Um Lugar Bem Longe Daqui

Um Lugar Bem Longe Daqui Delia Owens




Resenhas - Um Lugar Bem Longe Daqui


67 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Isabela | @sentencaliteraria 14/10/2019

Resenha originalmente postada no IG @sentencaliteraria
Um Lugar Bem Longe Daqui | @intrinseca | 5 ⭐️’s

Olá leitores queridos! Hoje trago para vocês a resenha desse livro que foi um dos mais surpreendentes que li esse ano, e tem uma história muito tocante. Vamos lá?

O livro vai focar em Kya Clark, conhecida pelos moradores de Barkley Cove como a “Menina do Brejo”. Sempre circularam pela cidade boatos sobre ela, mas nem tudo é o que parece. Kya é apenas uma criança que foi abandonada por seus familiares, e passou praticamente a vida toda sozinha no seu barracão dentro do pântano/brejo, tendo como únicas amigas as gaivotas e como professora a natureza.

A garota aprendeu da forma mais dura que quando se trata de sobrevivência, não se pode confiar em ninguém, apenas em si mesma. E com isso ela cresceu e se tornou uma linda mulher, possuidora de uma beleza selvagem que encanta os jovens da cidade. Quando Kya se permite experimentar uma nova vida, talvez com a companhia de alguém especial, o impensável acontece e um desses jovens é encontrado morto.

🍃 Bem misterioso né? A premissa do livro e meus comentários acima não dizem muito sobre a história, mas isso é intencional pois essa é uma daquelas leituras em que é essencial irmos de “olhos fechados”, sem saber muito sobre ela. Como disse antes, tive uma grata surpresa com essa leitura tanto pela história em si, que é linda, como pela escrita da autora, que me ganhou completamente.

🍃 A vida da Kya é tão dolorosa que em vários momentos me peguei pensando como uma criança conseguiu suportar tudo o que ela viveu, e ainda conseguia ver alguma beleza na vida. Ela é uma verdadeira filha da natureza, que foi sua única companheira durante muitos anos. Lhe foi ensinado como tirar dela seu sustento e a sempre respeitar os animais e a terra como se fossem parte dela mesma. Fora isso ainda temos um romance lindo que me encantou, e só complementou a história.

🍃 Esse é um livro emocionante, e fiquei bem feliz de saber que a maravilhosa rainha Reese Witherspoon adquiriu os direitos de adaptação da história! Estou desde já animada para ver ao vivo e a cores a jornada da Kya, e espero que vocês também possam conhecer esse livrão.

site: https://www.instagram.com/sentencaliteraria/
comentários(0)comente



Jenn 10/10/2019

esperava mais...
Esses livros mega hypados geram uma expectativa muito grande em nós.
Entrei nesse livro procurando um suspense, mas encontrei um drama.
É muito interessante, fala sobre abandono, superação, força...
Mas o suspense ... aquele que eu entrei buscando.... foi fraco e raso. O foco com certeza não foi esse.
comentários(0)comente



Pâm 09/10/2019

Um lugar não tão longe daqui.
O primeiro terço do livro é maravilhoso, instigante, comovente, singular, sem se deixar levar por sensos comuns sentimentais embora haja muito sentimento envolvido. Especialmente o calado sentimento de abandono que permeará toda a história. O segundo terço ainda é ótimo, mas começa a perder a força, com a maioridade e os desgostos subsequentes de Kya, nós, leitores, também perdemos um pouco da esperança. O terço final do livro, no entanto, deixa muito a desejar, incorrendo em certa previsibilidade e chegando a um desfecho que beira ao piegas. Entendo o desafio da autora ao conciliar toda a temática que envolve a natureza do brejo e de Kya com um pano de fundo de um crime, realmente não se casaram muito bem ao final. No entanto, é, de fato, uma história encantadora, sensível e que desvela de maneira singela os preconceitos de uma época e de um ambiente que não parecem um lugar tão longe daqui...
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Luana 06/10/2019

5 motivos para ler Um lugar bem longe daqui
Olá leitores, hoje quero falar com vocês sobre um livro que mexeu com os meus sentimentos e por isso irei dar 5 motivos para ler Um lugar bem longe daqui de Delia Owens.
Vamos lá...

1. A escrita da autora
Gente, sabe aquele tipo de escrita que faz você sentir tudo o que os personagens estão vivendo, é a escrita de Delia Owens.
A autora criou uma história onde a natureza e todas as suas nuances trafegam plenamente pela narrativa, nos transportando para um lugar simples e ao mesmo tempo rico por essência.
Outro ponto interessante, é que os capítulos são intercalados entre o presente e o passado , fazendo com que a história fique mais envolvente.

2. Os personagens
Todos os personagens foram bem trabalhados pela autora. Cada um tem uma parte importante na história e são essenciais no decorrer da narrativa.
Mas não poderia deixar de falar aqui sobre a nossa personagem principal, a Kya. Uma garotinha de apenas 06 anos, que é abandonada por todos de sua família e terá que lutar para sobreviver.
Essa menina ganhou meu coração, com a sua coragem, persistência e determinação para conseguir as coisas que ela almejava.
Mesmo com todas as adversidades que ela encontrava pela frente ela jamais desistiu.
Aprendi demais com essa personagem.


3. A ambientação
O lugar aonde desenvolve toda a história é um brejo, e é descrito de uma forma poética e singela.
A presença da natureza é bem forte nesse livro.
Você irá aprender muito com as descobertas de Kya.

4. Mistério e Romance
Além do drama que é o foco principal da história, temos romance e um mistério que já começa desde a primeira pagina do livro.

5. Assuntos abordados

O livro irá tratar sobre o preconceito e nos fará refletir sobre como tratamos áqueles que se encontra em situações menos favoráveis que a nossa. Kya sofre muito preconceito por parte dos moradores de Barkley Cove, e isso termina causando uma fobia social nela.

Um lugar bem longe daqui relembra que somos moldados pela criança que fomos um dia e que temos a escolha de ficar lamentando e se fazer de vítima ou agarrar a vida com todas as forças e está disposto (a) a ir o mais longe possível.

Recomendo esse livro de olhos fechados.
Leiam!
comentários(0)comente



Sheila.Oliveira 05/10/2019

Abandono
Ate onde uma pessoa pode suportar o abandono por todos aqueles que ama desde a mais tenra idade?
Onde esta mesma pessoa aprende que confiar é perigoso mas muitas vezes é uma luz no fim do túnel?
Eu confesso que tive um misto de amor e ódio por este livro.?
E da metade em diante o suspense é enorme.
comentários(0)comente



Lia 05/10/2019

Denso, intenso, forte...
Uma história incrível que toca o coração e nos traz muitas reflexões sobre amor, amizade, solidão, dinheiro... enfim, VIDA.

Kya vive com sua família carente em uma região pantanosa da Carolina do Sul. Aos sete anos de idade, é obrigada a lidar com o abandono de sua mãe e de seus irmãos. Por um tempo ainda compartilhou da presença de seu pai, mas quase sempre a incontrolável vontade de bebida o impedia de assumir a responsabilidade de uma criança, até que sua ausência se tornou definitiva.

A "menina do brejo" foi obrigada a crescer e lutar para se manter sozinha. Seu dia a dia se resumia a caçar mariscos, peixes e qualquer coisa que pudesse negociar no posto do Pulinho. Ao mesmo tempo, Kya ainda preservava seu lado criança, explorando os lugares cada vez mais escondidos da região que conhecia como ninguém. Tornou-se uma estudiosa da região e - concomitantemente - alimentava a mente dos moradores da pequena Barkley Cove com histórias e estórias.

No embrenhado contexto de sua luta, Kya - cujo nome verdadeiro era Catherine Clark - conheceu, ao longo dos anos, o jovem Tate. Não foi fácil se aproximar daquela menina cercada de mistério. Aos poucos, Tate ganhou sua confiança e fez algo que seria de fundamental importância para a vida futura de Kya: ensinar-lhe a ler. Os dois ficaram amigos, tiveram muitas experiências juntos, até que - mais uma vez - a vida trouxe à Kya a sensação de abandono.

Kya só tinha uma certeza: seu mundo era o brejo. Apenas o brejo. Nada mais do que o brejo. A única sensação de pertencimento que ela já tivera em sua vida. Tudo se foi. Tudo sempre ia embora. Mas o brejo estava sempre ali pra ela, com ela. Muitas vezes, ela tinha a sensação de que ela era nada mais do que aquele lugar.

A menina - agora uma jovem - continuava sua vida, quando se deparara com Chase Andrews. Mais uma vez, seu lado arredio a fez pensar muito se deveria se envolver com aquele moço bonito e que mexia com seu interior de um jeito muito esquisito. Chase tornou-se uma presença muito constante na vida de Kya. Tornaram-se amigos e, posteriormente, passaram a fazer planos. Mas, mais uma vez, a menina teve a certeza de que só o seu brejo seria uma presença constante na sua vida.

Até que, um dia, Chase Andrews aparece morto. Fortes indícios de uma queda, mas aos poucos surgem evidências de que poderia ter sido um crime. Todos os olhos se voltam para a Menina do Brejo. Todos aqueles anos de omissão e abandono de repente se transformam em interesse na vida de Kya. E aí, o que aconteceu? Teria Kya alguma coisa a ver com aquele (possível) assassinato?

Essa obra de Delia Owens mexeu com todos os meus sentimentos. Não é narrado de forma linear, ora contando a história de Kya desde a sua infância, ora tratando da narrativa no contexto da menina do brejo já jovem e lidando com seus dramas mais íntimos. É um livro muito fluido. Quando percebemos, já estamos na página 100 e pro final é bem rápido também. Possui uma linguagem muito fácil e a cada capítulo temos a sensação de que estamos cada vez mais próximos da protagonista.

Traz lições de abandono, amor, solidão, amizade, pertencimento e muito mais.... Não tenho como expressar o quão esse livro foi importante pra mim.
Gratidão, Delia.

site: @leituraslivrosetcetal
comentários(0)comente



Dani 01/10/2019

Perfeito.
Catherine Clark tinha apenas seis anos quando viu sua mãe partir, e na sequencia dela todos os seus irmão. Tudo isso em decorrência da brutalidade e ignorância vinda de seu pai.
Pai este com quem a garota tentara estabelecer a maior proximidade possível quando somente ele na vida dela restara. Mas assim como todos os outros ele decidiu seguir seu caminho. Abandonando-a à própria sorte.

Um homem não ergue um barracão feito de folhas de palmeira num lamaçal a não ser que esteja fugindo de alguém ou que tenha chegado ao fim da linha. E este último motivo foi o que levou os pais de Kya a se abrigar em um pântano da Carolina do Norte.
O brejo passara a não ser somente sua casa, mas sua companhia, assim como os habitantes da natureza que lá também residiam. Tentou uma única vez frequentar a escola, mas a ridicularização e o preconceito direcionados a ?Menina do Brejo? foram suficientes para que ela numa mais aparecesse.

A cada anos que passava mais a solidão a consumia, a companhia das gaivotas já não são suficientes para preencher o vazio que nela reside. Disposta a vivenciar novas experiências a garota se dispõe a conhecer novas pessoas. Dois garotos da cidade encantados com a beleza selvagem acabam quebrando todas as barreiras construídas por ela, com relação as pessoas que serem a trataram como uma desigual.
Essa aproximação acaba reduzindo o mistíssimo que algumas pessoas tinham com relação a ela. Mas a jovem tem o curso da sua vida completamente alterada, quando Chase Andrews, o querido da cidade e também seu affair aparece morto.

Com uma melancolia singela e uma tristeza de sensibilidade tamanha, Delia Onews criou uma história onde a natureza e todas as suas nuances trafegam plenamente pela narrativa. Nos transportando para um lugar simples e ao mesmo tempo rico por essência.

Kya nos é apresentada como uma personagem forte, inteligência e determinada. Teme poucas coisas, mas por muitas vezes é refém da solidão ao qual foi destinada. O preconceito que lhe é direcionado, é motivo maior para sua reclusão. E isso também lhe deu força para entrar anos e anos tendo a natureza com sua única companhia. A típica personagem ao qual criamos carinho e admiração durante toda a narrativa. E por isso vivenciamos junto dela cada perda ou desilusão.

O livro é baseado no mistério relacionado a morte de Chase Andrews, e por isso intercala acontecimentos anteriores e posteriores a morte deste personagem. Um dos pontos que também achei muito bem trabalhado pela autora, porque em nenhum momento me senti perdida na história.
O livro tem uma boa fluidez, e a interligação dos pontos são tão bem feitas que o desfecho foi um tapa na cara da pessoa que vos escreve, pois fiz milhares de suposições e me dei mal em todas elas.
Não posso deixar de mencionar a sutileza que a autora teve em abordar assuntos como abandono e o preconceito. Fatores fortes em uma narrativa, mas quando trabalhados bem, como foi o caso deste livro nos serve para total reflexão durante e pós leitura.

Eu não consigo ao certo descrever os sentimentos que tive durante essa leitura. Tanto que havia dado uma outra qualificação de nota, mas ao escrever a resenha achei que ele merecia mais. E assim o fiz.
comentários(0)comente



Dhi Ferreira 30/09/2019

Não me queimem na fogueira
Ouvi todos dizerem a respeito de quão magnífico era o livro, e fiquei pensando: "Essas pessoas leram o mesmo livro que eu??"
Eu li o livro logo após ter lido "A Rede de Alice" (que ameeei), então creio que eu possa ter tido uma ressaca literária. Além disso, foi meu primeiro livro do clube Intrínsecos, então não nego que esperava mais.

A história da Kya é de superação, mas não consegui me identificar com ela. E acho que para que gostemos de alguns livros deve haver um mínimo de empatia entre nós e algum(ns) dos personagens.

Além disso, boa parte do livro é a Kia com ela mesma, observando o Pântano, os pássaros, pesquisando e catalogando. Eu gosto mais das relações entre as pessoas, dos diálogos, dos sentimentos. Acho que por isso o livro não me prendeu tanto.

O único motivo para que eu indique a leitura é o final surpreendente. Tomei uma porrada na última página, fiquei em estado de choque me perguntando "wtf"??

Luciana Storino 01/10/2019minha estante
Eu gostei bastante do livro, porém tive esse sentimento com "O conto da aia" onde todo mundo fala super bem e eu não consegui gostar do livro...


Dhi Ferreira 02/10/2019minha estante
To com vontade de ler O Conto da Aia, espero que não fique com esse sentimento tb.


Luciana Storino 02/10/2019minha estante
à algo muito pessoal, espero que não âºï¸


@livrosegatos 03/10/2019minha estante
E eu que continuei a leitura só porque falaram que o final surpreendia, e não me surpreendi nadinha kkkkk


Luciana Storino 04/10/2019minha estante
Eu acho tão de chato quando o livro decepciona... Quando ler o conto da aia me conte! Estou lendo Belgravia, estou na reta final e esperando por algo revelador e surpreendente. ... Vamos ver


Luciana Storino 07/10/2019minha estante
Eu acho tão chato quando o livro decepciona, fica um sentimento "estranho"


Pâm 09/10/2019minha estante
Mas gente, eu achei o final tão previsível... e olha que eu amei o livro!




Gleiciele 30/09/2019

A menina do Brejo
Livro maravilhoso, de uma sensibilidade ímpar. Li a última página com um aperto no coração por ter chegado ao fim, mas feliz com a conclusão. Kia e sua história com certeza me acompanharam por muito tempo. Com certeza, algum dia visitarei Kia e seu mundo novamente.
comentários(0)comente



CALINE 23/09/2019

Que livro!

Confesso que no início tive uma certa dificuldade em me envolver na leitura. Mesmo com tanta coisa importante acontecendo achei a narrativa um pouco arrastada.

Acabei parando durante quase um mês quando ainda estava bem no início. Depois de muito procrastinar decidi dar uma nova chance e foi uma decisão muito sábia.
Quando retomei a leitura não consegui mais parar. Fui me envolvendo cada vez mais, sofrendo muito pela Kya, pegando ódio das pessoas da sua família e da cidade e me apaixonando pelo brejo.

É uma história intensa, triste e dolorida em muitos momentos. Mas é também uma história de superação, de crescimento e amadurecimento.

Desde o início a Kya já tinha o meu coração. Com o passar da história eu não consegui parar de admirar a personagem incrível que a Delia Owens criou. Vimos a evolução da criança indefesa e que não sabia escrever nem o próprio nome, para a mulher inteligente, culta, linda, maravilhosa e destemida.

Estava com muito medo de me decepcionar porque esse livro é um best-seller e livros famosinhos geralmente não me agradam muito. Mas depois da minha resistência e apatia inicial a leitura deslanchou e agora eu considero esse livro fantástico.

Ahh, e sobre o romance eu passei algumas raivas. O começo é muito fofinho, o meio dá uma desandada e eu pego ranço, mas depois...
comentários(0)comente



isaabaron 22/09/2019

QUE LIVRO SENHORAS E SENHORES!
So por enquanto. Ainda to me refazendo depois de ler
comentários(0)comente



67 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5