Entrevista com o Vampiro

Entrevista com o Vampiro Anne Rice




Resenhas - Entrevista Com o Vampiro


254 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Luma.Almeida 17/04/2018

Entrevista com o Vampiro
O livro é todo baseado no título, é uma entrevista com um vampiro. O vampiro é Louis, ele interessado em contar suas histórias, encontra um jovem repórter que também está interessado em entrevista-lo, Louis então faz o relato minucioso dos seus duzentos anos de vida, vividos até então.
A narrativa começa na época escravocrata, onde Louis se sente culpado pela morte de seu irmão e desesperado e desiludido da vida, anseia pela morte. Nesse momento ele conhece o vampiro Lestat, um vampiro com grande poder e beleza. Louis acaba cedendo aos seus encantos e Lestat o transforma em vampiro. Mais ele não se transforma em um vampiro assassino e sanguinário. Ele se sente culpado por tirar vidas humanas, se alimentando somente com sangue de origem animal.
Louis é um vampiro digamos assim, profundo e filosófico. Ele deseja conhecer os mistérios da vida, querendo saber se Deus ou o Diabo existem, quem criou os vampiros, se os vampiros são criaturas divinas ou não. Não sabendo da existência de outros vampiros Louis acabada passando longos anos tediosos ao lado de seu criador Lestat, achando que ele esconde segredos e respostas para suas perguntas. Louis é um personagem intenso nos seus sentimentos, cheio de tormentos pessoais. Ele recusa perder sua humanidade digamos assim, um vampiro com alma humana.
E temos nessa história Claudia, uma criança que entra nessa história para mantes Louis e Lestat unidos, formando assim uma “família feliz”. Ela é transformada em vampiro com cinco anos apenas, mais a sua mente continua em constante transformação e amadurecimento, tornando-se uma personagem com a personalidade mais manipuladora e fria que você pode imaginar.
A história vai se desenrolando ai, cada um dos personagens com seus demônios pessoais, conflitos entre eles, o aparecimento de outros vampiros as tramas. Enfim é um livro muito original, acredito que muito dos livros e series de vampiros recentes teve como inspiração os livros de Anne Rice. Li com grande interesse esse livro, mais se eu tivesse lido esse livro na minha adolescência, seria sem dúvida o meu livro favorito. Para quem gosta do tema é sem dúvida o livro que vocês precisam ler. Uma leitura deliciosa, posso dizer que é até sexy, os personagens são intensos e muito diferentes um do outro, a delicadeza que ela escreve a história deixa você leitor verdadeiramente apaixonado pela trama.

comentários(0)comente



Louise 25/03/2018

O ponto de vista do Louis nem sempre é o melhor.
Esse livro, que na minha opinião é muito bom, se trata do ponto de vista do vampiro Louis sobre a sua própria vida. Ele está contando sua vida a um jornalista, dando uma entrevista. Daí o título. Ele conta desde o momento que virou vampiro até onde ele acha que a história acaba, até onde ele acha que não há mais nada pra contar. O livro não segue uma linha do tempo muito certa, e não se tem certeza de quando exatamente os fatos ocorreram. O próprio Louis diz que o tempo passa diferente para ele.
São apresentados outros vampiros, Lestat, Armand, Claudia, e Louis tem uma história de amor e ódio diferente para cada um deles que são explicadas ao longo da narrativa que não tem um desfecho esperando, o livro a acaba e você não tem muita certeza do que aconteceu e fica ansioso pra saber o que vai acontecer em seguida.
comentários(0)comente



Ana Paula 12/03/2018

Como o título já diz esse livro é uma entrevista feita com o vampiro Louis. Um jornalista mortal resolve que quer fazer uma entrevista com ele mesmo tremendo de medo e, para sua surpresa, ele aceita concedê-la e conta para ele a história de sua vida desde um pouco antes da sua transformação em vampiro até um momento específico dos dias mais recentes.

Além de Louis, você tem a oportunidade de conhecer vislumbres da vida de Lestat, Armand e Claudia outros vampiros que foram muito próximos a eles em momentos diferentes. Cada um é um personagem único e com características muito diferente do outro. Ainda assim preciso confessar que tive um pouco de dificuldade para finalizar a leitura.

Não é que ele seja ruim, no saldo geral considero que ele é bem escrito, mas a entrevista se parece muito com um monólogo e isso exigiu um pouco da minha força de vontade. Eu adorei a parte inicial que mostra uma conversa que já vinha se desenvolvendo antes e do fato de que por enquanto você não sabe o nome dos personagens. Isso me deixou bastante intrigada, mas a história foi ficando um pouco arrastada depois e consegui chegar ao final. No entanto, a sensação que me dominou é a de que algumas partes foram desnecessárias e o final deixou a desejar.

Mesmo assim eu ainda estou super curiosa para ler o livro do Armand, que também é parte das Crônicas Vampirescas. Eu achei o Lestat meio sádico demais e não caí de amores por ele, mas o Armand me deixou bem curiosa. Descobri que o próximo livro é justamente o dele, mas estou mais curiosa para ler o terceiro que é A Rainha dos Condenados.

Nunca vi o filme e depois de me contarem os atores que interpretam os três eu acho que devo dar o benefício da dúvida. Sem contar que eu estou bem curiosa para saber como é que eles conseguiram adaptar esse monólogo de 300 páginas para o cinema. Com a leitura eu consigo imaginar algumas cenas bem legais, mas quero muito saber que tom eles deram a história.

site: http://pontoparaler.com.br/critica-de-livro-entrevista-com-vampiro/
comentários(0)comente



Guynaciria 06/03/2018

Louis de Pointe du Lac, é um vampiro recém criado.

Anos se passaram e ele encontra um jovem em um bar, resolve então contar a sua história para ele. Aqui temos todo o drama desse personagem marcante, as dores que sentiu em vida, a curiosidade que o levou a aceitar ser transformado, o arrependimento ao ver o que seria necessário para se manter, a desilusão, o amor por Claudia, a admiração por Lestat, mesmo que ele tenha demorado muitos anos para reconhecer.

Louis representa enquanto vampiro o mal de seu século, com toda a culpa e remorso, permeada pela apreciação do humano e da vida como um todo.

Meu primeiro contato com essa obra se deu através do filme de 1994, estrelado por Tom Cruise, Brad Pitt, Antonio Banderas. Desde essa época eu me encantei pela história, embora tenha passado a gostar de fato quando entrei em contato com o livro, a escrita de Anne Rice e cativante e envolvente, nos deixando imersos em cada detalhe exposto. 

Esse livro tem uma pegada filosófica, contemplativa, versando sobre questões complexas da psique humana.

Para quem gosta de uma boa história de vampiros, sugiro que comece por essa obra. Fora que temos o primeiro contato com o querido Lestat, personagem principal de diversos livros da autora. Mas não se engane, aqui Lestat não é apresentado como nenhum vilão, pelo contrário, ele faz parte da triade ( Louis, Lestat e Claudia), onde ele tem que lutar contra a solidão, enquanto Louis é o vampiro que demonstra o encantamento com as possibilidades que sua nova condição. Para mim, Claudia é a vampira mais cruel desse livro, matando sem um pingo de remorso, talvez isso se deva ao fato de que foi transformada ainda na infância, não tendo tido tempo de desenvolver o seu lado emocional de forma adequada.

De qualquer forma, recomendo a leitura desse livro, assim como de toda a obra da autora (das crônicas vampirescas e dos livros das bruxas), mas faça o mesmo com tempo e cuidado, para perceber todos os detalhes que ficam subentendidos. 

Bjos!

comentários(0)comente



Guynaciria 06/03/2018

Louis de Pointe du Lac, é um vampiro recém criado.

Anos se passaram e ele encontra um jovem em um bar, resolve então contar a sua história para ele. Aqui temos todo o drama desse personagem marcante, as dores que sentiu em vida, a curiosidade que o levou a aceitar ser transformado, o arrependimento ao ver o que seria necessário para se manter, a desilusão, o amor por Claudia, a admiração por Lestat, mesmo que ele tenha demorado muitos anos para reconhecer.

Louis representa enquanto vampiro o mal de seu século, com toda a culpa e remorso, permeada pela apreciação do humano e da vida como um todo.

Meu primeiro contato com essa obra se deu através do filme de 1994, estrelado por Tom Cruise, Brad Pitt, Antonio Banderas. Desde essa época eu me encantei pela história, embora tenha passado a gostar de fato quando entrei em contato com o livro, a escrita de Anne Rice e cativante e envolvente, nos deixando imersos em cada detalhe exposto. 

Esse livro tem uma pegada filosófica, contemplativa, versando sobre questões complexas da psique humana.

Para quem gosta de uma boa história de vampiros, sugiro que comece por essa obra. Fora que temos o primeiro contato com o querido Lestat, personagem principal de diversos livros da autora. Mas não se engane, aqui Lestat não é apresentado como nenhum vilão, pelo contrário, ele faz parte da triade ( Louis, Lestat e Claudia), onde ele tem que lutar contra a solidão, enquanto Louis é o vampiro que demonstra o encantamento com as possibilidades que sua nova condição. Para mim, Claudia é a vampira mais cruel desse livro, matando sem um pingo de remorso, talvez isso se deva ao fato de que foi transformada ainda na infância, não tendo tido tempo de desenvolver o seu lado emocional de forma adequada.

De qualquer forma, recomendo a leitura desse livro, assim como de toda a obra da autora (das crônicas vampirescas e dos livros das bruxas), mas faça o mesmo com tempo e cuidado, para perceber todos os detalhes que ficam subentendidos. 

Bjos!

comentários(0)comente



Nayah 02/03/2018

Há uns dez anos atrás, eu fiz a minha primeira tentativa de leitura deste livro, mas não deu certo. Acabei migrando para um lado mais cor de rosa das histórias vampirescas e lembro que achei o livro extremamente enfadonho. Hoje, volto aqui para deixar minhas impressões de leitura que, diga-se de passagem, foram completamente inversas.

Entrevista com o vampiro é um romance filosófico e versa sobre questões variadas e extremamente complexas. Nele, acompanhamos o vampiro recém transformado, Louis, que narra como foi sua imersão e adaptação ao universo vampiresco. Acredito que este é um livro que ou você termina a leitura amando ou termina odiando, dificilmente terá meio termo.

A grande sacada de Rice está justamente no dilema presente em toda a narrativa. Ênfase no ‘toda’.

Louis é seduzido por Lestat ainda em seu leito de morte. Este o faz acreditar que sua ascensão no universo vampírico amenizará todo o tormento sentimental pelo qual o protagonista passou em seu período humano. Mas ao contrário do que ele pensa, Louis é praticamente atacado por todos os lados com angústias que ultrapassam até mesmo a compreensão sobrenatural. Como se isso não fosse o suficiente, Lestat, seu criador, ao contrário de Louis não apresenta qualquer consideração por seres humanos e os vê meramente como alimento ou como um meio de alcançar alguma satisfação, seja financeira, sexual e etc, o que faz com que o protagonista se sinta ainda mais miserável.

E se você acha que Lestat é o personagem mais cruel desse livro, pode baixar as expectativas. Isso mudará drasticamente com a aparição de Cláudia. Gosto de pensar que a autora criou um equilíbrio adorável com os três personagens. Louis demonstra encanto e espanto por todas as possibilidades que sua condição vampiresca oferece e, no entanto, não consegue aceitar que para ter tudo isso é necessário tirar a vida de outro ser. Acho que para mim, o grande diferencial deste livro está na constante reflexão sobre a solidão. Enquanto muitos autores trabalham a eternidade como uma dádiva, Rice desconstrói a perfeição da imortalidade e oferece toda a obscuridade que a perda e a solidão oferecem.

Em contrapartida temos Cláudia. Acredito que ela é uma das personagens mais cruéis deste livro, mas por outro lado é preciso considerar que ao contrário dos outros dois, ela não teve tempo de desenvolver sua humanidade. Transformada ainda na infância, Cláudia aprendeu inicialmente a suprir sua principal necessidade: a sede de sangue. Depois, a como adaptar-se ao universo humano, mantendo em segredo sua condição. Tudo era devidamente arquitetado visando algum ganho, nunca por consideração. Tanto que durante toda a narrativa ela não demonstra um pingo de remorso e mesmo Louis, que a ama profundamente, indaga sobre a frieza que ela demonstra durante o convívio dos três.

Lestat é uma incógnita até para mim. Por vezes demonstra flashes intensos de humanidade, em outros se torna um vampiro impiedoso e possessivo. É muito difícil compreendê-lo e neste caso, prefiro me abster de qualquer opinião, pois acredito que não faria jus ao personagem.

Além de toda essa miríade, a autora também nos oferece - o que na minha humilde opinião é a cereja do bolo - uma divisão no livro que me rendeu papéis leitores diferenciados. Aí você para e pensa: OI?

Sim! EU, como leitora, senti que assumi três papéis diferentes durante a narrativa. Na primeira parte do livro era possível ver claramente o vampiro e seu entrevistador conversando, e nesse caso, eu me senti como uma mera espectadora. Como se estivesse apenas observando o diálogo entre os dois. Na segunda parte, parecia que assim como o entrevistador, eu estava ali tomando nota de tudo o que Louis compartilhava e na terceira parte, senti como se estivesse literalmente no lugar DO entrevistador. O mais interessante é no decorrer da leitura, eu sentia que algo estava diferente, mas não conseguia compreender o que era. Só fui capaz de perceber esse detalhe no final do livro graças ao último acontecimento no qual Louis faz com que cada um volte ao seu papel inicial.

Quando terminei a leitura desse livro, compreendi as críticas dirigidas a Stephenie Meyer. Eu li toda a Saga Crepúsculo e cheguei à conclusão de que comparar as duas obras – como frequentemente acontece - é uma crueldade. E sim, ela pecou muito e deixou soltas partes da trama que não tinham como chegar a lugar algum. Inclusive, a sensação que ficou quando parei para analisar foi de que ela fez uma seleção de ‘características’ que deixariam os vampiros do livro ‘ideais’, ou ‘perfeitos’ aos olhos do público. Magoou, magoou mesmo. Foi triste de ver. Porém, tiro um momento aqui para destacar que algumas críticas deveriam ser desconsideradas, não por não terem fundamento e sim por serem unicamente maldosas.

De qualquer forma, recomendo a leitura do livro de Anne Rice, mas aconselho a fazê-lo com bastante tempo e paciência, do contrário, ele não irá prender sua atenção.
comentários(0)comente



Izael.Pereira 01/02/2018

Entrevista com o Vampiro (Anne Rice – 1976). Nota: 3,5
Entrevista com vampiro, livro que dá início à Crônicas Vampirescas, narra a trajetória do vampiro Louis, relatando seus medo e anseio em tentar compreender os mistérios por trás do mundo dos vampiros.
A história começa com o encontro de Louis e um jovem jornalista a quem ele concede uma entrevista. Louis faz um minucioso relato de como era sua vida antes e após ser transformado.
A autora, Anne Rice, narra os primeiros fatos que acontecem na trama, na sequência assume a primeira pessoa, dando voz a Louis, e vez o outra, Rice retoma a terceira pessoa para descrever as reações do vampiro e do jornalista.
A princípio, a leitura e um pouco cansativa, arrastada; mas a partir da segunda parte, após as primeiras oitenta páginas, a história começa a tomar consistência, e, portanto, torna-se interessante. Mas, apesar de sem bem fluida, é lenta, pois Louis aos poucos e detalhadamente, vai revelando seus medos, indagações e aventuras nesse novo mundo que lhe foi apresentado, após conhecer Lestat, o vampiro que o transformou.
Certamente, Entrevista com o Vampiro, não é um livro para aqueles que buscam uma história com muito ação e sangue, mas sim uma narrativa que aborda a relação entre esses, revelando que, ser imortal pode ser tão doloroso quanto ser mortal.
Rice, na sua narrativa, trouxe questionamentos quanto aos mitos sobre esses seres sobrenaturais. Não se sabe se propositalmente, mas ficam no ar algumas indagações impostas nos conflitos que Louis traz consigo, e que aos poucos vamos compreendendo, tendo em vista seu envolvimento com a religião antes de se tornar um vampiro.
Contudo, todos esses questionamentos levantados pelo personagem, e o fato de ele sofre por ser vampiro, deixa a história cansativa, mas ao mesmo tempo todo esse sofrimento que no início causa estranheza e até mesmo antipatia, acaba nos colocando a questionar esse universo mítico por trás dos vampiros, e até mesmo compartilha em determinado ponto, das aflições e questionamentos de Louis.
De modo geral, confesso que nas primeiras páginas do livro, tive vontade de desistir, mas ter continuado valeu muito a penas, pois a história no prende, aguçando a curiosidade e nos conduzindo para um final surpreendente.

comentários(0)comente



Ana 03/12/2017

Minha Iniciação na Obra-Prima
O primeiro livro que comprei e li da Anne. Simplesmente sensacional! Já tinha lido em 2011 e terminei de reler agora, onde pude relembrar de certas cenas e de apreciar novamente outras.

Louis é o vampiro da entrevista. Louis reflete, mas reflete MUITO! Tudo ao seu redor é motivo para reflexão ou contemplação. Tem horas que é um pé no saco. Outras, vontade de por ele no colo... *_* E é um homem de grande beleza.

Lestat é um vilão contado, mas esse é o ponto de vista do Louis. Só não sei se ele teve essas impressões pelo Lestat por realmente desconhecer seus mistérios, ou por coitadismo mesmo. Ainda assim é incrível esses dois juntos!
A Claudia, apesar de chata, tem seu papel na história. Compreendo sua revolta, de certa forma.

Tem alguns trechos maçantes, como o da viagem a Europa, ou ele descrevendo o aspecto do fogo e da madeira na lareira da torre de Armand. Mas suas reflexões e impressões são mais fixadas na vida vampiresca, na sua auto aceitação, e busca por uma explicação transcendente. Se tiver leitor que pensa sobre esses aspectos, gosta de vampirismo, até mesmo também de metafísica, corre o agradável risco de amar as crônicas de Anne.

Ah! E acho que é um destaque da obra ser, se não estiver errada, a primeira do gênero retratar vampiros de forma humanizada e com uma mitologia digna da Grécia, onde tem reviravoltas dignas de deuses. Enquanto por exemplo, Dracula, Nosferatu, se resumem a matar, os vampiros de Anne Rice parecem habitar um Olimpo. São seres sobrenaturais de sentimentos humanos. O Louis que o diga!
comentários(0)comente



Mick 12/11/2017

Entrevista com o Vampiro - Anne Rice
"Quando olhava dentro dos seus olhos, sentia-me como se estivesse sozinho no fim do mundo... numa praia oceânica batida pelos ventos. Sem nada, além do rugido macio das ondas".

Há tempos que queria ler esse livro... Desde que assisti ao filme, ainda no século passado... rs (Não, não sou um vampiro! Rs) Às vezes o filme também nos leva aos livros, não é verdade? Nem sempre temos que ler primeiro... A história começa com um jovem repórter entrevistando Louis de Pointe due Lac, nascido em 1766 e transformado em vampiro por Lestat, um vampiro sedutor, mas bastante possessivo. Louis conta sua história aos ouvidos atentos do repórter, revelando segredos do mundo dos vampiros.

Mais que um livro de terror, com muitas mortes e sangue, é um livro filosófico de reflexão sobre os impactos que a consciência da eternidade causariam em nós... Os personagens principais são muito cativantes, principalmente Cláudia, a menina vampira...

Nesse livro, vivenciamos com Louis seus medos, angústias, revoltas e frustrações... Os conflitos de sua consciência humana e sua condição vampira...

O enredo é ótimo, mas não é um livro simples de se ler... Acho que os personagens ficam divagando, o que torna a leitura um tanto lenta em alguns trechos. Mas, vale muito a pena conferir!
Day Morais - @lendo1bomlivro 12/11/2017minha estante
Adorei! Quero ler!!




Arca Literária 25/10/2017

resenha disponivel no link a partir do dia 01/01/2018

site: http://www.arcaliteraria.com.br/entrevista-com-o-vampiro-a-historia-de-claudia-anne-rice/
comentários(0)comente



Paula.Souza 06/10/2017

Sem surpresas..
O livro retrata a história do vampiro Louis e como foi sua transformação e sua negação aquilo que ele havia se tornado um vampiro.
Bom sem mas o livro é bom, achei o capítulos muito longos e pra quem viu o filme antes de ler o livro como eu não teve nenhuma surpresa ou alteração enfim , gostei mais do filme que do livro.
comentários(0)comente



L Soares 30/06/2017

A primeira coisa é que o filme é muito fiel ao livro, então sem grandes surpresas. Mas para quem não é tão tiozão como eu e talvez não conheça a adaptação cinematográfica de 1994, Louis, um vampiro amargurado com a sua pós-vida, decide contar sua história. A narrativa se dá toda por sua perspectiva, desde sua vida mortal, seu encontro com Lestat, o vampiro que o transformou, e os fatos relevantes de seus duzentos anos. Narrando a relação conflituosa entre ele e Lestat, e deles com Cláudia, uma menina transformada em vampira para ser a filha eterna de ambos, e sua busca por outros de sua espécie para tentar entender o que são. Eu gosto de história de vampiros, e essa é realmente muito interessante, integralmente da perspectiva dos vampiros, e retratando a relação entre eles, destes seres com sua própria condição, e deles com as pessoas, seu alimento. Por tudo isso quero ler os demais livros da série. Mas sobre este primeiro livro, achei a narrativa lenta e meio arrastada. Louis é um tanto quanto dramático em relação a aceitar sua nova natureza, fazendo considerações de cunho moral/religioso sobre sua alma, principalmente por causa do seu irmão, e de toda a história envolvendo sua morte, e a repetição desses pensamentos e as discussões com os demais por conta de sua incapacidade de abraçar a vida como um predador, para mim, tornou sofrível ler algumas partes da história (no fim do livro só me referia a ele mentalmente como drama queen), Lestat é definitivamente mais divertido. Um PS. para quem leu esse livro, A História de Cláudia é uma graphic novel publicada recentemente com a versão da Claudia para toda a parte da história deste livro em que fez parte. O fim da Graphic Novel todos já sabem evidentemente, mas a arte é muito linda, vale muito a pena.
comentários(0)comente



Milas Caldas 17/06/2017

Meu primeiro contato com As Crônicas vampirescas foi através da adaptação cinematográfica de 1994, Entrevista com o vampiro, e até hoje, meu vampiro favorito do cinema é o Lestat interpretado por Tom Cruise. Um verdadeiro diabo com sorriso encantador. Então imagina a minha surpresa ao descobrir que existia um livro por trás. Escrito em 1976, Entrevista com o vampiro é considerado um dos clássicos do gênero, sendo referência e inspiração para milhares de outras obras.

O livro é todo narrado em primeira pessoa, e, como já sabemos no título, trata-se de uma entrevista. Interessado em contar sua história, Louis Pointe du Lac procura um jovem repórter e começa a contar seus mais de 200 anos de vida, começando pela Nova Orleans escravocrata até os dias “atuais” (que no caso seria 1976, o que pra gente não tem mais nada de atual).

Sentindo-se extremamente culpado pela morte do irmão, Louis deseja arduamente a morte. E, é assim, neste estado ele conhece o vampiro Lestat que o transforma em vampiro. Mas, apesar dos novos instintos, ele sente-se mal em tirar uma vida humana, então passa a alimentar-se de animais. Os anos ao lado de Lestat acabaram tornando-se bem desgostosos, mas ele não abandona o criador por acreditar que Lestat possui segredos que não quer revelar.

A história é bem interessante, e tem muitas reviravoltas. A história ainda nos apresenta outros personagens marcantes como a pequena Cláudia, e o vampiro Armand. Nós conseguimos acompanhar a evolução da humanidade, e perceber que alguns personagens, alguns vampiros continuavam estagnados no tempo.

Uma história incrível, e muito bem documentada historicamente, este livro é uma verdadeira obra prima da fantasia, um livro que todo amante do universo vampírico (existe essa palavra? rs) precisa ler. Não só este livro, mas todos os outros das crônicas.

site: http://minhacontracapa.com.br/2016/07/resenha-entrevista-com-o-vampiro-as-cronicas-vampirescas-livro-01-de-anne-rice/
comentários(0)comente



Poesia na Alma 16/06/2017

fascínio no leitor
A obra possui uma narrativa fluída, embora não tenha divisão de capítulos. Costumo achar livros assim divididos meio enfadonhos, mas ele se mostrou excepcionalmente fluído e denso. A trama gira em torno da perspectiva de Louis, um vampiro transformado por Lestat no ano de 1791, quando tinha apenas 25 anos. Segundo ele, Lestat o escolheu por ele possuir um imóvel na zona afastada da cidade, que era de interesse do misterioso vampiro. A partir daí, nasceu uma dependência de ambos os lados, e apesar de Louis não sentir afeto de qualquer espécie por Lestat, ao mesmo tempo se via enredado nele, sem conseguir ficar longe de seu 'Criador'.

continue lendo - http://www.poesianaalma.com.br/2017/06/resenha-entrevista-com-o-vampiro.html
comentários(0)comente



Annie 14/05/2017

Entrevista com o vampiro
Tenham em mente, antes de tudo, que quando se trata de livros de Anne Rice é retratado o vampiro clássico: aquele que se veste com roupas elegantes do século XIX, dorme em caixões e não pode suportar a luz do sol. Adicionem também um clima sombrio e a melancolia com que Louis descreve sua vida. Com isso você terá Entrevista com o vampiro, o livro gótico que dá início às Crônicas Vampirescas.

Louis é conhecido pelos outros imortais como o vampiro mais humano que existe. Ao ser transformado, Louis não quer perder sua humanidade e esse é o grande conflito do livro. Ele é um vampiro, mas não quer agir como um e isso se torna sua maldição.

site: https://eradistopica.wixsite.com/eradistopica/single-post/2017/05/14/Entrevista-com-o-vampiro---Resenha
comentários(0)comente



254 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |