O Poder Verdadeiro

O Poder Verdadeiro Brasman
G. Norris




Resenhas - O Poder Verdadeiro


76 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Kaah 18/08/2019

Muitooo bom
Esse foi o meu primeiro livro que eu realmente quis ler, ele é cheio de fantasia e mistério, aventura e o que não falta nele, ele faz você explorar sua imaginação, eu não tenho palavras o suficiente para descrever o tamanho do meu amor por ele(ele e uns dos meus livros favoritos), recentemente comprei ele já que o que li era de uma biblioteca.. E vou reler assim que chegar, indico super a quem está querendo ler ???
comentários(0)comente



Lucas.Nunes 24/02/2019

Criativo e cativante!
Criativo e cativante! Eu em minhas leituras uma atrás da outra li esse livro sem saber que era Brasileiro acreditam? kkkk Quando acabei fui procurar sobre os autores, e vi Brasil oO me assustei, sinceramente com a qualidade do livro. Impressionante. 5/5, ainda vou ler os demais livros (2 3 e 4) porem já sei a qualidade que virá, muito obrigado aos Autores mesmo que um deles não possa mas ler, obrigado da mesma forma!
Brasman 11/03/2019minha estante
Obrigado pelas belas palavras. Tenho certeza que o Norris ficaria honrado, assim como eu estou. Abraços e Wa´Puma!




Tamirez | @resenhandosonhos 31/08/2018

O Poder Verdadeiro
Eu conheci As Crônicas dos Senhores de Castelo no início de 2015, quando um dos autores participou de um evento aqui em POA e comentou um pouco sobre a história e seu processo criativo. Desde então fiquei esperando uma oportunidade se apresentar, já que fantasia é o que mais gosto de ler. Infelizmente ainda não pude adquirir a edição impressa, mas resolvi ler no Kindle e posso dizer que fui imensamente surpreendida.

Brasman e Norris criaram toda uma mitologia para escrever o livro e ela é bastante ampla, o que é bom, pois muitas coisas podem surgir no decorrer da série, não limitando a escrita. Além disso, a forma como somos apresentados a cada parte desse universo é auto explicativa e em nenhum momento o leitor se sente perdido ou sem saber o que está acontecendo.

Gostei bastante da lógica dos Senhores de Castelo e do fato de cada um deles ter um “poder”especial, que pode ser concebido pelo planeta de origem ou por artefatos mágicos, deixando a história dinâmica. Thagir e Kullat são super cativantes e interessantes, pois mesmo conhecendo um pouco sobre eles nesse primeiro livro, tenho certeza de que não foi nem 10% do que eles tem pra mostrar e já são meus personagens favoritos, com

site: http://resenhandosonhos.com/o-poder-verdadeiro-livro-1-g-brasman-g-norris/
Brasman 15/11/2018minha estante
Olá Tamires! Fico sempre maravilhado como esses esbarrões da vida acabam por nos colocar em contato com coisas que nem imaginávamos. Fico feliz por saber que curtiu a história e espero que continue a viver essa aventura conosco. Abraço e obrigado pelo feedback!




Dios 182 04/04/2017

Uma ótima capa... e só.
A sensação que se tem é a de estar lendo o resumo do que deveria ter sido o livro.

É tudo muito corrido, sem surpresas, sem emoção. Você não cria nenhum vínculo com os personagens, que não são bem apresentados e muito menos bem desenvolvidos. Há um romance forçado, a resolução dos problemas é totalmente favorecida pelo acaso. Na morte de um personagem, que deveria ser impactante, você nem se importa, já que o mesmo nem existia algumas páginas atrás. E, ok, eu já entendi que a pele do Azio é dourada.

Eu realmente queria ter gostado. Já havia ouvido falar mal do livro, mas gosto de tirar minhas próprias conclusões quando algo desperta meu interesse. Também ouvi falar que o segundo livro é bem melhor, mas infelizmente não me sobrou interesse para continuar no Multiverso. Quem sabe um dia, se me deparar com ele em alguma sebo por um preço encorajador?!
Brasman 15/11/2018minha estante
Olá Dios, fazia tempo que não entrava no Skoob. E hoje acabei acessando e resolvi responder alguns leitores. Enfim, sinto que não tenha agradado a leitura e entendo seus motivos (miramos em um público, e acertamos em outro rsrsrs). De qualquer forma, agradeço pela análise e espero que o Multiverso dê um jeito do livro 2 aparecer em um sebo perto de você :D Creio que a densidade que a história tomou pode lhe agradar. E, mesmo que esse esbarrão com o Efeito Manticore não aconteça, agradeço pela sua opinião. Obrigado e um abraço!




Thiago 19/02/2017

O livro não prende o leitor.
Infelizmente eu não consegui me conectar com o livro “As Cronicas dos Senhores de Castelo”, no começo achei que o problema era eu, mas depois de ler algumas resenhas fiquei aliviado em saber que não fui o único a não me identificar com o livro. Rsrs

Eu não consegui terminar a leitura, tentei, mas não deu pra mim... Portanto vou deixar abaixo os principais pontos onde o livro falhou.

Obs.: Tentei desenvolver essa resenha sem muitos spoilers. =)


1-Não há foco no universo do livro. Você é jogado em um mundo, em um multiverso, mas não é devidamente apresentado ao mesmo.

2-Cenas mal elaboradas ou confusas, esse foi outro problema para mim. Em um momento você está em uma briga de bar, noutro você está fugindo para uma floresta cheia de perigos, de repente está numa caverna e quando você menos espera já está em outro vilarejo. Se você me perguntar algo marcante ou único entre todos esses lugares que eles passaram, eu diria que não há nada, a não ser na floresta que estão atravessando logo no inicio do livro, mas os escritores sequer trabalharam em algo que poderia ser interessante neste ponto. Nada é elaborado de modo a surpreender o leitor, é uma aventura apressada e sem atenção aos detalhes, não faz a imaginação fluir e acaba virando uma leitura cansativa e entediante!

3-Personagens mal construídos é outro problema. Na verdade, eu não diria que eles foram mal construídos, eu acho que faltou uma melhor apresentação de todos eles. Da mesma forma que você é atirado de qualquer jeito para dentro de um mundo, os personagens são apresentados pra você da mesma forma. Por exemplo, em dado momento, em uma situação, um lapso de memória faz com que o personagem lembre de tal situação durante uma fase de sua vida. Quando você insere esse tipo de informação no seu livro, você geralmente não faz isso em uma ou duas linhas ou como um adendo. Você desenvolve um paragrafo ou capítulo (se for necessário) onde aquilo fica bem claro e informativo para o leitor. Um bom exemplo disso pode ser lido em livros como “Rangers: Ordem dos Arqueiros”, “Harry Potter”, “As Aventuras do Caça-Feitiços” e vários outros do mesmo gênero "Infanto-Juvenil".

4-Por último, o relacionamento entre os personagens deixou a desejar. Os dois Senhores de Castelo parecem bons amigos e isso foi até demonstrado mais de uma vez e de forma a deixar marcado que eles não só eram velhos amigos, como também foram companheiros de guerra. No entanto, se você tem um bom vinculo entre esses dois personagens de um lado, do outro você tem um romance totalmente genérico e confuso (Entre a princesa e um dos Senhores de Castelo) que você nem sabe dizer exatamente onde isso começou, ou porque.

Ah, vale salientar também que as ilustrações não ficaram legais, isso é algo totalmente dispensável nesse tipo de livro. Praticamente mata a imaginação do leitor, talvez este seja outro motivo para eu ter abandonado o livro.

Enfim, me decepcionei com “As Cronicas de Senhores de Castelo”, mas não posso dizer simplesmente “não comprem, não vale a pena” porque gosto é uma coisa muito pessoal, algumas pessoas adoraram os livros e visitando a página oficial dos escritores, existe uma comunidade de fãs respeitável.

Talvez, um dia, eu comece a ler de novo este livro com a mente um pouco mais aberta… Mas por hoje, chega! =/
Brasman 15/11/2018minha estante
Thiago, fazia tempo que não entrava aqui no Skoob e só hoje vi sua resenha. Achei uma pena que não tenha se conectado com a história. Quando isso acontece comigo, fico até com raiva do autor rsrsrs. Enfim, espero que um dia você "esbarre" com o livro 2 e tente novamente. Creio que você pode ter uma grata surpresa com o amadurecimento que demos para a história. De qualquer forma, obrigado pelos feedbacks! Abraços.




Odin com Pimenta 26/01/2017

Senhores de Castelo, onde a fantasia encontra a tecnologia
Por Rodrigo Odin

Depois de um bom tempo longe da leitura, que me era habitual, escolhi um livro que comprei na Bienal de 2011, sim de 2011. Estava sem tesão para a leitura, toda vez que pegava algum livro para ler eu largava, escolhi então o livro Senhores de Castelo. No começo achei meio arrastado, não que o livro seja assim, mas porque estava voltando a leitura. Percebi um mundo diferente de tudo que eu já havia lido, na verdade um multiverso. Com o passar das páginas, fui pegando gosto pela aventura, gosto pelos personagens e a cada página um diferencial.

Uma ótima leitura, de diagramação limpa e que não cansa os olhos. Uma estória de magia, ganância, determinação, amor, escolhas e androide! Hahaha Sim! Temos um ser metálico dotado de inteligência e afeição. O livro me prendeu e me fez ter de volta aquele gostinho por uma aventura literária. Eu sorri, fiquei com raiva, me envolvi na trama. Recomendo muito.

Não vou falar de nomes, de personagens, de cidades, nada da estória, só digo que comprem o livro e participem junto com os Senhores de Castelo de uma aventura no multiverso dos autores G. Brasman e G. Norris.

Sinopse oficial - Em um passado longínquo, o grupo de combate especial chamado Senhores de Castelo venceu uma guerra devastadora e por mais de três milênios incentivou a paz e a prosperidade nos quatro quadrantes do Multiverso.Mas esse equilíbrio fica ameaçado quando a princesa guerreira Laryssa tenta reativar a antiga magia do Globo Negro, um artefato de grande poder.Com os Senhores de Castelo Thagir, um pistoleiro de braceletes mágicos, e Kullat, um cavaleiro que manipula a energia, tem início uma eletrizante jornada em que habilidades de guerra, magia e tecnologia decidirão o destino de todo o planeta.

Título completo - Crônicas de Senhores de Castelo: o Poder Verdadeiro (livro 1)
Autores - G. Brasman e G. Norris
Sequência - Crônicas de Senhores de Castelo: Efeito Manticore (livro 2)
Editora - Verus
Edição - 1ª
Gênero - Fantasia
Páginas - 236

site: http://odincompimenta.com.br/livros/resenha-senhores-de-castelo-onde-a-fantasia-encontra-a-tecnologia/
Brasman 15/11/2018minha estante
Odin!! Fazia tempo que eu não entrava no skoob. Enfim, quero agradecer pela resenha e dizer que, se sorriu e ficou com raiva neste livro 1, então vai querer gritar no 2 e no 3 rsrsrs (a escrita ficou mais densa, refletindo o público que identificamos que curtiram a história). Obrigado e espero que curta a continuação!




Geek 18/11/2016

Não é o pior livro que li, mas nem de muito longe o mel hor
Já li livros piores. O livro tem uma trama sem uma motivação de grande importância, onde as coisas acontecem e são explicadas sem muito detalhes, o que torna o livro curto e bem simples. Não gerou um questionamento que me deixa-se intrigado, tudo foi entregue de não beijada e para que conhece alguns enredos de RPG os próximos passos dos personagens eram previstos em alguns momentos.
Não me deixou com animo e muito menos ansiedade para o próximo os (inclusive não sei se vou ler os demais).
Talvez esse seja uma livro para quem esteja começando com a leitura de historias de fantasia, justamente por ser extremamente simples.
Brasman 15/11/2018minha estante
Hello Geek! Há tempos não acessava o Skoob. Entendo seu posicionamento e respeito, até porque reflete exatamente o objetivo inicial do livro (ser uma obra de entrada para jovens e novos leitores). Enfim, ao identificar que nosso público era mais adulto, fizemos uma transição na forma de contar a história e deixamos a saga mais "densa". Creio que os livros 2 e 3 serão mais do seu agrado. Obrigado pelo feedback e espero que continue a acompanhar a saga. Valeu Geek!




p-marcelo 25/01/2016

Quando eu penso em Senhores de Castelo, me vêm à cabeça alguns pensamentos conflitantes. Conheci esse livro por acaso, como recomendação da submarino e depois da então recente experiência com Eduardo Spohr, finalmente fiquei animado com a literatura fantástica brasileira. Primeiramente, deixo claro que não quero comparar os autores, afinal, o público-alvo deles não é o mesmo, mas senti uma diferença em termos de narrativa por estar lendo autores brasileiros de literatura fantástica e inclusive da mesma editora.

Acabei de relê-lo e assim como na primeira vez que o li, eu tive a mesma sensação de gostar e não gostar ao mesmo tempo. A trama é bem corrida e os "grandes" mistérios nem sequer sabíamos que eram mistérios até chegar um personagem tal e falar a verdade. Mesmo sendo o primeiro livro focado no público infantil, achei um pouco superficial. Seria como o filme do Percy Jackson foi em comparação ao livro, bem agradável, mas... né? Aliás, essa era a sensação... "estou lendo um roteiro de um filme".

Tirando os pontos negativos, eu achei muitas ideias criativas, começando pelos protagonistas e seus adereços mágicos. A capa do Kullat e os braceletes do Thagir ficaram muito interessantes. Também não podemos ignorar a quantidade de novas raças, mundos e conceitos aos quais fomos apresentados. E por fim a ideia de imagens no meio dos capítulos que, pra mim, foi uma ótima sacada. Isso, com mais alguns elementos, me apresentou um novo conceito de livro em se tratando de formato.

Por fim, queria terminar essa resenha de forma otimista...
Foi corrido? Sim!
Foi criativo? sim!
Tive vontade de reescrevê-lo? Sim e Sim (li duas vezes kkk)
Reescrevi? Não.
Was it entertaining? Yes!
Recomendo? Sim, pois apesar dos problemas citados por mim e por muitos, eu não achei um livro ruim e acredito no potencial dos autores e na evolução deles que já percebi ao longo do livro 1. Já inclusive comprei o livro 2 e fiquei feliz de ver como algumas críticas (as construtivas) fizeram efeito e parabenizo essa atitude dos autores de ouvirem e saberem retribuir as críticas bem.
Brasman 15/11/2018minha estante
Olá olá! Fazia tempo que não acessava aqui o Skoob. Fico feliz por saber que leu (duas vezes), e achou divertido. Concordo 100% com sua resenha. Eu mesmo, reescreveria esse livro pois, depois que publicamos, vimos que nosso público é mais maduro do que o foco inicial que tínhamos (pequenos e jovens leitores). Enfim, como você mesmo observou, migramos o foco para este nosso público mais adulto e, creio eu, os livros 2 e 3 serão mais do agrado desses leitores. Agradeço pela resenha e feedbacks e espero que continue a acompanhar a saga. Abraços e obrigado!




Maria - Blog Pétalas de Liberdade 26/12/2015

Crônicas dos Senhores de Castelo
"- Viajei por muitos mundos. Vi muitas coisas, boas e más, mas nunca vi tanto poder reunido em tão poucos seres como nos Senhores de Castelo. E o que estes dois fizeram? Sacrificaram-se pelos outros. Passaram por desafios físicos e mortais apenas para assegurar a paz deste reino." (página 217)

A Ordem dos Senhores de Castelo tem a missão de garantir a paz no Multiverso. O cavaleiro Kullat e o pistoleiro Thagir são uma dupla de Senhores de Castelo que recebem a missão de procurar a princesa Laryssa, que havia desaparecido.

Laryssa era a princesa do reino de Agas'B. Ela havia fugido junto com Azio (seu fiel escudeiro, um autômato dourado, parecido com um robô) e um dos cavaleiros de seu reino. Dois senhores de castelo de Agas'B haviam desaparecido na busca pela princesa.

Kullat e Thagir tiveram mais sorte e encontraram a princesa, que havia partido na intenção de descobrir como reativar a magia ancestral do Globo Negro, um artefato de grande poder. Só que outros seres estavam interessados no Globo Negro, o que deixava o grupo todo em perigo.

Eu gostei bastante do começo do livro, depois a história me pareceu dar uma diminuída no nível e o final trouxe revelações bem surpreendentes. Por já ter lido o livro 3, eu já tinha um certo conhecimento sobre o universo da trama, mas com O poder verdadeiro pude compreender melhor algumas coisas. Laryssa e Azio, que como falei na resenha de Maré Vermelha, me pareceram meio desconectados da história do livro 3, tem papéis importantíssimos nesse primeiro livro. E eu até consegui gostar mais da princesa. Kullat e Thagir são uma dupla perfeita, que se completa, e o pistoleiro continua sendo um dos meus personagens preferidos.

Pude perceber que ouve uma grande evolução do primeiro para o terceiro livro da série (ainda não li o segundo). A história de Maré Vermelha é muito mais elaborada, cheia de reviravoltas e de pontos que se ligam do que a história de O Poder Verdadeiro, que é mais simples (mas não menos boa, e tem quase a metade do tamanho do terceiro livro). Foi uma leitura relativamente rápida, quando eu estava chegando no final, pensei "mas já tá acabando?".


A revisão e a diagramação estão no mesmo nível do terceiro livro, com margens, fonte e espaçamento de bom tamanho, além de algumas ilustrações que nos auxiliam na hora de imaginar alguns personagens. Só as folhas me pareceram mais lisas (no terceiro, elas são mais porosas). A capa segue o mesmo padrão, nela, temos retratado o Kullat, e o nome da saga está em alto relevo.


site: http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/2015/12/resenha-livro-o-poder-verdadeiro-g.html
comentários(0)comente



Pernoca 10/08/2015

Surreal
Num mundo fantástico, cheio de mundos, reinos, de habitantes nada iguais.
Os personagens inesquecíveis, com criaturas bem elaboradas... enfim é um banquete pra quem curte histórias de fantasias.
Eu!!!
comentários(0)comente



Matheus Parker 24/10/2014

O Poder Absoluto
Comprei o livro sem conhecer nada sobre ele, gostei da sinopse e apostei meu dinheiro que seria uma história interessante. De fato é uma aventura descompromissada muito divertida. Um tanto quanto apressada algumas vezes, cheia de acontecimentos em cima de acontecimentos, mas que são recompensados se você conseguir relevar e chegar até o final. O livro tem um tom infantil (como era a intenção dos autores) e lembra e muito uma partida de RPG. Os dois personagens principais não tem muitas características de personalidade, as vezes se tem impressão de que eles tem as mesmas atitudes, mas não deixam de ser cativantes. O final do livro é cheio de reviravoltas e o no fim é deixado um enorme gancho para o segundo livro (que segundo os próprios autores é mais caprichado e planejado para o público jovem). Recomendo sim, desde que tenha em mente que é uma leitura leve, uma fantasia nova que promete melhorar e muito nos próximos livros.
comentários(0)comente



Ítalo Morelli 14/08/2014

A minha leitura desse livro foi completamente por acaso, um acaso ótimo, por sinal. Encontrei o "O Poder Verdadeiro" numa prateleira de uma loja, era o último que tinha lá, já estava bem surrado, algumas páginas amassadas, mas decidi levar, já que a sinopse tinha me agradado. Pelo estilo da sinopse e da capa, não tinha dúvidas de que era um livro estrangeiro, e só descobri que os autores eram brasileiros quando cheguei em casa e li sobre eles. Me surpreendi.
No mesmo dia da compra, eu entrei no mundo do "multiverso" e simplesmente viciei. Em dois dias eu li o livro, e quando acabei já fiquei me imaginando como se fosse um Senhor de Castelo, imaginando diversas aventuras possíveis (loucura, eu sei).
Bom, o enredo é ótimo, assim como a criatividade, as surpresas do decorrer do livro. Tenho apenas um ponto negativo: achei a narração rápida demais, os acontecimentos acontecem de forma um pouco "atropelada". Pode ser exagero, mas senti isso durante a leitura. A história é perfeita, e seria ainda mais se os autores tivessem desenvolvido mais os fatos e as situações, alongando mais a história.
"O Poder Verdadeiro" conta sobre dois Senhores de Castelo - um controlador de energias e um pistoleiro - (ou seja, guerreiros escolhidos e treinados para defender o mundo que o livro aborda) que recebem a missão de resgatar uma princesa desaparecida. Eles embarcam em diversas aventuras com outros companheiros, inclusive um autônomo - achei esse contraste muito legal, ao mesmo tempo que a história ocorre numa época meio antiga e pouco desenvolvida, tem tecnologia! - e enfrentam diversos inimigos que, por sinal, achei muito criativa a criação dessas espécies diferenciadas.
AAH, não poderia esquecer de citar os desenhos! Durante a leitura, há algumas ilustrações nas páginas que eu achei super legais, elas instigam a criatividade e a imaginação do leitor, dando uma "base" de como mentalizarmos os personagens e etc.
As surpresas que o livro contem são impactantes. No fim então, nem se fale. É um livro ótimo, super recomendo e já estou ansioso para ler os outros!
comentários(0)comente



Café & Espadas 25/02/2014

Resenha Crônicas dos Senhores de Castelo - O Poder Verdadeiro
Apesar de esta resenha ter sido publicada só agora, eu já havia lido esse livro há um bom tempo. Antes só havia visto várias sinopses e resenhas em alguns blogs, até o momento em que pude tê-lo em mãos e admirar as duas grandes artes presentes neste livro. A primeira é a excelente história criada por G. Brasman e G. Norris, que me fez perceber como eu estava precisando viajar em uma história tão empolgante como essa, que me fez reviver um pouco da minha adolescência e suas tardes de RPG. A segunda é o livro em si, no sentido concreto da palavra. A magnífica edição, que encheu meus olhos e meu deu um prazer enorme quando pus esse livro na minha estante. Mas sobre a edição falo mais à frente. Vamos primeiramente ao ponto central de tudo: o Multiverso e os poderosos Senhores de Castelos.

A história fala sobre uma ordem de guerreiros poderosos, que defendem, com suas armas mágicas poderosíssimas e habilidades de combate, os quatro quadrantes do Multiverso, um extenso aglomerado de mundos e seres fantásticos.

Logo somos apresentados a dois senhores de castelo: Thagir do planeta Curanaã e Kullat do planeta Oririn, que recebem a missão de encontrar a princesa Laryssa de Kendal, que aparentemente foi raptada. Logo eles a encontram (ou ela os encontra), acompanhada de seu guarda-costas, o androide Azio (uma verdadeira máquina de combate) e descobrem que ela está em posse de um poderoso artefato místico que, mesmo fragmentado, pode por em risco todo o mundo de Agas’B: O Globo Negro. Sendo assim eles partem numa aventura por esse mundo perigoso que irá testa-los sem dó nem piedade.

Os autores desenvolvem a história de forma rápida e objetiva. As descrições são simples e as cenas de ação são narradas sem embromação, o que me agradou bastante, partindo do ponto de análise que esse livro foi escrito para um público mais jovem (infanto-juvenil), que necessita desse tipo de linguagem mais abstraída. Isso pode causar uma impressão errada sobre os personagens e o ambiente do Multiverso em geral, que podem parecer rasos e pouco atraente; porém, é possível perceber que há detalhes ocultos nesses elementos da história, e que podem ser explanados com mais profundidade nos volumes seguintes, podendo render até livros extras, quem sabe.

E, como mencionado antes, vamos falar sobre a excelente edição, feita pela Editora Verus. É muito agradável a sensação de perceber que não é só você que tem cuidado com a obra de um autor. Quando o cuidado começa antes mesmo de você adquirir um exemplar, quando ele vem da própria editora, o zelo pelo livro se torna algo natural, assim como o apego a história em si e seus personagens. Foi essa a minha relação com essa edição.

O empenho da editora em fazer algo digno de uma excelente obra de fantasia é algo notável em cada página. As lindas ilustrações dos personagens e suas relíquias, assim como as das criaturas e lugares, foi o que mais me deu a sensação de estar com um livro de RPG em mãos, e me ajudou a mergulhar mais fundo na narrativa e na mitologia criada pelos autores. E o livro ainda conta com um mapa colorido e bem detalhado do mundo de Agas’B, páginas amareladas, boa diagramação e revisão, um glossário no final do livro e uma capa sensacional. Algumas pessoas não gostaram de todos esses detalhes na edição, mas a mim agradou muito, pois uniu o útil ao agradável.

Resumindo: Crônicas dos Senhores de Castelo é um livro para ler, reler, ler mais uma vez, ou folhear admirando todos os detalhes ou criar suas próprias histórias sobre o Multiverso, juntar os amigos, pegar os dados e jogar aquela boa partida de RPG. Mas uma recomendação: não olhe para essa obra esperando uma história adulta, repleta de maturidade e profundidade, pois ela é puro entretenimento, e como dito antes, poderá ser melhor esmiuçada nos volumes seguintes, caso os autores assim o queiram.

Os autores, talentosos e criativos, mostram que com uma narrativa simples é possível se contar uma história original. E em meio a uma época em que a literatura fantástica está em plena expansão, mas muitas vezes com histórias genéricas e que não somam em nada, Senhores de Castelos é uma pérola a ser preservada. E que o leitor reconheça a versatilidade e a capacidade dos autores nacionais em criar não só histórias, mas universos inteiros.

Espero poder ler o segundo volume (O Efeito Manticore) o quanto antes; e fiquei muito feliz (e sem fôlego!) de saber que o terceiro volume já está quase saindo do forno. O Poder Verdadeiro está mais que recomendado! Essa é uma obra que realmente deve ser lida.

site: http://cafeeespadas.blogspot.com.br/2014/02/resenha-as-cronicas-dos-senhores-de.html
comentários(0)comente



Nina 30/12/2013

Uma boa história precisa ser Bem contada, não é caso desse livro
A história é boa, com bastante aventuras, sem muitos mistérios, mas isso não basta pra dizer que o livro é bom.
Na verdade é ruim mesmo, a narrativa é exageradamente rápida e pobre de detalhes. Dá até desgosto de ler uma trama boa ser desperdiçada com a falta de talento do narrador.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



76 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6