A gangue dos sonhos

A gangue dos sonhos Luca Di Fulvio




Resenhas - A gangue dos sonhos


7 encontrados | exibindo 1 a 7


Fabio Pedreira 16/08/2019

A Gangue dos Sonhos
"Você sabe o que é o amor? - disse a ele - É conseguir ver aquilo que ninguém mais pode ver. E é deixar ver aquilo que você não ia querer deixar mais ninguém ver."

Boa noite, Nova York (sinopse)
Nova York. Nos tumultuados anos 1920, a cidade é, para milhares de europeus, a epítome do “sonho americano”. E não é diferente para Cetta Luminita, uma italiana que, apesar de muito jovem, busca um lugar ao sol com seu filho Christmas. Numa metrópole em plena explosão, onde o rádio está nascendo e o cinema começa a falar, o menino terá que crescer entre gangues rivais, em um ambiente de violência e pobreza, tendo sua imaginação e sua coragem como únicas armas para sobreviver. A esperança de uma nova vida nasce quando ele encontra a jovem Ruth, uma judia bela e rica.

Uma história vertiginosa e luminosa, magistralmente escrita, uma reflexão sobre a violência cometida contra as mulheres, sobre o racismo e a incomunicabilidade social, um romance sobre a infância roubada. A gangue dos sonhos queima com um ardor violento e redentor, transportando o leitor para um mundo onde todos lutam para preservar sua integridade.

Eu vou ser americano
Cetta Luminita é uma garotinha italiana de 12 anos, que a cada dia que passa nota-se como está ficando mais bonita. Sua mãe já notou isso e ela não foi a única, o patrão também todo dia faz questão de passar buzinando com seu carro na porta para ver Cetta na janela acenando com a mão.

A mãe da garota teme que a filha acabe tendo um bastardo do patrão, decidindo então passar uma corda pelas perna e costas da menina, fazendo com que ela passe a andar curvada e manca. O método parece funcionar e o patrão logo perde o interesse, porém, com o passar do tempo, Cetta acaba sendo violentada por um amigo do patrão, que certo dia visitava, junto com a sua família, as terras onde Cetta trabalhava e o que a mãe da menina tanto temia acabou acontecendo, a garotinha acaba dando à luz a um bastardo (lembrando que isso tudo é ainda no prólogo, não tem spoilers).

Com isso a garota acaba decidindo ir para os Estados Unidos, tentar viver o famoso sonho americano. Lá, sem saber falar nada de inglês e sem dinheiro, ela e seu pequeno filho, ainda bebê (chamado Christmas), acabam tendo o mesmo destino de milhares de imigrantes: uma vida marginalizada, sem futuro. Só resta a Cetta, então, se prostituir para conseguir viver.

O livro vai nos mostrar um pouco da batalha de Cetta para sobreviver a uma Nova York dos anos 20, rodeada por gângsteres, e que a diferença entre as classes sociais eram muito maiores. Vamos notar como Cetta, apesar da vida dura que leva, tem como principal motivação o seu filho. É ele quem faz com que ela siga em frente, pensando sempre no garotinho como seu porto seguro. Tudo de que Cetta mais deseja é que ele possa ter uma vida boa e seja um “americano”, ou seja, alguém que venceu na vida.

Os capítulos alternam entre esses momentos de Cetta e outros com Christmas ainda criança, porém, mais velho. Christmas é na minha opinião a alma do livro, o garoto a todo momento passa para o leitor uma mistura de marra, diversão, inteligência e outros mixes de emoções que logo no primeiro capítulo com ele você já está inteiramente encantado(a) com o rapaz.

Christmas acaba criando sua própria gangue, formada por nada mais, nada menos que duas pessoas, ele e Santo, um menino sarnento amigo dele. Com suas histórias, um pouco de sorte e muita cara de pau, mas um bom coração, sua “gangue” de dois, os Diamond Dogs, acaba ganhando muito mais notoriedade do que era de se imaginar.

E tudo melhora/piora quando Christmas e Santo encontram a jovem Ruth, uma garota rica e judia que foi violentada. A conexão entre Christmas e Ruth é notável, a química entre os dois se constrói de forma natural e ao mesmo tempo de repente. Mais tarde como forma de agradecimento ele ganha um rádio de presente, então, decide, irá trabalhar com rádio, naqueles programas que falam.

Esse, caros leitores, que até aqui chegaram, é o plot principal de um dos melhores livros que eu já li na minha vida. Daqueles livros que não importa quanto você escreva sobre, a sensação é de que você não vai conseguir nunca passar tudo que ele representou. Quando falei sobre o mix de emoções que o livro passa não estava brincando.

Muitas vezes eu ri alto com esse livro, fiquei indignado e apreensivo com o rumo de algumas coisas, para depois ficar aliviado sabendo que estava enganado; fiquei apreensivo, esperando coisas ruins acontecerem em certas partes, e muitas outras coisas, mas se tem uma sensação que se sobressai antes, durante e depois da leitura essa sensação é a de esperança. Tanto Cetta quanto Christmas são símbolos da esperança. Mesmo que às vezes o livro nos faça notar que ela pode falhar ou adormecer e que, se você não tiver cuidado, pode te levar para caminhos tortuosos, ele te mostra que a esperança pode te mandar também para lugares incríveis.

O amor entre Ruth e Christmas também é algo muito delicado. Devido a tudo que Ruth passou, e por ter pais que são praticamente o mesmo que nada, ela se vê em um mundo fechado e sem esperança. O único que lhe devolve essa alegria é Christmas, pelo menos até algo acontecer…

Tudo que eu posso dizer para vocês é “leiam!”. Não liguem para as quase 600 páginas do livro, não digo isso por nada, mas acreditem, quando você pega para ler você não para, devora tudo de uma vez. Mas, faço um aviso, coisa que por sinal você já deve ter notado durante a resenha. Cuidado pois esse livro contém gatilhos, principalmente em relação a questão do estupro e da violência.

Mas eu espero muito que vocês possam ler, porque ele trata de assuntos fortes, mas também trata de coisas bonitas. Ele machuca, mas ele também fere. Ele dá raiva, mas também diverte. Ele é feito para todos os leitores.

Frases dos Diamond Dogs (quotes)

"Se um dia você fizer mal a uma mulher, não vai nunca mais ser meu filho. Eu corto seu passarinho com minhas próprias mãos e depois te esgano. E se já estiver morta, volto do Além para transformar sua vida num pesadelo sem fim."

"Tonia pegou a mão de Cetta. Com a outra apertava a foto do filho. - Sal não imaginava que eu sei que foi ele quem dirigiu o carro - falou baixinho. - E nem o Vito sabe. Só eu sei. E agora você também. Mas guarde para você. É isso que nós mulheres, somos capazes de fazer. Guardar para gente as coisas que importam."

"- Desculpa, senhor - disse um dos meninos, assustado com o olhar. Tinha por volta de quatro anos a menos que Christmas. Mas Christmas não parecia mais um menino. Tinha virado um homem, repentinamente. As coisas não eram como tinha imaginado. E o que tinha feito crescer tão rápido, que tinha arrancado da adolescência, era o amor. O amor era uma coisa que queimava, que consumia, que deixava as pessoas bonitas mas também feias. O amor mudava as pessoas, não era conto de fadas. A vida não era um conto de fadas. "

"O apartamento era miserável, como tantos que Christmas tinha visto no Lower East Side. O cheiro de alho era substituído por especiarias picantes e carne defumada; no lugar das imagens de Nossa Senhora e do Santo Protetor, havia símbolos judaicos, um pequeno candelabro de latão com sete braços, uma estrela de Davi. Cheiros diferentes, imagens diferentes. Nada de novo. E até a mãe de Joey era uma mulher em tudo semelhante àquelas que Christmas conhecia bem: um rosto resignado, as pantufas de feltro arrastando no chão, como se não lhe restasse no corpo nem a vontade de dobrar os joelhos, ou como se tivesse medo de se desprender do chão e perceber - no voo - que não tinha um sonho para sonhar."

"Mãe... - disse baixinho, depois de muitos minutos.
- Sim?
- Quando a gente vira adulto, vê tudo sujo?
Cetta não respondeu. Olhava para o vazio. Havia perguntas que não era preciso responder. Porque a resposta era tão feia quanto a pergunta. Então puxou para si o filho de 15 anos, apertou-o em seus braços e começou a acariciar-lhe os cabelos com ternura.
Christmas teve o impulso de se afastar, mas depois se abandonou nos braços da mãe. Porque sabia que aqueles eram seus últimos carinhos de criança. Em silêncio. Porque não havia mais nada a dizer."

"[...] O acaso é um chute na bunda que a vida lhe dá para você dar um passo adiante. O acaso, no mundo dos adultos, é uma possibilidade que não deve ser desperdiçada. "

"Christmas deu um passo à frente, incerto, destacando-se da multidão, quando já era tarde, quando não podiam mais dizer nada um ao outro. Mas os olhos dos dois estavam enlaçados. E naqueles olhares turvados pelas lágrimas houve mais palavras do que conseguiriam dizer, mais verdades do que conseguiriam admitir, mais amor do que conseguiriam demonstrar. E havia mais dor do que seriam capazes de suportar."

"E Christmas não esperava resposta. Porque talvez não a ouvisse. Porque tinha os olhos fixos nos dela. Porque não se lembrava deles tão verdes. Porque não havia mais nem perguntas nem explicações. Porque tudo aquilo que tinha havido antes, o passado e os pensamentos e as preocupações, era como o desenho de uma criança na praia, apagado num instante pelo impetuoso presente das ondas do oceano. E eles eram aquele oceano. Sem fim e sem início."
Jorge 17/08/2019minha estante
Fiquei curioso para saber mais desse super plot Twist. Vou comprar esse livro com certeza.


Fabio Pedreira 18/08/2019minha estante
Não vai se arrepender




Nathalie.Murcia 28/06/2019

Um dos melhores livros que li
Uma das melhores leituras do ano. Apesar de ser um calhamaço de 589 páginas, dividido em 70 capítulos, a história não perde fôlego em nenhuma das partes. Um enredo dinâmico, com muitas reviravoltas, desenvolvido por intermédio de personagens bem construídos e fortes, que fazem o necessário para sobreviver em uma sociedade marginal, marcada pelos próprios códigos de conduta.

Há trechos pungentes de violência e estupro, imprescindíveis ao cerne da trama e conexão dos eventos, no que tange às duas personagens femininas de extrema relevância na vida do protagonista, Christmas Luminita. Ele é filho da italiana Cetta, a qual imigrou para Nova York, na década de 20, em busca da concretização do sonho americano e de um futuro promissor para o menino, que conviveu no subúrbio, em meio à violência das ruas e das gangues, mas sempre teve o dom de contar histórias e lorotas. O que mais gostei no livro foi a capacidade do escritor conseguir extrair histórias de amor e amizade verdadeira, manifestadas de diferentes formas, e cultivadas nos mais improváveis ambientes e condições, mas ao mesmo tempo muito verossímeis. Um livro que desperta uma miríade de sentimentos, máxime raiva, compaixão, desprezo, esperança e ansiedade. Há muitos trechos pesados, angustiantes, e outros carregados de humor e ironia.

Me encantei verdadeiramente com as problemáticas dos personagens. Torci pelo carismático Cristmas, e por seu relacionamento com Ruth, uma judia rica que teve sua juventude maculada por um trágico revés. Achei exemplar a relação de afeto e respeito que ele nutria pela mãe, uma prostituta que ele sempre defendeu, admirou e amou. A mesma torcida tive por alguns outros personagens gângsters não tão politicamente corretos, mas que acabaram por me despertar simpatia, assim como certamente despertará a dos demais leitores.

Um livro que pretendo reler e recomendo, sem pestanejar, para quem quiser ser transportado para uma literatura de qualidade, carregada de emoções conflitantes do início ao fim. Creio que a história merece uma adaptação cinematográfica à altura!

Mais resenhas no meu Instagram.

site: http://.instagram.com/nathaliemurcia/?hl=pt-br
comentários(0)comente



Dani 13/08/2019

Perfeito
Uma das estórias melhor construídas q já li. Perfeito! Pena q são só 600 páginas!!! Já estou com saudade dos personagens. Mocinhos ou bandidos todos de personalidade cativante.
comentários(0)comente



Lucas.Brito 07/08/2019

Diamonds Dogs
Sensacionalmente contada como uma novela, 3 partes contadas ao mesmo tempo em que se entrelaçam varias vezes, 3 histórias contadas separadamente mas nunca separadas, cada história contada, uma parada pra respirar e vamos pra outra parte! Um livro grande mas que é gostoso de ler, o protagonista é muito carismático e você acaba gostando dele, tem partes que você torce pra acabar, como daquele Bill... que nojo! Mas acho que o livro é feito pra te trazer emoções e este fez com maestria, trouxe todos os sentimentos juntos, uma história muito boa e muito bem contada! A gangue dos sonhos virou um dos meus livros prediletos até agora, acho que sou um dos diamonds dogs! Kkk
comentários(0)comente



Andrea 03/10/2019

Boa noite Nova York!
Leitura gostosa, com muitas histórias, dores e um lindo amor verdadeiro. Livro que prende e vai me deixar com uma ressaca literária por dias.
comentários(0)comente



Cláudia.Borges 25/08/2019

Felicidade resume
Ainda me surpreendo as vezes em como um livro e uma história podem me provocar tanta felicidade. Pois é exatamente assim que me senti ao virar a última página deste romance. Feliz ! Encantada ! Com o coração transbordando! Fazia um tempo que não encontrava um livro para entrar na lista dos favoritos. Para chamar de meu novo ?grande amor?. E eis que o tal me surge nessa linda e poderosa história de Cetta e Christmas Luminita na NYC do início do século XX. Tão violenta,mas tão bela. É um livro da tanta dor, tanta perda, mas quanta esperança inspira! Inspira fé no amor em meio a tanta violência. No sucesso mesmo em meio a muita miséria. Fé na solidariedade vindo de pessoas tão brutas e tão castigadas pela vida.
Fala de preconceito, fala de resiliência, fala de coragem. Dos sacrifícios que fazemos pelos que amamos. Das lições que nos são passadas pelos pais, avós, amigos e agregados, e que nos motivam, nos redimem e nos salvam.
Me comoveu demais. Leiam e se apaixonem pelos Luminitas, por Sal, por Ruth, por Cyril, pelos Bailey, e até mesmo por alguns gângster da NYC dos anos 20. Desafio-os a não os amar. Impossível!
Débora 14/09/2019minha estante
Uallll que resenha, amei


Cláudia.Borges 16/09/2019minha estante
Obrigada Débora , partiu de um coração muito apaixonado mesmo


Débora 16/09/2019minha estante
Dá pra sentir essa paixão. Eu acabei de comprar ele, já está como próximo na lista de leitura, tenho certeza que vou amar tbm. Bjs


Cláudia.Borges 17/09/2019minha estante
Vai sim Débora. Não tenho dúvidas. Depois comenta comigo. Abç




Guynaciria 30/07/2019

Gente que livro maravilhoso! Essa é de longe a melhor leitura que fiz esse ano, e acho difícil achar outra que supere.

A gangue dos sonhos, fala sobre a capacidade que temos de nos adaptar as situações de conflitos e provações, mas também fala de sonhos, de superação, de desejar algo é ir à luta, e não parar sobre nenhum motivo.

Cetta Luminita, é uma mulher forte que teve que abrir mão do relativo conforto que tinha em seu lar, para tentar ter um futuro melhor para si e para seu filho Christmas. A vida dela não foi fácil, então preparem-se para derramar várias lágrimas durante a leitura. 

Quando essa menina sai da Itália, e viaja para a América mesmo sem conhecer a língua e os costumes locais, ela se torna mais uma das diversas pessoas marginalizadas, em uma sociedade que visa a exploração máxima dos mais desfavorecidos. 

Por outro lado, temos Christmas, um menino doce, que cresce cheio de ambições e que tem uma inteligência natural que o coloca sempre na crista da onda, tirando o melhor proveito de cada situação. 

Ele conhece a doce Ruth, menina judia rica, que foi brutalmente abusada por um empregado e deixada para morrer, até que Christmas a salva. A vida dos dois se entrelaça de uma forma linda, tornando esse um dos melhores romances que li na vida.

Por favor não se assustem com as 592 páginas desse calhamaço, pois eu garanto a vocês que a leitura vai ser feita em um sopro e ao final vocês vão desejar ardentemente por uma continuação. 
Fabio Pedreira 30/07/2019minha estante
Estou terminando esse livro e posso dizer que é um dos melhores que já li na vida




7 encontrados | exibindo 1 a 7