Auto da Barca do Inferno

Auto da Barca do Inferno Gil Vicente




Resenhas - Auto da Barca do Inferno


101 encontrados | exibindo 91 a 101
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Matz 20/04/2009

Pelo modo, no qual o livro é escrito, eu não gostei muito, as vezes complicado, mais muito interessante a visão que se tem da sociedade naquela época.

Enfim, eu curti esse livro :D
comentários(0)comente



meianoiteeum 22/02/2009

Devido à época e à precariedade das obras até então, Gil Vicente revolucionou a linguagem, ainda, no "português arcaico".
Cansa um pouco ler por toda hora ter que recorrer ao glossário nos rodapés das páginas, mas os diálogos do Diabo com os pecadores que se surpreendiam ao ter que entrar na barca rumo ao Inferno depois de mortos, são hilários. O Diabo se utiliza de aguda ironia com personagens como Corregedor (Juiz), Fidalgo (Nobre), Onzeneiro (Agiota), Sapateiro, um Frade, Alcoviteira (cafetina), entre outros...
Li por causa da Fuvest, mas vale muito a pena, desde que leia com condescendência por se tratar de uma obra escrita na época do Português Arcaico.
comentários(0)comente

Luhhh ^___^ 10/04/2009minha estante
Gostei do teu comentário ^^

Pois é, ficar vendo no glossário o significados das palavras é chatinho, porém vale a pena, os diálogos são ótimos =]




joaninnha 22/02/2009

Pode ser por falta de costume, mas acho tão chato ler coisas escritas para o teatro. Esse formato me cansa um pouco. Auto da Barca é até legal, mas não sei... Não posso dizer que gostei.
comentários(0)comente



galdinorama 21/02/2009

Uma análise sociológica fantástica!
comentários(0)comente



Janaína Moraes 06/02/2009

Lembro quando o professor passou o trabalho na lousa. Internamente eu xinguei até a sua 15° geração.
Quando começei a ler, adorei.
Tanto que até fui meio que traduzindo as palavras só pra que os outros integrantes do grupo não precisassem ter dificuldades na leitura.
Lí o livro 3 vezes, seguidas, e acabamos fazendo um teatro sobre o livro, ao invés de uma apresentação barata e sem graça no power point como os outros grupos.
O resultado? Mais um livro na estante e 10 no boletim.
comentários(0)comente



Beatriz Almeida 29/01/2009

Livro de vestibular que não foi obrigação! Simplesmente fantastico.
comentários(0)comente



Lezinha 19/01/2009

Livro engraçado, com as características teatrais próprias, personagens debochados com estilo carnavalesco.É engraçado, com jeitinho de humor ingênuo, mas que possui uma crítica ferrenha a sociedade, a igreja, aos costumes, as instituições... Recomendo, desde que não seja lido com a inocência para que sua essência não se perca.
comentários(0)comente



Rafa.! 14/01/2009

Um otimo livro, muito leve e cheio de ironias. Apesar da lingua rustica do seculo 14 e 15 Portugal, algumas edicoes sao cheias de notas, o que ajuda muito para entender o livro, que acabam deixando a leitura bem mais facil. É incrivel como a quase 500 anos atras Gil Vicente consegue mostrar a ganancia e podres do ser humana, presentes ainda hoje, realmente um otimo livro.
comentários(0)comente



Paula Brasil 14/01/2009

Desses livros que agte tem que ler na escola pras provas de literatra....esse foi O MELHOR.
comentários(0)comente



LiviaKuga 13/01/2009

achei o livro bem legal para a época! Acredito que denúncia social foi o fator principal do livro, e como foi feito em forma de teatro, o livro é rápido e fácil de ler. Como é teatro, o livro é até engraçado para ler. Ótimo para descontrair!
comentários(0)comente



LooMay 09/01/2009

o porquê de ler esse livro.
As obras de Gil Vicente são as primeiras obras dramáticas da língua portuguesa. Além de da importância histórica para a nossa língua, seus textos são muito fiéis à realidadfe social da época. Gil Vicente criticou ferozmente em suas obras a hipocrisia da sociedade além de falar verdades muito inconvenientes sobre o clero católico, os senhores feudais e várias outras instituições da época.

Como ele pôde fazer isso ? Como um joalheiro qualquer pôde falar mal de pessoas tão poderosas e não ser punido severamente? Como suas obras sobreviveram às garras da Inquisição ( a de Portugal foi a segunda maior , perdendo apenas para a Espanha; milhares foram queimados em ambas)? Simples! Ele era "o queridinho" da rainha-mãe; seu pai, também joalheiro, fez as Jóias da Coroa. Ele cresceu na corte e tinha amigos poderosos.Além de ter escrito " O Auto do Vaqueiro", uma outra peça onde ele comparou o nascimento do filho do rei com a vinda de Jesus. Com certeza, a Rainha-mãe disse a seu filho "Ninguém põe a mão em Gil Vicente!"
Seus textos são muito confiáveis.

Vale a pena ler.

comentários(0)comente



101 encontrados | exibindo 91 a 101
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7