Jude, o Obscuro

Jude, o Obscuro Thomas Hardy




Resenhas - Jude, o obscuro


43 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Nado 21/05/2020

Desnecessariamente longo
Uma história tocante, de um homem que tem em sua vida duas mulheres que estão à frente de seu tempo. Uma história de amor, ódio e possessão que marcou muito quando publicado. Porém, como a obra foi lançada em formato folhetim há mais de 1 século, a história ficou muito extensa com trechos desnecessários para um livro, com situações repetidas ao longo do tempo. Recomendo a leitura, porém com a ressalva de que tem que ter dedicação e objetividade para lê-lo.
Rudi 06/09/2020minha estante
Concordo, muito enrolado. E não gostei muito da história também


Nado 06/09/2020minha estante
A história eu até gostei, mas 1/3 das páginas seria o suficiente.


Rudi 06/09/2020minha estante
Verdade




Gláucia 04/06/2019

Jude, o Obscuro - Thomas Hardy
Publicado em 1895, foi o livro de maio/2019 da TAG indicado por Fernanda Montenegro.
Meu primeiro do autor que já queria conhecer. Aqui ele traz a história de Jude, cuja condição social e econômica o impedirá de realizar seu sonho de estudar e galgar uma posição através de conhecimento e cultura. Junto com sua prima Sue Bridehead aprenderão a duras penas como as convenções sociais dominadas pelo verniz religioso podem destruir a vida de alguém.
Não imaginava um final tão terrivelmente trágico. Não estava esperando por aquela cena das 3 crianças e foi difícil apagar essa imagem mental.
Gostei muito do livro mas achei os diálogos meio estranhos, um tanto quanto artificiais.
Marta 25/02/2020minha estante
Sobre os diálogos não teria sido a tradução?


Gláucia 25/02/2020minha estante
Pode ser que seja sim, mas no caso foram apenas os diálogos que ficaram estranhos. Soaram meio teatrais, artificiais... Difícil explicar




Simiao Literário 03/08/2019

Sofrer, sofrer e sofrer... Existe recompensa em vida por tanto sofrimento?
Thomas Hardy apresenta ao leitor um tipo diferente de romance, algo “desesperançado”, um embrolho melancólico da vida que foge completamente dos romances típicos da literatura. O personagem principal Jude Fawley, desde muito cedo injustiçado por sua condição de órfão de pai e mãe, é criado pela tia, criado na literalidade, pois o afeto e amor sempre lhe faltaram. Ainda criança conheceu um professor que lhe inspirou a vida. Agora o pequeno Jude tem um caminho a buscar, a vida acadêmica agora lhe tira o sono e traz um pouco de positividade em seus sonhos.

Mesmo naquela condição Jude prometeu a si mesmo que venceria na vida, estudaria por conta própria, aprenderia outras línguas e muitos conhecimentos que carecia. E assim o fez. Aprendeu sozinho, cresceu, despertou comentários de muitos sobre o seu esforço e também sobre sua investida. Porém nem tudo desenvolveu bem.
Mulheres o edificaram e ao mesmo tempo o atrasaram… Uma sociedade que não permitia que pessoas como Jude prosperassem, um sonho que a cada dia se tornava mais impossível… Como seguir adiante, frente a tantas adversidades?

Jude encontra Sue Bridehead, seu par romântico ao longo do drama. Uma mulher com cunho feminista, totalmente a frente de seu tempo. Indaga sobre os costumes e permissões das mulheres frente aos homens e critica ferozmente o modelo de casamento da época. Deixa claro seu ponto de vista e com um intelecto superior a muitos, se torna inflexível não apenas ao contrato (chamado matrimonio), mas também ao modelo de religião cristã que a sociedade adotou ao longo dos séculos. Jude é um homem sensível, uma qualidade vista com bons olhos nos tempos de hoje, mas pra época caracterizou um personagem apático, passivo e que vive da melhor forma que seus desejos permitem.
Já as mulheres de sua vida Arabella Donn e Sue completam o personagem trazendo características diferentes e por isso são tão marcantes. Seja pelo fato de uma sonhar demais e a outra ser pulso firme, seja pela inquietação da alma e a certeza do que se quer e tem.

Hardy descreve com maestria e ao mesmo tempo faz criticas ferrenhas ao modelo de vida do século 19. Lança provocações, personagens únicos, modernos para uma sociedade extremamente tradicional. Uma história sobre a vida, sobre a dureza do costumes sociais, sobre o preconceito aflorado (mais frequentemente religioso), sobre segundas chances, sobre culpa, medo, destino, sobre indagações da pobreza de nossas almas. Jude é um personagem a se lembrar por anos, um pobre diabo, envolto aos desejos de atender suas carências de infância… Thomas Hardy escreveu um livro não atemporal, mas que hoje é fácil de ser traduzido para os problemas contemporâneos.

Caso queira, o livro foi adaptado para o cinema, porém não com o mesmo nome aqui nas terras tupiniquins. Chegou no ano de 1996 com o titulo Paixão Proibida protagonizado pelos atores Christopher Eccleston (Jude Fawley) & Kate Winslet (Sue Bridehead).

site: https://mundohype.com.br/reviews-livros/review-jude-o-obscuro-de-thomas-hardy/
jessyhehe 03/08/2019minha estante
Esse livro é excelente!


Simiao Literário 03/08/2019minha estante
Concordo com você... gostei muito também!




Camila 24/05/2019

Jude, o obscuro
Concebido na Inglaterra Vitoriana, a obra retrata um contexto em que ascender socialmente era praticamente impossível: seguir o destino dependendo da sorte, ou tentar mudar a direção da sua vida? O protagonista, Jude, opta pela segunda opção, e passa a sua juventude com o grande objetivo de chegar a Christminster, uma espécie de cidade universitária, saindo de seu povoado através de estudos autodidatas. Vale lembrar que Jude era sozinho, não tinha recursos, tampouco incentivo para seguir adiante. Porém, sua persistência faz com que estude, aprenda novas línguas e aumente sua vontade de ir para um local em que concentra grandes estudiosos.



Porém, a expectativa do leitor quanto ao sucesso de Jude vai sofrendo, logo cedo, uma série de entraves. O primeiro, praticamente biológico: o protagonista se apaixona e em seguida se casa por Arabela, mulher interessada em arrumar um marido, mas não em partilhar objetivos do marido. Rapidamente, o casamento enfraquece, dissolvendo-se com cada personagem seguindo seu rumo.

Jude segue para a cidade de seus sonhos, quando acontece o segundo empecilho: apaixona-se por sua prima Sue, mulher à frente do seu tempo, com que mantém por anos uma relação, mas sem nunca casar legalmente ou religiosamente. Aí, aparece uma das maiores polêmicas da obra: o seu caráter ?anti-casamento?, já que ele é visto como mero instrumento de formalização de algo que deveria ser natural, apenas regado pelo sentimento.

No decorrer do enredo, a dura realidade se faz presente. Jude é desprezado pela faculdade, seu relacionamento com Sue é cada vez mais mal interpretado pela sociedade que os cercam, sendo ele fadado aos trabalhos braçais para sobreviver. Essa é uma grande característica do Naturalismo: o ser humano como produto do meio em que vive, condicionado e regulado pelas escolhas ditas erradas, geradoras do seu insucesso.

Jude, o obscuro é uma leitura pesada, não no sentido de ter um enredo arrastado ? longe disso! As passagens do desenrolar da história são muitas vezes extremamente sofridas, ficando o leitor, junto com o protagonista e demais personagens, impotentes diante de suas sinas, culminando no terrível desfecho, que devasta qualquer coração.



Apesar de todo o clima carregado do livro, ele cumpre sua missão, fazendo com que a gente reflita, e muito. Com certeza, ele entrou na minha lista de livros preferidos, um divisor de águas.


Mais em: https://etuino.com/jude-o-obscuro/
Camila 24/05/2019minha estante
Ops, saíram alguns pontos de interrogação no texto. Desconsiderem!




Eduardo 18/07/2020

Penso que todo livro que originalmente foi publicado em Folhetim se deve ter paciência ao ler. Outro formato, outro público alvo. Ainda mais um livro que tece críticas à sociedade vitoriana. Na verdade, esses romances clássicos são melhor lidos quando se contextualiza o livro em sua época. É um ótimo livro.
Vinland_ 18/07/2020minha estante
Eu tenho problemas com esses livros escritos em folhetim, quando eles são muito grandes, porque é certeza de encheção de linguiça do autor, já que na época eles ganhavam por capítulos né. Um exemplo foi aquele David Copperfield que todo mundo adora. Aquele livro se tivesse 500 páginas a menos não faria diferença nenhuma pro andamento da história.




Lusia.Nicolino 09/01/2020

Jude é Judas, mas a quem ele traiu?
Que paralelo traçamos entre o que vivemos e os livros que lemos?
Comecei Jude muito empolgada, no meio entediei-me um pouco, mas fui arrebatada pelo final.
É preciso entender o tempo do autor para mergulhar em sua obra e não fazer análises rasas.
Mas, deixo o profundo para os especialistas. Eu, por ora, penso que não é porque estamos de passagem que não aproveitaremos a paisagem.
Jude Fawley é um jovem órfão que mora com a tia – depois de ter perdido pai e mãe em circunstâncias pinceladas durante a história – numa cidade pequena da Inglaterra. Cresce ajudando a tia na padaria, lendo obras clássicas e sonhando em ser professor ou clérigo.
Conhece amores e desamores. O que é certo, o que é errado? Em seu tempo, o que é pecado?
Narrado em terceira pessoa, por um narrador onisciente, com quem, às vezes, queremos brigar.
Jude é Judas, mas a quem ele traiu? Os sinônimos de “Obscuro” lhe caem como uma luva: que não é iluminado; pouco brilhante; que denota tristeza; sombrio, sem nobreza; humilde.
É uma história sofrida, mas é preciso ler Hardy para entender as dimensões dos clássicos.
Quote: "Ele mal aguentava ver árvores derrubadas ou podadas, porque lhe parecia que sentiam dor; e a poda tardia, quando a seiva havia subido e a árvore sangrava abundantemente, havia sido uma dor real em sua infância. Essa fraqueza de caráter, como pode ser descrita, sugeria que ele era o tipo de homem que nascera para sofrer de forma considerável antes que o fechamento da cortina de sua vida desnecessária significasse que tudo estava bem com ele outra vez."

site: https://www.facebook.com/lunicolinole
Lívia @escritoraliviamessias 15/01/2020minha estante
Que ótima resenha, estou interessadíssima em ler!




Victor Vale 25/08/2019

Tanto autor quanto personagens, na margem da dissolução do casamento como contrato religioso para apenas contrato civil, reconhecem o amor como o unico motivo para união, mas pesa no destino a maldição da dissolução do ato sagrado.
comentários(0)comente



RafaelM 21/07/2019

Jude, o obscuro.
..."mas o humano era nele mais poderoso que o divino".
Resenho repetindo outro trecho do autor: ..."a sociedade é cruel com aqueles que desafiam suas tradições."
Jude, viveu à frente de seu tempo. Sonhador, aguerrido, buscou meios de mudar sua situação usando o conhecimento como arma, mas se perdeu no decorrer do caminho, mudando seus desejos e prioridades. Perto de tantas vezes conseguir o que queria, deixou escapar pelos dedos e levou isso até seu último suspiro. Ótimo livro, com personagens interessantes. Vale a leitura.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Samanta 31/05/2019

Um dos melhores livros do gênero!!
Jude, O Obscuro, livro enviado pela TAG Experiências Literárias no mês de Maio 2019, nos conta a história de Jude Fawley, um menino pobre e órfão, mas que tem grandes aspirações na vida. O seu grande sonho é ingressar em uma universidade em Christminster, Inglaterra. Porém esse sonho não será de fácil concretização. A vida de Jude é trágica, cheia de percalços e consequentemente de muitos fracassos. O pessimismo é um tema predominante no livro, onde os personagens tem a tendência de ver e julgar as coisas pelo lado mais desfavorável. O livro nos faz refletir sobre as injustiças e mazelas que predominam na sociedade, fazendo críticas diretas aos institutos do matrimônio, religião e dos costumes de uma sociedade hipócrita. Mesmo sendo um livro triste, com uma tragédia no decorrer da narrativa que devasta qualquer coração, não tira seu potencial de grande romance, um dos melhores livros do gênero. Quero ler mais livros desse autor!
comentários(0)comente



Ery 09/04/2020

Um grande clássico!
Não posso dizer ser um livro fácil de ler, talvez seja a edição, ou a linguagem rebuscada e arcaica, ou até mesmo os acontecimentos que se sucedem. Os sentimentos a respeito dos protagonistas são antagônicos a cada página.
A grande mensagem do autor, sua crítica às convenções sociais, é muito clara. O que certamente foi impactante para a sociedade da época. As consequências que se seguem pelas decisões tomadas ao longo do caminho dos personagens são inquietantes e desoladoras.
Em resumo, é um livro realmente obscuro, que não deve ser lido em um momento de tristeza ou angústia.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Tati Vizú 17/08/2020

Leitura clássica
Um calhamaço que leva certo tempo mas vale a leitura. Gostei muito dos detalhes presentes na narrativa e do desenvolvimento dos personagens.
comentários(0)comente



Fernanda Taniz 10/08/2020

Espectral
Eu amei os personagens, foram bem construídos algo mais realista, diferente do que estavam escrevendo na época. Ele questiona religião, capital e matrimônio. Por alguns instantes me peguei sensível e triste, foi delicioso ler essa obra.
comentários(0)comente



gimellomiranda 08/07/2020

Resenha: Jude, o obscuro
Em síntese: surpreendente! Enrolei muito para ler esse livro e pensei que a leitura seria muito arrastada, especialmente em se tratando de um clássico de Thomas Hardy.
De fato, não é um livro leve. É uma leitura bastante crítica e traz um contexto histórico bem completo do período em que se passa (Inglaterra na era vitoriana). Hardy traz uma história de Jude de uma forma pessimista, retratando as dificuldades de um jovem sem perspectivas que deseja seguir com a carreira académicas e que, no desenrolar da trama envolve-se com duas mulheres: Arabella, a primeira esposa, e Sue, o amor de Jude.

Essa edição da TAG é muito bonita e possui notas de rodapé que indicam os trechos que foram retirados na publicação em folhetim por serem consideradas ?indecentes?, além de um guia cronológico e um comparativo com as cidades fictícias mencionadas por Hardy e os locais que de fato foram inspiração para o livro.

Acho que cabe a advertência que é um livro triste e pesado, mas que vale muito a pena ser lido pela forma crítica e brilhante como o autor pontuou tantas amarras da sociedade da época, a rigidez das instituições e o mal causado por toda essa pressão e falta de empatia social.

É uma obra incrível e que faz jus ao título de clássico, pois sempre será atual. Recomendo a leitura!
comentários(0)comente



43 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3