Jude, o Obscuro

Jude, o Obscuro Thomas Hardy




Resenhas - Jude, o obscuro


43 encontrados | exibindo 31 a 43
1 | 2 | 3


lara 17/06/2019

Amei o livro , ver os sonhos de Jude sendo ceifado por uma sociedade cheia de preconceitos e com preceitos religiosos . Me deixando estarrecida com o trágico fim das crianças, me fez refletir sobre a vulnerabilidade das pessoas , falta de oportunidades.... enfim... o livro é intenso e emocionante.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Kmilab 21/06/2019

impactante
Obra fantástica! Recomendo apenas para os de coração e mentes fortes.
A história chocou em 1894 e continua chocando até hoje. A narrativa é bem trabalhada, com um vocabulário mais complexo mas que vale muito a paciência e a persistência para mergulhar de fato e se entregar a essa leitura riquíssima e cheia de emoções.
comentários(0)comente



Debora 26/06/2019

Um clássico
Começo esta resenha dizendo que me surpreendi positivamente com a fluidez da leitura, haja vista o livro ter sido escrito no final do século XIX, no formato de fascículos.
Além disso, gostei muito da temática e sua discussão. O que o autor traz, no meu ponto de vista, são discussões morais sobre o saber e a educação e seu caráter elitista; o casamento e seu caráter fechado e inexorável (isso já mudou bastante, mas não tanto. A atitude de Mr. Philotson é impensável ainda hoje); e várias outras questões envolvidas na vida em sociedade.
Sei que alguns focam nas intrigas e vaivéns da novela, mas, ao se olhar além e mais profundamente, isso é apenas pano de fundo. Super recomendo a leitura.
comentários(0)comente



Rodrigo.Romanus 31/08/2019

Livro formidável
Gostei muito da narrativa, apesar de ser um tanto melancólica.
comentários(0)comente



natygs 03/07/2019

Sofrimento, tristeza e tragédia... mas o livro é bom
Olha, o livro não é fácil. É denso, mas aos poucos você vai se envolvendo com os personagens que são extremamente bem construídos. A história é trágica, acho que uma das mais trágicas que já vi. Quanto sofrimento!! Imagino que, pela época que foi escrito, deve ter sido muito polêmico ao questionar dogmas e preceitos difundidos na Inglaterra Vitoriana. Se vale a leitura? Demais! Mas se prepare para uma leitura demorada. Não é aquele tipo de livro que você lê numa tacada.
comentários(0)comente



Moisés 15/07/2019

O fracasso que redime
Um romance que mostra a importância dos fracassos como exemplo de uma vida bem vivida. Pois afinal, de que vale viver sem a ousadia de seguir os sonhos e os sentimentos?
comentários(0)comente



Cilmara 20/07/2019

Um livro plenamente atemporal
Em pleno início do séc XIX, um livro põe em cheque conceitos como: religião, casamento, educação superior, mas a principal crítica é a moralidade da sociedade naquela época.
Publicado em folhetins com várias censuras, sendo por muitas vezes conhecido como "o livro mais indecente já escrito", hoje temos o privilégio de ler integralmente.
Acompanhamos a vida de Jude desde a infância até a velhice, tudo começa com um sonho de chegar a cidade Christminster e estudar nas grandiosas universidades e depois entrar para o sacerdócio.
Sua juventude gira em torno desse objetivo, arduamente concilia o trabalho pesado de venda de pães na charrete da sua tia com a leitura. Quando mais velho, trabalha entalhando e restaurando construções, mas vira a noite lendo diversos clássicos literários, entre eles a própria bíblia.
Nessa trajetória tantos infortúnios e surpresas acontecem, entre estes conhecer sua prima Sue, uma mulher bem a frente do seu tempo com uma visão mais crítica e ampla de tudo que a cerca, estudiosa e independente sente afeição por Jude quase que imediatamente, o que deveras, é bem recíproco.
No desenrolar dessa "amizade" vem todas as críticas e reflexões existenciais.
Enquanto leitor(a), é impossível não ser cativado(a) com uma narrativa tão visceral, que transcende qualquer molde daquele tempo.
Foi uma experiência incrível acompanhar essa novela, ou melhor, é a novela! É o tipo de leitura que realmente te faz refletir e querer discutir sobre, ainda estou processando muitas coisas.
Não é a toa que está entre os mais importantes escritores da literatura vitoriana juntamente com as irmãs Brontë, George Eliot e Charles Dickens.
Nem preciso dizer que recomendo.
E o trabalho da Tag ficou um primor, foi genial fazer o acabamento casar com a profissão do protagonista. Toda vez que eu abria pra ler no transporte público atraía diversos olhares. :D
comentários(0)comente



RafaelM 21/07/2019

Jude, o obscuro.
..."mas o humano era nele mais poderoso que o divino".
Resenho repetindo outro trecho do autor: ..."a sociedade é cruel com aqueles que desafiam suas tradições."
Jude, viveu à frente de seu tempo. Sonhador, aguerrido, buscou meios de mudar sua situação usando o conhecimento como arma, mas se perdeu no decorrer do caminho, mudando seus desejos e prioridades. Perto de tantas vezes conseguir o que queria, deixou escapar pelos dedos e levou isso até seu último suspiro. Ótimo livro, com personagens interessantes. Vale a leitura.
comentários(0)comente



Pandora 22/07/2019

Um livro sobre sonhos não realizados. Sobre como as hierarquias sociais somos a fatos corriqueiros da vida humana podem distanciar pessoas não privilegiadas de seus objetivos. Sobre como as vezes não basta você se esforçar e ser talentoso para alcançar seus objetivos.

Para mim "Jude, o Obscuro" foi um livro esmagador. Thomas Hardy não economizou tinta para expor a hipocrisia do mundo inglês do século XIX e a desigualdade de possibilidades de diferentes sujeitos sociais e a hipocrisia das instruções.

Hardy também não foi nada generoso com a instituição casamento e o papel alienante da igreja. Não por acaso esse foi um livro polêmico.

Amei e odiei Jude. Amei também a Sue e lamentei muito o destino que as tragédias deram a ela, o afogamento da genialidade dela doeu em mim.

Ao longo da leitura Hardy me lembrou muito as irmãs Bronte, espacialmente Emily Bronte e seu "Morro dos Ventos Uivantes", apesar de faltar a Hardy a força dramática da Emily em mim houve um diálogo entre as duas obras.

E sim, a edição da #TagLivros é lindíssima. Deu gosto andar com ela para cima e para baixo e contemplar ela na estante.
comentários(0)comente



Erica 22/07/2019

Uma época em que a meritocracia não visitava as classes baixas.
É notória a importância desse romance publicado na Inglaterra da Era Vitoriana, ao questionar as dificuldades de ascensão social, a influência da religião na moral coletiva e o instituto do casamento.
Destaco minha simpatia pela personagem Sue Bridehead, uma mulher à frente de seu tempo que se recusa enquanto pode a obedecer os padrões sociais da época. Com certeza influenciou muitas outras personagens feministas posteriores.
Jude é um homem puro e encantador, massacrado pelas convenções de uma época e barrado pelas intransponíveis camadas sociais.

" 'De que serve pensar em leis e determinações', ela explodiu, 'se elas representam tristeza quando você sabe que não está cometendo pecado algum?' "
comentários(0)comente



Érika 01/08/2019

Polêmico, escandaloso e que faz pensar.
Jude é alguém que viveu seguindo seus princípios e correu atrás dos seus sonhos. Seus princípios às vezes - quase sempre - desencontravam-se com o senso comum e, por isso, as consequências de suas escolhas trouxeram sofrimento.
Essa história me trouxe a reflexão sobre certo, errado e sobre mudança de conceitos.
Durante anos foi necessário lutar e sofrer por valores e princípios impopulares até que estes fossem considerados adequados. E, durante anos, será necessário que lutemos para que as futuras gerações usufruam de direitos que consideramos necessários mas que a sociedade vê com maus olhos.
Jude e Sue nos fazem pensar até que ponto vale à pena viver pelo que se acredita, trazendo até nós uma reflexão sobre as consequências das nossas escolhas.
Um livro que mantém sua essência atual, indiferente ao tempo.
Paz, amor e bem.
comentários(0)comente



Victor Vale 25/08/2019

Tanto autor quanto personagens, na margem da dissolução do casamento como contrato religioso para apenas contrato civil, reconhecem o amor como o unico motivo para união, mas pesa no destino a maldição da dissolução do ato sagrado.
comentários(0)comente



43 encontrados | exibindo 31 a 43
1 | 2 | 3