Três contos

Três contos Gustave Flaubert




Resenhas -


1 encontrados | exibindo 1 a 1


leila.goncalves 05/08/2019

Trois Contes
Com apenas 144 páginas, "Três Contos" é considerado um importante registro da carreira literária de Flaubert. Publicado em 1877, três anos antes de sua morte, o livro levou cerca de dois anos para ser escrito, mas as narrativas que dele fazem parte foram gestadas durante boa parte da vida do escritor.

Conforme afirma Leyla Perrone-Moisés no texto de orelha que acompanha a edição, à primeira vista, não parece haver qualquer conexão entre as histórias, inclusive, elas acontecem em períodos distintos da História: o século XIX, a Idade Média e a Antiguidade. Entretanto, uma análise mais acurada comprova um interessante elo, são histórias de santos, respectivamente, uma santa ignorada, um santo assassino e um santo profeta.

Resumidamente, a primeira narrativa é ?Um Coração Singelo?. Nela, Flaubert conta a vida de Felicidade, ambientada sua Normandia Natal. A protagonista nada mais é do que uma reles criada que alheia a qualquer pecado, ama tudo e a todos com o mesmo virtuosismo que um spalla toca seu violino. Colocando em pauta a devoção religiosa, no desfecho quem brilha é uma das mais conhecidas personagens do escritor, Lulu, um papagaio. A ave também serviu de inspiração para o livro "O Papagaio de Flaubert", escrito por Julian Barnes, outra boa indicação de leitura.

O segundo conto, "A Legenda de São Julião Hospitaleiro? foi inspirado nos vitrais da Catedral de Rouen, cidade onde o escritor nasceu, entretanto, também é produto de uma extensa pesquisa hagiográfica no qual desponta "A Legenda Áurea" obra de Jacobus de Voragine. Sua história é brutal, enfoca a remissão dos pecados através da prática da contrição e caridade a partir da vida de um parricida e sanguinário caçador. Nas últimas páginas, quem rouba a cena é um leproso, mas há outro aspecto que merece registro: um sonho de São Julião sobre a vida dos mitos fundadores da Cristandade, trazendo à baila o Jardim do Éden e a Arca de Noé.

Já a última narrativa, ?Herodíade?, é uma releitura da decapitação de São João Batista na qual o escritor ameniza o tom religioso do episódio, a fim de revelar uma história absolutamente humana, envolvendo vingança, desejo e o valor da palavra. Discorrendo sobre a vinda de um novo Messias em meio às agitações e intrigas políticas, seu protagonista é Herodes, rei da Galiléia, um homem pressionado por Roma por conta do permanente estado de guerra da região. Se não bastasse, ele ainda precisa conter o clamor dos seus súditos, indignados por ele ter desposado sua cunhada cujo nome intitula o conto. Escrever essa narrativa deve ter sido um desafio para o escritor, pois o caráter histórico relembra ?Sallambô?, um de seus fracassos literários.

Quanto ao livro, ele reflete o cuidado que a edição mereceu da Editora 34. Em capa dura, foi impresso em papel Munken (80g/m2) e com confortável diagramação, veio acompanhado de seis cartões com ilustrações referentes às narrativas. Uma delas é a mesma da capa e exibe Lulu, um papagaio de origem brasileira.

Para finalizar, ?Três Contos? foi traduzido por Milton Hatoum e Samuel Titan Júnior, possuindo uma Fortuna Crítica que não deve ser deixada para trás. Além do texto de orelha já mencionado, destacam-se a ?Apresentação?, que coube ao Samuel, e ?Os Contos nas Cartas?, um texto de autoria de ambos os tradutores, além da história de São Julião, tal qual é apresentada na Legenda Áurea.
comentários(0)comente



1 encontrados | exibindo 1 a 1