Do que estamos falando quando falamos de estupro

Do que estamos falando quando falamos de estupro Sohaila Abdulali




Resenhas -


27 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Ailauany 20/08/2021

"É o único crime que é tão ruim que se supõe que as vítimas serão irreparavelmente destruídas por ele, mas ao mesmo tempo não tão ruim que os homens que o cometem devam ser tratados como outros criminosos."
comentários(0)comente



Alice Olivier 18/08/2021

Impactante
?Do que estamos falando quando falamos de estupro? é um livro que deveria ser obrigatório, para homens e mulheres. Com uma narrativa direta, arrebatadora e por vezes até mesmo irônica e poética, Sohaila Abdulali traduz em palavras parte do horror vivenciado pela própria ao ser estuprada coletivamente em sua tenra juventude, enriquecendo sua narrativa trazendo uma série de relatos de outras vítimas, que de uma forma ou de outra, também tiveram suas vidas marcadas por um ato de tamanha brutalidade. Sem dúvidas, um livro de imensa relevância para os dias atuais.
comentários(0)comente



Felipe 14/08/2021

Um livro introdutório
Apesar do aviso prévio da autora em afirmar que o livro não discutiria o assunto de forma acadêmica ou profunda, eu estava esperando algo mais completo. Não foi o que encontrei. Isso não faz do livro um produto horrível, mas o torna menos impactante.

A autora traz relatos pessoais e de outras pessoas, inclusive homens, para discutir as várias formas de estupros, como as vítimas são condicionadas a todo estresse e o desfecho. Tudo isso em uma linguagem acessível e de fácil compreensão. Não há ao longo do texto descrições explícitas, mas isso não interfere no impacto. Apesar de forte, não é uma leitura impossível.

Em alguns momentos a autora foca mais nos relatos que em uma discussão sobre o assunto. Isso também afetou na minha avaliação. Apesar disso tudo acredito que seria um bom livro para introduzir em discussões com adolescentes com apoio de um texto mais sério e profundo.
comentários(0)comente



Luíza 08/03/2021

Livro extremamente necessário. Acho que todo mundo deveria ler esse livro! É preciso se conscientizar sobre um crime tão cruel e tão recorrente, que ainda é silenciado pela sociedade.
?Uma leitura valiosa para qualquer pessoa que acredite que as mulheres deveriam poder andar pelo mundo sem medo.?
comentários(0)comente



Sil 07/03/2021

Resenha de @kzmirobooks
Sohaila Abdulali é a primeira mulher indiana que em meados dos anos 80 foi estuprada por quatro homens desconhecidos na frente de seu melhor amigo e teve coragem de falar sobre isso. Como bem exemplifica a autora uma semana após ela ter sido estuprada leu uma história no jornal sobre uma mulher que também foi vitima de estupro coletivo, enquanto estava passeando com o marido, e no dia seguinte ao voltar para a casa se matou para não desonrar a sua família e o próprio nome. Situações como essas são bem comuns em países do oriente, entretanto Sohaila tem o que a maioria das mulheres não tem: uma família que a apoia sem julgamentos. Pode parecer estranho, por se tratar de uma família religiosa e conservadora, mas apesar disso eles sabem que a culpa não é da vítima pelo abuso sofrido.

Por mais que Sohaila tenha uma história para contar ela não passa o livro focando em si mesma, pois existem tantas nuances e diferenças de estupros, abusos e vitimas que poderiam ser escritos vários e vários livros para abordar cada um dos temas. Um ponto especifico que eu poucas vezes havia parado para refletir é a respeito dos homens que são estuprados e em como isso afeta sua vida. Há neste livro um homem especifico que levou anos para superar seu abuso e enfim construir sua vida e uma afamilia de forma saudável e uma tragédia acabou levando a filha dele, de apenas 9 anos. Este homem, apesar de sofrer tanto pela sua perda ainda explica que o abuso foi muito pior, pois ele não tinha ninguém para consola-lo, ele não tinha ninguém para dividir essa tristeza. Claro que em nenhum momento ele disse que não sofre pela morte de sua filha, mas que neste caso a dor é dividida com sua esposa, parentes e amigos, é uma rede de apoio com essa tragédia e nós sabemos que muitas vitimas de estupro nunca contam a ninguém que foram estupradas, entende?

A autora pode, para alguns, criar uma pequena polemica ao falar sobre a humanidade dos estupradores, mas ao argumentar conosco ela é muito especifica sobre o que quer dizer e, mais uma vez, é um ponto de vista que eu nunca tinha refletido. Nós temos costume de enxergar esses homens como monstros, mas o que eles são é nada mais do que seres humanos que tem uma escolha a ser feita: estuprar ou não estuprar. E eles escolhem a primeira alternativa, isso não faz deles monstros, mas fazem deles pessoas más que precisam ser julgadas como tal. Presumir que eles são monstros é tirar a responsabilidade deles como seres humanos ao tomar uma decisão. Seu embasamento se da, principalmente, com o relatos do caso Thordis e Tom (resumindo Thordis foi estuprada por Tom quando tinha 16 anos e 9 anos depois eles passaram a se corresponder por e-mail onde ele admitiu o que fez com ela e contou sobre o quanto isso o assombra; eles escreveram um livro juntos).

Esse é um livro importante para o contexto social e mesmo que ali não tenha nenhuma história de uma brasileira ainda assim devemos considerar todos os casos próximos a nós, já que no Brasil a cada 11 minutos há uma denuncia de estupro e nós temos aqui nossa própria cultura de estupro, além de atualmente um governo que claramente não respeita das mulheres e suas decisões. É um livro muito necessário para exemplificar todas as formas de estupro e abusos, e todas as formas que os estupradores e abusadores são visto na sociedade. As únicas que, raramente, são vistas com ambiguidade são as vitimas, não importa em qual situação.

site: https://www.kzmirobooks.com/
comentários(0)comente



Thaísa 01/03/2021

Extremamente sensível e necessário
A autora aborda, de maneira sensível e inteligente, vários aspectos que devem ser considerados quando a pauta é "estupro". Sem falar da violência de maneira detalhada, ela traz à reflexão diversas "entrelinhas" que devem ser consideradas na discussão sobre crime tão cruel. Extremamente necessário, este livro nós leva a refletir sobre tudo a que nos habitamos, mas que colaboram para o estigma da vítima e para a continuidade do estupro como cultura.
comentários(0)comente



Fernanda.Avila 12/01/2021

Transformador
Estupro, violência sexual, violência contra mulher são assuntos que sempre me interessam demais, tanto pela minha profissão como pela minha história e pela história de vida da minha mãe.
Porém comecei a ler esse livro sem grandes pretensões, acreditando que era só mais um livro sobre o assunto. Claro que eu sabia que eu poderia aprender muito, mas achei que seria um aprendizado mais técnico.
Preciso dizer que esse livro foi o livro mais importante que li esse ano e sem dúvida um dos mais importantes que li na minha vida. Ele me ensinou muito sobre muitas coisas, mas ele me mostrou muito mais sobre mim do que eu jamais imaginei que um livro como esse poderia mostrar.
Acho que nunca chorei tanto lendo um livro. E olha que eu sempre me emociono com as leituras. Mas é sempre emoção mesmo. Nesse caso o choro talvez tenha sido muito mais de alívio por compreender coisas que eu nunca tinha compreendido com tanta clareza.
Em alguns momentos eu precisei até ir mais devagar para digerir tudo aquilo que eu tinha lido.
Sou infinitamente grata a essa mulher maravilhosa por conseguir traduzir tantos sentimentos em palavras.
TODO MUNDO DEVERIA LER ESSE LIVRO. Seja para entender mais sobre si, seja para entender mais sobre o ser humano.
Que livro!!!
comentários(0)comente



May 05/12/2020

Esse livro foi como um soco no estômago seguido de um abraço bem apertado. Deu pra entender?

Sohaila foi de uma delicadeza sem tamanho ao falar sobre estupro (incluindo o dela). Sem nenhuma dúvida o assunto é pesado e cheio de gatilhos, mas a autora soube muito bem como conduzir o livro de uma forma leve (na medida do possível).

A leitura é super fluída e o livro é interessantíssimo, aborda questões como consentimento, estupro dentro do relacionamento, a culpa que a vítima inevitavelmente sente, orientações para ajudar uma vítima...

Definitivamente ela tem razão em dizer que nós precisamos falar sobre estupro.

Que livro mais maravilhoso, minhas amigas e meus amigos! Leitura mais do que recomendada. ?
comentários(0)comente



Babi 14/11/2020

Um Balde de Água Fria
Esse livro me deixou sem ar, inumeras vezes tive que fechar o livro e apenas refletir. Recomendo para todes, porque ser mulher não é facil e todos deveriam entender isso, ao menos minimamente.
PS: se você não se revoltou ao ler este livro, então não leu direito - por favor releia.
comentários(0)comente



Ana Luisa 13/11/2020

Depois farei uma resenha mais detalhada. Ainda preciso refletir e absorver a leitura.
Gostei muito do livro, é pesado e pode ser gatilho, porém é muito importante.
Apesar de eu não concordar com 100% das pautas da autora, é um livro extremamente importante e deveria ser lido por todas e todOs
comentários(0)comente



Sancha 23/10/2020

Estupro é crime!
Da fúria que implodiu o silêncio da palavra não gritada ao tempo.
comentários(0)comente



Luis Felipe S. Correa 20/10/2020

Impressionante
Um dos livros mais impressionantes que li em 2020. Como homem, pude ter contato com dramas inimagináveis. Um relato poderoso e demasiadamente instrutivo sobre o estupro e todas as questões que o envolvem. A abordagem sobre a educação continua sendo primordial para o avanço das culturas, e uma boa educação sobre o tema pode ser iniciada por esta leitura.
comentários(0)comente



vit 24/08/2020

Essencial !
Primeiramente, o assunto é pesado. É complicado. É delicado. Mas, infelizmente, é comum. Sohaila foi vítima de estupro aos 17 anos na Índia e, ao contrário de muitas vítimas, teve apoio familiar. Mas, não teve o apoio institucional. Nesse livro, ela relata não só a história dela e a vivência de vida dela enquanto sobrevivente, como também de inúmeras pessoas, desde Mumbai a Michigan.
Afirma a importância da educação sexual, conceitua o consentimento afirmativo, fala sobre os estupros institucional e marital, sobre a cultura do estupro permanente na sociedade, a culpabilização da vítima, a misoginia... Em resumo, aborda um pouco de cada situação. Mesmo com a linguagem coloquial, ela lembra a nós leitores que o assunto é sério e precisamos de *uma breve pausa para o terror, para a confusão*.
Sim, o assunto é confuso. O assunto é polêmico. O assunto precisa ser debatido de modo a romper com o silêncio, porque como Abduali diz *As palavras são inimigas da impunidade...*
*Mas as palavras também são um luxo. É preciso ter coragem para falar de abuso sexual, em qualquer de suas formas.*

Considero uma leitura essencial, o livro é escrito de maneira muito clara, debatendo pontos primordiais, retratando diversas culturas e muitas situações que nem sempre tivemos/temos o conhecimento.
comentários(0)comente



bookscourt_ 08/08/2020

Precisamos falar sobre estupro.
Esse livro ao mesmo tempo que é chocante é extremamente repleto de ensinamentos.
Como lidar, como falar, como a sociedade precisa discutir o tema...
É leitura obrigatória, seja você homem ou mulher.
comentários(0)comente



Jéssica Hannusch 27/06/2020

Necessário!
"Não somos perfeitas, e podemos tomar más decisões. Mas os únicos responsáveis pela agressão sexual são aqueles que escolhem cometê-la."

"Do que estamos falando quando falamos em estupro" é um daqueles livros extremamente necessários. A autora trata da temática de forma sutil, respeitosa e crítica ao mesmo tempo, nos fazendo refletir sobre como a vítima é vista e tratada em nossa sociedade. Leitura fundamental e mais que recomendada!

"O que faz de alguém uma "boa" moça? Em geral, ser boa moça significa ser dócil, passiva, aceitar seu fardo sem questionar. Então, nesse caso, espero que venha uma nova geração composta só de moças más, que ouçam apenas a si mesmas e sigam o que diz seu coração. E que levantem e montem em cima de seus amantes com total desinibição."
comentários(0)comente



27 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR