Minha Vida de Menina

Minha Vida de Menina Helena Morley




Resenhas - Minha Vida de Menina


47 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Verônica Matioli 30/09/2019

Minha vida de menina, é o diário de uma adolescente que viveu na cidade de Diamantina - MG. Ele se passa entre os anos 1893 a 1895. Pouco após a abolição da escravatura que ocorreu em 1888. Período de muito preconceito racial.
Época em que se escrevia com penas e a luz de velas. Que se lavavam as roupas no rio. Em que casamentos eram arranjados.
Ver tudo através dos olhos de quem viveu naquela época da um toque especial ao livro.
Conhecemos os costumes, as brincadeiras, as comidas típicas... Tudo que Helena viveu. E vemos que a felicidade mora nas coisas simples.

Adoro histórias reais. E essa foi bem gostosa de ler.

site: @escritosdeumaleitora
comentários(0)comente



Biblioteca Álvaro Guerra 20/09/2019

O diário de uma menina esperta descortina um painel sobre as transformações que aconteceram no Brasil na passagem para o século XX. Uma prosa deliciosa e cativante.

Empreste esse livro na biblioteca pública

Livro disponível para empréstimo nas Bibliotecas Municipais de São Paulo. Basta reservar! De graça!

site: http://bibliotecacircula.prefeitura.sp.gov.br/pesquisa/isbn/9788535927450
comentários(0)comente



Mary 23/07/2019

Resumo crítico:
Da autora Helena Morley ,é um livro que foi escrito em forma de diário, no século XIX, que só existe hoje porque o pai dela à incentivou quando adolescente ,justamente a escrever seus pensamentos.
Retrata uma vida muito humilde de uma família que vivia em Diamantina entre os anos de 1893 e 1895,mostrando uma adolescência totalmente diferente das de hoje, mas não com menos emoção. Helena Morley escreve sobre o mundo ao seu redor desde o quadro social daquele século à relatos bem humorados ,o seu pai era minerador e sua mãe dona de casa com quatro filhos para criarem ,sua vida não era uma de muito dinheiro ,contudo o mais importante não faltava , o amor ,principalmente de sua vó que dizia que ela era sua neta favorita .
É um livro que nos fazem pensar "Como as coisas mudaram ",e deixa uma pitada de dúvida, se aquele tempo sem luxo algum ,não é realmente melhor do que esse.
comentários(0)comente



Natália | @tracandolivros 01/06/2019

Minha Vida de Menina
Helena Morley é o pseudônimo de Alice Dayrell Caldeira Brant, nascida em 1880 em Diamantina. Quando criança, seu pai a convenceu de que seria divertido manter um diário e escrever nele com frequência; fazer dele um amigo.

Quando mais velha, já com suas netas, ela mostrou várias passagens e as meninas se sentiram triste com a pobreza da família, e a simplicidade da vida. Mas ela sustenta que o importante era a família e não o dinheiro, por isso ela decidiu publicar seu diário, para poder mostrar a muitas pessoas sobre como era viver em 1800 e que eles eram felizes.
.
“Nós éramos tão felizes! A felicidade não consiste em bens materiais mas na harmonia do lar, na afeição entre a família, na vida simples, sem ambições – coisas que a fortuna não traz, e as vezes leva”
.
Mesmo escrito por uma garota de 13 anos, é um livro muito bem escrito, uma narrativa muito bonita e singela. Helena é uma menina muito viva, que é amada por muitos, conhece toda a cidade e é muito serelepe. Além disso ela é muito esperta e questiona em vários momentos coisas mundanas e as formas que as pessoas resolvem as coisas.
.
“’Vocês não pensam para que a gente vive? Não era melhor Deus não ter criado o mundo? A vida é só trabalho. A gente trabalha, come, trabalha de novo, dorme e no fim não se sabe se ainda vai parar no inferno. Eu não sei mesmo para que se vive.’”
.
Existem muitas histórias nesse livro, de todos os tipos, desde as mais engraçadas até as tristes. Tudo pela visão de Helena, mas ainda assim dá para se ver muito da época; é praticamente a História vista pela visão de uma simples menina, o que deixa tudo muito claro e de fácil entendimento; e com uma escrita bem leve e tranquila de ler.

site: https://www.instagram.com/p/Bs8xwbMg5Ee/
comentários(0)comente



Lari 15/05/2019

Um dos livros mais divertidos que já li. Possui uma narração leve e com um toque de humor, contando o dia-a-dia de uma garota. Gostei muito
comentários(0)comente



marcelo.batista.1428 29/04/2019

Li que foi aclamado por Drumond e Guimarães Rosa; que através do diário de uma garota, tinha-se um retrato do cotidiano de Diamantina do final do século XIX.
Encontrei muito de um diário e pouco de um retrato histórico, e minha expectativa era exatamente o inverso.
comentários(0)comente



Rafa 24/10/2018

Tem muitas passagens interessantes sobre a vida interiorana de Diamantina no final do séc. XIX, mas na maior parte do tempo é apenas o diário de uma menina, então acaba sendo um pouco repetitivo.
comentários(0)comente



Kelly Midori @kemiroxtvliterario 30/09/2018

Resenha: Minha vida de menina , Helena Morley
Minha vida de menina é um livro de leitura obrigatória da Fuvest 2019 de grande importância para literatura.
Eu li em ebook sendo que esse livro a editora é a Companhia das letras.
Helena Morley não é o nome verdadeiro da escritora o nome dela é Alice, ela escreveu o livro na infância foi escrito como diário quando tinha 13 a 15 anos e publicado já adulta.Principalmente a vó de Helena protegia Helena e dava presentes mais para ela do que os outros netos. A vó ouvia ela contar o diário dela. O livro se passa no século 19 em Minas Gerais.Ela tinha muito contato com a igreja. Ela estudava em uma escola para ser professora tem haver com a época. A linguagem coloquial é predominante.Além de narrar os fatos, a autora tece também comentários e críticas sobre os acontecimentos, apresentando sua visão de mundo e deixando claro que possui opinião crítica sobre o que lhe acontece.
Analisando o livro eu gostei e a leitura é fluída por dividir os capítulos curtos por datas de acontecimento no diário dela. Pode se dizer que se você for fazer o vestibular tenha lido o livro pode aproveitar e se você não vai fazer o vestibular também recomendo que leia esse livro diário e entre no mundo da garota Helena Morley.

site: http://kemiroxtv.blogspot.com/2018/09/resenha-minha-vida-de-menina-helena.html
comentários(0)comente



Dan 14/09/2018

Resenha para quem vai fazer vestibular.
A princípio, apesar de haver traços característicos do Romantismo (Indianista/Bucólico), Realismo (Determinismo) e Modernismo (Linguagem coloquial), o livro não é dotado de características literárias, visto que é um diário cuja preocupação não é semântica ou sintática, mas sim, apenas a transmissão de ideias e sentimentos ao interlocutor.

O livro é escrito por Helena Morley, uma brasileira criada com princípios burgueses pelo pai (liberalismo e protestantismo) e pelos anseios conservadores da mãe (absolutismo e catolicismo), desse modo, graças a isso e suas condições financeiras, fez-se inteligente desde pequena: Ela questiona muitos dos costumes da sociedade brasileira da época, como o porquê da distinção entre negros e brancos, costumes matrimoniais, superstições, boatos, etc.

Além disso, o enredo se passa num Brasil que acaba de fazer a troca de Floriano Peixoto para Prudente de Morais, portanto, são os primeiros anos após a proclamação da república e abolição da escravatura. Porém, há de se lembrar que não só em Diamantina - cidade que ficou rica no período aurífero da economia brasileira, na qual se passa a trama - mas no país inteiro ainda não se sentia o total reflexo dessas mudanças, logo, ainda temos uma sociedade extremamente patriarcal, racista e tradicionalista.

Outro ponto que é importante lembrar é que, embora há questionamentos por parte de Helena à escravidão, os mesmos não apresentam sinal de descontentamento ou de denúncia ao governo, isto é, apenas mostram como os pretos ex-cativos viviam sem necessariamente possuir anseios por mudanças.

No que tange à história em si, a linguagem é permeada de regionalismos e vícios, no entanto, ele se mostra extremamente simples ao ponto de você entender o contexto dos termos sem ter que pesquisá-los. Outro traço interessante é que, como não se trata de um romance, você já tem contato direto com as personagens, quase como que se presumisse que o leitor já as conhecessem. Dado tal fato, eu diria que até o penúltimo ano a ordem na qual você a lê não influencia muito, já que quase nenhuma história relatada em um dia é continuada no outro.

Por fim, é importante notarmos também que o livro passa por um processo de amadurecimento acompanha da personagem: No início ele é bem descontraído e apresenta acontecimentos que são supérfluos para pessoas mais adultas e experientes, mas, a partir de determinado ponto do livro, observa-se uma mudança nos trejeitos de Helena de relatar seu cotidiano, ou seja, ela parece estar ficando a cada dia mais madura e analítica, e, por consequência, seus relatos também.

Eu li por causa da FUVEST. Não é o estilo de livro que me atrai, mas me surpreendi com o caráter descontraído e transviado do enredo. Recomendo!


site: https://www.youtube.com/watch?v=RYG5XU1soxg
Rose Gleize 24/09/2018minha estante
Perfeita a sua resenha! :) Tudo o que citou aí, é o que eu tenho percebido com o passar da leitura do livro.




Lopes 13/09/2018

| Os suaves ruídos observados na infância |
“Minha vida de menina”, de Helena Morley, é uma daquelas obras que roubam os melhores adjetivos e predicados. Isso por que a ingenuidade deste diário revela o universo de uma garota realista, alterada e solidária. Seu humor muda em poucos instantes, transformando diversas vezes o tom da obra. Porém tudo é suave. Lemos sobre histórias que envolvem uma garota comum a ponto de desabrochar reflexos de nós mesmos. Suas observações estimulam variações, pois ela não foi pensada em “estar escrevendo um livro”, mas sim um diário. Segredos. A literatura trabalha com elementos que conseguem abarcar diários ou relatos, pois ela não precisa apenas se justificar - se é que precisa -, mas dissolver o espaço e as pessoas nele contido. Helena soube fazê-lo na contramão. Seu diário se transforma em um romance apenas no final, quando a história promove um dos melhores momentos de nossa literatura. Outro ponto marcante é a força imagética que Morley constrói ao longos dos anos. Diversos pensamentos surgem, e um deles é perceber - esta percepção literária é de um conhecido que reutilizo aqui - que a literatura, caso fosse realizada massivamente por mulheres, seria mais solidária e menos preconceituosa. Outra imagem é do feminismo da personagem. Ser e se sentir garota é o centro das atenções, e mais, não há relativização com nossos preconceitos neste aspecto. Nesta obra, o olhar único de Helena Morley descreve o espaço e personagens de forma tão nítida e pessoal a ponto de sermos seu espelho, independente de nossas orientações ou sexo. Algo rompe, por que a voz é imperiosa, do diário pro romance. Sua privacidade é destruída, mantendo o segredo inicial para criar outro, competente à arte, e tudo forma natural. Romance, biografia e diário guardam segredos que permitem sonharmos as diversidades sem as fronteiras do que é real ou não, ela ou eu. “Minha vida de menina”, manifesta no leitor a vontade de escrever e falar sobre si, desvendar segredos de si mesmo, cria novos artistas da escrita e da observação. Uma obra que nos marca com o que há de mais singelo, escrever para si.
comentários(0)comente



lala 10/09/2018

Incrível.
O livro está na lista de livros obrigatórios nos vestibulares e é de se entender o porquê: Helena conta seu dia a dia de maneira cativante e muito interessante. A vida simples da garota e a maneira como ela a descreve são de tamanho divertimento! Inúmeras vezes caí na gargalhada e falava p'ra minha mãe: "Escute só essa!" e lia sobre um dia da vida de Helena.
É recomendável a qualquer um, vestibulando ou não. "Minha Vida de Menina" é um tesouro nacional.
comentários(0)comente



Marcos Vinicius 06/07/2018

Obra prima!
Excelente livro! Relatos ingênuos de uma garota meiga e espivetada a respeito de sua simplória vida no interior de Minas Gerais. Carregada de elementos históricos e patriarcais, Minha Vida de Menina nos mostra através de uma narrativa verossímil os despeitos de uma sociedade cercada de transformações políticas, sociais e econômicas.
comentários(0)comente



Raphael 03/07/2018

Minha Vida de Menina
Compilação de textos escritos durante a adolescência da autora - assinando sob o pseudônimo Helena Morley, o livro chama a atenção pela sutileza e argúcia expostos em relatos dotados de boa sinceridade. Como leitor que travou contato com a obra pela primeira vez, assumo da leitura ter sido um tanto inócua pra mim, sem grandes impactos, quem sabe em outra ocasião o livro bata melhor aos meus olhos e mente....
comentários(0)comente



Biblioteca Álvaro Guerra 29/06/2018

" Nas quintas-feiras mamãe nos acorda de madrugada, para arrumarmos a casa e irmos cedo para o Beco do Moinho.[...] É o melhor recanto de Diamantina e está sempre deserto. Nunca encontramos lá uma pessoa, e por isso mamãe escolheu o lugar."

Empreste esse livro na biblioteca pública

Livro disponível para empréstimo nas Bibliotecas Municipais de São Paulo. Basta reservar! De graça!

site: http://bibliotecacircula.prefeitura.sp.gov.br/pesquisa/isbn/9788571647688
comentários(0)comente



daiane.fernandes.980 19/06/2018

Minha vida de menina
O livro é um diário de uma menina com 14 anos, Helena, que vive em Diamantina no final dos anos de 1800. Ela conta como e seu dia a dia com seus familiares, escola e até alguns fatos históricos. Gostei muito, e uma leitura bem simples e aconchegante, transmite uma tranquilidade e é bom pra se ler e fugir um pouco da correria do dia a dia. O estilo de leitura parece um pouco com Anne Frank. Recomendo
comentários(0)comente



47 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4