todo de uma só vez.
a história é bem legal e a escrita flui que é uma belezinha. acho que por conta dos capítulos serem curtos você o devora sem perceber.
sem contar que é king né?
comentários(0)comente



Erika 23/01/2018

Fantástico
Um livro de contos eu diria, que no fim remonta as histórias e dá um desfecho a ela. Achei sensacional. Essa edição da suma está muito bonita. As ilustrações são fantásticas . O final eu adorei. Mostra que todos somos capazes de superar nossos medos e sermos corajosos. Um livro bem curto ( se tratando se king a gente nem acredita). Rs
comentários(0)comente



Tami 16/01/2018

Lá fora, as pegadas da criatura são cobertas pela neve, e o uivo do vento parece selvagem de prazer. Não tem nada de Divino ou de Luz naquele som insensível; só há o inverno sombrio e o gelo escuro. O ciclo do lobisomem começou.
Sabe quando a gente não entende o propósito de uma história? Infelizmente isso aconteceu comigo durante a leitura de A Hora do Lobisomem. Até mesmo por isso essa resenha será um pouco diferente e bem enxuta.

Neste livro vamos acompanhar doze meses de um vilarejo chamado Tarker’s Mills que fica onde? No Maine, claro! 😅 Quando a lua está cheia, pessoas são brutalmente e misteriosamente assassinadas. Os habitantes vão criando várias teorias para justificar tal carnificina, nenhum deles, claro, poderia imaginar que isso seria obra de um lobisomem.

É interessante, porém, observar que cada assassinato tem uma característica de seu respectivo mês. Stella Randolph, a vítima do mês de fevereiro, é uma romântica inveterada e solitária que manda cartões de dia dos namorados para ela mesma. Seu ataque ocorre justamente no Valentine’s Day. Já em julho, o ataque a Marty Coslaw ocorre bem no dia da independência dos Estados Unidos, o que eu achei bem simbólico já que a vítima é um cadeirante e, aos olhos das pessoas, principalmente aquelas com mente limitada, incapaz de ter autonomia. Essas conexões continuam e creio que eu não pude aproveitar mais por não ser tão familiarizada com os costumes e cultura locais. Eu pude perceber certas analogias porque certas datas são de conhecimento quase universal, mas determinados meses passaram batidos e eu fiquei com aquela sensação de... e aí?

Continue lendo a resenha no blog! ;)

site: http://www.meuepilogo.com/2018/01/resenha-hora-do-lobisomem-stephen-king.html
comentários(0)comente



Felipe Miranda 16/01/2018

A Hora do lobisomem - Stephen King por @ohmydogestolcombigods
Minha única experiência de leitura com Stephen King foi com "Revival", tempos atrás. Apesar do livro ser muito rico e de um texto maravilhoso, não foi o que eu estava esperando de alguém que carregar o título de Mestre do Horror. Acredito que a obra traz a essência do autor, mas de um jeito diferente. Também não posso dizer isso com propriedade, certo? Em A Hora do Lobisomem, encontrei um pouco mais do King que eu imaginei a partir de comentários alheios.

Mas A Hora do Lobisomem é um conto. Um conto que não foi aprofundado, afinal tem uma estrutura menor, mas que ainda assim me deixou encantado por todas as possibilidades que o autor investiu. Sabe aquela empatia fácil? Stephen King realmente tem um dom. Ele não está na lista dos mais vendidos ou tem a fortuna que tem por sorte. Ele é bom mesmo. Em pouco menos 200 páginas a gente entende do que ele é capaz de fazer com sensações como medo e insegurança.

Uma criatura está a solta na cidade de Tarker’s Mill. Uma criatura que ataca apenas em noites de lua cheia, deixando sempre uma vítima fatal. As mortes, que aparentemente não possuem critério algum, acontecem nos mais diversos cenários e seguem uma linha de raciocínio a deixar o leitor com a pulga atrás da orelha: afinal, quem é o lobisomem e qual suas motivações?

A grande sacada da história é o herói. O personagem escolhido e construído para ser um herói. É disso que lembro quando falo desse livro para alguém, a genialidade e o tom inusitado por trás de tudo.

É uma leitura tensa? Não deixa de ser. As ilustrações que acompanham essa edição em capa dura da Editora Suma deixa tudo mais vivo e próximo. Cada morte é bizarra e cria um laço entre a fera e o personagem. Não senti medo, mas consegui me imaginar numa cidadezinha afastada sob ameaça constante de um ser pontual, metódico e maligno. Como levar a sério um monstro que surge uma vez ao mês?

Stephen ensina.

site: http://ohmydogestolcombigods.blogspot.com.br/2017/09/resenha-hora-do-lobisomem-stephen-king.html
Babimarques 14/02/2018minha estante
Você nunca leu "à espera de um milagre" e "um sonho de liberdade"? Sério, você precisa!




Samuel Santos 12/01/2018

Escrita Linda, Imagens Maravilhosas
Com bastante imagens para demonstrar as cenas contadas esse livro, conta com 100 e algumas páginas que te tiram o fôlego. Uma história pequena e linda, com um final SURPREENDENTE. Personagens fortes e misteriosos, King traz a tona um dos medos mais profundos do homem, a morte.
comentários(0)comente



Nathalya Porciuncula 11/01/2018

A Hora do Lobisomem
Assistam a resenha que fiz em vídeo!

site: https://www.youtube.com/watch?v=TCpxHUYhqDY&t=12s
comentários(0)comente



mayara.marinheiromartinelli 09/01/2018

Um livro curto do King.
Parece até mentira que o King escreveu algo tão curto, mas mesmo assim a história é boa, o fato do livro se passar durante um ano todo foi interessante, a narrativa é curta, mas temos varias personagens diferente que é uma característica do autor, o livro tb é bem descritivo e a gente consegue visualizar bem as cenas que são bem cruas e sangrentas como todos os livros do autor!
LidianeReader 04/02/2018minha estante
Kkkk pensei o mesmo. Esse só pode ter sido a esposa que escreveu kkk




Lola Galva 04/01/2018

Muito bom
Livro curtinho, dá para ler em 2 ou 3 horas, mas incrível. As imagens ajudam a ?entrar? ainda mais na história e querer saber logo quem é o tal lobisomem.
comentários(0)comente



Silvia.Leticia 04/01/2018

Faltou algo do King
Li esse livro em apenas duas horas pelo fato de ser uma leitura bem tranquila.

Gostei do conto, Mas como os meus primeiros livros do King foram bem detalhistas, acabei não me envolvendo com essa história, da mesma forma que não me interessei pelo "Nevoeiro".

As cenas de terror são ótimas, mas por ser semelhante a um conto, a narrativa acaba sendo rala, deixando o leitor curioso por mais alguns detalhes.

Mas, de qualquer forma, recomendo a leitura... daria um filme bem legal!!
comentários(0)comente



82 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6