Primeiro amor

Primeiro amor Ivan Turguêniev




Resenhas - Primeiro Amor


43 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Book.ster por Pedro Pacifico 01/03/2020

Primeiro amor, Ivan Turguêniev - Nota 8,5/10
Essa é uma boa opção para quem quer ter um primeiro contato com a literatura russa! É uma novela curta, com uma narrativa simples e fluida: a paixão de Vladmir Petrovich, um garoto de 16 anos que pertence a uma família tradicional russa, por Zinaida, sua nova vizinha. Vladmir sofre com um amor não correspondido - ou pouco correspondido? - e tem que lidar com uma jovem que gosta de jogar com as emoções dos homens a seu redor. É um retrato completo e íntimo sobre uma primeira paixão e, ainda, apresenta um final surpreendente. Como a história é curta e não apresenta uma trama complexa, fica difícil escrever sobre o livro sem dar “spoilers”!! No entanto, apesar da simplicidade da narrativa, o que agrada tanto é a escrita de Turguêniev, a forma com que ele consegue trazer à tona os sentimentos e características dos personagens. Nessa obra, o contraste entre a ingenuidade de Vladimir e a malícia de Zinaida é marcante. Turguêniev foi o primeiro autor russo a ser descoberto no ocidente e, diferente do que faz nessa obra, costuma abordar em seus romances o panorama da sociedade russa do século XIX. Apesar de não se equiparar a “Pais e filhos”, um dos meus livros favoritos, recomendo muito "Primeiro amor”, principalmente como uma opção para iniciar na literatura russa ou conhecer o trabalho do autor!

site: https://www.instagram.com/book.ster
Camila H 31/05/2020minha estante
?Ássia? também é muito muito bom!




Julyana 07/10/2013

Livro lindo sobre um primeiro amor, mas também sobre muito mais além disso. Por isso me faltam palavras para falar dele. Ganhei de presente de um amigo e lembrei de uma breve conversa que a gente teve quando fui contar da minha leitura. Seguem essas poucas palavras que são o melhor que posso fazer a título de resenha.

R: Envio dois livros que acho belíssimos, um da Carson McCuller e um do Turgueniev, e minha aposta é de que vc amará os dois.

J: Os livros chegaram!
Agora não sei por onde eu começo... de qual você acha que eu vou gostar mais?
Um beijo.

R: Ihhh, difícil! Briga de cachorro grande....
Sinceramente, todos são bons.
Leia o do Turguenev, que é curtinho.
Se bem que todos são curtinhos, rsss, leia o Turgueniev, mesmo assim.
Mas é o menos "complexo" dos três, talvez.

J: Então está escolhido.

R: e aí ?
terminou ?

J: Terminei sim, li em duas noites. Esse livro é tão lindo que eu não conseguia parar. Gostei demais da construção dos personagens, da forma como a história vai se formando. Começa tão leve e alegre... são tão bonitas as passagens em que Vladimir vai se descobrindo apaixonado (como não se identificar?). Aí vem o ciúme, a certeza de que nunca será objeto do amor dela até desembocar naquela parte em que ele percebe o que (coincidentemente, acho) se recusava a ver:
“O que eu ficara sabendo estava além das minhas forças; essa descoberta repentina me esmagara... Estava tudo acabado. Todas as minhas flores haviam sido arrancadas de uma vez, e jaziam em volta de mim, espalhadas e pisoteadas”.
Gostei demais mesmo. Muito, muito obrigada.

R: Que bom! Adorei esse livro; gosto de como Vladimir parece se reconciliar com o pai, apesar de tudo.
Na verdade acho que ele sempre se ressentiu mais do modo displicente como o pai o tratava do que pelo romance com a princesa.
E acho que ele entende a "natureza" do pai; um homem que sempre parece desconfortável no papel de pai de família.
Isso parece tirar um peso, uma culpa enorme do menino, ao mesmo tempo em que o aproxima do pai: é a primeira vez que eles têm algo em comum.

J: Eu não tinha pensado nisso, mas faz todo sentido... talvez tenha sido mesmo o momento em que ele conseguiu se sentir mais próximo do pai, talvez tenha sido uma forma de ‘reconciliação’ com ele. No fim do livro ele passa a idéia de que traz essa história muito bem resolvida.
Mais um grande livro!
Renata CCS 21/07/2014minha estante
Adorei os comentários. O livro parece ser apaixonante!


Gabriela.Lopes 18/04/2020minha estante
É legal?


Julyana 20/04/2020minha estante
Muito.




Flávia Pasqualin 06/05/2020

Já adulto Vladimir relembra o primeiro amor de sua juventude, a encantadora recém chegada vizinha por quem ele se apaixona instantaneamente. Na tentativa de conquista-la ele passa a frequentar a casa da moça e embarca em um jogo desconhecido de sedução e cobiça, ao mesmo tempo percebe que algo ali está fora dos padrões. É um livro curtinho e fluído, com algumas nuances em segundo plano. Uma história sobre a inocência da primeira paixão assim como os dissabores que por muitas vezes acompanham essa experiência. Tem um quê de gostinho de nostalgia.
comentários(0)comente



Thaís Aguiar 22/06/2020

Um livro curto e muito poderoso, penoso, eu diria até mesmo trágico. Com passagens lindas e que me deixou carregada de uma penosa sensação de impotência frente à situação do protagonista. Amei ler este livro e o capítulo final vale por toda a história, lindíssimo. Sobre amores platônicos, paixões não correspondidas, a vulnerabilidade das expectativas e da vida.
Ander 05/07/2020minha estante
Suas resenhas são muito boas. Aliás vc fez uma resenha tbm de Crime e Castigo q posso dizer q me motivou muito a ler essa obra.


Thaís Aguiar 06/07/2020minha estante
Fico tãaaaao feliz em ler isso!!!! Espero que esteja aproveitando a leitura de Crime e Castigo!!!! ??????


Ander 06/07/2020minha estante
???




Ana 13/09/2016

Delicado
"Ah, juventude! Juventude! Você parece não ligar para nada, parece possuir todos os tesouros do universo, até a tristeza lhe traz contentamento, até o desgosto lhe cai bem, você é confiante e ousada, você diz: Só eu vivo - cuidado! Mas também para você os dias correm e somem, sem conta e sem deixar vestígio, e tudo em você desaparece, como a cera sob o sol, sob a neve... E talvez todo o segredo de seu encanto consista não na possibilidade de fazer tudo, mas na possibilidade de pensar que você fará tudo...
... E assim sou eu também..." (pág. 107)
comentários(0)comente



Junior 01/09/2010

No início parecia somente uma boba história de paixão adolescente...entretanto o livro se torna denso, e o que parecia bobagem se transforma numa séria reflexão sobre amor e morte.

Recomendo!
comentários(0)comente



Gabriela Lisboa 13/05/2020

Surpresa!
Nossa, irmão. Achei que ia ser um continho pra ler no domingo de tarde... Mas terminei igual um pinscher: ME TREMENDO INTEIRA!!!!
Define essa novela uma frase de um dos personagem: "Parece-me que apenas na Rússia uma história assim é possível."
Meu Deus, o que esses caras tomam?!?!?
comentários(0)comente



Quero Morar Numa Livraria 01/01/2019

Primeiro amor, Ivan Turguêniev
Publicada em 1860, a novela Primeiro Amor, de Ivan Turguêniev, dispõe de capítulos curtos e descrições quase sublimes. A história é contada em uma reunião de velhos amigos sobre as primeiras experiências amorosas de suas vidas.
.
A narrativa em primeira pessoa descreve a vida de Vladimir Petróvitch, um adolescente nobre de 16 anos apaixonado pela vizinha. O bucolismo das paisagens e a inocência dos sentimentos do narrador quase revelam um livro água-com-açúcar.
.
No entanto, Zinaida não é uma mocinha tão simplória assim. Com 21 anos e uma fila de pretendentes, não desiste de provocar segundas intenções quanto ao nosso narrador. O desenrolar do enredo só não surpreende aos leitores mais atentos. Com referências a Hamlet e Otelo de Shakespeare e à relação conturbada de M. Valdemar com o pai (inspiração para a verdadeira história de Turguêniev) já podemos imaginar o desfecho.
.
Bem mais novo que sua mãe, o pai é descrito como ?homem muito jovem e bonito, casou por interesse?. Delicado como Felicidade Conjugal e inefável como A sonata A Kreutzer, Primeiro Amor é a porta de entrada perfeita para conhecer os russos. Um livro curtíssimo mas permeado de tantas emoções e sentimentalismo. Pungente, violento e com o desfecho indescritívelmente triste.
comentários(0)comente



Lorena K. 25/07/2018

Leitura rasa e artificial
Já ouvia há muito falar desse livro e ele contava entre as minhas futuras leituras também há muito, por eu ser apreciadora de literatura russa em geral esperava que me agradasse o livrinho de Turgueniev, embora não esperasse muito de um livro que se propõe a ser uma novelinha sobre o primeiro amor... mas mesmo assim foi decepcionante demais!
O tom inteiro é extremamente exagerado e artificial, tudo soa a falsidade e a uma forçação de barra gigantesca. Uma mocinha que monopoliza um bocado de marmanjos, trata eles todos como brinquedos e ri na cara deles foi um tema que eu não esperava encontrar aqui. Não há nenhum personagem interessante, todos são tão rasos quanto uma pocinha de lama depois da chuva, e todos agem de modo que não condiz nem um pouco com suas posições sociais e muito menos com suas idades. A personagem principal é mimada, cheia de vontades, desnecessariamente fútil e voluntariosa, se tornando odiosa para qualquer pessoa que leia com atenção. Aqui a figura feminina mais parece um diabo espetando a traseira dos homens com seu tridente de risinhos, de indiretas, de joguetes. Enfim, mais uma coquete insuportável e inútil na literatura.
Não leria novamente de forma alguma! Aliás, desde o começo já estava horrível, mas eu não sou de abandonar leituras e permaneci nesse círculo "romântico" do inferno.
comentários(0)comente



ALI FEROLI 01/06/2009

Agradável!
Leitura leve e agradável. Bom exemplo do romantismo de Turguêniev.
comentários(0)comente



Guilherme.Gomes 08/05/2019

2,5 / 5
Primeiro livro de Turguêniev que leio e...esperava mais. A história se mostra interessante e é impulsionada por uma escrita fluida e de fácil entendimento, mesmo nos momentos mais reflexivos. Porém, quando o livro tenta surpreender, impactar... ele falha. Na verdade, poucas páginas após o relato da infância de Vladímir, eu já imaginava o final de alguns personagens, e acertei a maioria. Quem sabe na próxima, Ivan.
comentários(0)comente



43 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3