A Estrada da Noite

A Estrada da Noite Joe Hill




Resenhas - A Estrada da Noite


410 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Regiane 30/07/2010

Excelente!!!
Quando li a sinopse do livro e soube que estava na lista dos mais vendidos do New York Times eu fiquei super interessada em adquirí-lo.

E como se não bastasse ser o tipo de literatura que gosto, o autor ainda é filho de um dos meus autores preferidos - Stephen King - o que me fez pensar que Joe Hill seria mais um grande nome da literatura do horror. E não é por menos, Joe Hill é excelente, nessa obra ele prova que seu talento corre pelas veias.

O astro do rock Judas Coyne tem o bizarro hábito de colecionar coisas estranhas, sejam elas quaisquer tipo de anormalidades. Junto com uma de suas mais recentes aquisições - um terno que, segundo a vendedora, era possuído por um espírito - veio uma série de tormentos e desgraças.

Então, a vida de Judas e Geórgia, com quem divide a casa se transforma repentinamente, quando ele descobre que há de fato um fantasma naquele terno. Juntos, eles começam a lutar para sobreviver diante da ameaça incontrolável que se tornara aquele fantasma.

Terminei esse livro em poucos dias, pois ele me prendeu do começo ao fim, ao ponto de me dar calafrios, como se eu estivesse dividindo todo o terror - que Joe criou - junto com seus personagens.

É um dos meus preferidos no gênero. Recomendo aos que apreciam.

Amanda 12/03/2010minha estante
realmente este livro é um excelente livro, um dos melhores livros que ja li, e como a pessoa acima disse, o livro é tão bom e te prende tanto que tem momentos que agente realmente entra tanto na historia que qualquer coisa assusta o.O ...

eu fiquei com tanta vontade de ler que também acabei rapidinho, nao dá para nao ler... é maravilhoso xpp



babi 16/06/2011minha estante
Gosto é gosto, e claro não se discute. Mas quero deixar minha opinião aqui, sem conflitos.

Eu já não estou achando tão excelente assim.
Pelo contrário, para mim está sendo bem monótono. A leitura não flui, não estou vendo suspense e nem terror. As frases curtas como "e ele sentou" "e ele levantou", deixam a leitura cansativa e aborrece.
A graça do livro são os cachorros, para eles dou uma estrela.


jHeidrich 15/10/2011minha estante
Pela maneira que o autor descreve a cena e o ambiente, em algumas partes também tive a impressão de estar junto dos personagens. Não que tenha sido de maneira perfeitamente explicada, mas me identifiquei com o jeito dele escrever (acho estranho falar disso de um livro que foi traduzido). Só me decepcionei com o final, achei "muito x-men".


Nadz 24/12/2011minha estante
Estou lendo este livro e por enquanto concordo com a Babi. Estou achando um pouco monótono e previsível. E a personalidade de Jude me confunde, ele não parece ter consistência em nada. Nem em sua mente ou idade. Mas acho que vai melhorar... gostei da resenha.


Ju 27/02/2012minha estante
Eu Li esse livro não tem muito tempo. Confesso que só me arrisquei mesmo em le-lo, pelo fato de Joe Hill ser filho do King, que particularmente é meu preferido quando se fala em livros de Terror, suspense. Tenho que admitir que não me arrependo nem um pouco por ter lido. Adorei o enredo, a forma com que Joe coloca os fatos. Digamos ainda que Joe é um pouco mais direto que o próprio king. Se tornou um dos meus favoritos e ainda quero conferir outros livros dele.

OBS: Regiane, Você arrasa nas suas resenhas. Parabéns!


MayaraFacirolli 06/08/2013minha estante
Só eu não gostei do livro? Sério, achei que as coisas acontecem muito rápido, sabe não tem suspense nenhum, logo nos primeiros capítulos ele já acontece o conflito principal, achei que isso iria acontecer mais para frente e etc. Eu sinceramente achei fraco, pelo fato de acontecer tudo rápido demais, assim não dá medo algum. Precisa aprender muito com o king rs


Cris 21/11/2013minha estante
estou lendo esse livro, comecei há dois dias, e gostei do seu comentário tbém, estou super ansiosa para avançar na minha leitura, até o momento estou gostando da história.


Aninha 20/06/2014minha estante
Comecei a há 2 dias e estou completamente viciada. Uma coisa q me chamou a atenção é o rápido desenrolar da história, eu gosto disso, mas, tem gente que não gosta tanto assim. E quando vc pensa que está tudo tranquilo, do nada acontece alguma coisa.


Beth 23/09/2014minha estante
Com tristeza, confesso que não gostei do livro.




Vitor 06/11/2010

Um terror sem frescuras, rápido e intenso
Como sempre, gosto de falar do autor da obra antes do livro em si. No caso de A Estrada da Noite, do autor estadunidense Joe Hill, temos uma história interessante: o sujeito é filho de Stephen King, o mestre do horror na literatura. Querendo provar seu talento sem contar com a ajuda do nome do pai, Hill não revelou de início esse parentesco, confirmando algum tempo depois do início do sucesso que era mesmo filho do aclamado autor. O filho de King aparentemente seguirá os passos do pai: literatura ficcional de horror. E, deixando as estatísticas de lado, falemos sobre a qualidade da obra (ou falta dela).

O livro trata da história de um cinqüentão do rock pesado, Judas Coyne, que namora uma gótica tão doida quanto ele. O terror dos dois começa quando um paletó de um suposto fantasma é comprado por Jude, colecionador de itens macabros. O paletó revela-se bem mais que um fantasma imaginário e trará problemas catastróficos ao casal.

Para os amantes do suspense e terror puro e sem frescuras, aí está a obra contemporânea perfeita. Violenta, rápida, cheia de reviravoltas bem-feitas, imersiva, verossímil, suja e psicológica. Algumas influências de King aparecem em meio à obra, como o já dito apelo psicológico, levando o leitor a pensar no medo e na apreensão junto dos personagens. Personagens esses que, diferente de muitos livros do mercado, apresentam-se carismáticos, cheios de erros e verdadeiramente canalhas.

Uma decisão acertada da parte de Hill foi a inclusão de poucos personagens. De início, temos somente Jude e sua namorada, Geórgia, e o seu ajudante bajulador Danny. O livro fica assim por um bom tempo e de importância posteriormente temos o pai de Jude (mostrando uma verossímil relação entre um astro de rock e a família que o maltratava), o fantasma do paletó, a ex-namorada de Jude, também morta. O importante é que cada um desses personagens tem suas características bem marcadas, com destaque, é claro, para o protagonista, roqueiro, arrogante, cheio de gostos sombrios, abusado, sem-vergonha. É o retrato perfeito de muitos ídolos do Rock pesado de outros tempos, inclusive tendo seu nome Judas inspirado num músico real.

Como numa boa trama de horror, a história não se importa muito em descrever tanto os lugares visitados ou em se aprofundar nos porquês, lançando os personagens já moldados no conflito da trama. Ou seja, A estrada da Noite tem tudo o que amantes do puro e velho terror à lá King gostam: agilidade, personagens ótimos, fantasmas, suspense, palavrões, mortes e muito terror psicológico. Mas não se enganem com as ligações com King, pois este romance é melhor que muitos dos escritos pelo pai de Hill. É sério (principalmente para a nova geração de leitores, que no geral preferem uma leitura mais fácil...)

A minha ressalva sincera fica por conta do final que, apesar de bem amarrado, não surpreende tanto quanto poderia e teria deixado a obra com gosto de trabalho completo. Vale citar, para fechar, as bem colocadas referências aos astros do rock ‘ n roll no livro.
E que venham mais livros do novo nome do horror!
Nadz 24/12/2011minha estante
Engraçado que a impressão que eu tenho de Jude é totalmente diferente. Para mim ele não parece ter personalidade, não parece sentir, pensar ou ser... Vejo mais sua personalidade e a ele quando se trata do próprio pai, é um lado mais dificil, emocional e me aproxima mais do livro. No restante, este personagem me decepcionou um pouco.




Fabiano Baloo 27/01/2011

Terror de qualidade!


“Havia uma segunda caixa dentro da primeira. [...] Era grande, brilhante e preta, e tinha a forma de um coração. [...] Não fazia a menor idéia do que poderia haver ali dentro e ao mesmo tempo sentia que, de alguma forma, deveria saber.” (p. 14, grifo do autor)


Quantas surpresas não pode haver dentro de uma caixa que é entregue pelos correios ou outro serviço de entregas. O conteúdo pode trazer mais do que uma encomenda... Creio que foi neste pensamento que Joe Hill encontrou o principal argumento para trilhar seu livro "A ESTRADA DA NOITE" (Sextante/Ficção, 258 p. ). Tudo bem que eu prefiro o título original (Heart-Shaped Box) que torna o livro mais sombrio do que é. Confesso, ainda, que não tenho nenhum problema com filmes e nem livros de terror ou assuntos sobrenaturais mais densos, mas o livro me deixou com uma boa dose de suspense, o que resultou em duas noites sem sono...

Joe Hill é filho do consagrado escritor Stephen King, tanto que o livro é dedicado a ele. Uma dedicatória simples, mas profunda. Joe Hill é americano e no ano passado lançou seu novo livro, também de terror, intitulado “O PACTO”.

Tendo como protagonista Jude Coyne, um roqueiro de sucesso e prestígio, que há algum tempo está fora da carreira, apesar de ainda fazer sucesso. Cético, ousado e exótico demais, mas nada fora dos padrões dos grandes roqueiros, Jude adora ter coleções diversas e em uma bela manhã o seu empresário lhe diz que alguém está vendendo um paletó assombrado. Ele se sente atraído e compra o objeto.

A chegada do paletó muda completamente sua vida: Ele recebe a notícia que seu pai está morrendo, apesar de não o ver há mais de 30 anos; o seu relacionamento com Geórgia, a namorada/stripper, se torna insuportável... E quando ele busca respostas para tudo que está acontecendo, uma notícia bombástica torna a história tão simples, mas extremamente intrigante. O tal paletó assombrado pertencia ao padrasto de sua antiga namorada. E agora o fantasma pertence a ele. Como a vendedora do paletó (não vou contar quem é... kkkkk) diz:

“Se não pagasse, o fantasma não pertenceria realmente a você. Você tinha que pagar. E foi o que você fez.” ( p. 29)

Agora o fantasma de Craddock McDermontt pertence ao roqueiro louco e é então que o livro toma proporções de uma grande história. Os elementos que compõe a história são clichês de qualquer enredo de suspense, mas a diferença aqui é que Joe Hill explorou cada elemento na medida certa, com humor sarcástico, boas entradas de diálogos, descrições excepcionais e com um terror dramático. Sim, existe um certo drama a cada “ataque”. Foram nesses momentos que eu não levava grandes sustos, mas sentia uma certa angústia e tensão. Acreditem ou não parecia que o Craddock McDermott estava por perto (???). Estava louco para ler o livro, pois tinha lido algumas boas resenhas com excelentes indicações sobre a história. E todas foram injustas... o livro é bem melhor do que falaram.

Joe Hill tem qualidade. O desfecho da história é algo previsível, mas isso que faz desse livro algo excepcional. De tão previsível você quer ter certeza de que vai terminar como se espera. Não gosto de adaptações de livros para o cinema, mas confesso que este livro me deu vontade de ver na telona... Criei até um pequeno elenco para ele. Mas isso fica pra outra vez.


TOP 3:
1. A relação de Géorgia com Jude, que se torna mais dependente e ao mesmo tempo mais insana a cada página.
2. Os momentos de lembrança de Jude, sobre sua infância e sua relação com a família.
3. A personagem Bammy, vó da Geórgia, que é tão bem construída e tem uma história tão assustadora quanto a que Jude vive.
Nika 27/01/2011minha estante
Faz muitos anos que não leio terror. Stephen King já escreveu um parágrafo - em It - que teve e tem ainda o condão de me assustar por décadas. Já tinha lido resenhas sobre o livro de estreia do filho dele e a sua parece concordar com as outras que li.
Gostei bastante. Se me cair nas mãos, agora sou capaz de lhe dar uma chance.
Valeu, abraço.


Ninah 28/01/2011minha estante
Fabiano, seu chato... eu não consigo ler terror (pânico, choro e tensão), mas agora vc me instigou. Se seu telefone tocar de madrugada, sou eu te amaldiçoando por não conseguir dormir. hahaha! Ótima resenha. Bjo.


Renata 28/01/2011minha estante
Será que eu preciso dizer algum coisa??? Ah sim... eu adorei tua resenha padrinho :D

Fujo de terror, mas quem sabe esse ai não me surpreende ;)

Beijos =*


vollzin 28/01/2011minha estante
Adorei a resenha! É de super qualidade; melhor que muitas que vemos em blogs por aí...

Parabéns,cara!


Stephania Tonhá 28/01/2011minha estante
adorei a resenha....se antes eu estava querendo ler, agora eu estou morrendo para ter esse livro!!!




Flávio 26/02/2011

Vai ter que ralar muito pra chegar aos pés do pai. Livro maçante e por vezes bobo. Não consegui passar da página 100.
Silvia 02/07/2012minha estante
Ai meu Pai eu ainda vou ler este kkkkk, mas como não li nada do pai, acho qe vou gostar.


Thais Toledo 19/04/2013minha estante
Também parei aí, na pág 99/100.. horrível!


Josi 07/10/2015minha estante
Tudo bem que NESSE LIVRO ele ainda não parece tão bom quanto em NOS4A2 mas achei o livro eletrizante. Comecei a ler o livro em uma quinta, na terça feira já havia terminado. Eu gostei.




Manoela 19/08/2011

Leia 'A Estrada' à noite
Lembro-me até hoje do primeiro contato com esse livro; vi a foto e a pequena sinopse em um marcador de livros e a primeira ideia que me veio à mente foi: "Quem iria gostar de ler um livro no qual o paletó de um morto persegue um roqueiro chamado Judas?". Eu é que não seria.

Não podia estar mais errada. Fui guiada primeiramente para Stephen King e só então descobri que Joe Hill, o cara do livro do paletó, era seu filho e aparentemente havia herdado o dom. Mas, a vontade para ler o livro do filho do rei só veio depois de ler seu livro de contos, que, aliás, recomendo.

Então, começo a leitura do livro.

Jude é um colecionador de objetos curiosos, um homem de meia idade que não liga para o que outros possam dizer sobre sua pessoa. Ele mora em sua casa em Nova Iorque, atualmente com sua namorada gótica, Geórgia, seus dois cachorros, Angus e Bonn, e a constante presença de seu amigo Danny. É este que introduz Jude à um leilão na internet: um pateló que pertencia à um homem morto e era assombrado por seu fantasma. Nada poderia chamar mais a atenção de Jude, que faz de tudo para ser o dono de tal coisa. A suspresa começa na embalagem da encomenda, uma caixa preta em forma de coração, e não para por aí, pois o fantasma do morto realmente está lá, o tempo todo, aparecendo para Jude com uma lâmina em sua mão.

Sua presença constante e perturbadora começa a incomodar Jude, que então descobre que aquele não é um simples fantasma. Ele tem uma causa, e não vai deixar Jude em paz. Nem Jude nem as pessoas à sua volta.

Jude e Geórgia saem de casa e vão para a estrada, de dia ou à noite, para tentar achar um jeito de se livrar do fantasma e salvar suas vidas. E isso parece cada vez mais improvável a cada quilômetro rodado.

O livro tem sim momentos de terror. Pare para imaginar algumas cenas e sua mente irá ficar um tanto perturbada. Mas apesar disso, outras passagens são engraçadas ou mesmo um pouco românticas, o que acredito ter dado um equilíbrio para o livro. Quanto à narrativa, ouso dizer que Joe Hill não cometeu pecado algum: tudo nos prende à leitura e deixar o livro de lado, só em extrema necessidade. Jude, em toda sua aberração, é verossímil e bem estruturado, assim como Anna, cujas perguntas incessantes, e também a depressão, tornam-no um homem de sentimentos.

Sim, Joe Hill merece a fama que tem e ainda mais as expectativas por sua descendência. Seu primeiro livro merece ser lido à noite, para aumentar ainda mais o friozinho na espinha ao ler tais cenas de fantasmas, sangue e sustos.
Mahfud, Fábio 30/08/2011minha estante
Resenha muito boa! Lembro de também não conseguir largar o livro, ainda mais que praticamente só o li à noite...dava uma tensão especial à trama.




kassya 25/11/2009

Minhas Impressões

"talvez fantasmas sempre assombrassem mentes, não lugares."

Demorei muito para ler este livro, não que a historia fosse ruim, muito pelo contrario acabou em envolvendo, mas como se tratava de uma historia de suspense, acabei ficando com medo, e sempre que podia mesmo que involuntariamente eu o deixava quieto e parado na mesa de cabeceira ao lado da cama. Foi preciso coragem para terminar, realmente não é o gênero que estou acostumada, mas, foi bastante interessante descobrir uma nova linguagem.

"Era o tipo errado de quietude, a imobilidade chocada que se segue ao estouro de um rojão. seus tímpanos latejavam com a pressão de todo aquele sereno, terrível silencio;"

Experimentei novas sensações, o frio na barriga, o sonho a noite... Jude ficou na minha cabeça, a principio como um personagem que eu gostaria de deletar, mas, aos poucos eu fui me pagando a ele e no final eu já estava torcendo que o bem pudesse superar o mau. O desenrolar da historia em si, não me surpreendeu, eu meio que esperava que existisse um motivo real e forte encoberto pela “loucura”.

"Os fantasmas sempre nos alcançam, é impossível trancá-los do lado de fora. eles simplesmente atravessam a porta mesmo que esteja trancada."

Estou feliz que eu tenha me superado e terminado a leitura, abandonar um livro é quase inconcebível para mim.

maria 25/11/2009minha estante
Parabéns... pela superação. vai não é tão assustador assim é? Vou ler e depois eu te conto. parabéns pela "resenha" e obrigada pelo seu cometário na minha "resenha" de Demetrius - Um Coração Grego. bjs.


Maressa 26/12/2009minha estante
Isso aí, concordo plenamente.


Portolese 22/04/2013minha estante
Bem superar o mau?




Fulana de Tal 29/05/2009

Horroroso!
uma historia sem graça, mal escrito e com um titulo que não se relaciona em nada à narrativa...uma cilada!
chega a dar dó.
Nadz 24/12/2011minha estante
Por enquanto não estou curtindo também,mas não tanto. parece que pode melhorar até o fim!


Thais Toledo 19/04/2013minha estante
Concordo, cheguei na página 99 e não aguentei mais, horrível!




Naara Janeri 14/10/2014

Fiquei bastante entediada em algumas partes, me decepcionei bastante. Pelas resenhas que li, esperava bem mais do livro. Confesso que até mesmo pensei em desistir.
Andrea 16/10/2014minha estante
Concordo com você estou na metade e está difícil de continuar...a história não é ruim, mas o ritmo...


Andrea 16/10/2014minha estante
Concordo com você estou na metade e está difícil de continuar...a história não é ruim, mas o ritmo...


Naara Janeri 20/10/2014minha estante
Pois é, Andrea. Achei bastante repetitivo em algumas partes, enrolado demais.


Rebecca Santiag 03/12/2014minha estante
Naara e Andrea, achei que fosse a única a pensar assim! Levei quase um mês para ler a metade... a leitura é simplesmente arrastada demais, os personagens rasos e desinteressantes. O autor tenta nos convencer com personagens inusitados - um astro de rock, um fantasma vidente, jovens góticas.... - mas não desenvolve nenhum deles, o que acaba frustrando.

Do meio para o fim, porém, o ritmo acelerou bastante e a história se tornou mais interessante - embora não muito convincente com todo aquele drama.

Dei três estrelas também para o livro. O resultado final foi mediano.




Douglas 10/05/2014

A Estrada da Noite
O gênero "terror" não está entre as minhas leituras preferidas, mas eu optei por comprar este livro depois de ler a sinopse dele.

O fato de o autor ser filho de alguém famoso, pra mim, não é importante. Eu não ligo se ele é filho do Stephen King, ou do Papa, ou da Rainha da Inglaterra. O que importa é a história e não quem é o autor.

Quando eu comecei a ler, percebi que o livro não é de terror, mas sim, de suspense. A história não é tão assustadora assim. Temos a perseguição do morto, como dito na sinopse, mas o autor focou bastante na personalidade dos personagens e abordou temas como traumas de infância, problemas de relacionamento entre pais e filhos, pedofilia, abusos, enfim, o foco principal é o psicológico dos personagens.
Com o passar da história, vamos aprofundando as motivações dos personagens e o porquê desses personagens agirem da forma como agem. O autor foi muito feliz em abordar esses temas.

Então, por que eu dei 3 estrelas ao livro?
Resposta: não sei!
Calma, eu explico:
Eu gostei muito do começo do livro, mas conforme eu fui aprofundando a leitura, comecei a perder o interesse na história.
Eu leio bastante à noite, de forma que os livros que estão sendo lidos ficam no meu criado-mudo, ao lado da cama. E este livro ficou vários dias no criado-mudo sem que eu tivesse vontade de ler ele. Confesso que terminei o livro a duras penas.
Achei os acontecimentos finais um tanto mirabolantes demais.
Então, começo: gostei... Final: não gostei.. Achando um meio termo, optei por 3 estrelas.

É claro que esta é a minha opinião sobre o livro. Muitas pessoas podem ler e gostar, achar ele o livro mais assustador que já leram. Ótimo. Sejam felizes.

Eu, confesso, me decepcionei um pouquinho...

Um abraço e meu respeito a todos.
comentários(0)comente



Rafael Michalski 25/07/2012

Os fantasmas sempre nos alcançam...
Joe começa com a dedicatória: Para meu pai, um dos bons... O primeiro livro que eu li, que me despertou para a leitura, foi o Iluminado do Stephen King e uma das coisas que lembro é que lá havia uma dedicatória ao pequeno Joe e anos depois leio Estrada da Noite e a dedicatória é retribuída... Isso é magnífico, algo simples mas de uma profundidade inexplicável.
Li Estrada da Noite pela primeira vez em um fôlego só, foi um dia e uma noite de tensão sem conseguir desgrudar os olhos das páginas (não aconselho isso, porque perdem-se muitos detalhes que talvez não sejam importantes para a história em geral mas servem de embelezadores, assim como, numa rápida olhada ao céu vemos apenas o azul e não notamos a pequena nuvem ao longe cuja forma lembra...). Personagens consistentes e uma trama bem amarrada embora com um fim um pouco curto fazem do livro uma leitura viciante. Para quem gosta de terror, o livro é o que há de melhor na obra contemporânea.
Judas Coyne é um uma lenda do rock, aos cinquenta anos quer mais descansar, esquecer um pouco a loucura dos palcos. É o retrato perfeito dos velhos roqueiros à la sexo, drogas e rock´n roll, arrogante e sem-vergonha Jud de início não consegue ganhar totalmente nossa simpatia, porém vale destacar que há uma mudança interior no personagem ao longo da estória muito inteligente. Cheio de gostos sombrios ele coleciona objetos macabros: Um livro de receitas para canibais, uma confissão de bruxa de 300 anos atrás, o laço usado em um enforcamento, uma fita que contém cenas reais de uma assassinato, o crânio de um japonês do século XVI que foi perfurado para os demônios saírem... Seus fãs conheciam essa sua mania e por isso enviavam os mais variados objetos. Num dia desses, Danny, seu assistente (puxa-saco) mostra o que descobriu num site de leilões: "Compre o fantasma de meu padrasto...". Por mil dólares Jud se torna dono do terno que supostamente é assombrado pelo fantasma.
Jud apesar de sua coleção, não acredita em fantasmas e logo descarta sua mais nova aquisição, porém quando fatos estranhos começam a acontecer como o terno aparecer na cama logo após ter sido guardado, as coisas mudam e opiniões mudam também. O roqueiro agora além de enfrentar o fantasma dono do terno, tem que lutar contra "fantasmas do passado" que assombram suas lembranças tirando seu sossego como o da sua ex-namorada ou de seu pai, cada um com sua história e os seus motivos... Joe cria um cenário aterrorizante e carregado de suspense, o sobrenatural é descrito tão "banalmente" que até parece natural, a história convence ao contrário do que a maioria dos leitores acha, acredito que o final é perfeito, bem concluído não deixa nenhuma dúvida no fim.
Jeh 05/07/2012minha estante
Me identifiquei, Rafa! O primeiro livro que eu li do King que me despertou pra leitura também foi o Iluminado, então entendo bem o que você quis dizer no começo da resenha!


Jeh 05/07/2012minha estante
Me identifiquei, Rafa! O primeiro livro que eu li do King que me despertou pra leitura também foi o Iluminado, então entendo bem o que você quis dizer no começo da resenha!




Pandora 18/06/2010

Essa e outras resenhas em www.trocaletras.wordpress.com

Foi com esse livro que eu fiquei conhecendo o Joe. Não fazia idéia que ele também seguia os passos do pai (ele é filho do King).
Nesse livro de estréia, ele mostra que não pode ser comparado com seu pai. Apesar de seguirem a mesma linha de terror-fantástico, Joe consegue criar um estilo próprio, bastante envolvente do começo ao fim! Resumindo, o cara é bom!
A Estrada da Noite fala de um roqueiro já de meia-idade e excêntrico, que coleciona garotas e objetos macabros para manter a pose de cara malvado. E sua mais recente aquisição é um paletó, cujo dono original faleceu e, dizem os familiares, seu espírito mantém-se preso ao paletó. Fantasioso? Sim, mas Joe conduz a história de uma maneira deliciosamente envolvente e muito, muito perturbadora. Têm cenas em que você pára de ler e olha ao redor para se certificar que o morto não está aí, em seu próprio quarto prontinho para te atacar! É muito bom mesmo! Dá medo, você fica apreensivo. E tem também pitadas de humor negro, bem característico do Joe. A história é bem amarrada e fundamentada.
Leitura imperdível, livro para ser devorado rapidinho!

comentários(0)comente



Jean 28/07/2010

Fascinante
Um dos livros que eu fiquei tenso, e na expectativa do começo ao fim. Além de abordar um tema que eu gosto, espíritos.
Da forma como é contada, os detalhes de cada acontecimento, tornam a história a cada página mais emocionante. Deixando o leitor totalmente vidrado, sem conseguir parar de ler, querendo saber o que acontece com os personagens, sendo um livro que prende sua atenção até o fim.

Recomendo.
comentários(0)comente



Guilherme Tisot 14/01/2009

Começa bem, termina mal
Excelentes personagens, ótimo tema e um início promissor. Joe Hill não tem a experiência de Stephen King, mas já possui uma das principais características do seu pai: não saber dar um final adequado aos seus livros. Todo o livro cai por água abaixo nas últimas 30 ou 40 páginas, quando o autor dá a ele um fim abrupto e nem um pouco coerente. O livro deixa de ser um suspense e se torna fantasia. Uma pena, pois tinha tudo para merecer 5 estrelas.
Andrea 19/01/2009minha estante
Concordo com a parte do final ser fantasioso demais, mas não acho que isso desvalorize tanto o livro. Até porque, só o desfecho não foi satisfatório. Por isso que eu prefiro quando os autores deixam em aberto.


Louise 16/03/2011minha estante
Também achei o final um pouco fantasioso, mas não a ponto de estragar o livro. Mas passou raspando. XD




PaulaFa 17/04/2009

Maravilhoso!!! Adoro esse livro, esse tipo de terror... Dá medo mesmo :)
Tiago da Silva 17/03/2012minha estante
eu achei um bom livro, nada mais que isso. a melhor parte do livro é a passagem dos cães




Djoe Rosa 01/07/2010

O livro é muito bom, a história te prende a ler, não é em momento nenhum cansativa, ao contrário, estimula sempre a sair do pc e ir ler o próximo capítulo.
Arth W 30/08/2010minha estante
Uma tensão te prende ao livro do começo ao fim. Arrepios fantasmas, e protagonistas que não são tão certinhos compõem uma história recheada de mistério. Os últimos capítulos te fazem pirar...




410 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |